1. Spirit Fanfics >
  2. Trocadilho (Bakudeku - Katsudeku) >
  3. Era pra ser apenas uma viagem

História Trocadilho (Bakudeku - Katsudeku) - Capítulo 1


Escrita por: BD_World e _Londres_

Notas do Autor


Oiii ! Saudações amores ♥️
Minha deusa, minha deusa... MINHA DEUSA !
Gente, eu não to acreditando que tô escrevendo pra um projeto kkkk esse momento é meu 🤧
Eu tô muito feliz. Vocês não fazem ideia do surto que foi
Mas enfim
Eu me esforcei bastante pra fazer uma one legal e espero que gostem
Essa = tudo pra mim
Amei escrever ela e foi isso kkkkkm
PARTIU CAPÍTULO

Capítulo 1 - Era pra ser apenas uma viagem


Segurou firme a ponta da mala, sentiu o leve e clássico frio na barriga tomar conta de si, e se perguntou de forma trêmula; ‘’O que eu vou fazer ?’’. Olhou ao redor e viu várias pessoas passando por si, se pergunta como existem humanos que fazem isso mais de 3 vezes por mês. Juntou coragem que nem si próprio sabia que tinha e então começou a andar em passos levemente tensos, e suas mãos se encontravam frias por conta do medo que sentia.

Midoriya Izuku, um homem de 22 anos, iria embarcar em um avião pela primeira vez em toda a sua vida, e como era de se esperar, estava em total pânico. Sempre teve o maior medo de altura desde que se entende por gente, porém está preste à andar de avião... se sente no começo de uma piada ‘’ O homem com medo de altura, que está preste a embarcar em um meio de transporte aéreo’’. Via novamente as pessoas ao seu redor e ficará se perguntando como foi o primeiro voo dessas pessoas, e como elas fizeram para superar o medo... pois precisava dessa dica agora.

E iria para Portugal, um país longe, onde se demorava no mínimo 12 horas de avião. Sem dúvidas prefere demorar 1 semana de ônibus e navio, à ir de avião. Porém não tem o luxo de poder demorar pois tem uma pessoa que precisa ver, e a mesma está em Portugal a mais de 2 meses, e ficar sem ver seu namorado que tinha cabelos bicolores, estava o deixando louco de formas que nem deus saberia explicar de forma certa.

Sim. Namora um jovem homem da mesma idade, que agora estuda na universidade de

Lisboa . Ainda se lembra do dia que ele foi aceito, e ficou um tanto quanto feliz nessa hora, pois lembrar de algo tão feliz que passou junto a ele é completamente satisfatório, e lhe faz sentir como se realmente estivesse junto a seu namorado, como se ele... nunca tivesse ido ou ter ficado longe por muito muito tempo.

Olhou o relógio e verificou a passagem que informava o desembarque do voo exatamente as 11:00 da manhã, e agora seriam 10:30. Realmente não queria correr o risco de perder esse voo, então saiu um pouco cedo de casa. Isso era bom ! sabe que pela hora não vai perder o avião, mas sendo honesto consigo mesmo... não sabe se vai manter a calma no avião, ficar 12 horas a mais de 10 mil pés de altura... que Deus o ajude.

Começou a pensar nas milhares de coisas que poderiam acontecer, até nas que tinham menos de 0% de chance. Conhece perfeitamente esses momentos, porém sempre tinha ele.. que o ajudava fazendo alguma coisa ou iniciando uma conversa que o tiraria o foco do que estivesse o assustando. Porém ele não esta aqui agora.

Sem dúvidas a pior parte foi lembrar da pequena possibilidade do avião cair, todos em pânico e ele não podendo se despedir, não podendo fazer nada. Ao pensar isso começou a sentir seu coração batendo em uma velocidade impressionante, suas mãos tremendo e um suor frio começar a descer de sua testa. Com os segundos não foi mais possível manter a respiração sobre controle, e acabou tendo que respirar pela boca.

Todos que passavam viam a imagem de Izuku apoiado na cadeira de espera, e parecia como se o mesmo estivesse a um passo de ter um ataque cardíaco.. e honestamente pode acontecer se continuar assim.

-Ei, você tá bem ou tá morrendo ? – uma voz rouca se fez presente ao seu lado o deixando com pelo menos um pé na realidade – Serio, se estiver prestes a ter uma parada cardíaca, pelo menos vai pro banheiro. – a voz do cara loiro disse logo antes do mesmo pegar seu celular do bolso da calça e o desbloquear. Izuku ficou olhando com um pouco mais de atenção até que finalmente conseguiu minimamente se acalmar o bastante para falar algumas coisas

-Me desculpa. Eu to... nervoso com o meu voo – O loiro então observou o pé do esverdeado que estava um tanto quanto agitado – Mas obrigado pela preocupação... eu acho – Olhava para todos os cantos em busca de algo para se distrair minimamente, mas não teve sucesso nisso. Começou a levar seus dedos até a boca e começou a roer de uma forma desesperada e como se nada mais importasse.

De certa forma sua tensão apenas aumentou a sentir um par de carmesins o observando da cadeira ao lado da sua. Já não estava no melhor momento, e agora receberia mesmo uma secada de olhos ? tem como as coisas piorarem ? acha seriamente que não.

-Você é virgem nisso né ? – sentiu uma grande vergonha tomar conta de si assim que ouviu com clareza o que o loiro tinha dito. Midoriya apenas fez uma expressão de vergonha misturada com verdadeira dúvida – Porra ! você é virgem em voar né ? eu perguntei se é a sua primeira vez em um avião – Ouviu ele falar isso e pra ser honesto... não o ajudou.

Agora só sente mais vergonha ainda por ter entendido errado, e com certeza o outro está o achando um belo de um pervertido agora. Com certeza para si teria sido bem menos humilhante se ele tivesse dito ‘’Virgem’’ na frase tradicional.

- S-sou... eu nunca andei de avião e nem sei como funciona. E-eu deveria saber de alguma norma de segurança antes ? tipo... algo de sobrevivência caso o avião caia na água ou na mata ? – Viu o rosto levemente preocupado e um misto de dúvida – E-eu devo ? – perguntou novamente, dessa vez e encolheu um pouco na cadeira em sinal de vergonha.

O loiro apenas pegou o celular e digitou algo, como se estivesse digitando uma mensagem para alguém, até que a atenção do mesmo saiu do celular e se voltou novamente para as esmeraldas que estavam levemente com um ar de ‘’medo’’

- Não. Você não precisa saber uma regra de sobrevivência na água ou na terra, a menos que seu destino seja o triângulo das bermudas ou se você vai ficar largado no meio da floresta amazônica – O loiro colocou uma perna sobe a outra, se voltando mais uma vez sua total atenção ao aparelho do celular – Mas se quiser um conselho; música durante a viagem e fala pra aeromoça não te perturbar com nada, se concentra na música e vai –

Midoriya começou a sentir seu coração diminuir a velocidade e até que era um bom conselho que valia a pena ser seguido

-nossa, eu gostei... eu fazia isso nas minhas viagens de carro que eram longas. Eu colocava música, evitava de eu passar mal. Mas funciona em avião ? – perguntou de uma forma meio duvidosa e não sabe o motivo, porém está evitando o contato visual, coisa que ele não esta fazendo igual – porque carro é carro e tá na terra.. mas uma avião tá em cima né ? – apertou as mãos de forma meio leve se permitindo sentir uma leve ponta de tensão devido a situação.

-Experiência própria – Ouviu o outro falar e então mostrar a tela de seu celular. A mesma estava com várias músicas que ele tinha baixado – Foca na música e esquece da situação de merda que você tá – Izuku balançou a cabeça e logo abriu em um aplicativo de musica que tinha em seu celular. Sorte que tinha a opção de ouvir off-line, com certeza isso séria extremamente útil agora.

-bom não tenho uma escolha agora.. então vou tentar. Obrigada pela dica – não recebeu nada além de um silêncio da parte do mesmo – Qual seu nome ? – O esverdeado pergunta de forma neutra e tomando coragem para fixar os olhos nos dele, mesmo o loiro ainda estando focado em seu celular. -Katsuki – Uma leve olhada foi dada pelo menos assim que acabou de falar a frase.

Rapidamente puxou um fone de fio branco do bolso da jaqueta e colocou no ouvido. Iniciando uma música que dava pra ser ouvida em leve volume por Izuku.

Midoriya desbloqueou o aparelho, vendo que ele estava 90% decidiu o colocar em modo economia e não mexer nele por hora, porém alguns minutos depois acabou sentindo o peso do tédio sobre si e

decidiu falar com o outro de novo.

- O que você ta ouvindo ? – Perguntou em um tom não tão baixo e Katsuki apenas retirou um de seus fones, o que permitiu que a musica agora seja ouvida em um tom bem melhor. E teve sua sede de curiosidade saciada assim que ouviu um rock estilo metal saindo do fone esquerdo – A... Eu particularmente prefiro pop, sabe ? – Um novo silencio se fez no local e o maior voltou a colocar seus fones.

Bom... para a sorte de Izuku, não estava mais tão assustado assim. Agora tinha uma dica que pode ser útil, e como funcionava em sua época de infância, com certeza funcionária agora também. Olhou no relógio e viu que era 10:47, e seu voo não demoraria muito para sair.

- Se importa de me falar pra onde você vai ? tipo... avião pra onde ? – O esverdeado de novo pergunta de forma calma. E novamente vê o outro tirando os fones e indo olhando para seu rosto com um olhar que não era o mais calmo.

-Caralho ! sabe o que é ficar quieto e me deixar ouvir música ? – Katsuki rosnou de forma severa e voltou a colocar seus fones no ouvido, e fez questão de aumentar o volume. Porém confessa que não deixou de ficar levemente culpado assim que viu o rosto levemente triste de Izuku – Espanha. Indo pra lá por diversão – Os dedos apertaram os botões do celular e desligaram o mesmo e logo

Katsuki tirou os fones do ouvido – E você ? tá indo pra onde ? – ele se apoiou no braço da cadeira.

-Portugal. Tô indo ver uma pessoa muito importante para mim – Um sorriso se fez no rosto de Izuku e de pouco em pouco, em questão de segundos... a timidez sumiu ! igual mágica .

Ficaram conversando por uns minutos sobre o estilo musical até que uma voz feminina ecoou pelo ambiente.

- última chamada para o voo de Portugal do bloco 6. O voo sai em 5 minutos –

O coração de Midoriya parou por breves segundos até que lembrou que nem isso tinha – Ai meu Deus é meu voo ! me desculpa mas eu tenho que ir – pegou a mala e se levantou após verificar se estava com celular, fone e documento principal no bolso – Foi um prazer falar com você... tchau – Apenas recebeu um aceno de despedida e correu em direção do voo da plataforma... foi um milagre conseguir o pegar a tempo

E no fim... as 12 horas se pareceram 2... pois a dica daquele moço realmente funcionou.

(....)

Desfilava pelas ruas enquanto olhava para as lojas, as ruas, e até os postes... De certa forma eram bem diferentes do brasil, o ar era diferente, e melhor de se respirar.

Honestamente agora entende o motivo de seu namorado ter escolhido fazer faculdade em Lisboa, ele sempre teve bom gosto para viagens e lugares para estudar, realmente ele não errou dessa vez.

Olhou para o hotel onde iria ficar, olhou o prédio de cima a baixo e a quantidade de andares que o mesmo tinha. Sorte que alugou por uma semana inteira, e faria ser a melhor semana que passaria com uma das pessoas que mais ama. Entrou e se deparou com o fino carpete de veludo branco, e uma linda mesa pequena de mármore junto a um grande vaso de cerâmica preta.

-Parece que valeu a pena cada centavo – Sorriu e deu pequenos pulinhos de empolgação até a bancada da recepção, tomando cuidado para não tropeçar em sua mala. Se deparou com um corredor com algumas portas e com certeza vai ver o que elas são quando passar por lá.

Se apoiou na bancada levemente gelada de granito e viu que tinha um pequeno sininho como os de bicicleta – Eu sempre quis fazer isso –Sorriu de forma larga ao pensar tal frase, e logo depois tocou o sino e esperou alguns segundos até chegar uma jovem de cabelos castanhos e curtos, vestindo um paletó branco com a logo de galo do hotel no peito direito.

-Boa noite senhor, bem vindo ao hotel de Lisboa ! como posso lhe ajudar ? – ela pergunta de forma simpática e depois mostra um pequeno cartão com algumas informações sobre si.

-Meu nome é Izuku Midoriya, eu gostaria de fazer uma hospedagem de uma semana... qualquer quarto esta bom – Ouviu ela discando algumas coisa no computador, e em alguns minutos tinha a chave em suas mãos. – Muito obrigado–

-- Não precisa me agradecer. Espero que aproveite o tempo de estadia no hotel – Gastou algum dinheiro, porém valeu a pena... Realmente o hotel era bem bonito, e não era atoa que tinha ótimas avaliações. Parou para olhar um cartaz com o mapa do hotel e os horários do café da manha, almoço e janta. Mas a ultima coisa que queria era comer, já tinha devorado varias coisas no avião.

Abriu a porta e se deparou com um quarto deverás bonito. Com um lençol laranja claro em uma cama de casal branca, travesseiros que pareciam extremamente fofos, uma mesinha ao lado e um abajur na mesma, fora alguns elementos como um guarda roupa e o banheiro do quarto.

Não pensou duas vezes, se jogou na cama sentindo a maciez da mesma. Se pudesse ficaria o dia todo nelas aproveitando essa sensação que deve ser a mesma que deitar em uma nuvem fofinha. Pegou o celular de seu bolso e tirou uma foto logo a mostrou para Mina que não viu de imediato... bom, precisa esperar ela responder. Pulou da cama e foi em direção ao banheiro e tomou um banho quente de banheira. Pode parecer bobo... mas se sente um rei fazendo isso.

Depois de alguns minutos, 20 sendo exato... saiu do banheiro com o roupão e se sentou em sua cama e secou o cabelo com uma das toalhas que tinha no armário do banheiro, pegou o celular e viu que tinha algumas ligações perdidas de Mina, então logo a atendeu.

-Fala – Disse ele de forma meiga colocando o celular no vivo a voz e se deitando na cama – Amiga eu to em Portugal ! da pra acreditar ?—Olhou o teto levemente branco e o lustre que estava um pouco abaixo do nível da cama no teto.

-É amigo... demais. Porém tenho uma coisa pra te contar... fiquei sabendo essa manhã, e eu tentei ligar pra você só que não atendeu – o jeito de fala da mesma parecia um tanto quanto triste, como se algo tivesse acontecido e uma noticia precisasse ser dada.

-É, eu coloquei o celular no modo silencioso e sem ligações. Tá tudo bem mina ? – ele pergunta de uma forma preocupada

-Comigo sim... mas é sobre você – Midoriya fez uma expressão de confuso e logo se sentou na cama, colocando os pés para dentro e ficando com as mesmas dobradas – Lembra que eu disse que eu entrei naquele aplicativo de namoro ? o ‘’ Minder’’ – Ele disse um sim – Então... hoje eu fui procurar algum gatinho ou gatinha pra ver se rolava, mas ai olha quem eu achei e com o perfil ativo até hoje

– Midoriya recebeu uma mensagem e logo saiu da pagina da ligação

Se chocou quando viu o nome; ‘’Shoto Todoroki’’. Seu mundo pareceu cair por um segundo, e seu coração pareceu quebrar por inteiro – Não ! Mina isso não tem graça. O Todoroki nunca iria me trair, nunca iria fazer isso comigo – Ouviu um suspiro do outro lado do celular e novamente recebeu uma mensagem. Dessa vez era um link de um perfil do tal app de relacionamento.

-Abre o link, Deku – Apenas o fez e sua cabeça pesou assim que viu o perfil de seu namorado.

Nome : Shoto Todoroki

Idade : 23 anos

Gosta de ? : Pintar, ouviu musicas calmas e passeios a qualquer hora

‘’Sou um rapaz calmo no geral. Procuro alguém que sempre esteja comigo, Filmes, alguns jogos, series de TV a noite, é isso que amo fazer com meu/minha companheiro/a

-o perfil tá ativo desde a um mês atrás... – O mundo de Izuku pareceu ficar cinza – Ele tava me traindo esse tempo todo Mina – Sentiu lágrimas escorrendo pelas suas bochechas -Não... ele não pode fazer isso, ele me ama... não ama ? – Mina se sentiu extremamente mal pelo seu amigo, e era triste não poder abraça-lo agora.

-Olha Izuku; eu já passei por isso, se ainda tiver dúvida, chama ele com uma conta falsa e convida ele pra um encontro... vai saber o que ele sente por você – O telefone foi desligado por Izuku e o mesmo se deitou na cama, colocou o braço cobrindo os olhos e começou a chorar em total sinal de tristeza.

*

*

Já na Espanha, não tão longe.. o clima era totalmente diferente – Senti falta desse lugar – O loiro falou de forma neutra enquanto olhava para seu jardim de girassol – Mas relaxa tá ? eu volto pro brasil quando eu puder, cabelo de merda –

- OK, e Katsuki não arruma outra briga de bar ! eu não to ai pra te ajudar – Falou um certo ruivo, com um tom irônico na frase – ce lembra ? – Você brigou com um cara por causa de uma bebida ! UMA BEBIDA KAT ! – O ruivo deu algumas risadas a meio das frases – Ai ele sabia lutar e você gritou; ‘’Kirishima seu merda ! me ajuda aqui’’ – O ruivo começou a rir.

-Vai se foder, cuzão – Katsuki apenas foi até a sala e se sentou no sofá enquanto se servia com um copo de whiskey com gelo – mas eu vou ficar bem, não precisa se preocupar não – Depois de algumas outras conversas, Bakugou desligou o celular e foi até sua cama e se deitou. Amanhã vai se preocupar em arrumar aquela maldita bagagem, afinal... queria lembrar do tal esverdeado.

*

*

De volta a cabeça confusa de Izuku, que estava ativa a horas... e agora já eram 3 da manhã . Infelizmente não sabe se vai conseguir acalmar sua cabeça hoje, não depois de tudo o que aconteceu. O mais louco, é que a ideia de Mina de ‘’emboscar’’ Todoroki não saiu de sua cabeça por nenhum único segundo, e pra ser honesto, na calada da noite... essa ideia teve mais lógica .

Olhou com um olhar sério para o teto e viu o brilho do celular brilhar sobe a mesa da cabeceira que estava ao seu lado. Olhou fixamente para o celular e o pegou sem se importar com absolutamente nada, instalou o aplicativo e logo criou uma conta usando uma foto de um amigo que ele tinha, um amigo que Todoroki ainda não conhecia, tomou coragem para entrar no perfil de Todoroki e o chamar pra conversar, e tomou um grande susto quando viu que ele estava online.

- É bom ser fiel Todoroki-kun – As mensagens dele foi enviada e logo viu a tela ‘’digitando’’, e tremeu assim que viu que ele já tinha respondido Rmuko : Oi ? tudo bem ?

Shoto_roki : Sim, estou bem. E você ?

Rmuko : também ^^ mas eu quero ir ao ponto, logo ok ? eu adorei seu perfil e até dei like.

Shoto_roki : Eu vi, e você também não é nada mal.

Rmuko : Obrigado, mas.... gostaria de me ver mais de perto ?

Midoriya sentiu um ar de frio o entrar dentre as cobertas, não sabe se é por conta da temperatura ou por conta da atual situação que esta bem a sua frente.

Shoto_roki :claro, ficaria honrado

- Todoroki... – Midoriya fungou e revirou os olhos, torcendo para acordar do pior pesadelo que teve na vida. Mas sabia que não ia.

Shoto_roki : Quando você quer ?

Rmuko : Pode ser amanha à noite ? eu tenho assuntos pra resolver durante o dia Shoto_roki : Claro ! te espero amanhã... mas onde séria ?

Rmuko : No hotel ‘’Lisboa’’ as 21, só fala com a recepcionista. Vou deixar tudo pronto, Só chegar e falar que tem um encontro no quarto 61 ^^ agora eu preciso ir estou muito cansado.

Shoto_roki : ok, ate amanhã

Respirou fundo ainda tentando digerir toda a informação que teve em apenas alguns minutos de conversa. Estava sendo traído, a Deus sabe lá quanto tempo... e no final foi um idiota. Acreditando na mentira dele, e vai saber quantas vezes ele disse que estava na faculdade porém estava se divertindo com outros garotos e garotas por ai.

Se deitou na cama e desligou seu celular, e foi dormir, por hoje chega para si.

(...)

Olhou o pequeno pão banhado ao chocolate e o colocou em seu prato. Eram agora 9 horas da manha e o café da manhã estava na mesa, e estava faminto ! então pegou um pouco de cada coisa do café. Pegou pão ,frutas, chocolate quente, pão de queijo e um pouco de cauda de morango. Se se importava com o que iam pensar sobre seu prato cheio ? claro que não ! depois de ontem está na maior tristeza.

Se sentou em sua mesa até que lembrou do que seria a pior parte de seu dia; falar com ele cara a cara e terminar o namoro. Mas pra isso... precisava ser normal, pegou seu celular do bolso e

respirou fundo antes de ligar para seu namorado e ele atender.

-Oi.. como você ta amor ? – Izuku perguntou de uma forma feliz porém forçada, mas estava fazendo o melhor para não o xingar ou começar a chorar na ligação.

-bom dia Midoriya. Eu to bem, pensei que nunca ia me ligar. To morrendo de saudades suas, quer me encontrar quando ? to pensando em uma sessão de filme – Ouviu o bicolor falar e logo veio a ideia em sua mente; hora de ver o nível da mentira também, e que deus faça ele não mentir.

-Que tal hoje às 20:30 ? eu to no hotel bela noite... pode ser ? ou posso ir ai na escola – Esperou ansioso para a resposta dele, só espera que ele não seja tão cara de pau a ponto de mentir para si.

- Desculpe Izuku, hoje não vai dar. Eu tenho grupo de estudos hoje às 21:00 e eu quero passar a noite toda com você ! não só meia hora –Izuku colocou a mão sobe seu rosto, se segurando para não gritar nesse exato momento. – Espero que entenda, mas to ansioso pra te ver meu amor –

- aham... eu também to, então pode ser amanha então ? durante a tarde – Ouviu ele dizer um ‘’sim’’

– Ok. Agora eu preciso ir, tenho coisas pra arrumar no meu quarto, tchau – Desligou o celular assim que ele também se despediu e o colocou em cima da mesa que estava sentado. Logo apoiou os cotovelos nela e deu um grito interno de tamanho ódio.

Subiu para se quarto, com o objetivo de arrumar as suas coisas que estavam lá até agora. Abriu a porta e viu a mala preta do lado da cama, bem onde tinha a colocado. Se espantou quando estranhou a mala e como ela ... parecia maior. Abriu a mala e se deparou com roupas estranhas, e então percebeu; aquela não era sua mala .

Se sentiu totalmente desesperado, não sabia o que fazer. E como ultimo recurso... ligou para Mina

-VOCÊ O QUE ?! – logo depois desse grito ouviu ela rir em tom alto, mas Izuku não achava essa situação nada engraçada – Izuku eu não acredito que você fez isso... mas olha dentro da mala, vê se tem o documento do dono, um numero de telefone ou endereço não sei – O esverdeado então se jogou no chão e abriu a mala

-Boa ideia Mina ! -- Afastou o monte de roupas da frente enquanto procurava por um documento, um único que seja. Depois de alguns segundos achou um cupom e para sua sorte, estava o nome e

numero do dono

‘’ Bakugou Katsuki’’

-Sério ? –

*

*

-É, a mala é daquele brócolis – Bakugou falou observando a mala preta que era quase igual a sua – Eu não acredito que troquei de mala com ele – Foi até a cama e se sentou na mesma, ouvindo um chamado em seu celular

-E agora Bakubro ? como vai fazer pra destrocar ? – A voz de kirishima pelo telefone, cortava o ambiente do silencio – Precisa da sua mala de volta né ? – O loiro viu atrás da mala e lá estava um nome e um telefone, com certeza do dono original da mala

-CALMA CARALHO ! eu já sei o que fazer – pegou o celular e o desligou. Discou os números que estavam em um pequeno papel atrás da mala e em alguns segundos uma voz masculina o atendeu, uma voz que até conhecia – Olha brócolis eu sei... qual as chances ?-

-Eu sinto muito mesmo ! aquela hora que conversamos eu devo ter trocado as malas antes de sair pro meu bloco... eu realmente me sinto envergonhado agora – Izuku apenas colocou a mão na testa. Em sinal de leve alivio também, afinal.. já sabe com quem esta sua mala ! e isso era o maior dos problemas.

Relaxa, eu também não prestei atenção. Mas eu quero saber como a gente vai destrocar essas filhas da puta – Foi ate o sofá da varanda e se sentou lá apreciando o sol batendo em sua piscina, enquanto esperava – São 9 horas de viagem até ... onde você tá ? – perguntou sem saber.

-Lisboa –

- Daqui onde eu to da umas 9 horas. E como eu sou um homem que gosta de fazer tudo rápido, eu vou arrumas umas coisas e sair daqui amanhã cedo e te encontro seja lá onde você esteja em Lisboa—

-to no hotel Lisboa. Apenas chega e fala pra recepcionista chamar o moço do quarto 61 – Sua vergonha era tamanha ! porém a situação poderia estar pior, e que sorte que não esta. Depois ouviu ele confirmar e então desligou o celular, se jogou na cama e de repente...

tinha um problema e um semi- problema também.

(...)

Estava deitado em sua cama, a hora de Todoroki chegar deveria ser logo. Não consegue acreditar que esta fazendo isso ! Não consegue acreditar que precisa fazer isso. Nunca esperou algo assim dele, mas as vezes precisamos nos preocupar justamente com essas pessoas.... Jogou a cabeça para trás no travesseiro enquanto pensava nas inúmeras coisas que poderiam acontecer apenas nesse ‘’encontro’’.

Ouviu um bater na porta e logo foi ver quem era. Olhou pela pequena brecha e viu que era a recepcionista, e abriu a porta.

-Boa noite... tem um rapaz querendo te ver lá em baixo. Um homem com o cabelo de duas cores, alto, você conhece ? – Midoriya afirmou que sim e mandou o deixar subir. Sem demora a recepcionista saiu da vista do esverdeado e desceu o elevador até a recepção.

Izuku desligou algumas luzes do quarto e depois de alguns segundos a porta foi aberta por Todoroki.

-Oi... tem alguém ai ? – o mesmo pergunta de uma forma calma enquanto olhava ao redor e não encontrava nada. Viu o interruptor e ligou as luzes, dando de cara com o esverdeado na cama sentado e olhando para a tela do celular.

-Você mentiu pra mim Todoroki – Izuku disse apontando a tela do celular para o mesmo e

mostrando a conversa que teve junto a ele na noite anterior – Olha a conversa que você teve comigo... ou com o meu fake – Um silencio tomou conta do lugar até que Midoriya se aproximou do bicolor.

-Midoriya eu....... – foi interrompido por um tapa vindo de Izuku, que fez o virar o rosto para o outro lado. Midoriya tentava de tudo para se manter bem diante a ele, e se manter sã durante esse termino armado.

-Não tem desculpa ! você me enganou esse tempo todo, me fez de palhaço, e ainda mente na minha cara sobre o seu grupo de estudo – As esmeraldas se fixaram nos olhos alheios, e pareciam estar com muita raiva.. pois Izuku também estava.

-Eu quase não via você, eu não tinha coragem de terminar com você – Falou ele em tom baixo porém audível para Izuku

E achou que seria melhor.... mentir, me trair, me enganar e me deixar sofrendo ? – Novamente um silencio tomou conta do lugar, ate que novamente Izuku decidiu o quebrar – Vai embora... VAI ! – ele gritou e por choque Todoroki se virou e foi ate a porta, a abrindo – Acabou tudo... seu desgraçado – Depois dessas palavras Todoroki foi embora de vez.

E Midoriya se deitou na cama e chorou e se lamentou até dormir, a noite não tivera sido nem um pouco boa.

*

*

Espanha 14 horas e 37 minutos

Bakugou tivera acabado de se sentar no trem que o levaria até Portugal e lá iria destrocar a mala. Via as árvores do campo passando por si em uma velocidade incrível, Ainda não consegue acreditar que trocou as malas desse jeito. Com certeza foi um grande tolo, mas tudo bem.

Ficou pensando em qual a chances de estar a caminho de encontrar aquele cara de novo. Não nega que achou que seria a última vez que iria o ver, e essa ideia de o ver de novo... o deixa animado de alguma forma. O vagão deu um solavanco e a mala que estava em cima de si acabou abrindo e de lá caiu uma cueca box de cor vermelha.

-Merda – O loiro então pegou a mala e a fechou, colocou em seu lado e se abaixou para pegar a cueca que tivera caído no chão. Ao fazer isso conseguiu sentir o cheiro da mesma perto de seu nariz, Sorriu de uma forma estranha ao perceber que tinha um cheiro meio diferente dos cabelos verdes. Aproximou um pouco a cueca de seu nariz e começou a cheira de longe, como um cachorrinho cheira as compras que acabaram de chegar.

- Porra... – Falou ele de forma baixa. Sabe perfeitamente que esta sendo um puta pervertido agora, mas essa ideia não é o bastante para o fazer para com aquilo no momento – Puta que pariu ! que cheiro – E... no final foi até o banheiro do trem, e acabou batendo uma.

(...)

Algumas horas depois chegou a Portugal. Foi só questão de algumas horinhas a mais para chegar em Lisboa e se direcionar até o hotel. Não pode negar que Lisboa é sim uma bela cidade, poderia até viver aqui um dia.

-Boa noite. Eu estou aqui para ver o cara que está no 61, eu tenho umas coisas que ele quer –

-Só um segundo senhor – A recepcionista saiu de trás do balcão e foi a caminho do elevador e em alguns minutos voltou – Me desculpe a demora, sim.. pode ir – O loiro agradeceu e foi até o elevador com a mala se arrastando no chão, sorte que a mala tinha rodinhas.

Se deparou com um corredor de várias portas e andou vendo cada número até finalmente achar o 61; Bateu na porta esperando alguém atender e se deparou com o esverdeado que a abriu para si. Não nega que levou um susto assim que o viu de camisa larga completamente branca, um short que ficava um pouco balançado em si e seu cabelo levemente despenteado.

-Oi. Espero que não se importe, eu não tava aguentando aquela camisa então eu pequei uma da sua mala e um short... desculpe – Entrou no quarto de hotel e o convidou para entrar também. Depois disso eles destrocaram as malas e novamente pediram desculpas pelo acontecimento

Tchau... – Izuku o deixou na porta e voltou para sua cama. Foi uma atitude sem pensar, porém se deitou e começou a chorar, ainda estava bastante triste com o seu recente termino.

Os carmesins se fixaram no corpo magro e pequeno deitado sobre a cama, e uma certa pena tomou conta de si.

-‘Ce ta bem moita ? – Perguntou o loiro enquanto fechava a porta e se apoiava na mesma já fechada – Tá com uma puta cara de morte – Izuku apenas pegou um travesseiro e o abraçou entre os braços e as pernas.

-Eu ? acho que sim... e você ta com a sua mala, já pode ir – Ele se levantou e ficou sentado na cama, encarando os carmesins – Tá, sabe a pessoa que eu vim ver ? – o loiro apenas fez um sim – Ela... me decepcionou... e agora eu to na bad, na fossa, no brechó, fundo do poço... na merda –

Katsuki encarou o chão, tentando achar uma solução para isso. Essa situação é humilhante e deprimente, até mesmo para si – Verdinho ! – chamou a atenção de Izuku que logo o atendeu – Já passeou pela cidade ? – O esverdeado apenas fez um não com a cabeça e nesse momento os olhos esmeraldas se fixaram com os carmesins – então partiu –

(...)

Em um piscar de olhos, estavam arrumados e nas ruas de Lisboa. Obvio que só faltou Izuku ser arrastado pelo pé, o que o loiro disse que iria fazer caso ele não levantasse. E Bakugou queria apenas passear nas ruas de Lisboa por um tempo, afinal seu trem para Espanha só iria chegar de manhã ... então estava livre por essa noite.

Os dois continuaram andando pelas ruas e se depararam com tudo ! vinícolas, restaurantes, lojas muito lindas, barracas de lanche... Estavam em Lisboa – Quer saber ? eu preciso de uma ou duas dozes de tequila ! e você ? – O loiro saiu andando para um bar que estava aberto do outra lado da rua.

- Não... eu não quero beber – Izuku falou enquanto dava pequenos passos e entrava no bar junto do loiro.

- Tequila e... – olhou para os olhos verdes que estavam fixados em outro ambiente do local – Rum, por favor – O garçom apenas fez um sim e pegou algumas garrafas que estavam embaixo do balcão – Leva pra nossa mesa e vai levando, por favor ! Ele acabou de ser demitido – O loiro disse apontando para o esverdeado e logo foram para uma mesa vazia no canto do bar .

Se sentaram e o cheiro do local até que era muito bom. Com certeza não era como os bares do brasil, esse bar parecia ser demais... e também não estava muito cheio. Rapidamente o garçom trouxe dois pequenos copos e duas garrafas dos pedidos . Uma de rum e outra de tequila. Bakugou pegou a garrafa de rum e colocou um pouco no copo de Izuku, logo depois fez o mesmo em seu copo.

- Saúde ! – Disse ele virando o liquido na boca e logo depois colocado o copo de volta a mesa, dessa vez o copo estava completamente vazio. Bakugou viu Izuku triste apenas olhando para seu copo de bebida, nem chegando perto de beber o mesmo – Que foi ? sem sede ? – perguntou de forma seria logo olhando para o rosto do mesmo .

Só... sem vontade – Izuku forçou um sorriso de ambiente e logo percebeu o olhar do loiro – Eu não sei. Eu vim pra cá por conta do meu namorado, e descobri que ele tava me traindo com sabe lá quantas pessoas ! e isso ta me deixando arrasado –

- Era por isso que tava com aquela cara de merda no hotel ? – recebeu um sim de Izuku – Então foda-se seu namorado ! Ele que te perdeu – Logo depois de falar isso colocou um pouco mais de tequila em seu copo vazio – Aquele filho da puta que vá pra puta que pariu ! ele que não viu o gostoso que você era – Izuku corou assim que ouviu tal coisa saindo de Katsuki – Você tá solteiro, uma sorte que muitos não sabem que tem... então aproveita né caralho ? – Izuku pensou um pouco e logo seu semblante mudou por alguns segundos – Mas se não quiser beber, volta pro hotel –

Midoriya demonstrou um sorriso e logo pegou o copo e o virou em para dentro – Agora me colocou no clima – Disse em tom baixo e em um sorriso

(...)

Já estavam bebendo a 1 hora, e honestamente... estavam muito bem ali

- Ai ele chegou e falou ‘’ Desculpa Midoriya – O esverdeado falava enquanto tentava imitar a voz de seu namorado ao falar

- Sério ? – O loiro perguntou e logo recebeu uma confirmação de Izuku – Caralho.. que cuzão ! – Midoriya bebeu novamente um copo, dessa vez de tequila, já que seu rum tinha acabado pois bebeu tudo .

- Eu sei ! mas... – E de repente o semblante de Izuku mudou de novo – Ele me fazia feliz, era legal... e lindo. Mas ai.. chega a vida e fala : NÃO ! você não vai ser feliz com ele garotão ! – Izuku se levantou e começou a andar por uma pequena área do bar – Eu não sou feliz com ele – Ele dizia enquanto chorava e gritava no ambiente .

Katsuki logo se levantou e pegou Izuku pelo braço o trazendo perto de si – Porra, se controla né ? – O loiro pegou o rosto de Izuku e o trouxe para perto de si – Lembra: foda-se ele ! – Midoriya acenou com a cabeça em sinal que tinha entendido .

Os dois trocaram olhares por um tempo e logo Izuku colocou sua cabeça sobre o peito do loiro – EI... acho que eu preciso vomitar ! – Izuku correu para o banheiro e Bakugou foi logo atrás para ver se tudo estava bem.

Chegando no banheiro apenas recebeu Izuku em seus braços e seus lábios se colaram em um beijo que Bakugou não esperava. Izuku colocou Katsuki em cima do vaso sanitário que estava fechado, e se sentou no colo alheio e começaram a trocar beijos.

Midoriya começou a distribuir beijos no pescoço alheio, o que fez Bakugou fazer pequenos barulhos de prazer.

- Porra verdinho... – Disse ele, levando suas mãos até a nuca alheia. Izuku passou a lamber o pescoço alheio e logo colocou mão no abdômen definido do loiro – Sabe que você ta bêbado né ? e que não seria bom a gente fazer sexo agora – Essa frase deixou Izuku levemente com raiva .

- Eu não ligo ! só me deixa te beijar mais – Izuku tomou novamente os lábios rosados para si e mordeu o lábio inferior do loiro, o que o fez sangrar de leve no canto da boca. Os olhos esmeraldas brilhavam de desejo e os de Bakugou não estavam diferentes.

-Queria tanto te comer agora – Um sorriso se fez no rosto de Izuku

-Então vai ! me come aqui, me come agora se quer tanto assim – Os carmesins se fixaram no chão e uma leve risada se fez presente no local – Eu não gozo a dias – Uma carinha de ‘’cachorro sem dono’’ se fez no rosto fofo põem pervertido de Izuku .

-Você tá bêbado pra caralho né ? então deixa pra outro dia ok ? – Izuku abaixou a cabeça e saiu de cima do colo do loiro e encostou na parede – Vamos te levo pro hotel – O esverdeado acenou com a cabeça e os dois saíram daquele banheiro

(...)

Já era de manhã, Izuku tivera dormido na cama junto com Katsuki. E agora ? Bakugou estava arrumado para sair do hotel e voltar para a Espanha. Sua mala estava arrumada e dessa vez era a certa, E Izuku estava o abraçando nesse momento .

-Vou sentir saudade.... e desculpa por ontem – Falou meio sem jeito. Não tem um bom histórico de ficar bêbado e fazer coisas racionais ao mesmo tempo.

-Que historia é essa ? me da o celular – O celular foi entregue nas mãos do loiro e o mesmo anotou seu numero – Me liga ou manda mensagem se quiser. Eu vou estar apenas a aviões de distancia – Um sorriso se fez no rosto do verdinho.

-Obrigada. Pode apostar que eu vou te ligar sim – Bakugou foi para a porta em passos largos e parou na frente da mesma – Algum problema ? – Izuku pergunta de forma curiosa

-Só pra te lembrar que aquele ‘’Deixa pra outro dia’’ vai chegar ta ? – Izuku se lembrou do Flashback da frase do loiro na noite passa, quando ele disse que iria o comer.

-Eu to ansiosa – Izuku se sentou na cama enquanto via o loiro ir embora – Tchau tchau – E assim ele passou pela porta e a fechou.

Izuku se lembrou do motivo por ter vindo para Portugal, mas quando parou pra pensar... o aeroporto foi sem duvidas a melhor parte de sua viagem. Nunca ficou tão feliz de ter conhecido alguém, nunca ficou tão feliz em trocar suas bagagem... e com certeza nunca vai ficar mais feliz do que quando ver aquele loiro de novo.


Notas Finais


Oi ! Chegamos ao fim amores
Espero que tenham gostado da história ^^
Queria agradecer a :
@Typewriter ( Valeu pela ajuda na história, na sinopse e no título da história ♥️ )
@Moondelozz ( Obrigada pela capa e Baner, ficaram incrível te amo 💕 )

E por último @gabylulu ( Obrigada pela betagem e por ser incrível 💗 amei )


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...