História Travel - Capítulo 1


Escrita por: e Lucylevydesu

Postado
Categorias SOTUS: The Series
Personagens Arthit Rojnapat, Kongpob "Kong" Suthiluck
Tags Arthit, Blworld, Blworldproject, Kongpob, Sotus, Yaoi
Visualizações 51
Palavras 2.499
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Shonen-Ai, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá~ Cá estamos nós com mais uma OS kongarth~
Agradeço pela betagem e pela capa maravilhosa!

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Travel - Capítulo 1 - Capítulo Único

Kongpob e Arthit haviam planejado, no dia anterior, ir para a praia e Kong ficara preocupado se conseguiriam cumprir, pois tinha receio de chover pela manhã. Porém, para a sorte dos dois, a manhã ensolarada estava perfeita para que o casal cumprisse o plano. Kong sentia a quentura bater contra sua pele já bronzeada, mas não se importava nem um pouco, pois aquele clima combinava perfeitamente com seu humor radiante. Só não aguentava mais andar de um lado para o outro na calçada de piso quadriculado azul-marinho, ansiando por seu namorado sair logo da casa.

— Arthit! Se apresse! Daqui a pouco o ônibus vai chegar — Kong gritou, dando uma breve olhada para dentro da casa, já que a porta estava aberta.

— Estou aqui! Não precisa gritar! — Arthit respondeu, quase não passando pela porta, visto que segurava duas malas e estava com uma boia de flamingo ao redor de seu corpo.

Kongpob parou para admirar seu namorado, que vestia uma bermuda e blusa branca, juntamente com um casaco fino de cor rosa e óculos escuros, estava mais bonito que aquela manhã ensolarada. O humor de Arthit era instável, afinal, acordar cedo não é seu forte, mesmo que fosse viajar com Kong.

— Você vem me ajudar? — Arthit perguntou meio sem paciência, aquelas malas realmente estavam pesadas. No fundo, ele sabia que a culpa era somente sua por negar a ajuda de Kong, tudo porque pensou que poderia carregá-las sozinho.

— Desculpe, estava hipnotizado com a paisagem — disse com um tom provocativo, pegando as malas das mãos de Arthit.

— Idiota… Deveria prestar atenção na rua. — Sentiu suas bochechas esquentarem ainda mais — O ônibus está vindo! — Apontou para a rua, era possível ver o ônibus ainda longe indo na direção deles.

— Tranque a casa, certo? Vou mostrar as passagens — disse, deixando as malas no chão.

— Certo! Espero que não esteja esquecendo de nada… — disse baixinho, parecendo pensar em voz alta.

Enquanto Arthit trancava a porta e se certificava de conferi-la várias vezes, o ônibus se aproximava ainda mais, possibilitando Kongpob olhar a aparência do automóvel. Tinha uma cor mostarda e algumas figuras simulando as ondas do mar, algo bem praiano. 

— Já está parando.  — Kongpob fez um sinal com a mão, aguardando o ônibus parar completamente.

— Ótimo! — Arthit correu para o lado de seu namorado e tirou a boia de si, a deixando perto das bagagens.

As portas foram abertas, saindo de lá um homem que tinha cabelos loiros, porém, com vários fios grisalhos, não era tão jovem e nem tão velho. Aparentava ser estrangeiro, apesar de alguns traços asiáticos. Ele vestia uma bermuda frouxa bege e uma blusa branca, roupa adequada para não derreter sob o sol ardente, seria uma tortura utilizar uniforme em um dia daqueles. Antes de falar qualquer coisa, tirou uma chave do bolso da bermuda e abriu um compartimento na lateral do ônibus, onde ficavam as bagagens.

— Posso ver suas passagens? — O homem perguntou com um tailandês arrastado, não era fluente. Kongpob havia acertado na mosca.

— Claro. — Kongpob retirou do bolso duas passagens de cor mostarda e os entregou para o homem, que utilizou um carimbo azul para marcá-los.

Senhores Kongpob e Arthit, por favor, me acompanhem. — Misturou inglês e tailandês em sua fala, o que não foi difícil de entender para o casal, já que eram palavras básicas.

O funcionário devolveu as passagens para Kongpob, que juntou as palmas das mãos e as levou a altura do nariz, como uma reverência. Por fim, deu um sorriso simples como resposta e pegou as malas, juntamente com a boia, e os guardou no compartimento já aberto, não esquecendo de trancá-lo logo em seguida, e subiu os degraus do ônibus.

— Vamos lá — Kongpob disse animadamente, quase já se sentindo na praia, e seguiu o homem.

— Espero não ficar enjoado — Arthit comentou e logo tratou de entrar no automóvel, pois não queria ficar um minuto a mais sob o sol.

Lá dentro era bem refrescante, por conta do ar-condicionado, e tinha um cheiro agradável de perfume. Haviam pessoas nativas e estrangeiras, muitas conversavam animadamente ou mexiam em seus aparelhos móveis, uma energia agradável. Como Kong e Arthit estavam na última parada antes de irem ao destino, o ônibus se encontrava com poucas vagas.

Eles seguiram o funcionário até mais ou menos o meio do espaço, até ele cessar os passos e apontar para os dois assentos vagos.

Aqui. — Manteve uma distância para que passassem.

Kongpob e Arthit assentiram ao mesmo tempo e sentaram-se em seus assentos, como esperado, Arthit o lado da janela coberta por uma cortina azul.

Após o homem os reverenciar e ir para a frente do automóvel, sumindo da vista deles depois de se sentar em um dos cantos, finalmente se acomodaram nas poltronas. As luzes foram apagadas em questão de poucos segundos.

— Isso é tão confortável~ — Arthit disse meio a suspiros, afundando seu corpo no assento fofinho.

— Isso merece uma recordação. — Kongpob tirou seu celular do bolso da sua bermuda, já o desbloqueando.

— Pra que isso? Vamos dormir, assim o tempo passa depressa — Reclamou, ignorando completamente o celular sendo apontado para si.

— Mas quando estou com você o tempo voa — Kong o cantou, beijando uma de suas bochechas enquanto fazia uma pequena gravação.

— Você… — Não conseguiu completar a frase, atordoado pelo ato repentino de seu namorado. Suas bochechas estavam vermelhas e sentia suas orelhas pegando fogo de tamanha vergonha.

— O que foi? Quer me dizer alguma coisa? — perguntou com ironia, não contendo o sorriso ao ver seu namorado envergonhado.

— Dorme. — Virou o rosto para a janela, deixando Kong com um biquinho nos lábios.

Era sempre do mesmo jeito, Arthit dormia em todas as viagens e Kongpob não conseguia gravar as recordações deles durante o trajeto, apenas de Arthit dormindo. Entretanto, ele queria gravar vários vídeos com seu namorado e estava disposto a conseguir, mesmo que tivesse que irritá-lo um pouco.

— Por que você sempre dorme quando viajamos? — Usou uma das mãos para apertar levemente o braço de Arthit, que resmungou alguma coisa.

— Ficar acordado em uma viagem de mais de duas horas é tão tedioso. Me deixa dormir~ — falou enquanto sacudia o braço para "espantar" Kong.

— Quer dizer que eu sou tedioso para você? — Apelou para o drama, convencido que Arthit teria pena de si.

— Você é tão dramático. — Ele riu, virando-se para o namorado.

— Vamos fazer um desafio? — Kong perguntou, chamando a atenção de Arthit.

— Desafio, é? — Arthit perguntou com interesse.

— Sim! Quem for o último a dormir será o vencedor. — Podia-se até ver a empolgação em sua voz.

— Certo. Quem vencer pode tirar fotos do perdedor dormindo — propôs um prêmio simples, que não parecia agradar Kongpob.

— Isso não parece justo, eu sempre tiro fotos suas. E se… Eu ganhar um beijo? Caso ganhe. — Seu prêmio era bem melhor para si.

— Tudo bem então. — Não se intimidou, apesar do prêmio vergonhoso pedido por Kong — Eu não vou perder. — Endireitou a coluna no assento.

— Veremos. — Disse com um sorriso convencido no rosto.

Kongpob estava super confiante de que venceria o desafio e já cantava vitória, pois seu namorado sempre dormia durante as viagens e, para ele, não seria diferente. Já Arthit, resolveu mexer no celular para que não caísse no sono, ser desafiado lhe encorajou.

Tudo estava indo muito bem para Kong, até ele repentinamente sentir seus olhos pesarem e a vista embaçar aos poucos. Não achou que fosse ficar com sono, mesmo que não tivesse dormido bem na noite anterior, visto que ficara preocupado se a viagem seria realizada como o planejado. Ele não poderia se render tão facilmente, mas dormir era tão tentador.

— Kongpob~ Está com sono? — Arthit zombou, rindo logo em seguida — Pode dormir, você precisa descansar. — Fez um cafuné na cabeça de Kong e a deitou em seu ombro.

Kongpob já estava tão grogue de sono que nem relutou e se acomodou no ombro de seu namorado, que mexia em seus cabelos enquanto docemente falava “dorme, dorme”. Sem mais esperar, Kong finalmente adormeceu com o carinho de Arthit.

 

(...)

 

— Kongpob? Já chegamos, acorde~ — Arthit sussurrou, não querendo assustar Kong.

— Hm? Chegamos? — Perguntou com sonolência em sua voz e abriu os olhos lentamente, vendo o ônibus praticamente vazio.

— Sim! E sabe a melhor parte? Eu ganhei. — Tirou o celular do bolso e abriu a galeria para mostrar as várias fotos tiradas de Kong.

— Ah, nossa… — disse, meio decepcionado com si mesmo.

Quanto mais fotos Arthit mostrava, maior a cara emburrada de Kong ficava. Ele realmente queria ter ganhado o desafio.

— E eu sou o rabugento? Olhe só para a sua cara agora. — Arthit riu, guardando o celular — Está assim porque não me beijou? — provocou, se sentindo muito confiante.

— Sim, é exatamente por isso — respondeu sem vergonha alguma, não tinha mais o que perder mesmo.

Um silêncio constrangedor se estabeleceu no ônibus, pois Arthit ficou sem o que dizer pela audácia do namorado. Poderia simplesmente lhe dar um tapa na orelha, mas desistiu da ideia ao ver um biquinho fofo ser formado nos lábios de Kong, ele conseguia ser bem sensível às vezes.

Sem aviso prévio, Arthit posicionou sua mão no rosto de Kongpob e o virou para que pudessem ficar cara a cara. Kong não mudou a expressão de decepção em seu rosto, ele não seria convencido tão facilmente, ou pelo menos achou que não.

— Vou te fazer sorrir. — Instantes depois de falar, criou coragem para selar seus lábios com os de Kong, que se surpreendeu com sua atitude.

Era apenas um simples selinho, mas foi suficiente para fazer Arthit se sentir constrangido por mais uma ter se deixado levar pelo drama do namorado. Kongpob estava flutuando de amores pelo beijinho tímido, ele amava tanto Arthit.

Quando Arthit cessou o beijo, estava com o rosto queimando de vergonha e mal acreditava no que acabara de fazer. Mas tudo valeu a pena ao ver um lindo sorriso no rosto de Kongpob.

— Acho que quero perder mais vezes. — Brincou, recebendo um soquinho no ombro.

— Vamos para a praia, provavelmente já deixaram as malas na pousada. — Mudou o assunto, já se levantando.

— Vamos~ — disse bem humorado, sua decepção fora embora em questão de segundos.

Rapidamente, eles se levantam de suas respectivas cadeiras, sentindo dores no corpo por se manterem na mesma posição durante muito tempo. Seguiram para fora do ônibus, um pouco atordoados com o sol que estava ainda mais quente que de manhã. 

Arthit ignorou a claridade cegante e disparou em direção da areia, deixando Kongpob para trás. Seus pés levemente afundavam na areia a cada passo, o que lhe fazia ter que se esforçar mais ao correr e por isso tirou seus chinelos para que não os perdesse.

Kongpob não moveu um músculo sequer, estava bem mais concentrado em admirar a visão mais linda de todos, o seu Arthit sorrindo enquanto corria para o mar, ele estava deslumbrante.

— Pare de me encarar com essa cara de bobo e vem logo! — Arthit gritou para que pudesse escutar, fazendo Kong “acordar” de seus pensamentos — É uma corrida.

— Estou indo~ — disse, tirando seus chinelos e correndo em direção de Arthit.

Como Arthit estava bem adiante, Kong ficou para trás na “corrida” e não conseguiu alcançá-lo antes do mar. Quando finalmente eles pararam, já estavam com os pés mergulhados na água gelada, causando um pequeno choque na região submersa.

Kongpob aproveitou que Arthit estava parado e pulou nele para abraçá-lo, porém, este não aguentou o peso e ambos caíram na água rasa como dois patinhos.

— Você é pesado, sai de cima de mim — Arthit reclamou enquanto tentava conter a risada e o empurrou com as duas mãos para tirá-lo de cima de si, mas sem sucesso.

— Não seja malvado~ — respondeu fingindo estar sentido, mas sua risada lhe entregou. Ele saiu de cima de seu namorado e se deitou ao seu lado.

Ambos estavam ofegantes pela correria até o mar e recuperavam o ar perdido. A água passando por eles era tão relaxante que poderiam cochilar ali mesmo, sem contar o som vindo delas que era como música para seus ouvidos.

— Eu te peguei~ — disse, sentando-se.

— Isso é trapaça, eu ganhei! — Seguiu o mesmo movimento de Kong, ficando de frente para ele, e queixou-se da injustiça.

— Você também ganhou lá no ônibus, mas me beijou mesmo assim. — Falou descaradamente, deixando Arthit sem palavras durante alguns instantes.

— Isso porque você estava fazendo uma cara tão dramática! Assim eu sairia como ruim. — Cruzou os braços, já fechando a cara.

— Arthit, isso acontece sempre. — Novamente, deixou-o sem palavras.

— Eu gosto de te beijar, feliz?! — admitiu, morrendo de vergonha por dentro.

O jogo virou quando Arthit tomou a atitude de o beijar no ônibus e, mais uma vez, aconteceu. Em apenas um dia, Kong se surpreendeu com o seu namorado, era maravilhoso conhecê-lo cada vez mais, amava todos os seus lados.

— Sim, muito feliz. — Abriu um grande sorriso, sentindo o coração acelerar pela sabe-se-lá vez no dia.

Kongpob já não resistia mais, pôs suas mãos nos ombros de Arthit, que fechou os olhos automaticamente, e aproximou seu rosto ao dele. Estava tudo indo muito bem, isso até Arthit notar que ainda não havia sido beijado e seus ombros estavam sendo apertados, ele abriu seus olhos por estranhar a situação. Kongpob ria baixinho enquanto negava com a cabeça, se perguntou o que diabos aconteceu.

— O que foi? — Arthit perguntou, sem entender nada.

— É que tem uma alga no seu cabelo. — Levou uma das mãos para o cabelo de Arthit e tirou de lá uma alga, depois a devolveu para o mar — Não consegui me conter, desculpe — disse, cessando a risada.

— Eu fiquei esperando por nada… — Resmungou baixinho, abaixando o rosto.

— Depois eu sou o dramático… Vem cá. — Se encantou com o drama alheio.

Sem mais interrupções, Kongpob delicadamente deixou sua mão no queixo de Arthit e levantou o seu rosto, ele sorriu com a carinha emburrada de seu namorado. Kong aproximou seus lábios aos de Arthit e, sem perder tempo, os juntou em um demorado beijo.

O ambiente tornou aquele toque ainda mais agradável, o som dos pássaros cantando e as ondas indo e vindo, a água já quente em contato com a pele e o vento batendo em seus cabelos, o agradável aroma que toda praia tem e, o melhor de tudo, o gosto salgado daquele beijo.

Ao se separarem, Kongpob sorria feito um idiota. Com Arthit, ele descobriu que era sim possível amar mais e mais uma pessoa a cada dia que passasse, também de se sentir bem apenas ao estar ao lado dela.

— Só hoje, tivemos um beijo em transporte e um praiano, qual será o próximo? — perguntou com graça, estava tão feliz que mal podia esconder seu sorriso.

Arthit nada falou, já havia se embaraçado várias vezes num só dia e tudo por conta de Kongpob. Não importava quanto tempo passasse, sempre continuaria se envergonhando com as atitudes dele e com as suas próprias, aceitou que isso fazia parte do seu amor por ele.

 

Eles permaneceram em um silêncio aconchegante enquanto observavam as ondas e de vez em quando trocavam olhares tímidos. Aquela viagem, com toda certeza, estava sendo uma das melhores.

 

 


Notas Finais


Até a próxima~

Betagem: @Sayu_Zoldyck
Capa: @nosex


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...