1. Spirit Fanfics >
  2. Twilight: Para sempre nós dois >
  3. Capítulo Vinte e Seis

História Twilight: Para sempre nós dois - Capítulo 26


Escrita por:


Notas do Autor


Olá Amores e Amoras, sextou galeuris e com um baita capítulo desses, 2000 mil palavras uouuuuuu. Estamos na reta final e sinto informar que a próxima semana vai ser tensa, pois será a ultima, sim meu amores, mas não chorem dentro de pouco tempo teremos segunda temporada. O que me lembra de avisar sobre o nosso grupo no whats. link nas notas finais.

Amores gostaria de indicar a fanfic de uma amiga que faz parte da #famíliatwilight, o link da fanfic dela estará nas notas finais então da uma conferida, comente e favorite lá ok? Obrigada.
#atésegunda #beijocas #retafinal

Capítulo 26 - Capítulo Vinte e Seis


Capítulo Vinte e Seis

 

Eu estava de pé perto o suficiente de Bella para ouvir o que ela dizia no telefone, queria estar próxima caso sua mentira não colasse afinal todos sabem que Bells mente muito mal e deixar sua mãe desconfiada não ajudaria agora.

– Mãe, fique calma - ela disse na voz mais tranquilizadora, caminhando vagarosamente pra longe de Alice. – Está tudo bem, tá legal? Só me dê um minuto e eu vou explicar tudo, eu prometo. – dizia ela enquanto seguia atrás dela.

Ela pareceu parar surpresa, olhou para mim e disse.

– ela não me interrompeu – falou baixinho.

– talvez ela não saiba ainda – disse também baixo.

– mãe? – ela disse.

A voz que eu ouvi não era familiar e era inesperada. Era uma voz masculina baixa, uma voz muito agradável, genérica, o tipo de voz que você ouve no fundo de um comercial de carros luxuosos. Ele falava muito rapidamente. Eu não conseguia ouvir com clareza o que a pessoa falava, mas pela cara de Bella não era a sua mãe ao telefone, eu senti um arrepio e de repente um único nome me veio à mente, James.

 Bella parecia estar em choque e cheia de medo, não ousou falar nada e só escutava, eu estava grudada nela tentando ouvir.

– Não, mãe, fique onde você está – ela dizia quase em um sussurro.

– Eu vejo que isso vai ser bem difícil. – disse a voz divertida e um pouco amigável – Porque você não vai para outro lugar pra que o seu rosto não arruine tudo? Não há nenhuma razão para sua mãe sofrer, enquanto você está andando, por favor, diga '’Mãe, por favor, me ouça'’.

– Mãe, por favor, me ouça – sua voz implorou, Ela andou bem devagar para o quarto eu segui junto dela, sentindo os olhos preocupados de Alice nas minhas costas. Eu fechei a porta atrás de mim, tentando pensar claramente apesar do terror que prendia meu cérebro.

Eu me sentei na cama e fiquei a olhando, só podia ouvir o que Bella respondia é quase sempre era ‘’sim’’ ou ‘’não’’.

– obrigada mãe – disse Bella tentando segurar as lágrimas.

Ela segurou o telefone no seu ouvido, seu corpo estava congelado de terror e ela não conseguia fazer seus dedos soltá-lo.

– quem era Bella? – perguntei me levantando.

– minha mãe – falou nervosa.

– você mente mal e eu ouvi a voz masculina, não era Edward também – ela ficou muda por um tempo. – era ele? – perguntei fazendo o mínimo de som possível.

– sim – falou limpando uma única lágrima que havia descido.

– o que ele disse? – perguntei sentindo meu coração começar a bater rápido.

– me ameaçou só isso – disse saindo do quarto.

Bella caminhou de volta para sala e assim que viu Alice com seu olhar preocupado falou.

– Minha mãe estava preocupada, ela queria voltar pra casa, mas está tudo bem, eu convenci ela a ficar longe. – sua voz estava sem vida.

– Vou cuidar pra que ela fique bem, Bella, não se preocupe.

Bella virou o rosto talvez temendo que Alice percebe-se algo, Bella não sabia mentir o que deixava claro que James fez mais que uma ameaça, ele quer atrair Bella para a sala de espelhos e ela tonta do jeito que é vai. Eu não sabia se era ainda mais tonta por não falar nada ou uma grande idiota por tentar acreditar em minha irmã, se eu seguisse meus instintos trancaria Bells e avisaria Alice e Jasper, mas Bella prometeu a mim que não se botaria em risco, ela não quebraria essa promessa não é?

Jasper havia voltado é com quase tudo resolvido, assim que o olhei varios pensamentos vieram a minha cabeça, será que eu deveria contar? Bella não me perdoaria, mas quem se importa não é? Edward me agradeceria depois.

– está tudo bem Darling? – perguntou Jasper segurando meu rosto com uma de suas mãos.

– mais ou menos, por quê?

– você está indecisa – ele disse arqueando uma sobrancelha.

– decisões difíceis – falei o abraçando.

– você não quer voltar? – perguntou tentando me entender.

–quero claro, o melhor e Bella ir com Edward agora eu só não sei como vou falar isso a Charlie e espero que ele não me mate por voltar sem ela.

– ele vai entender não se preocupe – disse beijando com leveza meus lábios.

Estava começando a sentir raiva de Bella por me fazer mentir a pessoa que mais amo, será que Edward me mataria se eu a estrangulasse até tomar juízo? Jasper não deixaria ele encostar em mim claro.

 – arrume suas coisas, partiremos em breve – disse ele.

Fui para o quarto arrumar minhas coisas, nesse meio tempo pude observar de canto de olho Bella olhando fixo para o nada como se dentro daquela cabeça oca estivesse bolando um plano.

– está tudo bem Bella? – perguntei dando mais uma chance dela me falar.

– sim – respondeu sem me olhar.

Alice entrou no quarto e olhou nós duas.

– Jasper e eu vamos descer fazer o check out, fiquem aqui ok? .

– ok – dissemos nós juntamos.

Eu ouvi quando Alice e Jasper saíram, ele bateram a porta com um pouco mais de força como se quisesse avisar que estavam saindo. Bella pareceu ter tomado coragem para algo e caminhou para a saída do quarto.

– aonde você vai? – perguntei a seguindo com os olhos.

– desculpa Aurora – foi o que ela disse antes de fechar a porta do quarto.

Eu corri até a porta e forcei para tentar abrir, ela estava trancada Bella havia me trancado no quarto.

– BELLA VOLTA AQUI VOCÊ ME PROMETEU – gritei alto explodindo de ódio.

– desculpa, mas eu não posso envolver você nisso não quero que aconteça algo contigo.

– Bella, James está tem enganando seja lá o que ele tenha dito é mentira – falei um pouco mais calma.

– ele está com minha mãe.

– O QUE VOCÊ ACHA QUE PODE FAZER CONTRA ELE GAROTA BURRA? SE ELE REALMENTE ESTIVER COM SUA MÃE ELE MATA AS DUAS EM DOIS SEGUNDOS – disse me exaltando.

– diga a Edward que o amo, diga para ele que Alice e Jasper não têm culpa disso.

– BELLA EU VOU ARROMBAR ESSA PORTA E DAR UMA SURRA EM VOCÊ OUVIU? NÃO OUSE ME DEIXAR AQUI SUA PRAGA.

– fale a Charlie que o amo. – houve alguns segundo de silêncio – eu amo você Aurora e desculpa quebrar a promessa, mas agora tenho que ir.

Eu não ouvi mais nada, ela havia ido embora e me deixado presa, o pior não era isso e sim saber que existia uma chance e ela era grande de essa ter sido a última vez que ouvi a voz de Bella, meu coração estava em pedaços eu não podia acreditar que ela havia quebrado a promessa e ido atrás daquele diabo, não estava claro que tudo isso era uma farsa? Eu a avisei e mesmo assim ela preferiu acreditar nele?

Eu juntei todas as forças que tinha para arrombar a porta, ou tentar pelo menos. Peguei impulso me afastando dela e então corri jogando todo meu corpo e o peso contra a porta, a porta estava aberta e eu jogada no chão com a respiração falhada.

– ai meu ombro – falei levantando do chão.

Eu ouvi a porta sendo aberta e um fio de esperança surgiu em mim, Bella teria recobrado a sanidade e teria voltado? Não ela não teria, quando Jasper e Alice surgiram na sala eu só pensava o quão idiota tinha sido e em como eu queria bater em mim mesma nesse momento.

– cadê a Bella? – perguntou Alice olhando em volta.

– aquela idiota fugiu, ela me trancou no quarto e saiu – falei me sentando no sofá.

– O QUE? – disse Alice.                  

– a ligação, não era a mãe dela era James.

– ela foi atrás dele? – Perguntou Jasper.

– ela foi atrás dele no estúdio, vocês tem que ir pra lá agora antes que seja tarde demais.

– como você saiu do quarto? – Alice.

– arrombei a porta e desloquei meu ombro. – falei sentindo uma pontada de dor. – o que vocês ainda estão fazendo aqui? Vão atrás da Bella.

Os dois se olharam parecendo estar se comunicando por telepatia, em seguida olharam para mim e eu estava a ponto de fazer uma loucura, danem-se todos se Bella pode comer um ato de insanidade eu também posso.

– bom se vocês não vão atrás dela eu vou – falei caminhando em direção a porta, mas a mesma foi bloqueada por Jasper.

– você não vai a lugar algum, nós resolvemos isso – falou me olhando sério.

– qual o plano?

– você vai ficar aqui enquanto Jasper e eu vamos atrás dela, no caminho avisamos os outros – Alice.

– certo – falei me sentando no sofá.

– você tem que me prometer que não vai sair desse quarto – disse Jasper.

– é se minha vida depender disso?

– se sua vida depender disso sim, mas caso contrário não saia em hipótese alguma.

– prometo.

– eu amo você então não ouse fazer uma besteira – disse Jasper antes de selar nossos lábios em um beijo intenso, era como um beijo de despedida e isso me assustava.

– eu sou a Swan com menos tendência a fazer besteira lembra?  – Alice e Jasper saíram do quarto e deram ordens bem claras para eu não sair daqui, não que eu quisesse é claro.

Meu coração parecia estar na mão de James e estava sendo esmagado, durante o tempo que fiquei sozinha me permiti pensar em coisas que até então não haviam passado pela minha cabeça como, vale a pena passar por tudo isso por um amor? Vale a pena botar minha vida e da minha família em risco por causa de um amor de certa forma proibido? Eu estou fazendo a coisa certa? Bella ama tanto Edward que morreria de certa forma por ele? Isso não seria um amor doentio? Tantas perguntas e nenhuma resposta, mas talvez fosse melhor não tê-las por agora.

Eu estava aflita andando de lado para o outro na sala que agora parecia ainda menor, quando de repente ouvi uma batida na porta, levei um susto com o simples barulho.

– pois não?

– serviço de quarto – disse uma voz feminina meio baixa e suave.

– desculpe não quero serviço de quarto – Alice não tinha cancelado isso?

Houve alguns segundos de silêncio então presumi que a moça havia ido embora, mas nunca estive tão enganada. A porta foi aberta com um chute e foi parar longe, o barulho foi alto e me perguntei se mais ninguém tinha ouvido meu coração dava pulos dentro do peito e única coisa na qual eu pensava era, eu vou morrer.

– não achou que ia se livrar fácil disso não é? – disse ela, a mulher com os cabelos ruivos selvagens, suas roupas estavam ainda mais esfarrapadas desde a última vez que a vi.

– o que... vo..cê...quer? – minha voz estava falha e não conseguia formar uma única frase inteira.

– eu não poderia deixar você de fora, então quando seus dois guardas costas te deixaram sozinha eu decidi fazer uma visitinha – seu sorriso era diabólico, seu rosto exalava excitação pelo o que estava acontecendo.

Ela correu até mim e me segurou pelo pescoço, sua boca parecia estar salivando e seus olhos estavam grudados nos meus, como se meus olhos pudessem transmitir tudo aquilo que eu sentia e ela se divertia com isso.

– eu não quero demorar com isso, mas confesso que é tentador não brincar com a situação – disse ela para logo em seguida me jogar contra a mesa de centro feita de vidro, eu senti o impacto e os estilhaços de vidros me cortando e enquanto outros me perfuravam. – seu cheiro é delicioso. – disse com seus olhos de predadora.

– por favor, não me mate – falei com lágrimas escorrendo pelo meu rosto, nessa altura por mais idiota que fosse eu ainda tentaria lutar para escapar de ser morta pelas mãos de Victoria.

– quem sabe se você pedir de joelhos eu não deixe você viva – disse com um sorriso sínico no rosto. – SE AJOELHA AGORA.

– os cacos de vidro – falei sentindo cada parte do meu corpo doer.

– você não parece estar muito interessada em viver – disse caminhando lentamente até mim.

– eu me ajoelho – disse me ajoelhando e sentido cacos de vidros entrar na minha pele. – por favor, não me mate.

Ela chutou me fazendo cair perto da porta, eu vi uma oportunidade por mais insana é impossível que fosse, mas eu me agarraria nela. Levantei-me com dificuldades sentindo dores pelo meu corpo todo, eu não pensei duas vezes e sai correndo, não olhei para trás eu definitivamente estava botando em prática o plano mais ridículo que eu já tive.

Os corredores eram estreitos demais e eu me chocava contra as paredes cada vez que perdia o equilíbrio, meu corpo estava doendo e podia sentir que desmaiaria a qualquer momento.

– não é hora para desmaios, não agora – disse me apoiando na parede.

Eu cheguei às escadas, um pé em falso e eu estava rolando escada abaixo, minha cabeça bateu em um dos degraus e eu sentia o impacto do meu corpo chocando contra cada degrau da escada, alguns cacos de vidros entraram ainda mais dentro de mim. Eu abri meus olhos e sentia dor, muita dor, eu tinha dificuldade em manter os olhos abertos parecia que eles estavam pesados demais, contudo antes que eu os fechasse pela última vez eu a vi parada de pé perto de mim me olhando com seu sorriso, aquele sorriso que fazia qualquer um ter arrepios.

– tenha bons sonhos.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...