História Tu Luz - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias CNCO
Personagens Christopher Vélez, Erick Brian Colón, Joel Pimentel, Personagens Originais, Richard Camacho, Zabdiel De Jesús
Tags Cnco, Expectativa, Romance
Visualizações 34
Palavras 1.485
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Galera, capítulo curto dessa vez. E detalhe eu havia posto em um capítulo anterior que o encontro de Joel e Emmily ia ser em determinada noite , mas não deu. Então vou editar a parte e mudar o tempo em que eles se encontram. Amo vcs , obg por tudo .
É isso manas(os) ! #MuyGracias

Capítulo 7 - Fim da Solidão


Fanfic / Fanfiction Tu Luz - Capítulo 7 - Fim da Solidão

"Cada espacio de soledade..." 

A manhã parecia mais clara e ensolarada.  Eu sorri  logo ao abrir os olhos pensando no colégio,  e no plano das garotas. Elas tinham a obsessão em encontrar um par para Júlia,  e por sorte , eu era um candidato. Tirei uma folga com Suellen,  e agora estava todo empolgado com a idéia. Desci pra cozinha e tomei café com minha mãe,  o que não acontecia a muito tempo. 

_ Então, agora que está de folga planeja ficar em casa?_mi madre encheu uma chicara.

_ Não_ disse um pouco culpado _ na verdade me convidaram para um baile.

_ Um baile? _ ela disfarçou o chateamento com um sorriso _ achei que já tivesse passado dessa fase.

Eu me senti vermelho _ Mãe,  não existe tempo para se divertir.

Ela parou com o chocolate a centímetros dos lábios _ Você definitivamente está apaixonado.  Desde quando você dança?  Ou se quer acha isso divertido?

Eu estava me perguntando o porque de todo mundo presumi de uma hora pra outra que eu estava apaixonado.  Mas em uma coisa ela tinha razão. Eu nunca dancei. Apesar de ter tido uns sonhos loucos em que eu fazia parte do CNCO e mandava ver nas coreografias e saltos de parkour.

_ Tchau madre _ beijei sua testa e sai de casa.

* Damares

Eu estava tão insegura.  Não conseguia acreditar que tudo isso era real.

Estávamos andando juntos pela Playa Bonita. Algumas pessoas largadas na areia, crianças brincando, coisas do tipo. O sol tinha decidido surgi de uma vez, e de repente o céu estava de um azul perfeito. Eu se sentia tão bem ao lado de Erick ali. Já ele parecia nervoso.

_ O que houve?_ perguntei.

Ele parou abruptamente e me olhou ainda mais desconcertado _ Eu tô com medo_ ele  riu inquieto mexendo no crucifixo_ medo de não  ser bom o quanto você merece,  medo desse passeio estar sendo um desastre,  medo de.....

Eu segurei sua mão. 
Não sabia como expressar o quanto ele me fazia bem e como dizer o que eu sentia por ele agora. Mas o gesto o acalmou. Guiei ele para longe das pessoas e sentamos em uma pedra grande . Ainda não estava ventando muito , mas as ondas faziam um som agradável e harmônico o que deixou tudo melhor. Erick me abraçou e ficamos ali. Ouvindo o mar.

*  Marcelina
 
Mal cheguei da escola e corri pro notbook . Minha cama estava uma zona , eu estava precisando de um banho urgente mesmo assim. Mandei uma mensagem. Uma resposta mais que imediata .

~ oi Marce ♡☆

Eu sorri. Nós últimos dias o meu mundo se resumia aquele "oi", as longas conversas no meio da noite, e a uma idéia muito sem noção.  Abri o bate papo na conta de outra pessoa.  Dessa vez era Ingrid.

~ Eu estou dentro.

*  Christopher

Eu bati na porta. Não podia esperar mais um segundo pra falar com Karol. Ela ter faltado na escola foi a gota d'água. E eu não fazia idéia de como enfiar na sua cabecinha teimosa o que aconteceu,  mas tinha que tentar de alguma forma.
A sra. Bastos abriu a porta e sorrio imediatamente. Ela gostava de mim, e provavelmente Karol não tinha contado o que aconteceu. 

_ Que bom que veio visitar ela , eu não entendi como aconteceu dela ficar doente assim, sem mais nem menos. _ a sra. se afastou para eu passar _  eu acho que deve estar te esperando lá em cima.

Eu sorri. Ela não estava me esperando mesmo. Mas subi. A escada era quase que infinita, então tive tempo de ensaiar um textinho romântico.  Bati e ela abriu .

_ Karol me escuta_ implorei de cara. Eu não era muito romântico na verdade , eu estava mais pra um namorado totalmente desesperado.

Ela me olhou considerando. Haviam orelhas enormes em seus olhos castanhos. Eu queria abraçala , me senti culpado.

Karol me encarou por o que pareceram horas , um olhar frio, sem raiva ou carinho, apenas vazio.

_ Ok_ ela falou e entrou deixando a porta aberta.

Eu  me senti horrível.  Ela nunca me trataria assim, como se eu fosse um total estranho.

_ Karol..._ Eu comecei. Ela se apoiou na janela de costas pra mim.

_ Karol foi tudo um engano_ tentei de novo_ o que as pessoas estão pensando não aconteceu. Não houve nada entre eu e a Fêh, a gente só. ...

_ Fêh? _ ela exclamou repentinamente _  já tem até apelido _ ela disse gélida sem se virar.


_ Karol. ...._ senti minha garganta se fechando e a vontade de chorar me dominando.

_ Chris eu sei que você não me traiu, eu confio em você  _ ela se virou. Os olhos vermelhos.

Eu parei petrificado _ Então. .....por que você tá assim? Por que não me atende , por que não foi pra escola......por que você está chorando?

Ela enxugou o rosto _ Só por que você não me traiu, não quer dizer que não se sentiu tentado. Essa tal Fernanda, ela é bonita._  Karol sufocou o choro _ e vocês pareciam muito um casal.

Eu tentei falar qualquer coisa,  mas eu estava acabado com aquilo.  Como ela podia pensar desse jeito? Eu amava Karol. Não tinha a menor possibilidade de eu amar outra pessoa,  ou mesmo se interessar.

_ Você tem que estar brincando. ...._ sussurrei.

Ela baixou a cabeça e suspirou _ Não.  Eu não estou. Preciso que saia agora.

Eu encarei ela. O meu coração queria loucamente lutar pra ficar. Mas eu fiz o contrário,  eu assenti. E fui embora.

* Juliana

Eu queria por tudo nesse mundo ver Joel. Ele tinha ignorado meus convites pra sair esse tempo todo.  E eu sabia que era só desculpas, ele devia estar tímido por  conta do nosso quase beijo. E agora eu não iria esperar mais,  fui até sua casa. Eu tinha me produzido completamente.  Eu queria tanto falar com ele.
Sua mãe atendeu a porta e me olhou surpresa.
_ Juliana?  Você está de volta á cidade? O Joel não me contou ! _ ela beijou meu rosto.

_ Estou sim _ sorri _ ele deve ter esquecido. Eu gostaria de falar com ele aliás.

_Com ele? Ah sinto muito mas ele saiu , e não sei pra onde. _ ela fez uma cara triste, a sra. Pimentel sempre me apoiou com o seu filho.

_ Tudo bem _ disfarcei _ diz pra ele que quero  vê-lo assim que possível.

_ Claro minha querida_ ela sorriu.

Me afastei da casa com as mãos nos bolsos da calça pensativa. Onde estaria Joel?

*  Joel

Eu caminhei até a praça em que tinha combinado se encontrar com Emmily.  Eu estava mais nervoso do que nunca estive na vida. Felizmente ela demorou de aparecer, ou infelizmente,  por que só faltei ter um ataque cardíaco pensando se ela tinha resolvido não vim. Quando ela apareceu estacionando sua moto ali há alguns metros meu corpo gelou.  Senti como se tudo aquilo fosse loucura e quiz muito me teletransportar pra casa. Ela estava de preto como de costume.  O cabelo preso , os cachos longos se derramando sobre o couro da jacketa. Ela era tão bonita . Seus olhos escuros procuraram alguém que não estava ali. Ou seja eu, que na verdade estava. Eu não podia fazer aquilo , por mais apaixonado que estivesse por Emmily.  Eu não podia fazer isso. Eu ia me arrepender profundamente.  E ela ia me odiar por não aparecer. Mas eu simplesmente não conseguia. Eu me virei e meio que corri até o estacionamento.  Procurei as chaves no meu bolso,  eu estava tão nervoso que não encontrava.

_ Ei?_ a voz de uma garota á alguns metros fez com que eu quase morresse ali mesmo. _ Você deixou cair suas chaves_ Emmily começou_ Ei você não é o cara que fez a entrega de pizzas no meu aniversário?  Ah esquece você não deve lembrar. .... mas eu lembro de você quase ter caído. ..

_O...o..oi _ balbuciei _ lê. ..lê. ..lembro sim._ Eu soava como um idiota.

_ Ta com  frio?_ ela riu_está meio .... que tremendo aí.

_Não eu...... _tentei mais uma vez _lembro do seu aniversário como se fosse hoje._ Mds. Soando como um idiota 2.

Ela me olhou meio estranha _ Toma . _ estendeu a mão com as chaves.

_ Valeu _ disse meio triste.

_ Então. ..._ ela disse pausadamente, pareceu notar minha melancolia _ eu estava esperando um cara .... um completo idiota .... Ele devia estar brincando com  minha cara.... mas enfim. .. quer da uma volta ?

Olhei pra ela abismado . Eu não podia crer naquilo . Ela me chamou pra sair. E me chamou de completo idiota também.  Nada disso estava nos meus planos. Mas de uma forma ou de outra  não ia perder essa chance.

_ Gosta de sorvete? 


Notas Finais


Desculpem se esse capítulo foi rápido e curto, estou extremamente distraída, espero que entendam.
É isso manas(os)! #MuyGracias


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...