1. Spirit Fanfics >
  2. Tudo por uma desconhecida >
  3. Capítulo 24

História Tudo por uma desconhecida - Capítulo 24


Escrita por:


Notas do Autor


Acho que não tenho desculpas para vocês por causa da demora, mas vou tentar melhorar.
Gostaria muito de saber o que acharam desse capítulo, já que ele é um pouco diferente dos outros.
Mas espero que gostem!

Capítulo 24 - Capítulo 24


 ´´Já havia anoitecido e mesmo assim esperei, ele prometeu que iria voltar, que largaria essa vida e que voltaria para casa.

A noite estava escura e chuvosa, o ar estava gélido, minhas roupas estavam ensopadas e eu congelava, mas mesmo assim eu permaneci no telhado esperando por ele.

Segundos, minutos, horas se passaram e nada, já não sabia se estava chorando ou se era a chuva, tento criar qualquer tipo de desculpa para justificar seu atraso mas não consigo pensar em nada, meus pensamentos eram pura confusão.

Me preparo para entrar quando ouço o som das sirenes. Entro em estado de alerta, Sinto a adrenalina em minhas veias me deixando completamente paralisada de medo. Começo a tremer e a suar frio, fecho meus olhos e peço a Deus, com todas as minhas forças, que eu esteja enganada, apenas isso.

O som das sirenes se aproximam e com relutância abro meus olhos, e em meio ao caos, vejo os carros da polícia fazendo uma barricada e obrigando quem quer que fosse a sair do carro, e com muita tristeza, vejo a cabeleira loira do meu pai.

´Ele prometeu, prometeu, prometeu. `

Eu repetia isso a cada segundo, quando o vi se rendendo, sendo algemado e levado para a prisão, de novo. Por um mísero instante nossos olhares se cruzam e vejo arrependimento, desculpas e palavras que não poderiam ser ditas.

Minha tristeza se transformou em raiva, meu medo em puro ódio contido, sentia que podia incendiar Gotham com apenas um olhar. Meu pai, Mestre das Pistas jurou que nunca mais voltaria para a vida do crime, que juntos iriamos mudar de vida e nada mais importaria a não ser nós.

Foi a partir desse momento, que decidi nunca mais acreditar em suas mentiras e mostrar a todos quem ele realmente era.

Um homem doente que não conseguia sair do fundo do poço, nem mesmo pela sua única filha, que o amou mais que tudo e que acreditou até não restar mais ninguém. Nem mesmo ela.

-----------X-----------

 Vivíamos em uma área não muito bem vista pela sociedade de Gotham, um dos bairros mais perigosos e pobres são ideais para um criminoso, mas terríveis para uma menina, sozinha e pobre. Eu era tudo isso.

Mas pelo menos eu sabia me defender.

´Pelo menos alguma coisa útil aquele imprestável me ensinou`

Foram dias difíceis e noites piores ainda, vivia com medo do que poderia me acontecer caso me descuidasse, dormia agarrada a um taco de beisebol e trabalhava em uma lanchonete local com um pedaço de vidro no bolso.

Até que não demorou muito para a assistência social bater na minha porta, pelo que parece, uma criança de treze anos não tinha condições de viver em um local como aquele. Não tive muita escolha a não ser ir embora do meu pequeno apartamento de apenas um cômodo.

Juntei minhas coisas e fui embora com a assistente. Eu seria levada para o Orfanato Smyllum Park, que ficava em uma área um pouco mais afastada da cidade.

Assustador é pouco para descrever aquele lugar, era uma construção antiga, grande e medonha. As paredes já estavam desgastadas pelo tempo e pela sujeira, árvores secas e retorcidas preenchiam o lugar e pequenas estátuas de anjos já degastados pelo tempo, decoravam o caminho até a entrada do orfanato.

Smyllum, comandando pelas Filhas da Caridade.

Eu queria fugir, sair de lá o mais rápido possível, qualquer lugar era melhor que aquilo. Mas antes que eu pudesse fazer alguma coisa, a assistente agarra meus braços e me arrasta para dentro.

----------X--------

Estava escuro e sentia cheiro de mofo e algo podre, não conseguia enxergar nem minhas próprias mão nesse lugar, meus joelhos doíam de tanto ficar ajoelhada nesse quartinho, eu podia sentir o ar ficar mais denso e conseguia escutar as outras crianças rezando baixo do outro lado da porta.

O piso de madeira rangia sob os pés da irmã Ana, andando de um lado para o outro conferindo se as outras crianças estavam fazendo a preces matinais corretamente. Era um dia quente de verão, o suor escorria pelas minhas costas e pelo meu rosto e as roupas não ajudavam muito.

Blusas com mangas e calças longas escuras eram o nosso uniforme e não importava em qual época estávamos, não podíamos usar outra coisa, porque era pecado. E talvez eu tenha um short jeans e uma linda regata branca de renda e uma das irmãs viu no meio da minhas coisas. E talvez eu tenha levado uma surra por isso.

Mas não me arrependo, farei de novo, e com certeza usarei algo muito mais escandaloso na próxima vez e ai sim eu darei motivo para ser castigada.  

-------X---------

Recentemente criei uma identidade, a Salteadora e desde então venho frustrando o Mestre das Pistas e tudo o que ele faz. Eu estava exausta, dele, do orfanato; de Gotham... De tudo! Eu precisava de um tempo pra mim relaxar e acalmar meu ânimos   

A música estava alta e quase estourava meus tímpanos, meu sangue fervia em meio a dança e meu corpo estava totalmente entregue ao álcool. As irmãs me matariam se soubessem onde estou e o que estou fazendo agora.

Só queria esquecer de tudo por um momento, nada demais. Eu já sabia o que aconteceria caso eu fosse pega pela irmã Ana ou qualquer outra freira daquele lugar, mas agora eu iria focar nesse momento, nessa sensação de liberdade, mesmo que dure apenas mais algumas horas.

 

She was always dealing with the devil

She was always into taking those chances, yeah

She said she met a couple other women who were into going late night dancing, yeah

Then she fell in love with a pill that could take away all her pain

Then she fell in love with a whole new drug that could fill her veins

And then

 Não me lembro de muita coisa depois daquela noite, apenas que eu tinha bebido algo de um estranho e então eu não era a mesma, pela primeira vez minha mente estava calma, meu corpo nunca esteve tão leve e a sensação de satisfação era incrível. Eu estava bem, pela primeira vez em anos.

 

She's high (high)

She lives in the sky

Tonight, she's satisfied (satisfied)

Rolling back her eyes

But then she starts to cry (to cry)

Everything is turning to black

All in one night (one night)

She just went to heaven and back (back)

Então tudo escureceu, eu sentia um gosto amargo na boca e minha língua pesava, não escutava nada além de uma lenta batida ao fundo, minhas mãos tremiam e suavam e minha cabeça latejava. Me sentia totalmente inerte a tudo ao meu redor. Aquela sensação foi embora e substituída por algo pior, algo que eu tentava a todo custo fingir que não estava lá.

Eu fui ao céu e voltei.``

-----------X--------

Não gosto de lembranças, principalmente as relacionadas ao meu passado, mas é inevitável pensar nele, principalmente quando essa maldita música.

Não foi nada fácil viver daquele jeito, sem pais, amigos ou qualquer outra merda. Quando me tornei a Salteadora pensei que poderia ser diferente, talvez pudesse trazer meu pai de volta e quem sabe recomeçar.

Mas virou uma obsessão, uma necessidade compulsiva, não importava o quanto eu o frustrasse, sempre voltava para o crime sem nem pensar duas vezes.

Foi então que em meio a essa fase da minha vida que encontrei os titãs, poder fazer algo ou simplesmente fazer parte de algo maior era o motivo de eu ainda continuar. Os titãs são minha válvula de escape, apenas algo em que eu posso me concentrar sem ter que me preocupar com a Stephanie Brown.

Estava entediada e pensar não ajudava em nada, já tinha mexido em todas as minhas redes sociais e não tinha mais nada pra fazer, me viro na cama e observo a paisagem pela janela, estávamos no meio da tarde, o sol ia se pondo e o céu adquiria tons de alaranjado e avermelhado, uma brisa agradável entrava pelo meu quarto e trazia um delicioso aroma adocicado e refrescante de flores.

 Já faz quase dois meses e nada da bruxinha e da Alien, sinceramente, não fazem falta nenhuma e sem a presença delas eu poderia finalmente chamar a atenção do Damian só para mim. Estava determinada a fazer isso, eu precisava disso.

No inicio, quando o vi pela primeira vez, achei que era apenas atração, nada realmente sério, mas então tudo mudou. Quando o vejo não consigo me concentrar em outra coisa, o mundo perde o foco, meu coração perde as batidas e fica dificil respirar. Faço de tudo para que ninguém note, mas a cada dia fica mais complicado.

Mesmo eu tentando dizer para mim mesma que nunca precisei de ninguém, sempre ouve uma parte de mim que não se sentia completa, talvez por estar sempre sozinha ou pela falta de uma figura masculina na minha vida, mas assim que o vi, eu percebi que ele era o único que poderia me completar.

Não entendo como, apenas sinto isso.

E farei de tudo para que ele seja meu.


Notas Finais


Me perdoem por qualquer erro.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...