1. Spirit Fanfics >
  2. Toque de anjo >
  3. Talvez sim ou não

História Toque de anjo - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


Voooooolteeeeeeeiiiiii!!!! Sentiram saudades de mim? Peço mil perdões pela minha demora, mas cá estou.

Leiam as notas finais. ♥️♥️


Obs: Amores essa é a conta de uma amiga, @Brown_Malik22 peço que dêem uma passada lá, eu estarei deixando o link da fic dela lá embaixo. ♥️♥️

Capítulo 13 - Talvez sim ou não


        P.o.v. Richard Marin

É incrível como tudo em nossa vida pode mudar tão repentinamente, poucos dias atrás eu estava em Londres, namorando um linda modelo e sendo aclamado por meus talentos artísticos. E eu que sofri por amor todos esses anos, hoje me vejo diante a minha maior paixão e do meu maior desejo em carne e osso, porém não é como antes, não temos mais aquele fogo e eu arrisco dizer que nunca teremos aquilo de novo. Sim, o amor é maior que tudo e que todos, mas ninguém me contou que a dor também é poderosa e pode bater de frente sem fazer muitos esforços. Ser magoado de tal forma por alguém que você amou com todas as suas forças é uma das piores formas de tortura que um ser humano pode aguentar.

-Richard? -Stella me chama e automaticamente me puxa de volta para a terra.

Sua pergunta anterior caiu como uma bomba em um campo minado, como responder? Será que eu vou conseguir perdoa-lá por anos e anos de dor? O tanto que eu sofri não pode ser apagado da noite para o dia.

-No meu lugar, você me perdoaria? -Perguntei de volta.

-Não. -Me respondeu com a voz extremamente baixa.

-Imaginei que você fosse me responder isso. -Digo.

Neste momento dou alguns passos em direção à porta sendo seguido por Carter, creio que já ouvi o suficiente para ter pesadelos por três semanas.

-Eu te amo. -Disse ela me encarando.

Confesso que essa frase teve impacto direto em minha alma, lembrei dos tempos em que éramos amigos, namorados, amantes e porto seguro um do outro, mas um amor não se vive de passado, por mais que possa doer, em muitos casos, o ideal é seguir em frente sem olhar para trás, porém toda estrada tem imperfeições e muitas delas te levam ao destino correto.

-Sabe Stella, você tem muita sorte de sermos tão diferentes. Estou sim profundamente magoado com você, mas por incrível que pareça eu não tenho o ego inflamado. -Digo.

-Você tem noção do que isso representa? -Perguntou um pouco mais confiante.

-Representa que eu não sou idiota ao ponto de confiar em você de novo, mas eu não guardo rancor. Bom, eu posso até te perdoar, mas nunca voltarei para você. Espero que você encontre o que tanto procura. -Digo.

-Pois bem, você está no seu direito de se retrair. Quero que saiba que a única coisa que eu procuro está bem aqui diante dos meus olhos. -Disse.

-Se essa é a verdade, eu acho que você deveria ter pensado assim muito tempo atrás. -Digo.

-Eu não me arrependo do que eu fiz, olha só para você, Richard você é o que sempre sonhou ser, eu não podia te tirar isso, não era justo. -Disse ela se referindo a minha carreira.

-Mas você me tirou o principal.

-E agora estou aqui, bem na sua frente te dizendo que eu te amo. -Respondeu.

Stella chega cada vez mais perto e neste momento sinto suas mãos tocando em meu tórax.

-Para. -Peço.

-Eu senti muita falta de você, das suas risadas, das suas lições, eu me tornei quem sou graças a você, nunca te esqueci um só momento e sempre buscava colocar seu ensinamentos em pratica. -Revelou.

-Angel, eu não...

-Olha, estamos progredindo! Você me chamou de Angel. -Disse sorridente.

Como pude me deixar levar? Era óbvio que ela estava jogando, confesso que ela sabe muito bem o que faz.

-Apenas por força do hábito. -Digo.

Neste momento sou bruscamente surpreendido por Stella, na ponta dos pés, ela cola seus lábios nos meus, mas não em um beijo, ela fez isso apenas para aguçar os sentidos e provocar um momento menos tenso que a noite inteira.

-Você tinha o hábito de me beijar de surpresa, lembra? -Perguntou com sua boca colada na minha.

-Hábito do passado, já foi esquecido. -Digo me afastando dela.

-Ok, bom, temos uma relação de trabalho e eu realmente espero que não seja abalada por nossas questões pessoais, sonhos vem em primeiro lugar. -Disse um tanto frustrada.

-Concordo plenamente Carter, agora se me dá licença, eu tenho que ir. -Digo.

Stella não me responde com palavras, apenas faz um sinal positivo com a cabeça e logo abre a porta para que eu possa passar.

Sem olhar para trás, logo saio da casa dela e em questão de segundos me vejo dirigindo rápido pelas ruas de Los Angeles. Creio que a conversa foi muito esclarecedora, por uma parte eu entendo o lado da Stella e o porque dela ter feito o que fez, mas por outro me sinto completamente traído, não foi justo tudo que aconteceu e da forma que aconteceu. De toda forma, vou tentar não ficar pensando nisto, afinal sou o ator protagonista de uma série que corre riscos, preciso me dedicar ao meu trabalho e esquecer o mundo a minha volta, quando eu falo o mundo estou me referindo unicamente a ela, Stella Carter.

         UMA SEMANA DEPOIS

Tudo está correndo como eu tinha planejado, só vejo a Stella nas gravações, a imagem que tenho dela é de uma mulher forte, em momento nenhum a vejo fracassar, sua casca de durona permanece intacta.

Neste momento estou sentado em um dos sofás que ficam à disposição dos atores pelos estúdios.

-Como vai, Marin? -Ouço alguém falando.

Levanto um pouco os olhos e vejo o diretor Tony me encarando.

-Eu estou bem e você? -Pergunto.

Fico um pouco surpreso ao vê-lo, o Tony não estava comparecendo as gravações desta semana, segundo Stella, ele alegou passar por problemas pessoais e não poder trabalhar por abalo emocional.

-Eu estou muito bem. -Disse ele.

-Que ótimo, mas...

Neste momento sou interrompido pelo Jake.

-Richard eu preciso que... Opa! -Jake para de falar ao ver Tony.

-O que você faz aqui? -O diretor ignora minha presença e se dirige ao Jake de uma forma extremamente inusitada.

-Ele é o meu assistente pessoal, algum problema entre vocês? -Entro na conversa.

-Problema nenhum. -Respondeu Jake.

-Eu já vou. -Diz Tony e logo se retira.

Jake o segue com os olhos e isso me parece ser bem mais do que eu imaginei.

-Não... -Fico surpreso com o que penso.

-Sim, mas acho que ele não estava preparado para sair do armário. -Jake diz fazendo uma careta esquisita.

-Quando?

-Na mesma balada que a Valerie beijou o Alec. -Disse ele.

-Valerie o que? -Stella chega por trás.

Droga! Infelizmente nós não tínhamos notado sua presença, e agora ela sabe do que sua assistente fez no sábado passado.

-Bom, eu tenho muito trabalho a fazer. -Disse Jake.

-Não, espera um pouco, a Valerie fez o que? -Tornou a perguntar.

Tento decifrar cada músculo do seu rosto, talvez ela esteja decepcionada demais, com raiva ou será ciúmes? Isso não tem sentido nenhum.

-Acho que isso deve ser perguntado a ela. -Respondeu Jake.

-Mas eu estou perguntando a você!

-Chega, vai resolver o restante da minha agenda Jake, você só deve satisfação a mim. -Interrompo o clima tenso.

-Claro. -Disse ele e logo se retirou.

-Você sabia disso não é? Você sabia que a Valerie tinha me traído de tal forma?

-Uau, pra quem odeia o Alec, você está bem interessada nesta traição. -Digo fazendo aspas com as mãos ao falhar a palavra traição.

-Não estou muito afim de ficar vendo seu cinismo, Marin.

-Então é só dar meia volta e voltar para o inferno. -Digo.

-Escute aqui, eu ainda sou Stella Carter e você trabalha para mim, então acho melhor você me tratar como tal.

Eu já tentei me explicar e se você não quer entender o problema é unicamente seu, agora não pense que as coisas vão mudar nestes estúdios ou que eu vou correr atrás se você, eu não vou tolerar suas gracinhas, Richard. -Disse ela.

-Que ótimo, assim você fica longe de mim, não atrapalhe mais minha vida. -Digo.

Neste momento faço menção em sair de perto da Stella, porém ela me segura pelo braço.

-Já que você faz tanta questão em me desprezar, fique sabendo que a parir de hoje será código de Hamurabi. -Diz ela.

-Me solta, e o que isso quer dizer? -Pergunto.

Stella adora falar por metáforas ou coisas da antiguidade, digamos que ela gosta de mostrar seu intelecto por meio das conversas.

-Olho por olho, dente por dente. Se me desprezar, terá meu desprezo igual, cuidado Richard, eu sei muito bem como me transformar em pedra. -Ameaçou.

-Jura? Eu não tenho um pingo de medo do seu desprezo, isso não me afetará. Que tal você ir expor seu ciúmes do Alec para a Valerie? Sai daqui. -Rebato.

-Ciúmes? Parece que não sou eu quem realmente está com ciúmes. -Disse.

-Ah, vê não se não me enche o saco, você é passado, então haja como tal. -Digo.

Neste instante me irrito e saio de perto da Stella, maldita hora que eu resolvi vir trabalhar aqui.

       P.o.v. Stella Carter

Como assim a Valerie beijou o Alec? Não é possível! Eu não posso acreditar nesta traição.

-Valerie, na minha sala por favor. -Digo ao ver ela conversando com alguns funcionários.

-Claro. -Disse e logo começou a me seguir.

Eu tenho que ficar calma, a situação exige muita maturidade, pois não se trata de qualquer pessoa, mas sim da Valerie, minha amiga de anos que sabe exatamente toda minha história com aquele infeliz! Tem que ter uma explicação plausível para tudo isso.

Chegamos ao meu camarim e eu logo resolvo dar início aquela conversa que provavelmente será muito chata.

-Valerie, tem algo que você precisa me contar? -Pergunto.

-Não, por que?

-Você tem certeza que não precisa me contar nada?

-Tenho. -Disse sem me encarar.

A primeira prova de que ela está mentindo, Valerie sempre me olha nos olhos e por que agora seria diferente?

-Bom, eu sei que você beijou o Alec. -Sou direta.

-Co... Como você soube disso? -Perguntou.

Valerie começa a andar de um lado para p outro, repetidamente passa as mãos na testa como se estivesse com dor.

-Tenta ficar calma, eu não estou brava por isso, mas não posso mentir que eu realmente esperava que você me contasse. -Digo seriamente.

-Ah Stella, eu sei que agi errado escondendo essa história, mas como você queria que eu te contasse? Eu sei de todo seu ressentimento pelo Alec e tive medo que você não entendesse o que aconteceu.

-Estou ouvindo. -A encorajo.

-Bom, eu já te contei de como foi meu encontro com o Drew e todo o resto.

-Pelo andar da carruagem, tudo aconteceu na tal boate não foi?

-Sim, eu estava em um camarote mais reservado com o Jake, estava um pouco escuro, eu juro que não sabia que era o Alec, quando eu percebi já era tarde, infelizmente eu já tinha o beijado.

-É a cara do Alec fazer este tipo de coisa mesmo.

-Então você acredita em mim?

-É claro, eu sei que você não mentiria sobre isso, por parte eu te entendo, no seu lugar eu também omitiria este faço, confesso que às vezes sou um pouco dura demais.

-Um pouco? Hahaha.

-Ah para! Agora, eu não quero que você fique com medo de me contar nada, eu sou sua amiga.

-Eu sei, mas a situação foi muito inesperada.

-Realmente.

-Bom, mas como você soube disso?

-Esquece, não vem ao caso.

-Confesso que você está bem mais calma do que eu achei que você fosse estar.

-Bom, digamos que eu tenha um problema maior que as travessuras do Alec.

-Quer compartilhar?

-Não, pelo menos não agora.

-E o Lucky?

-O que tem ele?

-Nada... Só uma pergunta aleatória.

-Pelo que sei, ele está muito bem.

-Hum.

-Valerie? -Digo apertando os olhos.

-Oi!

-Me diz que você não está em contato com o Drew.

-Não, eu não estou.

-Que bom, ele não merece uma mulher como você.

Fico conversando com a Valerie em relação a outras coisas, mas não posso negar o fato de ter passado a semana inteira pensando no Richard, ele parece irredutível.

                 [...]

Chego em casa sentindo meu corpo pesar uma tonelada, o dia foi estressante e meu impasse com o Richard contribuiu muito para o meu desanimo noturno.

Vou para o meu quarto, tomo um banho, cuido um pouco da minha pele e logo estou deitada na cama olhando para o teto. Sei que ainda é muito cedo para dormir, mas não estou muito no clima para ficar revendo os mesmo clássicos de sempre.

Kate não está em casa essa noite, bom, ela tem uma vida, uma família e não posso mantê-la aqui por tanto tempo. Sozinha, essa é a minha definição para hoje e talvez para sempre.

Neste momento meu celular começa a tocar e para a minha surpresa é o Lucky.

-Oi. -Atendo.

-Oi Stella, como você está?

-Bem e você?

-Tem certeza?

-Tenho, por que eu não estaria? -Fico alarmada.

Geralmente Lucky só faz esse tipo de pergunta, "Tem certeza?" quando algo referente a mim não está certo.

-Você não viu as notícias não é?

-Quais notícias?

-Richard está namorando, ou melhor, ele volto com a ex namorada, uma tal de Della. -Disse com o tom de voz moderado.

-Quando foi isso? -Pergunto ficando em pé.

-Hoje, pelo que vi eles reataram e em breve ela estará aqui em Los Angeles.

-Não é possível. -Digo extasiada.

-Está em todos os canais de fofoca.

-Bom, se ele está feliz é o que importa. -Forço uma falsa maturidade.

-Sei que essa notícia te abalou, por isso te liguei, eu me preocupo com você.

-Obrigada Lucky, eu realmente não estava sabendo disso, mas tudo bem, o Richard é adulto, ele sabe o que faz. -Digo.

-Eu não estou nem aí para o Marin, minha prioridade é você.

-Eu estou bem, mas parece que os anjos estão raivosos comigo.

-Por que?

-Bom, olha tudo que me está acontecendo. Alec, como sempre, tendo impacto negativo em mim, para piorar eu contei para o Richard toda a verdade e agora, quando eu achei que talvez ele pudesse me perdoar, ele aparece namorando. -Digo.

-Sei que é complicado, as coisas do coração são indecifráveis, mas olha para o lado bom, você continua sendo uma grande mulher, tem um lugar de destaque e seu trabalho segue intacto.

-Até quando? Eu estou começando a ficar cansada.

-Hey, cadê a Stella que nunca desanima? Você é forte, lembra?

-Sim Lucky, mas ser forte dói muito.

-Você não está cansada de nada, assuma, você só está com medo de perder o Richard de verdade.

-Eu já perdi Lucky. -Digo.

Neste momento sinto um nó se formando em minha garganta, mas eu não posto chorar! Um, dois, três, autoconfiança.

-Ou não, o jogo só acaba quando termina.

-Nosso jogo já terminou a anos, porém eu sou idiota em acreditar que talvez eu possa ter a chance de ser feliz de novo.

-Me parte o coração te ouvir falando assim. -Disse.

-Você era a única pessoa que deveria me odiar, eu já te machuquei muito.

-Você não me machucou como acha, Stella. Chega de pensar assim, nós somos adultos e ficar culpando nossos sentimentos não vai adiantar nada, eu não minto quando digo que entendo o que te levou a terminar comigo, eu sei que eu não era a definição de namorado perfeito, mas eu sempre vou ser seu amigo, eu te prometi isto e vou cumprir. -Diz ele.

-Mas você ainda me... -Me arrependo antes mesmo de terminar a frase.

-Sim, eu ainda te amo, mas já entendi que não seremos mais que amigos. Antes de tudo, você é minha amiga e não se deixa um amigo para trás no momento que ele mais precisa.

-Você merece encontrar alguém que te mereça.

-Um dia quem sabe, mas não fuja do assunto.

-O que você quer que eu faça?

-Você vai deixar isso assim?

-Mas Lucky...

-Nada de mas, você ama o Richard ou não?

-Muito.

-Então mostre para ele, lute.

-O que?

-Eu não te perdi pro Richard para te ver fugindo.

-Você é igualzinho a Valerie.

-Bom, meu recado foi dado e espero que você faça a coisa certa, o tempo é curto, corra atrás do que você realmente quer e o prove que nada foi em vão.

-Vou pensar no seu caso.

-No seu caso né? Eu sou apenas uma pessoa tentando abrir seus olhos para o óbvio.

-Tudo bem Lucky, vou ver qual será meu próximo passo.

-Ótimo.

-Eu quero te apresentar uma pessoa tá bom?

-Quem?

-Vou marcar tudo, quando estiver tudo certo eu te aviso.

-Quem é?

-Surpresa, relaxa, é pessoa legal.

-Ok, eu estou mesmo querendo conhecer pessoas novas. -Disse com uma pequena risada.

-Como vai seu trabalho?

Dou início a uma conversa menos tensa com o Lucky, ficamos no telefone por um tempo até que sou obrigada a encerrar a chamada pois meu sono está mais forte que eu.

Talvez o Lucky esteja certo, talvez eu deva lutar pelo Richard, se eu o amo por que eu desistiria dele tão fácil? Richard está magoado e com toda razão, mas algo me diz que ele ainda me ama e vou confiar em meus instintos.

Sempre tive consciência que no momento de um possível reencontro nosso, tudo seria complicado. Tenho que ser mais forte que nunca, encarar a volta do Richard foi prematuro e inesperado, de certa forma eu reagi bem, agora se trata de mais uma volta e não é de um dos meus ex, mas sim da mulher que ocupou meu lugar por um tempinho. Eu não vou me deixar abater, vou fazer o Richard aceitar de uma vez por todas que ele me ama e que ficará comigo ou eu não me chamo Stella Carter.

            Continua...


Notas Finais


E esse foi o capítulo de hoje, espero que tenham gostado e por favor COMENTEM! Eu preciso saber da opinião de vocês.

Obs: Caso hajam erros ortográficos, peço que me perdoem.

Até a próxima meus Anjinhos. 😇😇

Sweet and bitter love:
https://www.spiritfanfiction.com/historia/i-hope-she-save-me-19539009

Last Kings:
https://www.spiritfanfiction.com/historia/last-kings-16760165


Anjo negro de batom vermelho:
https://www.spiritfanfiction.com/historia/anjo-negro-de-batom-vermelho-19775006


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...