História Tudo por amor - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias CNCO, PRETTYMUCH
Personagens Austin Porter, Brandon Arreaga, Christopher Vélez, Edwin Honoret, Erick Brian Colón, Joel Pimentel, Nick Mara, Personagens Originais, Richard Camacho, Zabdiel De Jesús, Zion Kuwonu
Visualizações 18
Palavras 2.193
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


“Deveria ser proibido amar tanto alguém do jeito que amo você, porque só eu sei o que sofro por não ter você!”

“Se o amor é permitido aproveite, mas se for proibido arrisque, lute, pule mais alto e jamais desista de o viver!”

“Se amar você for crime,qual será minha sentença ?”
- Ycaro Loureiro

“Meu crime? amar demais alguém proibido. Meu castigo? amar tanto e não ser correspondido."
- Wellington Alves

Perdão pelos erros ☹️
Boa leitura 💕
Espero que gostem do capítulo e deixem suas curtidas e comentários que são muito importantes pra mim 😁❤️
Se preparem porque o capítulo de hoje tá muito booooom 😜

Capítulo 10 - Crime de amor


Fanfic / Fanfiction Tudo por amor - Capítulo 10 - Crime de amor

T/N (POV) 

Já faz algumas horas que estou esperando a resposta de Erick mas até agora nada. Prefiro pensar que ele ainda não conseguiu entrar em contato comigo. 

Essas horas também serviram para que eu pensasse a respeito da minha situação. Assim como eu penso que Erick pode não ser o pai, eu tenho que assumir minhas responsabilidades. Não acho justo Erick ser o único a saber dessa situação, por isso mandei mensagem ao Joel, que me respondeu quase que instantaneamente.

- T/N: Oi Joel, tudo bem? 

- Joel: Oi T/N, tudo certo e com você? 

- T/N: Tudo bem... então, eu queria saber se você tem algum compromisso hoje à tarde?? 

- Joel: Por enquanto eu não tenho nada. Do que precisa?? 

- T/N: Queria conversar com você sobre um assunto muito importante. É coisa séria. Mas prefiro que seja pessoalmente! 

- Joel: Claro, sem problemas. O que acha de nos encontrarmos naquela cafeteria perto da sua casa em uma meia hora?

- T/N: Se não for incômodo...

- Joel: Você nunca é incômodo! Te vejo lá! 

Joel (POV) 

Faz algumas semanas.... para ser mais exato no dia em que Erick traiu T/N na festa de Zabdiel que aconteceram algumas coisas que eu não sei interpretar direito. 

* Flashback on 

Eu tinha ido embora da festa depois da cena ridícula de Christopher falando que tinha dormido com a irmã da T/N. Desculpa mas pra mim ele não sabe respeitar uma mulher. Não sei como ainda não engravidou ninguém.

Cheguei na minha casa e fui direito pro quarto para trocar de roupa e quando coloquei a mão no bolso percebi que tinha esquecido meu celular na festa. Bati com a testa no armário e me xinguei de burro. Quem é o cabeçudo que faz uma coisa dessas? A festa ficava do outro lado da cidade... 

Peguei minha paciência e a chave do carro e voltei pra festa. Quando cheguei lá encontrei Erick chorando em um canto mas decidi não me aproximar e nem perguntar o que era porque quando ele fica nesse estado emocional, ninguém consegue ser tratado com educação por ele. Eu até entendo que talvez seja um momento difícil e geralmente as pessoas querem ficar sozinhas mas nós somos amigos dele e só queremos ajudar. 

Passei por Zion e ele me disse que os meninos da minha banda já tinham ido embora, tirando Erick. Richard tinha ido atrás da filha, Zabdiel estava cansado e Christopher arranjou mais alguém pra passar a noite fora. Isso não me surpreende. Procurei pelos sofás da vida, como aquela casa era imensa (era sofá que não acabava mais) até conseguir achar meu aparelho. Me despedi dos garotos e fui em direção ao estacionamento novamente. 

No meio do caminho minha atenção é desviada porque ouço o choro de alguém. Parece uma voz feminina. O som era proveniente do meio de alguns carros. Eu tenho coração mole, lógico que fui ajudar. Passei pro entre alguns carros, não ouvi nada e acho que a pessoa percebeu que eu estava procurando por ela porque parou de chorar no mesmo instante. Só que quando dei meia volta pra ir pro meu carro, ouvi um soluço e olhei pra trás. 

Foi só então que vi que a moça era a T/N e que ela estava chorando abraçada as pernas e com o cabelo no rosto. Rapidamente me aproximei dela.

- Joel: Ah meu Deus do céu! Você tá bem? O que aconteceu? Tá machucada??

Perguntei me agachando ao seu lado e tirando os cabelos de seu rosto mas ela apenas continuou chorando 

- Joel: Eu sei que você adora quando eu faço piada ou alguma brincadeira com os garotos mas adivinhação não é o meu forte! 

Digo sorrindo e ela apenas dá um risinho 

- T/N: Eu terminei com o Erick...

Disse me olhando nos olhos e por um momento percebi que estavam escuros como eu nunca os havia visto antes. Respirei fundo sem entender de primeira e abri meus braços. Em questão de segundos ela estava escorada em meu peito e eu abraçado a ela por trás. Acariciei seus cabelos e beijei sua testa até ela parar de chorar. 

- T/N: Até quando vai me deixar chorar? 

- Joel: O choro é uma forma de expressão, sabia? Independente de qual for o seu sentimento, quanto mais você chorar melhor você fica. Pode chorar à vontade, eu aguento à noite toda! 

Ela sorriu 

- T/N: Você não existe Joel... 

Disse me dando um abraço mais apertado

- Joel: Quer conversar sobre isso agora ou quer deixar pra depois? 

- T/N: Não quero falar sobre isso agora... ainda não to pronta! 

- Joel: Tudo no seu tempo! Fica tranquila! Quer que eu te leve pra casa?

- T/N: Não vai ser pedir demais?

- Joel: Nunca! 

Me levantei do chão e estirei a mão em sua direção. Ela riu e se levantou 

- T/N: Para com isso... me faz parecer uma princesinha da Disney! 

Disse rindo 

- Joel: De princesinha da Disney você não tem nada, confia em mim! Nenhuma delas é briguenta, pavio curto e bravinha feito você! 

Digo segurando o riso 

- T/N: Haha, muito engraçado. Falou o cara que se vestiu de Salsicha no Halloween! 

- Joel: Mas confessa que eu era o Salsicha mais gato da festa! 

Rimos e eu abri a porta do carro pra ela. Fomos até sua casa mas na hora de descer do meu carro ela me olha com uma carinha de quem vai me pedir alguma coisa e eu estou muito cansado pra dizer não. Além do mais, com a carinha de boneca que ela tava, não tinha como falar nada. Independente de qual fosse o pedido! 

- T/N: Eu pedi pro Erick guardar a chave de casa no bolso... eu não peguei de volta! 

- Joel: Bom, eu não to com dinheiro aqui pra você passar a noite num hotel. Algum problema se eu te levar pro meu apartamento? Tem dois quartos, fica tranquila! 

- T/N: Como eu sei que você é de confiança? 

- Joel: Eu to só o pó da caveira, fica tranquila que eu não vou fazer nada! 

* Flashback off 

Isso foi o que eu pensava...

Levei ela pra minha casa e tudo estava acontecendo perfeitamente normal porém ambos tínhamos bebido alguma coisa naquela festa. E em decorrência disso, muitas coisas aconteceram... 

* Flashback on 

Eu mal fechei a porta do apartamento e ela correu pro banheiro. Se passaram cinco minutos e é normal isso, depois foram dez, quinze e quando deram vinte minutos que ela estava trancada no banheiro e eu comecei a ficar preocupado. E se ela estivesse passando mal??

- Joel: T/N, T/N, T/N... tá tudo bem??

Pergunto batendo na porta do banheiro e tento abrir a maçaneta mas está trancada 

- T/N: Sim, não se preocupe...

Disse e jurei ter ouvido como se fosse uma voz muito distante. Pelo menos, mais distante do que parecia e deveria estar. Insatisfeito com a resposta e não convencido da situação, acabei arrombando a porta para saber se estava tudo bem. 

Tive duas reações quando olhei pra dentro do cômodo. Primeiro: não pensei no custo que iria me trazer para trocar a maçaneta. Espero que não seja tãooooo cara assim. E a segunda era de que eu já esperava encontrar ela assim: chorando e abraçada ao vaso sanitário. 

- Joel: Ei, levanta daí! Você não é lixo pra ficar no chão! 

- T/N: Quem sabe se eu ficar aqui feito um lixo, eu vire um, alguém me recolha e me coloque de uma vez no meio da rua!

Respirei fundo percebendo que agora eu lidaria com a T/N um pouco alterada por causa do álcool: fase de criancices. Peguei ela em meu colo e a tirei do banheiro, levando em direção a sala de estar e a colocando no chão. Segurei sua cintura por alguns segundos só para ter certeza de que ainda tinha controle do corpo e que conseguiria manter o equilíbrio. Percebi que ela estava “plena” quando voltou a chorar, então a soltei.

- T/N: Que merda eu fiz pra receber isso? Uma traição?? O que eu tenho de errado?? O que minha irmã tem que eu não tenho? Se quisesse me deixar, era só ter me falado... não precisava dormir com a Camila!!

- Joel: Para de chorar T/N, ele não merece nenhuma lágrima uma! Não deve sofrer por pessoas iguais a ele: que nunca souberam te valorizar. Você é linda! Não precisa dessas coisas!

Digo tentando dar ânimos pra ela

- T/N: O que eu tenho de tão ruim pro meu namorado querer outra mulher??

Disse para continuar se sentindo pior e sofrendo cada vez mais 

- Joel: Você não tem nada de ruim T/N, pelo contrário... você é perfeita! 

Ela é linda, parece uma garota incrível e eu com certeza namoraria com ela. No início de tudo, quando conhecemos ela e nos tornamos amigos, eu me apaixonei imediatamente porém logo ela começou a sair com o Erick e fui percebendo, de pouco a pouco, que ela retribuía os sentimentos dele e que a coisa estava ficando cada vez mais séria.

Por mais que eu tentasse, não conseguia apagar ou acabar com cada um desses sentimentos que eu tinha por ela. Era algo muito forte, intenso e nunca tinha sentido nada igual por mulher alguma. Cheguei à conclusão de que deveria aclarar as coisas entre nós quando, num belo dia, Erick chega do nada e diz que os dois estão namorando. Aí fudeu tudo pra mim!

Erick era meu amigo de longa data e eu não podia deixar uma amizade tão importante quanto a nossa se acabar por conta de uma mulher. Tudo bem que não era uma mulher qualquer, mas sim um mulherão da porra, mas eram “apenas” sentimentos não correspondidos, isso significava que eu poderia sobreviver sem eles. Eu não podia estar apaixonado pela namorada do meu melhor amigo. Seria irresponsável da minha parte. 

Mas porra... esses sentimentos voltam cada vez que a vejo, que a abraço, que lhe dou um beijo no rosto ou que a tenho tão perto de mim como nesse exato momento...

Ela apenas sorriu pra mim e me olhou com lágrimas nos olhos. Pouco a pouco fomos nos aproximando até ela segurar meu rosto e juntar nossos lábios num beijo lento e apaixonado que durou até chegar a maldita falta de ar. Olhei em seus olhos e percebi que ela queria outro beijo igual e eu não pude resistir. Agarrei sua cintura e colei nossos corpos o máximo que eu podia, e nosso outro beijo se transformou em luxúria e desejo.

Por mais que eu estivesse com os hormônios à flor da pele, à vontade explodindo em beijos e outras mil coisas, eu tinha que fazer isso parar e tinha que ser agora senão isso iria longe... muito longe!

Paramos por falta de ar e antes que ela começasse outro beijo, segurei seu rosto em minhas mãos e, olhando diretamente em seus olhos, fui sincero

- Joel: Precisamos deixar isso por aqui porque depois eu não vou parar...

- T/N: Não para... esqueçamos de tudo... só hoje! 

Disse unindo nossos lábios novamente e eu me entreguei de uma vez por todas porque não aguentava mais ter a oportunidade e não fazê-la minha. 

Peguei-a em meu colo e fomos até meu quarto, deitei-a na cama e tranquei a porta e apaguei as luzes. De pouco a pouco a roupa já não foi nos fazendo tanta falta. Nossos beijos eram intensos e suaves ao mesmo tempo, como se nós quiséssemos ir com tudo mas aproveitar cada segundo que nos restava naquela cama.

Estávamos sem nada quando comecei a dar beijos úmidos e quentes por todo o seu pescoço, percorri todo seu corpo até chegar em sua parte mais íntima. Distribui beijos naquela região ainda com medo de que ela não quisesse mas percebi que se entregou pra mim ao gemer meu nome bem baixinho e pediu que eu não parasse. 

Isso me fez perder um pouco da vergonha e então eu fiz com muita vontade até ela escorrer em minha boca. Senti suas mãos em meus cabelos e ela me puxou para si e me deu um beijo intenso. Depois de alguns minutos me tocando, abriu ainda mais suas pernas e me encaixei entre elas. 

Ela não foi minha primeira.... infelizmente... mas sem dúvida alguma foi a melhor com quem já estive. Não sei se os nossos sentimentos nos enganam nesse momento porém nunca me senti tão bem, tão feliz e tão completo com uma mulher na cama. 

Chegamos ao nosso máximo e sai de cima dela e me deitei ao seu lado. Ficamos alguns minutos encarando o teto sem saber como olhar um para o outro, num silêncio mortal. 

- T/N: Isso nunca aconteceu, entendido Joel?

- Joel: Entendido... nunca aconteceu nada entre nós dois! 

Digo tratando de esconder a tristeza que suas palavras causaram em mim. Eu achei que ela estivesse na mesma vibe. Sei que, literalmente, acabou de terminar com o namorado porém eu não a obriguei a nada então acreditei que ela estava curtindo e queria tanto quanto eu... que iludido eu sou!

* Flashback off 


Notas Finais


E aí?
Vocês preferem: T/N e Erick ou T/N e Joel?? 🤔
Que noite, hein? 🔥😏❤️
Só eu que estou com uma peninha do Joel agora? ☹️💔
Beijos e até qualquer hora ☺️💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...