História Touch Me - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Originais, Romance, Yaoi, Yuri
Visualizações 3
Palavras 1.693
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Gente, eu apaguei o capitulo anterior e o reescrevi, porque achei que tinha ficado mal formulado, os próximos capítulos saem em breve. Beijos e deixe nos comentários sua opinião.

Capítulo 18 - Capitulo 15: Escolhas


Here to take my medicine, take my medicine 
Treat you like a gentleman 
Give me that adrenaline, that adrenaline 
Think I’m gonna stick with you 

(Estou aqui pra tomar meu remédio, tomar meu remédio 

Te tratar como um cavalheiro 

Me dê aquela adrenalina, aquela adrenalina 

Acho que vou ficar com você) 

Chego em casa, dou um leve oi para minha mãe e desabo na cama, as lagrimas descem como um rio pelo meu rosto e choro copiosamente agarrado ao meu travesseiro, tudo que consigo pensar é como fui tão estupido, em me entregar para um cara que namora e que claramente só queria sexo comigo, todos os sinais estavam lá mas eu estavam tão idiotamente apaixonado que eu não conseguia perceber. Meu celular começa a vibrar, olho o visor e é Leonardo me ligando, recuso a chamada e ele liga novamente, recuso outra vez e ele continua ligando até que o som do meu toque se torne insuportável e eu resolva o atender: 

-O que você quer? - Digo engolindo o choro. 

-Resolver as coisas – ele diz. 

-Você já resolveu bastante Leonardo. - Respiro fundo - Porque fez isso comigo? 

-Não foi de propósito.  

-Sério? É isso que tu tens para me dizer?  

-Eu estou falando sério, não planejei dormir com você...Foi só tesão acumulado 

-E dizer que me ama, também foi só tesão acumulado? - Sentia que meu coração ia parar. 

-Eu disse aquilo no calor do momento – Comecei a arfar, meu cérebro queimava com as palavras dele – Por favor não chore. 

-Cale a boca – Digo gritando. 

-Pare de agir como um adolescente – Ele diz. 

-Eu sou um adolescente Leonardo – Meus olhos tão inchados e minha cabeça está me matando – Eu tenho dezessete anos, não esqueça disso, sou seu aluno, você é o mais velho aqui. 

-Você não é um adolescente quando se droga não é Luka? - Sua voz é cruel e suas palavras são cortantes - Só tem dezessete anos quando lhe convém. 

-Eu não quero ver você, eu não quero saber de você – Limpo minhas lagrimas colocando minha cabeça no lugar - Não me procure mais e se você me ligar novamente eu vou chamar a polícia! 

-Como queira Luka, achei que era mais adulto que isso. 

-Va se foder seu idiota – Desligo o telefone. 

 

 

Se passaram duas semanas e neste meio tempo eu repintei o cabelo de azul, parei de atender as ligações de Theodore e do jeito que eu pedi Leonardo não ligou nenhuma vez, quando as duas semanas se encerraram  minha mãe tolerou que eu perdesse os primeiros dois dias de aula  porém no terceiro ela carinhosamente me forçou a voltar para a escola, caminhei pelos corredores evitando todo mundo, estou mais magro, mais pálido e meus olhos tem olheiras profundas, me sinto cansado.   

Entrei na sala de aula e sentei do lado de Mariana, olhei para cima e vi Leonardo entrando, nossos olhares se encontraram e eu desviei o olhar, Theodore entrou na sala, ele e o professor se encararam e eu poderia ver as faíscas. Theo quebrou o contato visual e veio andando em direção a cadeira do lado da minha, ele se sentou deu um sorrisinho e disse: 

-Azul é realmente sua cor – Lhe dei um pequeno sorriso – Tudo bem com você? sumiu. 

-Ah sim, estava precisando de um tempo para mim. 

-Okay 

-Todo mundo quieto – Leonardo diz – Bem-vindos de volta, finalmente terceiro ano em, para os alunos do método Granger é o primeiro ano que eles podem fazer a prova de graduação e se formar antes, então boa sorte para aqueles que forem tentar. Para quem não me conhece meu nome é Leonardo, sou professor de biologia de vocês este ano, as coisas sobre mim não mudaram desde o último ano, a diferença que eu fiz aniversario - a turma riu – vinte e nove anos já. quase trinta e que eu vou casar fim do ano. 

-O senhor está noivo? - Não consegui controlar minha língua. 

-Sim – As meninas da sala suspiraram e um engraçadinho gritou perguntando se era homem ou mulher e ele respondeu – Com minha namorada, Annie. 

-Puta merda – Falei baixinho e Theodore me olhou com o cenho franzido – Professor não me sinto bem, licença - Me levantei e sai correndo da sala, ouvi Theodore vindo atrás de mim junto com a voz de Leo mandando-o sentar, ao chegar no corredor senti minha mão sendo puxada para trás. 

-Luka, eu sou paciente porque sou seu amigo – Theo diz olhando nos meus olhos – Mas que merda é essa que está acontecendo? O que tem entre você e o professor Leo? 

-Hum...é - Tentei organizar uma resposta, mas nada saía. 

-Esquece – Ele revirou os olhos - Só pare de me afastar certo? 

As pupilas de Theo estavam dilatadas, seus olhos verdes me encaravam, pareciam aéreo e ao mesmo tempo pareciam saber tudo o que estava acontecendo. Eu não sei se eu já o vi sóbrio durante os últimos meses que ficamos saindo juntos, mas sabia que com ele não tinha dor, não me sentia como eu me sinto agora, humilhado, ele ficava tão gostoso quando esta chapado então pensei ‘’que se foda’’ 

-Quer sair? - Pergunto. 

-Claro porque não - Ele me estende a mão e saímos da escola 

Rest it on your fingertips 

Up to your mouth, feeling it out 

Feeling it out 

(Deixe na ponta dos seus dedos 

Leve-o até a sua boca, sinta o gosto 

Sinta o gosto) 

Já é de noite e eu estou em uma festa com Theodore, não sei como ele sempre consegue encontrar um lugar para irmos. Estamos em uma festa no meio da semana, mas especificamente em uma quarta feira. O lugar é a casa de um dos nossos colegas de escola, o segundo andar que tem os quartos, está proibido de acessar há uma faixa escrita ‘’não entre’’ na escada que dá acesso ao local. O primeiro andar em que estamos não tem um objeto de vidro, acredito que o dono da casa pensou bem em retirar coisas quebráveis da sala, os sofás estão afastados para criar uma pequena pista de dança. 

Bebi como se não houvesse amanhã, fiz amizades com pessoas que eu provavelmente nunca mais veria na vida, fumei maconha com desconhecidos e paquerei algumas meninas, mas sempre voltava correndo para Theo, incrivelmente a gente não se desgrudou durante a festa, dançamos bebemos e conversamos a noite inteira. Exceto em um momento em que sai para ir no banheiro e encontrei Theodore aos beijos com uma garota. Na mesma hora fiquei vermelho de raiva e andei até em direção dos dois tirando ela de cima dele. 

-Calma cara, não sabia que era seu namorado – A garota disse, era loira e bronzeada, linda e extremamente gostosa. 

-Ele não é meu namorado. - Disse para a ela 

-Porque não fazemos algo nós três? - Theo perguntou dando um sorriso safado. A menina mal esperou minha resposta e me beijou. 

A língua dela invadiu minha boca e no mesmo instante a correspondi, Theodore beijou meu pescoço  o mordendo, fazendo me arrepiar, logo trocamos de posição e era ele que beijava a menina e eu dava lhe um enorme chupão em seu pescoço, logo começamos a nos beijar e outro cara apareceu e levou a loira com ele aos beijos.  

Ri com Theo durante o beijo e entramos em qualquer banheiro da casa, retirei sua camisa com pressa enquanto ele tirava a minha. Ele sentou na pia de mármore do banheiro e me enfiei entre suas pernas, deslizei a mão pelo seu tronco e ele arranhou minhas costas. Um gemido involuntário saiu dos meus lábios, olhei para Theodore, suas pupilas dilatadas me encararam de volta e beijei seu pescoço, ouvimos um barulho, tinha alguém batendo na porta. 

Nos vestimos rindo e antes de sair cheiramos um pouco de cocaína usando uma nota de vinte reais como canudo e o celular dele como apoio. 

-Ta’ sujinho aqui – Ele se aproximou e limpou meu nariz. 

-Se você continuar se aproximando assim irei perder a cabeça. 

-Porque não vamos para minha casa? 

-Claro, porque não? 

Saímos da festa e entramos no taxi indo em direção a sua casa. Theodore durante a viagem beijava meu pescoço, porém quando o motorista disse ‘’veadinhos’’ nós paramos tudo que estávamos fazendo e passamos a prestar atenção em todo o caminho. A primeira coisa que notei era que o lugar era perto da escola. O taxista nos largou na entrada do condomínio e Theodore usou a mesma nota de vinte que usamos no banheiro para pagar o cara, o motorista antes de ir embora gritou ‘’Vocês vão queimar no fogo do inferno’’ e rindo eu gritei ‘’Pau no seu cu’’. Passamos correndo pela portaria do condomínio com medo do taxista voltar, quando paramos de correr para Ele poder abrir o portão do seu prédio estávamos ofegantes e suados, começamos a gargalhar enquanto esperávamos o elevador para chegarmos em sua casa.    

 Um apartamento no último andar, percebi que os pais dele tem dinheiro no mínimo e que alguém limpava a casa já que era tudo organizado e limpo de mais, as paredes eram de tons neutros, havia duas poltronas marrons e um sofá cor de carmim, uma televisão enorme estava conectada a um aparelho de televisão fechada, a cozinha era do tipo americana e foi para lá que ele foi.: 

-Cadê seus pais? - Perguntei me sentando em uma das poltronas. 

-Moro sozinho desde o ano passado – Theo me responde – Eles continuam pagando as minhas coisas, mas não vivem mais comigo. 

-Entendi – Foi a única coisa que consegui responder. 

-Quer beber alguma coisa? - Ele abriu a geladeira – Temos cerveja, whisky, vodca... 

-Tem gin? 

-Tem sim –Ele me serviu uma dose generosa e eu virei de uma vez sentindo o liquido queimar. 

-O que quer fazer agora? - Pergunto me aproximando dele 

(I had a few, got drunk on you and now I’m wasted 

And when I sleep I’m gonna dream of how you tasted) 

(Eu tomei algumas, fiquei bêbado em você e agora estou chapado 

E quando eu dormir vou sonhar com o seu sabor) 

Let’s do cocaine and fuck – Theo disse, cada vez mais próximo e me beijou. 


Notas Finais


Estamos nos aproximando do final, responda: com quem Luka deve ficar:
Com Theodore?
com Leonardo?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...