História Try Me - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Supergirl
Personagens Andrea Rojas, Kara Zor-El (Supergirl)
Tags Andrea Rojas, Discorde Aí Na Sua Casa, Gaydanvers, Headcanon, Kara Danvers, Lgbt, Redk, Smut, Supergirl, Superojas
Visualizações 578
Palavras 4.411
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção Adolescente, LGBT, Literatura Feminina, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


I'm back by not so popular demand.
Então, fiz esse extra só pq eu precisava de uma pequena continuação.
Música do capítulo: Dangerous Woman - Ariana Grande
Boa leitura.

Capítulo 2 - Dangerous Woman


Fanfic / Fanfiction Try Me - Capítulo 2 - Dangerous Woman

Alex atirou contra a maçaneta e chutou a porta do apartamento de sua irmã, sua arma na altura de seu olhar procurando por alguma ameaça, até que encontrou. A Diretora guardou a arma e descansou suas mãos na cintura ao ver Kara viva e bem, a loira estava sentada na cadeira da mesa, em sua mão havia um saco no qual ela tentava acalmar sua respiração, porém na primeira respiração o frágil material se rasgou.

—  Eu espero que você esteja morrendo porque quando eu recebi seu chamado você parecia estar.

— É pior do que isso - Kara levantou da mesa e jogou o saco no chão, Alex podia ver o nervosismo na feição de sua irmã.

— O que pode ser pior do que morrer?

— Morrer lentamente todos os dias pelo resto da minha vida - o drama de Kara deixou Alex ainda mais confusa, eram oito da manhã e Kara já estava tendo um péssimo dia.

— É sobre Lena, não é? Ela não perdoou você de verdade, eu sabia! Eu sabia que não seri

— Não é sobre Lena - Kara voltou a sentar e sua atenção foi para o chão. Kara não conseguia impedir as lembranças de sua noite com Andrea, estavam grudadas em sua mente, estavam fazendo seu corpo sentir necessidades que ela desconhecia - Por favor, atira em mim com uma bala de kryptonita e me deixa morrer em paz.

Agora Alex estava curiosa, a ruiva puxou uma cadeira e ficou diante de sua irmã, a loira não estava triste então não era sobre Lena, a repórter parecia nervosa e ao mesmo tempo animada? Alex não conseguia dizer exatamente.

— Kara Danvers, o que você aprontou? - não era uma repreensão, e sim uma curiosidade. Kara levantou seu olhar para a irmã e o tom corado permaneceu em seu rosto - Desde quando temos segredos? Você sabe que pode me contar qualquer coisa.

— Eu - Kara fechou os olhos e se arrependeu ao lembrar da expressão, dos gemidos de Andrea ecoando por sua mente - Oh Rao! - a loira cobriu seu rosto com as mãos e Alex começou a entender o que poderia está acontecendo.

— Ok, já sabemos que envolve sexo - Kara não respondeu e Alex levou isso como uma confirmação - Foi com aquele novo repórter que você vive reclamando?

Kara negou.

— Ótimo, porque não gostei dele - Alex encostou suas costas na cadeira e tentou encontrar mais possibilidades - Leo, o cara da sorveteria que sempre coloca uma bola a mais no seu sorvete? - Kara negou e Alex não percebeu a expressão de desgosto que a irmã fez por trás das mãos cobrindo o rosto - Eu espero que não seja James p

— ALEX! - gritou negando completamente tudo sobre aquele nome.

— Desculpa, mas a única opção que faria sentido seria a Lena, mas sei que você não teria coragem - disse sua verdadeira opção e foi quando pegou sua irmã desprevenida, a repórter corou violentamente, porém não negou - Então me diz com quem você transou e podemos pensar em maneiras de você não morrer. - Kara novamente perdeu a fala - Ok, você está em seu apartamento cheirando a perfume no qual você não poderia pagar com o salário da CatCo, então sua noite foi com alguém de altas posses - a forma como Alex se colocou fez Kara girar os olhos - Você está completamente envergonhada então significa que é alguém próximo a você e por isso está com tanta vergonha de encarar a amanhã pós-sexo - Alex estava ficando cada vez interessada - Desculpa, mas só consigo pensar em Lena.

— Andrea - respondeu quando o nome de Lena ainda estava sendo pronunciado. 

A expressão de Alex era indecifrável, era como se seu cérebro estivesse em pane.

— Como em uma mulher? Andrea mulher? Um ser feminino e com… você sabe - o corar de Kara fez Aex gargalhar porque tudo fazia sentido agora, sua pequena irmã finalmente havia percebido - Quem é essa Andrea? Onde a conheceu?

Alex ainda não havia se dado conta.

— No trabalho, dias atrás. Quando Lena vendeu CatCo para ela.

Alex voltou a encostar suas costas na cadeira, porém seu movimento foi brusco e ela acabou caindo para trás, a Diretora imediatamente levantou e seus olhos esbugalhados mostraram o tamanho da surpresa enquanto Kara gritava em desespero.

— ANDREA ROJAS?! OBSIDIAN NORTH ANDREA ROJAS? - Kara pediu silêncio, mas Alex não conseguia - Você dormiu com sua chefe?! Como? Kara! Voc

Alex sabia que algo havia acontecido para Kara ter feito isso.

— Ela sabe que sou Supergirl.

— KARA! - novamente repreendeu - Eu sei que é uma nova experiência, mas você não pode falar sua identidade só porque ficou emocionada.

A loira negou com impaciência.

— Eu não contei ok?! Mas ela me viu nua, sem óculos, sem nada, eu devo ter feito algo que entregou quem eu sou e oh Rao! - Kara estava pensando seriamente em visitar seus amigos em outras Terras e fazer seu novo lar - Como eu vou encará-la?!

— Como isso aconteceu?! Não me entenda mal, mas eu não consigo ver você dando o primeiro passo.

Kara sentiu seu celular vibrar no bolso de sua calça e viu o nome de Nia pulsar na tela, era a décima vez que ignorava a ligação da jovem, não podia continuar com aquilo.

— Hey, Nia. O que houve?

Kara, onde você se meteu?! Estamos esperando por você há vinte minutos e Srta. Rojas se recusa a começar a reunião sem você. Eu tenho certeza de que se ela esperar mais um minuto vai conseguir explodir toda CatCo só com um olhar.

A maldita reunião, Kara havia esquecido completamente.

— Estou a caminho - Kara desligou a ligação e parte de si quis desmanchar em choro ali mesmo - Bom, é isso - a repórter levantou e respirou fundo - Eu adorei ser sua irmã e vou sentir sua falta.

Kara se aproximou para abraçar sua irmã, mas Alex desviou do abraço deixando Kara inconsolável.

— Eu já passei por isso com Sara no casamento de Barry, lembra? E por mais que eu queira rir da sua cara como você fez comigo, eu sei que você é bem mais surtada do que eu - a Diretora pôs suas mãos nos ombros da irmã e olhou em seus olhos - Vamos encontrar um jeito para tirar da mente da sua chefe jornalista e dona de uma mídia que está beirando ao sensacionalismo que você é Supergirl, agora em relação a sua vergonha de encarar sua noite casual eu desejo sorte, porque provavelmente será o momento mais difícil da sua vida - Kara resmungou algo e isso fez Alex gargalhar, a Diretora abraçou sua irmã terminando seu conforto - Desculpa, mas preciso perguntar. Foi bom?

— Você não tem ideia - admitiu sendo incapaz de negar o impacto daquela noite que ainda permanecia tão viva em sua mente.

Alex não respondeu, apenas sorriu. Ela iria guardar aquele acontecimento para futuros meios de conseguir algo de sua irmã, mesmo que apenas para a deixar desconfortável por alguns momentos.

Kara saiu do elevador com um último pedido que a tirasse dali a qualquer custo ou motivo, porém antes de se situar Nia agarrou seu braço e seguiu com Kara em direção a sala.

— Desculpa! Desculpa! Mas houve um imprevisto - explicou para a jovem ainda segurando seu braço.

— Ela está uma fera - sussurrou Nia.

A jovem abriu a porta e esperou sua mentora entrar, todos os olhos daquela mesa seguiram para Kara, inclusive os maliciosos de Andrea. A repórter sentiu seu fôlego ser retirado por algum motivo, olhar para Andrea era como viver a noite passada e em seus mais impulsivos desejos imaginou como seria tomar sua chefe ali mesmo naquela mesa de tantas palavras, mas que só iria restar sussurros da outra.

— Kara - sussurrou Nia tentando despertar sua amiga de algo.

— Deve ter sido uma noite muito boa para você esquecer da reunião que deveria ter começado há quase meia hora - em momento algum Andrea tirava seus olhos de sua repórter favorita.

— Eu sinto muito, Srta. Rojas. Eu m

— O que eu disse sobre atrasos?

— Você não os tolera - respondeu Kara. A repórter passou pelos colegas e sentou na cadeira vazia próxima de Andrea - Não acontecerá novamente - sussurrou encarando de perto os olhos alheios.

— Estou começando a mudar de ideia sobre o não acontecerá novamente - apenas as duas sabia o que significava, e Nia que estava ao lado de Kara tentou entender aquele contexto - Você é boa no que faz, por isso irei tolerar o atraso dessa vez, mas não se acostume, comigo você obedecerá cada ordem que eu lhe der.

Kara estava tão hipnotizada que apenas concordou enquanto tentava acalmar o próprio corpo ao ter Andrea tão perto de si.

Nia franziu o cenho, mas não se deixou vagar muito sobre o que havia sido aquela pequena conversa entre as duas.

— Já que Kara Danvers finalmente nos deu o privilégio de sua presença podemos começar - Andrea viu Thomas levantar a mão e concedeu sua fala.

— L-Corp divulgou estar desenvo

— Não - Andrea o cortou como uma faca afiada o deixando em pedaços - Assuntos envolvendo L-Corp já não me interessam, me dê algo sobre Lena Luthor então podemos conversar - ela queria algo que pudesse usar a seu favor, e obter algo onde L-Corp poderia superar Obsidian North não era bom para os negócios - Leah?

— E quanto ao vídeo que está se tornando viral? Há um digital influencer querendo ganhar fama ao teorizar as identidades dos maiores heróis, ele está na cola de Superman e Supergirl e pelo que parece as pessoas estão gostando disso, talvez possamos dar espaço à ele e com isso ele traria junto novos acessos para nosso site.

Kara imediatamente olhou para Andrea e o sutil olhar da CEO foi para acalmar a repórter, Andrea voltou a olhar para Leah e todos esperaram algo da mulher.

— Expor Supergirl? - Andrea olhou para todos daquela reunião - Eu quero você escrevendo um post, ou melhor, eu quero alguém jovem e bem articulado para se opor a esse desocupado que está tentando ganhar fama por fazer algo tão perigoso como expor o maior herói da cidade. Crie uma versão dele e faça seus argumentos parecerem comentários de um louco por fama.

— Mas Srta. Rojas n

Andrea arqueou uma sobrancelha e foi o bastante para Leah engolir qualquer argumento, a jovem apenas concordou e afundou seu olhar na agenda em suas mãos.

— Alguém aqui tem alguma ideia realmente boa ou só estão perdendo meu tempo? - a voz de Andrea vinha como uma repreensão que deixava todos sem reação.

— Eu tenho uma - a atenção de Andrea foi para William e Kara tentou segurar seu desgosto por aquele colega.

— O único que parece não me decepcionar - incentivou Andrea não sendo capaz de ver o ciúmes contido nos olhos de Kara.

A reunião prosseguiu com a ideia brilhante de William seguida por uma razoável de Nia, os comentários sobre aqueles dois temas deram seguimento a reunião, Kara ficou calada o tempo inteiro, ela não conseguia funcionar bem e tinha certeza de que o único motivo por está ali era porque Andrea sabia o quanto iria lhe afetar. A reunião durou um pouco mais de uma hora e quando todos voltaram para seus cubículos Kara permaneceu na sala, não por vontade própria, mas porque o olhar de Andrea foi o bastante para que a repórter entendesse que sua permanência ali era necessária. Quando William se despediu com um incentivo de Andrea, Kara girou os olhos, ela realmente não conseguia simpatizar com o homem.

— Estava tentando encontrar uma saída para se livrar de mim, por isso se atrasou? - questionou Andrea ficando diante de Kara, a sala de vidro deixava as mulheres expostas e Andrea não parecia se importar com a distância.

— Andrea, eu

— Sente muito? - Andrea percebeu o atrevimento de Kara ao dizer seu primeiro nome - Pelo quê exatamente?

— Você é minha chefe e isso é eticamente imoral - Kara tentou se acalmar quando Andrea deu mais um passo e a fez sentar na ponta da mesa.

— Então você se arrepende? - o sotaque veio com uma voz mais rouca e Kara tentou encontrar cada gota de força em si.

— Eu, hum, foi… Iss - Kara respirou fundo e com isso veio a verdade - Não.

O sorriso vitorioso de Andrea a fez se afastar para poder dar um pouco de espaço pessoal para a repórter.

— Ninguém saberá sobre isso, ninguém vai descobrir que você transou com a mulher mais poderosa de National City - Kara queria negar aquilo porque ela não havia dormido com Lena, mas a confiança de Andrea era incontestável - Você esqueceu algo em meu apartamento - Andrea levou suas mãos a blusa de botão de Kara e abotoou o último botão - Estarei esperando por você.

Andrea se afastou e seguiu para fora da sala, Kara se amaldiçoou por observar todo o corpo da mulher enquanto ela deixava aquele lugar.

Nia que havia parado do outro lado da sala e viu o que acontecia dentro do local, tinha sua boca aberta com o que acabara de ver.

Não havia nada que Andrea odiasse mais do que traição, não importa de quem viesse, ela sempre iria confrontar tal ato com toda as armas que tinha. Então quando recebeu a notícia sobre algo que não estava em seus planos ela esperou, esperou a mulher ligar para explicar ou pedir ajuda, mas ela não o fez. Ao final da noite Andrea seguiu para o lugar onde não tinha nenhum convite, ela só usou a campainha uma vez pois logo foi atendida. Seu semblante deixava claro que a visita não era algo de tamanha felicidade, Lena não pareceu se importar e com o copo na mão continuou a tomar seu whisky.

— Você achou que eu não iria descobrir? - Andrea entrou como uma intrusa, passou por Lena e parou quando estava totalmente no local. Lena fechou a porta e voltou a observar a inconveniente mulher - Primeiro você me deixa na mão prometendo uma matéria e me faz de idiota, agora você usa o meu presente para sua própria criação? O que pretende? Usar tecnologia da Obsidian North para desenvolver algo maior com L-Corp? - Lena sorriu de forma confiante, mas para Andrea era apenas arrogante.

— Você é insana - Lena caminhou para o balcão e voltou a se servir com a bebida - Sim, eu desconectei suas lentes para fins científicos, e sim, eu estou desenvolvendo algo por cima do que descobri, mas até onde eu sei isso não é ilegal - a confiança de Lena fez Andrea se aproximar - Eu já não sou a garota inocente na qual você passou a perna, Andrea.

— Você me deixou lá para morrer! - afirmou com fúria nas palavras e olhos ardentes.

— Você decidiu ficar - Lena a confrontou e as duas pareciam prestes a entrar em uma batalha - Você arriscou sua própria vida por um maldita relíquia, o que eu deveria fazer?! Morrer junto com você? Eu sinto muito, mas eu tinha uma vida para viver.

— E como isso está indo para você? - a implicância pegou Lena pelas pernas - Porque de onde estou me parece que você está vivendo de forma miserável - Andrea segurou o braço de Lena e o apertou de forma brusca e que provavelmente deixaria marcas - Se você tentar algo contra mim eu juro que a única coisa que restará de você será a história que irei publicar.

— Isso é uma ameaça? - Lena arqueou uma sobrancelha e deixou seu sorriso confiante ali para irritar Andrea ainda mais - Vindo de uma amiga? - o sarcasmo estava escondido.

— Não somos amigas, não mais - Andrea soltou o braço de Lena e a CEO levantou seu queixo não se intimidando.

Andrea deixou suas palavras ali e caminhou para a saída.

— Fique longe dela - a ordem de Lena veio com o gole de sua bebida. Andrea virou-se, mas Lena não - Deixe Kara fora disso, eu sei que você gosta de ataques que afetam seu alvo de forma indireta e você sabe muito bem o quanto ela significa para mim - mesmo na situação em que estava, Lena não podia deixar Andrea tocar em Kara - Se você se meter com Kara eu esqueço qualquer respeito que eu ainda tenho por você e destruo tudo o que você construiu até agora, Andrea - Lena virou-se para encarar a mulher de frente - Isso é uma ameaça.

— Acho que não perdemos o gosto similar - Andrea sorriu como se a batalha tivesse sido ganha - Kara Danvers é certamente algo extraordinário, as coisas que ela pode fazer em quatro paredes - as imagens da noite anterior fez Andrea corar levemente - Fico feliz por você ainda ser uma covarde, Kara já não está disponível para suas indecisões, Lena. Dessa vez você perdeu.

Andrea percebeu o quão forte Lena estava segurando o copo de vidro, a mulher queria irritar um pouco mais para saber onde aquilo daria, mas tinha coisas mais importantes para fazer.

— Foi uma boa conversa, acho que deixamos claro nossos pontos. Boa noite, Lena.

Quando Andrea deixou o apartamento ao fechar a porta, Lena jogou o copo contra o material, ela deveria imaginar que iria ter uma baita de dor de cabeça com a presença da mulher mais uma vez em sua vida, mas dessa vez tudo seria diferente, dessa vez Andrea não teria nenhum poder sobre si.

Alex havia pulado o jantar romântico com Kelly porque não poderia perder um capítulo de sua nova série favorita, a que sua irmã havia se metido. A Diretora estava confortável no sofá da irmã com o balde de pipoca em suas pernas enquanto acompanhava o raciocínio da repórter.

— Então o que vai fazer agora? - Alex encheu a mão de pipoca, mas não levou à boca - Porque essa história de que esqueceu algo não rola. Ela está querendo uma nova noite.

— O que eu devo fazer?! - Kara sentou no sofá e deixou suas costas descansarem no lugar macio - Eu sei que deveria esquecer e tentar ignorar qualquer possibilidade, mas tudo o que consegui fazer foi procrastinar no trabalho e lembrar da noite passada. Eu não sei o que há nela que me deixa assim.

— Sério? Andrea Rojas é possivelmente uma das mulheres mais atraentes da cidade e se você comentar isso com Kelly eu mato você.

Kara não retrucou e Alex jogou uma pipoca no rosto da irmã tentando trazê-la de volta.

— Você acha que devo conversar com Lena? Eu poderia usar algum conselho dela.

— Sim! - Alex queria saber como Lena iria reagir, ela tinha suas teorias e estava morrendo para saber se eram reais - Conte à Lena sobre tudo e depois me fala sua reação - Alex recebeu uma almofada em seu rosto - É sério.

— Você não está levando minha situação à sério.

— Kara, pelo que você me contou Andrea não está em busca de algo sério e até falou que isso seria um segredo de vocês, então relaxa - Alex tinha que admitir que estava se divertindo com tudo aquilo - Eu sei que sair com sua chefe não deve ser algo que você se orgulha, mas está na hora de se arriscar um pouco, você ganhou um Pulitzer, agora tem a obrigação de se divertir. Siga seus desejos, qual a pior coisa que pode acontecer?

— Eu posso listar por ordem alfabética - Alex sabia da batalha que Kara estava enfrentando e ela tinha quase certeza de que também envolvia uma outra CEO - Mas enfim, talvez eu realmente tenha esquecido algo em Andrea. É melhor eu ir. Não esqueça de trancar a porta quando for embora.

— Não esqueça de usar proteção! - alertou quando sua irmã voou pela janela.

Alex mal podia esperar para ter autorização e dividir tudo aquilo com sua namorada, ela precisava de alguém para comentar.

Kara aterrissou no beco entre os prédios e ajeitou a roupa depois do voo, a mulher seguiu para o lugar que reconheceu da noite passada e seguiu para o andar privativo, sua autorização já estava liberada então subiu sem empecilho algum. A repórter bateu na porta algumas vezes e estranhou a demora, quando estava para repetir o ato Andrea abriu, a CEO parecia surpresa, ela havia esquecido completamente do que havia sugerido. Kara estranhou o que vira, Andrea parecia está em um péssimo momento, era notável os olhos vermelhos e marejados.

— Eu esqueci de você - comentou negando com a cabeça e abrindo a porta por completo - Entra - Andrea estava diferente, sem flerte, sem tal confiança que exalava em cada palavra - Só um minuto.

Andrea seguiu para seu quarto e Kara olhou ao redor, as marcas das memórias a fazia reviver as cenas ainda ali contra a parede, no sofá, suas digitais em cada canto daquele apartamento assim como na dona do local.

— Aqui - Andrea reapareceu com o anel na palma de sua mão - Eu o encontrei próximo ao sofá, ele só pode ser seu - Kara concordou, sim, era seu.

Kara guardou no bolso da calça não dando tanta importância, ela estava mais curiosa em saber o motivo da mudança gritante em sua chefe.

— Você está bem? - a pergunta pegou Andrea desprevenida.

— Não é porque transamos uma vez que você precisa ser gentil.

Kara franziu o cenho.

— Por que você é assim? - havia mais curiosidade - Você sempre encontra uma forma de usar suas palavras para fazer com que as pessoas se afastem de você.

— Porque eu não confio em ninguém além de mim mesma.

— Estou começando a achar que o problema deve ser o internato que abala a confiança de todos que passaram por lá - Andrea não entendeu exatamente o que Kara quis dizer - Alguém machucou você?

Andrea gargalhou fraco e Kara se arrependeu de demonstrar preocupação.

— Você quer uma lista? - a mulher seguiu para o sofá e procurou o maço de cigarro sobre a mesa central, Kara se aproximou e tomou o veneno para si - Sério?

— Faz mal para seu pulmão.

— Por que eu deixei você me foder mesmo?

Kara corou e Andrea sorriu, ali estava a Kara Danvers na qual conhecia.

— Você alguma vez já desejou voltar no tempo e mudar certas coisas? - Andrea segurou o copo com sua bebida favorita. Ali em seu sofá o cheiro de ambas faziam desejar repetir a noite passada - Porque eu desejo a todo momento.

— É difícil encarar uma realidade de consequências - Kara gostaria de voltar no tempo e ter sido sincera com Lena desde o princípio - Mas seria um mundo muito injusto e hipócrita se todas as pessoas fizessem o que bem entender para depois voltar no tempo e se livrar da culpa, por mais difícil que seja devemos encarar as consequências de uma decisão infeliz - o olhar acolhedor de Kara alcançou Andrea da forma que ela precisava - Eu sei que não somos a melhor dupla, afinal discordamos profissionalmente de muitas coisas, você tem vícios duvidosos e um gosto um tanto estranho - disse apontando para o chão verde no copo da mulher - E claro, o fato em que estarmos sexualmente envolvidas em um segredo, mas enfim, meu ponto é que você pode confiar em mim. Eu posso ser uma amiga.

— Eu não estou procurando por uma amiga - seus olhos nunca deixaram seu mar favorito.

Kara deu de ombros.

— Você quem sabe - Kara levantou, mas Andrea esticou sua perna deixando impossível Kara passar.

— Fica mais pouco… - pediu não de forma maliciosa e foi isso que fez Kara voltar a sentar ao lado da mulher - Por que está sendo gentil comigo?

— Sinceramente? Eu não sei - ela estava falando a verdade, Kara não tinha ideia.

Andrea deixou seu chá verde no chão e se aproximou ainda mais de Kara, a loira sentiu seu coração acelerar com tais possibilidades. Sem cerimônia alguma Andrea sentou sobre as pernas de Kara prendendo-as ao redor da cintura alheia. Andrea tirou o óculos da repórter para observar bem as órbitas azuis.

— É uma pena você esconder isso aqui - ela estava hipnotizada, nada chamava tanta sua atenção quanto os olhos a encarando.

— O que está fazendo?

— Olhando para você.

— Não precisava ficar assim - comentou olhando para como Andrea estava confortável. A CEO tentou levantar, mas Kara a segurou ali - Mas eu gostei.

Andrea sorriu e suas mãos descansaram na nuca de Kara fazendo um sutil carinho em seus cabelos.

— Haverá um jantar de comemoração da Obsidian North, eu gostaria que você fosse minha acompanhante.

— Como jornalista? Claro, é meu trabalho.

— Não, como meu par. Você será apenas Kara Danvers acompanhando alguém em um jantar importante, e não uma jornalista a trabalho.

Kara não sabia o que aquele convite significava, mas ela nunca diria não para um jantar.

— Eu nunca recuso um jantar.

Andrea conseguiu gargalhar fraco com o quão adorável aquele comentário saiu.

— Eu sei.

As mãos de Kara seguraram a cintura de Andrea quando a mesma capturou os lábios alheios, Kara tentou conter sua força para não machucar a CEO, ela tentava controlar seus desejos, mas eles eram impulsivos e inquietos. Ela perdeu qualquer sanidade quando os lábios de Andrea desceram para seu pescoço deixando rastros por toda extensão. A CEO parou e voltou para a loira, sorriu quando percebeu que Kara queria exatamente o mesmo.

— O que foi? - a respiração quase que descontrolada de Kara animou Andrea.

— Nada, eu só me dei conta de algo - era impossível Kara olhar para alguém além da bela mulher colada em seu corpo - Eu sei como quebrar Supergirl - sussurrou próxima aos lábios da repórter.

Kara girou os olhos e voltou a beijar sua chefe, ela sabia que era uma péssima escolha ao lidar com as consequências que viriam, mas ao sentir os lábios de Andrea nos seus ela não se importou com o depois.


Notas Finais


Pra quem ler AFFU, será atualizada hoje.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...