História Tróia (Yoonmin) - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Super Junior
Personagens Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Yesung
Tags Ação, Bangtan Boys (BTS), Flex, Lemon, Lgbt, Minga, Minimini, Minmin, Namjin, Romance, Suji, Sujim, Yaoi, Yoonmin
Visualizações 50
Palavras 1.803
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Ficção, Lemon, LGBT, Luta, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Capítulo não publicado no twitter

Capítulo 4 - Despertar


Fanfic / Fanfiction Tróia (Yoonmin) - Capítulo 4 - Despertar

Yesung tinha bastante trabalho para fazer. Supervisionar obras e crianças não era bem sua especialidade mas se esforçava ao máximo por sua rainha, aquela que ele, em seus sonhos mais profundos, sempre desejou. 

O plano era afastar o filho ilegítimo, Jimin, da capital. Jimin que atualmente completava seus dez anos de idade, deveria começar a assumir as responsabilidades de um princípe. Estudar a arte da batalha, política e expansão geográfica do governo de Éris para sua posse em sua plenitude, com dezoito anos. Porém, o propósito de Éris, era deixar seu enteado isolado, sem conhecimento sobre o que é mais importante em um governo; tratos e conexões. Um governante precisa de apoio em momentos de crise, de pessoas poderosas e fiéis ao seu lado. De generais, guerreiros poderosos e estrategistas impecáveis.

Yesung não gostava nada da missão que haviam lhe dado, ficar o dia inteiro andando pelo palácio em reformas, ter que diferenciar cores como marfim e carmin era confuso, e nada prazeroso, um guerreiro nomeado como besta negra só conhecia cor vermelho sangue.

Enquanto isso, Yoongi sofria tentando tirar a mancha que havia feito no tapete do quarto quando notou uma mão gordinha no batente da porta e pequenos olhos castanhos o observando. Este era Jimin, único príncipe de Micenas e Tróia. Parecia um filhote encolhido atrás da parede mas não parava de observar o jovem recém chegado e seus cabelos longos. O único homem que havia visto antes com fios pretos e longos dessa forma era Yesung mas não era tanto quanto os fios do menino.

— Poderia me ajudar ao invés de ficar aí parado olhando sem fazer nada. - Jimin se assustou pois não sabia que tinha sido visto.

— Felicia sempre faz isso por mim, vão brigar comigo se tocar nisso. - Sussurrou com medo do que o outro pensaria, não sabia se a criança era o escravo de Yesung.

— Você não está fazendo nada, me ajude.

— Não, se preferir chamarei Felicia para limpar.

Antes que Jimin se levantasse Yoongi caminhou em passos largos até a criança e pegou suas mãos, macias, sem um arranhão ou calo. — Como imaginei.

— O que você imaginou? - Jimin puxou abruptamente suas mãos tentando descobrir o que havia de interessante em suas mãos.

"Talvez ele seja um cigano que lê mãos" Jimin pensou.

— Você nunca trabalhou na vida, é apenas um pirralho rico que tem tudo o que quer, quando quer. Vá embora!

— Você não pode me expulsar! Sou o príncipe desse palácio, você deve me respeitar!

— Respeitar um príncipe que nunca tocou em sujeira? Imagine como você vai ficar quando matar o primeiro homem em campo de batalha. É trabalho sujo, seu medroso...

Dessa forma Yoongi teve ajuda para limpar a bagunça, entretanto por causa do jeito desajeitado do menor, ambos sujaram as próprias roupas, obrigando-os a tomar um banho, juntos. Yoongi estava acostumado a tomar banho na presença de outras pessoas, e Jimin também, ele não precisava limpar o próprio corpo, tinha sua babá sempre pronta para a tarefa então nada pareceu estranho.

Um esfregou as costas do outro, massagearam o couro cabeludo, brincaram com água e alí, naquela fonte quente em fim de tarde se iniciou uma amizade, um companheirismo que selou a promessa de dedo mindinho.

— Como eu vim parar aqui? Lembro de ter desmaiado e batido com a cabeça mas quando acordei estava aqui, nesse palácio. Com comida em abundância, lençóis limpos e quentes. É uma vida boa demais para mim. - Yoongi se sentou em uma rocha perto da fonte, pensando que logo essa vida iria terminar e seu sofrimento retornar.

— Você não tinha comida no lugar de onde veio? - Jimin apoiou a cabeça na coxa esquerda de Yoongi, fechando os olhos para relaxar.

— As pessoas matavam por comida no lugar de onde eu vim.

Algo começou a revirar o estômago de Jimin, talvez por que naquele dia, mais cedo tinha comido além do que aguentava tendo total certeza de que todos no mundo poderiam escolher quanto comer como ele podia.

— Aquele homem, Yesung!? Por que ele me trouxe? Gosto dele.

— Eu não. Ele é mau. Não quero minha mãe perto dele.

— Por que ele é mau? - Yoongi ficou em dúvida. Yesung não parecia mau como um todo mas assustador e com uma áurea sombria.

Yoongi não queria falar mal daquilo que ele ainda não conhecia mesmo que a vida tenha lhe ensinado - da pior forma - que não se pode confiar em ninguém. 

À noite, houve um belo e delicioso jantar. Melhor dizendo, um banquete para o pequeno estômago de uma criança pobre que não sabia nada sobre boas maneiras à mesa. Yesung esperava pacientemente Yoongi terminar sua refeição para explicar o básico como comer pequenas porções uma de cada vez e Jimin com um sorriso orgulhoso e felicidade irradiando de seus olhos, bagunçando o cabelo de Yoongi repetindo em seus pensamentos "Isso, isso, coma", finalmente Jimin conseguiu a companhia que ele precisava.

Quando terminaram a refeição, Yesung explicou que um homem que se senta à mesa sendo o braço direito da realeza deve agir como tal. Ele dizia que metade de uma batalha vencida ou até mesmo de uma negociação bem sucedida se devia ao fato do guerreiro ou negociador ter a postura condizente com aquilo que ele deseja, sendo assim, Yoongi deveria se comportar como alguém da realeza, mesmo que todos no local achassem que ele é alguém insignificante. Ele ouviu atentamente e reproduziu os gestos com delicadeza e classe. Além disso, também foi treinado até que fossem criados calos em cima dos calos que ele já tinha e se tornou frequente, todos os dias por quatro intensos longos anos. Nesse período, Yoongi tonificou seus tecidos musculares e ganhou peso, a única coisa na qual ele não conseguiu mudar tanto, foi sua altura.

Com quatorze anos, a rotina de Yoongi se rezumia a acordar antes do término do nascer do sol, treinando com Yesung ou com outros guerreiros em treinamento até o pôr do sol, fazendo intervalos quando podia. À noite, ele se encontrava com Jimin, no mesmo lugar todas às vezes. Em um lago artificial feito no Jardim do palácio. Depois de suas tarefas serem feitas Jimin mexia e brincava com a água olhando para seu próprio reflexo até Yoongi ir encontrá-lo.

— Chegou atrasado. - Jimin continuou seus movimentos graciosos sobre a água.

— Hoje não tive descanso, ele esteve de mau humor. Me desculpe, não quis deixar você esperando. - Yoongi o abraçou por trás, fechando os olhos, aproveitando o pouco tempo que eles tinham.

— Você sabe como pode se redimir. - Sussurrando, Jimin não queria que outras pessoas escutassem.

— Quer que eu te ensine a lutar de novo? Jimin! Você sabe que eu não posso, já brigaram com a gente antes e meu treinamento ficou mais difícil depois daquilo!

— É só um pouco, eu não quero ficar preso aqui aprendendo a teoria pra sempre! Quero saber me defender também! Por favor... - Jimin juntou os punhos em forma de súplica, formando um beicinho com os lábios e seus olhos ficaram cintilantes.

Yoongi queria mesmo o poder de resistir, queria...

— Está bem, mas só um pouco. Amanhã nós vamos fazer isso, no lado abandonado do palácio. - O recuo de Yoongi foi recebido de braços abertos por Jimin, que o abraçou pulando em seu colo o envolvendo com as pernas.

Como prometido, no dia seguinte o futuro guerreiro de Micenas foi para seu treino habitual e encontrou com Jimin que o esperava no lado abandonado daquele enorme palácio, lá teriam como criar o estalar das espadas sem chamar qualquer atenção indesejada. 

Jimin era inteligente, sabia toda a teoria mas também era ingênuo. Yoongi conseguia facilmente enganá-lo todas as vezes e Jimin sempre pensava duas ou mais vezes antes de tomar qualquer decisão, isso o tornava lento. De qualquer maneira, Jimin sabia se defender bem e aguentava qualquer golpe que recebia, não era nada que iria derrubá-lo mas socos no estômago tirariam o fôlego de qualquer um sem a prática adequada.

A resistência de ambos era sublime, o suor pingando se tornavam pequenas gotículas no ar com os movimentos e destreza de criar faíscas com o impacto das espadas, foi quando Jimin esqueceu de observar seu pé direito, que estava muito à frente e desprotegido no momento que Yoongi o derrubou no chão encostando a extremidade da espada em seu pescoço em seguida.

— Tonto! Você não vigiou os pés. - Dizia guardando a espada na bainha em sua cintura.

— Vamos de novo! - Levantando-se do chão com confiança de que o venceria.

— Já está quase na hora Jimin, vão desconfiar. Marcamos para outro dia, huh?

O jantar seria tranquilo se uma discussão violenta não tivesse começado. Yesung ameaçou cortar a garganta do seu próprio filho adotivo após o mesmo ter mentido para si ao dizer que estava treinando sozinho e que por isso tinha se atrasado para o jantar. Uma das coisas que o general mais odiava era a mentira, começa pequena porém para mantê-la é necessário muito esforço.

Como punição pela mentira, foi dada ao Yoongi sua primeira missão. Deveria ir ao reino aliado com uma equipe de dez homens e descobrir se tudo estava em paz. Yesung desconfiava que tratos corruptos estavam sendo criados entre seus comandantes e o dever de Yoongi era analisá-los ou impedí-los, se necessário.

E assim o fez, cortou a cabeça do comandante Demetrius e a trouxe em suas mãos segurando por seus cabelos. O motivo disso, se devia ao fato de que Demetrius era um dos exímios guerreiros mais bem treinados e foi difícil para Yoongi derrotá-lo. Não o mataria se não tivesse sido pego tentando ouvir uma conversa de negociação entre ele e o rei. Ao sair, Yoongi disse ao rei:

"Não tente algo parecido novamente, ou eu irei retornar e matá-lo assim como fiz com ele, espero que tenha sido claro, alteza." 

Yoongi mudou naquele dia, mudou a perspectiva que ele tinha.

Diziam que ao matar alguém é como matar a si mesmo por ver seu próprio reflexo nos olhos da vítima mas Yoongi já se considerava alguém morto, sem valor, um estorvo. Não foi tão difícil quanto diziam. Ele descobriu que poderia matar todos aqueles que criaram cicatrizes em si e se vingar de toda aquela podridão da sua infância, porque agora ele tinha poder para isso. Foi o que ele pensou, até compartilhar suas idéias com Jimin que o respondeu com um sorriso doce.

— Eu não posso fazer suas cicatrizes desaparecerem facilmente mas eu posso curá-las, se você deixar. - Pegou a mão calejada do outro, aproximando em contato carinhoso com sua boca e deixando selos quase imperceptíveis ao toque.

— E como você pretende fazer isso?

— Com amor, Yoongi.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...