História Treacherous Rumors (Imagine Jung Hoseok) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Visualizações 32
Palavras 1.532
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Decidi fazer uma pequena coletânea de imagines usando os integrantes, pq né ❤ enfim. Todos serão sobre melhores amigos. A ideia surgiu através de uma Oneshot do JungKook a qual vocês podem encontrar no meu perfil, se estiverem interessados. Pois bem, todas as fics serão Oneshots.
E... É só. Agora com Hoseok, pq ele tem muita cara de ser aquele melhor amigo insubstituível :3
Boa leitura ❤

Capítulo 1 - OneShot- Boca.


Treacherous Rumor's.

||Coletânea “Melhores amigos” BTS||


Oneshot- Boca


Já pararam para pensar sobre o uso da boca humana? Pois eu sim, várias vezes, em realidade, é meu principal pensamento do dia a dia.

Ela é incrível não? Serve para muitas coisas boas, como comer. Ah… A boca humana é maravilhosa. Porém, ela tem mais uma utilidade, algo que apenas as pessoas irritantes fazem… Criar rumores. E esses, estão colocando minha amizade em risco.

Certo, deixe-me explicar melhor sobre isso. Vocês devem estar se perguntando o porquê uma pessoa passa oitenta por cento do seu dia pensando em boca, certo? Pois bem, em realidade, eu só queria entender o porquê as pessoas perdem tempo, e saliva, com coisas inúteis como criar rumores, apenas isso.

Então eu me pergunto, porque usar a maravilhosa boca para isso?

Para explicar melhor minha péssima atual situação. Tenho um melhor amigo, e quedinha… Não, um penhasco em realidade, pois bem, e essa quedinha tem nome e muita beleza. Jung Hoseok.

Eu só queria ter um melhor amigo normal, mas então, surgiu um grande problema, Jung Hoseok é extremamente popular na escola. Sempre rodeado de garotas, mas nem isso estava me impedindo de ter amizade com ele. Até aquele dia chegar…

Pessoas costumam reparar demais nas outras, sempre foi isso assim. Gente que não  tem nada para fazer, normalmente gosta de tomar conta da vida alheia e isso… É uma tremenda chatice. Quando menos esperamos, lá vai estar alguém comentando sobre você, essa pessoa gostando ou não de ti.

Na minha humilde escola, boa parte das garotas não gostam de mim, e a outra me odeia. Porém por sorte, há algumas que não se importam com minha presença. Tudo porque? Porque sou amiga dele.

Mas não reclamo, Hoseok é um excelente amigo e confesso que tenho um… Penhasco por ele, mas *clichêmente ele não sabe. Como sempre.

Como melhor amigo, não posso confessar meus sentimentos, e tão pouco acredito que ele goste de mim, então, apenas levo a vida normalmente. Afinal sou adolescente ainda, meus sentimentos um dia podem mudar. Mas enquanto esse dia não chega, bora virar algumas caixinhas de bombom e sofrer por amor não correspondido.

Voltando.

Como dizia, as pessoas reparam muito, até mesmo sem necessidade, e por conta disso, em uma linda manhã, minha amizade com Hoseok entrou em colapso. Naquele dia, chegamos juntos, porque acabamos nos encontrando no caminho, porém, nossa chegada gerou um rebuliço jamais visto naquele inferno chamado escola.

A história começou em alguma parte do cérebro, depois saiu pelos bentidos lábios irritantes de alguém, e como brincar de batata quente, foi passando de pessoa a pessoa, cada vez mais quente, até que finalmente… Queimou o meu “filme”. Ou seja, recebo agora uns apelidos um pouco cruéis.

 Em ordem perfeitamente alinhada, os rumores começaram a subir… Como um termômetro pronto pra chegar em seu limite.

“Você soube? Eles estão tendo um caso”

“Soube que eles estão namorando!”

“O que? Sério?”

“Sim, ele até dormiu na casa dela. Chegaram juntos depois”

“Tsc, piranha. Sempre está rodeada de garotos, agora Hoseok caiu na laia dela também"

“Eh? Eles fazem um péssimo casal”

“Ei, ei. Escutem essa. Sabiam que eles já dormiram juntos?”

“O que?!”

“É verdade!”

“Adivinhem. Ela está grávida!”

E então… Finalmente chegou em seu limite. Já não dava mais para chegar perto de Hoseok por causa disso. As pessoas pareciam também procurar minha suposta “loucura” em meu corpo. Eu queria realmente conversar com ele, mas Hoseok sempre estava cheio de meninas em volta dele. Isso não parecia irrita-lo ao todo, mas a mim sim.

Esses malditos rumores acabaram com minha amizade com ele.

Mesmo assim, as vezes, Hoseok insiste em falar comigo quando não tem ninguém por perto, ele sabe sobre meu sofrimento em relação a toda situação. Porém, quando Hoseok abre aquela deliciosa boca para falar, é como se abrisse as portas “das mães”. Só saí sermão.

Como agora.

– Você precisa parar com isso! – Ele exclamava, quase como um grito, suas expressões demonstravam sua irritação, mas eu pouco me importava.

Apenas dei de ombros, virando para a janela. Por sorte, os únicos ouvidentes da nossa pequena discussão, eram as paredes, carteiras, cadeiras e a lousa esverdeada. Ou seja, toda a sala. O tom avermelhado do céu de tarde se assemelhava ao rosto de Hoseok.

Porque ele está tão bravo? Faz apenas duas semanas que comecei a ignorá-lo. Não que isso fosse minha intenção, mas aqueles rumores já haviam estourado o termômetro, fazendo sair fumaça da minha cabeça de tão irritada.

– Escuta aqui garota – Sou surpreendida quando suas mãos seguram em meus ombros, me virando bruscamente para o ruivo.

Seu olhar era tão intenso quanto aquele entardecer, e os fios scarlet acabaram se misturando com o por do sol, criando um lindo jogo de cores. Onde os olhos do ruivo brilhavam como o sol. Nesse momento, só posso pensar o quão lindo é meu melhor amigo.

– Para com isso.

– Com o que?

– De me ignorar.

– Não estou fazendo isso.

A mesa saiu do lugar, literalmente, quando Hoseok me empurrou para a janela, ainda segurando meus ombros. Não reclamei da pequena dor em minha lombar, estava perdida em fitar seus olhos. Perdida na intensa floresta contida naquelas orbes, tão intensa, que acabei me perdendo. Porém não me importo, quero apenas me perder mais e mais nesse garoto.

– Não se faça de inocente – Senti seus dedos me apertarem mais, e céus, aquilo estava terrivelmente errado. Eu não podia estar atraída por meu melhor amigo, mas já era tarde demais. Eu já me encontrava presa na sua teia.

– Pois bem – Respirei fundo – Você sabe o porquê estou assim. Esses bentidos rumores Hoseok, dessas pessoas que não sabem manter o bico calado. Será que não percebem que criar essas histórias apenas destroem a vida da outra pessoa? Mas que droga...

– Está brava pelo lance da gravidez? – Elevou as sobrancelhas.

– Imbecil! – Me libertei de suas mãos, para socar seu estômago, arrancado-lhe um gemido de dor. Hoseok pôs os braços frente ao lugar, me olhando incrédulo.

– Louca.

– Louco é você de vim aqui falar comigo!

– Mas porquê? – Ele retoma sua postura anterior – Somos amigos, não somos? – Pode parecer coisa da minha cabeça, mas ultimamente Hoseok tem ficado com dificuldade em dizer que somos amigos.

– Precisamente. Mas por eu ficar a todo momento ao seu lado, as pessoas pensam que estamos namorando.

– Oh? Então é esse o problema? – Seu sorrisso malicioso abalou meu coração mais que um terremoto nível extremo, e seu olhar provocante me fez perder meu próprio equilíbrio mental e físico.

– Hã? – Eu mal conseguia criar alguma frase concreta. Tão pouco tive tempo para isso.

Bem lentamente, como um caçador prestes a atacar sua presa, ele se aproximava, eu, miserável garota envergonhada, tentava me afastar, mas isso era impossível quando se tem uma janela atrás.

Talvez o céu lá fora não conseguisse superar a vermelhidão em meu rosto. Assim como as batidas fortes e violentas da música em alguma festa, não conseguisse superar as do meu coração nesse momento. Tremer? Devo estar como uma gelatina nesse momento.

E então…

Ah, bocas. Eu odeio bocas estúpidas que espalham rumores ridículos sobre mim, ou qualquer pessoa, mas definitivamente…  Amo a boca desse garoto. Seus lábios se moviam em um ritmo calmo e sensual, como uma dança, nossas línguas dançavam em harmonia, ao som das batidas reveladoras em meu coração.

Eu… Sempre gostei desse garoto, porém nunca tive coragem para dizer, então me mantive calada todo esse tempo. Entretanto, eu prometi a mim mesma que se um dia Hoseok tivesse a iniciativa, então eu o receberia de braços abertos.

Finalmente… Posso cumprir essa promessa.

Apertei seus ombros, correspondendo seus atos com todo o desejo trancado por anos. Minha mão subiu para seus fios ruivos, entrelaçando os dedos ali, pude sentir a maciez de seu cabelo. Ah Hoseok. E então, senti suas mãos apertarem minha cintura, me causando um arrepio gostoso por todo o corpo, ele colou nossos corpos, mesclando o calor infernal que sentíamos. Estava ficando louca, e eu adoraria ficar presa com ele em uma sala fechada.

 Um arrepio subiu por todo o meu ser, quando ele mordeu delicadamente meu lábio inferior, dando um leve selar logo depois. Em seguida, se afastou minimamente, colando nossas testas. Seu olhar ainda estava em meus lábios, esses entreabertos, soltando todo o ar quente preso dentro de mim.

Senti-me ainda mais perdida, quando seu olhar para em meus olhos, queimando-me inteira, por apenas ter aquelas orbes me olhando tão intensamente.

Dizem que pecar é bom, oh claro, ele certamente é bom, porém apenas no momento, cedo ou tarde você vai se sentir culpada por ter cometido aquele ato. Então não posso dizer que Hoseok é um pecado, afinal jamais vou me arrepender por tê-lo correspondido. Porém, Hoseok certamente é meu mundo.

Eu gosto dele. Tanto que chegava a doer quando os pensamentos vinham a tona, mostrando a dura realidade onde Hoseok e eu éramos apenas amigos.

Porém…

– Se o problema é os rumores, então podemos resolver isso transformando todos eles em realidade – Dizia de maneira baixa e levemente rouca, mantendo o sorriso provocante.

Eu devo ter virado uma cachoeira ambulante quando ele se aproximou de meu ouvido para sussurrar as seguintes palavras:

– Incluindo nosso filho.






Notas Finais


Obrigado por ler ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...