História Traição - Kim Namjoon (BTS) - Capítulo 42


Escrita por: ~ e ~KimDanny

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jin, Personagens Originais, Rap Monster, V
Tags Bts, Jimin, Rap Monster, Romance, Traição, Veneza, Você
Visualizações 536
Palavras 1.832
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá amores!!!

Me desculpem pela demora, nós realmente demoramos muito dessa vez, mas como tudo tem uma explicação aqui vai a nossa: Bloqueio, sim um bloqueio imenso que esta indo embora aos poucos e permitindo escrevermos os capítulos...

Então é isso amores, espero de coração que gostem desse especial com nosso ChimChim! ❤

Capítulo 42 - Sad Memories - Park Jimin


Fanfic / Fanfiction Traição - Kim Namjoon (BTS) - Capítulo 42 - Sad Memories - Park Jimin


"As más lembranças ensinam a viver." Henrique de Shivas


   Park Jimin, Point Of View

Park Jimin... Qualquer pessoa daquele maldito colégio que ouvisse esse nome, já iria imaginar um garoto rico, porém considerado fora dos padrões da sociedade coreana. Afinal, para todos, mesmo sendo rico e tendo um pai influente, eu não passava de um garoto feio e esquisito. Nem mesmo o meu dom para dança me salvava desses esteriótipos. Muito pelo contrário, ajudava ainda mais as garotas e os caras "famosos" no colégio a zombarem de mim.

"Rolha de poço."

"Viadinho, dançarino de boate."

"Nerd de merda."

Esses eram alguns dos "apelidinhos carinhosos" que aquele bando de idiotas me chamavam, inclusive Jisoo, a garota por quem eu era completamente apaixonado, mas que não hesitava em me humilhar e aumentar a sua popularidade acabando assim com a minha dignidade.

Eu era um idiota por amá-la, mas o que eu poderia fazer? Ninguém tem a habilidade de mandar no próprio coração, e não seria eu, o fracassado — aos olhos de todos — à conseguir tal proeza.

— Ei rolha de poço... — uma voz bastante conhecida chamou-me por trás e eu já sabendo o que vinha pela frente suspirei sôfrego. — Você não está me ouvindo nerd? — Kihyun perguntou pegando meu braço e me virando bruscamente para si.

Abeixei minha cabeça em sinal de submissão. Não pense que eu ficava feliz com toda essa humilhação, eu não ficava, mas com Kihyun era melhor obedecer. Ouvi dizer que no ano passado um garoto tentou desafia-lo e acabou tendo um traumatismo craniano ficando em coma por quase um mês. Não sabia se o boato era verdade, mas eu não me arriscaria e com certeza pra mim, era melhor me submeter a suas humilhações, do que ficar em coma de tanto apanhar.

— Da próxima vez que eu te chamar e você não responder, você vai se arrepender muito, seu nerd de merda. — falou entre dentes e eu fiquei desesperado.

— S-sim, senhor... — concordei, ainda mantendo a minha cabeça abaixada. 

Sim senhor? Por que eu havia o chamado assim? Talvez o medo que o jogador de basquete impôs sobre mim naquele momento foi tão forte, que o meu subconsciente resolveu me ajudar um pouco, ou não...

— Olhem só! — Kihyun chamou a atenção dos outros jogadores do time de basquete do colégio. — A baleia falou sim senhor. Isso sim que é um animal obediente. — ele riu e cruzou os braços, continuando na minha frente. 

A sua altura, o seu jeito impotente e principalmente a sua forma de agir me colocava muito medo. Eu queria chorar, mas não poderia passar por mais vergonha na frente de todos; eu queria correr, porém eles me alcançariam em poucos segundos e eu a acabaria apanhando muito. Então tudo o que resolvi fazer foi continuar ali, parado, escutando tudo o que eles falavam para mim e as suas risadas nojentas, ecoando cada vez mais alto em meus ouvidos, me fazendo sentir as primeiras fisgadas de uma forte dor de cabeça que com certeza estaria por vir logo depois que eu ficasse.

— Kihyun, amor... — a voz de Jisoo se fez presente naquele corredor cheio de pessoas prontas para rir da minha desgraça e desespero.

Mas isso não estava me incomodando naquele momento, o que realmente me pegou de surpresa foi Jisoo Chamar Kihyun de amor. 

Não, não podia ser o que eu estava pensando.

— O que você esta fazendo com esse nerd? — perguntou manhosa se pendurando no pescoço do jogador de basquete. — Pare de perder tempo com esse insignificante e venha aproveitar seu tempo comigo, huh. — Kihyun olhou pra ela que fazia um biquinho e depois olhou-me novamente.

— É, você tem razão gatinha, melhor aproveitar sua companhia gostosa que ficar perdendo tempo com esse viadinho. — disse e todos que estavam ali para assistir meu espancamento — que não aconteceu — riram.

Desviei meus olhos de Jisoo que nem fazia questão de me olhar e abaixei minha cabeça novamente com os olhos marejados, por causa do apelido totalmente ofensivo e pelas palavras da garota que eu gostava — mesmo não querendo —.

Depois que todos os jogadores saíram, assim como Jisoo. Os demais alunos voltaram a fazer as suas coisas e a não dar a mínima atenção para mim, então tratei de apertar a alça da minha mochila, — que se encontrava pendurada sobre o meu ombro esquerdo —, e caminhei o mais rápido que pude para a sala de música. Onde lá me tranquei e joguei para fora tudo o que eu estava sentindo. Me permitindo chorar, gritar, xingar e até mesmo bater em mim mesmo por permitir que todos aqueles idiotas fizessem o que fizeram comigo.

Depois de alguns minutos chorando, resolvi ir embora. Eu não conseguiria me concentrar em nada se eu resolvesse assistir o restante das aulas do dia. E depois de tentar acalmar meu choro, saí da sala de música e fui em direção a saída do colégio. 

Consegui sair sem problemas resolvendo não voltar pra casa cedo, já que minha omma estaria alí e como ela me conhecia muito bem, certamente saberia que eu andei chorando e eu não estava nenhum pouco afim de contar mais mentiras. Ela não sabia que eu sofria humilhações todos os dias, pois eu não queria preocupa-lá com meus problemas.

Resolvi parar em uma praça perto da escola e me sentei em um dos bancos que alí estavam. Suspirei cansado de tudo aquilo, cansado de tudo e de todos, cansado de Kihyun e sua turma e o pior, cansado de ser humilhado pela garota que eu amava. Se eu quisesse conquistar a Jisoo, eu teria que mudar drasticamente, ou eu nunca teria o que eu mais almejava... seus lábios nos meus.

Então foi aí que eu decidi mudar. Decidi que nunca mais seria humilhado e nem mais nada do tipo. Completamente certo da minha decisão, peguei um táxi e fui até a melhor acadêmia da cidade, onde alguns parentes meus, — os bem sucedidos, é claro! — malhavam. 

Entrei no lugar e de cara me senti deslocado, mas resolvi ignorar. Se eu queria mudar, precisaria me acostumar com a mudança e não continuar sendo o mesmo ratinho assustado de sempre.

— Olá, boa tarde. O que deseja? — uma garota muito bonita me atendeu com um sorriso no rosto.

Com certeza ela sorria para mim apenas por educação, por isso e porque não estava disposta a perder o seu emprego por ser grossa com os clientes. 

— Quero fazer uma agenda para mim. — respondi retribuindo o sorriso, porém sem mostrar os dentes. Pois os mesmo eram um pouco tortos e um dos meus dentes da frente tinha a ponta quebrado. Coisa que eu já deveria ter concertado a muito tempo, porém nunca me importei com a minha aparência. Mas agora?... Agora tudo seria diferente.

Logo depois de fazer uma agenda completa de um ano naquela acadêmia, deixei o lugar e resolvi ir até o shopping da cidade. 

O bom de ter os pais ricos, era o cartão sem limites que todo filho possuía, então para mim dinheiro não seria problema.

Quando terminei de comprar roupas que não fossem suéteres ou calças sociais largas, eu decidi chamar meu motorista para me levar ao cabeleireiro afim de trocar o corte e a cor do meu cabelo, pois Jisoo achava o castanho sem graça.

Depois de quinze minutos esperando por Carl — meu motorista — ele estacionou o Mercedez Benz preto, que meu pai fez questão que eu escolhece. Eu não dava muita bola pra carros, mas se eu quisesse conquistar Jisoo, eu teria que começar a dar.

Eu ouvi dizer que ela gostava dos conversíveis, então esse era meu próximo passo, comprar um carro conversível. Amanhã eu veria isso, já que no momento eu estava exausto, nunca pensei que fazer compras, cansava tanto assim.

— Boa tarde senhor Park. — Carl me cumprimentou formalmente abrindo a porta do carro para que eu entrasse, mesmo eu dizendo que não precisava ser formal comigo o tempo todo, apenas na frente dos meus pais que eram mais rígidos com os funcionários.

— Boa tarde Carl, e você já sabe o que eu acho de formalidades. — respondi gentilmente meu motorista que sorriu fechando a porta, entrando rapidamente no carro começando a dirigir.

— O senh... Quer dizer, você fez compras? — perguntou e eu assenti para o homem que me olhava pelo retrovisor.

— Sim, resolvi mudar meu estilo. — respondi confiante. 

Será que Jisoo aprovaria minha mudança? Porque era apenas por ela todo meu esforço pra ser alguém mais... Apresentável.

— Você vai pra casa? — ele perguntou e eu pude notar o desconforto ao me chamar de "você" e não o costumeiro "Senhor Park".

— Não, quero passar no cabeleireiro antes, você pode me levar até lá? — perguntei e o homem assentiu calado.

Ótimo, agora era só mudar a cor e o corte do meu cabelo e talvez amanhã, depois que eu chegasse com um estilo totalmente diferente do que as pessoas estão acostumadas a me ver, Jisoo me notaria. Isso era que eu mais queria, a atenção de Kim Jisoo.

No final do dia eu estava cansado e loiro. Isso mesmo, loiro. Os fios castanhos deram lugar para os platinados e eu até que tinha gostado dessa cor pra mim. Agora restava saber se Jisoo aprovaria.

No dia seguinte eu não poderia estar mais confiante, coloquei uma calça jeans preta e rasgada nos joelhos, uma camisa cinza e jaqueta de couro. Arrumei os meus cabelos, calcei um par de coturnos de couro preto e passei o meu melhor perfume. Aquilo era tudo pela Jisoo e a confiança de que finalmente seria notado pela garota era grandiosa. E então, às oito e cinco da manhã eu passei pelos enormes portões de ferro, do colégio onde estudava. 

Um sorriso que ameaçava brotar em meus lábios, foi contido com muito esforço quando percebi que absolutamente todos, inclusive os funcionários da instituição me olhavam boqueabertos, dos pés a cabeça. Eu realmente estava bonito, eu pela primeira vez me sentia bonito e toda a atenção que estava recebendo não era de uma forma negativa. Com toda a certeza, eu não poderia estar mais feliz. 

Assim que coloquei os meus pés no corredor, o grupo de jogadores que sempre ficava perto do meu armário, esperando para me atormentar, me encaravam desacreditados no que estavam vendo. Eu realmente estava diferente e isso de alguma forma não agradava o líder deles, Kihyun. Que logo após perceber o olhar da sua namorada sobre mim, tratou de apertar a sua cintura ainda mais e a prensar no armário, iniciando um ósculo quase pornográfico com a garota. 

Então era isso! Jisoo finalmente havera me notado, e pelos poucos segundos em que a Kim manteve os seus olhos castanhos sobre mim, pude perceber que a mesma estava gostando e muito do que via. Com toda a certeza ela seria minha e Kihyun provavelmente me espancaria por isso, mas e não ligava. Eu estava quase conseguindo a garota e não seria algumas duzias de socos e pontapés que me fariam desistir, pelo menos não agora.


Notas Finais


Repostei o capítulo por causa de um pequeno imprevisto, amores ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...