1. Spirit Fanfics >
  2. Tudo Acontece no Tempo Certo. >
  3. DEZESSEIS

História Tudo Acontece no Tempo Certo. - Capítulo 18


Escrita por:


Notas do Autor


(Jessamine na foto)

Capítulo 18 - DEZESSEIS


Fanfic / Fanfiction Tudo Acontece no Tempo Certo. - Capítulo 18 - DEZESSEIS

• EMMA •

Hoje é sexta feira e o grande dia da festa chegou. A semana mais longa e cheia de acontecimentos inesperados da minha vida está acabando e amanhã mesmo estarei embarcando em uma viagem com meu namorado onde com toda certeza terei mais algumas experiências diferença para adicionar em minha lista. Estou tão feliz e vivendo uma fase tão boa da minha vida que até estou com medo de pisar em um precipício e cair. Porque é como dizem: "Quanto mais alto, maior é a queda."

Porém, estou tentando não pensar nisso.

Ontem eu e o Jules conversamos e decidimos que iremos comunicar ao nossos pais sobre nosso relacionamento assim que voltarmos de férias. Não estou cem por cento certa de que eles irão aceitar numa boa toda a situação, principalmente o meu pai, mas nem o Julian e muito menos eu iremos mudar de opinião. O que sentimos é forte demais para ser escanteado como se não tivesse a importância que tem para nós.

Eu me olho no espelho grande em minha frente o sorrio para a imagem que vejo. Hoje resolvi tirar o dia para me cuidar e aproveitei que a Arya não estava nada bem por ainda não ter falando com o Gabriel, e quase a obriguei a vir comigo e com o Rafe. Estamos nós três em um SPA sendo submetidos a massagens relaxantes, hidratação no cabelo, limpeza de pele e pés e mãos feitos e tratados. Fazia já algum tempo que não cuidava de mim dessa forma e aproveitando a ocasião importante de hoje, estou usufruindo desse momento de relaxamento como nunca antes.

- Acha que o Gabriel está bem? - minha irmã pergunta olhando para o celular com uma aparência preocupada.

- Está sim. - o Rafe diz. - Já falamos com a Cecily e ela disse que ele está em casa e está bem.

- Mas ele não atende o celular e nem responde uma mensagem! - ela fala seria e olha para ele. - O Gabe não é assim.

- Realmente não temos respostas para isso. - eu falo quando todos ficamos em silêncio e ganho a atenção dos dois. - Ele é o único que pode te responder isso Ary. E ele vai. Precisa lembrar que você mesma falou com a irmã dele e ela te avisou que o Gabriel estará na festa hoje e que irá explicar tudo a você.

- Eu sei... - ela abaixa o olhar. Nunca vi minha irmã assim e fica impossível não comprar a briga dela e odiar o Gabriel por estar fazendo a Ary sofrer sem entender o que está havendo. Gostaria de poder ajudá-la em qualquer coisa, mas nesse assunto a única coisa que posso fazer é apóia-la. Apenas. - Vocês estão certos. - ela desliga o celular e o coloca em cima da mesinha ao seu lado. - Não vou pensar no que pode acontecer. Vinhemos para nós divertir, distrair a mente e é isso que iremos fazer.

- Isso! É assim que se fala.- Rafe exclama sorrindo fazendo minha irmã abrir um sorriso e ele engata em um assunto sobre o tipo de fantasia que escolheu para nós, já que o garoto está fazendo questão de deixar tudo em segredo rolo o menos até a hora da festa.

Nosso dia começou a melhorar e posso até jurar que essa festa me fará muita bem...

_____________________________

• JULIAN •

Pego uma garrafa de água, meu fone de ouvido e o celular antes de pegar o elevador e ir caminhando até o Central Park que não fica muito longe do nosso prédio. Enquanto a Emma e a Arya estão em um SPA se preparando para a noite de hoje. 

Em pensar que hoje está se encerrando um ciclo em minha vida, é louco e até um pouco assustador. Saber que daqui a alguns dias eu terei que ficar anos longe da minha família apenas trabalhando em construir meu futuro é um pouco preocupante. Eu sempre fui o tipo de pessoa responsável e me orgulho disso, mas por outro lado também sempre fui o cara família. Nunca passei mais de quinze dias longe deles e agora terei que ficar por conta própria em um lugar onde não conheço ninguém.

É um desafio do qual estou ansioso e receioso em viver. Porém, sei que é necessário e me fará crescer pra caralho.

Eu paro de correr e caminho até um banco de madeira perto das árvores do parque. Pego meu celular e desligo a música tentando assim conseguir escutar melhor o turbilhão de pensamentos que está passando me minha cabeça agora.

- Julian? - uma voz conhecida me chama e quando olho para cima vejo quem eu menos esperava encontrar aqui.

- Jess...

- Que bom te ver. - a garota sorrir e se aproxima de mim. - E uma grande conhecidência.

- Sim. - olho para ela e vejo o quanto a Jess parece tranquila e feliz. - Você parece muito bem.

- E estou! - o seu sorriso cresce. - Na verdade estou muito melhor do que eu achei que ficaria depois que você me enxotou da sua casa.

- Eu sinto muito Jess...

- Está tudo bem Jules. De verdade! - ela me corta. - Mesmo não sendo nada agradável lembrar do que aconteceu, do que eu falei... hoje eu consigo compreender que era apenas desespero por achar te amar demais. Mas não é assim! Eu confundi tudo e achei que meus sentimentos eram muito maiores do que na verdade são. - ela se aproxima e segura em minhas mãos olhando diretamente em meus olhos. - Eu amo você. De verdade. Você foi o garoto com quem eu dividir diversos momentos importantes para mim e por isso meu sentimento nunca vai deixar de ser grande e verdadeiro. Mas isso não justifica o modo como agi com você. Fui cruel, fui infantil e eu não sou assim! Você só estava expressando o que sentia e mesmo eu não concordando e odiando a ideia, só deveria ter aceitado porque se é impossível para nós mesmos controlar nossos próprios sentimentos, é ainda mais impossível tentar controlar o de outra pessoa. Eu sinto muito, me desculpe. Eu só estava...

- Com raiva. - termino sua frase. Entendo completamente o que ela quer dizer. - Você não precisa pedir desculpas porque foi super compreensível sua atitude. Eu sou o único que fiz algo errado. Deveria ter sido sincero com você e principalmente comigo mesmo. - ela sorri de leve e suspiro. - Queria ficar de boa com você outra vez. Sem esse papo de que só porque não estamos mais juntos nós temos que nos odiarmos e nos tornamos inimigos. Como você disse, nós compartilhamos momentos importantes e isso nunca vai mudar.

- Sim. Eu também quero isso! - a garota sorrir e então parece se lembrar de algo. - E ainda mais agora que iremos nos ver ainda mais.

- O que? Como assim? - pergunto e a Jess sorrir parecendo se divertir com minha confusão.

- Digamos que você não é o único que foi aceito em uma universidade bastante renomada. - conta sorrindo e eu levo alguns segundo até começar a entender.

- Você está dizendo que...

- Sim. Fui aceita na universidade da Austrália Julian. - estou tão surpreso com isso que nem mesmo consigo encontrar o que falar. - Não sei se você lembra, mas quando ainda estávamos juntos eu me escrevi lá por dois motivos: ficar perto de você e ir atrás do meu sonho. E por conhecidência e ironia do destino eu fui aceita antes mesmo de saber sobre sua escolha.

- Como sabe que eu escolhi a Austrália? - pergunto.

- Meu pai me disse. Ele tem contatos e esses contatos o informaram sobre você. Meu pai ainda não sabia que havíamos terminado e veio me perguntar sobre. - assinto entendendo tudo. - Mas não se preocupe, ele já sabe sobre o nosso término e mesmo não ficando contente com isso, ele aceitou.

- Fico feliz com isso. Tanto com o assunto do seu pai quanto a universidade. Você merecia isso. - sorrio sendo genuinamente sincero. - Meus parabéns Jess.

- Parabéns para nós dois. - a garota se aproxima de mim e me abraça. É extremamente importante saber que estamos bem outra vez, mesmo com toda merda que eu fiz por puro medo dos meus sentimentos. Jess é importante para mim e finalmente tudo seguirá bem em nossas vidas daqui a diante.

______________________________

Me olho no espelho mais uma vez visualizando a fantasia que me foi escolhida. O que o Rafael não inventar, ninguém no mundo inventa.

O garoto deixou hoje mais cedo uma sacola com a roupa em meu quarto. Admito que assim que eu a vi, não consegui identificar o que era. Para mim era apenas retalhos, mas agora, vestido, eu vejo do que se trata. Estou vestido com uma saia de tule preta que mostra toda a cueca desenhada com chifres do diabo, o mesmo que há em minha cabeça em forma de tiara. Também há dois adesivos em formato de cruz, que depois de ler as instituições que o Rafe fez para mim, eu descobrir que deveria colar em meus mamilos. Em meus pés há um tênis qualquer e saber que estou vestido de diabo só me faz pensar em como a Emma aparecerá em minha frente, já que a fantasia é de casal.

Eu saio do meu quarto e vou até a sala encontrando a Ary sentada no sofá com o celular em mãos.

- Está tudo bem? - pergunto quanto em aproximo atraindo sua atenção para mim.

- Sim. Estou conversando com o Max. - diz e então abre um sorriso quando presta atenção no que estou vestido. - Uau... O Rafael não brincou quando disse que estaria sexy. - ela diz sorrindo e eu paro para reparar em sua fantasia.

- E isso é o que? Rainha do Egito? - ela afirma com a cabeça ficando de pé me mostrando o quanto falta pano em sua roupa. - Não acha que isso está mostrando demais?!

- Isso é porque você não viu a fantasia da sua namorada. - por um momento eu penso que estou ferrado com a Emma e no outro eu percebo o que Ary disse.

- Minha namorada?

- Não me trate como se eu fosse uma idiota. Sei que você e a Emma estão juntos e não é de hoje. - diz sorrindo para mim e eu só fico calado. - Eu até pareço ser idiota irmãzinho, mas é como dizem: as aparências enganam. - quando eu ia abrir minha boca para falar algo, vejo atrás da minha irmã o motivo da minha morte certa vindo em minha direção com um sorriso sereno nos lábios e um olhar matador direcionado a mim.

Começo a olha-la de cima a baixo tendo certeza que hoje é o meu fim.

Nem por um maldito caralho eu ficarei longe dessa garota essa noite!

_____________________________

• EMMA •

Vestida de freira safada e com a minha melhor cara de anjo eu caminho ao lado do Julian que mesmo estando gostoso pra caralho, não parece nem um pouco feliz com a situação.

- Sinceramente, eu gostaria de verdade que você estivesse de sutiã. - internamente eu sorrio pela cara que ele faz e o jeito mal humorado que meu namorado está apenas pela roupa que estou usando. Mas por fora eu mantenho minha aparência serena e despreocupada. 

- Infelizmente não temos tudo o que queremos. - ele me olha e então balança a cabeça levando sua mão até minha cintura para me guiar para dentro do ginásio onde está acontecendo o baile. Na verdade a roupa nem está tão indecente assim.
Tudo bem, a blusa é sim transparente, mas apenas nos lugares certos. Há uma faicha de couro preto, combinado com a saia, tapando todo meu seio. Não dá para ver absolutamente nada, mas nas costa a blusa fica quase completamente aberta deixando evidente que estou sem nada por baixo e esse é justamente o problema do Julian. Mas eu? Eu estou completamente de boa com isso...

Entramos no ginásio e a música eletrônica fica ainda mais alta junto com a pouca iluminação do espaço. As luzes coloridas espalhadas por lugares estratégicos transformam o ambiente com cara de balada deixando tudo ainda melhor. E a decoração nem se fala... Tudo está extremamente perfeito e eu só consigo pensar que em dois anos eu estarei aqui me despedindo desse lugar onde passei uma boa parte da minha vida e vivi momentos tão memoráveis que são impossíveis de medir. Hoje é o Julian quem estará dando adeus e na verdade nem gosto de lembrar disso, de lembrar que quando nós finalmente conseguimos ficar juntos como eu sempre desejei, ele estará indo embora e ficará rodeado por pessoas novas.

Respiro fundo e quando olho para trás vejo a Ary se distanciando de nós enquanto fala ao telefone. Tenho certeza que isso se trata do Gabriel e meu lado superprotetora quer dá as caras, mas o Julian segura em minha mão e me olha nos olhos antes de aproximar seus lábios do meu ouvido.

- É assunto deles! - olho para ele e meu namorado/amigo/irmãozinho pisca um olho sorrindo de lado como quem diz em silêncio para confiar. Eu afirmo com a cabeça e seguimos até a pista de dança onde está quase o colégio todo mexendo o corpo ao ritmo da música. Mesmo não podendo mostrar nenhum afeto exagerado em público, nós não nos desgrudamos durante a noite toda. Ficamos um ao lado do outro enquanto bebemos, dançamos, conversamos e as vezes até fugimos para namorar um pouco escondido. Estava tudo correndo bem, até a Jessamine aparecer com um sorriso gigante no rosto e levemente alcoolizada.

- Julian, Emma... - ela sorrir de um jeito exagerado. - Que bom encontrar vocês dois. Juntos! - olhei para o Julian e ele aperta sua mão em minha cintura.

- Acho que você bebeu um pouco demais Jess. É melhor chamar um táxi para levá-la em casa. - diz de forma suave e ao mesmo tempo em que eu adoro o jeito cuidadoso dele, eu odeio que ele seja assim justo ela.

- Sem sermões Jules, por favor. - ela leva um dedo até a boca fazendo sinal de silêncio. - Hoje é dia de comemorar e nós dois merecemos isso porra! Além de estarmos nos formando e dando adeus a escola, ainda temos o fato de que iremos estudar em uma das melhores universidade da nosso área. - olho para o Julian um pouco confusa e vejo o exato momento em que ele fecha os olhos e abaixa a cabeça por um segundo antes de voltar seu olhar para a garota. - Você deve estar bastante feliz por ele Emma. Universidade da Austrália é um grande passo...

- Austrália. - eu não tiro meus olhos do garoto que parece evitar a todo custo devolver meu olhar. Eu respiro fundo e então entendo tudo. - Eu preciso de uma bebida, com licença. - saio dali antes que toda minha minúscula paciência não evapore e caminho até a mesa de bebida. O Julian não me disso nada sobre sua decisão sobre a universidade e agora eu entendo o porquê. O filho da mãe sabia que a ex iria estudar no mesmo lugar que ele e decidiu simplesmente me fazer de idiota enquanto, talvez, relembrasse o velho tempo ao lado da morena falsa pra caralho. Em lembrar do sorriso luminoso no lábio da vagabunda enquanto falava se sentindo tão íntima dele. Odeio sentir isso e odeio aquele garota.

- Acho que temos algum lance com festas. - uma voz surge atrás de mim e quando me viro eu vejo o Jem me olhando seriamente enquanto tenta me estudar cruzando os braços. - Está triste!

- Decepcionada e com raiva. - sorrio para ele o mais falso possível. - Essas palavras definem melhor meu estado de espirito nesse momento.

- Deixa eu adivinhar. - o garoto faz silêncio por um segundo como se estivesse realmente pensando e então continua. - O namoro está complicado.

- Bingo!

- Mesmo que eu nunca tenha vivido em minha própria pele e não saiba verdadeiramente como está se sentindo, já acompanhei relacionamentos de outras pessoas de longe e posso dizer que a melhor forma de resolver um desentendimento é com o diálogo. - ele diz de forma suave. - Conversar nos faz enxergar coisas que não conseguimos sozinhos. E a história de vocês dois já mostrou isso uma vez.

- Você está certo e eu sei disso. - suspiro e fico de lado para ele olhando as pessoas longe de nós dançando. - Mas saber o que devemos fazer não torna as coisas mais fáceis.

- Nem deveriam. - volto meu olhar para o garoto que ergue levemente seu lábio em um sorriso torto. - Relacionamentos não foram feitos para serem fáceis e exatamente por isso fazem as pessoas tão felizes. Não gostamos das coisas fáceis Emma, e normalmente o que vem facil também escapa das nossas mãos em um piscar de olhos.

- Quando você fala assim parece que já viveu diversas situações que o fizeram adquirir experiência. - sorrio de lado voltando o meu olhar para a pista de dança. - Gosto de ter um amigo tão maduro ao meu lado.

- Gosto de estar ao seu lado. - olho para ele esperando ver um sorriso brincalhão em seu rosto, mas a única coisa que recebo é uma intensidade grande em suas pupilas enquanto o Jem olha sério diretamente para mim. Por um instante a confusão toma conta de mim e assim que entendo do que isso se trata, o Julian surge em minha visão parando ao lado do loiro com uma expressão em seu rosto indecifrável até para mim.

- Podemos conversar Emma? - ele diz ignorando completamente a presença do Jem. Olho para o garoto e a raiva que aparece em mim só me mostra o quanto estou puta com o comportamento dele, mas mesmo sabendo que vai dá merda eu afirmo com a cabeça aceitando seu pedido.

- Com licença Jem, nos falamos depois. - ele pisca um olho para mim e viro as costas caminhando em direção a saída do ginásio sendo acompanhada pelo Julian. Estou tão puta, mas tão puta que não faço ideia do que pode acontecer além das óbvias palavras de raiva e revolta que irão sair da minha boca. Caminho calmamente em completo silêncio e quando chego ao estacionamento eu viro cruzando meus braços e ficando de frente para o Julian. - Estou esperando uma explicação.

- Antes de qualquer explicação, eu preciso me desculpar. Sei que não fiz certo Emma. Sei que deveria ter te contado sobre minha decisão no momento em que tivesse certeza. - ele está falando cada palavra com um certo desespero e eu só faço olhar para o garoto me mantendo seria. - Me desculpe, eu apenas tive medo e não consegui fazer o certo.

- Medo? - ele afirma com a cabeça mesmo sabendo que isso não fui exatamente uma pergunta. - O que achou que eu faria? Achou que eu brigaria com você? Que te obrigasse a escolher uma universidade mais perto quanto obviamente sua vontade era outra?! - ele olha para mim e quando abre a boca para falar eu não deixo. - Você me conhece Julian? Esses anos todos vivendo sob o mesmo teto como a porra de dois irmãos não serviram de caralho nenhum para você? Qual é o seu maldito problema? - cuspo as palavras para fora.

- Eu não tive medo do que você acharia e sim do que você sentisse. Nunca tive nenhuma relação a distância mas tenho certeza que deve ser um dos problemas mais difíceis que um casal pode enfrentar, ainda mais para nós dois que passamos anos das nossas vidas vivendo em uma mentira quando nossa vontade era outra totalmente diferente. - ele se aproxima de mim segurando em meus braços. - Eu te amo pra caralho e essa decisão foi a mais difícil que eu tomei porque eu sabia que estaria abrindo mão de ficar mais perto de você. Eu sabia que teria que colocar a confiança que existe entre nós na jogada e controlar o ciúme desenfreado que ambos sentimos. Foi difícil Emma, mas eu segui o meu coração porque acredito no que sentimos.

- O problema não é você ter escolhido essa universidade, na verdade eu até fico feliz pelo grande passo que deu e o quanto essa decisão irá ajudar em sua carreira. O grande problema foi você ter escondido de mim uma informação que não só mudará sua vida mas a minha também. Eu merecia saber!

- Eu ia te contar. Tomei a decisão de ir para lá e planejei conversar com você e esclarecer tudo na viagem que faremos amanhã. - diz e sei que está sendo sincero. - Queria que estivéssemos apenas nos dois, sozinhos.

- Por que a Jessamine sabe?

- Não foi eu que contei a ela. - diz rápido. - Eu havia recebido a carta da Austrália quando ainda estavamos juntos e a Jess sabia o quanto ela era uma possibilidade forte para mim. - afirmo com a cabeça querendo que ele continue. - O pai dela tem contatos e perguntou sobre minha situação. Nos encontramos por conhecidência hoje mais cedo quando eu saí para correr e ela me deu os parabéns.

- Certo...

- Tem mais uma coisa que você precisa saber. - vejo em seus olhos que essa notícia não é nada boa.

- Estou ouvindo.

- A Jess também foi aceita lá. Nós iremos estudar juntos. - mesmo já sabendo disso, a informação saindo da sua boca é como levar um soco no rosto e ficar completamente desnorteada sem saber o que fazer ou como agir. Por que as coisas para mim precisam ser sempre tão complicadas...?


Notas Finais


O capítulo foi recheado de acontecimentos nenêns. Cês gostaram?😊


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...