História Tráfico de mulheres - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Filme, Medo, Morte, Mulheres, Psicopata, Sangue, Tema Tabu, Terror, Trafico, Vingança, Violencia
Visualizações 27
Palavras 1.374
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá, gente!!! As capas dos capítulos serão referentes aos personagens, conforme os mesmos vão aparecendo.
Estes escondem segredos, assim como os três da capa anterior.

Ótimo capítulo a todos!!!
Obs: não postei antes por problemas técnicos.

Capítulo 4 - O abismo.


Fanfic / Fanfiction Tráfico de mulheres - Capítulo 4 - O abismo.

O celeiro! Quem diria que ali seria o cativeiro no qual estas três jovens ficariam!? Aquele lugar onde animais – vacas – passeiam em volta é um local tão obvio que ninguém suspeitaria. Adentrando o celeiro, em baixo de toda a palha e sujeira, há uma passagem subterrânea que leva até uma "casa" subterrânea, descendo a longa e calorosa escada, não se encontra nenhum vestígio de teias de aranhas, roedores ou lagartixas. Lá embaixo há umas gaiolas bem grandes, mas estas abrigam seres bem mais maiores que roedores, abrigam seres da espécie humana.

O ar circula perfeitamente bem, eles devem ser um tipo de especialistas em engenharia, ou feito qualquer coisa nas laterais ou na superfície desse ambiente, ele também tem um cheiro bem agradável, realmente é de se admirar, tudo é limpo e bem cuidado.

...Elas não estão sozinhas, há mais mulheres ali.

Psicopatas. Eles são, sem dúvidas nenhuma, tremendos psicopatas.

São dez gaiolas: cinco na parede do lado direito e as outras cinco do lado esquerdo... Ao centro se encontra uma mesa, talvez, nesta é colocada a comida. Fora às três, há mais cinco mulheres, duas na parte da direita e três na da esquerda. Ao ver aquelas mulheres, as três já percebem que se querem fugir é bom se preparar bem, pois pelo que parece as presas já são da casa faz um bom tempo.  

As meninas observam cada uma das mulheres que estão nesse ambiente. Das cinco, em uma se vê medo e insegurança, o medo que a destrói por dentro. Ela está chorando, provavelmente senti falta de algo ou de alguém; Ao contrário da que chora, ao seu lado está uma que sorri, aparenta já estar louca... certamente é a que já está a  mais tempo nesse buraco obscuro e perturbador, ela sorri e fala palavras aleatórias, ela dá medo; Já a terceira  que se encontra junto à elas, desse lado esquerdo, demonstra compaixão, é provável que ela seja uma mulher de fé, mesmo no estado em que se encontra ela demonstra a certeza de que, um dia, sairá viva desse inferno... Um dia ela será liberta dessa prisão e a vingança não estará em seus planos; A primeira do lado direito está com a cara fechada, certamente está com ódio, não dos psicopatas, mas das mulheres novas, o ódio ferve nos olhos desta, que as encara como se quisesse matá-las; A segunda se encontra em estado de... digamos que ela brincou de estátua e nunca mais parou.

Observando estas mulheres, jogadas em suas gaiolas, as novatas se entreolham e, no olhar já demonstram o sofrimento pelo qual elas terão de passar. O que será que elas viraram nesse lugar? Choronas como a primeira, louca como a segunda, tranquila como a terceira, raivosa como a quarta, em transe como a quinta, ou morta como Cristina?  

Os psicopatas não são poucos. Tem mais dois nesse ambiente que elas foram levadas. Eles estão preparando as gaiolas, lavando o chão, colocando colchões e ajeitando tudo...  certamente para prende-las como as outras estão, como se elas que fossem os animais, não eles. Estes parecem serem menores de idade, quem serão eles? Será que também são filhos do Devon? Não aparentam ser tão maus assim. Aparentam ser irmãos, a menina é delicada e calma, não olha na cara de ninguém, quando os outros três chegaram com as mercadorias (Fernanda, Luana e Letícia), ela se afastou e, sem querer, derrubou alguns produtos de limpeza no chão, não demorou muito para ela ser xingada. Já o menino encara uma por uma, mas quem ele mais olha é Fernanda.

-É bom que esteja tudo preparado para amanhã -diz Devon aos dois.

-Sim, estamos. Fazendo melhor -diz a garota, cortando as falas.

-TÁ BOM -grita o garoto, não sendo malcriado, mas aparentemente esse é o jeito dele falar.

Eles, igual ao Michel, parecem ter um atraso mental. Uma família completamente desequilibrada, com membros cheios de problemas, e outros cheios de sangue nos olhos e loucos por dinheiro, tal as custas de jovens inocentes e mulheres que não pediram por tudo isso. Além dos problemas que essa família possui, ela esconde segredos perturbadores e obscuros, que pode acabar com todo comercio deles, caso os mesmos sejam revelados

A jovem Luana ainda está a chorar, Fernanda só demonstra raiva e Letícia arrependimento. Uma viagem que era pra ser a melhor do ano se torno um pesadelo para todas, a partir do momento que três homens ofereceram ajuda.

-Você, para aquela ali, vocês duas para as daquele lado -diz Devon apontando os lugares onde elas vão ficar, dormir, esperar pelos homens que a usaram como um objeto descartável e certamente viver pelo resto de suas vidas. Sobrou uma cela, poderia ser da Cristina... esses loucos já deixaram tudo preparado. Os arames, tudo foi obra desses canalhas, desde quando eles estavam arrumando isso? E quanto aquele homem que se aproximou delas na lanchonete teria alguma coisa haver com tudo isso?

Luana não para de chorar. Ela deveria mesmo ter acreditado em sua irmã. Olhando em sua volta ela, assim como as outras, imagina o tipo de homem que a espera. O tipo de “ser” que aparecerá pra comprá-las e as explorarem sexualmente. Desacreditadas é a palavra que a descrevem nesse momento, desacreditadas que um dia isso fosse acontecer com elas, afinal, ninguém espera viajar e cair em uma armadilha desse tipo.

"O que dá em uma pessoa para fazer isso? Cadê a humanidade?" Se pergunta Fernanda, a todo segundo. Tráfico de mulheres é, sem dúvidas, algo que ela nunca imaginaria presenciar ao vivo. Ela nem sabia como funcionava, como se movimentava, como ela reagiria a tal ato. Mas e agora? E agora que ela está ali, presa, perdida e com medo... e agora que a sua irmã, que por sinal é menor de idade, está passando pelo mesmo... e agora que elas podem daí, ir pra morte. E se alguma se separar? E se uma for vendida para outros comercializastes? E agora?  

-Amanhã vocês vão sair daí e, uma por vez, vai tirar umas fotos -diz Taylor -Luana, você ainda é virgem, né!? - Taylor, sem dúvidas, é bem direto e a pergunta que ele fez a jovem, a deixou constrangida e com medo.

Olhando para a sua irmã e para Letícia, que se encontram por trás das grades da parte direita ela deixa mais lágrimas escorrerem.

-Você já sabe da resposta, seu idiota, não há necessidade de perguntar -responde Fernanda.

-Eu falei com a Luana, sua puta!

Taylor abre a gaiola onde Luana está e a tira puxando-a com força para fora. Jogando-a por sobre a mesa ele se escora por de trás dela. Ela chora e tenta escapar, mas é fraca demais para tal ato. Os canalhas em volta observam sem nada fazer.

-SOLTA ELA! -grita Fernanda -SE EU ESCAPAR DAQUI VOCÊS ESTÃO FERRADOS!!!! -ela começa a chorar e a se desmoronar, com ela eles podem fazer o que quiserem mas com a sua irmã...

-Hahahaha vocês nunca vão escapar daqui tolinha-caçoa Taylor. Em seguida ele joga a garota de volta na gaiola e vai até Fernanda. -eu não iria abusar dela... sabe por quê? Não sabe, né? Hehehe é por que uma virgem vale mais do que ouro....

Fernanda cospe na cara dele.  

-Seu merda -resmunga ela com as lágrimas escorrendo.  

-VOCÊ NÃO VAI JANTAR HOJE! TEM QUE APRENDER A NOS RESPEITAR, OUVIU!? AQUI É UM LUGAR DE RESPEITO A NÓS HOMENS! NÓS MANDAMOS E VOCÊS OBEDECEM FEITO CACHORRAS!

É triste, mas é a realidade que elas têm que aceitar.

-ALIÁS, NENHUMA DE VOCÊS VÃO JANTAR, AGRADEÇAM À NOVATA.

Fernanda demonstrava ser dura, mas o seu ponto fraco acaba de ser descoberto: é a sua irmã. A irmã que desde pequeninha não sabia lidar com as coisas do mundo, a irmã que chegava da escolinha toda contente lhe dizendo o que tinha aprendido, qual matéria gostou e que não gostou, a irmã que ria de tudo e de todos, a irmã que ainda nem sabia ao certo o que queria ser quando crescer, a irmã que só sonhava em ser alguém... a irmã que, provavelmente nunca voltará a sorrir... e se sorrir, esses sofrimentos que estão por vir nunca mais sumirão de suas memórias... a irmã que agora se encontra como um futuro objeto sexual.


Notas Finais


Bom gente, espero que esteja gostando ❤️✨ obrigado por ler até aqui e se possível comente o que acharam, isso me inspira e não me faz desanimar ❤️

Perguntinhas sobre o capítulo:

1) O que acharam dos personagens novos? As mulheres e os irmãos?

2) Será que elas faram amizades rapidamente com as que já estavam presas?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...