1. Spirit Fanfics >
  2. Transformers - Tempos de Paz >
  3. Coragem

História Transformers - Tempos de Paz - Capítulo 34


Escrita por:


Notas do Autor


Oooi desculpem a demora mas chegueeei
Capa com imagem da Kimura mas já aviso q é um RASCUNHO
Não tive tempo de passar a limpo então éisto q temos p hoje kakak ;-;
Enfim, ao contrário de mim Bumblebee quer passar a limpo sua história com WindBlade, mas ele terá coragem?
Fiquem c o ep :3

Capítulo 34 - Coragem


4 de maio, 13h, sábado - Base Autobot

No hall da base, lá estava WindBlade, embalando Kimura tentando fazê-la dormir. E ali, despojadamente sentado no sofá, estava Bumblebee, o Bot cuja Kimura dormia facilmente em seu colo. Mas Wind não queria apelar a isso. Então o listrado se resumia a observar, seguindo os conselhos de sua amiga Blurr - ainda que tentasse não focar na bela cintura negra que finalmente havia retornado ao corpo de WindBlade... Obviamente ela também tentava não admirar aquela pose com braços apoiados no encosto, postura irregular e pernas meio abertas e atiradas.

-Huh, por mais que a Blurr tenha dito para tentar cantar para você, não tem funcionado! - ela dizia.

-Talvez, ela queira alguma música em específico. - sugeriu SmokeScreen, também sentado próximo de Bumblebee.

-E como vou saber qual é?

Ele deu de ombros. Tinha SoulScreen dormindo nos braços, e Serenna dormindo encostada em seu peito.

-Hm... - Wind continuou a embalar - Deixa eu pensar...

A sparkling ficava se remexendo, e olhava para sua mãe de vez em quando.

-"... Você tem vontades, sonhos e manias, tão diferentes das minhas, e o normal é mesmo duvidar... [...] O estranho é que eu tô tão feliz, tão feliz... E mesmo sendo o seu oposto, não faz mal eu tô disposto a amar e se você topar, os nossos defeitos vão se completar...!"

Bee se atentou a letra da música. Uma referência, quem sabe? Eles eram tão diferentes mas ainda conseguiam se dar bem...

Kimura não se agradou muito e resmungou, causando um suspiro frustrado da femme e um sorriso do Bot, apenas por ouvir sua filha.

-Muito agitada? Vejamos...

Depois de refletir um pouco, a vermelha continuou cantando.

-"Essa é uma bela história de uma flor e um beija-flor, que conheceram o amor... Numa noite fria de outono, e as folhas caídas no chão... Na estação que não tem cor, a flor conhece o beija-flor, e ele lhe apresenta o amor...!" - ela sorria enquanto cantava, chamando a atenção de Bee - "E diz que o frio é uma fase ruim, que ela era a flor mais linda do jardim... E a única que suportou, merece conhecer o amor e todo seu calor!"

"Será quê... A flor é ela, e o beija-flor sou, eu?", ele pensava. Era meigo ver como Wind estava envolvida na música, e mais ainda ver o quanto ele se empenhava em criar as mais loucas teorias - que poderiam dar certo. Ele lhe (re)apresentou o amor, mesmo que não soubesse, e ela suportou todo esse tempo, alguns obstáculos e muito passado, resistiu até agora por seu amor a ele.

-"Ai que saudade de um beija-flor, que me beijou depois voou... Pra longe demais, pra longe de nós... Saudade de um beija-flor, lembranças de um antigo amor... O dia amanheceu tão lindo, eu durmo e acordo sorrindo!"

"Eu não sou um antigo amor, eu acho... Mesmo assim, me afastei dela... Beijei e voei... Ahn?", ele começou a se enrolar, corou um pouco, "Isso tá ficando vergonhoso, mesmo que seja só para mim..."

Kimura se encantou com a música, mas não o suficiente para pegar no sono.

-Hum, não funcionou, mas ela é tão melodiosa e calminha... Bem, vamos ver... "Flor, pra onde foi você flor? Com seu perfume de amor, o que é que eu fiz de ruim? Eu não achei outra flor, com a beleza e a cor, que tem você pra mim..."

Ela até se interessou mas, nada demais.

-Vamos continuar nesse linha então... "Te vi, e já te quis. Me vi tão feliz, um amor que pra mim era sonho. Surpreendente provar, do que eu só ouvi falar e você resolveu me mostrar... Logo eu que nem pensava, eu não imaginava te merecer, e agora sou o dono desse amor! Eu só quero saber porque, eu só preciso viver, o resto dessa vida com você!"

Kimura continuou na mesma, e Bee também, ainda analisando as letras das músicas, tentando descobrir algo. Já Smoke estava quase dormindo com aquela cantoria.

-Huh, você quer ajuda, Wind? - Bumblebee ofereceu.

Ela o olhou, e já apertou a filha no colo. Ainda tinha um certo receio de se afastar dela.

-N-não, não precisa não... - respondeu, um pouco constrangida - Eu vou conseguir achar a certa...

Ele apenas revirou os olhos, discretamente.

-Ah Kimura, é a última! Deixa eu pensar...

Ela focava principalmente nas músicas que cantou com Bumblebee na noite que descobriu a gravidez.

-Oh... Talvez... T-talvez goste dessa... - dizia - Eu me emocionava muito com ela... Bem, eu ainda me emociono um pouco.

Bumblebee esperou pelo que viria, tentando pensar em todas as opções de sertanejo possíveis. Ela arfou.

-"... Vivo sozinho, pensando em você... Vejo imagens, retratos de nós..." - apenas com isso, Kimura já coçou seus olhinhos - "Olho pro espelho, sinto meu coração... Ouço baixinho o som da sua voz... Dizendo pra mim que é sobrenatural, esse amor fora do normal..."

A sparkling começou a cochilar aos poucos. Finalmente, êxito. Aquela era a música que mais a confortava.

-Isso! - ela comemorou, baixinho.

A levou para o quarto, ainda a embalando e cantarolando a música.

Bee ficou lembrando da canção, meio corado. Era uma letra um tanto bonita, e lhe servia muito bem.

-Nossa... - Smoke sacudiu a cabeça - A Kimura demora mais a dormir do que eu, já estava capotando.

-A-ah, é... - assentiu.

-H-hn... - SoulScreen começa a resmungar. Não demora até reclamar alto, o bastante para começar a despertar Serenna.

-G-gah... - Smoke fica um pouco perplexo, não queria acordá-la e nem sabia direito o que fazer com o filho.

Bee não fez nada, para que ele tentasse sozinho, mas observou atentamente.

O azulado então embalou o pequeno, levemente, o encostando mais em si para que se sentisse confortado, assim como lhe foi ensinado.

-Shh, shh, shh... - fazia.

Deu certo. Ele o acalmou, e a femme pode voltar a dormir sossegada.

-Mandou bem. - sussurrou Bee.

-A-ah, valeu. - assentiu, orgulhoso.

Enquanto isso, Arcee apareceu, passando reclamando para variar. Estava meio nervosa.

-E se ele nascer antes... E se ele nascer antes...! - remoía.

-Shiu! - os dois disseram, repreendendo-a.

-H-hum! - ela resmungou, saindo de perto.

-Arcee, pelos Primes. - reclamava KnockOut, seguindo-a - A data prevista é amanhã, Kimura que nasceu cinco dias antes é saudável, imagine a nossa filha, será mais ainda!

-Eu não ligo pra isso! - ela se virou para ele - Eu tô preocupada mesmo é com o parto, com a saúde dele, eu quero que ele nasça bem, qualquer que seja o dia!

Ela estava se contradizendo... Mas mesmo confuso, ele assentiu, para não contrariar.

-Mas, bem que poderia adiar o máximo possível... - murmurou, nervosa.

-Você ajudou no parto do SoundWeb, ajudou no parto e na criação da Serenna e da WindBlade, e de certa forma também colaborou criando o Bumblebee. E isso é só o que eu sei, deve ter mais experiência ainda. Você é uma femme muito realista, deveria saber que vai dar tudo certo se analisar a gravidez em si.

-Eu nunca, pari, uma criança! - disse, irritada, continuando a andar - Não me venha com experiência teórica e análises, eu precisava de prática!

-Toda prática tem uma primeira vez... Argh, RC, eu não sei mais o que fazer com você.

-Me esquece!

-Até parece.

Enquanto Bee observava, rindo um pouco, pensava em como se aproximar de WindBlade... Eles tinham que conversar logo mas, estava difícil. Apenas pensar nisso o deixava ansioso demais, uma sensação um pouco ruim, e era por isso que ele tentava esquecer por um momento. Mas os momentos se tornaram meses, e agora ele precisava compensar o tempo perdido.

*

Por volta das 16 horas, Bumblebee estava do lado de fora da base, no topo da montanha, com Kimura no colo, acompanhado de um rádio que reproduzia algumas músicas para que ela se mantesse tranquila. Estava até contente por estar sozinho com a filha, fugindo do olhar coruja de WindBlade.

-Argh, Kim... Por que isso tem que ser tão difícil, não é? - ele dizia - Quer dizer, eu não consigo falar com sua mãe, de jeito nenhum. Poderíamos nos resolver, se eu não fosse tão covarde...

Suspirou.

-A questão é que eu até conseguiria ir conversar com ela mas, o que eu diria? Eu sequer imagino o que ela quer ouvir. Bem, provavelmente um pedido de desculpas por me manter um pouco relutante em me aproximar dela esse tempo todo... Mas, a verdade é que, nem eu sei explicar direito o que deu em mim, como eu diria a ela?! - reclamou - Ah, queria que fosse mais fácil...! Sabe, eu tenho certeza que isso é como cantar. Quando eu comecei a cantar tinha um pouco de vergonha, disfarçava nas minhas risadas. Quando cantei para alguém pela primeira vez eu fiquei absurdamente nervoso, mas depois eu me soltei, não havia nervosismo nenhum, e aquela pessoa só se encantou por mim e pela minha voz. - ele riu brevemente, ao lembrar-se daqueles momentos - Me parece que, se eu começar a falar com a sua mãe as palavras vão fluir e, quem sabe ela se encante por mim também...

Murmurou, já esquentando suas bochechas.

-A-ah, enfim... Para isso dar certo eu preciso saber como começar... Não sei nem onde terminar. Argh... - bateu a mão no rosto.

Pensando mais, acabou rindo, um pouco sarcástico.

-Eu e a Wind já passamos por várias coisas juntos, conversávamos sobre tantas coisas, nós sempre nos tratamos sem vergonha nenhuma! E, olhe como estamos hoje... Bem, olha como eu tô. Huh...

Em alguns segundos de silêncio, ouviu as músicas do rádio.

-Bem, que tal ouvirmos música em vez de ouvir minhas lamentações? - riu - Espero que a WindBlade não tenha salvo muitas emissoras brasileiras.

Aumentou o volume do rádio.

~"Seus efeitos ainda dominam em mim. As lembranças só me distanciam do fim da batalha, travada em tentar te esquecer."

As músicas não só eram brasileiras, mas também eram bem indiretas.

-F-fala sério... - ele reclamou, mas manteve, focando na letra pensando no pedido de Blurr, até porque aquelas músicas eram do gosto de WindBlade, poderiam refletir o que ela sentia.

~"... Te vejo nos meus sonhos, me devolvendo o céu, então sinto na boca o gosto do mel que eu sentia sempre que beijava você. Só sei que esse romance ainda vive em mim e o efeito do seu beijo me deixou assim."

Ironicamente, aquela música não só a definia bem, como definia bem o que estava acontecendo com ele mesmo.

~"Preciso de um remédio que cure essa saudade, que diminua a dor que no meu peito invade, que me cure ou me ajude a esquecer. Preciso de um antídoto que salve esse amor, que tire os sintomas que me causam dor. Eu não sei mais o que vou fazer, se pra curar o meu remédio é você."

Não sabia se queria esquecer daquele romance, ou salvar um amor que nem existia, mas sem dúvidas queria curar a dor e, curar de uma vez aquela saudade louca da antiga convivência que tinha com ela.

-V-vamos, vamos trocar logo.

O coitado não sabia que aquele rádio estava conectado a uma rede de emissoras brasileiras. Ele sabia apenas que, quando seus sentimentos se assemelham com o da música, você entende sua letra como jamais havia entendido.

~"Calma, a sua insegurança não te leva a nada!"

-H-hn. Eu, não tô tão inseguro assim, só meio... Nervoso!

Trocou.

~"Me dá um beijo vem matar essa vontade vem dormir na minha cama! [...] Eu posso te fazer feliz por toda vida e mais um final de semana!"

-Gah, p-por Primus... Isso não pode estar acontecendo... N-não tenho saudade disso... - sussurrou, olhando em vão por um instante e sentindo a cara ferver ao lembrar daqueles momentos quentes entre os dois - ... Eh, eu tenho sim... Mas não só disso!

~"Eu quero só você, eu quero só você! [...] Eu amo você!"

-N-não sei se é pra tanto... - ele revirou os olhos, com o rosto ainda meio quente. Ele trocava a música, mas suas mensagens lhe acertavam como flechadas.

~"Todo dia te amar é tudo que eu mais quero!"

Ele literalmente socou sua testa, batendo com o punho fechado com certa força, mas nem se tocou. Aquelas letras lhe definiam perfeitamente.

Ele podia não saber ao certo o que queria, mas sentia que queria a femme consigo todo dia.

~"Ela é mais que linda tá me dando bola! [...] Tá bombeando amor esse meu coração!"

-Já disse que não sei se é isso... Cara, isso tá complicado... - reclamava, tentando desviar das indiretas.

~"Quer casar comigo?"

-C-casar...? - suspirava - Eu não servi nem de amante... Engravidei ela na primeira noite, casados teríamos uma dúzia de filhos.

~"Te perder foi a dor mais doída que eu senti na vida! Sem você, joguei bebida na ferida!"

Bee arfou, ainda corado.

-Tá, sou obrigado a confessar... Realmente dói ficar longe da sua mãe, Kimura. Dói, todo o dia, o tempo todo...

-U-uhn... - ela murmurou.

-H-hn... E-eh, vamos achar uma música sem indiretas né? Você não deve estar gos...

~"Por covardia minha, eu não me declarei ainda!"

Desta vez a cara do Bot ferveu da testa ao queixo, bravo e envergonhado. Agarrou aquele rádio, pronto para jogá-lo montanha abaixo.

-Argh, só não faço isso pois sua mãe gosta muito dessa coisa... E, ele não tem culpa de nada.

O colocou no chão, bruscamente, desligando-o com um golpe que o derrubou, mas por sorte não o quebrou.

Kimura caiu na risada.

-Ah, você ri da desgraça alheia é? - ele brincou - Ri da desgraça do seu pai?

Ela abria um sorriso banguela radiante, deixando-o sorridente também.

-Minha linda... Eu te amo demais filha. - afirmou - Vai sempre contar com seu pai para tudo...

-Hmm. - ela murmurou, logo recebendo carinho do Bot.

Não demorou a coçar os olhinhos.

-Huh, você quer dormir... Bem, eu acho que posso parar de falar e começar a cantar um pouco para você... Hm...

Ele ficou alguns segundos, refletindo sobre qual música cantar, e por fim, decidiu que cantaria uma que não lhe saia da cabeça... E obviamente, era bem relacionada ao que estava passando.

-"... Veja só... Sei que palavras não consertam nada mas eu acho que é melhor, a gente conversar..."

Nisto, WindBlade já estava sentindo falta da filha, e ia ao encontro dela. Se aproximando da porta entreaberta que levava a parte externa, ouviu a melodiosa voz do Bot e parou apenas para ouví-la.

-"Afinal, nosso caso não difere de outros casos que acabaram mal..." - Bee cantava, compreendendo totalmente o que aquela música queria dizer. Já Wind, acabou se deparando com bem mais do que apenas uma voz bonita - "E só pra te lembrar, eu já sofri demais... Mas longe de você, sofrerei bem mais..."

Apenas naquelas frases a femme repentinamente sentiu-se culpada, e com certa esperança.

"E-e se, ele realmente quer falar comigo...?"

-"Preciso te dizer o que acontece com meus sentimentos." - ele cantou meio sofrido, era exatamente o que precisava - "Chego em casa, não te vejo, meu desejo é te ligar correndo...! E pouco a pouco a solidão e o silêncio me abraçam. Minha alegria passou, só as lembranças de amor, não passam..."

Ele lembrava-se dos momentos em Iacon com WindBlade, divertidos e alegres, apenas os dois e mais ninguém. Mas, tudo mudou.

"Lembranças d 'amor'...", refletia.

"Lembranças de 'amor'...?", ela pensava, com as óticas inundadas, "Esse tempo todo ele sofreu pois não podia me falar nada, e eu não conseguia aceitar... P-por que eu sou tão teimosa?! Precisou disso!"

Com as lágrimas escorrendo, ela já sairia correndo para seu quarto. Mas, suas nervosas mãos encostadas na porta, sem querer a empurraram, fazendo-a se fechar sem qualquer chance de parar.

A porta bateu com um certo estrondo, chamando atenção de Bee.

-Huh? Quem está aí?

Assustada, a vermelha se afastou silenciosamente da porta, e quando tomou distância suficiente para que ele não a ouvisse, correu para seu quarto.

-Deve ter sido o vento... - olhou para a garotinha sonolenta em seu colo - Não que isso te incomode, é claro.

Chegando no devido quarto, a femme entrou e novamente bateu a porta, desta vez de propósito. Estava destruída. Seus braços estavam trêmulos e ela só conseguiu se apoiar no berço de Kimura.

-T-tá bem! Se acalme, ele precisa confessar o que sente, se é que ele sente algo especial por você, a culpa não é toda sua também! - dizia mesmo na terceira pessoa - M-mas...

Ela tentava conter os soluços.

-P-por que isso é tão complicado?! Se ele quer tanto falar comigo, ele precisa vir logo... - ela murmurava - E-eu, eu não aguento mais viver desse jeito, sofrendo por não saber se ele me ama ou não... Por favor Bumblebee, v-venha logo!

*

Após algum tempo, Bumblebee voltou para dentro da base, e foi até o quarto de WindBlade.

-Wind...? - chamou, dando três leves toques na porta.

Ela prontamente abriu.

-O-oi. - disse, disfarçando o fato de quase ter se desidratado aos choros.

-A Kimura dormiu, pensei que quisesse ficar com ela agora.

-Ah, pensou certo... - ela a pegou cuidadosamente - Ela dorme muito fácil contigo... Nem precisou cantar aquela música.

-Hn? Como sabe que eu não a cantei? - indagou, curioso.

-A-ah! - seu rosto esquentou, ela falou demais - Bom, e-eu imagino que não precisou apelar para isso, como eu disse você faz ela dormir facilmente!

Bee, ainda surpreso, lembrou-se do barulho que ouviu. Ligou um ponto ao outro e entendeu tudo.

Ele não pôde deixar de ficar satisfeito pensando que ela fugiu ao ouvir a música que ele cantou.

"Então... Ela pensou o mesmo que eu..."

E estava certíssimo. Isso o motivou bastante.

-E-entendeu? - ela indagou, ainda sem jeito.

O Bot acabou sorrindo, lindamente.

-Eu entendi tudo, não precisa se desculpar, Wind.

-Huh... - ela se surpreendeu ao vê-lo assim - T-tá.

-Bem, eu vou a Iacon resolver uns assuntos... Qualquer coisa é só me chamar.

-Claro... Mas a Kimura vai ficar bem, nem se preocupe.

-Huh, com a Kimura ou com você. - afirmou, a olhando fixamente.

A femme arregalou os olhos.

-A-a-aham, pode... P-pode deixar...!

-Ótimo. Boa noite, Windie! - sorriu outra vez.

Ele se retirou.

Ela ficou ali, pasma. Bee falou tudo aquilo com uma expressão feliz, quase sorrindo. Sem contar que lhe dirigiu preocupação, e lhe chamou de Windie - Windí, em vez do comum Wínd.

-A-aquele, era o mesmo Bumblebee? - ela indagava - Ele parece feliz, como era a algum tempo... O que você fez Kimura?

A sparkling continuava dormindo profundamente. A vermelha revirou os olhos pensando no Bot, e corou as bochechas.

-Argh, Kim. - entrou no quarto - Espero que tenha herdado aquele lindo sorriso do seu pai, então terá certeza que assim como eu, ninguém resiste à ele!

Enquanto isso, Bumblebee preparava o portal para Iacon.

-Onde você vai? - Serenna indagava.

-Iacon.

-Sério? Você precisa falar logo com a WindBlade, ela quer ouvir o que tem pra dizer, seja o que for. Não acredito que vai dar passeios enquant...

-Meu bem! - ele colocou as mãos nas bochechas da femme, e ainda sorria - Eu  nunca estive tão disposto a falar com ela quanto estou agora. Mas, preciso esclarecer as ideias por enquanto.

-Hm, até já sei onde vai... Falar com a...

-É.

-Prefere ela à mim...

-Eu falo com você quando voltar, prometo.

-Tudo bem, já fico feliz e confusa ao te ver animado assim...

Ele riu, e lhe beijou a testa.

-Já vou indo!

Ativou e atravessou o portal em um piscar de olhos.

-Por que será que ficou tão animado assim de repente? - indagou Smoke.

-E agora... Mas, podemos dizer que me parece bom, estou confiante de que ele vá conversar com ela! Finalmente os dois podem ficar juntos...!

-É, conversar é uma coisa, ficarem juntos é outra... - WheelJack interromepeu - A WindBlade tem ares de que gostaria de voltar a se relacionar com ele, mas por parte dele nem tanto.

-Por esse lado ele tem razão. - Arcee assentiu.

-"Por esse lado ele tem razão." - KnockOut retrucou.

-Cala a boca, seu Decepticon imprestável! - ela exclamou - Estamos em um assunto sério!

-Cada vez mais seus xingamentos pioram...

-São merecidos!

-Enfim, vamos esperar para que eles conversem. - Serenna completou - E assim saberemos se eles ficarão juntos ou não.

*

-Você quer meus conselhos para conseguir falar com a WindBlade?

-É-é!

Blurr o olhava um tanto surpresa, até parou de secar o copo em suas mãos.

Ela estava, como sempre, atrás do balcão do seu bar externo, e Bumblebee ali, sentado na banqueta a sua frente.

-Qual a surpresa? - ele indagou, meio curioso - Você sempre me deu conselhos, até mesmo sobre isso... Inclusive, aquele sobre perceber os detalhes foi muito bom.

-Ah, claro. Só pensei que preferisse alguém mais próximo de vocês dois, como a Serenna.

-Eu pretendo falar com ela mas, ela é minha irmã mais nova... Eu tô precisando falar com minha irmã mais velha no momento! - ele riu.

A centelha da azulada quase derreteu.

-H-hm, sei... - murmurou, disfarçando o quanto achou meigo - Tudo bem, eu te ajudo.

-Obrigado.

-Que mania de agradecer por tudo, não é um grande esforço para mim... - ela suspirou, continuando a secar copos - Enfim, antes de tudo, você precisa querer falar com ela, né...

-Sim, eu quero!

-O-oi?! - o copo de vidro resbalou e quicou nas suas mãos até garantir firmeza - Você quer? Assim, tão confiante?

-É-é, pois é, eu tô bem animado pra isso...

-De onde saiu tanta vontade?

Bee explicou toda a situação desde a primeira até a última música.

-Huh... Então você acha que ela pode ter escutado a música e, percebido que se importa com ela e com tudo que estão passando... - Blurr dizia, pensativa.

-Exatamente. E não só por isso mas, também tem o fato de que, quando ela entrou em trabalho de parto, eu deixei bem claro que faria de tudo para manter as duas bem.

-Mas você continuou falando da Kimura...

-Ela é minha filha, quaisquer que sejam as adversidades ela é minha prioridade, esteja solteiro ou casado! Mas, com ela tudo está resolvido, agora quero me resolver com a Wind. Bem, daquele dia em diante, por mais que tenha sido menos de uma semana, ela me tratou bem melhor.

-Eu não notei tanta diferença.

-Isso porque não foi você que sofreu com a frieza daquela femme todo aquele tempo! De bom grado ela não me dava um mísero bom-dia, muito menos boa-noite. Me olhava com aquele olhar gelado e ríspido. Era muito angustiante, mas ela agora interage bem mais comigo, não como antes dela engravidar mas, nem há comparação com aquela arrogância de antes.

-Você sabe que é o culpado disso tudo, né? - ela disparou, o olhando de canto.

-A-ah, tanto assim?!

-Você não dirigia uma palavra de preocupação para ela, só para o sparkling. Isso a deixou irritadíssima, eu conheço a Wind, ela gosta de atenção.

-Ei, não é bem verdade. A Serenna gosta de atenção mas, a WindBlade nem tanto.

-Huh, então deixe eu corrigir: - ela se debruçou no balcão - ela gosta da atenção de quem ela ama.

O Bot arregalou os olhos.

-P-pera aí, não apela pra essas palavras aí não...! - reclamava, corado - Eu não sei se ela me ama.

-Bem, eu também não sei exatamente... - ela disfarçou, já que sabia que a femme gostava muito dele - Mas tudo aparenta que gosta, nem que seja um pouco...

-Sei não.

"Primes, eu preciso me segurar para não dar uma voadeira de dois pés na cara desse desgraçado pra ver se ele se toca de uma vez...", ela pensava, respirando fundo, "Ou ele tá se fazendo de louco, ou sua inteligência só regrediu."

-Mas em todos os casos, eu não sei o que dizer para ela... Ah, isso é tão complicado... - ele apoiou a cabeça na mão e o cotovelo no balcão, meio tristonho - Tá me desanimando...

-H-hn... Ah, Bee... Não fica assim... Você vai conseguir, você só precisa se esforçar...

-Tá, eu sei disso mas, eu nem sei o que dizer a ela!

-O que você sente.

-O-o que eu sinto... Huh...

-Pelos Primes, isso tá sendo mais difícil do que ser obrigada a suportar aqueles cornos bêbados cantando aqui no bar... - ela resmungou, logo suspirando - Bee, me diz tudo que você sente por ela, como se eu fosse a própria Wind... Eu prometo que vai ficar só entre nós.

-M-mas eu nem sei por onde começar! Isso é muito difícil, e-eu-eu... Eu... Gah! Queria passar dessa parte logo!

-Argh então tá, Bee... - ela disse, meio preguiçosa - Você tá muito tenso, se é pra se estressar então esqueça disso.

-Huh?

-Eu vou te apresentar umas femmes, para você se distrair, ir a uma boate, sei lá... - murmurava, descontraída, organizando os copos.

Ele a olhou.

-Como é?

-É, você tá se incomodando desde que ela engravidou. Se entre duas maneiras de resolver isso, você tem dificuldade em uma, então é só ir para a outra, que é... Desistir, e esquecer! Muito mais fácil...

Ele ficou estático, em silêncio.

Enquanto ela ainda arrumava os copos despreocupadamente no outro lado do bar, Bumblebee ficava ali, refletindo no que ela acabou de dizer.

"Realmente... Isso seria tão, fácil... Eu mereço um pouco de paz, depois de quase um ano assim... Finalmente, eu poderia descansar..."

Aqueles pensamentos invadiram a mente dele, e espalharam por seu corpo uma sensação de alívio sem igual. Era como se tudo já estivesse resolvido, uma luz brilhou em si.

"Mas, e ela?"

Aquela luz se apagou ao lembrar de WindBlade... Mas, em um sentido bom.

"Isso seria ótimo, para mim... Mas, e para ela? Eu tenho certeza de que ela não ficaria feliz... Eu estaria abandonando a felicidade da WindBlade pela facilidade de encontrar a minha? Isso... Isso jamais me deixaria feliz!"

-Você... Só pode estar de brincadeira!! - o Bot se levantou, batendo no balcão, chamando a atenção de alguns outros clientes.

Blurr apenas o olhava com um leve sorriso, mesmo que ele focasse apenas naquele mesmo balcão que suas mãos arranhavam.

-Eu nunca faria isso! Jamais!! Essa seria a maneira mais fácil para mim, realmente eu me sinto muito bem em imaginar que isso pode acabar assim tão fácil. Mas, para ela... Para ela isso seria péssimo! Abrir mão da felicidade dela para achar um meio mais fácil de me satisfazer seria uma completa perda de tempo! Isso não iria me trazer felicidade alguma, pelo contrário, isso só me faria sentir mais culpado por fazê-la sofrer, isso eu nunca conseguiria fazer, nunca! Definitivamente essa é uma péssima ideia. E, sair com outras femmes? Eu não conseguiria também! Pode me chamar de fraco se quiser, mas eu não posso... Eu... - ele arfou - Eu só consigo pensar na WindBlade, ela não sai da minha cabeça, eu não poderia pensar em mais nada e mais ninguém nem se eu quisesse! Eu penso, respiro, sonho, eu vivo, eu sofro a WindBlade... É totalmente impossível que algo importe mais para mim do que ela!

A azulada começou a aplaudir brevemente, trazendo Bumblebee de volta a vida real. Ele olhou ao redor, não havia mais ninguém no bar, não quiseram ficar para ouvir suas lamentações.

-Ah, e-eu espantei todos os seus clientes... Desculpe! Eu pago por eles.

-Não se incomode, todos eles pagaram... Mas, e você? - ela se aproximou aos poucos.

-Eu?

-É, você ouviu o que acabou de dizer? Tudo aquilo?

-E-eh... - a cara dele ficou fervendo inteira - Eu, e-eu não sei o que aconteceu... Você me disse aquilo e, eu me revoltei ao pensar em fazer tal coisa... Eu mergulhei nos meus sentimentos... Acho que nunca havia feito isso assim, de forma tão intensa.

-É exatamente isso que precisa fazer com a WindBlade.

-... HUH?! - indagou, pasmo - Derramar minhas emoções como um chuveiro em cima dela?!

-Nesse sentido, a WindBlade pode gostar muito de um longo banho bem quentinho e amoroso! - ela tentou ao máximo ser fofa, o que não era muito do seu feitio.

-Mas, isso seria muita loucura... V-você não é ela! É muito diferente!

-Ah então tudo bem... O importante não é a forma como diz e sim o que diz! Se você quer um começo, aí está ele. Tudo que disse para mim vai servir para ela, acredite, quando começar a falar você vai querer continuar e continuar, e quando acabar você ainda vai querer dizer muito mais!

-Espero que tenha razão...

-Pode confiar. Não que eu cante mas, isso é como cantar na frente de alguém, sei que é bem estranho mas com o jeito acostuma-se! - riu.

Bee a olhou, surpreso.

-Blurr... - ele abriu um sorriso enorme - Eu te amo demais, velocitroniana!

Ele a agarrou pelo rosto e a beijou na bochecha - mais perto da boca, mas nem tanto.

Quando a soltou, ela estava pasma, e vermelha...

-V-você... N-n-nunca mais faça isso! Não sei como consegue dizer que me ama assim tão fácil e-e com a WindBlade achar tão difícil! Se o ShockWave soubesse disso, argh!

Ele ria muito.

-Eu só queria agradecer!

-Agradeça de outra forma... - reclamou.

-Uma garrafa bem cara de Energon?

-É o suficiente... Agora, vamos treinar mais esse lance dos sentimentos.

-Vamos!

*

21h

Bumblebee voltou a base, um pouco nervoso, mas sem nem ter tempo para pensar nisso, Serenna já o cercou.

-E aí, vai falar com ela mesmo? - indagava, ansiosa.

-É-é, acho que sim.

-O que você falou com a Blurr? - ela o puxou pela mão até o sofá.

-A-ah... Eu meio que expressei o que sentia pela WindBlade e ela me ajudou a resolver isso... Acho que tenho uma ideia de como começar a conversa e, isso já é o mais importante.

-Sem dúvidas...!

Eles se sentaram, próximos de SmokeScreen, este tinha o atento SoulScreen no colo, brincando com o peitoral do seu pai.

-Ela não saiu do quarto ainda? - Bee indagou.

-Não, continua lá com a Kimura. - respondeu Smoke - Acho que seria uma boa oportunidade, mas se quiser deixar a bebê com a gente para dar mais atenção a Wind, tudo bem.

-Não sei se vai ser necessário. - ele arfou - Isso vai ser meio difícil, mas nem tanto quanto eu esperava, ao menos a conversa com a Blurr foi bem construtiva.

-Explique melhor. - ela pediu.

-Ela conseguiu fazer com que eu confessasse muito do que sinto pela Wind, sem nem perceber o que eu estava falando... Me fez entender que é só eu começar que as coisas fluem naturalmente... Argh, só que eu ainda fico envergonhado em pensar que vou ter que, dizer o que sinto...

O Bot estava meio corado, deixando claro para os dois que ele gostava nem que fosse um pouco daquela femme.

-Você vai conseguir, Bee... Pense que, depois disso, tudo estará resolvido! - Serenna apoiou.

-Sem sacrifício não há vitória... - assentiu Smoke.

-Entendo... M-mas, na opinião de vocês... Acham que ela tem que tipo de interesse em mim...?

-H-huh... - a branca tinha que se segurar para não contar a verdade, senão estragaria tudo - Eu acho... Q-que ela pode gostar de você, talvez mais do que como um amigo...

-É, eu também acho. - o azulado concordou.

Bee continuava meio corado.

-Se for esse o caso, você vai retribuir?! - ela indagou.

-A-ah... - aí sim o listrado avermelhou, totalmente sem jeito.

-Amor, deixe que ele resolve... Não pressione ele. - disse Smoke.

-Eu sei, é que eu tô curiosa...! - murmurou.

-B-bem, eu já vou indo... Antes que eu desista, vou falar com ela de uma vez.

-Ei... - a femme chamou.

-Huh, que foi, Seeh?

Ela segurou a mão dele.

-Eu quero deixar claro que, eu ficaria muito feliz se você decidisse ficar com ela... - disse, meio corada.

-A-ah? Como... C-como assim?

-B-bem, eu não aceitava isso muito bem há um tempo atrás mas... E-eu percebi quê... Ah eu não consigo esconder! A WindBlade, m-me disse quê...

Os dois ficaram ansiosos com o que ela diria.

-A WindBlade? - indagou Smoke.

-Ela disse o que, Serenna?! - Bee perguntou.

-B-bem! Ela... Me disse... - engoliu seco - Na verdade, antes eu sou obrigada a admitir que, eu não queria que se relacionasse com ela porque tinha medo que ela te usasse...

-Me usar...?

-É, como todos os caras que ela ficava! Ela ficava e depois ia embora, esquecia... Sabendo que você não é de ficar com qualquer uma por qualquer motivo, pensei que se apegaria nela e acabasse sofrendo depois!

-Entendo... Mas o que ela disse que te fez mudar de ideia afinal?

-E-ela... Ela disse que te...

Os dois e até mesmo SoulScreen estavam a olhando fixamente.

-E-ela disse que te respeitava! Muito mesmo! - deu um sorriso redondo.

Eles quase desabaram de decepção.

"N-não era bem isso que eu esperava...", Bee pensou.

-Respeitava em que sentido...? - indagou Smoke.

-Ela disse que se importava mais com o Bee do que os outros que ficava, ela jamais esqueceria... - ela respondeu.

-Esqueceria? - Bumblebee indagou, a olhando - Ela não esqueceu o que vivemos juntos naquelas noites de Iacon?

"Falei demais...", Serenna se repreendeu.

-A-ah, acho que quis dizer, que não esqueceria de você!

-Hm... - refletiu brevemente, enquanto Smoke tentava ligar alguns pontos e Serenna rezava para que ninguém pensasse além do que devia - Enfim, agora vou indo.

-B-boa sorte, maninho!

-Valeu... - ele se levantou, e foi em direção aos corredores.

-Amor... - o azul sussurrou - Ela nunca esqueceria do Bee, isso é óbvio, ficando ou não eles tem um passado juntos.

-A-ah, foi o que ela disse!

-Oh... Bem, eu preciso falar com ele... Já volto.

Não demorou até que Smoke o seguisse.

-Bee. - chamou.

-Oi?

Os dois estavam já meio distantes de onde Serenna pudesse ouvir.

-Bem, eu... Queria te dizer...

O escuro ficou curioso para ouvir um possível conselho do amigo.

-Eu não sei se ainda pensa como antes mas... - ele o olhou - Não se esqueça de pensar em você antes de tudo.

Bee se surpreendeu.

-Você tá sempre pensando no que seria bom para os outros, mas acaba esquecendo de você mesmo. Pense no que é bom pra ti, afinal, não é responsabilidade sua fazer os outros felizes... - ele dizia, mantendo-se sério, mesmo ainda segurando SoulScreen no colo - Quando entrar naquela porta, e falar com a WindBlade, esteja certo de fazer o que te deixa feliz. Se doer nela, paciência, ela vai ter que lidar com isso e um dia superar! Se fizer os dois felizes, que bom!

-Seria muito bom mesmo... - riu.

-Sabe, eu vou ser sincero com você... Quando eu me vi interessado na Serenna, e vi você em volta com certo ciúme, ou muito ciúme, eu sabia que seria um obstáculo mas não um impedimento. Quando eu e ela ficamos juntos, eu sabia que o ciúme ia continuar mas eu não ia mudar a minha opinião, eu só pensei: "Se ele ficar insatisfeito problema dele, eu quero ser feliz com a Serenna!"

-A-ah... Okay... - Bee engoliu à seco.

-Por mais egoísta que pareça, eu até pensava em alguma forma de te deixar satisfeito mas me colocava em primeiro lugar. Acho que, todos nós temos que ser um pouco egoístas! - riu - Se eu pensasse só em te deixar feliz eu não estaria com a Serenna, não teria o SoulScreen, acho que o SoundWave também não teria me sequestrado e você não encontraria a WindBlade, e não teria a Kimura...

-Oh... Vendo assim realmente me parece melhor ter pensado em si.

-É! Então por favor, faça isso. Você é o Bot mais dedicado e atencioso que eu conheço, quer sempre satisfazer os outros, mas desta vez pense em se satisfazer, okay?

Bumblebee refletiu minimamente, e abriu um belo sorriso.

-Pode deixar! Muito obrigada, Smoke.

-De nada, cunhadão. - ele retribuiu sorrindo largo.

Bee riu novamente.

-Sabe, pensei que não mudaria de opinião... Isso só torna mais visível que, se deixar a maré te levar, você pode acabar gostando do que antes desprezava.

-O que quer dizer?

-Ah... - ele sorriu outra vez - Eu estou muito feliz em saber que minha irmã tem você como Conjunx.

Lisonjeado, Smoke também sorriu.

-Ah qual é, vai me deixar corado, cunhadinho! - ele brincou - Enfim, roubei muito do seu tempo, vá logo falar com aquela femme... E não esqueça do que eu disse.

-Não esquecerei.

O azulado voltou para o hall, deixando-o sozinho.

Uma vez parado em frente a porta daquele quarto, Bumblebee suava frio. Estava a menos de um passo do seu objetivo.

Respirou fundo, levou a mão até a superfície e bateu ali para chamar pela femme.

-W... W-WindBlade...? - chamou, baixo.

Lá dentro, a centelha da femme pulou, e imaginando as mil e uma ideias da razão dele estar ali, demorou a responder.

-... Entre...

Com aquela palavra ele tremeu até os pés, mas após alguns segundos tomou coragem e abriu a porta.

Se deparou com Wind tendo Kimura adormecida nos braços.

-"... Dizendo pra mim que é sobrenatural, esse amor fora do normal..." - cantarolava leve como uma brisa - "Dizendo pra mim que sou o seu astral, que esse amor qe está em mim é tão real, uoh-uoh...!"

O Bot ficou observando, enfeitiçado.

-"Eu viajei no seu olhar, no teu sorriso, nos teus segredos... Eu descobri o que é amar, pelo toque dos teus beijos..."

Kimura realmente pegou no sono, e WindBlade a levou para seu berço, deitando-a suavemente em suas cobertas macias.

-Ela gosta muito dessa música... - disse.

-Não só ela...

-H-huh... - ela murmurou, sem tirar os olhos de Kimura, apoiando os cotovelos na beira do berço - Precisa de algo...?

-Eh... N-na verdade... Preciso muito.

Ele entrou e fechou a porta, deixando-a curiosa. Caminhou até o outro lado do berço e apoiou-se da mesma forma, ficando cara a cara com a femme.

"S-será... Que ele quer... Finalmente...?", se perguntava.

O olhar de Bumblebee penetrava no dela, era quase hipnotizante, tanto que WindBlade nem conseguia mover seus olhos para outro lugar que não fosse aquele grande par de olhos magníficos, meio sérios mas ainda gentis.

-Eu adiei muito esse momento mas, não posso continuar assim, não é bom para ninguém... - Bee afirmou, arfando - Wind... Nós, precisamos conversar.

Os olhos dela se arregalaram, sua centelha descompassou... Depois de dez longos meses, aquilo ia mesmo acontecer.

Mas uma dúvida se instaurou entre eles, principalmente nela... O que Bumblebee lhe diria? Ele iria declarar um amor escondido ou simplesmente resolver as coisas? E quanto a ela? Ia confessar estar apaixonada este tempo todo ou esperar a reação dele? Ia esconder isso por mais tempo?



Ao menos, não demoraria muito para se descobrir.




Notas Finais


Mordam-se de ansiedade kakaka
Q má q eu sou ,_,
Enfim meus amores é isto
Obrigada mesmo pela espera!
Bjus seus lindios °3°


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...