1. Spirit Fanfics >
  2. Treino. >
  3. Observador

História Treino. - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oi gente! Como estão? Andei bem sumida nos últimos tempos. Eu não tenho um motivo exato. Quero dizer que não abandonei a Doideiras Da Akatsuki, só não consigo escrever. Sento na frente do computador e não sai nada, e olha que já tenho o roteiro do capítulo. Enfim, quero dizer que durante essa quarentena vou tentar atualizar.

Como viram, finalmente aprendi a fazer capa pra fanfic ksksksksksks não ficou a melhor do mundo, mas para uma primeira ficou boa, não?

CORONAH VAIRUS: quero apenas alertar, assim como todo mundo, se puder, FIQUE EM CASA! O que está acontecendo não é uma doençinha, é algo extremamente sério. Tome as precauções necessárias, e não estoque coisas.

Agora podem ler ksksks

Capítulo 1 - Observador


 Talvez fosse o jeito com que se movia, ou a maestria que tinha com as lâminas disparadas contra os alvos — sempre acertados no centro —, Shisui não sabia dizer, só sabia que seu passatempo favorito era observar o primogênito de Fugaku treinar de forma incansável, mesmo que já fosse perfeito em tudo o que fazia. Pelo menos aos olhos do jovem shinobi de cabelos curtos e encaracolados. 

 Sabia que Itachi tinha consciência de que o observava treinar, mas como nunca fora impedido, continuava a ir assistir os treinos quietos e solitários do prodígio Uchiha. 

 — Não quer se juntar a mim Shisui? Sempre fica aí, quieto, por horas, não prefere vir aqui comigo? — Sem tirar os olhos dos alvos que acabara de acertar, o filho de Fugaku quebrou o silêncio, sentindo o chakra do amigo logo atrás de si após sua fala. 

 — Quer treinar comigo ou contra mim? — Perguntou empunhando sua tantō*, já tendo noção da resposta que receberia. 

 Itachi virou-se para o primo, tirando sua espada da bainha, ficando em posição de combate. Shisui fez o mesmo.

 Nem viram quando se movimentaram. A rapidez com que moviam-se era assustadora, ambos defendiam-se dos ataques com destreza, sem margem para o mínimo corte se quer. E o sharingan reluzente em seus olhos os ajudava com tal coisa. 

 Iam floresta adentro, sendo os únicos sons escutados ali os das lâminas se chocando, de seus passos e dos pássaros piando no interior da mata. 

 Foi quando chegaram perto de um pequeno córrego que Itachi abriu a mínima brecha, muito bem utilizada pelo mais velho para imobilizar o outro. Ocorreu rapidamente, e num piscar de olhos o primogênito de Fugaku se viu no chão, com a curta espada do primo próxima de sua garganta. 

 — Venci. — Disse o de cabelos curtos convencido, sorrindo para o mais novo.

 — Ainda não. — Dito isso, o de cabelos longos desfez-se em corvos, deixando o primo espantado. Apareceu logo atrás de Shisui, colocando sua espada perto do pescoço do outro, segurando seus braços nas costas. — Eu venci. 

 — Andou treinando em horário diferente Itachi? Quando que desenvolveu essa técnica? — Perguntou já levantando-se. Aceitara a derrota. 

 — Um mágico não revela seus truques. — Disse humorístico. — Quer jantar lá em casa?

 — Fugaku vai estar?

 — Ainda tem medo dele? — Riu quando o outro virou a cara, tendo um bico bem infantil — e fofo — nos lábios. 

 — Você ri porque não tem que aguentar ele querendo te esfaquear apenas com o olhar. Sério, o que ele tem contra mim? 

 — Acho que ele está te testando. Mas tenha certeza de que ele gosta de você, caso contrário nunca pisaria naquela casa depois da primeira vez que foi. 

 — Eu tinha cinco anos na primeira vez, acho que ele não faria algo contra uma criança. — Respondeu zombeteiro, tendo entendido o que Itachi dissera, mas fingiu-se de idiota. 

 — Não te faz, entendeu o que quis dizer com a primeira vez que foi lá. 

 — Okay, okay. — Riu do outro quando foi encarado com falsa raiva. —, e eu aceito ir jantar na sua casa. — Aproximou-se da orelha do outro sorrindo. — Mas saiba que não estou com apenas fome de comida. 

 Itachi sentiu-se corar até o pescoço. Arregalou os olhos e afastou o mais velho com um tapa no ombro. Shisui riu novamente da reação do outro, achava fofo ver o gênio Uchiha, que sempre era apático a toda e qualquer situação, morrendo de vergonha com apenas uma frase. 

 Adentraram o Distrito Uchiha, indo diretamente à casa de Fugaku e sua família, retribuindo os cumprimentos que recebiam dos outros por quem passavam. O local estava calmo, como sempre. O final de tarde estava agradável, com uma leve brisa refrescante. O sol já se punha no horizonte, deixando o ambiente meio alaranjado pela luz. 

 Não demoraram a chegar na residência de Itachi. Entraram, deixando suas sandálias na entrada, seguindo diretamente para a sala, onde Sasuke brincava com seus brinquedos. A matriarca estava não estava no recinto, mas logo apareceu cumprimentando os rapazes. 

 — Olá queridos! Irei sair com Sasuke para visitarmos a Kushina. Ela me convidou de última hora e disse que Naruto queria ver o Sasu. Desculpem por isso, mas faz tempo que não nos vemos. Vou terminar de fazer o jantar para vocês e logo depois já sairemos. Shisui, você sabe, a casa é sua. — Disse Mikoto com seu gentil sorriso no rosto.

 — Sem problemas mãe. E o pai? — Perguntou Itachi, que sentara ao lado de Sasuke e fazia carinho nos cabelos do irmão mais novo. 

 — Está em reunião, não deve voltar tão cedo. Mas sei que não vão se incomodar com isso. — Sorriu sugestivamente para os dois adolescentes, e desta vez o gênio Uchiha não fora o único a se envergonhar. Mikoto voltou para a cozinha rindo, deixando os dois constrangidos na sala, junto de Sasuke que não entendera nada. 

 — Bom… eu vou tomar banho. Se quiser pode usar o banheiro do Sasuke para tomar também. — Disse o primogênito de Fugaku para Shisui. 

 — Não precisa. — Poderia ser no seu mesmo, junto contigo. Completou mentalmente. — Vou ficar um pouco com Sasuke, fazia tempo que não via meu cunhadinho. — Falou em tom divertido. 

 — Qualquer coisa é só chamar. — E então Itachi subiu para seu quarto, pegando uma toalha e muda de roupa, em seguida indo para o banheiro banhar-se. 

 

                              ~~~

 

 Mikoto já tinha saído tinha uns bons minutos, e Shisui decidiu arrumar a mesa para jantarem. Mais alguns minutos esperando já à mesa, viu Itachi aproximar-se. Os cabelo escuros molhados caíam sobre os ombros por estarem soltos. Ele usava apenas uma calça de moletom cinza, e estava sem a bandana. 

 O mais velho perguntava-se como alguém podia ser tão perfeito. Os olhos não desgrudaram do mais novo um segundo sequer desde que este havia chegado no recinto. No entanto, Itachi não se incomodava com o olhar do outro sobre si, tirando quando estavam em público, porém, quando estavam só eles, até apreciava tal coisa. Gostava de saber que sua aparência era bem apreciada pelo namorado. 

 — O que temos para a janta? — Perguntou sentando-se à mesa. 

 — O que nós dois teremos ou o que eu terei? — Voltou com seu humor malicioso, vendo o rubor surgir no rosto pálido do outro. 

 — Você sabe o que eu quero saber. — Disse evitando contato visual. 

 — Sua mãe fez lámen. — Falou abrindo a panela que se encontrava no centro da mesa. Serviu uma tigela para os dois, e logo puseram-se a comer. 

 A refeição foi feita sem muitas palavras trocadas, estavam completamente famintos. Cada um comeu três tigelas cheias da massa e acompanhamentos, e no final encontravam-se completamente satisfeitos. 

 Lavaram a louça, guardaram o pouco que restou da janta na geladeira e subiram para o quarto de Itachi, este sentou em sua cama e continuou a leitura de um de seus livros que estavam no quarto, e Shisui foi banhar-se. 

 Assim que saiu, os olhos do gênio foram em sua direção. Sentiu uma vontade gigante de arrancar a toalha de sua cintura e fazer as mesmas loucuras que fizeram outras vezes. E o de cabelos encaracolados percebeu isso. 

 Aproximou-se vagarosamente da cama onde o namorado lia o livro que, naquele momento, parecia tão intrigante quanto uma pedra. O mais velho beijou os lábios fino de Itachi, quem o puxou, fazendo-o se deitar sobre si. O ósculo tinha muita paixão e clara necessidade; estavam esperando uma oportunidade para que pudesse relaxar — à sua forma —, e finalmente esta chegara. 

 Ajeitaram-se melhor na cama de solteiro, e foi quando Shisui desceu o beijo pelo maxilar, queixo, chegando no pescoço alvo, o qual começou a marace com beijos nada castos e chupões molhados, enquanto suas mão tateavam o corpo abaixo de si, sabendo onde exatamente tocar, sentindo-o arrepiar-se mais a cada toque. 

 Levou seus dígitos aos mamilos do mais novo, sabendo da sensibilidade que o outro tinha naquela região, se deliciando ao ouvir os suspiros desejosos que saiam da boca de Itachi. 

 Todavia, não queria ouvir simples suspiros, queria ouvi-lo gritando de seu nome sem pudor algum. 

 Focado em seu objetivo, trilhou um caminho de pequenos beijos até os bicos rosados, um dos quais passara a chupar e mordiscar, continuando a estimular o outro com a mão. Itachi gemia baixo, segurando com uma das mãos nos cabelos do amado, e com a outra arranhava levemente a parte superior das costas e braços do rapaz que estava sobre si. 

 Feitas as carícias nos dois lados do peitoral de Itachi, beijou-o mais uma vez, com volúpia, enquanto suas mãos trabalhavam para retirar as peças inferiores do gênio Uchiha, deixando-o nu. Findou o ósculo com pequenos selinhos. Levantou o tronco para analisar o corpo esbelto à sua frente. 

 Podia dizer com toda a convicção do mundo que Itachi fora esculpido por deuses, pois não era possível alguém ter tanta beleza. Os olhos  percorreram o corpo belo do primogênito de Fugaku, observando cada curva, cicatriz, músculo e marca que via ali. Tudo parecia perfeito em Itachi, sentia-se a pessoa mais sortuda por poder ver toda aquela obra-prima que era o namorado. Mas não se demorou mais. 

 Levantou-se da cama, encarando o outro diretamente nos olhos. 

 — De quatro. — Ordenou com a voz rouca, e a ordem foi acatada pelo mais novo de forma rápida. 

 Retirou a toalha que ainda estava em torno de sua cintura, e logo após deitou sobre as costas de Itachi, beijando-lhe a nuca até chegar na orelha, onde brincou com a língua. Ao mesmo tempo em que fazia isso, levou uma das mãos ao membro já ereto do outro, iniciando uma masturbação lenta, e ouviu o outro gemer surpreso e deleitoso. Aumentou o ritmo da punheta, consequentemente os arfares do outro Uchiha aumentaram. 

 Sentiu o corpo sob si estremecer, e sabia o que aquilo queria dizer. Querendo torturar o mais novo, pressionou o polegar na fenda por onde saía o pré-gozo, impedindo que o outro gozasse. Itachi grunhiu irritado. 

 — Filho da puta. — Praguejou. 

 — Só vai gozar quando eu estiver comendo o seu rabinho. — Disse descendo beijos pela nuca, em seguida pelas costas suada, chegando à bunda do gênio Uchiha, onde mordeu a carne farta, antes de separar as bandas da bunda dele, começando a chupar a entrada de Itachi, penetrando-o com a língua. 

 O primogênito de Fugaku enfiou a cabeça no travesseiro, segurando fortemente o lençol e gemendo alto. Por céus, Shisui conseguia ser bom em tudo o que fazia. 

 O de cabelos encaracolados parou o que estava fazendo, mas depois de lubrificados, inseriu direto dois dígitos no interior de Itachi. Os movimentava com calma e delicadeza para que não machucasse o amado, fazendo também movimento imitando uma tesoura para que pudesse prepará-lo bem. 

 — Sui… vai logo, não precisar enrolar tanto nessa parte. — Itachi disse em meio à suspiros e gemidos baixo. 

 Shisui obedeceu ao pedido; pegou um preservativo em cima da mesa de cabeceira, colocando em si rapidamente, logo se enterrou no namorado. O gênio Uchiha gemeu alto quando foi invadido, mas não houve necessidade de muito tempo para acostumar-se. 

 As estocadas que começaram lentas, foram ficando mais aceleradas, tirando gemidos de ambos, e ao ouvir um grito chamando seu nome, Shisui sorriu ladino.  

 — Achei. — Tornou a estocar naquele ponto específico, conseguindo concluir seu objetivo de fazer o outro gritar por si. 

 Parou os movimentos, saindo de dentro de Itachi. Sentou na cama e logo arrumaram-se, agora com o mais velho recostado na cabeceira. O primogênito de Fugaku colocou uma perna de cada lado do namorado, guiou o membro dele à sua entrada e sentou, sentindo cada centímetro do outro entrando em si. Gemeram e uníssono com o ato. 

 Apoiou os braços nos ombros de Shisui e começou a mover-se. E teve ajuda do namorado, que segurou em sua cintura o auxiliando nos sobe e desce que fazia. 

 Para o mais velho, aquela era uma das melhores visões que poderia ter — tanto que ativara seu sharingan para garantir que recordaria de cada mínimo detalhe. Itachi estava corado, com os olhos semicerrados e os lábios vermelhos soltavam os sons que Shisui mais amava ouvir. 

 O mais novo apoiou a cabeça no ombro do namorado, sem cessar os movimentos, e começara a ser estimulado pelo mais velho, que o masturbava de forma lenta e torturante. O orgasmo não demorou a tomá-lo, e se desfez, chamando o nome do outro, na mão do de cabelos encaracolados e em seus abdomens. 

 Obrigou-se a se recompor de forma rápido, saindo do colo do mais velho. Retirou a camisinha, a antes que o outro dissesse qualquer coisa, abocanhou o membro de Shisui por inteiro, sentindo a glande tocar-lhe a garganta. 

 — Puta que pariu Itachi. — Nem tentou controlar os gemidos que agora saiam mais altos e chamando pelo amado. E tal coisa aumentava o ego de Itachi, com certeza. 

 O vai e vem foi sendo ritmado pelo de cabelos encaracolados, que segurava-o pelas madeixas pretas. Usou as mãos para acariciar os testículos do namorado, e este foi o estopim para que sentisse o outro gozando em sua boca.

 Retirou o membro de sua boca, engolindo a essência de Shisui; sorriu para ele e lambeu os lábios. 

 Deitaram abraçados, regulando as respirações e o batimento, que tornou a acelerar quando ouviram um barulho vindo do primeiro andar. 

 — Itachi? Está aí? — Os dois arregalaram os olhos e correram para vestir-se. Era Fugaku, e tinham certeza de que a última coisa que o patriarca de Itachi queria ver era ele naquele estado. 

 — Oi pai… — Foi o primeiro a chegar no andar térreo, recebendo o olhar sério de seu pai. 

 — Olá senhor Fugaku. — Disse Shisui que chegou logo atrás. 

 — Por que estão suados? — Perguntou apertando os olhos. Os rapazes se olharam cúmplices, mas sorriram ao pensarem na mesma coisa. 

 — Treino. 


Notas Finais


E então? O que acharam? Estou mudando algumas coisas na minha escrita, não sei se repararam. Espero que tenham gostado! Até a próxima galera!

Ps.: Foi um inferno pra postar


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...