História Trauma - Capítulo 7


Escrita por:

Visualizações 5
Palavras 696
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Pois é, esta linda batata responsável por esta linda história ainda se encontra viva. é só que eu só escrevo quando me da vontade, e ultimamente não tem me dado muita vontade, sabe? Mas enfim, vida que segue. está entregue, para o vosso deleite o sétimo capitulo de "Trauma', "Explicito". É isso, espero que gostem da leitura.

Capítulo 7 - Explicito


“Você nunca dorme?” Tung perguntou com a voz rouca de sono. O comentário, assim como tantos outros de Son Tung, fez com que Kamijo, mesmo que por alguns míseros segundos, esboçasse no seu rosto, traços do que parecia ser um sorriso. Tudo aquilo parecia uma piada de muito mal gosto do destino, inesperadamente ser balançado daquele jeito por um garoto como aquele, definitivamente algo dentro de Kamijo estava fora do seu devido eixo. 

Mas, de maneira franca, o que exatamente na sua vida caótica ainda possuía um eixo? E se talvez, só talvez, o que Son Tung estivesse fazendo com ele fosse o inverso? E se Son Tung, de alguma maneira, estivesse colocando as engrenagens desreguladas da sua persona deturpada em ordem pela primeira vez em muitas décadas? 

 

Era tão óbvio quanto dois e dois são quatro, algo dentro dele estava mudando. E mesmo que isso, lentamente o fizesse temer o que o futuro havia-lhe preparado, também dava-lhe curiosidade para querer saber, o que aconteceria se ele permitisse que aquele mestiço adentrasse no mais íntimo do seu ser? Seria bom? Ruim? Será que isso traria a ele prazer? Satisfação, talvez? Poderia Son Tung devolver a ele as partes quebradas do seu caráter manchado? Teria ele, ainda, uma chance de ser “salvo”?

 

Com tais pensamentos em mente, Kamijo se deixou levar por indagações e falsas cenas arquitetadas por sua imaginação, ah muito não estimulada. A sensação dos dedos quentes de Son Tung em suas bochechas gelidas foi o que retornou o sonhador Kamijo a realidade daquele momento. — Será que eu posso perguntar, para onde será que a mente de vossa majestade foi transportada, ainda agora? — Mesmo com a pergunta que por ele foi imposta, tudo o que Son Tung recebeu de Kamijo foi um sorriso.

 

Bem, de qualquer forma, Kamijo parecia ter se esquecido completamente do motivo pelo qual havia voltado para a cabana. Ou talvez ele apenas o enterrara bem fundo em seu coração, para que, de uma forma egoísta, ele pudesse continuar nos braços de Son Tung. Afinal, se a morte era o que lhe esperava, então que os seus últimos momentos fossem nas carícias de um ser como Son Tung. Depois de um momento de silêncio, Kamijo se pôs a falar…

 

— Você não vai gostar da resposta. — Enquanto lentamente deslizava as pontas dos seus dedos pelas madeixas prateadas do rapaz, Kamijo fazia questão de deixar toda a sua luxúria explicita em suas palavras. — Eu apenas pensei, que… — Sem nem um resquício de preocupação em seu rosto ele deitou o corpo de Son Tung sobre o colchão. — Eu poderia colocar o seu corpo sob o meu esta noite… Eu apenas me imaginei enlaçado nos seus braços, sentindo o prazer de segura-lo em meus braços, imaginei o gosto salgado do seu corpo, ofegante e suado, será que você me permitiria sentir o calor de um corpo vivo esta noite, Son Tung? 

 

Aquelas palavras adentraram fundo, não somente os ouvidos de Tung, de certa forma elas pareciam perfurar a sua carne, dilascerar os seus músculos e se forçarem para dentro dos seus ossos. Em toda a sua vida, Son Tung pensou que se sentir atraído por alguém poderia ser algo sútil, como uma brisa soprando pelo pasto. Mas, Kamijo apenas o fez perceber que ele estava errado. A verdadeira atração é algo tão intenso que destroça a sua carne e corroí os ossos, ela turva os pensamentos e consome a sua alma, é dolorido e confuso, como poderia alguém como ele lidar com tais desejos tão vorazes? Era impossível. Era como colocar um recém-nascido numa cela com uma besta selvagem e o mandar domar a fera descontrolada.

 

— M-majestade… não é isso que eu desejo do senhor… — Apesar do seu corpo reagir de forma muito estranha a esmagadora energia que emanava de Kamijo naquele momento, Son Tung não queria se deixar levar por tal presença surreal. Se Tung o deixasse ter o seu corpo, seria um caminho sem volta. Foi então que aquele homem cheio de desejos sussurrou pela primeira vez: “Kamijo”. Aquela voz grave ressoou por cada célula do corpo de Son Tung. — Essa noite, assim como todas as outras depois dessa, você chama-me apenas de “Kamijo”.


Notas Finais


Agora vai, hein povo!! \o/ \o/ \o/

Eu cortei no meio do hot, só porque quando escrevi isso aqui eu tava morrendo de sono e queria acabar rápido pra ir dormir rápido, é só isso mesmo, podem me dar uns tapas depois, eu deixo. flw, té o próximo episódio.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...