História Tutti Frutti - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Blackpink, EXO, TWICE
Personagens Byun Baek-hyun (Baekhyun), Chaeyoung, Do Kyung-soo (D.O), Jennie, Jeongyeon, Jihyo, Kim Jong-in (Kai), Kim Jun-myeon (Suho), Momo, Nayeon, Oh Se-hun (Sehun), Sana, Zhang Yixing (Lay)
Tags 50s, 60s, Bottom!sehun, Jenkai, Menção Baeksoo, Seho, Top!junmyeon
Visualizações 37
Palavras 2.203
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, como vocês estão? Espero que bem, bom, esse capítulo foi muito gostosinho de escrever e eu espero que vocês gostem de Jenkai, espero também que gostem desse capítulo que eu fiz com muito amor, boa leitura e até depois

Capítulo 2 - Rachas e pneus furados


O disco de "The Chordettes" não era tão extenso e em alguns minutos já tinha acabado, algo que deixou o Oh irritadiço, como poderia ter tantas poucas músicas para aquelas mulheres maravilhosas? Aquilo era um injustiça, mas o Oh preferiu discutir consigo mesmo sobre aquilo mais tarde, desceu as escadas correndo e viu sua mãe colocando a mesa e seu pai sentado no sofá assistindo tevê, o garoto preferiu ajudar sua mãe e colocar os talheres e os pratos no lugar. Aos poucos tudo já estava em seu devido lugar, e todos já estavam sentados na mesa, seu pai parecia inquieto e pronto a qualquer momento para disparar um comentário meio estranho, mesmo que já estivesse acostumado com aquilo continuava sem aceitar algumas coisas.

— Andou escutando aquelas mulheres de novo? — na sua voz tinha um tom de desgosto, ele nunca gostou que seu filho escutasse aquele tipo de música, era um maldito ignorante.

— Sim — Sehun foi curto e talvez sua resposta tenha saído grossa demais, e viu a senhora de cabelos pretos lhe olhar meio nervosa, ela queria impedir qualquer discussão naquela mesa mas não poderia intervir em qualquer coisa quando seu marido resolvesse colocar o filho em seu devido lugar.

Mesmo que Sehun fosse um garoto calmo, as vezes ele explodia e aquilo havia puxado do pai, o jeito explosivo e raivoso, por isso era melhor deixar o garoto quieto porém ele sabia que tinha certas pessoas que não valia a pena gritar e bater já que elas poderiam fazer pior, já que havia aprendido isso com seu falecido avô, que ele contava suas histórias.

" — Então ele levou uma faca para me ferir e sabe o que eu fiz? — o idoso falava animado para o garotinho que tinha os olhos brilhantes enquanto escutava as histórias do avô — me escondi e depois peguei ele de surpresa, ele nunca mais mexeu comigo."

Aquelas memórias faziam o rapaz querer sorrir mas ele se conteve em ficar sério o tempo todo, e apenas admirar as expressões estranhas de seu progenitor, o jovem comia tudo de forma apressada, e aquilo deixava a senhora Oh meio preocupada, mas o garoto apenas terminou de comer e levou seu prato para a pia depois escovou os dentes correndo e pegou seu casaco, e quando voltou para a sala a mulher estava tirando as coisas da mesa, deixou um beijo em sua testa e então saiu para fora de casa, pegou a bicicleta e pedalou até uma rua que ficava perto da casa de Jongin e assim viu o garoto vindo de lá com sua bicicleta vermelha, esperou ele se aproximar e depois os dois foram pedalando calmamente um ao lado do outro.

— Entre The Chordettes e Ella Fitzgerald, qual você prefere? — falou de forma animada enquanto escutava o amigo resmungando por causa daquilo.

— The Chordettes mil vezes!

— Ella Fitzgerald é perfeita! A voz dela é maravilhosa, deixa qualquer um arrepiado! Você que nunca escutou e quer falar bobagem! O disco dela é maravilhoso — falou enquanto voltava a pedalar rapidamente.

Quando finalmente chegaram no colégio, lá estava o lindo Ford Fairlane, viu Jongin mostrar um lenço enrolando uma faca, era um belo lenço, tinha rosas bordadas nele, talvez fosse de sua falecida mãe e aquilo deixou Sehun meio sentido.

— Depois peça perdão a minha mãe por me fazer trazer esse objeto enrolado no lenço dela. — o rapaz apenas assentiu e furou o pneu com a faca.

Assim viu ele murchando aos poucos e fazendo um som um tanto alto, e quando viram uma silhueta e uma voz de raiva e Sehun reconheceu no mesmo instante, era o dono do carro, montaram em suas bicicleta e saíram pedalando apressados e escutavam o rapaz gritar e aquilo fez o dois rirem cúmplices e continuarem pedalando rápido demais. Pararam na rua do cinema Persona, os dois estavam exaustos então apenas se jogaram no chão e assim Sehun viu o moreno enrolar a faca no lenço e guardar no bolso do casaco.

— Tem dinheiro pra o cinema? — Sehun perguntou e viu o moreno apalpar seu casaco e tirar de lá algumas cédulas

— Tenho

— Então levanta que eu quero assistir "o corpo que cai" — falou o mais novo ao se levantar e deixar a bicicleta parada na frente do cinema e Jongin fez o mesmo e os dois foram na bilheteria comprar os ingressos.

...

Os dois rapazes nem assistiram o filme todo, na metade dele conseguiram escutar do lado de fora do cinema uma Jukebox tocando Elvis Presley e os dois saíram correndo para vê aonde era e era apenas uma lanchonete que estava lotada de garotas bonitas e caras legais. Jongin olhava tudo com os olhos brilhantes, e Sehun apenas se sentou para observar, a alguns metros tinha parada em frente a Jukebox uma garota com uma saia de pregas preta e uma blusa branca, seus cabelos eram curtos e castanhos e ela parecia indecisa em escolher qual música colocaria mas acabou por escolher mais uma do Elvis.

Jongin foi se aproximando dela aos poucos e os dois começaram a dançar, aquilo era interessant de mas não era pra o bico de Sehun, que se levantou e saiu andando, a bicicleta do amigo estava parada na frente da lanchonete, pegou a sua e saiu pedalando pelas ruas coloridas e animadas daquela cidade tão movimentada, sua casa não estava tão longe mas era um bom tempo para chegar lá e esperava que sua querida mamãe não brigasse consigo. Via mais e mais carros passando para lá e para cá e não podia deixar de falar dos motoqueiros e suas garotas ou garotos, claro que tinha sempre um deles que tinha relação com um garoto mesmo que fosse raro e no vê das pessoas fosse uma coisa horrível mas não se podia impedir, o Oh apenas acelerou suas pedaladas e em poucos minutos estava em frente da casa azul que tinha uma cerca branca e o número vinte na porta, desceu da bicicleta e deixou ela no jardim e foi correndo para dentro e entrou tão rapidamente que deu um susto na senhora que estava sentada assistindo tevê.

— Você quase me matou,garoto! Vem aqui — falou enquanto dava leves batidinhas no espaço do sofá ao seu lado, e o garoto foi até lá e se sentou.

A mulher fez carinho em seus cabelos pretos e depois lhe mandou ir dormir porquê estava tarde e assim ele subiu as escadas batucando e cantando Elvis Presley, mesmo que amasse as músicas calmas de The Chordettes, precisava aprender a gostar de outras coisas.

...

Jongin agora estava no carro de Jeongyeon, vulgo a garota da lanchonete, e não, eles não estavam fazendo nada de pervertido, na verdade a garota estava numa racha, o carro da garota era um Chrysler new yorker branco com algumas partes pintadas de lilás e o carro era maravilhoso e cheirava a shampo de morango, e sua adversária tinha um Dodge royal lancer rosa, ambos carros eram lindos.

— Garoto, é melhor você torcer 'pra a gente vencer, porquê eu tô te apostando — antes que Jongin pudesse falar algo, ela pisou com seu belo salto no acelerador com tudo e o carro foi rápido o suficiente para o garoto se segurar no banco.

O outro carro estava um pouco longe mas foi se aproximando aos poucos e aquilo desesperou o Kim que começou a gritar.

— Acelera Jeongyeon!

Ele sentia medo do carro capotar e os dois morrerem mas estava animado demais com aquela corrida para se preocupar com aquilo e em poucos segundos viu o carro rodar e rodar e parar perto de outras lanchonete a famosa Dinner, ambos saíram do carro e o garoto estava com as pernas meio trêmulas, a garota pegou seu batom e passou, assim deixando seus lábios bem rosados. O outro carro parou e a motorista desceu dele uma bela garota que usava um vestido vermelho e saltos pretos, ela era linda e fez o ar faltar dentro dos pulmões de Jongin.

— Pare de colocar pessoas como prêmio de suas rachas Jeongyeon! Eu perdi somente por causa dele! O garoto não é um pedaço de carne fresca e nem eu sou nenhuma canibal! — falou enquanto apontava seu dedo na cara da garota sorridente.

— Jennie — o garoto sussurrou e Jeongyeon lhe olhou curiosa.

— Se conhecem?

— Não, agora você, moleque — olhou para o garoto e depois para o carro, sabia que ele estava de bicicleta porquê tinha visto ele colocar a mesma no porta malas. — vai pegar a sua bicicleta, eu vou te levar para casa.

E assim o Kim saiu correndo até o carro branco e abriu o porta malas tirando de lá sua bicicleta vermelha, foi andando com ela até o carro da outra garota e viu a mesma abrir o fundo do carro e jogar a bicicleta lá dentro, ela era bruta e Jongin gostou daquilo, suspirou ao vê ela entrando no carro novamente e então fez o mesmo.

— Pare de apostar as pessoas! — foi isso que ela gritou antes de ligar o carro e voltar a dar a volta na cidade

Jongin conhecia ela sim mas a garota preferiu esconder isso, eles estudavam no mesmo colégio e já chegaram a estudar na mesma sala mas isso mudou, Jennie era filha de pais muito ricos mas que mal paravam em casa e ela usava o dinheiro deles para satisfazer as suas vontades e uma dessas vontades foi sua preciosa Lucy, vulto seu Dodge Royal Lancer, aquele carro era o seu bebê e qualquer coisa que acontecesse com ele, ela já se sentia culpada o suficiente para não sair com ele por duas semanas.

— Você mora perto da praça não é? — o garoto apenas assentiu

O cheiro daquele carro estava lhe deixando enjoado, era uma mistura de cigarro com brilho labial e não era muito agradável, sem nem perceber o carro já estava parado na frente da praça e a partir dali ele poderia continuar sozinho, Jennie segurou o rosto do garoto com uma das mãos e fez ele olhar para ela.

— Não se deixe enganar por nenhum rostinho bonito, moleque

— Nem mesmo pelo seu? — perguntou e sentiu suas bochechas esquentarem, Jongin se sentia um idiota por perguntar aquilo.

— Nem mesmo pelo meu — falou e assim deixou um beijo nos lábios de Jongin que ficaram vermelhos por causa do batom que a garota usava — até porquê eu sou o pior deles.

...

Na manhã seguinte Sehun levantou cedo, se arrumou, deixando assim seus cabelos arrumados e seu uniforme impecável, ninguém poderia colocar defeito nele, saiu de casa sem tomar café até porquê estava com pressa, pegou sua bicicleta e montou nela, teria que fazer uma reforma nela em breve porém preferia que ela aguentasse mais um pouco. As ruas estavam movimentadas como sempre e aquele dia estava ensolarado e o calor estava um pouco demais para o de costume, suas pedaladas eram rápidas e quando foi se aproximando do colégio viu uma roda se pessoas perto do carro e o dono dele parecia irritado até demais, quando ele colocou os olhos em Sehun, parecia que tudo fazia sentido agora, ao vê o rapaz descendo da bicicleta e saindo de fininho, o dono do carro se aproximou se puxou ele pela manga do uniforme.

— Você vem comigo pirralho! — por mais que Sehun quisesse se soltar dele, o mais novo não conseguiu fazer nada além de se deixar ser levado.

Aquele cara deve ter passado a noite toda ajeitando o pneu do Ford Fairlane, até porquê quando ele ligou o carro e pisou fundo, o mesmo saiu em disparada, no rádio do carro tocava Tutti Frutti na voz de Little Richard, a música era boa mas Sehun não curtia muito aquele cara, aos poucos o carro foi diminuindo a velocidade, e quando finalmente parou, eles estavam numa colina.

— Olha benzinho, eu sou uma pessoa muito boa e não vou te punir por causa do pneu do meu carro porém você vai ter que passar um tempo comigo para compensar — falou enquanto segurava o queixo de Sehun — Prazer Junmyeon e não, eu não tenho vinte e sete anos e sim vinte e um.

Se afastou de Sehun e aumentou o rádio, saiu do carro e ficou olhando a paisagem, o Oh ainda estava paralisado mas resolveu arriscar um pouco, abaixou o rádio e viu o rapaz virar para olhar o que estava acontecendo.

— Como assim passar um tempo com você? Como posso saber que você não vai me sequestrar? — aquela pergunta fez Junmyeon rir, era óbvio que não iria sequestrar aquele garoto, não ganharia nada com aquilo.

— 'Pra que eu iria querer te sequestrar? Ter mais gastos? Nunca, e sobre passar um tempo comigo, é que ando muito solitário e como você furou a merda do meu pneu, achei uma ótima idéia você pagar dessa maneira.

Sehun nunca se arrependeu de ter furado aquele pneu.



"Eu tenho uma garota chamada Daisy

Ela quase me deixa louco

Ela sabe como me amar - é, de verdade!

Cara, você não sabe o que ela faz comigo"

Tutti Frutti, Little Richard


Notas Finais


Eu gostei bastante do momento Jenkai, e fiquei bastante indecisa sobre colocar a Krystal ou a Jennie mas eu preferi colocar a Jennie porquê ela combinaria mais com o papel, me desculpem qualquer erro e comentem
Bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...