1. Spirit Fanfics >
  2. Touch the sky (imagine Hawks) >
  3. Ciúmes

História Touch the sky (imagine Hawks) - Capítulo 8


Escrita por: Im_Keiko

Notas do Autor


Olá leitores
Me desculpem pela demora
Toda vez que eu ia escrever, alguma coisa acontecia e eu tinha que parar tudo que eu estava fazendo
As aulas online também não estão facilitando nada pra mim
(╥﹏╥)
Mas tá tudo bem, aos poucos eu vou escrevendo até formar um capítulo
(・∀・)

(Só revisei esse capítulo uma vez, então me perdoem se tiver algum erro)

Muito obrigada pela atenção (◕ᴥ◕)

Tenham uma ótima leitura ✧◝(⁰▿⁰)◜✧

Capítulo 8 - Ciúmes


Fanfic / Fanfiction Touch the sky (imagine Hawks) - Capítulo 8 - Ciúmes

 O dia amanheceu chuvoso, sem nenhum resquício de Sol, apenas nuvens juntas e nubladas que deixavam pequenas gostas caírem.

(S/n) abre seus olhos (cor) e encara a janela do seu quarto, novamente esquecera de fechar as cortinas. A garota se revira na cama e resmunga por não estar com nem um pinguinho de vontade de sair da cama hoje. Ela pega seu celular em cima do criado mudo ao lado de sua cama e manda uma mensagem para Keigo. “Eu tenho mesmo que ir trabalhar?”. Ela pergunta em sua mensagem para o herói. O loiro responde alguns instantes depois com uma mensagem de motivação que com certeza ele copiou e colou da internet.

(S/n) só queria ficar em seu pequeno apartamento junto com Takami, muito provavelmente assistindo algum filme de ação com o mesmo, mas tinha que se levantar e ir para as patrulhas, junto com Fat Gum, Sun Eater e Kirishima.  Ela vai para as ruas pensando no que fazer no final de semana, e em como ter que caminhar debaixo de uma garoa, num dia extremamente frio é ruim e desagradável. Mas seus pensamentos são interrompidos ao receberem um alerta de que um prédio em chamas estava prestes a desmoronar numa rua próxima dali. Os heróis correram o mais rápido possível para a rua do prédio.

Gritos de desespero podiam ser ouvidos por toda a parte. Pessoas se debruçando na janela sem saber o que fazer, outras pessoas na rua corriam desesperadas, outras gravavam a cena com seus celulares.

O fogo havia começado no sexto andar, de lá até o décimo e último andar, estavam inacessíveis.

A maioria dos moradores estavam em seus apartamentos quando o fogo começou, e grande parte deles conseguiu evacuar o prédio a tempo.

— Fat, relatório. — A (cor do seu cabelo) pede.

— Últimos quatro andares inacessíveis por conta do fogo. A estrutura do prédio está começando a ceder. As pessoas dos últimos andares estão presas, sem rota de fuga.

— E dos outros andares?

— Alguns ficaram presos também, não se sabe quantas pessoas ainda estão lá dentro.

— Red Riot! — Ela chama. — Vamos evacuar o resto do prédio, Sun Eater, tente segurar a estrutura do prédio, Fat Gum, chame o Hawks.

Todos assentem com a cabeça e seguem o plano da garota.

Thorn Down e Red Riot vão entrando em cada apartamento e vasculhando a procura de vítimas. Do lado de fora, Sun Eater transforma seus braços em tentáculos de polvo e se queima para tentar evitar que o prédio desmorone, e Fat Gum chama reforços.

Dentro do prédio, quanto mais subiam, o calor aumentava mais e mais, o dois sentiam como se estivessem dentro de um forno.

No quinto andar as coisas começaram a ficar complicadas, estava tudo desmoronando como se fossem gravetos sustentando algo muito pesado. (S/n) escutou um choro de criança. A (cor do seu cabelo) correu em direção ao som. Ao abrir a porta de um dos apartamentos, ela ficou sem reação, as chamas haviam começado a invadir. Os móveis da sala de estar estavam caídos, praticamente bloqueando o acesso para os outros cômodos, mas entre a estante de televisão e uma cristaleira com todos os vidros em cacos, era possível ver um pequena brecha, perfeita para (S/n) passar.

— Red Riot, vai na frente, vou tentar achar a criança.

O ruivo assente, meio relutante em aceitar ter que deixar a garota no apartamento em que o fogo começara a invadir, mas segue em frente pelo extenso corredor, em busca de mais vítimas. Enquanto (S/n) engatinha sob os móveis quebrados e queimados do apartamento completamente destruído. Acabou se cortando ao passar o braço numa estaca de madeira de um armário caído, o sangue escorria por seu braço, mas ela tinha que continuar, um simples corte não a derrubaria. Finalmente encontrou a criança, uma garotinha com cabelos ondulados e brancos como a neve, com olhos tão vermelhos quanto sangue. Ela segura um bonequinho de pelúcia do Eraserhead com força, enquanto se encontra sentada no canto de uma das paredes do apartamento.

— Hey, garotinha. — Ela toca no ombro da criança, a mesma olha para os olhos de (S/n), expressando medo. — Você está ferida? — A (cor do seu cabelo) checa para ver se a criança estava com algum ferimento. A garotinha nega com a cabeça. — Onde estão seus pais?

— ...Eu... não sei... — Ela olha para baixo, seus olhos começam a lacrimejar.

— Está tudo bem. — (S/n) pega a garotinha no colo e aperta o comunicador de seu uniforme para informar a situação ao Fat Gum, enquanto faz cafuné na garotinha para tentar acalmá-la. — Criança sem ferimentos, pais desaparecidos. — De repente, uma pena escarlate surge do nada e leva a garotinha dos braços de (S/n). Ela sorri, seu namorado finalmente chegou para ajudar.

Quando a garota ia sair do apartamento para ir em busca de mais pessoas, o teto começou a desmoronar, ela se abaixa e corre para fora daquele apartamento. 

Do lado de fora, Hawks usa suas penas e toda a sua concentração para tirar as pessoas que estavam presas nos últimos andares. A chuva fraca molha suas asas e suas penas, dificultando um pouco o trabalho, contudo, o herói dá o melhor de si para ajudar a todos.

Tamaki já não aguentava mais a dor das chamas o queimando, e a garoa o molhando acabava deixando seus tentáculos escorregadios, os fazendo se soltar do prédio a cada 45 segundos. Ele acaba soltando as estruturas rachadas do prédio, e não volta a agarrá-las.

(S/n) estava prestes sair do prédio ao checar o último apartamento do andar acessível, porém toda a estrutura do prédio começou a ceder, como no apartamento em que resgatou a garotinha, vários escombros caíram na direção da porta a impedindo de sair pela única rota se fuga acessível. O calor estava insuportável, a garota se abaixa novamente para buscar mais oxigênio.

Kirishima sai do prédio com várias pessoas nos abraços e nas costas, checando a todo momento se cada uma estava bem ou não. O garoto deixa as pessoas nas várias ambulâncias que haviam acabado de chegar no local, e corre para perguntar a Fat Gum onde estava sua parceira, pois ele não a viu em lugar nenhum até agora, muito provavelmente já era para ela estar fazendo um check up básico com algum enfermeiro ou enfermeira de alguma das ambulâncias.

— Onde está a Thorn Down? — Fat Gum pergunta, acreditando que a (cor do seu cabelo) estaria com o ruivo.

— Ela estava checando os últimos apartamentos do quinto andar... Achei que já tivesse chegado aqui. — O garoto congela ao ouvir a voz de (S/n) no comunicador do seu capacete. Ele rapidamente aperta o botão para falar. — Thorn Down?! — O comunicador fica em completo silêncio, após Kirishima ouvir um barulho de coisas caindo.

Hawks, vendo toda a agitação dos outros heróis que estavam perto dele, reúne suas penas de volta para suas asas, ele levanta vôo até uma das janelas do quinto andar e adentra no apartamento, se abaixando para poder respirar.

— Thorn Down! — Ele chama por sua namorada. Do outro lado da parede daquele apartamento, a garota luta para se manter acordada e achar um jeito de sair dali. Após mover os móveis levemente queimados do caminho, ela consegue achar uma janela. Ao olhar para baixo, a (cor do seu cabelo) pôde vizualizar Fat Gum ao lado de Kirishima, ela grita para chamar a atenção deles.

— Thorn Down, pode pular, o Fat Gum vai amortecer sua queda. — Kirishima anuncia no comunicador enquanto observa Fat Gum se deitando no chão debaixo da janela. A garota ficou meio hesitante, mas foi, subiu na janela e pulou, sentindo aquele frio na barriga, que sinceramente ela já se acostumou por sempre ser levada aos ares nos braços de Keigo. Acabou por cair em cima de Fat Gum, como o planejado, mas acabou sendo arremessada para o lado, por sorte caiu nos braços de Kirishima, e para o alívio da (cor do seu cabelo), ele já não estava mais com sua individualidade ativada.

— Hawks! Pode sair daí! — Ela grita.

Alguns instantes depois Hawks sai voando pela janela. Acabou ficando um pouco emburrado ao ver sua namorada ainda no colo do ruivo dos cabelos espetados, mas deixou passar despercebido por todos.

(S/n) foi atendida por uma enfermeira das várias ambulâncias que cercavam o local, enquanto conversava sobre alguma coisa com Kirishima. De longe o loiro observa tudo, com os braços cruzados e estreitando os olhos, ele não sabia sobre o que estavam conversando, mas seu sangue fervia ao ver sua namorada rindo e sorrindo enquanto conversa com outro cara. Fat Gum ri do loiro e tenta o tranquilizar, mas ele não quer nem saber, Takami é só um pássaro que não gosta de dividir o que é dele.

— Muito obrigada, de novo, garoto. — Ela dá um soquinho fraco no ombro do ruivo. — Se não fosse por você e nem pelo Fat, talvez eu já tivesse virado torresmo.

— Que nada! — Ele fala coçando a nuca, suas bochechas coram um pouco. — O Hawks com certeza te salvaria, eu só dei uma mãozinha pra ajudar minha parceira. — O ruivo sorri mostrando seus dentes pontiagudos, ele realmente fica fofo assim.

Vários repórteres de jornais populares cercam os dois e começam a fazer diversas perguntas sobre o incêndio no prédio. A (cor do seu cabelo) e o ruivo respondem profissionalmente tudo que já foi ensinado para eles um dia.

Após o longo interrogatório os repórteres deixaram eles em paz e deram espaço para voltarem a caminhar pelas ruas e fazer suas patrulhas.

Os quatro caminham pelas ruas como se aquele incêndio nem tivesse acontecido, estavam com alguns arranhões aqui ou ali, mas estavam bem. Até que (S/n) nota Hawks andando ao lado dela, assobiando com as mãos nos bolsos, como se fosse normal ele a acompanhar em suas patrulhas.

— Tá fazendo o que aqui? — Ela olha para ele.

— Cuidando do que é meu. — O herói olha para a garota e depois para as costas de Kirishima, o fuzilando com os olhos.

— Hawks... — A garota dá uma risadinha e revira os olhos. — Em casa a gente conversa. — Ela fala e logo segue em frente, focando em seu trabalho.

Após ouvir as palavras da (cor do seu cabelo), o loiro ficou parado onde estava, olhando sua namorada seguir andando e pulando ao lado do maldito ruivo, enquanto ela balançava o braço direito com uma atadura que escondia um machucado levemente profundo. Keigo voltou para sua agência, remoendo a última frase que ouviu em sua cabeça. “Em casa a gente conversa”. O que ela queria dizer com isso? Seu tom de voz não parecia sério quando ela falou. O que iria acontecer? Isso só parece extremamente ruim por ser na visão do loiro? Ele abaixa a cabeça, apoiando os cotovelos em sua mesa enquanto passa seus dedos pelos seus cabelos, que se enroscam em alguns fios embaraçados.

***

No final do dia, (S/n) foi para seu apartamento, separou algumas roupas para poder passar o final de semana na casa de Keigo, tomou um banho rápido e pegou um Uber.

Ela entra na casa e chama pelo loiro, sua voz ecoa por todo o hall de entrada. Sem resposta, a garota segue andando até o quarto do herói das asas escarlate. O barulho do chuveiro ligado preencheu os ouvidos da (cor do seu cabelo).

Enquanto espera Keigo sair do banho, a garota acaba ficando entediada e resolve mexer nas coisas dele. Isso é invasivo? Muito provavelmente, mas Takami sempre mexe nas coisas dela quando ele vai para seu apartamento, e ele nunca arruma nada. (S/n) ficou por um tempinho vasculhando a bagunça do armário de Keigo, haviam vários frascos de perfumes caídos, algumas roupas emboladas que muito provavelmente eram para estar no sesto de roupas sujas, uma caixa cheia de cartas escritas pelos fãs do loiro e ao lado uma caixinha fechada que chamou a atenção de (S/n), ela olhou para a porta aberta do quarto para ver se o loiro estava vindo, como não estava, a garota abriu a caixa rapidamente e olhou fixamente para o que havia dentro daquela caixinha, ela sentiu seu coração falhar uma batida ao ver várias fotos dele e dela juntos, em diversos momento de suas vidas, ela pegou as fotos e foi passando uma por uma, dando sorrisos involuntários ao se lembrar de quando cada foto fora tirada, haviam fotos desde quando eram apenas amigos, como no baile de gala, lá estava um foto que fora tirada por Endeavor, Keigo e (S/n) brindavam com uma taça de champanhe. A próxima foto fora tirada por Present Mic no casamento do Aizawa, a garota estava de costas juntamente com o loiro, enquanto olhavam as estrelas. Ela foi passando as fotos até que tivesse visto todas. A (cor do seu cabelo) guarda a caixinha de volta onde ela tinha achado.

Keigo caminha até o quarto, ainda com as palavras que a garota havia dito mais cedo na cabeça. Ele levanta a cabeça ao ver a garota em frente o armário de seu quarto.

— Oi, nugget de frango. — Ela sorri. — Por que você nunca me contou que tinha uma caixa cheia de fotos nossa no seu armário?

O loiro não diz nada, ele se levanta e vai até a garota, posicionando seu cotovelo com força na porta do armário, o herói se aproxima de (S/n) e a olha, seu olhar expressava... raiva?, a garota não entende o que está se passando na cabeça de Keigo agora.

— O que tá rolando entre você e aquele cabelo de porco espinho?

A (cor do seu cabelo) não consegue conter a risada ao perceber que Keigo está explodindo de ciúmes, o mesmo a encara, confuso, porém continua com sua expressão séria.

— Keigo... — Mais algumas risadas escapam. — Eu não sou uma pedófila não, tá? Eu e o Red Riot somos só parceiros da mesma agência e gostamos de trocar nossas experiências de trabalho.

O loiro ouve em completo silêncio.

— Além do mais, eu sinto como se eu fosse tia dele. — Ela gesticula com as mãos enquanto revira os olhos. — Não precisa ser tão ciumento, nugget de frango. — E conclui essa conversa abraçando o loiro, que logo murmura um pedido de desculpa e separa o abraço para beijar a garota.

***

Os dois pediram uma pizza para o jantar, após a refeição foram para a sala assistir a algum programa aleatório de comédia com piadas tão ruins quanto as que o próprio Takami inventa, o pior é que Keigo cai na gargalhada com as piadas, uma pior que a outra. (S/n) nunca consegue conter o riso ao ouvir a risada do loiro, é algo bobo mas que sempre deixa a (cor do seu cabelo) feliz.

Passados algumas horas que os dois estavam no sofá, o herói começou a olhar para sua namorada de cima a baixo, a mesma nem havia notado por estar concentrada em algo no aparelho celular. Hawks já sem paciência por ela não tirar os olhos da tela do celular por nem um segundo, retira o aparelho das mãos dela e o leva para o alto com uma de suas penas.

— Ei! — Ela exclama com um tom irritado. — Eu tava vendo um negócio!

— Chega de celular por hoje, é minha vez de receber atenção. — Ele soa como uma criança, fazendo a garota dar um meio sorriso.

— Então vem cá, senhor carente. — Ela estende os braços, sem pensar duas vezes, o loiro praticamente se deita no colo dela, encostando a cabeça nos seios da garota.

(S/n) decidiu fazer cafuné no loiro, ela deslisa os dedos pelos fios rebeldes dele. Alguns minutos depois a garota para e se levanta, indo em direção a pequena mesinha que havia perto da parede, ela chega perto de seu celular, mas Keigo a impede novamente, dessa vez ele a prende na parede, parecido com o que fez hoje mais cedo quando foi perguntar sobre o Kirishima.

— Eu disse que era minha vez de receber atenção. — Ele fala com seu tom de voz mais baixo enquanto dá um leve sorriso de lado, essa é a forma de Takami dizer que quer fazer algo com a garota.

(S/n) não diz nada, apenas olha nos olhos de Keigo, e sempre que ela faz isso acaba ficando extremamente fofa na visão do loiro. Sem perder tempo ele a beija, entrelaçando suas línguas e aprofundando o beijo. A garota solta alguns gemidos ao sentir Takami tocando e apertando sua bunda, ele logo começa a despir a garota, abaixando o shortinho junto com a lingerie que a mesma estava usando. (S/n) cora e desvia o olhar. Ela solta um gritinho fino e joga o corpo para trás ao sentir o loiro levantar sua perna e penetrar dois dedos de uma vez só em sua intimidade.

— Babybird, eu amo ver suas expressões quando faço isso com você. — Ele diz com sua voz baixa e rouca, se a intenção dele era deixar a garota mais exitada, palmas para Keigo, porque ele acertou em cheio.

— K-Keigo... — Com um grunhido falho, a (cor do seu cabelo) agarra as costas do herói, afundando o rosto contra o peito do mesmo. Takami continua com os movimentos de vai e vem com os dedos, se aproveitando de cada expressão que a garota faz.

— Caramba, babybird, eu nem te toquei direito e você já encharcou meus dedos. — Ele tira os dedos da intimidade da garota e começa a tirar sua calça de moletom preta que ele sempre usa quando está em casa. O herói rasga um pacotinho de preservativo — que sabe lá Deus de onde ele tirou aquilo — e o coloca em seu membro. — Pronta? — O loiro a pega no colo, fazendo-a envolver a cintura do mesmo com suas pernas. Keigo não perde tempo e penetra seu membro na intimidade da garota, por impulso ela tenciona o corpo para cima enquanto solta um gemido alto, o herói a encosta na parede com um pouco mais de força do que o planejado.

— Ugh! Keigo! — Ela fala levemente irritada, agora suas costas estão doendo.

— Desculpa, baby...bird... — O loiro começa a se movimentar.

(S/n) geme enquanto fecha seus olhos e continua tencionando seu corpo para cima, enquanto sente suas costas batendo contra a parede fria. De repente ela sente uma leve mordida em seu ombro.

— Me deixa te marcar, me deixa mostrar pra todo mundo que você é minha... — Ele sussurra no ouvido dela, provocando arrepios e leves suspiros da garota, o que aumentava cada vez mais a excitação do loiro. — Babybird... eu amo quando faz essas expressões... — Ele continua mordendo e marcando os ombros e pescoço da menor/maior, a mesma agarra firme nos ombros do herói, fazendo ficar levemente avermelhado na região em que ela o agarra com força.

A garota é tomada pela sensação indescritível de estar ali, com seu corpo colado ao de Takami, agarrando as costas dele enquanto sente o membro dele roçando em sua intimidade, indo e vindo cada vez mais rápido, ela geme alto e diz o nome do herói repetidas vezes.

Keigo sente seu limite chegando, e pela intensidade dos gemidos da garota, ele sabe que ela também está perto de seus limites. Ele só precisa de mais uma, duas, três estocadas, e sente o êxtase tomar conta de si. A garota também se desfaz no membro dele, ela só não caiu por conta que o herói ainda está com ela no colo. Ela sente seu sono e cansaço a dominar por inteira.

— Aguenta mais um round? — Ele sorri olhando para ela, mas sabe que ela está acabada. E como ele imaginou, ela nega com a cabeça. — Então, para a banheira! — O loiro fala com todo o ânimo do mundo, com aquele típico sorriso de mongolóide, ele carrega a garota até o banheiro. 


Notas Finais


Olá leitores
Espero que esse hot no final não tenha ficado tão ruim
(´-﹏-`;)

Vou tentar escrever o mais rápido possível pra atualizar a história logo

Mas de qualquer forma

Muita obrigada por lerem até aqui
Me desculpem se tiver algum erro
Não se esqueçam de lavar bem as mãozinhas e de beber bastante aqua
Fiquem bem
Até a próxima leitores (ノ◕ヮ◕)ノ*.✧
Tenham um ótimo final de semana

Créditos ao artista:

Feito por Kadeart
https://pin.it/2dGsgxd


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...