História Totalmente Sua - Capítulo 1


Escrita por: ~ e ~Saraakichan

Postado
Categorias Originais
Visualizações 20
Palavras 3.186
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, Magia, Romance e Novela, Sobrenatural, Terror e Horror, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Homossexualidade, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Suicídio, Tortura
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi oi gente vcs estão bem?
Vim aqui escrever minha ou melhor nossa primeira fanfic Yuri, pois eu e minha onii-chan estamos escrevendo juntas.
Espero que gostem moreeees.

Capítulo 1 - Mordida


Fanfic / Fanfiction Totalmente Sua - Capítulo 1 - Mordida



Povo Sara.

Meu corpo se levantou bruscamente, o coração acelerado e o suor escorria por minha testa… outro sonho… há semanas estou sonhando com uma cidade, Forgotten Hollow para ser mais exata. La minha vida corria normalmente, eu tinha uma casa, um emprego bom… só que sempre lá no fundo havia uma sombra escura que sempre estava lá nos olhando de canto.

É quando  anoitecia ela  se tornava maior, mais feroz e destrutiva, passava a devorar tudo ao seu redor. Mesmo sabendo que iria voltar a sonhar com a cidade estranha e com a sombra assustadora, decidi voltar a dormir, às vezes acredito que tenho de ir para lá… pode ser loucura mas sinto que tem algo lá para mim…

»»»»¥¥¥¥««««

"What we need is love…”
-Ok, ok teste daqui a 30 minutos, roupa e música em seus lugares! Gritou a loira apressando as outras garotas em seus camarins. Fiquei nervosa, era um teste importante para mim, com ele eu entraria na faculdade de dança que tanto quero, isto é... se eu passar, caso contrário meus planos teriam de mudar.

Por fim minhas preces foram ouvidas e uma vaga foi reservada para mim, fiquei sem saber como descrever minha alegria na hora, mas eu não podia deixar isso tomar conta da minha cabeça, a faculdade era em outra cidade e eu teria de arrumar um jeito de me manter lá. Por sorte acabei achando um Piano Bar que precisava de uma barwoman atrás do balcão, acabei falando com a gerente e marcamos o primeiro dia experimental hoje.

Sou acordada pelo alarme do meu celular que que gritava love-psy feat. Taeyang, a primeira frase significava “O que precisamos é de amor”,talvez o mundo em si precise mas de amor,ainda mais quando estamos numa crise como está.
[Adoraria que você acorda-se pelo menos uma vez sem ter alguma reflexão sobre o mundo,isso a torna muito nerd,e por isso que não tem um namorado]

{Você já parou para pensar que no momento oque eu preciso não é um namorado?}
[Seu corpo diz ao contrário]
{O'Que está acontecendo comigo é normal,e posso resolver se quiser}
[Nós dois sabemos que você não pode resolver]

{Não enche Hiro}
Hiro, ou ao certo falar meu subconsciente ou melhor “amigo imaginário" que passei a ter a partir dos 15 anos, vive em minha cabeça,cheguei a conclusão que ele surgiu por causa da falta que sinto de falar com alguém e também de ficar sozinha, no começo foi bom mas agora ele chega até ser chato por ficar dando opiniões sobre tudo que faço ou deixo de fazer.

Encarei o relógio passando a me desesperar, faltavam 20 minutos para dar o horário! Corri para o banheiro e fiz minhas necessidades básicas, arrumei o cabelo de qualquer jeito e peguei qualquer roupa amassada da mala, não tive tempo de colocar tudo para fora…  nem sei onde colocaria… não tenho guarda roupas ainda… sai com a mochila nas costas quase que voando para pegar o ônibus, estranhei a rua estar vazia e até mesmo o ônibus chegar no horário mas nada se comparou com o fato dele estar quase que vazio, haviam apenas 3 pessoas lá dentro, duas senhoras e um garotinho que parecia estar junto com elas.

[Essa cidade e esquisita… pra Caralho.]

{Isso não me importa, vê se não tira minha atenção da pista! Tenho que prestar atenção nos pontos de parada.}

[Ok, ok.]

contei exatamente te 30 pontos de parada longe de minha casa como a mulher havia me pedido para fazer, quando desci dei de cara com uma enorme igreja decorada com tons azuis claros.

[Pera ai rara… esse é o Piano Bar que Vc vai trabalhar? Vai servir água benta pros coroinhas? Hararara!

{Já falei pra você não me encher o saco!}

-Senhorita Stil? Chamou a moça aparentemente mais velha fazendo-fazendo -me virar.

-aa sim. Respondi.

-Valerie Lockwood gerente da Luxury, nós nos falamos por telefone.

-A sim… desculpe ee…

-Quantos anos você tem?

-18.

-Hum… parece ser mais velha. Venha, não há tempo para brincadeiras, você vai precisar aprender tudo rápido se quiser ficar. Disse rudemente dando as costas para mim.

[Ela não gostou de você.]

{Aaaa ótimo!}

Eu iria falar alguma coisa mas quando me deparei com o enorme estabelecimento manchado de negro e vermelho preferi fechar minha boca, aquilo mais parecia um castelo mal assombrado, só faltou as nuvens negras ao redor e o cemitério na parte da frente.

[Não viaja vai!]

{Eu já não mandei você parar de falar?}

Passamos pela porta de vidro negra para o salão principal, tudo ali girava em torno de um pequeno palco no meio das mesas, nas laterais haviam pequenos sofás com mesas discretas com uma luz fraca que iluminava tudo, mesmo de dia o local fazia parecer estar de noite, o papel vintage negro, as cortinas vermelhas envolta das janelas, lustres antigos e um piano velho no meio daquilo tudo me faziam arrepiar, mas meu coração só foi gelar de vez quando vi o grande balcão e sua enorme variedade de bebidas cobrindo quase uma parede inteira.

- Vai trabalhar aqui junto a Leticia que chegará em breve. Tem alguma experiência com bebidas Sr Stil?

- Bem pouca, mas vou fazer o possível para se adaptar ao local.

(Mulher chata!)

- Comece pelo uniforme. Desafiou me olhando de cima a baixo. A mesma apontou o banheiro dos funcionários atrás do balcão, era meio escuro e abafado aquela área, havia uma escada que levava ao segundo andar de onde vinha umas músicas estranhas e um cheiro doce. Não querendo mexer no que não é da minha conta adentrei o banheiro dando de cara com um espelho enorme colado na parede, para um banheiro de funcionários aquilo estava bem grande e decorado como o resto do lugar.

- Aaaaaaaa filha da puta… resmunguei ao desmanchar a pequena muda de roupas…

[eta porra!]

{já vi que não vou dar certo aqui...}

Vestir essa coisa vai ser como eu andar nua pelo bar… apenas um “maiô” com meia e salto! Eu vou servir bebidas pros clientes ou vou oferecer minha virgindade a eles?! Tá… e só até terminar a faculdade… quem sabe eu não ache uma coisa melhor na semana que vem… sai de la escondendo tudo, me sentia completamente exposta e desconfortável com aquilo tudo, o tecido pinicava…

- Humm, acertei seu numero. Disse Valeria ao me ver.- Algo te encomoda?

- Não estou acostumada com esse tipo de roupa.

- wuoou, não se preocupe, você só tera de usar isso enquanto estiver no seu horário, irei lhe dar o numero da chave do seu armário assim poderá se trocar aqui se preferir. Só um minuto. Pediu se retirando para os fundos.enquanto estive sozinha naquele lugar, passei a reparar mais em seus detalhes, havia muita personalidade ali oque me fazia perguntar quem era o dono. Passei os dedos no piso frio do palco sentindo a textura da madeira escura fazendo com que uma vontade enorme crescesse em meu interior.

[ Aaaaaa não! Nem pense nisso mossinha!]

{Ve se deixa de ser chato!}

Subi na pequena elevação ao lado do antigo piano, fechei meus olhos imaginando as batidas da música e em alguns segundos eu não estava mais ali, eu estava ao lado de outras pessoas que igual a mim, se moviam conforme a música formando um belo quinteto que seguia perfeitamente os movimentos um dos outros, eu estava em casa, livre como nunca estive antes.

- Hahaha, desse jeito Katherine vai acabar te promovendo rapidinho para dancarina. Aquelas palavras me arrancaram do meu mundo fazendo com que meu traseiro colasse no chão vergonhosamente. - Nossa, perdão por te assustar. Pediu a mulher me ajudando a se levantar. - Meu nome é Letícia, sou Barwoman deste estabelecimento, você deve ser a Sara. sorriu. Me senti inferior ao olhar para ela, afinal quem não iria se sentir ao lado de uma loira de olhos claros?

- Sim, eu mesma, vou te ajudar a cuidar do bar. Sorri envergonhada.

- Aaaaa que ótimo! Estava mesmo precisando de alguem me ajudando atrás do balcão, seja bem vinda.

- Obrigada.

- Venha, vou lhe mostrar tudo oque sei.

[ Pelomenos alguém que não seja chato nesse lugar!]

{Eeeeee, você deveria aprender a ser menos com ela} respondi fazendo o mesmo ficar de cara virada.

- Só uma pergunta… quem e Katherine?

- Aa ela e a dona desse lugar, nossa chefe, é ela que é responsável pelos maiores shows que temos aqui e pelos maiores números de clientes numa noite só.

[to sentindo que essa ai é uma vadia.]

- Nossa… shows, ela canta?

- E muito, Valeria te avisou sobre as regras?

- Não, que regras?

- Ela sempre esquece…  suspirou. - Aqui só temos duas regras. 1 Nada de se envolver intimamente com um cliente, seja ele conhecido ou não. 2 Jamais vá ao segundo andar sem permissão, alguns clientes vão pedir para subir e só com a senha certa você pode permitir que eles subam lá em cima, do contrário os mantenha longe… aquele andar e exclusivo, só é aberto para algumas pessoas.

- Mas como vou saber se a senha está correta?

- eles vão perguntar se a luz vermelha está acesa enquanto mostram discretamente um anel antigo colocado no terceiro dedo na mão esquerda, então você libera a passagem.

- Ok.

- Bom, vamos começar? Irei te ensinar todas as misturas que sei e lhe mostrar aonde fica cada garrafa antes de abrir. Minha coragem escorreu para fora de meu ser quando tive de levantar a cabeça para encarar a quantidade gigante de garrafas e a infinidade de misturas e marcas que teria de decorar.

[Se fudeu aaahahahahahaha!]

{VAI SE FERRAR HIRO!}

----66-- 23:50 --66----

AQUILO ESTAVA UMA LOUCURA! Eu não conseguia parar por um minuto, era um cliente atrás do outro! mas para o meu alívio ninguém apareceu com aquele anel antigo e eu não tive de abrir passagem para ninguém ir ao segundo andar, eu estava muito curiosa em relação ao segundo andar, eu queria saber o que tinha lá dentro, e do porque era proibido adentrar lá dentro sem a permissão da gerente.

[Desse jeito você não vai durar uma semana nesse serviço.]

{Hiro Vê se não distrai a minha cabeça com seus comentários inúteis, tenho que manter a concentração aqui!}

[Tá bom tá bom! dá atenção para seus clientes.]

{Muito obrigada.}

-Aaf, nunca tive um almoço tão estressante como esse, por favor e Sara me vê uma dose de vodka bem generosa. Minha linha de concentração acabou por mudar o curso quando Valéria se aproximou me fazendo o pedido.

Peguei a bebida mais depressa que consegui, fiz uma pequena comemoração por ter conseguido achar a garrafa sem ajuda de Letícia, em seguida enchi o copo como havia pedido e o lancei pelo balcão.

-Mas O que houve?

-A Katherine está atrasada de novo, hoje ela tem show precisa cantar para os clientes, será que custa chegar no horário?! Respondeu indignada. - É nisso que dá Deixaram um estabelecimento desse porte na mão de criança.

- Ela é uma criança? Perguntei abóbada, como seria possível uma criança cuidar de um piano bar onde prostitutas dançam em cima da mesa? Por que é isso que está tendo neste momento, quando cheguei Isto estava vazio, fui aprendendo com o Letícia E à medida que as horas foram se passando pessoas foram chegando, novos funcionários e muitas muitas dançarinas quase nuas começaram a ensaiar seus passos.

-Não mas é como se fosse uma. De repente Valéria se levantou bruscamente Mirando não para mim mas sim para alguma coisa que estava atrás de mim, furiosa caminhou pesadamente para o corredor em minhas costas resmungando algumas coisas incompreensíveis aos meus ouvidos. Quando Me virei ela parecia estar dizendo coisas nada agradáveis para alguém que curiosamente não consegui ver o rosto por conta da Escuridão.

- Não, se assusta não Valéria é como se fosse irmã de Katherine uma cuida da outra.

- Então aquela é Katherine.

- não dá para ver o rosto mas Suponho que sim. AII ela vai cantar hoje! Comemorou entusiasmada.

Atendi mais clientes por Breves minutos quando curiosamente eles pararam de vir e se sentaram ao redor do pequeno palco.

-Vai começar. Disse Letícia sorrindo empolgadamente enquanto debruçava sobre o balcão. As luzes ficaram mais fracas e o primeiro som que se fez foi uma batida Gentil nas cordas da guitarra.

Open Sesame (we've places to go)

(Ábrete sésamo (temos lugares para ir)

A silhueta feminina apareceu com a pele morena e os cabelos negros amarrados e um rabo de cavalo cheio e alto, trajando um vestido curto rodado pelo espartilho e sapatos de salto alto. A voz era suave e transmitia uma aura calma que abalou meu interior.

We've people to see (let's put 'em on hold)


There's all sorts of shapes

That I bet you can make

When you want to escape

Say the word

(Temos pessoas para ver (vamos colocá-los em espera)


(Há todos os tipos de formas)

(Que eu aposto que você pode fazer)

(Quando você tem que fugir)

(Diga a palavra)


Well I know that getting you alone isn't easy to do


With the exception of you I dislike everyone in the room

And I don't wanna lie, but I don't wanna tell you the truth

Get the sense that you're on the move

And you'll probably be leaving soon

So I'm telling you

(Bem, eu sei que ter você sozinha não é fácil de se fazer)

(Mas, com exceção de você eu não gosto de ninguém na sala)

(E eu não quero mentir, mas eu não quero te dizer a verdade)

(Tenho a sensação de que você está em movimento)

(E você provavelmente vai sair em breve)

(Então, eu estou dizendo a você)


Fiquei totalmente hipnotizada por aquela mulher, nunca tinha visto algo no mesmo nível que o dela por toda a minha vida, ela parecia ser de outro planeta ou parecia estar em outro planeta, o planeta só dela com uma pessoa só dela, E por incrível que pareça eu me identificava muita das vezes com seus versos.

Em poucos fragmentos pude me encontrar e ser descrita com simples palavras que causaram uma enorme euforia, borboletas pareciam querer sair do meu estômago, a pele se arrepiava, e nada mais existia a não ser ela.

Stop the world 'cause I wanna


Get off with you

Stop the world 'cause I wanna

Get off with you

                             ( Pare o mundo porque eu quero)

(Sair com você)

(Pare o mundo porque eu quero)

(Sair com você)


Eyes the color of (water left in mud)

Incing sugar dust (crazy green flashes)

It’s a funny thing

That I cannot explain

Don’t you know the train keeps a-rolling

                         (Olhos cor de (água deixada em madeira)

(Gelo e açúcar em pó (loucos flashes verdes)

(É uma coisa engraçada)

(Que eu não consigo explicar)

(Você não sabe que o trem continua rolando)


Stop the world 'cause I wanna

Get off with you

Stop the world 'cause I wanna

Get off with you

Well I know that getting you alone isn't easy to do

And I don't wanna lie, but I don't wanna tell you the truth

And I know we got places to go, we got people to see

(Pare o mundo porque eu quero)

(Sair com você)

(Pare o mundo porque eu quero)

(Sair com você)

(Bem, eu sei que ter você sozinha não é fácil de fazer)

(E eu não quero mentir, e eu não quero te dizer a verdade)

(E eu sei que tem lugares para ir, temos pessoas para ver)

Think we both oughta put 'em on hold

And I know you agree

Yeah

Stop the world 'cause I wanna

Get off with you

Stop the world 'cause I wanna

Get off with you


(Acho que ambos deveriam colocá-los em espera)

(E eu sei que você concorda)

(Sim)

(Pare o mundo porque eu quero)

(Sair com você)

(Pare o mundo porque eu quero)

(Sair com você)

Meu coração me Manteve paralisada por um tempo, era muita emoção para uma pessoa só… não sei nem como explicar o meu estado. Quando a música se acabou foi como se esperava, uma chuva de pessoas eufóricas aplaudindo a bela mulher em cima do palco. Enquanto a mesma agradecia sorridentemente os aplausos que recebi seus olhos vieram parar direto para mim, eram cinzas e penetrantes, maldosos como a dona deles parecia certo. Por um instante a mesma sorriu para mim e o ar começou a se recusar a entrar em meus pulmões.

-Encantadora não?

-... fiquei sem saber o que dizer ela era incrível! sua voz é incrível!

-Uma dose de whisky por favor. Pediu a moça lançando um olhar curioso sobre mim. Quando Me virei tomei o maior susto da minha vida! Em instantes a moça estava em cima do palco e agora estava ali do meu lado me pedindo bebida! Mesmo que atrapalhadamente consegui pegar sem ajuda a garrafa solicitada ia despejei em um copo assim como fiz com Valéria. - Sarah Stil não é? Katherine Wallker.

-Pra-prazer. Gaguejei. Que porcaria! porque sou tão óbvia em demonstrar que estou nervosa?!

- Valéria falou muito sobre você, disse que está se dando muito bem aqui, Espero que tenha ótimas experiências aqui. Desejou dando um gole Generoso no líquido. - É nova na cidade não é?

-Sim, fiz um teste para entrar na faculdade que estou querendo e acabei passando e tendo que me mudar para cá.

-Então Suponho que ninguém me avisou sobre os horários dos ônibus aqui. Falou virando a tela do seu celular para mim, eram 1:30  da madrugada. - não sei se os ônibus na sociedade grande funcionam até altas horas da madrugada, mas aqui se passar da meia-noite não vai ver nenhum deles passeando sobre as ruas. Só podia ser brincadeira!

Passei as mãos na cabeça tentando achar alguma maneira de como ir para casa, eu tinha perdido a noção do tempo lá dentro! as horas que se passaram simplesmente Parecia um minutos! não tinha ninguém para me levar, eu não sabia ir de apé, Letícia morava do outro lado junto com Valéria o que eu ia fazer?

-Haha, quando está nervosa você fica engraçada, mas não se preocupe eu tenho um carro e moro aqui por perto Posso te levar sem problemas.

-Não seria incômodo?

-Não, eu faço mesmo caminho que você para ir para casa, eu te vi quando estava saindo hoje. Agradecer por estar escuro aquele momento pois eu corei violentamente.

Passamos um bom tempo ali conversando, praticamente eu e ela tínhamos quase a mesma ideia só que uma filosofia diferente, eu conseguia ver o mundo de uma forma e ela de outro o que era surpreendente, simplesmente Fiquei impressionada com o tipo de ser que ela era, já não bastava me humilhar Na aparência ela também consegue me humilhar na personalidade e no tipo de conteúdo que contém dentro daquilo tudo…

[ que que ela virou tô a Deusa agora é? Que ridículo Sara acorda ela só é uma cantora!] Ignorei Tais palavras e continuei conversando enquanto atendia outros clientes.

Quando finalmente meu horário de trabalho Acabou e os clientes foram embora, katherine disse que era para mim me trocar e que ela estaria esperando do lado de fora, e foi o que eu fiz coloquei a minha roupa que tinha usado hoje de manhã e guardando o meu uniforme dentro da bolsa, mas dessa vez ao invés de sair pela porta da frente como tinha adentrado de manhã, eu resolvi passar pela escada que levava para o segundo andar e sair pela porta do funcionário que dava exatamente aos Fundos do estabelecimento, Katherine disse que estaria perto da rua então fui andando pelo beco escuro até a luz dos postes iluminados a minha frente.

À medida que fui caminhando em sua direção as paredes pareciam se alongar e o meu destino jamais parecia ficar perto de mim, parecia que ele se afastava, que corria e eu nunca chegava mais perto do que aquilo, foi quando comecei a estranhar o que tava acontecendo e num piscar de olhos eu apaguei...


Notas Finais


Esse cão quem escreveu foi minha onii /o///
Espero que tenham gostado moreess
Bjusss com MT Nutella pra vcs 😘😘😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...