1. Spirit Fanfics >
  2. Towards the Unknown >
  3. Seja minha, e deixe-me ser seu.

História Towards the Unknown - Capítulo 17


Escrita por:


Notas do Autor


Então, aqui estarei escrevendo meu primeiro Hentai. Se estiver uma porcaria, não me culpem (haha) mas se estiver bom, só aproveitem.
Se idratem e usem álcool em gel.
(~♡3♡)~ beijinhos de cereja.

Capítulo 17 - Seja minha, e deixe-me ser seu.


Fanfic / Fanfiction Towards the Unknown - Capítulo 17 - Seja minha, e deixe-me ser seu.


POV. SASUKE.


Eu não tinha nenhuma idéia do que fazer para pedir Sakura em namoro. Eu comprei o anel assim que eu o vi, em uma joalheria, no dia em que fomos ao Shopping comprar roupas. Era um lindo anel de brilhantes, mas o que me chamou a atenção, foi uma pedrinha verde que tinha bem no centro das outras. Aquela pedrinha me lembrou dos verdes olhos da minha flor, e eu comprei o anel sem pestanejar.

Eu estava sentado no sofá, junto dos rapazes, esperando notícias do bem estar de Hinata. Quando me veio a idéia de perguntar aos rapazes o que eu deveria fazer.

- Vocês sabem que, quero pedir a Sakura em namoro oficialmente hoje, não é? - Comecei olhando para eles. Todos os três concordaram e eu suspirei, odiava pedir ajuda, mas era necessário. - Eu... Não tenho idéia nenhuma de como fazer o pedido. Vocês tem alguma?

Naruto abriu um enorme sorriso e começou a tagarelar sobre ideias absurdas, desde me fantasiar de coelhinho da páscoa, até me jogar no espaço pelado. Ele era doido de pedra, fico imaginando como será o pedido que ele irá fazer para a futura namorada, coitadinha.

* Autora On: no quarto de Hinata:

- Atchiiim. - Hinata espirra e pensa "será que vou ficar gripada?"

De volta ao Sasuke:

Autora Off *

Depois de ouvir as idéias malucas e completamente incomuns do Naruto, foi a vez do Sai começar a falar. Ele apenas disse para que eu fizesse o pedido de uma vez, sem rodeios. Aquilo não estava prestando, algo estava faltando, mas minha direção foi definida com o que Neji falou em seguida.

- Por que não faz uma serenata para ela? - Olhei pra ele e ergui as sobrancelhas, era uma ótima idéia. Levantei rapidamente e lhe dei tapinhas nas costas.

- Ótima idéia Neji, você é o mais sensato dos três. - Ele sorriu se vangloriando, enquanto Naruto e Sai ficavam com uma cara de tacho maior que o mundo.


#Quebra de tempo, duas horas depois#


Estávamos terminando de montar o palco improvisado e eu ainda precisava tomar um banho e me vestir. Os rapazes me disseram para ir me arrumar logo, pois eles terminariam de ajustar as coisas. Fui para o meu quarto rapidamente, e de forma silenciosa, como um ninja em meio a uma missão ultrassecreta. Peguei uma muda de roupa social e fui para o banheiro, tomei um banho rápido e vesti a roupa de forma desajeitada, tentando me acalmar.

Abri a porta do banheiro e olhei para os dois lados do corredor, me certificando de que Sakura não estivesse ali. Saí correndo para a garagem e quando cheguei lá encontrei o palco já montado.

- Uau, ficou show. - Disse Sai, olhando de longe.

- Bom trabalho, ficou incrível. - Disse dando tapinhas nas costas de todos. - Quero que façam mais uma coisa para mim.


#Vinte minutos depois# 


Eu estava atrás da cortina do pequeno palco, esperando o meu anjo entrar por aquela porta. Quando ouvi a porta se abrir, e passos leves virem em minha direção, meu coração quase saiu pela boca. Segurei a caixinha com o anel por cima do bolso da calça e respirei fundo, saindo de trás da cortina. Observei a minha flor por um instante e constatei que a cada dia ela fica mais e mais linda, finalmente admiti para mim mesmo que eu a amo e quero ela ao meu lado.

Eu cantei para ela, uma bela canção que definia exatamente o que eu estava sentindo. Quando eu terminei e desci do palco, ela pulou em meus braços chorando, e encheu meu rosto de beijos. Eu beijei o topo de sua cabeça e me ajoelhar na sua frente. Me declarei a ela, dizendo tudo o que sentia, que amava seu jeitinho, sua voz e a queria como namorada, pois a amava. Eu ja havia "pedido" para namorar com ela, no dia do desastre da Terra C-47, mas como eu disse, ocorreu um desastre e o pedido não foi lá essas coisas. Me surpreendi quando ela se ajoelhou comigo e disse que também me amava e aceitava namorar comigo. Eu só consegui abraçá-la, e isso fez com que caíssemos no chão, olhamos um para o outro e começamos a gargalhar. A risada de Sakura era tudo para mim, não havia motivos para ficar longe dela, eu estava sendo um pouco precipitado? Talvez! Mas não me importava, apenas queria tê-la comigo.


#Quebra de tempo, duas horas depois#


Nós havíamos jantado, foi um jantar maravilhoso, aproveitei para conhecer melhor Neji e Hinata, e acabei descobrindo que os dois têm poderes oculares assim como eu. O poder deles se chama Byakugan, e permite ao usuário uma visão extraordinária. Neji me disse que tanto ele, quanto a irmã gêmea praticam um tipo de arte marcial chamada de "Punho gentil" que com a ajuda do seu Byakugan, acerta todos os pontos fracos do oponente. Neji também me disse, que ele é melhor lutador que a irmã, mas Hinata é melhor rastreadora do que ele, pois enxerga mais longe e enxerga muito mais detalhes do que o mesmo. Hinata disse que consegue enxergar o corpo de uma pessoa, até seu nível molecular. Eu fiquei impressionado, uma rastreadora desse nível no time seria muito, mas muito útil.

Quando todos haviam se retirado para dormir, apenas Sakura e eu nos encontrávamos deitados no sofá da sala conversando, e aproveitando a companhia um do outro. Ela estava deitada de bruços sobre o meu peito, e circulava o dedo indicador na palma da minha mão direita, a qual estava segurando. Minha mão esquerda repousava em sua cintura e meus olhos estavam fechados, aproveitando o contato do corpo dela com o meu.

Abri os olhos quando percebi uma movimentação do seu corpo, e quando o fiz, me deparei com seus belos olhos encarando os meus. Ela olhava para mim com malícia, mordendo o lábio inferior. Nunca havia visto um olhar tão luxurioso por parte dela antes, ela ficava tão sexy mordendo os lábios, que eu tive a necessidade de mordê-los por ela. Puxei seu lábio inferior com os dentes, e o soltei, logo colando nossos lábios em um beijo delicioso. Eu me movia ferozmente contra seus pequenos lábios macios, ela me concedeu passagem e eu enrolei minha língua na sua de forma faminta. De nós dois se ouviam apenas os estralos do beijo avassalador, e os leves gemidos que saiam da garganta de Sakura, quando eu apertava sua cintura. Desci minhas mãos para o seu lindo bumbum e o apertei fortemente, com certeza deixaria marca. Ela gemeu entre o beijo e se afastou buscando por ar, mas eu tratei logo de começar outro beijo, adentrando minha língua em sua boca novamente.

Seus lábios estavam inchados, e pareciam mais apetitosos do que nunca, me chamando para uma maratona de beijos infinita. Olhei em seus olhos e eles me encaravam com súplica. Nunca a desejei tanto, quanto agora, queria fazê-la minha, nesse exato momento. Ela estava corada por causa dos beijos e meu companheiro de guerra estava armado, só de ter ouvido seus deliciosos gemidos. Desci meus beijos pelo seu queixo e fui até seu pescoço, deixando uma leve mordida e vários beijos molhados no mesmo. Ela suspirava com os beijos e apertava suas mãos em torno do tecido da minha camisa. Me afastei um pouco, olhando em seus olhos e ela colou sua testa na minha, sussurrando aquilo que eu mais queria ouvir.

- Sasuke... Eu quero você. - Terminou me dando um beijo no pescoço. Ela me queria? Era isso mesmo? Eu estava em êxtase, a faria minha, ela seria completamente minha. Eu a olhei nos olhos, tentando enxergar algum pingo de remorso que fosse, mas não encontrei nada. Então lhe sorri e sussurrei.

- Seja minha meu anjo, e deixe-me ser seu. - Ela corou lindamente e concordou com a cabeça. Era tudo o que eu precisava, segurei firme seu bumbum e me levantei de supetão, fazendo ela soltar um gritinho assustado, me fazendo rir. Ela enrolou as pernas em minha cintura e deitou a cabeça no meu ombro. Eu amava carregá-la no colo, sentir ela tão próxima a mim, segura e confortável, era tudo o que eu precisava. Levei ela no colo até o meu quarto e abri a posta com as costas, a fechando com o pé.

- Tranque a porta para mim, meu anjo. - Pedi para que ela girasse a chave e ela o fez. Olhei em seus olhos e lhe sorri, precisava deixá-la confortável com a situação. Ali mesmo, de pé no meio do quarto iniciei um novo beijo mordendo os seus lábios, o beijo foi se intensificando, a medida em que nossas línguas se enroscavam uma na outra. Ainda em meio aos beijos a carreguei até a cama, a depositando carinhosamente na mesma. Me afastei dela um pouco e olhei em seus olhos. - Se eu prosseguir, não será mais possível parar. Tem certeza de que quer fazer isso? - Lhe perguntei calmamente.

- Nunca tive tanta certeza de algo, quero que me faça sua, meu amor. - Aquele foi o limite do meu auto-controle, eu nao conseguia mais me conter. A beijei de forma necessitada, passando minhas mãos por todo o seu corpo lentamente, desde sua fina cintura até as coxas grossas, descendo finalmente para seu delicioso bumbum. Céus, como era gostosa, não podia me conter perante a esse corpo maravilhoso. Parei de beijá-la por um instante e a olhei nos olhos, havia uma coisa que me corroía e eu precisava saber, para o bem do meu ego masculino.

- Me diga, meu anjo. - Ela olhou para mim com uma linda carinha de dúvida, suas bochechas estavam coradas, tão linda. - Você é virgem?

Ela corou lindamente e concordou com a cabeça suavemente, mantendo contato visual. Eu fiquei tão feliz, não podia explicar a alegria que eu tinha em saber que eu seria seu primeiro e único. Ela seria apenas minha e de mais ninguém. Dei um casto beijo em sua testa e sussurrei próximo aos seus lábios:

- Obrigado meu amor, não sabe o quanto isso me faz feliz. - Ela sorriu meiga para mim e seus olhos lacrimejaram, ela estava emocionada, e eu imagino que tenha sido por eu tê-la chamado de "meu amor", era isso o que ela era afinal, o meu primeiro e único amor. Eu subi minha mão para a sua bochecha, onde escorria uma lágrima fujona, e sequei a mesma com os dedos, em um carinho suave. Ela deitou o rosto em minha mão, aproveitando a carícia e deu um suave beijo na mesma. Eram gestos como esse, que me faziam amá-la mais e mais, a cada segundo do meu dia. Ela tinha formas e formas de me dizer "Eu te amo", e eu tentava o máximo possível perceber todas elas e retribuir de alguma forma.

Desci minhas mãos para a sua barriga, enquanto a beijava suavemente, subi minhas mãos levando junto a sua blusa. Ela me ajudou a retirar a peça de roupa, e eu a joguei em um canto qualquer do quarto. Sakura segurou em minha camisa e a ergueu para cima, eu a ajudei a retirá-la e parei para observá-la melhor. Ela era linda, sua pele leitosa fazia um belo contraste com os seus cabelos róseos e seus lindos olhos esmeraldas. Eu estava por cima dela, apoiado nas mãos e nos joelhos. Subi minha mão direita por sua barriga e constatei o quanto ela era macia, me apoiei apenas nos joelhos e levei as duas mãos até seus seios, os apertando por cima do sutiã. Ela soltou um suspiro e corou, ela ficava tão linda corada.

Olhei em seus olhos e lhe lancei meu sorriso mais safado, abrindo o fecho do seu sutiã, que por um acaso era do jeito que eu gostava, vermelho e com fecho na frente. Ela me olhou envergonhada e cobriu o rosto com as mãos, eu levei minhas mãos até as suas e as retirei calmamente do seu belo rosto, trazendo elas até meus lábios, depositando um casto beijo em seus dedos finos.

- Quero que olhe para mim enquanto eu te toco, meu amor. - Disse próximo ao seu ouvido. Ela focou seus olhos em mim, ainda corada e concordou com a cabeça. Eu retirei o seu sutiã, que ainda cobria seus seios, e o joguei no chão. Olhei para aquela obra de arte, esculpida pelos anjos e senti o meu companheiro latejar. Seus seios eram perfeitos, não eram grandes e nem pequenos, seus mamilos eram rosadinhos, e estavam eriçados de excitação. Levei minhas mãos até seus lindos seios e os apertei, fiquei em êxtase ao constatar que eles cabiam perfeitamente em minhas mãos, parecia até que foram feitos para que coubessem em meu aperto. - Eles são perfeitos, meu anjo.

- Eles são muito... pequenos. - Ela disse em um fio de voz, mas eu a escutei claramente, e decidi provar para ela, o quanto eles eram perfeitos para mim. Abocanhei seu mamilo direito, o chupando fortemente, enquanto acariciava seu seio esquerdo, o apertando. Ela arfou pelo susto e pelo contato, mas logo começou a suspirar profundamente. 

Enquanto eu contornava seu mamilo esquerdo entre os dedos indicador e polegar da mão direita e chupava seu mamilo direito, levei minha mão esquerda até a barra da sua calça branca e adentrei a mesma, acariciando sua intimidade por cima da calcinha. Ela gemeu manhosa e eu senti meu coleguinha pulsar. Subi minha boca para o seu pescoço e o lambi, ainda estimulando seu mamilo com os dedos. Adentrei sua calcinha, acariciando sua intimidade, percebendo o quanto ela estava encharcada.

- Você está molhadinha por mim. - Sussurrei em seu ouvido, mordendo o lóbulo da sua orelha, o que fez ela arfar e corar. Desci minha língua do seu pescoço e deixei um rastro que contornou seu seio esquerdo, desceu pela barriga e chegou ao cós da calça. Olhei para cima e ela me olhava de forma esperançosa, seus olhos brilhavam em luxúria e sua boca estava entreaberta, soltando suspiros profundos. Segurei o cós da sua calça jeans branca e a retirei calmamente, deixando-a apenas de calcinha. E quando olhei novamente para ela, eu salivei. Que mulher mais gostosa, sou um sortudo da porra, só posso ter nascido com a bunda virada para a lua. - Você é inda. - Eu disse a admirando, na verdade eu estava a comendo com os olhos. Eu segurei o elástico da sua lingerie vermelha, o puxei e o soltei, fazendo o mesmo estalar em sua pele alva. Ela soltou um gemido manhoso e eu comecei a pirar, a queria agora, mas não queria machucá-la. Então tratei logo de retirar a sua calcinha, da forma mais rápida que eu consegui: Rasgando-a e a jogando pelo quarto.

- Kyaaaa. - Ela soltou um gritinho e fechou as pernas por puro instinto. Segurei em seus joelhos e abri suas pernas lentamente, olhando em seus olhos com um sorriso safado no rosto. Ela estava mais vermelha que um pimentão, e suspirava de forma desesperada. Observei sua intimidade rosada brilhando em excitação e lambi os lábios, sem que ela esperasse levei meu rosto de encontro ao seu ponto sensível e o suguei de forma faminta. Ela abriu os lábios em um perfeito "Ó" e soltou um alto gemido, eu adorei aquela reação, e queria ouví-la gemer, mais e mais. Abocanhei sua intimidade a lambendo de cima a baixo de forma contínua, fazendo ela arquear o corpo para cima, na direção do meu rosto, enquanto segurava meus cabelos, emaranhando os dedos nos fios.

- Haan... Sasuke... kun... - Quando ela gemeu meu nome de forma manhosa e arrastada, meu ego se inflou e eu tratei de dar mais prazer a ela.

Levei um dedo até a sua cavidade, que transbordava de excitação e a penetrei de uma vez, fazendo ela soltar um longo gemido manhoso, se contorcendo sobre os lençóis. Comecei a estocar o dedo de forma rápida, repetidas vezes, constatando o quão apertada ela era. Adentrei mais um dedo e levei a língua até seu clitóris o estimulando com movimentos circulares. Ela gemia, se contorcia e puxava meus cabelos de forma desesperada. Eu apenas fazia meu trabalho com os dedos e a língua, enquanto apreciava seus deliciosos gemidos, que estavam me enlouquecendo de uma forma desconhecida, nunca desejei tanto dar prazer a alguém, vê-la sentir prazer me fazia sentir também.

Quando vi que ela iria gozar, suguei seu clitóris fortemente e estoquei três dedos em sua cavidade, fazendo ela se derramar de vez na minha boca. Lambi todo o seu delicioso mel e levantei o corpo fitando o seu rosto. Ela estava com a boca aberta, respirando pesadamente, suas bochechas estavam coradas e seus olhos estavam fixos nos meus. Seu pequeno corpo estava em êxtase, soltando leves espasmos de prazer. Aproximei meu rosto do seu e colei minha testa na sua, beijando seus lábios carinhosamente, ela sorriu entre o beijo e correspondeu, enroscando sua língua na minha, em um beijo lento e sensual.

Senti ela passar as mãos pelo meu tórax, e descer chegando a barra da minha calça. Me afastei dela, terminando o beijo com leves selinhos em seus lindos lábios inchados.

- Eu quero você, meu anjo. - Sussurrei em seu ouvido. - Diga-me, você quer ser minha?

Ela me olhou por uns instantes e sorriu de forma carinhosa e meiga, respondendo:

- É o que eu mais quero, anata. - Ela me chamou de anata, eu fiquei surpreso, mas imensamente feliz com isso.

Esfreguei a ponta do nariz em sua bochecha corada e depositei um selinho molhado ali, fazendo ela rir meiga. Senti suas unhas subirem pelo meu tórax, arranhando o mesmo levemente, me causando um arrepio gostoso. Depositei um selinho em seus lábios e me afastei, ficando de joelhos na sua frente.

Ela levantou o tronco, se apoiando nos cotovelos, me observando com um olhar malicioso. Eu retirei a calça rapidamente, ficando só com a cueca boxer. Me aproximei andando sobre os joelhos e fiquei bem abaixo dos seus pés, a encarando de forma instintiva, esperando ela prosseguir com o meu joguinho de sedução. Ela me encarou sem entender por uns segundos, mas quando finalmente entendeu o que eu queria dizer, suas bochechas coraram. Timidamente ela se aproximou, segurou o cós da minha cueca e apenas observou o volume por uns instantes. Olhou para cima, procurando meus olhos, eu lhe sorri e a incentivei a prosseguir. Lentamente ela abaixou a cueca, e a retirou. Meu membro rijo saltou para fora e eu suspirei levantando a cabeça em deleite, por estar finalmente livre daquela peça incomodativa.

Abaixei a cabeça procurando os olhos de Sakura, mas encontrei ela estática observando o meu instrumento de prazer. Não é pra me gabar não, mas eu sou bem ácima da média, então ela deve estar surpresa. Ela olhou para mim corada e disse de forma preocupada:

- Sasuke... é muito grande, não vai caber em mim. - Eu riria, se não tivesse sido uma das coisas mais sexys que eu já ouvi.

- Não seu preocupe, minha flor. - Disse segurando seu queixo e o levantando para cima. - Você foi feita pra mim. - Ela corou e sorriu meiga para mim.

Podia notar que ela estava morrendo de vergonha. Mas quando ela segurou meu membro com a sua pequena mão, eu segurei um gemido no fundo da garganta. Eu não estava esperando muito, pois sabia que era a sua primeira vez, mas quando ela abocanhou o meu membro e começou a chupá-lo eu entrei em colapso. Nunca em minha vida toda, alguém me fez um boquete tão maravilhoso. Quando eu estava quase gozando, mesmo que de forma relutante, eu segurei sua cabeça, a afastando. Ela lambeu os lábios e olhou para mim sem entender.

- Eu quero me enterrar dentro de você nesse exato momento. - Disse a derrubando na cama, ficando por cima dela.

- Vá em frente. - Disse de forma provocante, abrindo as pernas. Aquele foi o estopim, o meu limite.

Segurei firmemente em suas coxas a puxando para mim, fazendo ela circular as pernas em torno da minha cintura . Olhei em seus olhos e lhe perguntei:

- Me diga doutora, você acha que dói menos se eu for aos pouquinhos, ou se eu for de uma vez só. - Não me julguem, nunca fiquei com uma virgem antes.

- E...eu, acho que se você for de uma vez só, vai doer menos. - Disse corando de leve.

- A senhorita quem manda. - Disse sorrindo de canto. Posicionei meu membro rígido em sua entrada molhada, olhei em seus olhos e disse: - No três.

- Um. - Ela falou comigo.

- Dois. - Segurei suas mãos com as minhas.

- Três. Disse e a beijei, me enfiando em sua cavidade de uma vez só. O seu grito de dor foi abafado pelos meus lábios, e eu a beijei carinhosamente, enquanto ficava parado, esperando ela se acostumar com o meu tamanho.

- Sa... Sasuke-kun... tá doendo. - Ela disse de forma manhosa. Lágrimas escorriam de seus belos olhos, e eu só conseguia beijar seu rosto, secando suas lágrimas, dizendo que logo iria passar. Segurei firme em suas mãos colando nossas testas, enquanto a olhava nos olhos.

- Obrigado, meu anjo. - Lhe dei um selinho. - Eu amo você.

- Também amo você, anata. - Naquele momento eu não conseguia fazer mais nada além de beijá-la. Da forma mais carinhosa que eu podia. Ela se afastou, separando nossos lábios, dando mordidinhas no meu lábio inferior. - Já pode se mover, a dor aliviou.

Comecei a me mover com um pouco de dificuldade, ela era muito apertada e nao facilitava para mim, pois ela me comprimia com suas paredes vaginais a cada estocada. Nossos corpos se chocavam de forma louca e desesperada, eu gemia, Sakura gemia e nós dois nos beijávamos.

- Sasuke... kun... - Ela gemia meu nome entre uma estocada e outra, seus gemidos eram manhosos e me deixavam louco, eu sonharia com eles, tenho certeza.

Eu dizia coisas obscenas em seu ouvido, mordendo o lóbulo da sua orelha. As pernas dela estavam em volta da minha cintura, e suas unhas arranhavam minhas costas. Ela beijou meu pescoço e o chupou, me marcando. Nesse tempo que conheço ela, percebi que Sakura é tão possessiva quanto eu, e eu não reclamo, pois ela fica linda com ciúmes.

- Aahnnn... Sasuke... Eu vou... - Disse se engasgado com os próprios gemidos.

- Goza meu anjo, goza pra mim. - Disse abocanhando seu seio direito, mordendo seu mamilo rijo. Ela gemeu alto gozando de uma forma avassaladora, e eu dei mais três estocadas profundas, me derramando dentro da sua cavidade apertada.

Deitei meu corpo por cima do seu, não soltando todo o peso, pois não queria machucá-la. Enterrei meu rosto em seu pescoço, sentindo seu cheiro maravilhoso, que agora estava misturado com o cheiro de sexo, que preenchia todo o quarto. Ela acariciava minhas costas com uma das mãos e me fazia cafuné com a outra. Eu ainda estava dentro dela e estava quase dormindo com o seu carinho gostoso. Mas despertei por um instante saindo lentamente de dentro dela, fazendo-a gemer de dor. Sabia que ela estava dolorida, então não tentaria começar uma segunda rodada.

Segurei sua cintura e inverti nossas posições, deitando-a no meu peito, abraçando sua cintura. Ela abraçou meu tronco e repousou a cabeça em meu ombro, cochilando logo em seguida, mas antes que dormisse por completo ela disse:

- Eu amo você Sasuke-kun. - Não contive meu sorriso perante aquela declaração. Apertei os braços em torno do seu pequeno corpo e beijei o topo da sua cabeleira rosada.

- Eu também amo você, meu anjo. - Daqui em diante eu faria de tudo para cuidar e proteger Sakura, ela se tornou tudo pra mim, da noite para o dia. Eu quero estar com ela, quero construir uma família com ela, ela é a mulher da minha vida. E eu não escondo o que sinto, eu a amo e ninguém pode dizer o contrário.


Continua.


Notas Finais


Gente eu me empolguei, haha, e trouxe a tona minha personalidade taradona.
Bebam água, boas férias.
(~♡3♡)~ beijinhos de cereja.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...