História Três vidas e um destino - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Crime, João Pessoa, Mistério, Morte, Policial, Romance, Romance Policial
Visualizações 11
Palavras 617
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 26 - Admissão - 1.9


1.9

Fiquei em casa ainda apavorada pelo o que acontecera.

Na verdade nem tinha certeza se realmente sabia o que houve, mas sei que podíamos estar sendo monitorados. 

Estava com medo de falar qualquer coisa com quem quer que fosse. Pensei até em ligar para mamãe, mas não iria conseguir falar normalmente, e ela ia perceber que havia algo de errado comigo. 

Eu precisava definitivamente me distrair.

Disquei o número de Albiere no telefone fixo e liguei para ele.

Perguntei se ele tinha um tempo para conversarmos pessoalmente e ele respondeu positivamente. 

Passei-lhe meu endereço e pedi que ele viesse. 

Era estranho, mas eu senti que ele era a única pessoa com quem eu poderia conversar no momento, mesmo não o conhecido à fundo. 

Cerca de vinte minutos depois que eu liguei ele chegou.

Quase não abri a porta. Esperei alguns segundos para ouvir a voz dele me chamando, e o deixei entrar quando ele o fez. 

Nos sentamos um de frente para o outro no sofá da sala. 

- Seu apê é vem bacana - Disse ele olhando em volta. 

Não havia razões para elogios daquele lugar, mas achei que ele disse aquilo para me agradar, e respondi ao comentário com um agradecimento. 

- Eu queria falar com alguém... - Comecei. - Só queria falar com alguém com quem eu me sentisse segura. 

- Nossa, eu nem sei o que dizer - Disse ele sorrindo. - Já sou de sua confiança, é? 

Ignorei a pergunta dele. 

- Olha, nunca namorei ninguém - Falei. -, nunca tive um relacionamento sério. E sei que esse ainda não é, mas... - Olhei nos olhos deles e vi dúvida misturada com esperança. - Eu queria muito que fosse. 

Ele se aproximou mais de mim e pegou minha mão. Não sabia se podia considerar aquilo como um sim. 

- Cê quer uma resposta agora, né? 

Fiz que sim levemente. 

Ele aproximou o rosto do meu e nossos narizes se tocaram. 

- Vou te dar uma resposta - Disse ele. 

Logo começamos a nos beijar e eu senti o pânico que estava em mim diminuir. Aquele beijo me acalmou. Eu senti mesmo que eu podia confiar nele, e um sentimento muito forte surgiu em mim. Eu estava amando ele.

Nos beijamos demoradamente, e quando paramos, segurei a sua mão e olhei aqueles olhos enormes de novo. 

- Eu te amo, Úrsula - Disse ele. 

Eu gostei de beijar alguém, mas achei que se repetisse aquilo talvez ele insistisse em algo à mais, por isso eu retribui o "eu te amo" e me preparei para mandá-lo embora, mesmo tendo quase certeza de que ainda não o amava. 

Porém eu mesma me interrompi ao pensar que deveria contar a ele que eu era soro positivo. 

- Albiere, eu...

Pensei melhor e resolvi deixar isso pra depois. O doutor já havia me explicado que saliva não transmitia aids. 

- Eu te amo - Falei. 

Ele sorriu. 

- Já me disse isso - Disse ele. Era verdade. 

- Só pra deixar bem claro - Falei, retribuindo o sorriso com o qual ele havia me presenteado. 

Eu quis dizer aquilo pra aliviar tudo, mas não tinha convicção. 

Nos beijamos mais um pouco e então disse-lhe que já era hora de ele ir. 

Foi maravilhoso beijar pela primeira vez. Me sentia realmente acolhida por Albiere. 

Estava tão contente com isso que resolvi fazer algo do que não achei que me arrependeria. 

Peguei o meu notebook, que fazia séculos que havia usado, e entrei na minha rede social. 

Comecei a escrever um post que editei repetidas vezes até considerar suficientemente claro e satisfatório para mim. Não sabia o que os outros iriam pensar, mas não me importei. 

O post basicamente resumia que eu era soro positivo. 


Notas Finais


O que acharam desse capítulo? Como andam as teorias?
Um lembrete: tudo tem consequências


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...