História Tudo tem seu preço ( BakuDeku - KatsuDeku ) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Chiyo Shuzenji (Recovery Girl), Dabi, Denki Kaminari, Eijirou Kirishima, Inko Midoriya, Izuku Midoriya (Deku), Katsuki Bakugou, Kyoka Jiro, Mina Ashido, Minoru Mineta, Momo Yaoyorozu, Ochako Uraraka (Uravity), Shouta Aizawa (Eraserhead), Shouto Todoroki, Tenya Iida, Toga Himiko, Tomura Shigaraki, Toshinori Yagi (All Might), Tsuyu Asui
Tags Bakudeku, Bkdk, Bnha, Construindo Laços, Deku, Kacchan, Katsudeku, Proposta
Visualizações 165
Palavras 2.116
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Opaaaa sz
Tudo bom meus bebês?
Espero que estejam ótimos nhaaa sz
Eu fiz essa história no outro perfil, porém eu quero modificar algumas coisas dessa vez, teve algo antigamente que, eu fiquei bem insatisfeita com tudo
Eu gosto do modo que o Deku gosta do Kacchan...
ESPEREM!
Não me matem!
Eu gosto de transparecer o modo como ele ama cegamente o Kacchan, gente, quem no mundo corre atrás do ser que só lhe machuca sem amor?
BakuDeku é real, aceitem!
Eu gosto muito do modo como ele corre atrás dele e tem resultados, eu gosto muito deles dois juntos e só a minha opinião importa, é isso
Eu vou tirar algumas coisas que tinha antigamente e vou colocar coisas novas, por que eu quero!
É só isso mesmo, vamos ver o que irá sair dessa minha mente nhaaa
Primeiramente desculpem os meus erros de escrita, pois como muitos de vocês sabem eu não sou brasileira
Espero que gostem nhaaa sz
Tenham uma boa leitura sz beijinhos sz

Capítulo 1 - Palavras difíceis de se ouvir



A chuva caía no corpo de ambos lhes molhando ainda mais enquanto o loiro lhe fita incrédulo, surpreso, em choque, talvez o golpe fora forte demais até para alguém como ele, até para alguém que não parece ter sentimentos, porque fora dizer isso para ele justo agora? Porque dizer isso no meio de uma briga aliás? Será que não percebe que, ele jamais irá retribuir os seus sentimentos? Apertou a calça com toda a sua força se permitindo sentir o ardor se apossar de suas mãos, precisa focar, precisa parar de tremer, precisa falar algo pra ele o mais rápido possível, não quer mais ser olhado de tal maneira como está sendo agora, engoliu em seco tentando limpar sua garganta para falar algo, mas não obteve sucesso algum igual dá última vez que tentou, observou a boca alheia abrir e fechar como se estivesse procurando as devidas palavras para lhe dizer, porém nada saiu e esse silêncio por parte dele lhe dá medo, a chuva está grossa, gélida, entretanto não está mais gélida que o seu coração nesse exato momento, por alguma razão nem tão desconhecida assim sente que o loiro lhe odeia bem mais agora, lhe odeia muito mais por saber o que sente, sua bochecha direita está doendo pelo soco do outro, ele tem muita força, suas pernas estão temendo, suas mãos soam frio e ele continua lhe fitando completamente incrédulo, não deveria ter dito isso pra ele, sabe perfeitamente que, ele jamais irá sentir o mesmo por si e mesmo agora, bem com ele a sua frente, mesmo que tenha 1 metro separando ambos, mesmo com a situação que encontra-se, mesmo com isso tudo quer o abraçar, quer fazer ele se acalmar e talvez tentar uma conversa qualquer, mas há quem está querendo enganar? É mais fácil o inferno congelar do que ter uma conversa calma com o loiro, é mais fácil ele lhe deixar em pedaços, arregalou os olhos ao ouvir o som de uma explosão, ou seja, ele saiu do transe que estara até momentos antes e sem dúvida alguma está bem irritado, irritação essa que será descontada em si.

- O QUE VOCÊ DISSE SEU NERD MALDITO? REPETE! - apertou a peça mais forte desviando o olhar do outro, agora percebe perfeitamente que não deveria ter dito isso, não deveria ter dito sobre os seus sentimentos, porém já que falou, não pode mais voltar atrás, então tudo que lhe resta agora é criar coragem e dá continuidade ao que estara falando anteriormente.

- EU DISSE... QUE te amo... - mordeu o lábio inferior com força para afastar o que quer fazer desde do seu soco, está com uma imensa vontade de chorar, está querendo chorar até não poder mais, talvez até sair essa bola que está presa em sua garganta, após isso acontecer talvez fique melhor, só talvez, está criando expectativas que sabe perfeitamente que não irão se realizar.

- PORQUE CARALHOS VOCÊ ME AMA? VOCÊ É IDIO...

- EU TENHO COMO IMPEDIR O QUE SINTO POR VOCÊ, KACCHAN? ISSO É CULPA MINHA? ACHA MESMO QUE SE EU PUDESSE ESCOLHER IRIA TE AMAR? - a boca alheia fechou e o seu olhar desviou enquanto um " tsc " se fez presente, essa é a mais pura verdade, se pudesse escolher não iria o amar, pois esse sentimento é doloroso demais, machuca demais, não só psicologicamente, mas também fisicamente já que, ele bate em si, está cansado de gritar, porém o som da chuva lhe faz o fazer.

- ENTÃO PARE DE ME AMAR AGORA, QUE INFERNO! - observou ele lhe dá as costas e isso doeu, doeu muito, pois mais uma vez ele está lhe deixando sozinho, mais uma vez ele está lhe ignorando, mais uma vez ele está indo para longe de si e ficar sozinho lhe machuca, machuca muito mesmo, então porque não tentar algo? Já está todo ferrado mesmo, porque não acabar de ferrar com tudo?

- PORQUE!?... PORQUE NÃO PODE ME AMAR TAMBÉM, KACCHAN? O QUE ISSO TE CUSTA? - outra explosão fora ouvida por parte dele e novamente ele fixou os olhos em si, porque? Porque ele sempre lhe olha com tanto ódio assim? Porque é sempre o mesmo olhar? Porque não pode lhe olhar de outro modo? Será que ele não percebe que esse olhar lhe fere bem mais que os seus socos?

- POR QUE EU ODEIO VOCÊ! - tudo a sua volta silenciou ao ouvir tais palavras, já suspeitava disso desde muito tempo atrás, porém as ouvir assim, de um modo tão ríspido, de um modo tão grosso, de um modo tão raivoso lhe faz querer chorar até não poder mais, ele falou palavras fortes sem pensar, sem dá importância para o peso delas, como ele é malvado.

- porque!?... EU NUNCA FIZ NADA DE MAL PRA VOCÊ, NUNCA MESMO KACCHAN - passou o antebraço esquerdo nos olhos bruscamente limpando as lágrimas que estão insistindo em cair, não quer chorar na frente dele, não quer ter que o ver embaçado mais uma vez pelo mesmo motivo, dessa vez irá fazer algo diferente, dessa vez irá aguentar tudo dentro de si, mesmo que morra aos poucos, mesmo que lhe doa, irá aguentar tudo calado.

- E EU LÁ PRECISO DE MOTIVO PRA ODIAR ALGUÉM COMO VOCÊ? - soltou o ar pesadamente, porém saiu meio que um soluço abafado, as palavras dele lhe doeram demais, ainda estão doendo bem no seu peito para ser franco, ele está latejando, está querendo sangrar, talvez quer lhe pedir para parar de se machucar tanto, sim, com certeza ele quer é isso, então é melhor o ouvir.

- não... você não precisa Kacchan... - voltou a passar o antebraço esquerdo nos olhos, hoje não irá chorar na frente dele se bem que, se isso ocorrer a chuva irá disfarçar suas lágrimas, ela irá esconder os seus verdadeiros sentimentos transboradando de si, irá esconder o que está acontecendo dentro de seu peito, talvez seja melhor deixar tudo sair agora mesmo.

- tsc! - observou ele dá a volta mais uma vez, ver as costas dele se distanciando de si, ver ele lhe deixando sozinho sempre é doloroso demais, doloroso por inúmeros motivos, por se sentir vazio, por se sentir pequeno, por se sentir inútil, mas dessa vez o principal deles é a sua rejeição.

               ~ minutos depois ~

- oh, Midoriya, você está bem? O Bakugou chegou, estava exalando irritação por cada poro e você está com o rosto machucado, ele te bateu outra vez? - forçou o maior sorriso que pôde por agora, não quer falar sobre o que aconteceu, pois ele com certeza irá brigar com o loiro, não quer falar sobre a dor que o seu coração está agora, o bicolor é o seu melhor amigo, sim, claro, porém agora não, não quer falar disso mais nunca, entretanto sabe que terá que falar.

- tivemos apenas uma pequena discussão, nada demais, não se preocupe, bem, vou tomar um banho agora - subiu as escadas sem se importar com os olhares dos demais sob si, sem esperar perguntas, pois com certeza iriam lhe perguntar bastante, tudo que precisa agora é tirar essas roupas molhadas, tomar um banho e dormir, talvez assim esqueça que fora rejeitado de um modo tão doloroso.

Assim que chegou no quarto, fora até o banheiro, tirou as roupas e automaticamente ligou o chuveiro se enfiando embaixo dele, talvez a água fria possa levar um terço da metade da sua decepção, da sua dor, da raiva que está de si mesmo por ter dito tudo sem pensar, mas no fundo sabe perfeitamente que ela não tem esse poder, infelizmente ele não tem, observou a água sumir pelo ralo do banheiro, não sabe exatamente pra onde ela irá, porém quer ir pra lá com ela, quer sumir, quer evaporar, quer apenas não ter que olhar mais para o loiro, pois será bem mais doloroso o fazer apartir de hoje, soltou o ar pesadamente demonstrando a sua frustação consigo mesmo e fora aí que não aguentou mais, lágrimas passaram a deslizar por seu rosto o queimando, quisera dizer que, a água fria empata essa dor lhe queimar, porém não empata, tudo está um caos dentro de si lhe engolindo inteiro, o local do soco recebido está doendo, entretanto o seu coração está bem mais, preferia mil vezes receber mais socos do que ter que ouvir aquelas palavras, do que ter a certeza que o ser humano que ama lhe odeia, o olhar que ele lhe diregiu lhe feriu de um modo muito grande, fora como se ele estivesse com nojo de si, com ódio, com raiva, com repulsa, fora como se ele preferisse receber uma declaração de um animal do que a sua, só notou que um soluço abafado tivera escapado de sua garganta assim que ele se alastrou pelo vão, tivera prometido a se si mesmo várias vezes que não iria mais sofrer ou chorar pelo loiro, porém o que está fazendo aqui e agora? Exatamente, está mais uma vez aqui sofrendo por ele, até quando esse sentimento irá durar dentro do seu peito? A cada dia que se passa ele lhe trata pior, porém o seu amor por ele cresce cada dia mais, que tipo de problema tem? Porque tem essa obsessão tão grande pelo maior? Isso já deve ter virado uma doença, uma doença bem grave, pois a cada soco que ele lhe dá, tem vontade de o beijar, a cada xingamento tem vontade de lhe abraçar, a cada olhar de ódio tem vontade de falar o quanto o ama e tentar algum tipo de relação com ele, mas não irá conseguir, pois amar dói, amar fere, amar é uma coisa muito, muito difícil.

Após minutos bem longos saiu do banheiro, ficar embaixo do chuveiro pelo resto da noite não irá resultar em nada à não ser um belo de um resfriado, se enxugou com a maior lentidão que lhe era permitida, vestiu uma muda de roupas bastante confortáveis e deitou-se em sua cama, não pode negar que ainda está querendo chorar, não pode negar que o seu peito ainda está doendo, é como se tivesse mil agulhas o penetrando nesse exato momento, fitou o teto branco de seu quarto, as vezes tudo que quer é desaparecer, sumir de tudo e de todos, lembra de uma parte de sua infância, parte essa que era muito amigo do loiro, caçava besouros com ele, assistia com ele, fazia absolutamente tudo com ele e por causa de uma individualidade ele mudou drasticamente, o seu melhor amigo gentil, muito legal consigo sumiu bem diante de seus olhos sem que pudesse fazer nada, se pudesse voltar no tempo, se só pudesse fazer algo diferente para não parar de falar com ele, daria tudo para isso, faria qualquer coisa para ter ao menos a sua amizade de volta, mas infelizmente não pode o fazer, engoliu em seco tentando limpar sua garganta, ela está fechada, ela está lhe avisando que irá chorar novamente e não quer isso, toda vez que chora o seu rosto fica deverás vermelho, o seu nariz fica entupido e sua voz sai falha, dá pra notar a quilômetros de distância o que estava fazendo, piscou estático e confuso ao mesmo tempo ao ouvir batidas na porta, quem é a essa hora? Levantou-se com certa pressa, poir pode ser importante, fora até a mesma, a abriu e quis cair pra trás ao ver quem é.

- K-Kacchan!?... - observou uma veia de sua testa saltar, ou seja, ele ficou irritado só de ouvir a sua voz, afinal a reação dele sempre é a mesma, ele tem um ódio imenso por si, ele simplesmente lhe odeia e não há nada e nem ninguém que possa mudar isso, sorriu tristonho com o próprio pensamento, por quem você fora se apaixonar, Izuku?

- tome essa merda! - algo se chocou contra o seu peitoral, o que é isso? O som dos passos do outro se distanciando lhe fez olhar na mesma direção o acompanhando com o olhar e rapidamente a porta de seu quarto fora batida com força, ele dorme no quarto bem ao lado do seu, isso é o que sempre lhe deixa nervoso, pois tem medo que ele ouça o que faz pensando nele, sim, faz atos profanos pensando nele.

- meu colar? - o analisou por alguns segundos atentamente, será que ele tivera sido levado quando ele puxou sua camisa na hora da briga? Fechou a porta e voltou para sua cama ainda analisando o objeto em sua mão, ele deve não querer ficar com algo seu mesmo, pois ele lhe rejeitou de um modo bem indiferente, mas tudo bem, afinal o ódio dele caminha bem perto do seu gigantesco amor. 


Notas Finais


Obrigada por lerem sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...