História Toshinori Hana - Capítulo 26


Escrita por: e Haruka_bia

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens All For One, Chiyo Shuzenji (Recovery Girl), Dabi, Denki Kaminari, Eijirou Kirishima, Enji Todoroki (Endeavor), Eri, Fumikage Tokoyami, Fuyumi Todoroki, Gran Torino, Hanta Sero, Hawks, Hitoshi Shinsou, Hizashi Yamada (Present Mic), Ibara Shiozaki, Inasa Yoarashi, Inko Midoriya, Itsuka Kendo, Izuku Midoriya (Deku), Kai Chisaki (Overhaul), Katsuki Bakugou, Kinoko Komori, Kurogiri, Kyoka Jiro, Mashirao Ojiro, Mei Hatsume, Mina Ashido, Minoru Mineta, Mirio Togata (Lemillion), Momo Yaoyorozu, Muscular, Naomasa Tsukauchi, Neito Monoma, Nejire Hado, Nemuri Kayama, Ochako Uraraka (Uravity), Personagens Originais, Pony Tsunotori, Ryuko Tatsuma (Ryukyu), Sen Kaibara, Shouta Aizawa (Eraserhead), Shouto Todoroki, Sir Nighteye, Stain, Tamaki Amajiki (Sun Eater), Tenya Iida, Tetsutetsu, Thirteen, Toga Himiko, Tomura Shigaraki, Toru Hagakure, Toshinori Yagi (All Might), Tsuyu Asui, Yo Shindo, Yosetsu Awase, Yu Takeyama (Mount Lady), Yuga Aoyama, Yuuga Aoyama
Visualizações 33
Palavras 8.176
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Hentai, Lemon, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


NEM TODAS AS PEGADINHAS ESTÃO NESTE CAPÍTULO. Mas vão aparecer.

Obrigada pela ajuda:

☆ TheOppaiS2

☆ My_Lady_Mari

☆ lari534

☆ Beth_chan

☆ BonnieChennie

Obrigada pela intenção de nos ajudar:

☆ALESSANDRA556

☆Leps101012

♡♡♡♡♡♡♡

Tenham uma boa leitura amores ~♡

Capítulo 26 - Diversão nas semi-finais


Fanfic / Fanfiction Toshinori Hana - Capítulo 26 - Diversão nas semi-finais

<-----

Hana: Nunca é cedo e nem tarde demais para gostosuras ou travessuras minha querida.

Acnaib: E por acaso dois loiros estão na lista.

Hana: Você me conhece bem.

----->

♡Hana ON☆

-- Espera... Mas o Monoma está na enfermaria.

Acnaib: Eu sei, mas o que tem?

-- Qual o outro loiro que você mencionou então?

Acnaib: Bem, o loiro que eu quero é o Present Mic como você ja deveria saber. As aulas de inglês dele só aumentaram minha vontade de vingança.

-- Não acredito que você ainda está com raiva dele, Acnaib.

Acnaib: E porque não estaria? Ele me fez passar vergonha na frente da escola inteira e aturar tudo por ANOS.

{Na verdade ele não a humilhou, o present Mic estava indo as escolas da nossa região, para informar que deveríamos ficar em casa, e não sair sem um responsável pelas ruas, depois do  "acidente" na qual nos metemos, houve um sequestro de uma menina da nossa escola. E como a Acnaib insistia em dizer que já era bem grande, mas consideravelmente uma adulta, disse que aceitaria qualquer coisa para provar que era verdade, o present Mic, fez um labirinto na nossa quadra, e cada caminho haveria uma armadilha que podia ser considerada de vilão. E quando a Acnaib entrou, tinha 3 horas para sair do labirinto sem ter caído no mínimo duas armadilhas. Ela saiu 5 horas depois, com tinta, trigo, ovos, e com bexigas de água que a tinham molhado antes do trigo, fazendo que ficasse uma massa completa após os ovos, e a tinta que foi considerada o "corante". Foi um dia engraçado, pois ela ficou como um pimentão de raiva e vergonha de ver a tela na qual estávamos vendo o desempenho dela. Ela passou um sufoco para para tirar tudo do corpo dela, e também aturar dois anos com todos lembrando-a daquela vergonha, e demorou bastante para esquecerem, e teve vezes que tinha que me meter em brigas com o Ykiam para ajudar ou separar ela. E é claro, que ela jogou toda a culpa da vergonha no Present Mic. Mesmo sabendo que foi ela que pediu por aquilo}

-- Não exagera, Acnaib.

Acnaib: EXAGERAR? Então me responda o por que de querer ferrar com o Bakugou?

-- Por... Por ser um idiota, e por criar aquele apelido tonto. E também por exagerar com a Uraraka-san.

Acnaib: Viu?! Você pode fazer por ela e por mim não?

-- Não é assim também, vai ser por diversão também.

Acnaib: Sei. Você vai me trocar por ela não vai, nunca pensei que você fosse desse tipo de pessoa que trocasse a "amiga" quando não precisasse mais dela. -- diz fazendo drama, com um lenço que nem sei de onde saiu para enxugar as "lágrimas".

-- Esta bem, está bem -- digo após dar um longo suspiro. -- eu te ajudo.

Acnaib: Obrigadinha -- diz com boca de gato e com o olhar vitoriosa no rosto.

-- Ok, mas como você vai se "vingar"

Acnaib: Cuidaremos disso depois de cuidarmos da sua sala, vamos pegar as coisas?

-- Claro que sim, se eu me lembro bem, tem um quadro de palhaço em um dos cômodos desse estádio, nem me pergunte o porquê, pois não sei. -- falo já sabendo que ela ia perguntar.

Acnaib: Nem quero saber de como você sabe disso. Vou pegar o fio que iremos usar para a porta, uma de nós colocará a câmera do celular dentro de um dos armários para filmar. Eu ficarei nos ejetores (autora: não sei se é isso, eu simplesmente confiei na haruka) de luz até conseguir fazer que se conecte com o celular.

-- Você sebe se ele está aqui?

Acnaib: O Ykiam? Claro que está, adés de quando ele perde algum evento da U.A?

-- Adés que me entendo por gente nunca.

Acnaib: Você não o viu na platéia? Ele veio falar comigo antes de entramos, só não o vi no entervalo. Ele falou que tinha convidado você para vir junto com ele, mas você não atendeu celular ou respondeu às mensagens.

-- Vish... deixei ele no silencioso. Espero que não esteja irritado

Acnaib: Não se preocupe, ele está apenas preocupado, você sempre nos respondeu, óbvio que iria estranhar. AGORA, já perdemos muito tempo falando baboseira, vamos entrar em ação. Você vai tirar a roupa, eu vou chama-lo.

-- Sim senhora. -- digo fazendo saudação e indo marchando até o vestiário.

(...)

Quando chego vou até meu armário e o abro, tirando as tralhas de baixo e abro o fundo falso que o senhor Nezu me avisou ter justamente neste. Já que tinha previsto que poderia acontecer algo nos eventos escolares.

 Peguei uma blusa branca com com detalhes de rosas em preto e vermelho, uma calça jeans cinza escura, e dentro de uma caixa tinha um tênis parecido com o que eu tinha em casa.

Após arrumar a roupa em cima do banco, puxei o colar e o apertei. A roupa logo entra dentro do mesmo, e logo aperto no outro local, fazendo que mudasse de roupa rapidamente. Logo depois vou até o espelho e arrumo meu cabelo, tiro as lentes e coloco-as com cuidado no banco e o "sugando" como a roupa, em seguida guardo ele de baixo da blusa novamente.

"Deve servir"

Toc.. Toc -- travo na mesma hora.

Acnaib: Hana? -- bate de novo -- Sai logo daí, o Ykiam também já está aqui. Não me faça arrombar essa porta -- Suspiro aliviada e saio logo em seguida. -- finalmente.

-- Oi Ykiam, tudo bem? -- digo nervosa.

Ykiam: Melhor impossível. -- diz abraçando a mesma -- de mais notícias daqui endiante cacete, não me preocupe assim.. Fico feliz por estarmos juntos de novo, e por cima para fazermos nossas travessuras.

-- Que bom, fico mais aliviada.. Ykiam eu-

Acnaib: NÃO PRECISA. Já contei todo o necessário, vamos! Já perdemos bastante do tempo precioso, se essa vida fosse um livro, nem leria de tão enrolado que é. Mas voltando ao assunto: O desempate do ruivo da sua sala começou agora, e como é uma simples queda de braço vai acabar logo.

-- Ok, vamos fazer o máximo para conseguirmos nos preparar a tempo.

Ykiam: Quem serám as vítimas?

-- Não sei, só fiquei com vontade de extravasar em algo e pensei em me distrair em com o abtual.

Ykiam: Entendi, e com isso a Acnaib se aproveitou da situação para dar o troco no Present Mic

-- Isso mesmo, mas agora vamos preparar tudo.

Acnaib: Eu já fiz minha parte, como você podé ver. Só resta a sua de pegar o quadro.

-- Ok, estou indo. -- digo me virando e indo correndo até as escadas e descendo até o último andar. Vou logo em direção a sala que era considerada a dispensa para tralhas que a escola usou no passado. Abro a porta e vou até o final da grande sala, as caixas estavam bem organizadas até mesmo para um local que não era visitado a meses. Pego o quadro do palhaço que estava pendurado e saio correndo o mas rápido possível, sempre verificando os corredores.

(...)

Acnaib: Em quem você aposta 190 R$? No ruivo ou no prateado?

Ykiam: No prateado.

Acnaib: Espera, mas eu também quero apostar nele, troca comigo por favor.

Ykiam: Nem pensar.

-- Cheguei. -- Falo após ouvir o começo da conversa. -- E eu aposto no Kirishima.

Acnaib: Você tem noção que terá que pagar 380, não é? -- diz vitoriosa

-- Sim, e vocês a mim se eu ganhar.

Acnaib: Fechado. Agora deixa eu ver o quadro. -- lhe dou o mesmo que estava de baixo do braço -- Isso aqui sim é a feiura em quadro. Que horror... Vai ser maravilhosa a cena, pendura ele, ele vai ser o autor principal.

-- ...Não tem como eu o pendurar. Eu pensava que poderia colocar em cima de uma cadeira.

Ykiam: Pode ser, o barulho vai ser o mesmo.

-- Você fez um belo trabalho -- digo vendo o pequeno fio em volta da maçaneta, era praticamente invisível em olho num, só se a prestasse muita mais MUITA atenção daria para ver.

Acnaib: Enquanto vi e estava fora, eu e o Ykiam, já fizemos todo o necessário.

-- Ok, estou indo colocar isso no lugar. -- entro na sala de espera, pego uma cadeira e coloco no canto da sala. -- Aleluia. Vamos testar?

Acnaib: Claro que sim.

Ykiam: Por mim, tudo bem.

(...)

Colocamos algumas coisas a mais, e nessa altura. O desempate do Kirishima acabou, e na minha opinião já estava na hora, durou quase dez minutos para acabarem.

-- Pode passar -- 380$ aparece rapidamente na minha mão.

Ykiam: Que droga, agora só tenho 10$ para gastar em comida.

Acnaib: Va se danar, e eu juntei esse dinheiro por três meses? Você ganha essa quantia todo mês dos seus pais.

-- Toma -- dou uns $365 para ela -- eu não preciso do dinheiro. Eu tenho minha mesada e conta bancária e estou muito bem com ambas. Mas vou ficar com esses 15$

Acnaib: Obrigada -- diz com os olhos brilhando. -- Vou fazer bom uso.

-- Não fale como se fosse necessitada. -- digo em voz de bronca. -- Vou dizer mais explicado= Eu não te dei por Dó e sim porquê eu não preciso, e por cima estava te devendo algo. -- digo e logo olho um ruivo que estava indo em direção ao corredor de entrada para a arena. -- Endeavor? -- sosurro -- Gente, que luta é agora?

Ykiam: Do todoroki Vs midoriya se eu não me engano.

-- podem me dar um minuto? Por favor.

Ykiam: Claro, já está tudo pronto. Só resta os alvos.

-- Estou indo então -- quando saio de vista dos dois aperto o colar e volto a ter a aparência de Naomi.

(...)

"Droga, não consigo segui chegar no começo da conversa"

Endeavor: --.. Meu shoto tem o dever de superar o allMight. A partida dele contra você será bastante instrutivo. Exijo que não vice não mostre uma partida invergonhosa. Era só isso que queria falar, desculpe por tomar seu tempo.

"Parece o Monoma falando, que horrendo " -- fico olhando o ruivo ir embora

Midoriya: Eu... eu não sou o AllMight. -- diz e o outro para é se vira novamente.

"Fisicamente não, mas os atos totalmente"

Endeavor: Isso é óbvi-

Midoriya: Isso é óbvio, não é? -- olha para trás e encara o mais velho -- Todoroki-kun também não é você. -- sorrio na hora.

"PONTO PARA MIDORIYA." -- penso fazendo vários pulinhos no lugar e erguendo uma mão diferente a cada saltinho.

Vejo o esverdeado ir embora, e quando estava prestes a entrar para o meio do estádio ele me vê, e sosurro um "Boa sorte", e ao parecer ele ouviu, pois sorriu, e parecia mais aliviado.

Midoriya: Obrigado por estar aqui Naomi-san -- diz baixo e entrando no estádio.

"Essa partida não será fácil, para nenhum dos dois"

Já que não tinha mais o que me preocupar, começo a andar para ir embora, mas uma mão no meu ombro me impede. Me viro rapidamente.

"Droga, ao parecer o Midoriya não foi o único que me viu"

Endeavor: ...

-- ....

Endeavor: ... -- fica me olhando mais atentamente.

-- Perdeu algo no meu rosto? -- digo sem paciência.

Endeavor: Talvez sim -- diz colocando sua mão direita por debaixo do queixo e levantando meu rosto, com um olhar duvidoso -- Você está muito longe de ser igual, mas.... Qual o seu nome mesmo? -- tiro sua mão de mim bruscamente.

-- Se quiser saber, o senhor pode ver muito bem meu nome na tela das lutas do jogo, agora com licença, tenho coisas para fazer antes da minha partida. E acho melhor nunca mais me tocar daquela forma, o senhor pode até ser o segundo herói mais forte do mundo, mas não exitarei em arranjar uma forma de confronta-lo de frente.

Endeavor: Você não recebeu educação?

-- Recebi, mais só uso com quem eu quero, ou quando sou forçada, mais deixo óbvio quando não gosto da pessoa. Dependendo se quem seja não sou obrigada a aturar alguém que não suporto.

Endeavor: Shoto deve estar assim por causa de mas influências como você.

-- Se o Todoroki te trata de forma ruim, é porque o senhor merece. Ele não é de fazer esse tipo de coisa com mais ninguém. -- digo após lembrar da conversa do bicolor com o Midoriya. Os maltartos que esse monstro fazia a ele, sua mãe e seus irmãos.

Endeavor: Espera-

Começo a correr e vou até o vestiário já na aparência normal, onde encontro Acnaib e Ykiam super animados.

-- Pra que essa empolgação toda?

Acnaib: Que bom que voltou. Eu e o Ykiam sabemos que pegadinha fazer para o final da diversão.

-- Porque será que sinto terei que me ferrar para isso, é quando?

Ykiam: Bom, vamos afazer nesta ordem assim -- diz mostrando o caderno com o Título "Travessuras" na capa e o abrindo (Esse livro tem ao menos uns nove anos, cada idéia que tínhamos colocávamos nele, e cada uma delas tinha número para sabermos qual é) -- fazemos a 13 primeiro. Já que temos a sala pronta.

Acnaib: Eu escolho uma depois. Ordem alfabética.

-- Fia, você tem noção que se fosse mesmo por ordem alfabética você será a primeira, eu a segunda e o Ykiam por último.

Acnaib: Ééé Claro que sim, como se eu fosse burra desse nível Hana, eu apenas confundi. É a a ordem de tamanho -- olhei para ela tipo: "sério isso?", eu e ela tínhamos o mesmo tamanho agora. -- Eu quis dizer por ordem de nascimento.

Ykiam esrapeu a testa com força, deu para ouvir o estalo, e por cima ficou uma bela marca, que acho que não sairá daqui umas 2 horas.

Ykiam: Você faz primeiro do que eu, Acnaib. A Hana é a última.

Acnaib: CACETA. ENTÃO TÁ, EU VOU SER A SEGUNDA A ESCOLHER PORQUE EU QUERO. -- diz já revoltada

Ykiam: Calma, nos íamos fazer assim mesmo, afinal, a Hana fez a maior parte desse caderno. Vamos poupa-lá de esforço.

-- Engraçadinho.... Agora que me toquei nisso.

Acnaib: No que?

-- Ykiam, como você trouxe esse livro de sua casa?

Ykiam: Eu nunca me separo dele, nunca se sabe quando irá precisar. E principalmente: Ele me ajuda com os clipes e idéias de cenas de comédia e terror para meus vídeos no YouTube.

-- Então tá. Vamos colocar os planos em prática.

Acnaib: Aleluia, você fala fala e nunca começamos essa merda, já estava enchendo o saco. Quem que vai para dentro do vestiário?

-- Vou mandar um SOS, e veremos quem seram os primeiros -- digo sorrido largo.

☆cinco minutos depois: Em outro lugar☆

Tsuyu: "Uraraka-chan, você tem certeza que a vio por aqui, antes de mandar um pedido de ajuda? A luta do Midorya começou, você pode ir ver, eu fico procurando a Naomi-san." -- diz na ligação.

Uraraka: Obrigada, mas eu estou preocupada, a maioria da nossa sala está procurando ela, e para ajudar ela disse que não iria demorar a conversar com a, Acnaib-san. E depois do ataque de vilões, temos que ficar mais cautelosos com os outros. Você mesma falou Tsuyu que a Naomi-san enfrentou aquele brutamontes que o AllMith teve dificuldade para derrotar, e não seria nenhuma surpresa se eles viessem atrás dela e dos meninos, afinal, eles significaram uma grade ameaça naquele confronto. -- falo com um certo tom de angústia

Mina: Uraraka-san está certa. Devemos cuidar um dos outros.

Acnaib: Elas estão vindo Hana... Mas o problema é que as seis da sua sala estão vindo, três de cada lado. E pelo que eu ouvi todos estão te procurarando.

-- Obrigada, deu para ouvir, não esperava que fosse todos... Não podemos parar agora, aos seus postos, vocês já sabem o que fazer e com certeza elas vão avisar o Aizawa-sensei, vamos ser rápidos -- sosurro no celular, os dois concordam no outro lado. -- deixem o celular ligado, quero ouvir.

♡Hana off♡

♡Uraraka on♡

-- ACNAIB-SAN -- grito de felicidade ao vê-la -- graças aos céus... -- olho ao redor -- A Naomi-san não estava com você?

Acnaib: Sim, mas falou que ia até o vestiário, e até estranhei da demora, ela me falou que não iria demorar nadinha -- fala totalmente preocupada. -- Mas por que a pergunta?

Toru: Ela nos mandou um "SOS", e quando tentamos ligar o celular dava caixa postal e que não dava sinal.

-- Avisamos a sala, e todos estão a procura dela em times de três, para nossa segurança.

Acnaib: Espero que não tenha sido nada grave. -- diz com os olhos lacrimejados -- Eu devia ter ido com ela. Mas fiquei conversando com o Ykiam, outro amigo nosso, que saiu a poucos atrás dela.

Toru: Fiquei calma por favor. Estamos a procura dela, se não a acharmos iremos avisar os profissionais.

Acnaib: Obrigada, posso procurar com vocês?

-- Acho melhor você ir até seu acento Acnaib-san. -- ela estava me preocupando, se algo acontecer com ela a Naomi-san não irá me perdoar. -- Faz isso pela Naomi-san.

Acnaib: Eu irei avisar o Ykiam. Depois verei o que fazer. Desculpa. -- diz correndo decidida a ajudar.

Mina: Iremos atrás dela?

-- Não, temos que ir atrás da Naomi-san. Para onde vamos agora?

Toru: Vamos até o vestiário.

(...)

Está história não está batendo muito bem, mas a Naomi não mandaria aquela mensagem do nada.

-- Vamos entrar então -- vou até a maçaneta e abro a porta -- Naomi-san? -- nos três entramos em começamos a procurar atrás de cada armário -- Nada.

Toru: U-Uraraka-san, esse quadro sempre esteve por aqui? -- Diz nervosa olhando algo no corredor.

-- Como não o vimos quando entramos?. -- digo ao olhar o quadro de um palhaço rindo, ele é bem grade e chamativo, praticamente impossível nao ver.. e aquilo parecia uma obra do cape** com certeza, e nem tenho medo de palhaços.

Mina: Não sei, mas vamos embora por favor. -- diz impaciente em meio ao nervosismo -- A Naomi-san não está aqui mesmo.

-- tem razão.

Quando começamos a ir até a porta ela bate com força, e ao parecer pelo barulho ela fechou o trinco também.

-- EI, ISSO NÃO TEM GRAÇA. NOS DEIXE SAIR QUEM É QUEM SEJA. -- digo socando a porta inúmeras vezes.

Toru: ISSO É UMA BRINCADEIRA DE MAL GOSTO. Ou pelo menos eu espero que seja.

Mina: QUANDO EU SAIR DAQUI VOU TE QUEBRAR INTEIRO... -- e nada.

Toru: Uraraka-san, Mina, vou pegar impulso para tentar arrombar a porta.

-- O-ok -- fiquei vendo a mesma se distanciar e ao se virar para nos a luz se apaga e um som de algo se quebrando se alaja rapidamente no local, olho em volta e quase tive o relance de visto um sorriso, olho mais atentamente mas a luz e se acende logo em seguida, fico olhando para o teto só para ter certeza que não iria mais piscar -- pode vir Toru-san -- falo normalmente sem a olhar, afinal, deve ter cido coisa da minha cabeça -- Toru-

Toru/Mina: ATRÁS DE VOCÊ. -- as mesmas pulam em cima de mim e vejo algo passar rápido por mim e por elas. -- Você está bem, Uraraka-san? -- confirmo com a cabeça, e logo nos levantamos.

Toru: Aquilo foi assustador....

-- Pelo menos não tem como ficar pior.

Mina: Meninas... Cadê o quadro que estava pendurado?

Olho para o chão e vejo o objeto: A moldura estava quebrada e o palhaço... A-a pintura do palhaço não estava lá, todas as cores tinham sumido. E de um momento para outro o quadro começou a se "desintegrar", entrando para dentro do chão.

-- Eu e minha boca grade. Que diabos está acontecendo agora?

Mina: quero sair logo daqui.

Vejo algo cair na minha frente, com o pequeno susto pulo para trás indo contra a parede levemente. Quando olho vejo uma aranha enorme e quando começou a vim até mim por instinto  piso nela com força.

Toru: AAAAHHHHHHH -- grita tirando as tarântulas de cima de si.

Mina: L-lá em cima

Olho para cima e vejo vários tipos de aranhas comendo uma as outras, e ficando cada vez maiores e cheias de gosmas que com certeza era o sangue e o coração daquelas já mortas, e os restos estavam caindo em nós três.

Mina: Tô ficando enjoada -- colaca as mãos na boca.

A luz se apaga novamente mas dessa vez ficamos nas profundas  trevas, uma música começar a tocar.

-- M-Mina-san?... Toru-san?... C-cadê vocês? -- começo a andar com minhas mãos na frente para "me guiar".

Mina: Estou aqui perto do segundo corredor.

Toru: E eu perto da porta.

-- Não saiam daí, vou até vocês. -- essa música não ajuda em nada.

Demorou um pouco mais ao sentir o armário começo a contar e ir até o segundo correndor. Mais ao chegar no terceiro sinto alguém.

-- É você Mina? -- sorrio -- você não disse que estava no segundo correndor?

Mina: Sim, e tenho certeza que ainda estou.

-- Toru-san?

Toru: Eu nem me movi.

Quando soltei o "braço" algo me segura forte pelo pulso.

???: Não me deixa sozinho, quero companhia para brincar, por favor. Por favor Uraraka-chan.

Mina: Uraraka-san, quem é? -- dava para sentir sua preocupação.

"Se não é nenhuma das duas..."

-- Me solta. -- puxo com força mais nada adianta, só o faz apertar mais forte.

???: NÃO... Vamos brincar, quero ser seu amigo. Eu adoro festas, e você? Adoro ir principalmente pelos balões hehehe.. Eles flutuam, vamos flutuar também? Como eles... Eu te mostro o caminho.

Uma luz aparece e olho para o chão, uma vela estava clareando aonde eu estava. Começo a direcionar meu olhar para cima devagar e logo encaro a verdadeira aberração daquele maldito quadro mais ele estava deformado.

-- ME LARGA -- começo a sentir meus olhos ficarem lacrimejandos. Ele com essa a abrir a boca, e era cheia de dentes. -- TORU-SAN.. MINA- -- Sua boca derrapante se fecha e forma uma expressão engraçada.

Mina: SOLTA ELA SEU IDIOTA.

???: aí -- sussurra

~No lado de fora~

♡Acnaib on♡

-- As coisas estão ficando feias no confronto entre o Midorya e o Todoroki. Mais na maioria do tempo é diálogo, e até parece que o Midorya está pedindo para perder, fazendo que o outro use o fogo.. olha e não é que ele conseguiu?..... ELES QUEBRARAM CINCO BARREIRAS DE CIMENTO E AINDA QUEBRARAM TUDO DA ARENA.

Hana: Estou ocupada, Acnaib. E não grite no meu ouvido.

-- Nossa, então tá. Pensei que fosse querer saber.

Hana: ESPERA, o que o Midorya fez?

-- Nada também -- desligo o comunicador por raiva. -- Isso que dá ser legal: Ingratidão.

???: Acnaib. -- me viro.

-- Aizawa-sensei? O-o que o senhor está fazendo aqui?

Aizawa: Você não estava na sala de espera. E você é a próxima.

-- Não deveria ser o Bakugou antes de mim.

Aizawa: Ele teve um imprevisto, então você irá antes. Você aceitou antes de ir ver a Igarashi.

"Verdade, esqueci completamente"

-- Já estava a caminho. -- um barulho é ouvido de dentro da sala.

Aizawa: Quem está aí dentro?

-- As meninas -- respondo rápido.

Ele fica me encarando e vai até a maçaneta e abre uma pequena brecha da porta.

Meninas: FECHA -- o Aizawa-sensei fecha rapidamente, e me olha confuso.

-- Éééé.. elas estão trocando de roupa, estão tirando os de líderes de torcida.

Suspira -- então vamos -- Aizawa-sensei fala me encarando como: "Se você não vier por bem, te arrastarei por mal"

-- H-hai -- começo a ir até a sala de espera.

"E agora? Não tenho como comunicar com a Hana. POR QUE FUI DESLIGAR ESSA MERDA DE APARELHO"

~"Dentro da sala: Na ventilação"~

☆Hana On☆

Acho que foi o suficiente. As aranhas, o palhaço, o sangue e as velas no formato de pentagrama.

{Quando entraram eu já estava aqui dentro da ventilação, usei minhas ilusões, o Ykiam estão usando sua individualidade sonora para fazer os efeitos principais. E a Acnaib está cuidando da porta.

O Ykiam está se arriscando bastante, afinal ele fez o papel do palhaço, e eu só fiz que elas vissem o que tinham que ver... Só que não esperava que a Mina fosse chutar seus testículos com tanta força por trás e a Toru em seu estômago, até fez que a música parasse por alguns momentos, foi até o mesmo voltasse a consciência.}

"Ele não vai mais aguentar"

-- Ykiam pode sair pela porta.

Ykiam: O-ok -- diz indo mancando até a porta e a abrindo e indo embora do local.

-- Acnaib, acabamos essa pegadinha por aqui, se prepare para.... Acnaib? -- ligo a outra linha. -- Ykiam a Acnaib está aí?

Ykiam: Negativo. Aí minhas bolinhas sagradas. -- sussurra a última parte.

"DROGA"

-- Segure a porta no lugar dela.

Ykiam: Positivo -- consegu ouvir ele se arrastando pelo chão choramingando.

-- Só não morra. -- "Espero que não tenha sido castrado"

Toru: Onde aqule monstro foi?

Começo a fazer as luzes picar. E pessoas em decomposição com alguns órgão de fora aparecem para elas e vão em sua direção.

As tres: SAIIII DA QUI. -- começam a correr.

Começo a andar na ventilação e viu até a entrada e saindo, fecho com o cadeado e vou até o corredor em forma de Naomi.

-- Fiquei de pé, Ykiam -- mesmo que com dificuldades ele o faz.

Ykiam: Nunca mais vou brincar com elas! Nem deixaram nos fazermos o resto da brincadeira.

-- Você que pediu essa brincadeira, agora aguente hehe. -- me aproximo da porta e a abro -- Meninas?

As três que estavam no fundo da sala abraçadas com os olhos fechados me olham como se eu fosse a esperança de suas vidas. Todas olham para trás e se deparam com o quadro do palhaço (que nunca saiu do lugar)

As tres: NAOMI-SAN -- pulam em mim com lágrimas nos olhos.

-- Nossa, sabia que estavam me procurarando, mais não imaginava que fosse assim no desespero.

Mina: Aonde você tava?

Toru: Vamos sair daqui primeiro. -- diz me puxando.

~Num corredor qualquer~

Momo: NAOMI-SAN. Você está bem? -- diz me abraçando.

-- Claro, porque não estaria?

Tsuyu: Você mandou um "SOS" para a Uraraka. Todos começamos a te procurar, estávamos indo imediatamente até o Aizawa-sensei para informar sobre você. Mas recebemos a mensagem que estava tudo bem contigo. Os meninos logo viram aqui para te ver.

-- Desculpas por preocupa-los dessa forma, se não fosse pelo descuido de ficar presa no banheiro.

Kyoka: presa? No banheiro?... Por que não mandou outra mensagem explicando o que era?

-- Quando tentei mandar outra mensagem não estava dando sinal. Então subi em cima do vaso, mas infelizmente deixei meu celular cair para o outro lado.. Eu gritei por ajuda por muito tempo, até que meu amigo, Ykiam -- apresento o mesmo que falava ansioso com Mina -- que estava conversando antes do ocorrido, entrou lá e me salvou.

Ykiam: Olá a todas, é um prazer conhece-las pessoalmente.

Todas: Igualmente. -- só pelo barulho da para saber quem é. Me viro.

Lida: Naomi-san.. fico contente de você estar bem. -- diz fazendo seu gesto de robô, e Mineta logo atrás -- Mas estou indo ver se o midorya está bem.

Mineta: Você quase nos fez pensar na probabilidade de ter sido capturada. E agora é o Midorya que está nós dando preocupação, ele se feriu feio contra o Todoroki, estávamos indo ve-lo, mas viemos te ver primeiro.

Uraraka: Vou com vocês. -- vai mais perto deles.

Lida: Você está bem Uraraka-san? Esta pálida... Mina também, e Toru-san está um pouco trêmula e sua roupa está com.. lágrimas!.

As tres: ESTAMOS ABSOLUTAMENTE BEM. -- depois de ficarmos longe do vestiário. Elas me contaram o que presenciaram lá dentro, e depois de muita conversa o convenci

Uraraka: E você Naomi-san? Você vem?

-- Eu vou ter que ficar aqui por agora. Se todos me procuraram preocupados, o mínimo que posso fazer é me desculpar pelo ocorrido e logo depois agradecer. Depois irei ve-lo.

Uraraka: Está bem. -- começa a ir junto aos dois. Mas o lado bom é que não demorou muito para os outros aparecerem e logo ficarem aliviados, agora a turma do Kirishima foi o ultimo.

Kirishima: Que bom que não foi nada grave, Naomi.

Kiminari: Sim, nós deixou preocupados.

Bakugou: Tsk... E a toa -- começa a ir embora. -- e eu pensando que poderia acabar com a raça daqueles vermes (os vilões).

-- Como é? -- falo devagar -- Eu não sou isca, principalmente para esse tipo de coisa. -- começo a ir até ele.

Ykiam: Calma ai, calma ai. -- me segura. -- Não perca seu tempo assim. -- fala calmamente.

Bakugou: Quem é esse extra aí?

-- Meu amigo, e respeito.

Ykiam: E sem querer desavenças -- olha para o Bakugou em específico -- mas nós já vamos indo. Tchau meninas -- da um sorriso para mesmas -- Meninos.

Mina/Toru: Tchau.

(...)

Ykiam: Menina, você é doída? Esse aí bate sem dó, até em menina.

-- Primeiramente: sim, eu sou. Segundo: Eu não tenho medo dele. Terceiro: ele não tinha opção de contra atacar a Uraraka ou não, ninguém precisa ter do dela, ela é forte e guerreira.

Ykiam: Esta bem, não toco mais no assunto.. Mas agora vou ver a Acnaib, ela ainda deve estar no confronto contra a Kendo.

-- Eu vou ver o Midorya, já demorei demais, depois vou até vocês para nos divertirmos mais.

Ykiam: Tá bom, mas promete que depois daremos um jeito na que loiro?

-- Ok, prometo.

(...)

☆Midoriya on: Na informaria☆

O pessoal tinha acabado de sair, e eu, All Might, e Recovery Girl voltamos a ficar a sós, iria começar a fazer a cirurgia solicitada, mas antes mesmo dos meus amigos entrarem, estava começando a fazer perguntas mais o menos pessoais sobre o mesmo (AllMight)

Admito que depois que tive aquela conversa com o todoroki-kun, me deu um pouco de curiosidade de saber mais sobre o All Might. Afinal, nunca falou nada sobre sua vida familiar... Será que ele tem Esposa? Ou até mesmo filhos?... A mídia já tentou várias vezes mas não teve sucesso no assunto, já tentara o mesmo sempre foi bem privado e cuidadoso sobre isso.

AllMight: Era só isso, Jovem Midorya? Claro o que quer saber?

-- Ela pode ser um pouco evasiva a sua vida pessoal, mas claro que não é obrigado a responder.

AllMight: Pode perguntar à vontade, não vou esconder nada. Te garanto. -- diz sorrindo.

-- bem... é... Você por acaso tem alguma relação amorosa? Ou é casado?... Essa pergunta é por curiosidade, afinal, nem sei se você tem filhos, ou mesmo como é sua família. Os professores sempre contam sobre sua vida amorosa ou familiar, menos o senhor é o Aizawa-sensei.

AllMight: E-eu..

-- D-desculpe, não deveria ter perguntado -- droga, até a Recovery Girl está surpresa, deveria ter ficado de boca fechada.

AllMight: Não é isso Jovem Midorya, fique calmo... só que foi inesperado. Mas prometi contar, promessa é dívida, e...... Sim, eu tenho uma filha, ela se chama-

-- Hana? -- digo olhando para o lado.

AllMight: O-que? Como voce- Hum?

Hana: Com licença, recovery Girl, Midorya, senhor Yagi. -- diz entrando com seu sorriso meigo.

-- Se conhecem?

AllMight: Como é que vocês se conhecem, e adés de quando -- pergunta surpreso.

-- foi durante as duas semanas de treinamento para o festival.

Hana: A História até que é pequena. Eu tinha ido ao mercado para compra ingredientes para jantar com meu pai, mas encontrei alguém precisando de ajuda no lado de fora, após ter comprado tudo.

 ☆Hana: Flashback On☆

Atendentes: Boa noite e volte sempre.

Depois de sair da frente do mercado começo a decer o morro da rua. E parei por alguns momentos quando terminei de decer para verificar se estava tudo certo: Frango, carne moída, leite condensado, gotas de chocolate branco e preto, 8 gelatinas diferentes e 2k de farinha de trigo. E tudo isso para fazer um jantar diferente (coxinha, lasanha, sorvete, gelatina arco-íris e pavê), já que um senhor chamado Toshinori Yagi tinha dito de estar com vontade de trazer noite de besteiras (gorduras e doces) a tona e aproveitar os sábados, e achei uma idéia, mas já que eu faria sozinha para fazer surpresa infelizmente não podia fazer muita coisa.

???: Não, não voltem aqui. -- me viro e vejo várias maças e laranjas virem em minha direção. Sem tempo para pensar, me ajoelho e vou pegando as frutas e colocando dentro da sacola.

-- onze, doze; oito e nove -- doze maçãs e nove laranjas, essa pessoa deve gostar bastante de frutas.

???: Sinto muito, e muito obrigada por me ajudar.

-- Que nada, fico feliz de ter ajudado -- sorri -- bem.. Aonde coloco as frutas?

???: pode colocar nesta sacola. -- abre a única sacola não furada. Mas o único problema (para mim): era que a sacola era de papel, e já estava um pouco cheia.

-- Tem certeza? Ela parece um pouco instável.

???: Tudo bem, minha casa esta perto, ela vai suportar. -- diz doce.

-- O-ok. -- quando coloquei uma única maçã o pacote se rasga, deixando cair a carne que já estava na sacola e a própria maçã.

???: D-droga, deveria ter te ouvido. -- começa acatar e logo começo a ajudar.

-- Quer ajuda para levar as compras até sua casa?

???: mas está tarde, deveria ir para casa.

-- Tudo bem, a senhora falou que está perto, não vai fazer muita diferença ou inconveniente para mim, te garanto.

???: Sendo assim, desculpa pelo incomodo e obrigada querida.

-- Não precisa agradecer. Mas agora, éé... aonde é sua casa?

???: Duas quadras a frente e mais uma a direita. Vamos? -- começa a andar.

-- Sim, senhora.

No caminho conversamos coisas banais e aleatórias como se nos conhecêssemos a anos, ela é enormemente doce, no seu modo de falar e até mesmo suas atividades física. Conto sobre o meu jantar surpresa ao meu pai, e ela sobre seu filho. E infelizmente com isso o tempo passou voando, já conseguia ver seu prédio após virar a esquina.

Truuuuu -- o celular começa a tocar, e com dificuldade vejo a mensagem: "Hana, estou adiantando algumas papeladas, então provavelmente vou chegar tarde, não me espere, esta bem?". E respondo um "Esta bem" e guardo meu celular. Agora vou jantar sozinha, e minha surpresa vai para água baixo.

???: Esta tudo bem?

-- Sim, era só o meu pai dizendo que vai chegar tarde... de novo -- sussurro a última parte. -- Ele é bem ocupado e comprometido com o trabalho.

???: Seu pai não é muito ausente, não é?

Suspiro -- Um pouco -- um sorriso se forma e olho para ela -- mas vou apoia-lo, minha surpresa pode esperar um pouquinho até uma próxima vez, para jantarmos juntos na mesa e nós divertir. Vou espera-lo.

???: Você é uma boa filha, para compreender e apoiar seu pai no trabalho. O que ele faz?

-- Obrigada por achar isso, e ele é professor. Por acaso é naquele ali? -- pergunto sobre o edifício.

???: É ali mesmo querida. -- atravessamos a rua, e logo subimos as escadas com cuidado. E logo chegamos em frente ao parecer ser sua porta, e ativa a campainha. -- É mesmo, conversamos tanto e no final nem perguntei seu nome querida, como se chama?

-- Toshinori Hana. Mas pode me chamar pelo nome. E a senhora?


???: Midorya Inko. -- congelo por alguns segundos tentando processar a informação não mesma hora até que a porta é aberta por um esverdeado que conhecia muito bem.

 Midorya: Bem-vinda -- me olha -- O-olá.

-- Boa noite.


Inko: Izuku querido, pode colocar isso na pia -- ele pega a carne em suas mãos -- e mais um lugar na mesa, por favor? A Hana-chan vai jantar com a gente.


Midorya: C-claro -- corre para dentro 


-- O quê? Não precisam se incomodar com isso.


Inko: Oh, vamos. Não quero que jante sozinha numa noite linda como essa. Quero agradecer de alguma forma, isso é um convite de amiga que está insistindo.


-- É...  Está bem -- ela sorri e entra. -- com licença, e obrigada pelo convite -- tiro os sapatos e a esverdeada fecha a porta. Olho em volta: um apartamento simples e muito aconchegante, até o astral dele era bom. 


Inko: Pode deixar suas compras aí, para não esquece-las se quiser. -- o fiz -- a cozinha e a sala é em frente, o banheiro é ali do lado, e lá em cima fica os quartos. Esta tudo bem até aí Hana-chan? 


-- Sim. -- vou até a cozinha, onde encontro um esverdeado um pouco nervoso -- Ele está incomodado comigo?


Inko: Mais o menos, o problema é que nós nunca recebemos ninguém de sua idade além do seu amigo de infância, principalmente uma presença feminina, que é mais raro. -- ri curto


Dou uma risada nasal -- Entendo.


Inko: Obrigada Izuku, agora venha conhecer a Hana-chan, vocês podem virar bons amigos enquanto faço o jantar -- ela entra e ele concorda.


-- Não quer ajuda?


Inko: Não não, você é nossa convidada, sinta-se em casa. Izuku, mostre melhor a casa a ela. Hana-chan sabe onde fica cada cômodo, mas acho melhor mostrar para ela ficar mais a vontade.


Midorya me apresenta a casa inteira só faltando o seu quarto, que eu insisti em deixar para lá por causa de seu nervosismo.


-- Midorya, tudo bem se não quiser me mostrar, afinal, é seu cantinho pessoal. -- Midorya me olhou surpreso e sorriu dizendo que estava "ok" eu entrar, e tambem para eu não me assustar. Quando entramos e ele acendeu a luz e só pensei em uma coisa: Ele é 100% viciado no meu pai. Ele tinha imagens dele para todo canto. Não conseguiria dormir com tantos olhos me olhando tá loco.


-- É uma belíssima homenagem ao All Might. Ele provavelmente iria gostar -- minha dissera opinião, mas mesmo assim da um pouco de medo.


Midorya: Sério? -- o sorriso nervoso desaparece dando espaço para um cheio de emoções.


-- Sim. 


Inko: O jantar está pronto -- diz sorrindo animada na porta.


Durante o jantar em nenhum momento foi em silêncio, a conversa era animada e as vezes um pouco constrangedora dando motivo para risos. Depois de tudo insisti e consegui lavar a louça. Na hora de ir embora, Midorya me convenceu a deixa-lo ir comigo até um certo ponto, tendo o total apoio da Mãe que o ajudou. E no final, também conseguiram o meu telefone para manter contato.


-- 23:14 (onze horas e catorze minutos da noite) não é à toa que está tão frio --  para ajudar estava sem casaco, pois nem pensava que ria demorar.


Midorya: Espera um momento Hana-san? -- afirmo em afirmação.


Inko: Hana-chan. -- a olho -- Pode vir quando bem entender, pode até ser todo dia se quiser, que será sempre bem recebida por mim e pelo Izuku. Ele pareceu gostar bastante de sua companhia, igual a mim claro.


Começo a rir fraco -- Obrigada pele hospitalidade, o jantar estava ótimo. Claro que virei outro dia, também gostei de ficar com vocês.


Midorya: Oh Hana-san. -- diz me dando um casaco verde -- Pode usar, fique a vontade. -- logo depois pega metade das minhas compras (por temosia) e eu o resto.


-- Obrigada Midorya-kun. -- visto o mesmo. -- Ate a próxima senhora Inko.


Inko: Até querida, se cuida. -- me abraça e respondo rapidamente o próprio.

No caminho falávamos sobre o All Might, a escola (Onde dizia que era no outro na qual fingia ser). Finjo ficar surpresa quando falou que estudava na U.A., e falei o quanto ele era incrível para estar logo na sala 1-A (no cuso de heróis).

Enquanto andávamos três homens vinham em nossa direção e dois deles não pareciam sóbrios, já que davam cada passo que pareciam que iam cair. Quando estávam perto vejo algo brilhar em seu bolso ao ser iluminado pelo poste de luz, e formato parecia uma arma de fogo.

-- Midorya, vamos do outro lado da rua, por favor. Aquele cara pode estar armado.

Midorya: O quê?... Esta bem.

Os dois homens passaram por nós dois nos insultando e ameaçando, mas não ligamos e continuamos andando.

(...)

-- Obrigada por me trazer até aqui Midorya. Pode me deixar aqui, você até já ultrapassou o local de isse que iria me acompanhar. -- nos já tínhamos passado umas seis quadras do mercado que ele deveria ter me deixado.

Midorya: Aé?.. desculpa. -- diz nervoso -- sua casa esta perto, para que possa ir sozinha?

-- Sim, falta pouco. Até qualquer dia -- pego minhas compras e dou um selinho em sua bochecha e vou correndo -- Obrigada por hoje.

Midorya: Eu que agradeço. -- olho para trás e o vejo sorrido largo e se virando em seguida para ir embora.

☆flashback off☆ (Autora: mas claro que ela não falou os detalhes (só vocês sabem ^w^), tipo, o quarto, as conversas)

AllMight: Entendi.

-- E vocês dois como se conhecem?

Hana: Ele é meu vizinho, até estou surpresa de ver-lo aqui.

AllMight: E eu a você senhorita Hana, não deveria estar na escola? -- diz em tom de bronca.

Hana: Nos liberaram mais cedo para que vencemos o festival, e aproveitarmos já que só tem essa oportunidade duas ou três vezes por ano, acabei de avisar meu pai, espero que ele não fique com raiva -- sorri brincalhona...?

AllMight: Não, ele provavelmente não está, só surpreso.

Hana: Bem, era só isso mesmo, queria ver como o Midorya estava. E também para perguntar se voltou sem qualquer problema.

-- Fique calma, eu voltei por outra rua, mesmo que sento um caminho mais longo, é mais seguro.

Recovery Girl: Bem senhorita, ele terá que fazer uma cirurgia agora.

 Hana: COMO? -- sobressalta

 Recovery Girl: Não é nada grave, fique calma, mas preciso que saia agora mocinha.

Hana: Esta bem. Até logo Midorya.

-- Até...Hana-san. -- que estranho, pensava que ela perguntaria sobre como eu conheço o All Might.

Recovery Girl: Estão vamos começar.

-- Hai.

☆Hana on☆

Após sair do cômodo corro pelo medo do "All Might" sair por aquela porta.

"O que eu estava pensando entrar desse jeito, droga"

(...)= Na platéia.

A luta da Acnaib tinha acaba agora (luta longa não?), e ela está acabada, mas consegui vencer a Kendo de alguma forma.

???: Que confronto mais inútil. Nem sei o por que deles se esforçarem tanto, se o primeiro lugar já está garantido. -- olho para o lado com raiva e já deveria saber que era o idiota do pai do todoroki.

Vou até um intrigante do curso de negócios e compro um refrigerante (qualquer um, contando que seja um refri) e mentos. Olho em volta até achar alguém perfeito. (Pense em qualquer menina aleatória). Faco um pena  e uso a ilusão no avermelhado que estava começando a subir as escadas. E vou até ele chacoalhando o refri e colocando um mentos em cima da lata.

-- Senhor, deseja tomar algo?

Endeavor: Não -- diz curto e grosso.

-- Vamos senhor, tem certeza? Tem refrigerante, todinho, suco, chá-

Endeavor: Não gosto de nada disso, só de

-- Café? -- digo e vejo ele se virar -- Tem café preto e café com leite gelado, se quiser.

Endeavor: .....

-- Ok, vou indo-

Endeavor: Quanto é o café preto?

-- três reais.

Endeavor: Que roubo, mas tôma -- EU AINDA ABAIXEI O PREÇO DESSA DROGA. E ESSA QUANTIA NÃO VAI MUDAR NADA NA CONTA BANCÁRIA DELE, QUE MÃO DE VACA.

O refri se torna na aparência o café, e dou o mesmo para o Endeavor.

-- Muito obrigada senhor.

Na mente do Endeavor eu estou em sua frente, mas já tinha saído a tempos para usar o dinheiro que ele me deu para comprar uma bebida.

Quando o avermelhado abre o "café" o mentor que ele não via cai dentro do refrigerante fazendo que seu rosto fosse encharcado de refri. Mesmo de longe dava para ver seu rosto ficar mais vermelho que o cabelo de raiva. Ao ver isso eu jogo a minha bebida pelo chão e ela só para ao chegar ao pés do mesmo que se vira com caveiras dentro dos olhos. Ele pega o café preto gelado que comprei o fazendo ferver e jogar fora.

(Autora: lembrando que ela precisou usar 2 reais dela para comprar, já que ela cobrou 3 reais a ele. Sim esse café custa 5 reais. E ela usou os quinze que ela pegou da aposta {já que os outros R$265 ficaram com a Acnaib})

Endeavor: VOCÊ.

-- EU? -- EU NÃO DESATIVEI A INDIVIDUALIDADE?! 😱. (Autora: Ele ainda está vendo ela como a vendedora)

Endeavor: Quero meu dinheiro de volta. -- na hora que tento fugir ele me pega pelo braço, mais consigo trocar minha aparência

-- QUE ASSÉDIO É ESSE. -- fiz a aparência de uma mulher adulta que vi em um filme qualquer. E depois vou querer me matar por isso -- Oh desculpa Endeavor -- sorrio maliciosa -- se você quiser algo comigo pode falar agora, estarei disposta a qualquer coisa.

Endeavor: O quê?  -- ele me larga: VITÓRIA, mas em compensação quero morrer -- não quero nada de você ou com você, agora me diga se viu uma menina de 15 anos passar por aqui.

-- Ah, entendo, então não vai ser dessa vez, que peninha -- peninha o caralho a quatro, se ele viesse para cima de mim eu o colocaria para dormir, e para sempre -- e a menina foi para aquele lado querido. -- aponto a esquerda. -- Agora, se me der licença. -- começo a andar rápido e viro a direita do corredor desativando a individualidade (pois se correr ele vai ouvir e desconfiar)

"Que ingrato, no fim foi a besta aqui que pagou a despesa esse desperdício daquele café. Agora só tenho oito reais... que vida." -- olho a tv: falta um confronto para minha vez. Melhor eu ir até a sala de espera e descansar um pouco.

Começo a ouvir passos vindo em minha direção e corro até cansar.

Me arrependo de não ter descansado antes, pois a o confronto do lida e o Todoroki foi muito rápido.

(...)

☆Autora On☆

Hana e Rin sobem a arena com um certo remorso do que vem a seguir. Mas seguem confiantes de cabeça erguida.

Hana: (Me concentrarei na minha habilidade de cura, é a única opção para não ficar com uma bela cicatriz de eletricidade em qualquer lugar do corpo)

Midnight:PRONTAS?..COMESSEM.

Rin faz sua técnica usando os celulares novamente. Mas diferente de seu oponente anterior, Hana desviava com tanta facilidade que parecia prever. E nas tentativas de empurrar ela para fora da arena foram excluídas das suas alternativas, pois, para que conseguisse empurrar a Laranjada para fora, tinha que fazer que sua cintura para cima voltasse ao normal, se não só a atacaria com sua eletricidade.

Rin: Não esperava menos de você, Naomi-san.

Hana: Nem eu de você

Rin: Sinto muito mais esta na hora de colocarmos um fim nisso.

A ruiva começa a se transportar país rápido pelos celulares, conseguindo acertar a alaranjada duas vezes, mas não deu nenhum efeito.

Hana fica na beirada da arena, depois de ser enpurrada pela ruiva. Num último ataque Rin vai com maior velocidade já percorrida por ela contra sua amponente.

Hana: 4... 3... 2... 1... -- A Mesma que estava de olhos fechados os abre quando sente a presença da ruiva ficar mais forte, cerrando o punho e se virando com violência.  A ruiva se assusta pela outra conseguir acompanha-lá e já que estava alguns centímetros não conseguiria desviar, fechando o esquerdo, e fazendo o certo já que Hana acerta um pouco do olho e da bochecha.

Rin é lançada para fora da arena, mas por ter conseguindo ficar consciente ela começa a se transformar em eletricidade, mas antes mesmo de conseguir de completar o movimento ela sente algo pesar em suas costas fazendo-a se chocar contra o chão. Ao olhar para trás encontra Hana com um olhar de alívio.

Rin: Aí minhas costas.

Hana: Desculpa, mas não podia permitir você sair voando e ter o perigo de se transportar novamente. Não tive outra opção -- a mesma pula de volta para a arena.

Midnight: RIN ESTÁ FORA DA ARENA. Igarashi passa para a final.

Hana/platéia: FINAL?

Hana: Mas e as semi-finais? Eu e a Acnaib deveríamos nos confrontar, e o Todoroki confrontar o Bakugou.

Aizawa: E você vai, Igarashi.

Present Mic: Nós professores decidimos fazer uma luta diferente na final. Olhem no desenho das partidas, não tem as finais, e sabem o por que?

Aizawa: Por que será um confronto onde os quatro integrantes que chegaram até aqui lutaram entre si.

Hana: Mas, por que os quatro juntos?

Aizawa: Graças às novas lutas formadas teríamos que adiantar alguma coisa, então decidimos fazer na final.

Present Mic: E cá estamos. DE OLHO NA TELA.

 ---------------------------------------------

|   ☆               Final                     | 

|   ☆  Igarashi  X  Acnaib         |

|   ☆            X    Vs    X               |

|   ☆  Bakugou X Todoroki      |

 ---------------------------------------------

Aizawa: Agora teremos um intervalo de 20 minutos para que os quatro participantes tenham tempo para formar estratégias. Façam bom uso desse tempo para pensarem e descansarem.

Hana: O que eu faço agora? (Isso não estava nos planos.)

-----> Continua


Notas Finais


Aviso: Muitas coisas desse capítulo não aconteceram por acaso 😉

haruka: Pessoal, consegui fazer um acordo com a Sanggo (não foi nada pacífico). E ela só vai escrever quando estiver com inspiração e postar quando sentir que a história está pronta. Ou seja pode ter um capítulo por semana como tem feito, ou um a cada duas semanas. É isso. Bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...