1. Spirit Fanfics >
  2. Tudo foi mentira >
  3. Capítulo 2

História Tudo foi mentira - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - Capítulo 2


Paris dezembro de 1981

Sem temer qualquer perigo, Hinata Yuhi correu a toda velocidade, atravessando a rua escorregadia, coberta de gelo, abrindo caminho entre as pessoas. 

Era natalem Paris, árvores guirlandas de luzes penduradas em todos os lugares luzes brilhantes em todo lugar lembrando a todos que Paris era afinal a cidade Luz. 

Mas a mente de Hinata não estava nas luzes ou naquela temporada alegre e festiva. Suas preocupações eram mais pessoais e muito mais urgentes. 

Estava a caminho do atelier de Orochimaru Yakishi para mais uma vez tentar conseguir um trabalho com o estilista. É apesar de saber que suas chances eram bem pequena de conseguir uma posição naquela famosa casa de costura ela não ia parar de tentar pior de que não conseguir seria envelhecer sem ter tentado. 

Na época em que Hinata estudava em Los Angeles, o Instituto de moda exibirá um documentário sobre o estilista "o mundo de Orochimaru" fascinada, Hinata, assistirá as três exibições. 

Por um momento ela parou na porta do edifício para recuperar o fôlego. A adrenalina correu mais forte em suas veias quando viu o nome de seu ídolo escrito em letras prateadas no vidro negro. 

Você consegue disse para si mesma, dando-se um empurrazinho. A resposta para todos os seus sonhos está atrás dessa porta. Tudo o que tem a fazer é esticar a mão e abri-la. 

Com sua audácia natural, entrou a porta fechou-se atrás dela, com autoridade silenciosa. 

A primeira sala usada para a recepção dos convidados, era grande toda em cinza. Móveis modernos revestidos de metal de metal, misturavam seu cinza prateado ao do carpete. 

Tayuya diretora do ateliê estava sentada diante de uma mesa revestida de laca.

Seu traje era de lá preta seu cabelo dividido ao meio e presos em um pequeno e elegante coque na nuca. 

Franziu as sobrancelhas quando reconheceu Hinata. Já sei. Hinata disse, levantando sua mão enluvada para impedir a queixa da diretora. Puxou o capuz para trás revelando uma cascata de cabelos pretos luminosos. 

A senhora já me disse milhões de vezes nos últimos seis meses que não há vagas. E que, mesmo se houvesse, não aceitariam americanos. Mas pensei que, se ao menos desse uma olhada em meu trabalho disse, esticando seu portfólio, poderia considerar a ideia de mostrar meus desenhos para monsieer Orochimaru. 

Hinata disse essa frase, embora já soubesse a negativa que receberia mas quem não arrisca não pesticas. 

Pará surpresa de Hinata, Tayuya não a expulsou imediatamente como fazia todas as outras vezes. 

Onde mesmos você disse que tinha estudado? Perguntou com voz tão fria quanto o olhar. 

No instituto de moda. Em Los Angeles. 

Los Angeles. A diretora mencionou tais palavras com ar de desdém, como se Hinata tivesse admitindo ser uma assassina em serei. Você é muito jovem. Quando se formou? Na realidade não me formei sou impaciente, portanto desisti para ir trabalhar em Nova York. Não quis acrescentar que o motivo mais urgente para abandonar o colégio foi o diagnóstico de câncer de sua mãe. 

Logo que Kurinai telefonou dando-lhe a terrível notícia Hinata foi até o colégio, cancelou sua matrícula e, com a recomendação de um de seus professores, arranjou um trabalho em firma qua fazia vestidos para lojas mais baratas. 

Nova York? Hum! 

Mas nunca parei de desenhar disse entregando novamente seu portfólio. 

Tayuya levantou - se de sua cadeira com uma graça que qualquer modelo teria invejado e disse, Venha comigo. 

Sem nem ao menos pensar em questionar o que teria mudado a decisão da diretora, Hinata segui-a, através dos labirintos de paredes cinza e carpetes prateados. Entraram em uma sala pequena e que poderia ser uma sala de interrogatório de uma delegacia policial. 

Apesar das prateleiras de aço que cobriam as paredes estarem cheias de rolos de tecidos, não haviam um fio de linha ou um grão de poeira a vista. 

Ao lado da mesa, havia um manequim sem rosto. Tayuya pegou um rolo de tecido branco de uma das prateleiras, puxou um esboço de um armário preto, colocou ambos sobre a mesa, juntamente com uma tesoura e disse. Vamos ver se você sabe drapear. 

Drapear? Mas eu vim aqui para.... 

Tive que dispensar uma das costureiras hoje, disse a diretora, impedindo que Hinata continuasse a falar. 

Com as exposições de alta costura do mês que vem precisamos contratar uma substituta imediatamente continuou a diretora. Se for capaz de cortar com propriedade, posso considerá-la para o cargo. 

Cortar definitivamente estava muito distante de desenhar nas, Hinata não estava exatamente em posição de escolha. 

Olhou para o esboço feito a lápis e achou muito sério não era uma peça que apresentaria em um evento de alto costura. 

Algum problema? Tayuya perguntou friamente. Absolutamente não, Hinata deu um sorriso seguro, tirou sua capa, jogou- a casualmente sobre a mesa tirou as luvas e começou a trabalhar. Menos de cinco minutos mais tarde, afastou-se e cruzou os braços. 

Portanto anunciou, o mais calmamente que conseguiu a resposta de Tayuya foi tirar os óculos de aro do bolso e colocá-los e começar a examinar centímetros por centímetros. 

É então? Consegui o trabalho? 

A diretora não respondeu ao contrário, virou-se e analisou Hinata dos pés a cabeça e perguntou. Onde conseguiu esse traje que está usando? Com uma autoconfiança que era em partes sua em parte um pouco de sua mãe que julgava que o sol nascerá somente para brilhar sobres eles. 

Hinata recusou(se a sentir se diminuída por aquele olhar. Eu mesma o desenhei. 

Esper você aqui amanhã as nove horas, quanto a seu salário... A quantia era menor do que ganhava no clube nortuno. 

É bastante generoso, madame, falou mentindo com os dentes entre errados. 

Terá que merecer cada tostão. 

Sem se deter pela ameaça velado, Hinata agradeceu a diretora pela oportunidade, prometendo chagar na hora, pegou seu portfólio e percorreu novamente os corredores por onde entrará. 

Quando chegou em casa sorrindo de felicidade pegou o retrato da mãe deu um beijo e falou conseguir o trabalho, espero que esteja orgulhosa. 

Hinata sentia falta da sua amada mãe ela tinha tanta confiança em seu talento. 

Quando saiu de Nova York dois dias depois do enterro de sua mãe, estava excitada e nervosa, mas principalmente arrasada. 

Pela primeira vez em sua vida estava realmente sozinha e apesa de ter sido criada para ser independente, bem lá no fundo estava apavorada. 

Agora, contra todos os fatos conseguir vencer a primeira parte de sua meta. Conseguiu ultrapassar porta de vidro negro de Orochimaru. A seguir tudo o que teria que fazer seria provar ao estilista que merecia a oportunidade e logo Orochimaru a reconheceria seu talento e receberia uma promoção. 

Será que conseguirá? 

Pode apostar decidiu com um brilho renovado de seu otimismo. 


Notas Finais


Oi gente desculpa pelo tempo tanta coisa aconteceu mais enfim voltei.
Descidir mudar um pouco hiatana não quis ela tímida nada diiso quis ela com determinação e ousadia espero que vocês tenha gostando desses capítulos
Comente aí o que vocês acharam


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...