História Tomsworld - Hate or love? - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias Eddsworld
Tags Edd X Matt, Matt X Edd, Mattedd, Tom X Tord, Tomtord, Tord X Tom
Visualizações 78
Palavras 1.187
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Yo yo bro
Passado da Clarisse

Capítulo 26 - "Bye, little sis"


No ano de 19XX...

Point Of View|Autor(a)

Em um dia nublado e chuvoso, uma garota de aproximadamente 5 anos andava pelas ruas, junto de sua irmã mais velha que tinha aproximadamente 7 anos, elas estavam apenas dando uma caminhada, que havia sido sugerida pela mais velha, que odiava sua casa, já a mais nova não entendia o motivo da mais velha odiar a própria casa, afinal, era muito nova para entender, mesmo que sua irmã mais velha ainda fosse nova, ela entendia muito bem o motivo da briga de seus pais e tem medo de deixar sua pequena irmãzinha em um risco alto.

"Grande irmã, onde vamos?" perguntava a pequena garotinha.

"Vamos para..." a mais velha pensou "para... Já sei! Que tal ao parque?"

A mais velha disse, transformando sua cara séria em um rosto sorridente ao ver os olhos de sua pequena irmã brilharem.

Pegou a menor no colo e correu até o parque, chegando lá, deixou sua irmã no chão e se jogou no mesmo, ofegante.

"Irmãzona bobinha! Eu disse antes para não correr!" a menor sorria inocentemente.

"Yeh... Eu sei irmãzinha..." Disse a maior, se levantando do chão, logo ficando mais sorridente ao ouvir uma voz conhecida

"CLARISSEEE! EU ESTIVE TE PROCURANDO!" gritava Gazelle, para sua melhor amiga

"Calma Gazellinha joaninha!" Gazelle fez uma careta, ao ouvir o mais odiado apelido

"NÃO ME CHAMA ASSIM!"

"Pffft... Tudo bem, tudo bem... Eu paro... Gazela."

"ORAS, SUA-"

Clarisse tapou a boca de Gazelle, logo apontando para sua irmã e logo para o rato morto, dizendo :

"Tem uma pequena anjinha aqui, se falar palavrão na frente dela vai acabar como aquele mísero rato morto."

"Opa, desculpinha ae! Bem, eu to indo!" Gazelle foi embora, Clarisse deu um suspiro, vendo sua irmã puxar seu casaco.

"Hmm? Que foi irmãzinha?"

"Vamos para casa! Eu to com frio"

Clarisse tirou seu casaco e colocou na menor, pegando a mesma no colo e novamente correndo, correu até chegar em casa, quando chegou lá, viu seus pais brigando novamente, deu uma tossida forçada, logo colocando a menor no chão. 

"SEU MER- oh! Olá princesinha bonitinha!" 

"Olá sua go.... Quero dizer.... Uh... Bonitinha!" 

"Oi mamãe! Oi papai!"

Clarisse bufou, logo dizendo :

"Oi mãe.... Oi... " Ela olhou para seu pai com raiva estampada em seus olhos. "pai...."

"Então princesinha, nós fomos ver sobre seu olho vermelho e laranja mas não parece ser uma doença, estranho, não? Os médicos ficaram assustados, eu e seu... PAI... Não entendemos o porque um olho é diferente do outro, tipo, um olho com pupila azul e outro vermelho com pupila laranja."

A maior puxou sua irmãzinha para seu quarto, logo fechando a porta.

"Irmãzona, pode me prometer algo?" disse a menor

"Claro, meu bem, tudo por você."

"Promete que... Nunca vai me abandonar? Promete que se eu morrer vai continuar a vida por mim?" Clarisse arregalou os olhos, assustada com a pergunta da pequena garotinha

"Sim... Claro..."

"YEY! Promete ter um namorado bonito?"

Clarisse mordeu seus lábios e começou a suar.

"Irmã.... Eu tenho... Uh... Atração por garotas" Clarisse jurava que os olhos de sua irmã brilharam

"SÉRIO? Quero dizer... Uhhh, promete que não vai ficar brava?"

"Sim...?"

"Irmãzona eu... Toda vez que eu estou com você meu coração bate... É estranho... Acho que te amo"

"Desculpa... Eu... Não sinto o mesmo"

"Tudo bem! Sei que vai achar alguém que ame! Eu acho que eu vou achar alguém que não seja minha irmã! Heheh.." A menor da um grande sorriso, surpreendendo a maior pela sua tranquilidade

"Bem... Tchau maninha!" disse a pequena, saindo do quarto 

"Tchau... Clary...." Disse a maior susurrando o nome da pequena

Ela se deitou na cama dormiu, até pouco tempo depois, acordar ouvindo gemidos do quarto ao lado, bufou, provavelmente era seu pai com uma prostituta, ignorou e voltou a dormir esperando isso passar mas...

Toda noite ela ouvia os mesmos gemidos...

Ela se irritou e saiu do quarto, abrindo uma brecha do quarto de seu pai, logo arregalando os olhos e sentindo uma lágrima percorrer por seu rosto.

Sua irmãzinha sendo estuprada em sua frente...

Se ajoelhou no chão e começou a chorar, se sentindo muito mal por ter ignorado sua irmã sendo estuprada, ela começou a ouvir alguém ou algo dizendo.

"Hah, cara! Qual é? Tem uma faca na cozinha, vai lá e mata esse cara!" dizia alguém com uma voz parecida com a sua, mas... Soava de um jeito esquisito

"M-Mas..."

"VAI LÁ! "

Clarisse se levantou, indo até a cozinha, pegando uma faca, que estava vermelha por algum motivo, foi até quarto de seu pai e arrombou a porta, logo indo até seu pai e o esfaqueando, começou a o esfaquear várias vezes, o máximo possível para garantir que o mesmo iria morrer, nunca se sentiu tão bem em toda sua vida.

Sua irmãzinha a abraçou, chorando de tristeza e felicidade, a maior vestiu a menor, logo dando um beijo em sua testa

"Se alguém te tocar novamente vou garantir que o mesmo nunca mais respire." Disse a maior, vendo sua irmã sorrir, arregalou seus olhos ao ouvir passos pesados.

"O QUÊ ACONTECEU AQUI?!" Gritou sua mãe, zangada e indignada

"Seu querido marido estuprou sua princesinha, eu matei ele" disse Clarisse, olhando sua mãe com raiva

"SUA MERDINHA!"

Ela pegou Clarisse pelos cabelos a jogando no quarto.

"VOCÊ FICARÁ UMA SEMANA EM SEU QUARTO, VADIA"

Disse fechando a porta e a trancando, Clarisse sorriu despreocupada, lambento o sangue em suas mãos, era estranho mas... Tinha um gosto bom, logo pegou um pequeno pedaço de carne humana em seu ombro, logo o comendo, era terrivelmente e estranhamente bom, ela sorriu, nunca pensou que canibalismo fosse bom, olhou para a janela, vendo sua rota de fuga, abrindo as cortinas e vendo grades, bufou e sentou-se no chão, lembrando que estava trancada no quarto e sua irmãzinha estava com uma alcoólatra, deu um tapa na sua testa, vendo que poderia ter chamado a polícia ao invés de cometer um erro.

Uma semana se passou

Clarisse não estava fraca de fome, escondia comida em seu quarto, caso seus pais brigassem e estivessem tentando matar a garota, abriu a porta, que sua mãe tinha destrancado, indo pra cozinha, vendo uma cena terrível, Clarisse se ajoelhou e começou a berrar e chorar vendo sua irmãzinha com uma faca no peito, a abraçou com força, vendo a menor abrir os olhos e respirar com muita dificuldade.

"Viva... Sua vida por mim...Irmãzona" disse a pequena, morrendo nos braços de sua irmã, que começou a gritar mais do que antes.

Sentiu algo escorrer por seu rosto, passou a mão nos olhos, vendo um líquido avermelhado, não se parecia com sangue, pegou um espelho pequeno, vendo seus olhos do mesmo jeito que o olho esquerdo de sua irmã, só que um líquido saía.

Ao olhar para trás, viu sua mãe sorrindo, a raiva percorreu por seu corpo, sem pensar, pegou uma pistola no balcão e atirou em sua mãe, ao ver o que tinha feito, sorriu e se aproximou, se agachando e comendo o corpo de sua mãe, parte por parte.

Era delicioso.

Ao notar o que fazia, parou imediatamente, olhando para suas mãos ensanguentadas e começando a chorar, fugiu de casa, indo para uma floresta e se escondendo lá e morando lá por anos.

Até Gazelle a procurar na mesma floresta que estava, ela tinha feito uma amiga, Ana, as três começaram a morar juntas após isso...


Não acaba ai a história, mas tudo se continua em outra história. 







Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...