1. Spirit Fanfics >
  2. Too litle too late - Swanqueen >
  3. Uma carta

História Too litle too late - Swanqueen - Capítulo 3


Escrita por: Kas97

Notas do Autor


Oieieie, boa noite! Apareci antes do esperado, um pico de inspiraçao resolveu bater na porta. Espero que gostem vejo voces nos comentarios *-* Não sejam timidos.

Capítulo 3 - Uma carta


Depois do encontro que tive com Fiona minha mente está a mil não consigo suportar. E se caso tudo isso tenha sido algum mal-entendido... Significa que perdemos a chance de ter uma história juntas, quem sabe aquele dia fosse um ‘’sim’’. Céus! Que saco, maldita conversa e pra piorar se foi algo de errado mesmo eu briguei com Regina atoa, mas não, não foi. Ela foi esnobe e quis debochar de mim essa é a verdade. Independente do que houve, corações foram partidos naquele dia ao menos o meu eu sei que ficou em pedaços, gosto nem de lembrar.

Me viro de um lado para o outro tentando pegar no sono.

“– Se quiser ter alguma prova eu sei com quem podemos conversar.” – A lembrança da conversa de hoje mais cedo veio até mim.

Era um meio, eu poderia ignorar e continuar minha vida como sempre foi e hoje dei realmente um ponto final ou eu me aprofundo e descubro a verdade e talvez sofra por reviver sentimentos que escondi no mais profundo do meu ser.

– Chega! Não consigo dormir! – Desisto finalmente e me encaminho ao quarto de Ruby, preciso conversar com ela.

Chego de fininho, o brilho do celular mostra que a infeliz não dormiu ainda.

– Não dorme não? – Cheguei de mansinho por traz dela.

– Que susto, Emma!

– Conversando com a ruiva?

– Affs. Sim. Não consigo parar de conversar com ela.

Encaro a tela do celular.

– Ué, está no aplicativo de namoro ainda? Por que não no whats? – Deitei atras dela me agarrando a sua cintura e escorando no seu ombro para ler melhor a conversa.

– Emma é feio ler a conversa dos outros.

– As suas eu posso, agora responda minha pergunta.

– Eu estou indo de vagar. Ela me disse que foi a primeira vez que tomou coragem para abrir uma conta nesse app. E não quer ter relações apenas conversar.

– Ownt, ela está carente.

– Não, Emma. Só está explorando novos horizontes.

– Bom, o papo deve ser bom para você estar ai até agora.

– Ela é incrível! Porém não compartilhamos fotos só tenho essa de perfil.

– Da para ver bem ela é realmente linda. Agora sua foto, está parecendo um malandro! Ruby esse não é seu estilo.

– Querida ta em alta, consegui vários match com esse perfil.

– Ruby!

– Mas não fui em nenhum, estou com toda minha atenção nessa mulher.

– Corajosa ela, seu papo deve ser bom para segura-la até agora.

– Me respeite, viu. E o que você ta querendo no meu quarto a essa hora?

– Não consegui dormir. Estava matutando sobre algo...

– Se abra. Não omita nada a mim.

– Se lembra do dia que me declarei para a professora?

– Meu Deus! Isso faz o que, vinte anos?

– Que horror! Não estou tão velha assim. – A soquei de leve.

– Continue.

– Não te contei... – Ruby se virou para mim. – Estou trabalhando com ela.

Estava escuro, mas consegui ver claramente os olhos dela se arregalarem.

– Você vai sair de lá e é agora, amanhã você não trabalha!

– Se acalma, Ruby. Deixa-me terminar, não é isso.

– Emma essa mulher triturou seu coração, céus!

– Então é sobre isso, conheço alguém que a conhece e acha que tudo foi um engano e ela nunca faria isso.

– Engano? Engano magoar alguém?

– Ela acha que alguém pode ter posto a mão no meio.

– Difícil acreditar.

– Então, eu também acredito nisso, porém ela falou que conhece alguém que pode nos dizer o que realmente aconteceu e a minha duvida é: Eu vou até essa pessoa ou não.

Ela colocou a mão na testa e coçou.

– E eu iludida achando que nunca mais íamos encontrar a megera.

– Eu preciso de uma resposta, Ruby. E se naquele dia fosse um “Sim”?

– Emma, você não está com dúvida só quer que eu afirme o que você já decidiu.

– Vamos até essa pessoa e eu vou junto com você.

Suspirei. É a resposta que eu queria ouvir, mas será que terei coragem?

– Vamos amanhã, tenho algumas horas em haver. Vou enviar uma mensagem para Fiona. Obrigada.

– Por nada... Agora vai pra sua cama.

– Posso dormir aqui?

– Se não reclamar da claridade do meu celular.

– Não se preocupe.

Me virei ficando de costas para ela e pegando meu celular.

“– Me passa o endereço.” Mensagem enviada. 23:41.

“– Ótima escolha.” Mensagem recebida. 23:43.

Fechei os olhos. Imagens daquele dia, de um possível sim, da agonia sendo evitada. Não queria pensar mas estavam vindo até mim.

Lembro da musica que tocava no carro de uma frase em especifica “Chamar de minha garota”.

Dormi igual uma pedra depois daqueles pensamentos parece que só pisquei. Procuro Ruby e ela já saiu da cama. Envio uma mensagem para o escritório avisando sobre minhas horas. Aproveite e vejo se Fiona me enviou algo mais.

“– Ela topou encontrar com você. Vou enviar o endereço. Fala comigo assim que tiver as respostas que procura.” Mensagem recebida. 08:23.

Fui para o chuveiro não estava acreditando no que estava prestes a fazer, para mim isso já tinha sido finalizado. Estou sentindo como se tudo fosse se repetir. Não sei dizer se é medo, ansiedade ou curiosidade.

Me troquei e encontrei Ruby colocando perfume.

– Nossa, como você esta bem arrumada, parece até uma doutora.

– Essa sou eu, bem vestida, linda e cheirosa.

– Nada parecida com a malandra do Tinder.

– Essa sou eu, a formanda que não seguiu carreira para tentar escrever um livro que fracassou miseravelmente e agora vive com a amiga.

– Você não fracassou, só não achou seu objetivo ainda. Tenha paciência uma hora você irá encontrar.

– O importante é que tenho meu dinheiro investido ou talvez estaria depressiva.

– Tem dinheiro, mas não sai daqui.

– É claro, amo sua companhia e outra não é o suficiente para comprar uma casa e me manter, preciso juntar mais.

– Vamos logo, ela está nos esperando.

Entramos no carro e dirigimos até o centro, o endereço é de uma floricultura.

– Acho incrível como ainda existem esses lugares, eu não consigo ver mercado para isso.

– Não é porque você não gosta que não tenha mercado, tem muitas pessoas que buscam os serviços que uma floricultura pode prestar.

– Não gosto quando você fala igual uma negociante. Eu compraria sementes on-line.

– Chegamos.

– Nossa, que lindo. Aconchegante. – Ruby olhou admirada.

– A dona tem bom gosto.

– É mulher é? Não importa, não posso trair minha Ruiva191.

– Não sabe o nome dela?

– Emma não quero falar sobre isso.

– Onde chegamos, hein? Esperava mais.

– Não me julgue. – Ela desceu nervosa do carro. Comecei a rir.

Passamos pela porta e um sino tocou.

– Bom dia! Bem vindas a Floricultura Atalho da floresta.

– Que nome. – Ruby sussurrou. E ela finalmente encarou a atendente. Ficou pálida de repente, estranho. Não sei se devo perguntar se ela está bem.

– Bom dia, meu nome é Emma e essa é minha amiga Ruby. Gostaria de falar com Zelena, Fiona que...

– Ah! Fiona já me passou algumas informações, venha comigo, vamos conversar. – Ela encarou Ruby que ainda estava pálida.

– Você está bem? – Perguntou receosa.

– Preciso de um pouco de água e vou sobreviver, acho que minha pressão baixou.

– Nossa. Você é alergia a alguma planta?

– Não, não! – Ruby estava claramente nervosa.

– Ruby, seja direta, se você passa mal preciso saber o que fazer.

– Vou sobreviver, Emma. Posso falar com você rapidinho?

– Claro, fale.

– A sós. – Sussurou.

– Zelena, minha amiga está precisando do calmante dela, só um momento, já volto. – Começo a rir.,

– Fiquem à vontade. – Ela sorriu, tão dócil.

Saimos para a calçada.

– Emma! É ela, é a ruiva191!

– O que? Ta de brincadeira comigo.

– Eu reconheceria aqueles olhos em qualquer lugar.

– Mas ela não te reconheceu.

– E agora? O que eu faço?

– Se acalma primeiro de tudo! E agora aproveita a oportunidade que o destino está te dando. A seduza como a verdadeira Ruby Lucas. Não terá erro. Se ela gostou de conversar com aquela maloqueira essa aqui ela vai amar.

– Será?

– Certeza.

– E o que eu falo?

– Primeiro, nada. Preciso resolver meus b.o’s depois disso você vê, pega o whats dela, sei lá. Da um jeito, acorda, você é a Ruby! – A chacoalhei, parecia estar hipnotizada e sem reação. Tadinha.

Voltei para dentro e Ruby ainda estava com semblante perdido e ficou encarando as flores em volta.

– Zelena... Desculpe, podemos conversar?

– Claro... – Sorriu.

Expliquei todo o caso para ela que ouviu atenta a todos os detalhes.

– Bom, Emma. Fiona não deve ter contado, mas sou irmã da Regina.

– O que? – Eu e Ruby estamos com a boca aberta.

– Não temos muito em comum a não ser a sinceridade e algumas peculiaridades nossas. – Sorriu como se lembrasse de algo embaraçoso.

– Estou muito surpresa. – Sem reação, estou sem reação.

– Faz anos, mas eu me recordo, ela conversou comigo. Estava tão alterada aquele dia que tinha certeza que ela poderia quebrar a casa inteira.

– Nossa... Mas por que? Ela só me deu um fora. Eu que sofri.

– Não foi bem assim, conhecendo você hoje vejo que alguém armou para vocês.

– Armou? Isso está parecendo historia de novela.

– Emma, minha irmã era apaixonada por uma aluna, só eu sabia disso e ninguém mais poderia né, cadeia...

– Apaixonada, qual aluna!?

– Você.

Sabe quando aparece o bip final naquele computador que mostra os batimentos cardíacos. Podemos dizer que o meu desligou. Estou petrificada.

– Como ela poderia estar apaixonada por Emma e dar aquela resposta? – Ruby ganhou vida, graças a Deus, porque eu já não sei mais onde estou.

– Ela recebeu uma carta indecente... e o nome do remetente era Emma Swan.

– Eu- eu nunca enviei uma carta na minha vida toda! Nem de brincadeira para as paixonites.

– Isso é verdade eu conheço Emma quase a minha vida toda.

– Ai que é o X da questão, quem mandou? Regina ficou abatida, esperava que Emma fosse mais consciente e adulta, pois pela descrição dela, era uma garota fenomenal, sonhadora, romântica. A minha irmã não é fácil se apaixonar. Não sei como você a seduziu, mas ela nunca a esqueceu, vendo você hoje, ouso dizer que o filho dela se parece com você, deve ter pensando muito nisso. – Ela começa a rir.

Não é o momento mais apropriado para rir, estou em choque. A única coisa que está na minha mente é a parte da apaixonada e a carta indecente.

– Eu vou matar quem fez isso! Quem foi!?

– Emma, não adianta ter um ataque de fúria agora, impossível saber. – Ruby rebateu.

– Emma, eu não sei dizer quem foi, desculpe. Mas pelo que vejo aqui você e minha irmã foram vítimas de algo terrível e as duas pagaram. As duas são inocentes.

Eu já não sei o que dizer, o pior aconteceu, estou abatida uma vida tomada, algo que poderia ter dado certo jogado no lixo.

– Zelena, muito obrigada. Me desculpe eu preciso ir.

Dei as costas e Ruby ficou para traz cuidando de despedir da Zelena, assim imagino.

Eu preciso me desculpar com Regina, eu a culpei todo esse tempo, mas ela também foi vítima. E eu disse palavras tão duras para ela. Deus como existe pessoas tão más!? Por mais que eu queira que ela pague por todo o sofrimento causado, ela não teve culpa, foi a reação em cadeia de todos os acontecimentos que a fez tomar aquela atitude.

– Emma, onde você vai? Volta aqui.

– Pegue o carro, eu preciso espairecer. Eu te encontro depois.

– Eu não sei se é o certo abandonar você nesse estado.

– Vou ficar bem, só preciso fazer algumas coisas.

–... Vai lá.

Andei a pé por muitas quadras, só pensando na mesma coisa. Regina. Decidi pegar um ônibus e ir até o trabalho, precisava falar com ela o quanto antes, preciso me desculpar e pôr um fim nisso, mas agora com todos os fatos na mesa.

Subi pelo elevador ignorei meus colegas de trabalho meu modo automático me levou até sua sala. Bati na porta.

– Entre.

Ela estava com de óculos encarando o notebook.

– Emma? Tudo bem, você esta pálida.

– Me desculpe.

Ela parece surpresa.

– Pelo que? Você tem o livre arbítrio para se expressar como quiser.

– Eu errei com você, te culpei a vida inteira por ter quebrado meu coração, mas descobri que alguém te enviou uma carta indecente em meu nome, Regina não fui eu, nunca faria isso! – Lagrimas queriam sair, mas as segurei.

Regina tirou os óculos e virou o rosto para baixo passando a mão rapidamente no rosto.

– Isso já faz tanto tempo, eu nem me lembro mais...

– Me perdoe, eu nunca quis magoa-la.

– Muito menos eu, Emma... Você quer sentar conversar mais? – Perguntou serena, tão calma só os olhos conflitantes.

– Estou aliviada por saber a verdade, Regina, mas não posso me envolver com você, os anos se passaram muita coisa mudou. Só me perdoe, eu não sabia sobre a carta.

– Emma, eu nunca me esqueci de você, queria que tivesse sido fácil para mim te esquecer como você me esqueceu.

– Aí que você se engana, não foi fácil... Não quero disputar quem sofreu mais. Já passou. – Não quero me aprofundar nessa conversa, mas ela vem se aproximando, ela quer.

– Quando te vi tomando o café pela primeira vez, eu senti que fosse o destino finalmente me dando uma segunda chance, com ou sem carta eu queria estar com você.

– Regina, eu não quero te magoar, mas não posso deixar a mesma arma que me matou recarregar.

O olhar dela se encheu de lagrimas, está doloroso demais assistir isso. Ela não deixou as lagrimas cair.

– Eu entendo. Me desculpe, Emma. Eu devia ter conversado com você. Mas apenas tomei minha decisão.

– Vamos continuar nossas vidas, sobrevivemos até aqui, agora ao menos temos a verdadeira história em nossa frente.

Ela afirmou com a cabeça e eu sai do escritório. Não podia ficar mais um segundo ali. Ela parecia tão vulnerável, tão receptiva, mas eu não estou mais assim, já não sinto mais nada.

 

Fui para casa raciocinar sobre tudo e refrescar a mente o abalo sísmico que recebi foi muito alto. Tentei esquecer a parte que ela disse que nunca me esqueceu, isso pode abalar meu psicológico se deixar entrar.

Liguei meu computador e comecei a jogar, peguei refrigerante e toda as besteiras que Ruby ama, hoje não terá Emma fitness. Coloquei musica e procurei me distrair o máximo que puder até voltar ao normal e a adrenalina do corpo baixar.

Ruby não puxou assunto sobre isso, sabia que eu estava fugindo, e ela sabe que é necessário. Respeitou meu espaço e apenas cuidou de mim. Usei todas as horas disponíveis, estou a uma semana em casa e nesses dias conversei muito com Henry, eu ri tanto com esse garoto, e sempre que a mãe dele aparecia eu ficava apaixonada naquela voz. Ela me fazia fugir da realidade.

– Henry, melhorou muito.

– Joguei muito, Blonde.

– E sua mãe não achou ruim? – Ri.

– É claro que achou, mas eu disse que é muito importante eu entrar no seu clã para irmos nas guerras juntos.

– E o que ela disse?

– Que vai falar com você depois.

– Vixi, ferrou para mim. Mas diga a ela que estou ansiosa.

–Mãe a Blonde está ansiosa para falar com você! – Ele gritou.

– Não! não agora, meu Deus, ela vai brigar comigo. – Ele começou a rir.

– Conversa com ela, esta um pouco triste esses dias, eu não gosto de vê-la assim. Talvez você possa anima-la assim como me faz rir.

– Ah, pequeno, será?

– Eu tenho certeza que sim, você é incrível, Blonde!

– Com essas palavras me sinto o super-homem, posso fazer qualquer coisa, traga essa mulher para o microfone.

– Mãe vem cá, por favorzinho.

– Fala meu amor. – A voz doce apareceu. Era ela. A mãe misteriosa do garoto.

– A Blonde quer falar com você, fala com ela por favorzinho. – Como amo a voz desse menino.

Ouço o chiado do headset, ela está pegando, isso!

– Regina, na escuta, cambio. – Ela sabe brincar. Sorrio.

– Na escuta, soldado. Blonde no comando pedindo permissão para dialogar.

– Permissão concedida. Qual assunto comandante?

– Recebi informações que você não está no animo bom e para meu batalho preciso de todos bem, fisicamente e mentalmente, entendido, soldado?

Ela começou a rir na chamada, eu me arrepiei com seu sorriso, será que estou sentindo algo por essa estranha?

– Joga comigo? – Perguntei animada.

 

 


Notas Finais


E entao, será que correspondeu as expectativas, estao prontas para mais? kkkkkk sinceridade é tudo. Obrigada a todos que estão acompanhando, vocês sao incriveis♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...