1. Spirit Fanfics >
  2. Trapaceira >
  3. Cap 4

História Trapaceira - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


E vamos de quarentena 🥰

Capítulo 4 - Cap 4


Fanfic / Fanfiction Trapaceira - Capítulo 4 - Cap 4

2 semanas depois...

Dia de limpeza no mercado eram meus favoritos. Juntavam todos os que trabalham la e separavam os produtos vencidos e faziam arrumação pesada.

Por que meu dia favorito? Porque Danzou pagava um extra e ainda dava pra afanar umas coisas de la. Bebida e besteiras. Ai ai que vida ! Bom, eu estava limpando, porque não posso ter uma recompensa por isso? Nada mais justo !

A prateleira de cima estava suja como nunca vi antes. Danzou era um porco mesmo. 4 meses pra limpar o estabelecimento, agora não sei se era pra não pagar o extra ou por que ele so queria saber de vender. Provavelmente os dois.

Tirei umas 4 caixas de produtos vencidos. Iam de carne a condicionador de cabelo. Eca..

O mercado estava fechado e cheio. Temari , Ten Ten, Shino , Shikamaru, Kiba e ate mesmo Sai que não escapou do trabalho sujo.

Enquanto passava pano por cima dos expositores, escutei um papo nada bom vindo de Shikamaru e Shino.

" Soube que apagaram mais um do norte" disse Shino.

"Aqui esta sendo comandado por outro ja, coitado do Jiraya"

Eles riram e eu não entendi o porque. Apenas mantive meu foco pra terminar logo minha parte.

Jiraya estava morto, isso era fato. 1 semana a trás teve uns tiros pelo bairro. Brigas de facção ou não, ele tinha rodado. Como era de se esperar logo alguém tomaria o poder dele. Aquele desgraçado podia ter morrido antes de pegar os 500 contos que minha mãe devia...

- Sakura aproveita a deixa e pega as coisas la. - Ten Ten passou voada - Rápido , rápido!

Nem esperei. Andei apressada pelo corredor chegando na ala das bebidas. Eita ! Agora faria a festa.

Peguei 4 garrafas das maravilhas. Eu levava as bebidas e Ten Ten levava os salgados. Íamos pra minha casa repartir os lucros. Depois de esconder as belezas na minha mochila retornei ao trabalho sujo. Papo vai papo vem entramos todos no assunto do momento , sim o Jiraya.

Shino quem começou:

- Ainda não acredito que depois de 5 anos ele morreu por uma bobeira... – limpava a prateleira de cima – um tanto inusitado.

- Como inusitado? O cara era um bandido, matava gente inocente.. ele mereceu. – Ten Ten comentou – menos um no mundo.

Uma pequena discussão se formou , uns contra a opinião de Ten e outras a favor. Eu estava calada, querendo ou não tanto minha mãe quanto minha tia tinham pequena parte neste mundo.

- hem Sakura? – Ino jogou uma flanela em minhas costas – Oque você acha?

Na verdade eu não sabia, minha cabeça já estava começando a fraquejar sobre minha mãe. Afinal já iam pra quase 1 mês sem aparecer , e a última vez que ela sumiu assim surtei e do nada ela apareceu dizendo que eu era uma exagerada.

- Bom, eu sei que pra mim ele nem fede nem cheira..

Dei minha resposta.

- Foi armado, tenho certeza, uns caras dizem que ele não estava preparado pra um confronto. Foram na covardia e atiraram em todos que estavam em um tal churrasco.

Novamente um burburinho, que logo foi interrompido Danzou gritando e dizendo que não pagaria ninguém.

Finalizamos o serviço eram quase 19:30. Estava de verdade cansada. Mas o mercado estava um brinco. Fui conversando com Ten Ten o caminho todo ate chegar na minha casa. Chegando na porta reparei que não estava trancada como tinha deixado. Logo meu raciocínio levou a minha amada mãe e novamente me senti idiota por me preocupar atoa.

- Entra ai Ten. - abri a porta dando espaço pra morena passar.

Ela parou na porta e mesmo sem entrar percebi que tinha algo errado. Ela tinha parado e deu um sorriso vergonhoso.

- Oh eu não sabia que teria visita... Eu trazia os biscoitos amanhã.. - ela me olhou.

Eu então avancei e entrei encarando o sofá.

SENHOR...

O JOGADOR ESTAVA NO MEU SOFÁ.

Corro , grito ou ajoelho pedindo perdão.. Antes de qualquer reação da minha parte ele levantou e avançou com passadas largas me alcançando rapidamente dando um abraço.

Puts.. nem tive chance de entrar em pânico direito.

- Como senti sua falta.. - ele me apertou forte demais. Forte mesmo!

- Eu.. – eu parecia ter corrido quilômetros, minha respiração totalmente sem controle.

Ele se afastou pegando em minha cintura me encostando a ele. Ambos virados pra uma Ten Ten de semblante curioso e vergonhoso.

- Sou um amigo íntimo dela. - Ele foi mais ousado e beijou minha cabeça.

Tenten estava agora totalmente encabulada, ela assim como eu fiquei quando o vi. O cara era lindo. Mas agora era um pesadelo.

- Eu.. bom , sou uma amiga do trabalho.. amanhã resolvemos aquilo. - ela largou a mochila no canto e foi em direção a saída.

- Não Ten Ten! - gritei de súbito e quando ia avançar pra ela senti algo forçando em minhas costas. Provavelmente uma arma.

Era um pesadelo!

- Tudo bem Sakura? – ela virou e parou perto da porta.

- É Sakura , esta tudo bem? - Sasuke deu ênfase quando disse meu nome.

Eu poderia gritar e pedir ajuda. Mas eu não sabia oque vinha a seguir. Eu era uma puta ladra e vadia a maioria do tempo, mais ela não tinha que se machucar por minha culpa. Ela era inocente.

- To bem.. Pega suas bebidas, amanha eu falo com você. - sorri amarelo e assisti ela pegar a parte dela , se despedir e sair fechando a porta.

Eu tinha esquecido de respirar.

- Sakura? E tem cabelos rosas? - ele me soltou sentando no sofá. – Interessante e bem conveniente.

Virei atordoada encarando. Ele não parecia nervoso, mas psicopatas sabem fingir? Visualizei suas mãos e vi uma faca de combate, ou algo do tipo. Ao menos não era uma arma. Não deixava de ser péssimo.

- Olha , eu-eu-eu .. - respirei fundo e tentei manter o controle. Ele me encarava com tranquilidade, isso era bom. Ou muito ruim.. Calma Sakura. Calma.

Enquanto eu surtava ali de pé , o mesmo puxou uma cadeira e sentou alisando a faca em suas mãos.

- Eu não faria isso se fosse você! - contei mentalmente ate 3 - Eu conto pra sua família, minto, falo com sua esposa! Você não pode fazer nada contra mim! Minha ... Minha amiga viu seu rosto!!

A risada dele me assustou. Ele suspirou e levantou-se lentamente.

- Eu ia te dar uma única chance de salvar sua vida.. Sua amiga eu resolveria fácil também. Aqui é um bairro pequeno.

Indo em minha direção com a visível faca bem amolada. A medida que ele se aproximava eu me afastava. Ate que encostei na parede.

Ele agarrou me rosto , não forte a ponto de machucar, mas a ponto de imobilizar.

- Você me rouba e ainda me ameaça?

Eu respirava com mais dificuldade ainda, estava muito nervosa.

- Eu- eu quero fazer as coisas pacificamente... – minha voz saiu como um miado fraco. – por favor?

Ele ficou me olhando profundamente.

- Eu não tenho esposa e não tenho familia.. sua amiga eu posso apagar logo em seguida.. Oque vai fazer agora ? Eu poderia te ma-

Eu nem esperei ele completar a frase. Alcancei a garrafa, que a Ten Ten das graças deixou a mochila aberta, puxei com toda a minha força e nem sei se onde me veio todo o equilíbrio larguei na cabeça dele.

Foi tudo muito rápido, ele deu um urro baixo e me largou , nisso eu escapei de seu enlace e quando fui correr pisei em um dos malditos vidros.. Cortei o pé e gritei de dor..

Agora imaginem a cena: Sasuke com a mão na cabeça e atordoado, eu pulando com um pé so tentando alcançar a cozinha , já que a saída não era uma boa opção, correr agora era inútil. Eu tinha que pegar uma faca ou qualquer coisa.

Puta que pariu ! Como doia..

Cheguei na cozinha e não conseguia enxergar nada, o nervoso era tanto que peguei a primeira coisa que vi na pia.

Fiquei em posição de ataque e logo ele apareceu , estava sangrando na parte da cabeça e eu na parte do pé.

- SE AFASTA! EU- EU MATO VOCÊ PORRA!

Gritei a todo pulmão.

Ele foi ate a mesa e pegou um pano de prato pressionando o ferimento na cabeça. Me ignorou completamente.

- Você vai me matar com uma colher de pau? - ele fez uma careta de dor - Merda..

Ele tinha razão era ridículo.. Agora que tinha prestado a atenção na minha “arma de defesa”.

Ainda em posição de combate , ignorante o fato de ser ridículo eu ameaçar ele com uma colher de pau , comecei meu provável último apelo a vida.

- Você deve estar puto comigo e eu peço desculpas. – fiz a besteira de pisar e senti cortar ainda mais, olhei pra baixo e vi uma poça de sangue nos meus pes. – Puta que pariu..

Nem sei quando apaguei. Mas tinha uma espécie de fobia quando o assunto era sangue. Imagina o meu sangue..

Quando voltei a abrir os olhos notei estar deitada na minha cama. Eu tinha bebido muito e estava tendo alucinações? Ou a bebida estava fora da validade? Na verdade eu nem tinha bebido ainda..

Me remexi e senti meu pé doer. Tudo tinha sido real.

- Merda.. - levantei e pra minha surpresa meu pé estava enfaixado.

- Toma cuidado pra não abrir ainda mais. Você apagou mesmo , eu so certifiquei que estava viva e larguei ai e fiquei pelo sofá mesmo.

Sasuke estava parado na porta com um copo na mão.

- Oque você quer de mim? Olha desculpa , desculpa, eu vou devolver seu dinheiro.. Pago todo mês um valor. - me espantei - Ja é outro dia ? Voce me deu algum sonífero? Me drogou? Me estuprou?

Sentou na ponta da cama. E eu me encolhi.

- Dinheiro é o de menos. Você me fez passar um ódio danado. Sair pelado, bêbado e de pau duro procurando por uma loira não foi meu melhor momento. E não, não dei sonífero algum

e não, eu não sou nenhuma maníaco estuprador de ladras.

- Não era pra acontecer assim..

- Oque não era pra ser assim? Eu te encontrar? – ele bebeu mais uma vez e pegou meu pé olhando de perto.

- Você faz isso com muita freqüência senhorita Haruno? Eu tive um dia difícil naquele fatídico dia, fui beber pra aliviar a tensão e me aparece você..

Ele deu um sorriso amarelo.

- Mais se não vai me fazer mal, oque quer de mim? O dinheiro eu torrei e ate arrumar- ele me interrompeu.

- 1500 dólares já foram ? – novamente ele deu um gole na bebida – Você gastou tudo isso em 3 semanas?

- Eu fiz umas coisas com a grana.. mais por favor não me denuncie. Os policiais desta área são uns covardes de merda, só me soltam com dinheiro e eu não tenho mais grana..

Ele soltou uma risada anasalada. Deu uma última golada na bebida.

- Quer saber a maior ironia do destino Sheila?- eu encarei ele e me encolhi na cama - Eu sou policial.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...