1. Spirit Fanfics >
  2. Tomboy (twice 2Yeon) >
  3. Take me to church

História Tomboy (twice 2Yeon) - Capítulo 6


Escrita por:


Capítulo 6 - Take me to church


Fanfic / Fanfiction Tomboy (twice 2Yeon) - Capítulo 6 - Take me to church

Irene on* 



   Kang Seulgi... uma garota... hum.. como eu posso dizer..? Peculiar? Não, não. Diferente? Louca? Irritante? Sinceramente.. não sei, ela é a mistura disso tudo. Desde quando nos conhecemos mais “formalmente” naquela boate, ela vem tentando ter algo comigo, sempre dando investidas, olhares e cantadas horríveis! E agora não era diferente..


   — Colé Rene.. porque não quer ficar comigo? Só um beijo! — Ela me olhava com aquela cara de sonsa e inocente dela, mas, todos sabiam que ela era tudo! Menos inocente..


   — Me deixa Seulgi! Até parece que nunca levou um não na vida! — Olhei ao redor e vi Solar saindo com uma garota de fininho, Rose de conversinha com uma loira muito bonita, Jihyo conversando com um garoto, Nayeon estava com a Yoo, Mina falando com a garotinha, Momo abraçando a Dahyun, como sempre, e a Tzuyu dançando com a Sana? É Sana. — E outra! Eu sou hétero! Me deixe! — Tentei sair de perto dela pra pegar mais uma cerveja mas ela me puxou novamente me prensando na árvore com o seu corpo.


   — Hétero é? — E aí estava... o olhar aquele olhar debochado e extremamente perigoso. — Sabe JooHyun.. já tem um tempo que eu venho te observando.. e você acha que eu nunca vi os olhares que você sempre dava, ou da, na bunda de suas amigas? Ou até mesmo as secadas que você dava na Wendy? — Ela pegou em minha mão e a levou até a sua bunda e a deixou lá. — Vai por mim amor.. eu tenho bem mais que elas.. e você pode seca-la o quando você quiser.. basta pedir. 


   — Eu não sou igual a essas garotas que você pega Kang. Não sou do tipo descartável ou que você pode ligar sempre que estiver com vontade de foder. — Retirei a minha mão se sua bunda e tentei me desvincular do aperto e sair dali mas ela apenas segurou em minha cintura me impedindo de sair. 


   — Saiba de uma coisa Bae. Eu estou des da 7º série de olho em você.. — Ela me olhava diretamente nos olhos sem vacilar nem nada. — Tem certeza que você é qualquer uma? Não é porque eu gosto de você que eu vou ficar sem pegar alguém. E outra... eu tenho certeza que você não é hétero e eu posso provar isso agora..  — Ela puxou levemente a minha nuca e me beijou.


Talvez eu não seja tãooo hétero assim.



[...]



   Jeongyeon* 



   Meu dia não estava tão bom assim. Minha irmã foi viajar para gravar um dorama quinta, ou seja, eu não podia ficar sozinha na casa dela, então eu tive que voltar para casa, infelizmente, meu pai quase descobriu sobre o carro, então, eu tive que deixá-lo na casa de minha vizinha que por sinal era uma senhorinha muito gentil e sempre me deu apoio. Enfim... foi um inferno ter que voltar pra lá meu pai novamente foi grosseiro comigo e minha mãe não podia fazer nada quanto a isso. Na noite de quinta eu acabei não jantando já que eu meio que soltei um “você é só um vagabundo que está se aproveitando do dinheiro de minha mãe.” Aí ele correu atrás de mim mas eu consegui me esconder no meu quarto e tranquei a porta e empurrei o meu armário para a frente da mesma a tampando. Ele ficou por um bom tempo tentando arrombar a porta mas desistiu e foi comer. Nessa mesma noite eu arrumei uma mala com roupas e outros pertences para me mudar para o galpão. Espero que os meninos não se incomodem de eu ficar alguns dias ali.


   — Jeong? — Ouvi Nayeon me chamar bem baixinho. — Está tudo bem? Você está com o cenho franzido.. está com raiva? Quer que eu desça? 


   — Não Im, está tudo bem. É apenas o meu cabelo caindo em meus olhos e tá coçando um pouco.. — Menti e olhei para a garota que prestava atenção em minhas palavras. 


   — Espera! Para um pouco. — Ela desceu de minhas costas e ficou na minhas frete. — Fique parada irei arrumar o seu cabelo. — Ela passou a mão em minha franja a arrumando e depois prendeu o meu cabelo em um rabo-de-cavalo com um elástico de cabelo que ela tinha em seu pulso. — Prontinho! Você fica fofa com essa franjinha. — Ri levemente com sua fala. 


   — Vai por mim Im.. entre eu e você.. você é a fofa — Apertei suas bochechas e ela sorriu mostrando os dentinhos dela. — Parece um coelhinho da Deep Web.. 


   — Como é?! — Ela mudou a expressão na hora, saindo de risonha para ofendida e a única coisa q eu fiz foi rir de sua reação.


   — Vem snowball.. — Peguei em sua mão e a puxei até o acampamento que estava logo à frente. 


   — SHIPPEI FODASE! — Ouvi o grito de Lisa e apenas mostrei o meu dedo do meio para ela. — ENFIA NO CU GROSSA! 


   — E GRANDE! — gritei de volta para a garota que apenas riu e mandou um beijinho. Padrão Lalisa Manobam. 


   — Eu acho engraçado a forma que você trata os seus amigos.. — Olhei para Nayeon sem entender. — Tipo.. vocês estão sempre brigando mas sempre que algum precisa de ajuda vocês estão ajudando, a amizade de vocês é verdadeira e isso é incrível. Você tem várias pessoas em que pode confiar aqui Jeongyeon. Saiba disso. — Nayeon apertou levemente a minha mão e me puxou até a mesa de comidas. — Vamos comer algo! Esses sanduíches estão incríveis! 


   Eu ainda estava pensativa estão concordava com tudo que Nayeon falava. 


E como ela disse.. eu tenho pessoas em que posso confiar aqui. 



[...]



   Já era por volta das 10:27 da noite e a festa ainda estava rolando. Estavam todos conversando e dançando na parte do acampamento, e eu estava sentada na beira do lago bebendo e olhando as estrelas, meu dia estava legal mas não queria voltar para casa amanhã.. Seungyeon só vai voltar de viagem na terça-feira pela noite, e eu não quero esperar até terça para ir dormir na casa dela.


   —... Merda... — Praguejei baixo e bebi o restante de minha bebida. 


   — Jeongyeon? O que está fazendo aqui? Sozinha? — Seulgi apareceu do meu lado com uma feição preocupada.


   — Só estou olhando o lago.. ele está bonito.. — Comecei a encarar o lago que refletia perfeitamente o céu azulado e cheio de estrelas. 


   — ... — Seulgi suspirou e se sentou ao meu lado. — Sei que não é só isso Yoo. Te conheço tempo o suficiente para saber quando você está mentindo. Anda.. desembucha. — Respirei fundo antes contar o que aconteceu.


   — É o meu... pai... — Disse a última palavra com desgosto em minha voz. — Na quinta-feira a Seungyeon precisou viajar para Jeju por conta de um dorama, e só volta na terça ou quarta. E bom... na quinta à noite eu voltei para casa, e meu pai quase descobriu sobre o carro. E você sabe né? Se ele descobrisse da existência dele ele provavelmente ia quebrá-lo ou ia tomá-lo de mim e diria; “Você não merece algo assim! Este carro não foi feito para você! Me passe a chave peste!”, ou alguma merda parecida. E nessa mesma noite, na hora do jantar, eu disse que ele era um vagabundo que só estava se aproveitando do dinheiro de minha mãe... ele quase me bateu, mas, consegui me trancar no quarto antes dele fazer algo. — Confessei e deitei a minha cabeça no ombro de Seulgi, que apenas suspirou antes de falar. 


   — Você tem que denunciar esse cara Jeongyeon. Eu já te falei várias vezes sobre isso. — Ela deu uma pausa antes continuar. — Ele é abusivo, possessivo, agressivo, machista, homofóbico e vários outros adjetivos ofensivos.


   — Você sabe o porque de eu não denunciá-lo.. ele nos ameaça Seul, diz que irá nos matar, que irá se juntar aos amiguinhos deles para “fazerem a festa” caso eu, ou a minha mãe, pensasse em denunciá-lo. Fora que, não temos provas contra ele, se eu fosse na delegacia eles não iam acreditar na palavra da porra de uma adolescente de 17 anos! — Exclamei enfurecida, eles não iam acreditar em mim.. fora que precisa de um adulto para prestar queixa na polícia.


   — E a sua irmã? — Ela perguntou meio incerta. — Ela não pode ficar com você? 


   — Não.. ela não tem a minha guarda. E caso eu fosse com ela na delegacia meu pai ia falar que era mentira e mais meio mundo de merda. — Respirei fundo e continuei. — Você sabe, a Seung é fruto de uma traição e foi expulsa quando tinha 18, a sorte dela foi que um cara de uma empresa de entretenimento a encontrou, a abrigou e transformou ela na grade atriz que é hoje. 


   — Assim complica.. — Seulgi se deitou na grama e começou a encarar o céu com um biquinho. Era assim que ela bolava as ideias dela. — Porque você não fala com a minha mãe? Ela é advogada! Ela pode te ajudar Jeong! Fora que ela te ama! — Parei para pensar na possibilidade de falar com a senhora Kang sobre o meu caso, mas logo descartei a ideia, eu não teria dinheiro para pagá-la depois.


   — Não posso. — Seulgi se levantou espantada.


   — Como assim não pode?! — Ela tinha os olhos arregalados. 


   — Eu não tenho como pagá-la Seulgi. Simples. — Desta vez eu que deitei na grama e fiquei encarando o céu. — Não posso simplesmente falar isso para a sua mãe. Sei que ela me ajudaria, mas, eu não tenho dinheiro para pagá-la depois, apesar de saber que eu preciso de ajuda.. mas não! 


   — Jeongyeon! Ela é uma das maiores advogadas da Asia! Ela pode coçar esse cara atrás das grades rapidinho! — Eu me levantei e comecei a andar em direção ao restante do pessoal. 


   — Eu posso falar com ela Jeong! — Ela veio atrás de mim. — Ela te conhece Jeon! Ela pode fazer isso de graça! — Eu já estava irritada com isso. Eu sei que preciso de ajuda, mas não preciso de caridade. 


   — Eu não preciso de sua caridade, Kang! Posso lidar com isso sem precisar de “caridade”! Cansei de vocês sempre me olharem com pena sempre que tocamos nesse assunto! Não preciso da pena ou da caridade de vocês! Eu preciso de amigos que me olhem como um igual! Pra mim chega! — Sai de perto dela e ao invés de ir para o acampamento eu voltei para o pequeno morro que eu estava com Nayeon e me deitei na grama, ficando ali deitada apenas encarando o céu estrelado.



[...]



   Narradora On* 



   Seulgi ainda estava parada apenas absorvendo tudo que Yoo Jeongyeon disse para ela. 


   — Porra.. — A garota xingou e jogou uma pedra no lago. Então era assim que ela se sentia com eles? Era o que Seulgi pensava. 


   Após chutar uma pedrinha, Kang se dirigiu até o acampamento sozinha e com a cabeça nas nuvens. Ter chateado a amiga.. era o que ela temia, Seulgi nunca quis o mau de Jeongyeon, nunca na vida dela! Mas ela não sabia que Jeongyeon estava se chateando com a forma em que eles a tratavam. Quer dizer.. eles sempre a tratavam como uma igual, já que, aquele grupo só existia, pois, todos aqueles adolescentes ali não suportavam a vida de “gente rica” deles, a Jeongyeon era a única ali que não estava na classe media alta, e sim da classe média para baixo, bem para baixo. Na verdade.. nem na classe média a Yoo poderia se encontrar, apesar de todo o dinheiro que o pai tem, que ele só tem pelo fato de sempre pegar emprestado com os “amigos” e ele também tinha um “trabalho” só que ele nunca ia. 

   Ela se sentia diferente no meio deles, não gostava de ir para a casa dos amigos, ela se sentia uma estranha, tinha medo que os pais dos amigos não a aceitassem ou de quebrar algo que não podia pagar. Seulgi sabia que a amiga não tinha condições, então ela sempre dava coisas a ela, como camisetas, calças, sapatos caros e já deu até um celular novo a ela. Seulgi fazia tudo isso na inocência, já que, ela tinha demais e a Jeongyeon, de menos, nada mais justo que compartilhar, certo?... Errado. Na cabeça de Jeongyeon, ela achava que eles só estavam fazendo tudo isso por pena, os amigos dela já viram como era a casa dela, que era meio derrubada, já viram como era a situação dela, por isso achava que tudo que eles davam a ela eram doações, sempre que iam em sua casa a olhavam com pena. 

   Nunca se esqueceu de uma vez em que Krystal se ofereceu para pagar uma reforma para a sua casa. Jeongyeon nunca brigou tanto com a Jung na vida... mas Jeongyeon no fundo sabia que eles não faziam tudo aquilo por mau, eles faziam isso porque querem o melhor para a amiga deles, que sempre os ajudou nas mínimas coisas, que sempre os apoiava, que “criou o grupo” deles. 

   Yoo Jeongyeon era a pilastra principal daquela construção, que se destruída, a construção inteira iria cair. Os amigos dela só estavam querendo retribuí-la por estar sempre sendo a melhor amiga deles, por ajudá-los mesmo sem perceber, mas ela não entendia isso, ela não podia aceitar isso... fora criada por um pai tóxico e agressivo que sempre a colocou para baixo e sempre a disse que não prestava e que sempre a dizia para nunca aceitar nada de ninguém já que ela nunca ia merecer. Esta era a dura realidade de Jeongyeon. Realidade, essa que os amigos dela nunca viram...


   — Seulgi? Aonde está a Jeongyeon? — Amber, que estava conversando com Moonbyul, Krystal e Chanyeol, perguntou quando viu a garota chegar sozinha. 


   — Ela está brava comigo.. — Murmurou e se jogou no colo de Moonbyul, que estava cheirando a sexo. — Credo Moonbyul.. você está podre! 


   — Do nada? — Krystal questionou — Ela brigou com você do nada ou você falou algo que ela não gostou? 


   — Eu acho que falei algo que ela não gostou.. — Seulgi saiu do colo de Moonbyul, que estava fedendo, e foi para o colo de Krystal que apenas a abraçou. — De manhã ela estava estranha.. aérea, distante e mais quieta que o normal. Então agora a noite eu perguntei a ela o que tinha acontecido. E ela disse que a irmã estava viajando e teve que voltar para casa, e adivinha.. — Seulgi olhou para o rosto Krystal que logo adivinhou. 


   — Aquele desgraçado... quando eu ver ele eu irei matá-lo.. — A mais velha murmurou com raiva. — Mas, o que você falou a ela? Para ela ficar com raiva? 


   — Ela me contou que ele quase bateu nela, então eu disse que poderia falar com a minha mãe, já que ela é uma das melhores advogadas da Ásia! Ela poderia ajudar.. só que Jeongyeon disse que não podia aceitar já que não tinha dinheiro para pagá-la depois. Então eu disse que a minha mãe gostava muito da Jeongyeon e que podia fazer isso de graça se ela pedisse! Então ela disse que não precisada de minhas caridades e que era para parar de tratá-la com pena. — a Garota explicou e se encolheu mais no colo de Krystal. 


   — Tá explicado.. — A Jung sussurrou. — A Jeongyeon acha que tudo que estamos fazendo por ela é por “pena” sendo que nos só queremos o bem dela.


   — Vamos deixar ela quieta por agora.. ela está meio bebada, e conversar com ela assim só irá irritá-la mais. — Chanyeol comentou. 



Bom gente! Esse foi o capítulo de hoje! Ele foi um pouco mais “explicativo” mostrando mais como a Jeongyeon pensa. 


   Gostaram do cap de hoje? Alguma teoria sobre o que vai acontecer? Tem alguma crítica? Querem que eu mude algo na história? Podem comentar sobre isso eu estarei lendo os comentários! Msm q eu n responde todos eu estarei lendo! 


ANTES QUE EU ESQUEÇA! Eu tenho um grupo o WhatsApp sobre kpop e outras coisas aleatórias ae. Se quiserem entrar o link vai estar no meu perfil! Bye bye! 


Tem mais de 188 pessoas com essa história na biblioteca.. pq não estão favoritando? Estão gostando? Ou n?..



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...