História Tristeza e Felicidade - Segunda Temporada (Jeon JungKook) - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Personagens Originais
Tags Bangtan Boys, Felicidade, Jeon Jungkook, Tristeza
Visualizações 338
Palavras 4.417
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Comentem bastante, por favor!

Capítulo 8 - Sob A Luz Do Luar


❍╾⃟. Jeon Jeongguk ❍╾⃟

– Desde quando você e a Iara são tão amigos?

TaeHyung perguntou com uma expressão não muito boa. Primeiro eu pensei: Fodeu. Depois pensei: Por que ele está irritado com isso? E por último pensei: Será que dá tempo de fingir um desmaio ou acertar ele com um daqueles socos especiais que Iara me ensinou para deixá-lo desarcodado e dizer que ele foi atingido por um meteoro?

Acho que não, além disso, não quero mahucar meu amigo. Mas ainda posso fingir o desmaio...

– Me responde! – insistiu firme, fazendo com que eu desse um passo para trás e colocasse a mão na testa como aquelas garotas dramáticas que estão prestes a apagar.

– TaeHyung, acho que eu vou-

– Corta essa, Jungkook, você não é uma daquelas garotas das novelas mexicanas da minha mãe! – acertou-me um tapa com força média, eu fiz uma careta e massageei a área, suspirando em seguida. – Agora fala, por que não me contou que você e Iara andavam tão íntimos? Vocês estão namorando?

– O quê? – arregalei meus olhos e dei um pulo para trás, meu coração bateu tão forte que pude sentir ele querer sair do peito. – Por que você acha isso?

– Vi vocês naquela sala do terceiro ano, vi como você olhou pra ela e... Tocou. – torceu o nariz quando disse a última palavra, mostrando que estava um pouco desgostoso.

É, agora tudo faz sentido, sabia que a gente deveria ter trancado a porta e colocado um pano para cobrir a janelinha.

– Nós não estamos namorando, somos... Amigos. – expliquei suspirando, sabia que não adiantaria fugir, então apenas dei as costas e comecei a andar num ritmo que ele facilmente me alcançou, andando comigo. – Ela está me... Treinando.

– Treinando? – franziu seu cenho, abaixei a cabeça pronto para contar a história, o Kim não ficaria satisfeito apenas com metade.

– Então ela está me ajudando. – terminei de explicar um pouco cansado apesar de omitir algumas partes, como o beijo que demos naquela festa e que eu não lembrava. Foi difícil contar tudo pois TaeHyung me interrompia toda hora para comentar sobre.

– Caraca... – estava pronto para uma bronca, um sermão dele dizendo que eu deveria me afastar, tomar cuidado, que Joheoon e sua turminha iriam pegar no pé ainda mais... – Pede pra ela me treinar também?

Oi?! Espera aí, oi?! Desde quando TaeHyung tem interesse nesse tipo de coisa? Eu não esperava essa reação dele, esperava essa reação de, sei lá, Hoseok caso o mesmo estivesse por dentro de tudo que acontece. Olhei para o moreno ao meu lado e seus olhos banhados em esperança não me enganavam, ele realmente queria aquilo.

– Sério? – ele assentiu. – Bem... Não sei...

– Por favor, Jungkook! Ela parece ser tão legal e, puta que pariu, eu quero muito! – implorou praticamente se jogando no chão. Eu não sabia se deveria, afinal Iara não tem obrigação de me treinar, tampouco treinar TaeHyung. Ela está fazendo um favor, então não sei se aceitaria fazer para dois. – Sempre quis conversar com ela, nem acredito que você já fez isso...

– Por que você nunca puxou assunto com ela, então? – franzi o cenho o olhando de canto.

– Porque eu sou meio tímido com garotas, você sabe. – é, era verdade. – Mas você vai pedir pra ela? Eu faço o que você quiser! Fico te devendo uma...

– Você me deve várias, TaeHyung...

– Então acrescenta mais uma no pacote! – riu de nervoso.

É, eu estava meio relutante quanto aquilo, Iara é bem humana, já percebi, porém não seria abusar da sua bondade pedir mais? Já é cansativo me treinar, eu acho, treinar nós dois seria pior. Ainda mais que Taehyung não sabe absolutamente nada sobre luta, tudo que ele sabe é o que os videogames mostram e, digo por experiência própria, na vida real é bem mais complicado que na telinha.

– Tá, okay, vou pedir para ela... – ele se animou, seus ombros subiram. – Mas não fica tão esperançoso, se ela disser "não", não quero você chorando atrás de mim.

O moreno assentiu, mas o sorriso dele não sumiu do rosto. Ficamos alguns minutos em silêncio, porém eu sabia que ia durar pouco.

– Pede pra ela agora? – não falei?

– Agora? – olhei para ele e terminei. – Impossível.

– Por quê? Você não tem o número dela? Manda uma mensagem aí, ou liga sei lá. – deu de ombros como se fosse algo fácil. Quer dizer, ligar ou mandar mensagem não era difícil, o difícil era saber como pedir aquilo. – Chama ela pra ir lá em casa agora.

– Pra que, meu Deus? – indaguei revirando os olhos e com um tom exausto.

– Pra me conhecer, sei lá, vai que ela vendo como eu sou gentil aceite com mais facilidade. – explicou.

– TaeHyung, eu não quero fazer isso...

– Minha mãe não está em casa, vai ser só eu, você e a Iara. Sério, por favor...

– Não. – respondi firme e sério, não mudaria de idéia por nada.

– Te compro uma pizza e um pote de sorvete.

– Certo.

Peguei meu telefone e procurei o contato de Iara no aplicativo, assim que achei, mandei um oi para ela e em seguida o convite para vir até a casa de Taehyung. "Você não disse que não ia ceder?", é, eu disse, mas quem não aceita fazer qualquer coisa por sorvete e pizza de graça? Me poupem, né.

Achei que ia demorar para sua resposta chegar, mas Iara respondeu na hora e Taehyung praticamente montou em mim para ler a mensagem.

– Ela aceitou!!! – disse empolgado.

– Aceitou ir na sua casa comigo hoje, não te treinar...

– Tanto faz, é um começo.

Soltei o ar dos pulmões como alguém sem paciência, todavia TaeHyung me ignorou e continuou cantarolando e andando com aquele sorriso enorme no rosto. Eu sinceramente estava preocupado, não quero que Iara pense que eu estou tentando me aproveitar da sua boa vontade, apesar da morena não ter cara de quem pensa assim. Nós não nos conhecemos extremamente bem, porém, já sei que ela não é uma pessoa ruim, Iara tem um coração enorme — do tamanho dos peitos dela. Desculpa, não consegui evitar, os seios daquela garota são... Incríveis. —.

Como Iara não sabia onde ficava a casa de TaeHyung nós tivemos que ir buscá-la em um parque perto dali, mas não foi problema nenhum, quando chegamos lá a morena também já estava lá, então foi tudo bem rápido. Mostramos a casa de Kim para ela juntos, apesar de ele ser o dono eu também passo muito tempo aqui, então sinto como se fosse minha também.

– O que você quer fazer, Iara? – TaeHyung perguntou com um sorriso de orelha a orelha. Revirei os olhos.

– Quer jogar? – sugeri vendo a expressão confusa do moreno.

– Vamos! Eu gosto bastante!

– Sério? – TaeHyung franziu o cenho, porém logo o sorriso voltou. – Não se preocupe, temos joguinhos bem fáceis...

– Ela sabe jogar melhor que você, TaeHyung. – cortei meu amigo sem cerimônia alguma, vendo-o arregalar minimamente os olhos e encarar-me como se eu tivesse falado algo proibido.

– I-m-p-o-s-s-í-v-e-l.

⃟❖

– P-o-s-s-í-v-e-l. – provoquei vendo a cara de derrota do meu amigo enquanto o mesmo encarava o time de Iara estampados na tela por terem ganhado o torneio. O jogo é The King Of Fighters XIV, Iara escolheu o time da Zarina, Nelson e Bandeiras; e Taehyung escolheu o time da Angel, Ramon e Dinosaur. Ambos os times são muito bons, então Taehyung perdeu para Iara porque ela realmente joga melhor.

– Eu não estou acreditando... – murmurou encarando a TV com a expressão perdida.

A morena, orgulhosa da vitória, apenas riu e balançou a cabeça negativamente. Fiquei observando seu sorriso por um tempo, ele realmente era tão bonito quanto todo o resto, no entanto Kim logo acordou do transe pós derrota e se colocou de pé animado. Sugeriu que fôssemos lanchar e fora uma boa idéia, estávamos sem comer desde que saímos da escola.

– Que horas seus pais chegam, TaeHyung? – Iara perguntou enquanto íamos para a cozinha. TaeHyung na frente, ela no meio e eu atrás, fomos em fileiras pois o corredor era estreito demais para irmos todos lado a lado.

– Não sei, Iara, provavelmente só de madrugada. – o outro explicou olhando por cima do ombro. – Nao se preocupa, eu avisei que vocês dois estariam aqui, então os dois não vão ficar bravos se chegarem e você ainda estiver aqui.

A morena assentiu, chegamos na cozinha e eu me sentei em uma das cadeiras esperando a outra fazer o mesmo. Como Kim era o dono da casa ele que iria cozinhar para nós, no caso pegar pão e mais algumas coisas para montar lanches, TaeHyung e o fogão não se dão bem. Acreditem.

– Iara... Eu soube que você está ensinando o Jungkook a lutar. – nesse momento meus olhos voaram até as costas de TaeHyung, pois ele não estava de frente para nós, e eu quis voar nele. A morena olhou para mim rapidamente, infelizmente eu não soube o que aquele olhar queria dizer, então meu nervosismo só aumentou.

– Estou. Por quê? – respondeu com a voz suave.

– Queria saber se você pode me ensinar também, sei que não é fácil, mas se você pudesse... – Ele falava como quem não queria tanto assim, apenas para se divertir, mas eu sabia que se ela falasse não ele iria se ajoelhar no chão e implorar para ela com lágrimas nos olhos.

– Não vejo problema algum, Tae. – Espera. Ela "conheceu" ele hoje e já tem apelidos? Eu beijei ela é nem por isso tenho um apelido! – Eu e Jungkook treinamos lá na escola mesmo, depois da aulas, se quiser, pode aparecer por lá.

Quando ela disse sobre o horário dos treinos meu amigo parou de cortar o tomate e olhou para mim, na hora eu entendi que ele estava querendo dizer "então é por isso que você tem me abandonado na saída? Safado!".

Mas, Taehyung, este é apenas um dos motivos... Ainda tem DahYun.

Pensei comigo mesmo, ainda era muito cedo para alguém, além de mim e de DahYun, saber sobre nós dois. Agora, voltando, por que raios Taehyung já tem um apelido?! Eu sei que no começo eu não queria ter uma amizade com ela, quero dizer, ainda não estou totalmente acostumado com isso, mas ela podia me chamar por um diminutivo ou coisa do tipo... Ela faria mesmo se eu não quisesse.

– Ah, muito obrigado, Iara, de verdade! – ele se virou para nós e sorriu, depois pegou um dos lanches que estava pronto e entregou para ela. – Fica com o primeiro!

– Só por que ela vai te ajudar? – disse com um tom de deboche e cruzei os braços.

– E porque ela é mais legal que você. – mostrou-me a língua. Eu poderia rebater e criar uma daquelas discussões bestas de melhores amigos, porém, fiquei quieto assim que ele me deu meu lanche. – Pronto satisfeito?

Só respondi que sim depois que dei a primeira mordida, percebi que a Andrade nos olhava com um sorriso divertido no lábios, no entanto não pude retribuir pois ainda estava com o lance do apelido entalado na garganta. E eu sei que parece ciúmes, mas não é ciúmes, é apenas o correto. Eu a conheço há mais tempo e nunca fui chamado por um apelido, ele conversou com ela por uma hora e já é chamado de "Tae". Não é ciúmes, é bom senso.

❒⃟⃟𖡷

TaeHyung tinha ido comprar mais barras de chocolate para nós, pois acabamos com as três que ele tinha em casa e queríamos ainda mais. Eu e Iara ficamos sozinhos, poderíamos ir com ele mas... Mas não tenho uma desculpa boa mesmo, foi só por preguiça. Como eu não tinha muitas idéias para o que fazer enquanto Kim estivesse fora, eu e ela resolvemos jogar videogame até ele voltar, uma partida contra.

Ganhei dela nas duas vezes que jogamos no fliperama, vamos ver se no console é a mesma coisa.

Começamos a jogar o modo local do Call Of Duty: Ghosts e, droga, me arrependo muito de ter colocado esse jogo. Eu me esforcei, juro que me esforcei, tentei até trapacear colocando a mão no seu controle mas nada foi o suficiente, o time dela ganhou por 30 pontos. Ela me matou tantas vezes que o corpo do meu personagem seria apenas pipocos se fosse mais real, os tiros vinham e eu nem sabia de onde, só sabia quando mostrava o replay e eu olhava a tela dela.

Iara ficou tão feliz que se levantou para fazer uma dancinha alegre, era engraçada e simples, não passava de uns passinhos para o lado enquanto ela mexia de leve os quadris. No entanto ela inventou de dar um giro no final, mas o piso de TaeHyung estava meio escorregadio e seus tornozelos giraram rápido demais, fazendo-a perder o equilíbrio. Eu me desesperei, dependendo do modo como ela caísse iria se machucar feio, ainda mais por ser azulejo. Praticamente me coloquei embaixo de si e a segurei quado caiu sobre mim, soltei apenas um ruído de dor por causa do impacto bruto entre nossos corpos.

– Você está bem? – ela perguntou depois de alguns segundos se recompondo. Suas mãos foram para meu peito e ela levantou o tronco apenas um pouco, julgo que para ver meu rosto.

– Estou-

Quando abri meus olhos vi o quão próximos estávamos. Estávamos tão perto que seus olhos até ficavam borrados para mim, sua boca tão próxima a minha que eu podia sentir o ar quente bater nos meus lábios. Aquela posição não nos favorecia em nada, minhas mãos na cintura dela, as suas em meu peitoral, nossas bocas com apenas alguns milímetros de distância...

Porra, eu deveria me afastar ou virar o rosto, mas quem disse que eu conseguia fazer qualquer coisa que não fosse olhar para sua boca?

– Iara... – murmurei, mas o resto da frase nao aparecia na minha cabeça.

– Jungkook... – respondeu, mostrando que também estava sem palavras. Ou pelo menos eu achei que estava. – Você lembra do nosso beijo?

Engoli em seco.

– N-não...

– Quer lembrar?

Meu coração travou na garganta, era questão de tempo até ele saltar de uma vez e bater na cara da garota sobre mim. Iara me olhava ansiosa, ela realmente parecia estar falando sério e aquilo me preocupou. De fato eu também estava confuso quanto ao que queria, sim, eu praticamente já não estava mais aguentando ficar longe da boca dela, porém, meu coração me dizia que era perigoso demais trilhar aquele caminho.

Só que os lábios dela são tão sensuais...

As imagens dela beijando aquele garoto no ginásio não tardaram em aparecer, eu me lembrei exatamente de como ela fazia o garoto ficar trêmulo por tê-la alí com ele, me lembrei de toda a vontade que a morena mostrava fazendo aquilo e queria sentir todas aquelas sensações em minha própria pele. Mas eu não queria falar, tinha medo que minha boca trocasse as palavras, como quando você quer aceitar algo mas acaba dizendo não. Aproximei meu rosto do seu e vi suas orbes se arregalaram minimamente, surpresas com o meu avanço.

– Voltei!!! – ouvimos o grito vindo da porta da frente da casa, olhamos juntos para o corredor ao nosso lado e, depois, voltamos a nos encarar. Automaticamente nos afastamos, Iara voou para longe de mim e eu permaneci quieto aonde estava. Os passos foram se aproximando do quarto e mesmo longe dela eu senti o suor frio escorrer pela minha testa, logo a porta se mexeu. – Ué, o que vocês estão fazendo?

Olhei para trás e vi Taehyung alternando o olhar entre mim e Iara, engoli em seco sem saber o que dizer, todas as desculpas saíram correndo e saltaram pelo meu ouvido. É idiotice ficar travado assim, todavia não é como se eu pudesse controlar.

– Ele está bravo comigo. – nós dois olhamos para Iara de cenho franzido.

– Por quê? – perguntou desconfiado.

– Porque eu ganhei dele e ele não quis aceitar, daí ficou emburrado.

Iara olhou para mim com cumplicidade, eu liguei os pontos e mirei TaeHyung que me olhava com uma cara de riso. Encarnei o Leonardo DiCaprio e fechei minha expressão, não muito para não parecer forçado, o suficiente para parecer chateado como um péssimo perdedor.

– Tanto faz. – dei de ombros e cruzei os braços. Kim não aguentou aquela falsa infantilidade minha e começou a rir, balançando a cabeça negativamente e dizendo alguns "isso é karma"

– Ai, toma aqui, vê se melhora seu humor. – entregou-me uma barra de chocolate da sacola e eu abri um sorriso, colocando a atuação de lado.

Iara também esqueceu a mentira e voltamos ao que estávamos fazendo antes; jogando. Porém eu ainda não conseguia tirar da minha cabeça que minha boca iria relembrar detalhadamente do beijo da minha colega de classe.

⃟❖

O tempo foi passando e passando, logo aquele ocorrido e mais cedo fora esquecido e eu só conseguia rir das palhaçadas que fazíamos enquanto nos divertíamos. Ficamos tão relaxados que esquecemos até da hora, só fomos nos tocar de como era tarde quando a lua já estava no céu e os sons de carros ficaram quase extintos. Já se passavam das 23:00, estávamos com um grande problema para resolver.

– Seus pais não podem vir ter buscar, né? – TaeHyung perguntou para Iara que balançou a cabeça negativamente.

– Mas eu posso ir sozinha. Não tem problema.

– De jeito nenhum, você mora longe daqui é é muito perigoso. – me opus àquela idéia um pouco alarmado demais, só de imaginar Iara andando sozinha pelas ruas já me dava calafrios. Percebi que mostrei interesse demais quando vi Kim TaeHyung me olhar confuso, assim como Iara me olhava surpresa.

Meu amigo não fez muito caso daquilo, deu de ombros depois e continuou:

– Você pode dormir aqui, meus pais me falaram que não voltam hoje e liberaram a casa. – explicou. – Jungkook praticamente mora aqui, então eu nem preciso perguntar se ele vai querer ficar também.

– Idem. – afirmei.

A morena parou para pensar alguns segundos e depois concordou em silêncio, pegou seu celular e digitou algumas coisas que julgo serem mensagens aos seus pais. Minutos depois o celular vibrou na mão dela e ela sorriu, levantando a cabeça em seguida e nos olhando.

– Eles deixaram, estão desconfiados, mas deixaram. – completou. – Disseram que vão me buscar amanhã cedo para ir pra escola.

Com isso tudo ficou decidido, Iara iria passar a noite na casa de TaeHyung com a gente e iríamos nos divertir muito ainda, provavelmente ficaríamos jogando até os três caírem apagados. Tae explicou para que ela poderia dormir no quarto de Eul-Bi, sua irmã mais nova, ou que poderia dormir com a gente no quarto dele caso ela não quisesse ficar sozinha. Óbvio que a colocaríamos na cama e ficaríamos no chão, poderíamos pegar o colchão velho de casal dos pais do dono da casa.

– Aliás, pode pegar um pijama da Eul-Bi, ela não vai se importar, nem está aqui mesmo. – ofereceu com um sorriso. – Só não sei se eles vão servir em você, ela é mais nova e, mesmo se fosse mais velha, acho que o corpo dela nãp seria... – TaeHyung olhou a morena de cima a abaixo analisador demais, ele percebeu a asneira que estava falando antes de terminar e então ficou assustado, sem saber como finalizar. – A-ahn... É que...

Iara estava segurando uma risada enquanto via o desespero de TaeHyung, suspirei e balancei minha cabeça negativamente, meu amigo às vezes consegue ser bastante burro quando quer. – Você pode dizer que ela tem um corpão, TaeHyung

Olharam para mim como se eu fosse uma mistura de álien com centopéia, na verdade só como alien mesmo, um Alitopéia seria muito nojento de se ver realmente. Eu sei que deveria tomar mais cuidado com as coisas que falo, todavia elas às vezes saem sem eu perceber, eu formulo a frase e solto antes de pensar na reação das pessoas.

– Bem... Okay né, não deixa de ser verdade. – o moreno falou lentamente me olhando de soslaio. Queria bater minha cabeça na parede, mas isso só deixaria ainda mais óbvio os meus pensamentos.

– Então... Muito obrigada. – ela agradeceu e curvou.

– Vou pedir pizza, quer do que?

– Do que vocês quiserem! – gritou enquanto ia em direção ao corredor, acho que para usar o banheiro.

– Vamos pedir uma doce e uma salgada. – Kim olhou para mim novamente, e então completei: – Mas estás não estão contando aquela que você está me devendo.

– Qual que eu estou te devendo? – fez uma cara de ironia, como quando alguém diz que você fez algo que você não fez e você desmente a pessoa só com a expressão facial.

– Você me deve uma pizza e um pote de sorvete, querido. Foi o preço por pedir que Iara vinhesse aqui.

Então era isso, eu, Iara e TaeHyung passaríamos a noite juntos na mesma casa. Não estou preocupado, com certeza será uma noite divertida e normal... Contanto que o Kim não nos deixe sozinhos novamente.

°•°

A noite não estava sendo tão fácil, mesmo estando cansado, eu não conseguia dormir pois não parava de pensar no que tinha acontecido com Iara mais cedo. Eu tive... Um sonho estranho, não preciso entrar em detalhes, só preciso dizer que acordei com a camisa me incomodando por estar grudando em meu corpo. Tirei a peça e enxuguei meu peito, TaeHyung dormia feito um bebê e no visor do meu celular ao lado pude ver que já passavam das 03:00 da manhã. Eu não tinha tanto tempo assim para dormir, ainda tinha que ir para casa e me arrumar antes de ir para escola.

Porém, antes de poder voltar a dormir, ou ao menos tentar, desci para a cozinha pois precisava beber um copo d'água, minha garganta está tão seca que chega a doer. Entrei na cozinha e não acendi as luzes, as cortinas estavam abertas e a lua conseguia iluminar parte do cômodo, então eu conseguia ver as coisas com clareza. Escutei passos atrás de mim e imaginei que seria TaeHyung, porém, ao me virar, me deparei com uma imagem que fez minha cabeça entrar em colapso.

– Ainda acordado? – ela perguntou tombando a cabeça para o lado, mas eu não conseguia responder.

Iara estava usando um dos pijamas de Eul-Bi, TaeHyung estava certo quanto o tamanho, havia ficado... Apertado na morena. O conjunto era até um pouco infantil, estampado com pandas azuis, a blusa de regata e o short que parecia que lhe apertava as coxas. Foi inevitável não olhá-la de cima abaixo, mas me senti um pouco melhor ao vê-la olhar meu tronco desnudo e umedecer os lábios. A situação estava ficando novamente perigosa, então desviei meus olhos das coxas dela para seu rosto e limpei minha garganta.

– Acordei por causa de um sonho. – falei.

– Que sonho? – perguntou passando por mim. Seu cheiro adocicado de coco me fez fechar os olhos e suspirar baixinho.

– Não foi nada demais- – parei de falar quando me virei e a vi curvada para baixo, sua bunda empinada em minha direção enquanto ela procurava algo na parte inferior da geladeira. – A... Ga-garrafa e-está aqui?

– Hm, sério? – ela se abaixou um pouco mais, engoli em seco. Iara ergueu-se novamente e me olhou com um sorriso, pude ver nos seus olhinhos que ela havia feito de propósito, para me provocar. Eu não queria entrar no jogo dela, precisava me manter firme. Provocação leva a provocação e... Todos sabem como acaba.

Como não respondi, a morena passou por mim novamente e pegou o galão de água que estava na bancada. Despejou o líquido incolor em seu copo e foi em direção a saída, porém parou próxima ao corredor e eu já prendi a respiração, esperando para ver o que ela tinha a dizer.

– Eu não consegui dormir porque não parava de pensar sobre mais cedo. – falou com a voz suave, olhando por cima do ombro para mim.

Não precisei perguntar mais para saber de que momento ela se referia, está óbvio demais e eu já não estou aguentando ficar desse jeito. Larguei o copo que segurava na mesa e fui até ela, segurando seu braço e a virando para mim. Deveria ter a beijado daquele jeito, porém eu senti vontade de ir ainda mais além, então segurei suas coxas e a coloquei sentada no balcão ao nosso lado. O barulho das coxas de Iara contra a peça me fez pensar que estava sendo muito bruto, porém eu tinha quase certeza que ela gostava disso, então continuei. Segurei-a por trás e me aproximei de si, uma das mãos que estava em sua bunda subiu até seu rosto e eu segurei seus cabelos, apertando com um pouco de força.

Ela soltou o copo que estava segurando, não dei de tempo que falasse nada, quanto mais rápido eu fizesse aquilo melhor. Beijei Iara de uma vez e naquele momento fiquei entre me sentir arrependido de ter ficado bêbado demais naquela festa para não lembrar do seu beijo, ou se ficava agradecido por ter feito aquilo, pois talvez se não tivesse nós não estaríamos aqui agora.

O beijo dela é algo quase que surreal, sua boca se encaixa tão bem a minha que parecemos um só. Os lábios de Iara sempre me pareceram macios e carnudos, porém, tocando eles agora, percebo que vão muito além das minhas expectativas. Suas mãos vão para as minhas costas já secas, sinto suas unhas fazerem uma pequena pressão na minha pele, porém ela não chega a arranhar de fato. Suspirei contra sua boca e puxei um pouco mais seus cabelos, ela abriu mais as pernas e eu me coloquei melhor naquele espaço. Já estávamos passando um limite que impus na minha própria mente, no entanto, ainda assim joguei meu quadril contra o seu. Sua reação fez tudo valer a pena, o pequeno ruído que ela soltou, equivalente a um gemido, fez todos ps pelos do meu corpo se eriçarem.

Findamos nosso ósculo com algumas mordidas afoitas, mesmo depois de separados, não consegui afastar meu rosto do seu. Abri meus olhos e vi que ela também ainda estava em processo de transição, então apreciei o seu rosto com as bochechas vermelhas e a luz branca da lua iluminando sua pele. Peguei ela no colo novamente e a coloquei no chão, afastei meu corpo do seu e nos encaramos mais uma vez. Nenhum de nós sabia o que dizer, eu também não queria falar, poderia estragar aquele momento com qualquer idiotice.

– Boa noite. – sorriu, colocando uma mecha de seu cabelo atrás de orelha.

Sorri de volta para si e respondi, lhe dando um selinho que a fez sorrir bobq para finalizar.

– Boa noite.

Eu tenho noção do que fiz, sei bem como vou me sentir depois mas, pela primeira vez, eu não quero pensar no depois e nas consequências. Não quero dizer que vou aproveitar o momento, eu só não quero ficar me martirizando, vou esquecer ou algo assim.


Ei, ei, não se esqueça

De como gemi seu nome nem

Do gosto dos meus lábios. - Romeo'ss Quest



Notas Finais


Email: [email protected]
Twitter: Dii_Kook
Kakao: diikook
Instagram: dii_kook
Snapchat: dii.as
Skype: khadyjathecat
Amino: Dii_Kook
Facebook: Dii Andrade
Amino: Dii_Kook


♣ Em andamento ♣


Fanfic JEON JUNGKOOK (GOL): https://spiritfanfics.com/historia/game-of-love--jeon-jeongguk-10686159

Tristeza e Felicidade 2ºTemp (JK): https://spiritfanfics.com/historia/tristeza-e-felicidade--segunda-temporada-jeon-jungkook-10422940

Fanfic JUNG JAEWON (PCSLE?): https://www.spiritfanfics.com/historia/palavras-ceu-sorrisos-labios-e-eu-11251673

Fanfic PARK JIMIN (ODEAV) - Leiam!!!): https://spiritfanfics.com/historia/o-damo-e-a-vagabunda-6776492


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...