História Traição - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Ámbar Benson, Emília, Simón
Tags Simbar
Visualizações 226
Palavras 595
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 17 - Na escada, Sério ?


Fanfic / Fanfiction Traição - Capítulo 17 - Na escada, Sério ?

POR IRONIA do destino, Ámbar descobriu que estava em trabalho de parto quando se encontrava no meio da escada. Sozinha. Segurou no corrimão e dobrou o corpo para a frente quando uma forte contração lhe varou o ventre. O trabalho de parto não era para começar de modo lento?

Ámbar teve vontade de soltar uma risada pelo fato de o destino a estar castigando por se esgueirar pela escada sem que Simón soubesse.

Embora ele tivesse concordado em deixá-la transitar sozinha pela escada nos estágios iniciais da gravidez, agora que Ámbar estava se aproximando da data provável do parto, Simón voltara a insistir para que ela não descesse nem subisse os degraus sem que alguém a acompanhasse.

Agora enlouqueceria sabendo que ela estava com nove meses de gravidez e, a julgar pela dor em seu ventre, prestes a dar à luz.

Ámbar se deteve em um dos degraus, segurando no corrimão e inspirando rapidamente e repetidas vezes. Teria gritado se não estivesse tão ocupada puxando o ar para dentro dos pulmões. Além disso, Simón estava ocupado com uma infinidade de ligações telefônicas devido à relocação de Theron nos escritórios de Nova York. O irmão estava assumindo as operações naquela cidade para que Simón pudesse permanecer na Europa. Os dois estavam em contato havia horas, discutindo medidas de segurança, já que os sequestradores de Ámbar ainda estavam à solta.

Quando Ámbar ouviu passos atrás dela, aprumou a coluna e conjurou seu melhor semblante como se nada estivesse errado. Relanceou um olhar cheio de culpa a Simón , que se encontrava parado no topo da escada, com uma expressão de desaprovação a lhe alterar as feições.

Em seguida, ele começou a descer os degraus, durante todo o tempo resmungando em grego.

– O que devo fazer com você, agape mou? – perguntou quando a alcançou.

– Levar-me para o hospital? – perguntou com voz fraca, dobrando o corpo mais uma vezsob o efeito de uma nova contração.

– Ámbar ! Pedhaki mou! Está em trabalho de parto? – Simón nem ao menos esperou pela resposta, não que precisasse de uma. Ergueu-a nos braços e desceu a escada em disparada, gritando para o piloto do helicóptero, que se encontrava permanentemente na ilha durante as duas últimas semanas esperando por tal evento. – Não se preocupe, minha querida. Nós a levaremos para o hospital em tempo recorde.

– Querida? – Ámbar soltou uma risada que terminou em um gemido de dor. – Isso dói! – Orosto de Simón estava pálido quando subiu no helicóptero com ela nos braços. – Não lhe dou permissão de usar tratamentos carinhosos em inglês – disse ela ofegante. – Em grego fica muito mais sexy.

– Pedhaki mou. Yineka mou. Agape mou – sussurrou ele no ouvido de Ámbar . Minha pequena, minha mulher, meu amor.

– Assim está muito melhor. – Ela sorriu e voltou a exibir uma careta de dor quando ohelicóptero decolou. Simón estava uma pilha de nervos durante todo trajeto. O piloto pousou no heliponto do hospital e uma equipe médica a estava aguardando para admiti-la.

Dentro de apenas uma hora, com Simón pairando ao lado de Ámbar e lhe segurando a mão, Dimitri Alvarez veio ao mundo para a euforia de seus pais.

– Ele é lindo, agape mou – murmurou Simón inclinando-se na direção da mãe e do filho. Dimitri estava se alimentando, satisfeito, no seio de Ámbar , cena que o pai observava, fascinado.

– Ele é perfeito – concordou ela extasiada. – Ah, meu amor, tudo está tão perfeito!

Simón a beijou com ternura, o amor que sentia pela esposa lhe transbordando o coração.

– S’agapo, yineka mou.

Ámbar lhe tocou o rosto e sorriu.

– S’agapo, Simón . Para sempre.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...