História Tongue technology - Capítulo 1


Escrita por: e Hemmera

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V)
Tags Atlantys Fanfics, Bangtan Boys, Bts, Hentai, Kim Namjoon, Kim Seokjin, Kim Taehyung, Twoshots
Visualizações 966
Palavras 5.448
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, pessoal! Boa noite! Trago novidades pra vocês (pra variar) em parceria com @Hemmera mais uma vez! Esperamos que gostem de nossa ideia conjunta e esperamos que participem da votação ao final do capítulo! Boa leitura a todos! ♥

Capítulo 1 - Kim's want to try


Fanfic / Fanfiction Tongue technology - Capítulo 1 - Kim's want to try

Dragostea’s Hot Club

Sábado à noite

      E foi ao terminar de passar meu batom vermelho totalmente num tom aberto e chamativo, que eu terminei minha maquiagem para combinar com minha fantasia de gatinho. O delineado já estava dando a impressão de que meus olhos eram mais esticados ainda e os cílios postiços os deixaram de um jeito mais marcante.

      Levantei-me da cadeira de frente ao espelho iluminado por luminárias direcionadas ao meu rosto e logo caminhei até um espelho maior que havia ali em nosso camarim. Andando com um salto agulha enquanto ele fazia barulho pelo chão, eu olhei meu reflexo ali e posso dizer que eu me senti a mais sensual e atrevida da noite.

      Minha roupa consistia num sutiã imitando couro na cor preta – que poderia ser facilmente retirado de meu corpo apenas desatando o laço que prendia em minhas costas. Na parte de baixo eu usava apenas uma pequena saia da mesma cor que tinha na parte de trás um pequeno rabinho fazendo parte da fantasia. Usava uma tiara com orelhas na cabeça e um laço no pescoço.

      Arrumei-me por ali enquanto olhei meu reflexo e depois de me ver totalmente pronta, pisquei para mim mesma depois de enviar um beijo para a superfície reflexiva em minha frente e pronto! Tudo certo!

      – Já está pronta? – Apareceu Yeona, usando roupas mais curtas e convidativas do que as minhas.

      – Sim! Já terminei de me produzir! O que acha? – Dei uma voltinha na frente dela para mostrar minha nova fantasia.

      – O que eu acho? Que você quer transar muito essa noite! – Ela riu.

      – Nada fora da normalidade. – Dei risadas.

      – Essa roupa é mais ousada do que as anteriores. – Disse ela. – Vejo que está querendo se dedicar mais por agora.

      – Eu estou querendo chamar mais a atenção dos que podem me encher de dinheiro extra. – Falei. – É disso que eu gosto, então sendo assim, eu quero dar motivos a eles para me escolherem.

      – E vai dar conta de todos? – Yeona riu.

      – Se não, passo alguns pra você. – Dei risadas.

      – Eu estou mais devagar hoje, prefiro servir algumas bebidas.

      – Que irônico! – A fitei. – Você querendo ir devagar e eu querendo ousar mais ainda em minhas propostas no palco principal.

      – Pra você ver como são as coisas! – Ela riu. – Agora vamos! Precisamos estar no palco ou servindo bebidas o quanto antes!

      – Assim está melhor! – Levantei ainda mais minha micro saia. – Vamos! Eu não quero começar tarde essa noite!

      Fui sendo arrastada pelo braço enquanto Yeona me levou pelos corredores. Fazendo barulho com nossos salto alto, nós fomos até o interior do local e logo esperamos apenas o momento em que o lugar seria aberto e iniciaria suas atividades com os visitantes – que eram muito interessantes por sinal.

     Dragostea’s Night Club – o lugar onde trabalho – é considerado como um clube noturno ou uma boate apenas por quem nunca colocou os pés perto do lugar. Mas quem já tinha curtido ali algumas noites, sabia que era bem mais do que o lugar aparentava ser.

      Clube de swing, boate de strip, casa de massagem... Como você quiser chamar. Sei que ali há de tudo e nada é proibido – fora o consumo de drogas e o sexo sem consentimento, é claro. Dragostea’s era uma terra sem lei, e era justo num lugar tão baixo como esse que eu me sentia em casa.

      O lugar era frequentado por casais afim de uma emoção a mais, ou então uma fuga da rotina das relações sexuais a dois sempre com o mesmo parceiro. Era também frequentado por caras solteiros a fim de pagar nos presentear com dinheiro depois de uma dança particular ou algo mais íntimo, e o mesmo acontecia com os dançarinos, que eram muito procurados por mulheres interessadas em uma diversão casual e compartilhada.

      Ali havia os lugares reservados e escondidinhos para o swing dos casais que aceitavam e optavam por tal coisa. Havia um palco para as danças individuais e mais provocativas – como pole dance ou mesmo um strip sem nenhum adicional. E havia também a arena sem limites, onde qualquer um poderia ser bem explícito na frente de uma platéia sem ser censurado – inclusive transar com todos assistindo.

      Resumindo: era uma putaria só.

      A fachada do local enganava por demais. Dragostea’s parecia inofensivo e totalmente tranquilo, não permitindo nada além de uma dança sensual ou muita bebida. Mas, quem o frequentava, sabia que era muito mais do que isso. E para que nada desse errado, havia uma regra ali dentro quanto aos frequentadores e funcionários – assim como eu.

“O que acontece na Dragostea’s, fica na Dragostea’s”

     O horário do início das atividades já tinha chegado, e em breve alguns clientes do local já iriam começar a chegar. Ali frequentava todo tipo de gente, porém eu sabia escolher bem com quais eu iria me envolver num momento de satisfação. É claro que eu não iria me envolver com qualquer um e assim logo de cara.

      Enquanto aos poucos as pessoas foram entrando no local e a fila do lado de fora foi diminuindo, resolvi esperar para começar o show. A minha intenção não era só ficar a servir bebidas naquela noite, mas enquanto todos não se acomodassem, eu não pretendia tomar uma iniciativa.

      Sendo assim, juntei-me a Yeona momentaneamente. As bebidas saiam numa velocidade muito alta assim que todos começavam a chegar e sendo assim eu resolvi ajudá-la – enquanto recebi muitos olhares, cantadas e propostas, e dei apenas sorrisinhos como resposta por ainda estar cedo.

      E foi enquanto fui levando as bebidas que comecei a pensar em algo ousado a fazer. Eu gostava de todos os olhares em cima de mim. Eu gostava quando me cobiçavam. Eu gostava de estar no centro sempre e sendo assim, eu estava pensando numa forma de conseguir tudo ao mesmo tempo.

      Pensei em ir à arena sem limites.

      Esse lugar era feito um ringue de luta – e às vezes era justamente isso que acontecia. Porém, num nível mais hardcore e puxado para o cunho sexual também. Ali aconteciam exibições de dançarinas completamente nuas enquanto poderiam até transar com quem escolhesse bem em frente a todos.

      Pois é, de fato não há limites.

      Pensei naquela arena e pensei em usar aquele divã vermelho – sofá sem encosto – num tom totalmente provocativo para fazer algo explícito. A cada coisa que eu fizesse, eu poderia receber dinheiro por fora de meu salário. A casa presentinho dos frequentadores, eu poderia voltar pra casa com mais grana e sendo assim, isso me motivava.

      Pensei que de fato, naquela noite eu não conseguiria dar conta de todos caso fizesse uma exibição completamente explícita – me livrando de minha roupa que já não tampava muito. Pensei que para transar com todos seria totalmente impossível, e como às vezes eu não conseguia resistir... Pensei em não me envolver com transas no momento.

      Mas se tinha algo que eu adorava, era um belo sexo oral.

      Hum... De fato seria uma boa!

      Comecei a cogitar a ideia de aceitar apenas isso quando os frequentadores se mostrassem pra mim, porém isso seria muito fácil. Uma exibição de sexo oral explícito em mim enquanto os outros assistiam meu prazer estampado no rosto? Não... Eu precisava elevar as coisas a outro nível.

      Pensei então em criar um pequeno concurso para avaliar quais dos interessados sabia fazer o melhor trabalho. Eu poderia aceitar poucas pessoas, elas poderiam ir ao centro da arena comigo e poderiam chupar-me por um certo tempo. Sendo assim, eu aproveitaria aquele prazer de diferentes formas e sendo provocados por diferentes línguas.

      É, seria ótimo!

      Sorri ao ter a ideia de avaliar quem estivesse disposto. Comecei a pensar em receber sexo oral de pessoas diferentes em frente a todas que quisessem assistir ali e isso me deixou excitada. Oh, mas como eu adoraria gemer na frente de todos... Isso me faria ganhar dinheiro sem ao menos tocar em todas as pessoas – já que algumas se deliciavam apenas em ver.

      Sendo assim, pensei que o que mandasse melhor no sexo oral, poderia ter a chance de fazer algo mais comigo. É, seria uma boa ideia. Sendo assim, eu não teria que transar com todos os pretendentes – como eu costumava fazer, confesso.

      O vencedor e eu iríamos ao reservado.

      Porém pra isso, ele teria que mostrar ser o melhor.

      Pensando nisso, fiquei animada e mantive minha ideia em mente. Fiquei a servir as bebidas e petiscos por um tempo até que as atrações começaram. Um stripper começou seu show para um bando de garotas assanhadas ali e não demorou muito para chover notas de dinheiro perto dele – principalmente dentro de sua cueca.

      Logo após isso, alguns casais começaram a interagir para fazer uma troca – ou então, fazer algo de forma grupal. Os garçons já começaram a ousar mais enquanto aceitaram toques e beijos de desconhecidas e ao ver que a ousadia tinha começado, eu logo fui para a arena sem limites para que outra pessoa não resolvesse usá-la.

      Quem anunciava os shows era Eve, a mais cobiçada dentre todas nós. Com um microfone e uma baita roupa que mostrava 89% de seu corpo, ela fazia os anúncios e chamava os safadinhos para ver as atrações individuais enquanto eles estavam em mesas consumindo álcool e petiscos gordurosos.

      – E o que pretende fazer? – Perguntou ela.

      – Uma competição para ver quem faz o melhor sexo oral. – Falei.

      – É sério? – Ela riu.

      – Já pensou que cena maravilhosa para os que estão cheios de dinheiro para dar? Sabe que eles vão começar a se tocar na hora!

     – Pensando por esse lado, de fato parece ser uma boa. Esses caras de fato adoram ver uma cena explícita e isso faria você ganhar muito!

      – Quero motivá-los a fazer um bom trabalho. – Falei. – Sendo assim, eu saio ganhando dinheiro e muito prazer também.

      – E como será?

      – Um minuto para os três primeiros que toparem. – Falei. – E o melhor, eu aceito levar pro reservado.

      – E desde quando você tem essas ousadias? – Eve riu.

      – Nunca é tarde para tentar algo novo. – Sorri. – Eu quero chamar a atenção e quero sentir prazer com isso. Três irão ao palco e poderão fazer como bem entenderem.

      – Quer aqui mesmo?

      – Sim. – Falei sobre a arena sem limites.

      – E as restrições?

      – Só o que podem fazer é sexo oral. – Falei. – Nada de penetração.

      – Certo! Posso anunciar?

      – É claro! – Assenti.

      Afastei-me de Eve nesse momento, já que ao chegar à arena, ela tomou toda a atenção para si. Deixei que as luzes a fizessem brilhar naquele momento enquanto os caras que se embebedavam a fitaram – e a cobiçaram, é claro. Fiquei distante, mas assim que ela chamou a atenção de todos com o seu jeito manhoso de falar, eu resolvi aparecer quando fui anunciada.

      – Olá, tigrões! E aí, estão bem dispostos hoje? Estão cheios de tesão e vieram pra cá para deixar nós resolvermos o problema de vocês? Hum? – Ela sorriu de um jeito malicioso. – Eu tenho uma brincadeirinha que eu tenho certeza que vocês vão gostar de participar! Uma brincadeira rápida, porém que fará o vencedor muito feliz ao final!

      Nesse momento, mesmo ainda não dividindo o “palco” com Eve, eu pude notar um ar de interesse nos caras que estavam ocupado mesas ali na frente da arena sem limites. Estavam ali propositalmente, esperando por algo a qualquer momento, de dessa vez eu seria a responsável pelo entretenimento.

      Olhei o sorrisinho no rosto deles e vi que alguns que estavam com amigos, trocaram palavras entre si. Certamente falaram sobre o que achavam que aconteceria, mas confesso que nem sequer tiveram tempo. Antes mesmo de terminarem a conversa, Eve voltou a falar.

      – A boa da noite é um pequeno concurso para avaliar qual de vocês que estão aqui na noite de hoje manda melhor fazendo sexo oral! Qual de vocês tem uma alta tecnologia na língua, capaz de chegar ao ápice em poucos segundos? Quais de vocês acham que conseguem fazer tal coisa apenas usando a língua bem onde mais sentimos prazer? – Ela sorriu.

      Nesse momentos, os rapazes se manifestaram. Deram risadas de interesse quando todos se afirmaram os melhores na arte de chupar bem onde eles sabiam que gostávamos. Falaram algumas besteirinhas, deram sorrisos e logo Eve voltou ao microfone.

      – A avaliadora será essa pequena gatinha! – Ela estendeu-me a mão e eu entrei na arena sem limites ao acenar para os rapazes. – Vejam só esse corpinho! Imaginam o quanto ela deve gemer ao ser chupada? Conseguem imaginar vocês apalpando essa mocinha que está louca por algo a mais?

      E mais uma vez, os ânimos ficaram exaltados quando eu apareci de frente pra eles e dei uma voltinha para que pudessem ver minha fantasia. Passei a mão pelo cabelo enquanto fingi timidez e sendo assim, vi que logo o interesse aumentou da parte dos rapazes.

      – Um minuto para cada um dos três primeiros que aceitarem a avaliação! Um minuto livre para chupá-la e fazê-la gemer a ponto dela poder escolher o melhor! Do jeito que quiserem! Como quiserem! A gatinha está disposta e está apenas esperando um pretendente!

      – E o que ganhará o que for eleito o melhor? – Ouvi uma voz ecoar.

      – Uns bons minutos comigo no reservado. – Respondi no microfone.

      – E então! – Eve sorriu animada ao ver o quanto se animaram com a minha ideia que seria um pretexto para ganhar sexo oral. – Será que podemos saber agora quais de vocês querem ser avaliados? Levantem a mão os que pretendem vir até aqui mandar bem na frente de todos! Os três primeiros serão os escolhidos a partir de agora!

      E foi nesse momento que três caras de uma mesma mesa mais a frente da arena, levantaram a mão ao mesmo tempo – deixando os outros caras sem chance. Uns quinze levantaram, porém aqueles três ali tinham sido os primeiros – e sendo assim, os escolhidos.

      Aqueles que dividiam uma mesa eram três: um loiro, um moreno e um com o cabelo platinado. Estavam bem vestidos e pareciam ter consumido muito álcool de acordo com o número de garrafas vazias em cima da mesa. E foi ao notar que os três cobiçaram fazer sexo com a mesma menina, que eles se entreolharam e deram uma risadinha.

      Eles pareciam ser amigos. Com a mão levantada, eles falaram besteiras um para o outro quando entenderam que eles competiriam entre si. Brincaram, riram e disseram que um iria melhor do que o outro. Os demais abaixaram as mãos, porém não saíram do lugar por desejar tanto ver aquela cena.

     – E qual dos tesões será o primeiro a dar o que a gatinha quer? – Perguntou Eve, ainda ao meu lado na arena.

      – Eu mesmo! – Levantou a mão o de cabelo platinado.

      – Pode vim, amor! E dê o seu melhor! – Disse Eve.

      O divã já estava posicionado ali no centro. Eu já estava ansiosa por ver aquela delicia de homem que aceitou fazer parte do meu teste e ao ver ele se aproximando cada vez mais, confesso que senti desejos ao ver aquela boca tão deliciosa.

      O primeiro – o tal platinado do cabelo estiloso – aproximou-se bem lentamente. Ele tinha a maior cara de safado de todos os homens que estavam ali na boate. Chegou de mansinho, sorriu de um jeito tentador mostrando covinhas na bochecha e só de reparar em seu naipe na hora de se vestir, eu pensei em ir direto pra cama.

      – E como você se chama? – Perguntou Eve.

      – Kim. – Ele respondeu, com uma voz tentadora.

      – Manda ver, Kim! – Disse Eve.

      E foi nesse momento que eu esperei ele vir para mais perto de mim. O encarei e sem demora ele segurou-me pela mão e me levou lentamente para próximo do divã. Me colocou de costas para o móvel e quando eu menos esperava, ele pôs sua mão em minha barriga e me empurrou sobre o sofá. Caí ali totalmente sorridente por sua atitude, e quando deu por mim, ele já estava por cima.

      E sem demora, ele começou a me beijar na boca. Seus dedos ficaram enterrados em meu cabelo e seu corpo me deixou imóvel. A língua dele logo invadiu minha boca e eu fiz o mesmo por já ter senti um tesão de leve. Seu perfume era uma delícia assim como ele por inteiro.

      Kim beijou-me no pescoço enquanto eu arfei por sua ferocidade. Mordiscou minha orelha, voltou a me beijar na boca e depois de muitos beijos calorosos e depois de chupar minha língua bem como eu gostava, ele foi retirando-se de cima de mim. Aos poucos suas mãos foram até minha saia micro e foi nesse momento que ele suspendeu-a – deixando acima de meu umbigo.

      Ao fazer isso, Kim tirou minha calcinha extra fina com os dentes. Aos poucos ele foi abaixando-a e assim que tirou de vez, ele separou minhas pernas em meu limite. Sentado entre elas, ele cobiçou minha entrada que já estava molhada a brilhante. E sendo assim, ele lambeu um de seus dedos.

      Ao fazer isso, ele posicionou seu dedo molhado em cima do meu clitóris e ao fazer isso, eu senti um espasmo por ser tão sensível. Fiz isso e ele sorriu de minha reação de susto, mas sem demora, ele deitou-se ali enquanto eu estava ansiosa.

      Coloquei as mãos embaixo de minha cabeça para conseguir vê-lo. Me arrumei ali em cima do divã com as pernas totalmente abertas e foi nesse momento que eu vi a língua de Kim me tocar pela primeira vez. Primeiro ele beijou-me pelas coxas, apertou-me por ali e em seguida, fez seus beijos chegarem onde ele deveria chupar.

      Mantendo minhas pernas abertas com suas mãos, Kim começou a fazer sexo oral em mim e apenas de sentir sua língua morna e molhada deslizando facilmente em minha entrada, eu tive vontade de suspirar. Fechei os olhos com força, deixei a boca semi aberta e logo suspirei sem pensar duas vezes.

      Kim dava beijos de língua em minha entrada e ao ver o quanto ele foi com sede ao pote, senti tesão em ver o quanto ele sentia vontade. Sua língua era rápida, era muito ágil e tinha uma temperatura que me deixava com arrepios. Ele foi cuidadoso ao mesmo tempo que foi feroz e ao observar aquela cena toda de perto, eu gemi bem alto.

      Era um tesão incrível. Segurei Kim por suas mechas platinadas e nesse momento eu o posicionei bem onde eu queria que ele me chupasse. O fiz ficar parado ali e ao entender isso, ele sequer desviou. Fez sua língua tremer em cima de meu clitóris e isso me fez fechar os olhos e elevar a cabeça para trás.

      Fui começando a sentir calor. Confesso que a euforia me subiu tão rapidamente que eu esqueci de tudo e apenas não consegui tirar os olhos de Kim – ali deitado no meio de minhas pernas enquanto fazia o que eu queria. Assim ficou, até que... Quando menos esperávamos...

      – Fim da linha, Kim! O seu tempo acabou! – Disse Eve, amostrando o cronômetro que ela providenciou depois que eu contei minha ideia.

      Nesse momento, Kim me chupou uma última vez e logo levantou-se aos poucos de cima do divã. Passou a mão na boca enquanto pareceu orgulhoso ao me ver eufórica e sendo assim, antes de voltar ao seu lugar, me deu um beijo de despedida – que foi um tanto ousado.

      – E agora? Quem vai vir? – Eve olhou para a mesa onde os três estavam inicialmente quando tudo começou.

      E foi assim mesmo, sem dizer nada, que o moreno alto levantou-se e foi se aproximando. Eve estava ansiosa pra ver tudo – assim como os demais – enquanto eu sequer conseguia respirar compassadamente. Fiquei ali do mesmo jeito que antes até que o próximo chegou.

      – E você, amor? Como se chama? – Ela perguntou.

      – Kim. – Ele riu.

      – Mais um. – Ela sorriu. – Venha! É a sua vez!

     Nesse momento, ainda eufórica eu fiquei deitada no sofá. Eu estava com a saia levantada e sem calcinha, e foi depois de me cobiçar um pouco que o tal Kim – número dois – me estendeu a mão pretendendo me ajuda a levantar, enquanto eu reparei nele por completo.

      Aquele ali parecia um medalhista de natação por ter os ombros enormes e fortes como seus braços. Era alto, tinha mãos grandes, porém tinha um rosto angelical. Suas madeixas negras eram brilhantes e ao vê-lo ali, notei que ele era um típico come quieto. Era calado, parecia envergonhado, mas sabia o que fazer.

      Segurei em sua mão quando ele a estendeu para mim e depois disso, realmente ele me fez ficar sentada diretamente no divã. Segurou em minhas coxas, puxou-me para a beirada e foi nesse momento que enquanto eu o observei, que ele ajoelhou-se em minha frente como se fosse submisso.

     Isso me fez querer beijá-lo na boca, mas posso confessar que me contive.

      Estando ajoelhado em minha frente eu fitei seu rosto e posso afirmar que ele era um gato. Lindo demais. Parecia ser realmente um galanteador, mas se estava disposto a participar de um concurso de sexo oral, eu sabia que ele não era tão inocente assim.

      Sem dizer uma palavra, enquanto eu mordi meus lábios ao olhar para os seus, ele pôs suas mãos em minhas coxas. Empurrou lentamente uma para cada lado, deixando minhas pernas arreganhadas em sua frente e no caminho de sua boca. E sendo assim, antes mesmo de fazer algo, ele levantou dois dedos de sua mão direita e os levou até minha boca.

      A abri e cheguei a chupá-los juntos por pouquíssimo tempo. Umedeci seus dedos e sendo assim, logo em seguida ele os levou para a parte de baixo. Os posicionou em minha entrada e aos poucos, ele foi me penetrando.

      Aquilo não era um sexo oral, mas eu sabia que a hora ainda iria chegar.

      Fechei os olhos com força ao sentir arrepios conforme seu dedo foi entrando. Ele não tirou os olhos dos meus enquanto fez isso e sua encarada me deixou totalmente mais cheia de tesão. Penetrou tudo e assim que fez isso – bem na frente de todos – ele posicionou sua boca em minha entrada.

      E foi nesse momento que eu senti seu toque pela primeira vez. A língua de Kim estava gelada ao contrário da língua do primeiro a me chupar, e isso me fez ficar arrepiada. Sem limitações, ele foi direto ao meu clitóris com sua língua enquanto fez tudo muito devagar. E foi ao me ouvir gemer por causa dela, que ele começou a me penetrar mais uma vez.

      Sim, ele me chupou e cravou seu dedo em mim ao mesmo tempo. Isso me fez soltar um gemido logo de início e foi nesse momento que o primeiro Kim certamente temeu que eu não o escolhesse como o melhor.

      Tudo foi tão intenso mesmo sendo tão devagar que eu sequer consegui manter minha boca calada. Cravei meus dedos nas mexas negras do cabelo dele e sendo assim, eu passei seu rosto por toda a minha entrada enquanto ele permitiu tudo aquilo, ainda ajoelhado em minha frente.

      Senti meu corpo pegando fogo nesse momento.

      Kim fazia tudo bem lentamente, mas confesso que isso me causava boas sensações. Com a cabeça curvada para trás e com os olhos fechados com força, eu gemi diante de todos enquanto Kim pôs seus dois dedos dentro de mim ao me chupar com vontade e lentidão.

      Suas breves penetrações foram aumentando a velocidade. Seu dedo foi entrando e saindo com mais rapidez e sendo assim, eu segurei em seu cabelo com força. Abri os olhos e resolvi olhar pra baixo, quando o que eu vi foi Kim completamente empenhado em me fazer sentir prazer usando sua língua e seus dedos.

      Olhei pra ele ainda gemendo e foi nesse momento que ainda me chupando – e me deixando eufórica por fazer com perfeição – ele me olhou e me encarou de volta. Gemi mais ainda por ver seu olhar e acho que isso o motivou a fazer algo a mais.

      Senti meu corpo se arrepiando quando Kim fez na mesma velocidade usando a língua e os dedos. Ele fez tudo de uma vez enquanto me fitou e posso confessar que eu senti algo de extrema satisfação naquele momento. Senti tesão por ver aquele homem maravilhoso caindo de boca em minha entrada e isso me fez gemer totalmente de um jeito escandaloso. Até que...

      – Tempo esgotado! – Disse Eve, quando eu estava pertíssimo de gozar.

      Ainda tentei segurá-lo pelo cabelo para que não se afastasse, porém ele se afastou. Passou a mão pelos lábios enquanto deu um sorrisinho ao me ver louca de prazer e foi logo depois disso que ele me deu as costas – enquanto eu desejei por mais.

      Apoiei as mãos no divã vermelho enquanto tentei me segurar para não desabar de vez ao sentir minhas pernas tremendo. Passei a mão na testa para tentar me livrar do suor e foi quando eu olhei pra ele novamente, que vi a piscadela que ele me enviou antes de sair da arena. Isso me fez dar um sorrisinho de satisfação, porém ele não viu.

      – Que venha o último! – Disse Eve, muito animada ao ver a reação dos caras que ficaram a olhar meu momento de prazer.

     Nesse momento, levantou-se o loiro assim que o moreno sentou-se onde estava anteriormente. Andando como se desfilasse, ele veio para perto da arena. Parecia ser o mais novo dentre os três, mas também não tinha cara de inocente.

      O terceiro chegou perto de mim enquanto tirou o cabelo dos olhos. Usava um casaco amarrado na cintura e exibia na parte de cima uma belíssima blusa da Gucci. Tinha um ar de seriedade, mas também não me enganou ao forçar uma falsa timidez.

      – Como se chama? – Perguntou Eve.

      – Kim. – Respondeu nos mostrando uma voz bastante grossa.

      – Ah, isso é sério? – Ela riu.

      – Não me faça mostrar meu documento. – Ele riu, sendo sarcástico.

      – São irmãos?

      – Amigos com sobrenomes comuns. – Disse ele.

      – Certo! Agora é sua vez! Tem um minuto! – Ela afastou-se.

      – Já ouviu falar em 69, amor? – Me roubou um beijo ao segurar-me pelo queixo de uma forma sedutora.

      – Cale a boca e deite-se! – Falei.

      Ele sorriu com intenções. Sentou-se na beirada do divã e sem demora, ele deitou-se ocupando todo o espaço disponível. Decidi tirar minha saia de vez depois disso – já que ela não estava servindo pra nada. E sendo assim, eu logo engatinhei em cima dele.

      E bem como a posição que ele escolheu que eu ficasse, eu fiquei. Deitada por cima dele, porém na direção contrária, eu me encaixei ali e foi quando eu menos esperava, que senti sua língua me tocando de leve – enquanto eu estava com minha bunda bem na cara dele, e ele, tinha pedido que fosse assim.

     Kim segurou-me pela cintura e ao invés de ficar somente sobre ele, ele me fez deitar sobre seu corpo – colando-os de vez. Se estivéssemos no meio de um ato, naquela posição seria bem fácil fazer um sexo oral nele também – já que ele estava a fazer em mim. Mas, este não foi o caso.

      Deitei-me sobre seu corpo e apoiei minha cabeça bem perto de seu membro. Deitei-me ali já que eu não tinha nada a fazer e simplesmente fiquei relaxada em cima de seu corpo enquanto ele me chupava numa das posições que eu mais gostava.

      Kim me penetrou com sua língua. Por estar bem com minha entrada em seu rosto, ele não precisou de muito para fazer isso e sendo assim, fez mais de uma vez. Manteve-a firme e assim foi colocando-a lá dentro enquanto eu mordi os lábios e gemi tentando me abafar.

      Eu já estava quase gozando.

      Segurei em sua coxa enquanto apertei forte ao sentir um prazer que estava me deixando com a respiração descompassada.  Levemente eu olhei pra trás e só o que eu vi foi o seu rosto cravado no meio de minhas pernas enquanto seus cabelos loiros se mexiam com rapidez pelos movimentos.

      Fiz de tudo para não gozar.

      Era melhor fazer isso com o vencedor no reservado.

      Porém, confesso que foi quase impossível.

      Kim foi certeiro ao tentar engolir meu clitóris. Ele o segurou com os lábios e sendo assim, passou sua língua de lá pra cá estimulando-o. Eu juro que desejei muito ter visto-a enquanto fazia isso, mas pela posição que estávamos, não consegui tal coisa.

      Ele fazia um barulho delicioso ao me chupar com vontade. Fazia de um jeito rápido e ao fazer isso, o barulho que fazia ao me penetrar com a língua foi sensacional.

      Me acertou uns dois tapas na bunda enquanto me chupava  e eu gemia. Seus lábios deslizavam numa delicadeza que posso confessar, que se não estivesse prestes a gozar, poderia passar uma noite recebendo aqueles carinhos tão íntimos por ter me agradado tanto.

      Seu membro pulsou ali dentro de seu jeans depois que eu gemi feito uma gatinha manhosa ao arrepiar-me e sentir-me fraca de prazer. Senti uma elevação no meio de suas peras e até passei a mão por ali com a intenção de acalmá-lo, porém devo ter feito o contrário.

      Eu já não estava mais aguentando segurar. Estava sendo demais. Gemi para tentar me aliviar e apertei as coxas grossas de Kim, mas nem assim eu consegui me distrair e retardar meu gozo. Fiquei mais alterada aos poucos enquanto ele chupou-me lentamente em um lugar só e foi aí que eu fui sentindo calafrios.

      Eu já tinha perdido o controle. E se durasse mais poucos segundos tudo aquilo ali, eu ia acabar gozando na boca dele. Porém, mais uma vez e por fim, Eve nos interrompeu avisando que seu tempo tinha acabado.

      E quem disse que eu consegui sair de cima dele para que ele se levantasse? Eu fiquei totalmente jogada sobre seu corpo, sem forças e sentindo minha intimidade pulsar. Fiquei ali sem ter reações, até que a própria Eve me estendeu a mão.

      Saí de cima de Kim com a ajuda de minha amiga e sendo assim, senti minhas pernas bambas depois de tantos estímulos e de tantas linguadas que recebi dos três naqueles breves minutos. Aquilo foi o maior prazer que eu tinha sentido sem penetração até então e isso foi muito forte pra mim.

      Senti que Kim ainda pensou em me roubar outro beijo, porém não fez isso ao ver o quanto eu estava alterada e com a respiração descompassada. Ao sair de cima dele, ele voltou ao seu lugar e logo tomou nas mãos um copo de bebida, juntando-se aos seus dois amigos.

      – Quero dez minutos para me recompor e dizer qual deles eu escolho pra ir pro reservado. – Falei com Eve, enquanto vesti minha saia novamente.

      E foi exatamente isso que ela falou pelo microfone ao anunciar o que eu pedi. Falou sobre eu ter um tempo para minha decisão e falou sobre o que eu tinha prometido ao grande vencedor. Reforçou que o resultado seria divulgado por mim mesma ali naquela arena e foi nesse momento que eu saí de cena.

      Eu precisava de um banho, precisava de lingerie’s ao invés de uma fantasia como aquela e precisava pegar a chave de um dos quartos para onde eu levaria meu escolhido. Isso tudo eu conseguiria resolver em pouco tempo, então logo fui me adiantando.

      Passei por todos eles enquanto segui ao camarim novamente e ao chegar ali, antes de tudo eu me joguei numa poltrona por me sentir cansada. Ali parei para pensar em tudo e pensei que seria mais difícil do que eu poderia ter imaginado antes.

      O primeiro me mostrou uma boa pegada, ótimos beijos e me deixou sem ar antes mesmo de começar o sexo oral. Começou me agradando por demais e demonstrou que sabia o que estava fazendo. Foi ousado, me fez gemer pouco tempo depois que começou e isso foi muito bom, quando ele me fez ficar numa boa posição.

     O segundo foi mais devagar e eu também gostei disso. Mostrou-me que estava disposto a fazer o que eu dissesse e só de ter se ajoelhado e deixado eu controlá-lo daquela forma, já ganhou um ponto a mais. Me estacou com seu dedo combinado as suas linguadas e sendo assim, o prazer foi dobrado. Ele de fato sabia o que estava fazendo e estava muito disposto a fazer mais.

      Já o terceiro, foi o mais ousado nas posições. Já chegou me beijando, demonstrando confiança e atitude. Praticamente pediu que eu sentasse em seu rosto enquanto ele me chupou com boas técnicas e me deixou perto do ápice. Penetrou-me com sua língua e isso, foi sem igual.

      E ao pensar nisso tudo e relembrar das cenas, é que eu vi que me meti em uma grande roubada. Os três foram ótimos, me deixaram com um tesão enorme e me fizeram gemer. Sabiam o que estavam fazendo e isso mostrou muita confiança. Mas... O que fazer agora quando eu gostei dos três e poderia escolher apenas um?

      Qual deveria ser declarado o melhor da noite após aquela experiência?


Notas Finais


Agora é com vocês! Quem deve ser declarado o melhor e ser o protagonista do segundo capítulo? Vote no seu preferido aqui nos comentários! O vencedor aparecerá em breve na continuação da história! Cada comentário conta como um voto! Vamos lá! ^.^
Votação até sábado (dia 11).
Depois disso, não conta mais.

Beijos! Vejo vocês em breve!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...