1. Spirit Fanfics >
  2. Traição (Segunda Temporada - JK) >
  3. Arriscado porém prazeiroso(II)

História Traição (Segunda Temporada - JK) - Capítulo 11


Escrita por: e Park_lyn_jeon


Notas do Autor


Antes de tudo:

☑️Quero muito agradecer por todos os favoritos. Acho meio hipócrita da minha parte não ter agradecido antes. Então, muitooo obrigada 💜 Eu sou toda boiola por vocês 💜

☑️Estou muito feliz, pois: Tanto a primeira temporada quanto a segunda. De ontem para hoje teve um crescimento nos favoritos que me deixou muito feliz. Também teve alguns comentários que me deixaram realmente muito alegre.

❌Antigamente eu ligava muito para comentários e favoritos. Porém, escrever se tornou um parte de mim, que hoje me faz fugir da realidade. Me sinto bem com isso💜

❌Pessoal, cena de sexo não é minha especialidade. Portanto eu tentei fazer meu melhor e não deixá-la vulgar. Não gosto de estórias que contém muitas palavras de baixo calão, nem abreviações muito menos xingamentos na hora do amorzinho.

☑️Eu sou escritora - nutella - De romances, então não me culpem se com minha tentativas de cenas quentes, vocês gargalharem em vez de se sentirem excitadas KKKKK


☑️A segunda temp. Não teve a mesma repercussão que a primeira. Mas quem liga, eu tenho vocês e isso é o que realmente importa agora 💜

☑️Particularmente eu gostei deste capítulo. Acho que consegui me expressar bem nele.

Agradecimentos especiais a: @cookie_UGH que me mandou uma msg lindaaaaaaaaaa - Que por sinal irei responder agora mesmo - Tenho sempre visto teus comentários dizendo que minha escrita está melhorando e isso tem me deixando extremamente feliz 💜 Obrigada 🥺💜


Para qualquer erro de ortografia, eu peço desculpa.

Divirtam-se, boa leitura 💜

Capítulo 11 - Arriscado porém prazeiroso(II)


O ar saía por meus lábios com determinada força. Deveras, meus dedos não eram o suficiente para me satisfazer. 

 — Kookie — Mordisquei meu lábio, pondo sob mim, mais um dedo. Ainda não era o suficiente — Amor preciso de você — Palavras doces, desejos impuros. 

Somente o pensamento de poder telo a me tocar, faz espasmo se espalharem por cada canto de meu corpo. 

— Para — A voz autoritário dele soou. 

Cessei quaisquer de meus movimentos. Jogada naquela cadeira, com a cabeça pendida para trás e uma excitação descomunal. 

A proporção que jeon era bruto, sua gentileza era mútua. Tive a visão dos músculos de suas costa, quando ele foi se levantou e foi até a porta trancando-a. A cada passo que ela dava ao se aproximar de mim, era um motivo á mais para amar Jeon Jungkook. 

O bleizer escuro abandonou o corpo esbelto. A camisa social fora aberta, revelando o quão bonito Jeon conseguia ser. 

 — Levanta — Meu corpo estava febril, mal conseguia me manter em pé — Boa garota — Eu me sentia uma criancinha inexperiente próximo ao um homem que exala sensualidade e experiência — Eu amo você. 

A suavidade e seu tom de voz, junto ao beijo que recebi em minha testa fez meu coração ter a certeza que escolhi o homem certo para amar. 

A boca dele era quentinha e em uma dança silenciosa nossas línguas se encontraram. O que era calmo se tornou árduo e delicioso. Beijo era uma forma cálida e gostosa de afeto.

— Se você soube a falta que senti de te tocar assim — Ele múrmura a sessar o ósculo — Se você soube a falta que senti do seu corpo no meu — A mão forte desceu a uma das minhas coxas, a pendendo em sua cintura — Se soubesse o quão linda você é — Selou meus lábios. 

 — Kookie — Suspirei sôfrega ao sentir sua mão apertar minha carne — Vamos logo com isso — Pedi, vendo o sorriso moldar dos lábios dele. 

Não fora preciso dizer mais nada para que ele tomasse posse de meus lábios. A mão que estantes em minha coxa, apertou minha bunda arrancando de mim um gemido fraco que fora abafado pelo ósculo. 

Os beijos abandonaram minha boca, e os lábios trajaram um caminho cego por meu pescoço. De certo modo a blusa atrapalha seu toques, portanto não retiravam de si a habilidade de fazer meu corpo queimar em excitação. 

Meu corpo fora jogado contra a mesa, e minhas coxas foram erguidas, fazendo minha pele quente entrar em contato com a madeira gelada. Vê-lo se abaixar no meio de minhas pernas foi minha perdição. Naquele momento pouco me importava o local em que eu estava, sequer me importava se alguém poderia ou não nos ver. 

 — Tão bonita — Um selar fora deixado em minha coxa desnuda — Tão minha — Entreabri os lábios, fechando os olhos ao sentir sua língua passar timidamente sobre o pano de minha calcinha. 

Meus braços serviam de apoio para meu corpo. Eu vislumbrava Jeon ao meio de meu corpo, tão próximo a mim. 

 — Awn.. Kookie — Apertei meus olhos, tentando manter a sanidade. 

 — O que minha mulher quer? — Ele estava brincando comigo. Fato — Hum? 

O pano de cor claro foi puxado para o lado, com a ajuda dos dígitos do mais velho. Senti sua língua brincar com minha vulva, antes de uma casta mordia ser deixar no local. Eu quis gritar quando um dedo seu me invadiu sem aviso prévio. 

 — Você continua tão apertadinha amor — Foi tudo que consegui ouvir antes de vislumbrar Jeon Jungkook se perder no meio de minhas pernas, me chupando com calma e destreza. 

 Meu braços pareceram perder todas as forças existentes, me forçando a deitar meu corpo sob a madeira da mesa. Eu sequer disfarçava os gemidos de satisfação que Jeon arrancava de mim. Não tardou para que a peça ínfima fosse retirada de mim.. 

Eu esperei tanto tempo para senti-lo assim novamente. 

Meu corpo transpirava e estremecia a cada toque bem executado por ele. Minhas mãos puxaram meus cabelos em uma tentativa maluca de sessar todo aquele prazer. 

Naquela posição eu podia visualizar a cabeleira negra de meu homem. Meus dedos se embrenharam ali, sentindo a macios dos fios bem cuidados. 

 — Kookie eu.. vou — Não era necessário que o avisasse, já que meu corpo fez isso por mim. Senti sua língua brincar com minha entrada, e para mim, fora o ponto final de tudo. Jeon não desperdiçou sequer um milímetro de minha excitação. 

Eu estava jogada naquela mesa, com os cabelos bagunçados, a falta de uma calcinha e ofegante. Jeon Jungkook tente-me a levar ao delírio. 

 — Você é perfeita — O braços dele estavam apoiados na mesa como suporte para seu corpo. Os cabelos grandes estavam recaídos sobre os olhinhos pequenos e nos lábios o sorriso por qual eu era perdidamente apaixonada — Eu não poderia ter escolhido uma mãe melhor para meus filhos — A tonalidade gentil de sua voz me fez sorrir junto a si. 

 — Você é inacreditável — Gargalhei fraco, levando minha mão ao dorso de sua bochecha. 

Certa vez saiu de meus lábios que ‘amar é deixar ir’ portanto não há como impedir aquilo que nos foi predestinados. Em um passado não tão distante eu fui traída, humilhada e até mesmo sofri abusos. Porém, tudo que eu tenho a dizer é: Obrigada. 

Talvez se eu não tivesse sido traída, talvez se eu não tivesse sofrido tudo aquilo. Hoje eu seria uma mulher tosca. Talvez Kiara e Anne não estivessem conosco, talvez Jeon não teria aprendido com os erros, e talvez eu não tivesse aprendido o verdadeiro significado da palavra perdão. 

Uns me chamam de tola, pelo simples fato de eu ter dado uma segunda chance a ele. Eu não diria que estou dando uma segunda chance a Jeon, gosto de pensar eu estou dando uma segunda chance ao amor e a felicidade. 

“Sorrir é fácil, procure ser feliz”

Talvez seja algo tão insignificante aos olhos de algumas pessoas. Porém, é a frase que nós dias atuais, moldam a minha vida. 

 — Eu amo você — Sussurrei. 

Aprendi a amar, aprendi a perdoar, portanto esquecer é impossível. No passado ele foi alguém que me machucou muito, porém hoje, ele está fazendo o possível para que esses machucados se cicatrizem. Não há por que esquecer, é a minha história.

É a minha vida, é a minha felicidade. 

— Eu amo você — Respondeu ele. 

Em seus braços eu me sentia confortável, me sentia segura. Tolice mesmo foi eu pensar que poderia existir um futuro sem o homem ao qual eu amo. Seu sorriso se tornou tão necessário em meu dia a dia, seu cheiro se tornou minha fragrância preferida e em seus braços, era o único lugar que eu poderia buscar refugio. 

Isso é só o começo do novo capítulo da minha história. Portanto, isso é também a continuação de uma saga que muitos dizem ser inacreditável. 

É a minha história, é a minha felicidade. São as minhas decisões. Talvez amanhã eu seja traída novamente, porém hoje, eu só quero amar e ser amada. 

                                ••

— Mamãe — Kwan foi o primeiro a me recepcionar ao chegar na casa do Sr. e Sra Jeon. 

 — Olá amor — O peguei nos braços, beijando a bochecha gorda e macia de meu menino. 

— Mamãe, mamãe — Anne e Kiara apareceram gritando em uníssono e sendo acompanhada pelos avós. Anne e Kiara eram garotas tão lindas. Sequer posso imaginar uma vida onde elas não existam. 

 — Oi filha — Sr. jeon deixou um selar em minha testa. Não havia malícia em tal ato, era algo relacionado a um amor paterno. Meus sogros eram pessoas que aprendi a amar como pai e mãe. Sra. Jeon abraçou-me de lado, e com a mão vaga apertou o nazi do neto risonho. 

 — Como foi lá querida? — Por breves segundos encarei Jeon. Trocávamos olhares cúmplices e sorrisos sinceros. 

 — A situação é um tanto quanto crítica. Assim como eu já disse antes, jeon não poderá me ajudar muito apesar de ser o pai legítimo — Os mais velhos encaram o filho com certa carranca, fazendo o menino homem abraçar minha cintura por trás, juntando nossos corpos e escondendo o rosto em meus cabelos. 

 — Vai ficar tudo bem não é? — Se eu não soubesse da real situação, eu poderia dizer facilmente que minha sogra estava fazendo um certo drama. 

 — Eu torço para que sim — Lá no fundo eu temia pelo pior. Foram anos de estudos me dedicando as leis e a justiça. E hoje, uma pessoa que sequer sei o nome me intimida desta maneira. 

— Estamos com vocês — Sr. jeon bagunçou meus cabelos, fazendo-me gargalhar — É bom que vocês tenham se acertado — Ainda me abraçando, Jungkook encara os pais — Sentimos falta de vocês. 

Fora a última coisa que disseram antes de levar as as crianças para a cozinha para um lanche. São avós corujas, fato.

 — Amor — O tom manhoso soa próximo ao meu ouvido — Vamos para o quarto — Beijos foram depositados pela extensão de meu pescoço, junto a um aperto em minha cintura. 

 — Não iremos fazer nada na casa dos seus pais Jeon — Repreendi — Até por que eu tenho de ir a um lugar antes! — Me virei, contornando o pescoço do meu — O que nós somos? — Questionei. 

 — Como assim? — Ele permaneceu com o semblante suave. 

— Sequer houve um pedido de namoro, não somos mais casados. O que nós somos? — Ele sorriu, negando com a cabeça. 

 — O que você quer que nós sejamos? — O sorriso galanteador tomou posse — Somos um homem e uma mulher que se amam muito — Portando, logo foi substituído por um tímido e fofo — Nao à uma denominação certa para amor.

— Somos amigos? Somos um casal? 

— Somos tudo que você quiser — Os braços rodearam meu corpo, os lábios deixaram um vasto selar em meu ombro e mais uma vez a certeza de que escolhi a pessoa certa. 

                            ¥•¥

A mansão dos Kin’s, de certa forma chamava a atenção de quem passa-se pela calçada. Taehyung estava hospedado na casa da mãe e eu precisava resolver algumas pendências com meu amigo. 

 — Olá — Cumprimentei o porteiro — Eu gostaria de falar com Kim Taehyung. 

A seriedade de alguma pessoa chegavam a me assustar. O porteiro carrancudo apenas abriu a portão, permitindo minha passagem. 

Ouvia uma imensa gritaria do interior da casa, e já podia até imaginar o que era. 

 — Que bom que chegou Pi — Meu amigo abriu a porta da casa, sorrindo feito o bobalhão que é. 

Passei pela sala e vislumbrei a Sra. Kim brinca toda abobalhada com o neto. Ela apenas acenou sorrindo em minha direção, apenas fiz o mesmo. 

 — Você falou que tinha que falar comigo — Jogou-se de qualquer jeito na poltrona do escritório de sua mãe — Sou todo ouvidos. 

 — Você sabe perfeitamente do que tenho de tratar com você! — Soei ríspida — Você está traindo Wendy! 

— Se veio até aqui para me dar lições de moral vá embora — A voz grave soou desinteressada — Não estou a fim de ouvir a- 

— A verdade que muitos obstruem de você? — Sorri em escárnio — Não sou uma criança Taehyung. E você também não! Você está errado nesta história toda. 

— Va embora! — Ordenou. 

— Não saio daqui até você ouvir tudo que tenho para falar! — Proferi convicta — Traição não é algo legal Tae! 

— Sua irmã te contou? — O sorriso prepotente me fazia repensar se aquele era mesmo o Taehyung que conheci anos atrás. 

 — Se separe de Wendy. Você não a ama, não tem o por quê de continuar com isso — Manti o tom brando — Eu já fui traída Tae. Sei o quanto dói, sei o quando machuca. Não queira ser o causador das lágrimas de um outro alguém. 

— Ela não me ama — Ele disse — Só estou com ela por causa de meu filho — Se ele soubesse da verdade. 

— Um filho não segura ninguém. Apenas à deixe. Tae seu relacionamento acabou, entenda isso. Se você gosta da Aline eu não irei impedir que fiquem juntos, portanto não permitirei que minha irmã se torne a segunda opção de alguém. 

— Ela não é minha se- 

— Para quem você corria quando brigava com Wendy enquanto estávamos na Itália? — Ele calou-se — Está fazendo-a de segunda opção e sequer está percebendo. Tae — Me aproximei dele sentando no braço da poltrona — Eu amo você — Abracei seu corpo, acariciando os seus cabelos — Portando eu irei te bater se magoar minha irmã caçula! — Gargalhamos. 

— Eu odeio ter que admitir que te amo — Puxou meu corpo, me fazendo sentar sobre suas coxas — Eu tenho a melhor amiga do mundo — Beijou minha bochecha — E quem sabe, uma futura cunhada — Revirei os olhos. 

Tae era uma cara maduro, e eu uma mulher que pouco se importa com opiniões alheias. Eu adorava meus amigos homens, éramos como irmãos. E apesar do que as pessoas dizem por aí, amizade entre homem e mulher pode sim, existir sem segundas intenções. 

— Que tal um karaokê? — Tae amava cantar, já eu — Você arrasou da última vez — O tom zombeteiro dele, provocou minha ira. 

— Cale a boca! — Me levantei, vendo-o fazer o mesmo. 

— Se me permite — De costas para mim ele se abaixou — Srtas. A bordo — Tae era o irmão pestinha e amoroso com qual eu não fui presenteada por meus progenitores. 

Éramos velhos de mais para brincarmos de ‘cavalinho’ e novos de mais para desperdiçar nossas vidas se preocupando com o certo o errado e o duvidoso

                           ••

— Tá. Como foi sua primeira vez com o Jeon Coelho? 

— Não Tae — Ditei entre gargalhada — Você não está me perguntando isso. 

Sequer sabíamos como havíamos parado naquele assunto. Eu e Tae havíamos acabado de deixar o karaokê do shopping. Eram por volta das nove da noite. 

 — Vamos lá PiKu — Cutucou-me com o cotovelo — Me conte como foi. 

— Você é insuportável — Havíamos acabado de chegar no estacionamento, estava pouco luminoso e apesar do vento gelado não dispensamos o sorvete — Eu e ele éramos melhores amigos na época — Levei uma colher de massa a boca — Éramos amigos a uns seis meses. E ele sequer tinha me dado um selinho. 

— Tão lerdo — Brincou. 

— Ele foi dormi no meu apartame- Sessei minhas palavras ao ver uma cena duvidosa — Estranho! Eu conheço aquele homem — A estatura alta, as roupas escuras. Não podia ser ele.

A alguns metros de nós em um lugar pouco iluminado um homem e uma mulher pareciam discutir sobre algo que era inaudível a mim. A mulher tinha cabelos longos e tão negros que quase se fundavam a escuridão da noite. A estatura magra por um segundo, fez Lalisa Manoban passar por minha mente. 

— Devem estar discutindo a relação — Ignorei as palavras de Tae. A mulher tentava a todo custo aproximar-se do homem, suponho eu que para juntar os lábios ao dele. 

Portanto, ele segurava os braços da outra, impedindo uma aproximação direta. 

 — Não parece o Jungkook? — Meu amigo questiona. 

— Jeon deve estar em casa cuidando das crianças — Era o que eu queria que minha mente acreditasse. 

— Pietra — Encarei Tae — Voc- 

— Eu confio nele Tae! — Interrompi — Vamos embora — Quando voltamos a encara-los,  o casal já não estava mais ali, e tudo que pude vislumbrar foi um carro passar pela portaria do shopping. 

 

 

 

 

 

 

Eu farei tudo para protegê-la! Farei tudo por seu sorriso. Mato e morro por você. Sequer me importo em ser feliz, deis de que você ilumine o mundo com vosso sorriso. Talvez eu erre novamente, mas é para te ver feliz. Você me perdoou uma vez, poderia fazer isso de novo? 

Minhas próximas ações, é para que você possa deitar sua cabeça sobre aquele travesseiro e dormir tranquilamente. É um erro que talvez eu precise cometer, é uma questão de múltiplas escolhas: Sofrer junto a ti, ou, sofrer sós em um mundo onde não existe nós. 

Só saiba que eu te amo. Prezo por sua felicidade, e farei de tudo para que não tirem de você aquilo lhe pertence Jeon Jungkook. 

 

 


Notas Finais


Para quem não entendeu= Os últimos parágrafos faz referência às próximas ações do JK! Yaa?


Não estão entendendo a estória? Comente em forma de pergunta.

Leiaaam minha nova esotinhaaaaa: School for girls - Comédia romântica- https://www.spiritfanfiction.com/historia/school-for-girls-19774613

Até mais 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...