História Touch me - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Naruto Uzumaki, Sasuke Uchiha
Tags Fobias, Naruto, Romance, Sasunaru
Visualizações 273
Palavras 4.645
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Desculpem a demora, pessoal.
Boa leitura.

Capítulo 14 - Boa samaritana


Capítulo 13

Boa samaritana. 

Já estava prestes a sair de férias, assim como o resto de sua família, a Kushina não conseguia se decidir, ela colocava e tirava roupas de sua mala e o Minato já estava entediado, ele estava deitado na cama, bocejando enquanto olhava a sua esposa ficar vários minutos parada no closet, pegar algo, pôr na mala, se arrepender e tirar novamente, ela já estava nessa há mais de uma hora. 

- Poxa, Kushina, a gente só vai fazer um passeio, 'num vai morar não. - Alertou ele revirando os olhos enquanto a ruiva lhe olhava feio por cima do ombro. 

- Não quero ficar feia, Minato, e se tiver paparazzis por lá?! - Salientou, não queria estar feia quando registrassem o seu momento em família. 

Pegou mais uns três vestidos e pôs em sua enorme mala, súbito o Boruto adentrou o quarto, até porque a porta estava aberta, se fosse para os mais velhos reclamar que ao menos tivessem escorado a porta. O menor olhou para o seu pai, para a sua mãe e para aquela enorme mala e entortou a boca franzindo o cenho. 

- Estamos de mudança e ninguém me avisou? - Satirizou olhando fixamente para a tal mala sobre a cama. 

A Uzumaki soltou um "tsc" e andou até a cama, despejando mais duas peças em sua mala. - Homens... - Foi só o que disse enquanto negada com a cabeça. 

O Boruto riu e falou algo ao Minato antes de deixar o quarto, a ruiva estava a procura de sua roupa especial, ela dizia que a sua tal roupa amarela lhe dava sorte e por isso nunca a abondonou, por mais que nem a usasse mais por ter saído de moda, quando a mesma viajava ela sempre a levava consigo, e pelo visto não estava achando ela em canto algum. Bagunçou o seu closet todo, jogando suas roupas sobre o chão, mas nenhum sinal da tal roupa. 

- Querido, eu não estou achando a minha roupa. - Disse desesperadamente, enquanto tocava os seus fios cor de sangue indelicadamente. 

- É só uma roupa, amor, você nem usa mais ela, anda logo, termina essa mala. - Mandou revirando os olhos mais uma vez. 

- Negativo, eu acho que a deixei na empresa, vou lá buscá-la antes que algum daqueles funcionários coloque as mãos sujas sobre a minha preciosa. - Falou com desdém, deixando o quarto rapidamente em seguida. 

Finalmente o Minato pôde descansar em paz, aproveitaria a ausência de sua mulher para dormir, ou não teria paz o resto das férias todinha. A Kushina foi com o seu próprio carro se fosse com o seu chofer demoraria demais e a mesma estava desesperada. Entrou no prédio como um foguete e abriu a porta de sua sala. Só não esperava se deparar com alguém já por lá. 

- Quem é você e o que é isso? - Indagou a mulher que estava fazendo a limpeza do local, havia tipo um pacote sobre a mesa de vidro onde a Uzumaki trabalhava. 

Ela se aproximou do tal pacote o olhando com curisidade, a real é que ela não podia nem acreditar que tinha alguém em sua sala. 

- Eu não permito limpeza na minha sala, eu mesma faço a minha limpeza, deixei bem claro para os supervisores, o que você pensa que está fazendo? - Questionou mais uma vez, cruzando os braços e se encostando na parede, aguardando qualquer resposta. 

A mulher abaixou a cabeça e apertou o Cabo de vassoura contra si. - M-Me desculpe, senhora Uzumaki, é que eu sou nova por aqui, comecei hoje mesmo e ainda não ser muito das regras, eu sinto muito. - Se desculpou fazendo uma grande reverência a ruiva. 

A Kushina soltou um "humpf" e jogou os seus fios para trás, estava bastante irritada, odiava quando alguém tocava em suas coisas e a questão da limpeza de sua própria sala fora algo que aprendera com o seu próprio filho, o Naruto. Ela foi até uma cadeira e pegou a sacola que estava sobre ela, era sua roupa, sã e salva. 

- E-Eu tenho três bocas para alimentar em casa, senhora, sou viúva, tenho dois filhos que estudam e eu não permito que eles trabalhem para que eles não se percam em seus estudos e tenho uma neta que é esse "pacote" que Est sobre a mesa. Peço-lhes gentilmente e humildemente que não se queixe. - Pediu ainda de cabeça baixa, pelo visto estava mesmo desesperada e não era um desespero fútil tal qual o da ruiva. 

A Kushina suspirou. - Não vou lhe denunciar aos supervisores, mas certifique-se de que não chegará perto dessa sala novamente. - Disse firmemente e a morena levantou o seu rosto, ela sorria e chorava ao mesmo tempo. 

- Obrigada, senhora, obrigada mesmo. - Agradeceu em meio ao choro e a ruiva só teve vontade de enxotá-la rudemente, porém, com o que restava de sua humanidade, a mesma foi tranquila. 

- Agora vamos nos retirar. - Concluiu saindo novamente da sala. Tinha que voltar para sua casa e arrumar a sua mala, ao menos tentar terminar. 

Já a morena se apressou para tirar a sua neta e sair da sala da ruiva o mais rápido que pôde, não queria levar uma outra reclamação, aquele seria uma renda extra para a feira do mês e ainda tinha os leites e fraldas da Sarada que eram caros. 

- - -

Quando a Uzumaki retornou a casa estava praticamente vazia, checou o seu celular e o Minato disse que ia dar uma volta, passar no hospital e pegar o resto das coisas que precisava para o Deidara poder viajar em paz, deixou até mesmo os seus empregados avisados, pois em caso de emergência ele ligaria para irem buscá-lo com o helicóptero. 

O Naruto fora para o seu último dia no colégio, para cumprir tabela, o Deidara havia saído com alguns amigos que arrumara na faculdade enquanto fazia alguns trabalhos em grupos, na qual ele não podia ter apenas o Itachi como seu parceiro, a Konan tinha ido junto a pedido do loiro, o Boruto também estava no colégio ainda juntamente com o seu conselheiro, e quanto ao Kakashi, ele tinha sido encarregado de fazer a mala do Naruto. 

Os empregados da casa tinham sido liberados, ficariam apenas escalados para voltarem lá no meio da semana para dar uma geral na casa antes dos Uzumakis retornarem de viajem, tudo estava silencioso, era até sombrio. 

A mulher subiu as escadas e foi diretamente para o seu quarto, ouvira um barulho vindo do fim do corredor e ela estremeceu, não queria, mas teve que ir até lá, má não antes de pegar um vaso deveras caro que estava sobre uma das mesinhas de vidro pelo corredor. O barulho ficava cada vez mais alto, vinha do quarto do Naruto, problema: ele definitivamente passaria o dia falando merda se ficasse sabendo que a ruiva entrou em seus aposentos. 

Tocou na porta e rapidamente a mesma foi aberta, ela deu um pulo e por reflexo tacou o vaso de suas mãos no ser que aparecera subitamente. 

- Ahhh! - Gritou com os olhos fechados.

- Eu que deveria estar gritando, senhora Uzumaki. - O rapaz disse tirando o que sobrou do vaso de cima dele. 

A Kushina o olhou e quando deslizou os seus olhos sobre o corpo do mesmo percebeu que ele estava apenas de toalha, corou na hora, só então ele se deu conta de seu estado, se constrangeu até mais do que a ruiva. 

- V-Vou pôr uma roupa, me desculpe por isso, senhora Uzumaki. - Se desculpou colocando a mão na maçaneta fazendo menção de voltar para o cômodo, porém sentiu uma mão em suas costas, estremeceu com o toque. 

- Tomou banho mó banheiro do Naruto? - Perguntou ela curiosa. 

- Não, de forma alguma, é que eu estava sozinho em casa, tomei banho no banheiro do meu quarto e vim terminar de arrumar a mala do Naruto, já estava voltando para me trocar. - Explicou gaguejando um pouco, estava com medo de levar uma reclamação. 

- Pode... continuar a vontade, venha me ajudar a arrumar as minhas malas. - Pediu desviando o seu olhar para o chão, as suas bochechas ainda estavam bastante rubras. 

- C-Como? - Questionou não acreditando em seus próprios ouvidos, mas não obteve resposta, então resolveu tentar de uma forma diferente. - Deixe-me ir pôr uma roupa e irei ajudá-la. 

- Não precisa. - Respondeu rapidamente passando as suas unhas sobre a pele alva do mais novo. - Venha comigo. - Pediu, mas o grisalho sabia que não tinha escolha. 

Suspirou e assentiu com a cabeça, a ruiva sorriu ladino e saiu até o seu quarto, sendo acompanhada pelo Hatake, fechou a porta quando ele adentrou o recinto e se encostou na mesma com um sorriso sapeca. 

- Tire a sua toalha. - Ela ordenou, mordendo o seu lábio inferior enquanto olhava as coxas nuas do maior. 

- Hein?! - Ele quase surtou. - E-E o senhor Namikaze? - Falou assustado, segurando firme a sua toalha. 

- Ele só chega mais tarde, assim como os meus filhos, vamos, mostre-me o que tanto esconde. - Rotornou o pedido, caminhando devagar até o grisalho. 

A cada passo que a ruiva dava para frente ele dava para trás, até que não teve mais 'pra onde ir e caiu sentado sobre a cama, estava com medo do Minato chegar e pegá-los no flagra, mas nem era pela ruiva e sim por ele, sem falar que ao menos 5% de sua consciência pesada pensava na Rin, por mais que eles não estivessem juntos, apenas saindo. 

Ele se rastejou pela cama na tentativa de fugir da mais velha, porém ela se ajoelhou e foi engatinhando até o Kakashi. - Você não pode escapar de mim, mostre-me, Kakashi. - Meio que ordenou, enquanto o olhava nos olhos e passava a sua mão pelas coxas dele. 

Levou a sua mão até o nó que se encontrava na toalha do rapaz e passou os seus dedos sobre, desfazendo o nó, puxou devagar, dando um sorriso malicioso ao mais novo que fechava os olhos com força, a Uzumaki nunca fora daquele jeito, ela parecia uma leoa atrás de sua presa. 

- S-Senhora Uzumaki, a senhora está me assustando, não faça isso, por favor, o senhor Namikaze... - Ele tecnicamente implorou tentando impedir que a mulher tirasse a sua toalha. 

- Ah, você me diz isso? E o que disse ao Minato? - Ela indagou em um tom sarcástico, fazendo com que o maior abrisse os olhos e a encarasse. 

- Como? - Há essa hora já tinha até esquecido-se da sua toalha, estava estranhando aquele tipo de pergunta. 

- Acha mesmo que eu não sei que você e ele já tiveram algo? - Perguntou sugestiva, sorrindo vitoriosa com a expressão que o Hatake fez. - Pff! Você é tão transparente, Kakashi. 

Ela se sentou na ponta da cama e o grisalho ficou na mesma posição, encarando a parede branca do quarto, estava com o cenho franzido e se perguntava como aquela mulher sabia de algo tão íntimo, talvez o Minato tivesse contado a ela, estava curioso, foram bastante cuidadosos. 

- Como você... - Ela o interrompeu. 

- Como eu sei disso? - Riu. - Vocês definitivamente estavam apaixonados naquela época, acredito que nunca viram uma ruiva na mesma sala que vocês no ensino médio, afinal tinham até que pagar professores particulares por não prestarem atenção nas aulas, apenas olhando um para o outro. 

- V-Você estudava na mesma sala que nós? - Questionou atônito, realmente nunca notara que tinha uma ruiva na sala. - E como você sabe dos professores particulares? 

- Sim, pff. Bom, eu já gostava do Minato naquela época, então eu meio que o stalkeava, foi assim que eu descobri que vocês estavam juntos e várias outras coisas. - Explicou simplória. 

O Kakashi corou com a parte do "várias outras coisas", nem queria imaginar do que se tratava. 

- Quando você sumiu ele ficou muito triste e eu me aproveitei da situação, namoramos, noivamos e nos casamos, daí você voltou, mas não deu em nada, eu tive os meus filhos e o Minato continuou comigo, achei que eu fosse ser deixada quando você retornou, porém me senti vitoriosa quando isso aconteceu, só que de uns meses 'pra cá eu estou notando ele muito estranho comigo, não sei o que você fez, mas sei que o meu marido se masturba todo final de semana por sua causa, ele está até com uma peça íntima sua, então se você quiser ele, Kakashi, acho que sua oportunidade virá nessa viagem, aproveite enquanto eu ainda deixo você tomá-lo de mim. - Falou sem hesitação, aquilo já estava guardado em sua garganta há muito tempo e assim como o Minato conseguiu se apaixonar por ela quando o Kakshi se foi, ele poderia voltar a o amor de antes. 

O mais novo ainda estava extasiado, mais uma vez não acreditava em seus próprios ouvidos, a Uzumaki não poderia estar falando sério, como assim ela daria o seu marido de bandeja para outra pessoa, sendo essa pessoa homem e o primeiro amor de sue marido? Estava muito confuso. 

- Mas e você? Ele é seu marido, eu não posso aceitar isso. - Reclamou se arrumando na cama. 

- A gente se divorcia, você assume o meu posto, mas continuamos vivendo como uma família. - Ela riu. - Vai dar trabalho para dividir os bens, ou até mesmo tirar o meu sobrenome da identidade dele, então deixa como 'tá, só nos separamos, mas viveremos na mesma casa, pois a gente passaria um ano brigando na justiça 'pra ver quem ficaria com essa casa. - Ela brincou, mas estava falando sério. 

- E você está bem com tudo isso? Você o ama, certo? 

- Sim e sim. Se eu o amo eu quero ver a felicidade dele e no momento ele não encontrará ao meu lado, isso é lamentável, mas é a verdade. - Admitiu, suspirando. - Não posso prendê-lo a mim, Kakashi, ele merece ser feliz assim como a mãe dele é

"É?", o maior pensou, "deveria ser 'era'". 

Ponderou um pouco, talvez a ruiva estivesse certa, até porque ele amava o Minato ainda, e aquela oportunidade não surgia todo tempo, era rara. 

- Tudo bem... obrigado, eu acho. - Agradeceu com um sorriso sem graça em seu rosto, porém a Uzumaki lhe retribuia com um sincero. 

Súbito o seu celular começou a tocar, ele se assustou com o toque alto e a mulher pegou o aparelho sobre o criado-mudo, o atendendo. 

- Alô? 

- Já estou chegando. - Disse somente e desligou a ligação rapidamente. 

Após alguns segundos fitando a tela escura do celular foi que ela se deu conta do que se tratava, o Minato só ligava avisando aquele tipo de coisa quando já estava tecnicamente na porta de casa. Se levantou da cama em um pulo e puxou o Hatake consigo. 

- Rápido, Kakashi, o Minato já está chegando. - Falou desesperada enquanto empurrava o mais novo até a porta do seu quarto. 

No entanto, para o seu azar não deu tempo, assim que a mulher abriu a porta para tirar o grisalho de lá, o loiro abriu a porta da casa para entrar, dando de cara com aquela cena errada. A mulher engoliu seco e o rapaz mais ainda, parecia que não tomava água há uns dois meses. 

- N-Não é o que você está pensando, Minato. - O Kakashi tentou se defender, mas conhecendo o loiro como conhecia, não seria fácil convencê-lo do contrário. 

- - -

No intervalo o Naruto ficou na sala de aula, por mais que a sala especial para ele estivesse pronta, toda limpa e esterilizada, ele se recusou a ir 'pra lá sozinho, já que o seu conselheiro não fora para escola com ele. Decidiu lanchar na sala de aula, porém foi sozinho também, pois a Hanabi teve que ir para a Ingleterra, a trabalho de seu pai. 

Estava entediado, comia o seu lanche preparado pelo Kakshi - já que as empregadas e cozinheiras tinham sido dispensadas - sem a menor vontade. Ele olhava para o exterior da janela e levava a sua comida até a boca, enquanto suspirava. 

- O que foi, loirinho? - O Sasuke perguntou, se aproximando com mais dois rapazes. 

- Fique bem aí! - O Naruto gritou ao virar repentinamente a sua cabeça para o lado de onde vinha a tal voz. Já bastava o Gaara passar todas as aulas perto dele, não precisava da sua turminha não. 

O moreno revirou os olhos já sabendo do que se tratava, sentou-se em uma das cadeiras por lá por onde ele estava e assim os seus amigos fizeram. 

- Por que está sozinho? - O ruivo perguntou fazendo uma falsa cara de preocupado. 

- Não és a sua conta. - O loiro respondeu mostrando a sua língua ao mais velho. 

- Bem rebelde ele. - Brincou, dando de ombros. 

- Deixem-no em paz. - Pediu o Uchiha tentando segurar o riso. - Quando nós iremos? 

- 'Pra onde? - Questionou o Gaara, curioso. 

- Um lugar, Gaara, para de me interromper. - Se irritou o Sasuke, ele estava daquele jeito desde manhã, irritando-se sem motivo algum, o Sabaaku até se assustou com a cortada, até mesmo o Naruto.

- Você está bem, Sasuke? - Questionou o loiro, preocupado. 

O Suigetsu não pôde deixar de notar e se intrometer. - Não, a TPM atacou hoje, eu espero que você cuide bem dele daqui 'pra frente, loirinho, se a gente voltar das férias e ele estiver assim eu mando de volta 'pro Canadá pelos correios. - Brincou fazendo dois rirem e um ficar ainda mais irritado. 

O albino se retirou e puxou o amigo ruivo junto, ao que o Uzumaki sabia eles iam ao banheiro, ou achara aquela ida ao banheiro muito estranha por eles estarem querendo fugir do Sasuke ou era uma desculpa para ficarem juntos. Como já tinha pego o Boruto no banheiro aos beijos com o Mitsuki em um dia normal de aula. 

- Aconteceu algo na sua casa? - O Uzumaki voltou a perguntar, estava preocupado com o moreno e não sabia de onde aquela preocupação tinha brotado. 

- Sim... - Respondeu um tanto receoso, desviou o olhar para o chão, não queria contar, não por vergonha, mas porque o assunto o incomodava muito e falar para alguém estupidamente rico era desconfortável. - A mamãe arrumou um outro emprego que é no horário das aulas, tanto das minhas quanto das do Itachi e ela sempre tem que levar a Sarada junto, e eu fico preocupado, ela é muito teimosa, não deixa a gente trabalhar em algo para ajudá-la e isso todo está desgastando ela demais, as mãos, a pele, o rosto, ela que era tão bonita na época do meu pai, está parecendo uma velha, mesmo sendo nova em idade. 

Ele se lamentava quase que chorando, porém tinha que ser forte diante do loiro, se segurou e se assustou bastante quando o menor tocou o seu rosto, mesmo que com suas luvas. 

- N-Naruto, o que você... - O Uzumaki pôs os seus dedos sobre os lábios do moreno e lhe sorriu docemente fazendo-o se calar. 

- E quanto a pensão que a Naruko dá? -

- A mamãe dá para famílias mais pobres que a nossa, ela nunca teve a intenção de ficar com o dinheiro, ela sempre dizia que dinheiro nunca vem fácil, assim como nada na vida, tudo que vem fácil vai fácil e por isso ela trabalha bastante. - Explicou enquanto aproveitava o carinho que o Uzumaki fazia em sua bochecha, chegava a corar de vez em quando. 

- Entendo... - Suspirou. - Eu vou ver o que eu posso fazer, então por favor não fique bravo com ela ou triste, a sua mãe só está querendo ser exemplo para os seus filhos e claramente sabe que se vocês forem trabalhar agora irá atrapalhar mó desempenho escolar de vocês. - Disse o olhando nos olhos e se perdendo na imensidão negra. 

- Fazer? Como assim? Só te contei a minha situação, Naruto, não ouse fazer nada, eu não quero nada de você. - Achou que seria humilhação demais, já tinha sido o suficiente em contar sua história.

- Calma, não será nada fácil, Sasuke, será um trabalho digno, mas fácil - o que não quer dizer que terá corpo mole - e que ganhará mais. - Ele sorriu ao explicar, o moreno era mesmo muito assustado. - Ela sabe costurar, certo? - Questionou e o Uchiha respondeu com um aceno de cabeça. - É prefeito então.

- Perfeita é essa intimidade de vocês. - Comentou uma garota que estava parada na porta de braços cruzados, os dois garotos direcionaram o seu olhar até lá e notaram que era a Ino, porém ela não estava só. 

Nem notaram que o sinal já tinha tocado, o Naruto tirou a sua mão do rosto do mais velho rapidamente e ele se levantou bruscamente indo se sentar em si cadeira no meio da sala, ambos estavam deveras envergonhados, o loiro queria abrir a sua mochila, pôr sua cabeça lá dentro e gritar de tão constrangido que estava, mas soltou uma risadinha, o que estava pensando ao fazer aquilo? 

- Hey, loiro. - O Gaara chamou baixinho, entretanto o Naruto escutou e virou a sua cabeça na direção da voz. - Até onde eu sei o Sasuke é hétero. - E deu uma piscadela, juntamente com uma risada baixa. 

Aquilo foi o suficiente para tirar o seu chão e lhe deixar incomodado e avoado durante as aulas todas. O Obito tinha pedido o próprio afastamento da sala de aula, então o professor substituto era um tal de Shisui, as aulas dele eram excelentes, porém nem mesmo elas estavam conseguindo tomar a atenção do Uzumaki. 

Quando tocou para a liberação dos alunos, como de costume todos saíram apressados da sala, o loiro estava mais lento que o normal, quando terminou de juntar o seu material notou que o ruivo já tinha ido, mas o moreno não. 

- Você ainda não me respondeu quando será a viagem. - Falou lembrando ao loiro que aquela fora tecnicamente a primeira pergunta que fizera a ele no dia. 

- Ah, depois de amanhã, esteja pronto às seis da manhã, a mamãe odeia atrasos. - Respondeu sério. - Com licença. - Finalizou saindo da sala apressado e encontrando-se com o seu irmão e o conselheiro dele na porta. 

"Estranho...", pensou o Uchiha fitando o loiro até que o mesmo sumisse de sua vista. 

- - -

Na manhã da viagem às seis em ponto todos já estavam prontos, se não estivesse a Kushina piraria, ela estava tão brava que a sua aura estava densa, pelo visto ela e o Minato não estavam muito bem, só faltavam raios saírem pelos olhos de ambos. O clima estava tenso. 

A campainha tocou e o Kakashi, que não estava nem um pouco confortável com a situação, foi atender, eram os Uchihas, o Naruto se remexeu incomodado na hora. O Deidara por outro lado, só faltou se jogar nos braços do Itachi quando o viu. 

- Sejam bem-vindos. - Saudou o grisalho dando espaço para os morenos entrarem. 

- Vamos embora daqui, meninos, isso é demais 'pra mim. - A Mikoto falou baixinho, ela estava claramente deslocada e desconfortável na mansão dos Uzumakis. 

- Calma, mamãe, relaxa, ao menos dois filhos são nossos amigos. - Respondeu o Sasuke no mesmo tom. 

O moreno mais novo estava com a sua filha em mãos, foi até a família e cumprimentou a todos com um sorriso, o Minato parecia muito feliz em vê-los, mas nada se comparava com a alegria do Deidara, ele teve que ser segurado pela Konan para não atacar morenos alheios, afinal ele estava tomando soro e respirando pelo seu equipamento, se fosse solto, era capaz dele quebrar tudo com o seu alvoroço. 

- Oi, Ita! - Falou o loiro mais velho, animado, com um sorriso de orelha a orelha, se fosse em uma outra época o moreno estaria assustado e até cogitaria em fugir, mas estava feliz e animado assim como o loiro. 

Se aproximou dele e o abraçou como se fosse algo precioso, como se ele fosse uma criança que precisava de proteção, não estava na cadeira de rodas ou algo do tipo, mas via em seus olhos o quanto estava frágil e aquilo o deixava triste, mau via a hora de ver o seu loiro sem aquilo tudo, sem precisar ser alimemtado por um tubo por não poder comer certos tipos de comida ou sem precisar respirar por equipamentos, queria vê-lo saudável e com a sua imunidade alta, ou normal como a de qualquer um, queria ajudá-lo. 

- Oi, Dei, como você está? - Perguntou enquanto alisava os seus longos fios. 

- Não precisa se preocupar comigo, hun, só estou com tudo isso por causa da viagem. - Retrucou tocando o nariz do mais velho e dando uma piscadela. 

- O carro chegará em breve. - Anunciou o Minato a todos. 

A Kushina estava no canto um tanto incomodada, intrigada diria, aquela mulher, lhe era familiar, mas não conseguia lembrar-se onde tinha visto ela. 

- Mamãe, essa é a dona Mikoto. - Apresentou o Deidara a matriarca. - Dona Mikoto, essa é a minha mãe, a Kushina. 

A morena estremeceu só em ouvir aquele nome, imagina se ele tivesse falado o sobrenome junto!? 

- M-Muito prazer, senhora Uzumaki. - Estendeu-lhe a mão, mas já se dava conta de que a mesma não pegaria. 

- O prazer é meu, Mikoto, me chame apenas de Kushina. - Respondeu a surpreendendo, tanto com a sua fala, quanto com a mão que a mesma apertou e lhe lançou um sorriso. 

Corou. - O-Obrigada. - Agradeceu se afastando um pouco e aproximando-se do seu filho mais novo, já que o mais velho estava agarrado com um dos loiros. 

- Nee, amorzinho. - O Deidara chamou. 

- "Amorzinho"? - O Uchiha mais velho riu. 

- É, voxê é meu bebê, é meu amorxinho. - Falou com uma voz fina e bem infantil enquanto agarrava o pescoço alheio. 

- N-Não faça isso, Dei, o seu pai pode brigar. - Repreendeu baixinho, olhando o patriarca de soslaio. 

- Nha, nhão tem nada nhão. - Novamente usou a sua voz de bebê. - Mas voxê nhão acha que o papai combinaria com o Kakashi? 

O Itachi se engasgou com a sua própria saliva fazendo o loiro se afastar e rir de sua cara. - O que você disse? Está ficando louco? Ele é casado com a sua mãe. - Salientou olhando para o menor como se visse um extraterrestre. 

O menor apenas deu de ombro ainda rindo. - Foi só uma observação. 

Logo o Hatake abriu a porta novamente e viu que se tratava do motorista que os levariam até o porto, dois motoristas, já que o Naruto não iria nunca no mesmo carro que todo aquele pessoal, e que não deixaria que ninguém fosse com ele além do Kakashi. 

- Vamos, eles já chegaram. - Avisou o grisalho, alertando as duas famílias. 

Eles saíram em direção ao jardim onde o carro estava, cada um com a sua mala e o Hatake foi ajudar ao loiro que parecia muito emburrado para o seu gosto, ele estava daquele jeito desde que os Uchihas tinham chegado na mansão e pelo visto não pretendia voltar ao normal nem tão cedo. 

- O que houve, Naruto? - Indagou o Kakashi a ele, preocupado. 

- Nada, só acho que essa viagem será uma merda mesmo. - Respondeu com desdém, coisa que ele nunca fazia para o lado do platinado, aquilo o incomodou de certa forma, ele achava que era algo com ele, algo que o loiro sabia que estava aconteceu. 


Notas Finais


Obrigada por lerem e se possível deixem a opinião de vocês ^u^.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...