1. Spirit Fanfics >
  2. True me >
  3. Capítulo 3

História True me - Capítulo 3


Escrita por: e KiCkOXIcs


Capítulo 3 - Capítulo 3



Kyung saiu do apartamento com intenção de pegar ar fresco antes de ir para aquela prisão chamada hospício, e encarou um homem lindo, com roupas simples combinando com o encarando sério.

Sente seu coração parar. 


~~~


KyungSoo ficou olhando para JongIn, que andava em sua direção.

— Hey, Park JungHwa! Quero fazer umas perguntinhas para você – O moreno cruzou os braços, tentando passar uma imagem de superioridade.

— Desculpa, mas não sei... – KyungSoo começou a falar, mas foi interrompido.

— Não vem com essa de “não sei o que você está falando” – JongIn afinou um pouco a voz para imitar o outro. – Quero saber do porquê você invadiu o meu ensaio!

KyungSoo sentiu seu corpo gelar. Não sabia o que falar para o moreno e ao mesmo tempo, queria saber tudo sobre ele.

— E- e- eu… — Kyungsoo mordeu os lábios em nervosismo, olhando para trás, esperando ver o carro de BaekHyun ou até ele mesmo brotar de algum lugar. — Eu... desculpa… Mas não me lembro do que fiz ontem.

KyungSoo olhou para o rosto que o hipnotizou tanto, e percebeu que o Jongin tinha um corte igual ao seu no canto da boca. Ele franziu a testa confuso e indignado.

— Como assim não se lembra? – JongIn perguntou pouco alto demais para o seu gosto. Teve uma leve vontade de bater nele de novo, afinal, Kyungsoo era um sujeito estranho. 

Porém, o menino não parecia tão forte quanto realmente era naquele momento, e o dançarino já havia experimentado seu punho que o fez cair no  chão de uma só vez.

– JungHwa, você é um idiota! Não sabe como aquele ensaio era importante! Eu preciso dele para provar algo e se você se intrometer de novo, juro que vou arrebentar sua cara de criança!

— Cara de criança? — KyungSoo sorriu de como o moreno lhe chamou.

JongIn ficou vermelho. Não queria falar aquilo, não era para falar aquilo.

— Não desvia do assunto! – JongIn exclama pouco irritado.

JongIn olhou para uma cabeleira preta atrás de Kyungsoo, que tentava discutir. Aquele cabelo é de um homem que vestia uma camisa de botão social branca e uma calça preta. Ele tinha uma fofura estranha que o lembrou de Xiumin.

— Que assunto? — O tal homem parou ao lado de KyungSoo e cruzou os braços sério, encarando e assustando o JongIn. 

Ele é mais baixo que si, mas parecia ser 10 vezes maior. JongIn não sabia o porquê, mas sentia que devia explicar a situação para aquele homem.

— Conheci JungHwa ontem, ele invadiu meu ensaio de dança... – JongIn começou ainda sem saber o porquê de estar se explicando para um estranho.

— Ok, já entendi. Sou Byun BaekHyun. — O homem se apresentou – Ele bebeu ontem e quando isso acontece, ele muda de personalidade, entende? Ele bêbado fica bem diferente, agora tenho que trabalhar. Vamos! —  Disse sem paciência.

BaekHyun virou o corpo segurando o pulso de Kyungsoo por uns segundos em direção ao seu carro, que estava há uns dez passos de lá.

KyungSoo, ao se sentar no banco do passageiro, olhou para o seu hyung, que está ligando o carro seriamente.

— Desculpa, não devia ter saído de casa ontem – Kyung falou mordendo os lábios para conter a leve dor que estava começando em sua barriga.

— Por parte, sei que essa confusão não é culpa sua… — BaekHyun respondeu ao mais novo — Mas acho que não foi o JungHwa que saiu de casa ontem, foi?

KyungSoo negou com a cabeça. Não queria falar sobre sua estranha e  repentina fixação que teve pelo Kai. E por sorte o psicólogo não perguntou nada relacionado, ainda.

O caminho foi percorrido em silêncio, ambos os homens aparentavam estar pensativos com coisas completamente distintas; KyungSoo pensava no homem mais velho e em como ele dançava; BaekHyun, na ligação de mais cedo que o avisava que um de seus colegas de equipe iria faltar por problemas pessoais. Logo no dia da chegada do novo funcionário que ele teria que ajudar  a se socializar e ainda, no fim do dia, teria uma reunião na casa de seu chefe. 

Seria um dia puxado.

Ao chegarem na clínica, KyungSoo entrou na frente, cumprimentando os seguranças que apenas acenaram de volta. BaekHyun parou com a recepcionista o chamando:

— Drº Byun, o novo fisioterapeuta o espera com a ficha dos pacientes. —  A mulher entrega uma caderneta. — Essa é a ficha psicólogo Han.

BaekHyun sorriu para a mulher e foi em direção de sua sala. Hoje realmente seria um dia  puxado. Seu colega de trabalho, senhor Han, trabalhava numa área mais ampla da clínica, com pacientes de fora do local e com casos menos graves , que eram tratados em casa. 

Em sua sala, o moreno pegou a ficha de pacientes que deveriam fazer  fisioterapia. Não limitou nenhum deles, pois achava importante fazer um esporte físico.

— Pronto, agora falta saber quem é o novo cara. – Baek sussurrou e logo saiu de sua sala.

Começou a procurar pelas recepções e ao entrar na sala específica para os pacientes fazerem suas refeições, viu um homem de 1,85m de altura, com uma calça de ginástica preta, usando uma jaqueta preta, de costas, corpo atlético e um cabelo milimetricamente ajustado para o lado. Ele estava conversando com o chefe dos enfermeiros e o melhor amigo de BaekHyun, Oh Sehun.

O homem alto virou, abrindo um sorriso e fazendo com que a pele de BaekHyun corasse.

— Esse é o doutor Byun BaekHyun de quem estávamos falando – SeHun sorriu passando o braço em volta do psicólogo, que o empurrou discretamente com o próprio corpo, o deixando mais vermelho.

Sua amizade era grande o suficiente para se comunicarem com gestos e olhares.

— Prefiro que me chamem de BaekHyun – o psicólogo soltou um suspiro, fechando os olhos para manter a calma com o seu amigo que soltou uma risada baixa perto de seu ouvido – Aqui está a sua lista.

— Sou Park ChanYeol. – O alto moreno, lindo, atlético e que tinha uma pele perfeita se apresentou, pegando a lista e tendo sua pele pouco vermelha – Pode me ajudar a conhecer os pacientes?

— Claro. —  BaekHyun concordou tímido.

Do outro lado da sala, uma dupla de pacientes estava conversando, observando atentamente a cena de Baekhyun com o fisioterapeuta. 

— Nunca vi o BaekHyun vermelho daquele jeito. – Com um espírito de criança travessa, Kris Wu que já terminou de comer, sorriu para o melhor amigo – Será que está rolando um clima?

— Não sei – KyungSoo estava furioso. Um sentimento não novo, mas repentino. Sua respiração estava acelerada e ele tinha os punhos fechados.

— Acho que sim, sabe? BaekHyun é muito bonito e também... – Kris começou a falar, mas foi  interrompido pelo olhar raivoso de KyungSoo.

Raiva, fúria, desespero... Ódio... São sentimentos que bombardeiam a cabeça de KyungSoo. Seu corpo ficou quente e sua perna começou a tremer muito rápido. 

Até que tudo fica escuro e seu corpo relaxou. Tudo pára, parece que está preste a dormir.

— Hmm, ChulMoo? — Kris disse malicioso. — O que pretende fazer? É perigoso deixar o BaekHyun com aquele cara. — Colocou lenha na fogueira. 

Os dois garotos se assustaram quando a mão de Oh SeHun tocou os ombros de ambos.

— Não estão me escutando? – Sehun falou sorrindo – Os dois, já pra piscina.

ChulMoo levantou da cadeira, assustando o castanho, que o olhou confuso. Ele mesmo avisaria para o seu amigo psicólogo, mas desistiu ao vê-lo sorrindo com algum comentário que o novo fisioterapeuta falou.

Em torno de 10 minutos, os pacientes foram direcionados para o subsolo da clínica, a área da piscina.

— Bom dia! Sou o novo fisioterapeuta Park ChanYeol e foco meu trabalho na piscina, onde tem uma grande utilidade nos funcionamentos corporais. – ChanYeol falou olhando para cada paciente que não mostrava interesse em estar em sua aula e sim, em uma área que proibida.

O olhar de BaekHyun focou em Chanyeol, o qual havia achado lindo. 

Não posso ter esse tipo de pensamento”, pensou o psicólogo, andando em direção à porta dupla por onde havia entrado. 

Porém, um dos pacientes o segurou pelo pulso e puxou para um abraço. 

Chanyeol reconheceu o paciente como Kyungsoo, que SeHun havia apresentado a ele.

Um dos seguranças ou enfermeiro, não sabia qual a função do homem, tomou postura para desfazer aquele contato, mas foi impedido pelo Sehun.

KyungSoo abraçou o psicólogo e por suas alturas não serem muito diferentes, facilitou de o paciente esconder o seu rosto no pescoço do BaekHyun. 

ChanYeol sentiu algo incomodar em seu corpo e desviou o olhar para Sehun, que se manteve atento para os dois. Sehun falou algo para o homem, que apenas acenou e começou a andar em direção dos homens. O enfermeiro chefe virou de onde estava e começou a andar para a borda da piscina onde ChanYeol estava.

Mas ChanYeol e Sehun pararam e olharam surpresos para a piscina: BaekHyun se encontrava no fundo da piscina.

— ChanYeol! Ele não sabe nadar! – Sehun falou enquanto corria pela beirada da piscina. 

ChanYeol não pensou duas vezes em correu pelo caminho oposto do castanho e pular na piscina. 

Agora não estranhava o fato do BaekHyun estar de olhos fechados e movendo as pernas desesperadamente. Chanyeol passou os braços em volta da cintura do menor e empurrou com os pés no chão seu corpo para a superfície.

Era bem fundo.

— Larga ele, seu filho da...! – ChanYeol se assustou com o paciente que aparentava ser muito amável. O garoto foi calado por uma outra mão, mas tem a mão mordida. – Ele é meu! Só meu!

ChanYeol ignorou alguns dos palavrões que o paciente gritou, olhou para o homem em seus braços que estava tremendo e com os braços em volta de seu pescoço.

— Você não é capaz de fazer o... haah.... eu... – KyungSoo foi segurado com brutalidade pelo homem que tem uma grande dificuldade em mantê- lo parado — Só eu sei fazer o que ele gosta!!!!

— Agora chega! – Sehun interrompeu o chilique de Kyungsoo.  O que ele quis dizer? Não podia ser aquilo.

— ChulMoo, eles vão te prender – A voz de Kris soava estranhamente calma e alta.

“ChulMoo? Lembro muito bem que foi o nome KyungSoo que me foi apresentado” pensou ChanYeol.

— Chega nada, Sehun! – ChulMoo conseguiu empurrar o homem grande para longe – BaekHyun é meu! E ninguém vai afastar ele de mim! Não um estúpido fisio de alguma merda! E não tem capacidade de fazer o BaekHyun ge... —  ChulMoo foi interrompido novamente pelo homem, que começou a afastar da piscina – ME LARGA, PORRA!!

ChanYeol apertou o braço em volta da cintura do moreno e colou o corpo do menor no seu, sentindo seu coração acelerar. 

Começou a nadar para a beirada, olhou para Sehun, que havia feito algo para KyungSoo dormir.

ChanYeol olhou para o moreno que tem os cabelos grudados na testa com alguns fios grudados em seu olho fechado. O fisioterapeuta colou o corpo do menor na parede da piscina usou uma de suas pernas como apoio para o moreno, mas se arrependeu ao perceber que colocou a perna bem no meio do moreno, que abriu os olhos.

— Você está bem? – ChanYeol perguntou, ficando na ponta do pé livre.

— Obrigado – BaekHyun falou com pouco de água em sua boca por causa do quase afogamento. – Vou estar bem quando sair daqui.

— Vem, BaekHyun – Sehun apareceu colocando as mãos nos ombros do psicólogo.

Sehun fez com que o moreno ficasse de costas para o fisioterapeuta, que se avermelhou com a proximidade dos corpos e logo o enfermeiro puxou BaekHyun para fora da piscina.

ChanYeol ficou chocado com os próprios pensamentos. Não podia ter esses pensamentos por uma pessoa que acabou de conhecer e que é um homem! Não tinha como isso ser algo certo, certamente terá que se confessar o mais rápido na igreja.

— E aquele garoto? O que você fez com ele? – ChanYeol perguntou olhando para o Sehun, agora ao seu lado, agachado.

O enfermeiro Sorriu e passou a mão no rosto do psicólogo, vendo se o mesmo estava bem.

— Anestesia – Sehun respondeu – Agora… Não entendo porque ele jogou o BaekHyun na piscina. Eles o adoram.

— Eles? – ChanYeol perguntou confuso olhando para o moreno atraente ao seu lado que estava tremendo muito.

— Você é novato ainda, vai aprender os segredos desse lugar – Sehun falou pegando uma toalha que um outro enfermeiro o havia entregado – Mas agora tenho que cuidar dele e você tem que dar a sua aula. Logo você vai se acostumar com os ataques frequentes dos pacientes.

Sehun ajudou o BaekHyun a ficar em pé com uma toalha em volta de seu pescoço.


Mais uma vez, BaekHyun estava andando na parte que menos gostava  da clínica. Um corredor de cor branca, com 10 portas metálicas, cada uma dando acesso a uma minúscula sala que cabia uma cama, mas que tinha as paredes acolchoadas.

Um segurança e um enfermeiro ficam lá quando tem alguém de castigo.

— Do KyungSoo está na cela 4B e Kris Wu está na 4A. – O enfermeiro anunciou e abriu uma cela para o psicólogo – Do KyungSoo, o  Drº Kim está aqui.

BaekHyun entrou na cela, que logo foi fechada. Viu o seu pequeno Kyungsoo no chão, suado com cabelos grudados no rosto, bagunçados e sujos. Deve ter se debatido muito.

— Por que fez aquilo? – BaekHyun perguntou recebendo os olhos brilhosos, demostrando o ódio, do mais novo – Por que me jogou na piscina, ChulMoo?

— Como sabe que ainda sou eu? – perguntou com a voz rouca. ChulMoo estava abraçando os  próprios joelhos no chão.

— Seus olhos. – BaekHyun agachou na frente do garoto – Não entendo o porquê  de você me jogar na piscina. Me explica.

ChulMoo apenas negou com a cabeça, desviando o olhar para o chão.

BaekHyun lembrou que, na piscina, estranhou o fato do KyungSoo o ter abraçado, até perceber que não era o KyungSoo e sim, ChulMoo, uma outra personalidade. Lembrou-se das palavras que o moreno pronunciava abafado: “não vá... Fique comigo, por favor, não me deixa”.

...

Park ChanYeol deu duas sessões de fisioterapia e trocou de roupa antes de começar a procurar por BaekHyun. Passou mais de 2 horas pensando nele. 

Entrou na sala de repouso dos pacientes e encontrou Sehun ajudando um paciente. 

— Hm, ChanYeol! Acabou? – Sehun perguntou aproximando do moreno com um remédio em mãos.

— Já, tenho mais 2 sessões a tarde e acaba por hoje. – ChanYeol respondeu criando um sorriso por nervosismo, não era todo dia que começava num novo emprego e isso o deixava nervoso – Estou procurando o BaekHyun, sabe onde ele está?

Sehun cria uma feição que apenas BaekHyun e ou qualquer pessoa com um pensamento mais malicioso entenderia com duplo sentido. Negou com a cabeça.

— Tenho palpites – Sehun respondeu vendo que o mais alto esperava uma resposta melhor – talvez o BaekHyun esteja atendendo um cliente no lugar do Drº Han, que não veio ou pelo horário, que é quase meio dia, deve estar com o KyungSoo. 

ChanYeol lembra do ocorrido de mais cedo.

— O garoto que o jogou na piscina – ChanYeol afirma mais do que pergunta – Me conta sobre o que você falou, sobre “eles”.

— Ham – Sehun soltou um gemido pouco frustrado – Vou ser bem rápido. KyungSoo é um dos pacientes mais antigos do BaekHyun e eles têm uma amizade muito forte, por isso o fato assustador do KyungSoo o empurrar na piscina, sendo que sabe que ele tem pavor de se afogar.

— Mas não era o KyungSoo – ChanYeol cruza os braços pensativo.

— Não, e aí entra o fato do motivo de KyungSoo estar aqui. Ele armazena 4 pessoas além dele dentro de si – Sehun respondeu vendo a feição do fisioterapeuta ficar confusa – Ele tem “o transtorno  dissociativo de identidade”, 5 personalidades distintas dentro de si.

— Agora entendi – ChanYeol falou movendo a cabeça em positivo. —  Então quando ele muda de personalidade, muda de nome?

— Sim, personalidade, nome, força, forma de falar... — Sehun respondeu. — Bem, vamos procurar o  BaekHyun, quero saber como foi ficar do lugar do Han!

Os dois homens caminham primeiro para sala do BaekHyun, depois para a do Drº Han e por fim, para onde haviam mandado o KyungSoo. Confirmam com o segurança que estava no lugar.

ChanYeol sentiu um peso nos ombros ao entrar no corredor que não parecia ter fim.

— O Drº Byun está na cela 4B – o enfermeiro responsável pelo local respondeu para Sehun, que apenas concordou e andou na frente para pedir para abrir a porta metálica.

Sehun esperou o segurança avisar para BaekHyun que ele tinha ‘visitas’. 

ChanYeol andou um pouco mais para frente, conseguindo ver pela fresta da porta o homem conversando com o paciente que o jogou na piscina.

— Já estou saindo. – Escutou a voz do psicólogo.

BaekHyun ficou em pé e rápido, KyungSoo o acompanhou.

— É o KyungSoo? – ChanYeol perguntou para o Sehun que deu dois passos para o lado, conseguindo enxergar dentro da cela. Com uma resposta de negação com a cabeça e o mesmo nome que ouviu na piscina, o nome “ChulMoo” veio da boca do Sehun.

ChulMoo segurou a mão do psicólogo e o puxou rápido. Estava com a mão esquerda no rosto dele, e um selar de lábios fez com BaekHyun ficasse com os olhos arregalados.

“Ele não pode gostar de mim, por que ele me beijou? Isso não pode significar que gosta de mim, ele é uma criança, um paciente... não pode gostar de mim” BaekHyun tem a cabeça disparada com seus pensamentos.

O beijo durou 2 segundos, ambos surpresos com a maciez do toque.

ChulMoo desfez dos toques com a mão no corpo do mais velho e ficou de costas para ele com um sorriso, não de felicidade,  não de tristeza, e sim de convencimento.

BaekHyun, recuperando do rápido transe, saiu da cela, dando de cara com o ChanYeol. Não esperava vê-lo ali e sim SeHun, sozinho. Os dois parceiros de trabalho não mudavam de expressão: surpresos.

— Isso não pode estar  acontecendo. — BaekHyun soltou com a voz desesperada.

Seu pequeno não pode ter uma personalidade gostando de si, isso muda a história.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...