1. Spirit Fanfics >
  2. Trevas da noites >
  3. Capitulo 4- Eu me Importo

História Trevas da noites - Capítulo 4


Escrita por:


Capítulo 4 - Capitulo 4- Eu me Importo


Fanfic / Fanfiction Trevas da noites - Capítulo 4 - Capitulo 4- Eu me Importo

 

Pov's Lorraine

Eu não sabia quanto tempo eu fiquei naquela sala de treino tentando extravasar a minha raiva, mas sabia que ela não ele não havia sido o suficiente ainda. Eu já havia feito todos os exercícios daquela sala, desde correr até levantar peso, e meus músculos ardiam como fogo por causa da dor, porém eu continuava socando o saco de areia, descontando cada vez mais a minha frustração nele.

Breno- Eu sei que foi eu que lhe ensinei essa sequência de socos e eu lembro muito bem de ter lhe dito que deveria colocar uma luva antes de fazê-lo (meu tio se pronunciou fazendo-me parar, ofegante, e olhá-lo. Seu olhar manso transbordava preocupação, só então que percebi os machucados na minha mão)

-Desculpa, eu não me lembrei de colocá-la.

Breno- Tudo bem. Deixa eu ver esses machucados. (ele diz se aproximando. Ele pega minha mão delicadamente e examina a mesma.) Vamos apenas fazer um curativo, porque, por incrível que pareça, você não quebrou nenhum osso dela.

Eu apenas aceno com a cabeça em afirmação. Meu tio guia-me até o sofá que tinha mais no canto da sala, que eu nunca entendi o porquê de estar lá, e vai até o banheiro, retornando com uma pequena caixa de primeiros socorros na mão. Ele sentou ao meu lado e fez a limpeza dos machucados antes de pegar um frasco sem rotulagem e de aparência estranha.

-O que é AIIIIIIII!!!!!!! (ele joga o conteúdo em meu machucado fazendo-o arder mais do que já estava me fazendo gritar e ele rir.) MAS QUE PORRA É ESSA??!!

-Álcool com Merthiolate. (Ele diz ainda rindo)

-Seu filho da...(ele ameaçou jogar novamente fazendo-me repensar as palavras) deusa do olimpo, a Afrodite, sabe? Por que você é uma versão masculina de Helena de Tróia, mas tão belo quanto. (digo nervosa fazendo-o rir mais um pouco. Eu odeio o meu tio)

Breno- Obrigado. (ele diz começando a fazer um curativo nos meus machucados. Um silêncio confortável se instalou entre nós por um tempo até que ele quebrou o mesmo) Então, como foi as patrulhas hoje? (pergunta como se já não soubesse do ocorrido.)

-Eu sei que o Léo já lhe notificou do ocorrido Breno, pode falar o sermão. (digo já de saco cheio de tantas vezes que ele diz que eu preciso passar a confiar mais nas pessoas. Não que esse seja o motivo desta vez)

Breno- Não vou lhe dar um sermão dessa vez Lorraine. (ele diz terminando o curativo de minha mão direita e começando a da esquerda. O encaro confusa) Elas se parecem né? (pergunta fazendo-o lembrar do motivo de eu não querer trazê-la. Alguma coisa na sua aparência fazia me lembrar de uma pessoa na qual eu custei muito para esquecer, e que assim como ela, me fez sentir vulnerável desde o primeiro contato. Sei que estou sendo egoísta por pensar assim, principalmente por negligenciar a ajudá-la e trazê-la por medo de me apegar tanto a ela quanto eu me apeguei a outra pessoa.)

-Sim...(minha fala saiu baixa e tímida. Esse assunto não era algo que eu gostava de relembrar e muito menos ficar falando.)

Breno-Eu sei que você não confia nela , e eu não vou pedir que passe a fazer isso do dia para noite, mas por favor, não a trate com tanta grosseria assim. Ela acabou de chegar, e assim como para você, será difícil para ela se adaptar à nova vida que tem. (meu tio não sabia, ou ao menos fingia que não, o verdadeiro motivo para eu não querer trazê-la.Então jogava a culpa em minha falta de confiança nas pessoas na qual eu não tenho qualquer laço, e isso era melhor do que admitir o verdadeiro motivo.)

-Por que você está defendendo tanto ela?! (pergunto com raiva, da forma que ele se acostumou tão depressa com a presença da Aurora. Me levantando do meu lugar e me afastando dele.)

Breno- Eu não estou defendo ela Lorraine, estou apenas dizendo que você está sendo injusta com a mesma. (ele responde sério, me olhando com repreensão)

-A claro, porque agora ela é uma coitada! (digo sarcástica, chateada demais por não entenderem o meu lado) Quer saber, vai se ferrar Breno! Primeiro vem fingindo que me entende quando na verdade nunca se importou em como eu me sinto em relação a isso!

Breno- Eu não me importo? EU QUE NÃO ME IMPORTO, LORRAINE?! (pergunta gritado, se levantando e vindo em minha direção) Quem ficou do seu lado durante meses quando ela sumiu? Quem passava a noite em claro te ajudando a procurar ela? Quem está aqui, agora, cuidando de mais um dos seus machucados por que se importa em saber como você está? Em Lorraine?!

-Você não sabe como eu me sinto! (eu grito)

Breno-E nem você como eu me sinto! (ele grita de volta, me assustando um pouco e fazendo-me cair na real.) Você perdeu sua namorada e eu a minha quase filha Lorraine, e eu me culpo dia após dia por causa disso, porque se eu tivesse te escutado e seguido a minha intuição sobre aquele desgraçado, ela ainda estaria aqui. (sua fala era carregada fazendo-me sentir mal pela a forma que o tratei. Depois do sumiço da minha ex, tanto eu quanto o meu tio ficamos arrasados e mesmo fazendo de tudo para reencontrar a mesma, os nossos esforços haviam sido em vão no final.)

-Me desculpa...(digo depois de absorver a sua fala e ele me abraça, retribuo o mesmo descansando a cabeça em seu ombro. Seus músculos estavam um pouco tensos mas logo relaxaram, e nós dois, depois de muito tempo, estávamos finalmente colocando um ponto final nesse assunto).

Breno- Tudo bem...nós...Nós temos que seguir em frente Lo, não podemos continuar tão presos ao nosso passado dessa forma. Nem eu e nem você.

-Eu sei, mas às vezes é difícil.

Breno-Me promete que vai ao menos tentar. (ele me pede, pois sabe que eu não sou capaz de quebrar uma promessa)

-Eu vou tentar, eu prometo. (Ele sorri fracamente)

Breno- Obrigado... agora vamos subir que já estamos tempo demais aqui nessa sala. (fala já se afastando e indo em direção a porta) Ah e mais uma coisa, como forma de castigo, você está responsável pela a Aurora até segunda ordem e isso significa que você será responsável por ensinar a lutar e todas as outras coisas básicas que for necessárias. (ele fala fazendo olha-lo incrédulo) Ah, e o Leonardo me aconselhou que deixasse vocês no mesmo quarto por um tempo, até você se adaptar com a ideia de conviver com ela no mesmo teto.

-O QUE???!! EU MATO O LEONARDO! ( grito com raiva de meu melhor amigo o que faz meu tio rir e eu sair, pisando forte, da sala de treino)

Breno-Deixa ele terminar de preparar a janta primeiro por favor. (ele brinca fazendo-me, mesmo sem eu querer, rir)

-Ok mas só até o jantar. (digo fazendo-o rir mais ainda) Eu vou ir para o meu quarto tomar um banho e relaxar um pouco. ( eu aviso assim que chegamos no final das escadas, que dava acesso para o saguão principal)

Breno-Ok Lo, nos vemos no jantar? (pergunta)

-Estou sem fome. Acho que vou me deitar direto, assim que terminar o meu banho.

Breno-Então, boa noite. Durma bem pequena. (ele despejou um beijo em minha testa)

-Você também, tio. (eu o abracei e foi para o meu quarto)

Ao passar pela a sala, o cheiro da comida invadiu as minhas narinas assim como o som da voz de meu amigo cantando Oh Rita juntamente com o rádio, o que atingiu a minha curiosidade e decidi dar uma espiada em meu amigo, com o meu celular na mão óbvio, e ver a sua atuação. Ele fazia uma cara de sofrência cômica enquanto cantava usando uma colher de pau cheio de molho. Eu gravava tudo de um ponto escondido me segurando para não rir e me entregar.

Leonardo-TODO MUNDO COMIGO, VAI! OHHHH RITAAAA, VOLTA DESGRAMADA, VOLTA RITA QUE EU PERDOO A FACADA. OH RITA, NÃO ME DEIXA, VOLTA RITA QUE EU RETIRO A QUEIXA. (ele praticamente gritava o coro fazendo-me sorrir com a sua expressão de sofrência)

Decido terminar a gravação e voltar ao meu objetivo primário, deixando-o terminar em paz o seu show pessoal. Cheguei em meu quarto e ao abrir a porta, vi a Aurora adormecida na janela com o livro Diário de Anne Frank em seu colo. Eu me aproximo da mesma e, com cuidado, retiro o livro de suas mãos, colocando de lado, pegando-a gentilmente no colo, colocando a mesma em sua cama, cobri a mesma e baixei a luminosidade do quarto.

Eu fui até o meu guarda roupa, e separei uma camisa branca com mangas cinzas e uma calça de moletom cinza também, minhas roupas íntimas e minha toalha, aproveitei e peguei algumas peças extras para a Aurora e me direcionei ao banheiro.Ao entrar, coloquei a roupa em cima da bancada da pia juntamente com uma toalha, desfiz o curativo de minhas mão, vendo o resultado de minhas ações, joguei o gases sujos de sangue fora e me despi, logo caminhando em direção ao box e iniciando o meu banho. Tomei um banho demorado, permitindo que meus músculos se relaxarem com a água quente, e assim que eu terminei o mesmo coloquei a minha roupa e saí do banheiro, escrevi um pequeno bilhete para a ondulada e coloquei em cima das peças de roupa. Saí do meu quarto e direcionei-me para a biblioteca no final do corredor. Seu interior era imenso, e as prateleiras tinham entre uns 4 m de altura, totalmente lotadas com livros dos mais diversificados tipos. O teto dela era de vidro, permitindo a vista da estrelada noite e da grandeza da lua, que brilhava intensamente mostrando todo o seu glamour para os seus admiradores.

Andei pelas prateleiras, até parar na sessão de fantasia e pegar o meu livro favorito, Alice no País das Maravilhas, apesar de ter lido inúmeras vezes, eu não me cansava e estava sempre relendo-o novamente. Sentei no chão mesmo, encostando a minha costa na prateleira, e logo mergulhando naquele belo mundo fantasioso que eu já conhecia de cor.

Pov's Aurora

Acordei e percebi que estava em minha cama, estranhei, pois não me lembrava de ter me deitado nela antes de dormir. Depois de muito tempo tentando assimilar, desisto de buscar a lógica e me levanto. Vou até o banheiro e percebo algumas peças de roupas em cima da bancada juntamente com uma toalha e um bilhete por cima.

"Espero que te sirva. Amanhã provavelmente a Gabi vai levar você no shopping para comprar algumas roupas, mas até lá, sinta se à vontade para usar as minhas".

-Lorraine

Agradeci mentalmente a minha colega de quarto e peguei a toalha. Tomei um breve banho e vesti as roupas que se baseavam em: uma camisa, soltinha, azul bebe (que ficou um pouco grande em mim) ,uma calça branca e roupas íntimas. A camisa continha um coelho muito fofo de estampa, o que me fez sorrir.

Saí do banheiro e voltei ao quarto, na mesma hora que alguém bateu na porta, abri a mesma me deparando com a Gabi. Ela também havia trocado de roupa e colocado um pijama com estampa de Rick and Morty na camisa preta.

Gabriela- E aí, conseguiu descansar? (pergunta sorrindo abertamente)

-Sim, consegui. Acabei dormindo lendo o livro Diário de Anne Frank, acordei agora pouco. (digo dando espaço para a mesma entra e ela o faz)

Gabriela- Entendo. E a Lorraine, te tratou bem ou...(ela pergunta, realmente preocupada se a minha colega de quarto havia feito algo)

-Não, eu nem a vi mais hoje desde que eu cheguei..Assim que eu acordei eu estava na minha cama e sozinha no quarto, e como eu dormi na janela, então foi ela que possivelmente me colocou na mesma; ela havia deixado umas roupas para mim no banheiro junto com uma toalha e é por isso que eu estou com essa roupa. (lhe explico, começando a ligar os pontos e entendendo o porquê de não me recordar de ter ido me deitar. A morena na minha frente sorriu tranquila e acente com a cabeça)

Gabriela- Isso é bom, quero dizer, pelo menos ela está se permitindo aos poucos te conhecer e antes de qualquer julgamento que ela possa ter sobre você. Venha, o Mester acabou de terminar o jantar e está nos chamando. (ela diz, me puxando pela a mão, já me guiando para a cozinha) Além do mais, ele precisa saber do milagre que você conseguiu, convencer a Lorraine a mudar de opinião assim não é para muitos. ( sua fala me faz rir )

Realmente, me intriga saber o porquê dela ter mudado tão rapidamente de opinião, porém não sei se eu conseguiria essa resposta de qualquer forma.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...