História Totalmente Calculado (Imagine BTS - Suga e V) - Capítulo 3


Escrita por: ~ e ~Treeice

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Apocalipse Zumbi, Bangtan Boys (bts), Drama, Romance, Sexo, Suga, Você
Visualizações 65
Palavras 1.025
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Droubble, Fantasia, FemmeSlash, Ficção, Ficção Científica, Literatura Feminina, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Seinen, Slash, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Tentei postar mais cedo e acabei postando muito tarde hauhaushauhauhsuahsuahs
Eu sou um desastre ambiental MDS
Minha internet começou a cair quando havia terminado de escrever, eu tava quase dormindo quando lembrei e eu passei o dia inteiro fora de casa, ou seja, eu meio que tomo no meu cu aos sábados aahsuhsauhusha
Mas sempre vou postar nos finais de semana, ao menos que ocorra algo como um acampamento (Eu sou escoteira) que eu acabe não tendo o final de semana, eu posto sexta ;)


~Boa Leitura~

Capítulo 3 - Isso não vai me matar


Fanfic / Fanfiction Totalmente Calculado (Imagine BTS - Suga e V) - Capítulo 3 - Isso não vai me matar

-Pare de pensar besteiras (S/N)! Foco! - Suspiro e volto a caminhar tranquilamente observando atentamente a paisagem e explorando um pouco mais minha “nova casa”.

 

O céu já estava escurecendo então eu decido voltar para o meu quarto.

De longe avisto o Cinco me esperando na frente do meu quarto encostado na porta olhando para a porta da frente e desviando seu olhar para mim quando percebeu que havia algo se aproximando.

-Precisamos conversar! - Ele se vira ficando frente a frente comigo.

-Desde quando? - Abro a porta e adentro no meu quarto e quando iria fecha-la ele a segura.

-Desde ontem a noite. - Ele empurra a porta com força e entra.

-O que você quer falar? - Fecho a porta e me sento na ponta da cama e ele faz o mesmo.

-O que aconteceu para você ficar daquela forma ontem? - Ele cruza os braços e me olha.

-Simples, por que você é um babaca.

-Mas o que eu fiz?! - Ele me empurra e sobe em cima de mim.

-...

-Vamos (S/N)! Responde! - Ele me segura pelos ombros com força e nesse momento eu simplesmente travo.

 

Minha respiração fica pesada de repente e eu começo a soar frio.

Ele me segurava com força e me olhava no fundo dos olhos.

Quando me dou conta vejo sua mão deslizando pela minha perna.

 

-Tarado!! – Dou-lhe um tapa na sua cara e o empurro fazendo o cair da cama.

 

-Era você que estava fazendo aqueles barulhos ontem não é!? - Eu praticamente grito com ele.

-Que barulhos!? EU NÃO FIZ NADA PRA VOCÊ!!

-VOCÊ NÃO É HOMEM O SUFICIENTE PARA ASSUMIR SEUS ATOS!! VOCÊ ESTAVA TENTANDO ME ASSUSTAR!! PASSEI NO QUARTO DE TODOS! E VOCÊ ERA O ÚNICO QUE ESTAVA FORA DO QUARTO!!

-EU NÃO ESTAVA TE ASSUSTANDO!!! EU TAVA NA COZINHA!!! - Sem pensar eu pego um dos vasos e taco nele que desvia rapidamente. -VOCÊ TÁ LOUCA?!

-SAIA DAQUI!! A-GO-RA!! - Aponto para a porta e ele obedece passando pela mesma e batendo-a com força.

Eu odeio, eu odeio, eu odeio!!!
 

"Rastejo" até a cama até achar uma posição confortável para dormir, mesmo sabendo que era tecnicamente impossível, não importara a posição naquele momento, o tal barulho infernal vindo do depósito continuava a me perturbar todos os dias. E eu simplesmente acabei me tornando covarde, estava com medo de ir até lá. Talvez pela possibilidade de morrer, de um jeito simples demais.

 

Quando finalmente adormeço, minha felicidade é destruída por um pesadelo um tanto macabro, medonho.

 

Nele eu estava em um navio pirata, aqueles que tiveram um fim não tão agradável... Podemos assim dizer... Ele estava aos pedaços.

Eu tomava cuidado a cada passo... Não sei o por que mas... Eu estava gostando daquilo...

 

O céu era azulado, o barco estava enterrado na areia e mesmo sendo dia, o navio estava escuro.

 

Em uma das paredes aviam 7 sombras "humanas".

Elas pareciam alegres. Mas o estranho era ser apenas eu naquele navio...

Os donos daquelas sombras não estavam ali presentes.

 

Elas pareciam alegres... Mas suspeitas. Muito suspeitas.
De repente aquele lugar não era mais o mesmo.

O céu antes azulado, agora estava em um tom escuro de verde-água.

O navio antes atolado na areia agora balançava violentamente sobre águas agitadas, que eram escuras... Quase um preto.

Com o forte impulso do navio ás vezes acabava cambaleando para as bordas quase sendo jogada em alto mar.

 

 

As sombras, antes alegres, agora se encontravam em estado de desespero, que apenas estavam visíveis com a ajuda de uma luminária.

Quando elas simplesmente "viraram fumaça".

 

Meu alivio venho á tona quando o navio se acalmou.

 

Eu andava novamente sem rumo.

Ouvia passos e um barulho de correntes cada vez que me aproximava do chão.

 

Algumas coisas caiam por si só, e o pior... Era não poder mascarar isso com "pode ter sido o vento". Não podia enganar meu subconsciente. Simplesmente não ventava.

Agora não havia nem sequer mais oxigênio, se havia... Acabou.

 

Meu desespero aumentava já que não conseguia respirar, corria de um lado para o outro com a mão na garganta.

 

Minha agonia se elevava cada vez mais e meus olhos quase pulavam para fora de tanto pavor que sentira naquele momento.

Meu coração palpitava rapidamente, quase saltando pela boca.

Estava a mil.

 

Tentava puxar o ar com a boca, mas de nada adiantava.

Apoiei-me na mesma parede onde antes se encontravam as sombras.

 

Via minhas mãos tremulas ficarem roxas e finas.

Meus ossos e veias estavam expostos, como nunca vi antes.

 

Ao encarar o mar, via o tom quase preto ficar vermelho e ouço batidas.

 

Criaturas magras, acinzentadas, de braços longos e pernas curtas.

Seus corpos eram magros e cheios de hematomas.

 

Surgiram escalando o navio escalando, e eu em uma situação complicada...

 

Eram 7 criaturas.

A mesma quantidade de sombras.

Estranho...

Elas não apresentavam esse formato.

Pareciam gentis... Mas supostamente eram o contrário.


Colava-me cada vez mais a parede não tão firme.

O navio estava a balançar novamente.

As criaturas espalhavam sangue para todo o lado e rastejavam até mim. Que ainda estava sem oxigênio, arranhando a garganta desesperada.

Meu coração batia fortemente, mais do que há poucos segundos atrás.

Quanto mais próximas, mais desespero.

Correntes e batidas fortes.
Tão fortes que pareciam estar vindo de mim.

 

Em uma fração de segundos sinto a parede rachar e me vejo a cair.

 

 

 

 

 

 

Levanto instantaneamente da minha cama com a mão no coração.

Ele palpitava em alta velocidade como no pesadelo.

O navio estava agitado.

Mas era o navio.

Inteiro, normal.

 

Os barulhos tinham parado.

 

Tento voltar a dormir mais o navio balançava demais e o medo me dominava.

 

-Ahhh... - Suspiro e me sento na cama lembrando-me dos últimos acontecimentos.

Minha vida virou de ponta cabeça.

Minha morte vai chegar a qualquer momento.

Eu quero estar preparada.

-Que droga... - Pela primeira vez eu sinto falta de alguém. Sinto falta de alguém para conversar, desabafar.

Cresci tecnicamente dentro de uma armadura. Eu não gosto de demonstrar fraqueza ou inferioridade. Eu tenho que ser a melhor. Eu sou a melhor!

Penso por alguns minutos e tomo uma decisão.

Isso não vai me matar.


Notas Finais


Até semana que vem ~~~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...