História Tombe Ele! - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Shingeki no Kyojin (Attack on Titan)
Personagens Armin Arlert, Eren Jaeger, Erwin Smith, Hange Zoë, Jean Kirschtein, Levi Ackerman "Rivaille", Mikasa Ackerman, Mike Zacharius, Mina Carolina, Personagens Originais, Petra Ral
Tags Eren Seme, Eren Surfista, Ereri, Fluffy, Hanji X Erwin, Jearmin, Levi Uke, Romance Adolescente
Visualizações 282
Palavras 2.018
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oin, turu boun?
Não vale matar o autor, já adianto!
Antes tarde do que nunca, então tá aí capítulo novo e bonitinho (ou não) pra vocês <33

Vão ler, nos vemos nas notas finais!

Capítulo 5 - Por que tem que ser tão complicado?


Fanfic / Fanfiction Tombe Ele! - Capítulo 5 - Por que tem que ser tão complicado?

Part Eren


- Levi você está bem?

"Porque eu não estou", foi o que minha mente pensou. Ele estava agarrado a mim agora, se apoiando em meus ombros e enlaçado à minha cintura, ainda arfando por conta do susto que tomou. Eu tinha visto aquela maldita onda atrás dele e justo quando ía avisar ele a Hanji o fez me distraindo, acabando com ninguém evitando que Levi fosse arremessado na minha direção. 

Levei minhas mãos até seu rosto fazendo-o me encarar, só então notei o quanto aqueles olhos podiam me prender. Levi tinha os olhos de uma cor azul linda, adornado pelo belo tom acinzentado, transformando suas orbes num belo mar revolto em um dia de tempestade. Era realmente uma obra de arte. E querem saber do pior? Estou gostando até demais desse filho da mãe tão perto... Puta que pariu! Salvei todos os detalhes do seu rosto na minha cabeça, incluindo a forma como sua boca me parecia extremamente convidativa.

De repente, um lampejo de consciência ficou evidente em sua visão e em seguida Levi me soltou, saindo do meu colo. Nadou até a bola, aquela que estávamos jogando "A,B,C,D", e a sustentou nas mãos me deixando confuso. Logo depois me veio o esclarecimento.

- D! - ele gritou jogando a bola no meu peito que bateu e quicou na água. - Queimado! Tá fora! Eu ganhei!

Começamos a rir e - por piedade - deixamos com que essa vitória contasse pra ele. Jogamos mais umas três partidas, Levi do lado oposto de onde as ondas vinham dessa vez, antes de voltarmos à tenda para comer mais um pouco. Já estava quase na hora de ir embora, portanto fui me despedir à altura daquele mar tão lindo de Miami Beach...

Com uma boa surfada!

Peguei minha prancha, entrei no mar e esperei até uma onda 'daora aparecer. Quando a boneca resolveu dar as caras só fui em direção à ela, começando com algumas manobras básicas que todo surfista que se preze sabe fazer. Era incrível estar dentro do mar! Foram tantas as vezes em que meu pai me trazia aqui para me ensinar a surfar. Tomei uns caldos, acertei outros... O velho sabia ensinar, mas também não facilitava nada. Sempre me disse que se quisesse aprender alguma coisa que fosse na prática.

Realmente, ele não estava de todo enganado.

Ainda me lembro do dia em que ele morreu. Estava tão triste que só pensei em correr. Corri até os meus pulmões doerem e só parei quando cheguei no nosso lugar favorito, a enseada. Lembro de cair ajoelhado no chão de areia, da água salgada subindo até minha coxa e o como minhas lágrimas eram derramadas no mar, se perdendo naquele imenso oceano. Claro, lembro também da quase surra que levei da minha mãe quando voltei pra casa.

É, foram bons tempos.

Ouvi meus amigos me aplaudindo da tenda, olhei pra eles e fiz o gesto de surfista com uma das mãos. Mas a maior surpresa foi constatar que certo baixinho também me observava atentamente, de olhos bem grandes em mim. Sorri de canto e então saí da onda com estilo. Recebi elogios de banhistas enquanto voltava a tenda, especialmente de garotas. Quando cheguei lá Mikasa de imediato jogou uma toalha para me secar, ela sempre com sua mania de proteção comigo.

- Está satisfeito Eren? Porque já está na hora de irmos. - Jean avisou.

- Por mim eu ficaria aqui pra sempre. - disse indo dar uma ajudinha para desarmarmos tudo.

- Até parece que isso vai acontecer. Se a Carla ouvir isso ela quebra um côco na sua cabeça! - Armin contradiz.

- Carla? - Levi e Hanji perguntam juntos, também vindo ajudar.

- É, é minha mãe.

- Ah. - Levi diz.

- E ela sabe que o filho dela surfa tão bem? - Hanji pergunta.

- Sim, ela tem muito orgulho.

- Um hum... - Mikasa debocha.

- Você devia ensinar o Levi então pra ver se ele vai mais à praia. O bicho é tão branco, olha aí. Parece uma cola! - Hanji esboça um sorriso ao terminar de falar.

- Hanji! - Levi repreende com uma cara "feia". Ele ficou tão fofo daquele jeito.

- O que foi Levi? - Hanji brinca.

- Se você quiser, é só marcar o dia. - falo.

- Não, ela só falou brincando mesmo.

- Pois é, e eu tô falando sério.

- Uepaaa! - Hanji ri.

- É sério, tipo sério? - ele perguntou enquanto levávamos a mesa para a picape do pai de Connie.

- É, contanto que você não seja um adversário do campeonato disfarçado, não tem problema.

- Tá bom. Quando? - disse soltando o ar depois da mesa estar no veículo.

- A gente marca depois. Tenho a impressão de que vamos nos ver muito ainda.

Com isso terminamos de arrumar as tralhas que trouxemos, fechando a traseira da picape e todos se despediram para seguir seus destinos.



Pois é, nessa época eu não sabia que meu destino já estava logo alí.



Part Levi


Idiota.

Burro.

Touxa.

Otário!


Porque estou me torturando psicológicamente? Vejamos... Eu estou de férias nessa cidade há pouco mais de 4 dias, já peguei um crush num cara muuuito gato, ele me dá bola e ao mesmo tempo não e para piorar a situação ele ainda quer me ensinar a surfar! Como eu posso algum dia surfar? Ele vai me achar uma barata tonta assim que me ver subir na prancha. Ah, é... Fora o fato de que ele ainda nem se deu o trabalho de marcar um dia pra aula! 

Espera, eu tô querendo que ele marque uma data? Eu não quero surfar! Isso é tudo culpa da Hanji...

É claro!

A culpa é daquela doida, não minha. Aquela maldita quatro-olhos que me colocou nisso tudo! Foi ela quem me arrancou do meu apartamento para vir pra cá, ela quem me atirou como um pedaço de carne pro Eren com essa história de aula de surf...

Resumindo?

HANJI É O CARALHO DE TODO O UNIVERSO!

E essa criatura, não achando pouco todo o circo que já me fez passar, hoje marcou de todo mundo da casa ir para o cinema assistir a um filme. Ok, um filme pode até me distrair. Mas só se eu conseguir ver o filme com essa demora dela em tomar banho.

- Ô louca! - esmurro a porta. - Vai demorar quanto tempo mais aí? 

- 15 minutos.

- Que? De jeito nenhum! Piranha você já é, minha querida. Não precisa ficar o dia todo embaixo d'água pra saber disso.

- Pau no seu cu.

- VOCÊ NÃO ME FAZ ARROMBAR ESSA PORTA SUA PRAGA!

Desisto de ficar esperando e vou me juntar ao resto do pessoal na sala, já que todos nós estamos prontos e Hanji é a única faltando. Justo ela que é quem? A anfitriã da ideia de irmos para o cinema! Oh, que beleza meu Deus... É hoje que eu faço canja de galinha pro jantar. Após 20 minutos ela desce pronta e sorrindo cinicamente, até tentaria discutir mas já era tarde e precisávamos correr.

Era Quarta-Feira, 18:23, a cidade de Miami brilhava ao cair da noite. Boates já começavam a serem abertas, restaurantes e bares a encher de pessoas e nas ruas havíamos nós... Um grupo de retardados com um gato - eu - acompanhando. Nosso filme começava às 18:45, então fomos andando despreocupados. O filme se chamava "Com Amor, Simon", e era uma comédia romântica. E o melhor... Romance Gay! Chegamos no cinema e perdemos a fala com quem encontramos na bilheteria.

- Jean? - ele estava dentro da cabine vendendo os ingressos.

- Mas olha quem está aqui! Vocês combinaram de vir ou o quê? - saudou alegre em nos ver.

- Você trabalha aqui? - Hanji perguntou animada.

- É né, a gente tem que ter pelo menos uma fonte de renda enquanto não decide o que quer da vida.

- Vem cá, e não rola uma entrada grátis? - Erwin mão de vaca como era logo perguntou.

- Pra seis cabeças? Sinto muito, cara.

- Ah, qual é Jean! - Mike veio em ajuda de Erwin. - Você é o namorado do meu primo 'brother. Se não faz pela gente, faz pelo Armin.

- Entendam, eu não posso dar seis ingressos de graça assim. Senão vou ser demitido! Mas... - ele entrega um papelzinho a Mike. - Digamos que o meu namorado deu ao primo dele um cupom de 50% de desconto, hãn?

- Agora sim 'men! Já tem meu consentimento pra se casar com o meu primo. - Mike faz coraçãozinho no peito.

- Quem sabe um dia. Qual filme querem assistir?

- Com Amor, Simon! - Erwin respondeu.

- Ok. São 10 dólares.

- Aqui. - Erwin paga e vamos comprar a pipoca.

Não tinha muita fila na lanchonete do cinema, na verdade no cinema inteiro não tinha quase ninguém. Claro, levando em consideração o dia em que vinhemos, além de não ter nenhum filme relativamente novo em cartaz e a praticidade da pirataria na internert, não era de se admirar muito. Logo já tinhamos nossos baldes de pipocas na mão e esperávamos os 5 minutos que restavam para entrar na sala.

E quem é que disse que em 5 minutos seu mundo não pode vir abaixo?

Estava tudo até que bem. Quer dizer, entradas com 50% de desconto, pouca fila na pipoca, quase ninguém também pra assistir o mesmo filme que a gente. Mas o universo realmente tinha que aprontar. Uma sala tinha acabado de terminar de rodar o filme e agora o pessoal saía dela para seguir com suas vidas, uns acompanhados outros sozinhos, mas eu não acreditava no que meus olhos viam.

Eren estava alí, ele saía da sala ao lado de uma loira amaldiçoada com um nariz de tucano horroroso, ou era só meu instinto mesmo tentando me achar superior. Ela segurava um balde de pipoca e ele tentava roubar algumas delas, tudo isso enquanto abraçava a nariguda por cima do ombro.

Hanji também viu aquilo e olhou para mim de imediato, mas eu não devolvi o olhar. Não podia. Eu não conseguia controlar nada em meu corpo a não ser ficar estático olhando a cena. Foi então que ele olhou na nossa direção e finalmente pude virar meu rosto para o lado contrário, fingindo que não o tinha visto. Quem dera isso tivesse me livrado dele.

- Não acredito que estão aqui. - Eren sorriu animado. Não olhei, mas sabia que estava sorrindo. Eu conhecia aquele tom de voz.

- Imagina a gente querido. - Hanji devolveu tentando disfarçar a rispidez.

- Bom, deixem eu apresentar a vocês. Essa é a Annie, é minha amiga dos tempos de escola. 

- Só amiga mesmo Eren? Maior gata a bicha aí. - Hanji jogou o verde por mim.

- Obrigada. - Annie agradeceu a Hanji.

- Sim, só amigos. Levi?! - Eren me chamou.

- Sim. - me virei pra ele.

- Tá tudo bem? Você está estranho.

- Impressão sua. 

- Hum... Aí, tô te devendo aquela aula de surf não é? Você tá livre no sábado?

- Não. - respondi seco.

- Não? - perguntou confuso.

- Não vê a hora de ir, é isso que ele quis dizer! - Hanji explicou, fazendo uma cara de "cala a boca" para mim.

Hum... Muita audácia dela responder o que eu não quero.

- Então sábado está bom?

Hanji me olhou com cara de súplica.

- É, sábado tá bom.

- Ok. Na praia, às 14:00!

Nos despedimos logo em seguida, o filme já iria começar e agradeci por isso. Sentamos nos nossos lugares sem muita cerimônia, vendo os trailers dos próximos filmes que  chegariam em cartaz e blá, blá, blá.

Se eu lhes contasse que assisti o filme inteiro e entendi tudo, vocês poderiam me crucificar como um mentiroso de marca maior porque isso não aconteceu nem de longe. Minha mente ficava voltando repetidas vezes no momento em que vi Eren e a tal de Annie. Quando dei por mim o filme já tinha acabado, eu não sabia de nada do que tinha passado e do mesmo jeito que não prestei atenção à nada, voltei pra casa totalmente mudo.

Porra, Eren!

A única coisa que eu queria era voltar para o quarto da casa da praia, me jogar na minha cama e dormir até o mundo acabar com o som do mar arrebentando de fundo.

Ainda que o mar só me faça me lembrar ainda mais da face daquele desgraçado do Eren!


Maldito!

Mizeravi!

Idiota!


Mas, acima de tudo...

Meu Crush que um dia hei de tombar!















































TO BE CONTINUED


Notas Finais


EAÊÊÊÊ DJ?
O que acharam?
Eu tô #soft.
Comentem, sou um Amor<333
Mas não me linchem, please!
Linchem o Eren que causou a bad em geral!

Até o Próximo :*
❤💛💚💙💜💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...