História Two hearts, One life - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT), X1
Personagens Jaemin, Personagens Originais
Tags Eunsang, Jaemin, Kang Minhee, Kim Minseo, Minhee, Minsang, Minseo, Na Jaemin, Nct Dream
Visualizações 26
Palavras 2.087
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oii :)
Não revisado, desculpa qualquer erro.

Espero que gostem
Boa leitura♡

Capítulo 6 - Twins


Fanfic / Fanfiction Two hearts, One life - Capítulo 6 - Twins

- Eu tenho certeza que ela não estava ai, eu já estou começando a ficar louco – disse Jaemin colocando a mão na cabeça, enquanto Minhee ainda estava parado na mesma posição assustado

- Jaemin...

- Eu sei que estamos seguindo uma trilha de filme de terror, é normal a gente ficar muito impressionado, mas essa loja não estava aí!

- Jaemin...

- Era um parque aqui, agora tem uma pequena loja onde era pra ser a entrada de um parque, isso não está fazendo sentido. Não tem uma janela pra ver se está aberto, mas tem uma placa de fechado então acho que não tem ninguém, vamos embora logo---

- Jaemin...

- O que? - gritou

- Eu vou morrer, não vou?

- Ai meu deus – Jaemin puxou o irmão pelo braço, longe da porta da loja – para de ser dramático, o que tem a ver uma coisa com a outra?

- É a casa da idosa – Minhee sussurrou como se fosse um segredo e tivesse alguém próximo

- Não é a casa dela, vai ver isso ai estava faz tempo nesse local e a gente brigando não viu. Tudo bem, vamos embora.

- A porta está aberta – Minhee disse tocando na maçaneta e abrindo a porta

- Para com isso Minhee, vão chamar a polícia e aí sim você vai estar morto.

- Quem que deixa uma loja fechada com a porta aberta? Vamos conferir, vai...

Jaemin chamou o irmão umas três vezes, que fingiu não escutar e continuou entrando e mesmo não querendo, o mais velho entrou junto com ele na loja. 

Era uma loja que não tinha janela, mas mesmo com a luz apagada parecia que tinha luz própria, não muito claro, mas como se fosse o sol batendo na janela inexistente. 

Era toda feita de madeira, com detalhes esotéricos, velas aromatizadoras e tinha um cheiro forte de incenso. 

Minhee começou a andar pelo local, chamando para ver se tinha alguém na loja e nada.

Jaemin explorava o local também, só que com mais cautela que o irmão.

Ele parou na frente de um espelho que começou a chamar atenção pra ele.

Ele não aparentava diferente dos outros espelhos, mas, mesmo assim, Jaemin não conseguia parar de olhar.

- Você gosta do seu reflexo – comentou uma voz aguda, que descia as escadas

- Desculpa, eu...você é dono da loja?

- Sim, eu mesmo. Eu achei que tinha colocado um aviso na porta.

- Você colocou, só que meu irmão é curioso demais. - comentou apertando Minhee pelo braço, que soltou um barulho de dor, batendo no irmão depois 

– É que a gente não sabia dessa loja, você está aqui há muito tempo?

- Sim, na verdade...eu acho que vocês são novos no bairro, eu não lembro de ver vocês por aqui.

- Não, a gente nasceu aqui mas moramos a um tempo fora do local, eu me chamo Kang Jaemin e esse aqui é o Kang Minhee.

- Vocês são os gêmeos! - ele comentou com um sorriso no rosto – Minha avó disse que vocês apareceriam aqui um dia, meu nome é Kim Minseo e eu estou muito feliz de saber que chegou o momento de vocês.

- Desculpa mas....que?

- Venham comigo.

Minseo sorriu chamando os dois para subir as escadas. 

Jaemin estava confuso mas resolveu seguir ele, Minhee segurou seu braço antes de subir as escadas.

- O que você está fazendo?

- Seguindo ele, quero saber o que ele quer com a gente.

- Ele me dá medo.

- Ele é bonitinho.

- Ah, parou Jaemin, você vai seguir ele por que ele é bonito? Desde quando você tem esses...interesses?

- Você quis fazer essa loucura de descobrir a "maldição" agora quer fugir? - ele comentou subindo as escadas e puxando o outro junto com ele

- Por que temos que ir atrás de uma pessoa desse tipo?

- Minhee, você é tão medroso que... - Jaemin solta um grito quando escuta um barulho vindo do fundo da sala

- Aaaah, Minhee você é tão medroso blá blá blá – comentou Minhee imitando o irmão com uma voz de deboche e balançando os braços

- Você está facilitando eu terminar essa maldição antes dos 21. - sussurrou ameaçando o irmão

Minhee parou, fazendo bico, sentando em uma cadeira perto da mesa. 

O rapaz voltou sentando em frente ao Minhee e chamando Jaemin para sentar ao lado dele. 

Ele estava sempre sorridente e passava um sentimento de paz, mesmo que fosse o momento todo assustador e confuso para os dois.

- Eu sinto que vocês querem fazer muitas perguntas

- Sim, eu quero---

- Eu vou morrer? - perguntou Minhee, que recebeu um olhar de julgamento do irmão

- Todos nós vamos, eu acho – comentou ele rindo

- Certo, certo...mas eu vou primeiro antes de todo mundo, tipo aos 21 anos?

- Você quer saber se a maldição é real?

Os dois ficaram paralisados, olhando para ele de boca aberta.

Quando ele disse isso, Minhee pulou da cadeira, virando pro irmão e apontando o dedo pra ele, gritando.

- Eu falei! - ele começou a fazer uma dança como se tivesse ganhado algo – Espera...quer dizer que eu vou morrer? - ele disse, parando de dançar e olhando assustado para o rapaz na sua frente, voltando a sentar na cadeira.

- Peguem uma carta. - ele disse mostrando um deck de cartas de tarô aberto para os dois.

- Ah, parou! - gritou Jaemin – eu não sei quem é você e não interessa o quão  bonito e simpático você seja, eu não vou cair nessa conversa de doido. Você não me conhece e – ele parou de falar quando ele pegou com tudo na mão dele, e fixou o olhar no dele, sem tirar o semblante pacífico que ele tinha no rosto

- Kang Jaemin, 19 anos, faz faculdade de engenharia e começou a estagiar esse mês na empresa que sempre quis, muito ambicioso, pensa muito grande e alto, planeja muito bem o futuro mas é péssimo para viver o presente, mora sozinho, tem poucos amigos e muitas dúvidas em relação a sua sexualidade. Não namora porque não dura mais de um mês no relacionamento. É uma pessoa que se demonstra corajosa e sem medo porque sempre teve que demonstrar isso e não porque quer, por ser o primeiro dos gêmeos a nascer, mas odiava não ter ninguém pra te abraçar a noite quando chorava---

- Cala a boca! - ele empurrou a mão dele, assustado – eu não sei de onde você tirou essas coisas.

- Eu só estou tentando te ajudar, pegue uma carta.

Minhee olhava assustado para a cena, ele escutar que o irmão tenta se demonstrar forte e na verdade se sentia sozinho era algo novo pra ele, não era a imagem que ele tinha do irmão. 

Ele se ofereceu para pegar a carta enquanto Jaemin continuava a encarar o rapaz, e colocou na mesa.

Logo após tocou no braço do irmão para ele fazer a mesma coisa, que concordou, mesmo bravo.

- A vida de vocês estão ligadas

- Óbvio, somo gêmeos – Jaemin disse, irônico

- Não, muito mais do que vocês imaginam. O futuro de um depende do outro, sinto que a distância que vocês tentaram colocar entre vocês dois teve que acabar de um modo ou outro, para que suas vidas continuem.

- Então a doença da nossa mãe é culpa nossa agora?

- Jaemin, a vida é um ciclo, quando ela não tem mais nenhuma finalidade ela acaba, não é culpa de ninguém, era algo que já estava marcado no destino. Esse dia ia chegar vocês querendo ou não.

- Então... - comentou Minhee curioso – a maldição é real?

- Não sei, minha avó me contava essa história quando eu era criança – ele disse, sorrindo novamente

- Espera, você não pode ver isso nesse seu baralho ai? - Jaemin disse, bravo

- Eu vejo que a vida de vocês estão ligadas e que possivelmente pode ser essa maldição – ele pegou na mão dos dois, para olhar a linha de vida deles – engraçado, vocês dois não mostram se vão viver muito. Não é como se vocês morressem, mas é como se vocês ainda estivessem escrevendo a história de vocês, sabe? Os próximos anos é como se fosse um livro branco.

- A mamãe estava certa...

- Não começa, Minhee.

- Jaemin, olha isso, a gente ainda pode escolher quem vai viver ou não, não é somente eu.

- Está animado demais para me matar não acha?

- Olha quem fala, nem parece que a 10 minutos atrás estava tentando me derrubar da ponte.

- Meninos, vocês não vão conseguir resolver isso brigando.

- Eu não estava tentando te derrubar da ponte, mas é uma ótima ideia.

- Você é incrível, a gente está aqui tentando resolver as coisas e você fica ai querendo me matar e acabar a história.

- Não é mais fácil que ficar tentando tirar tarô, incenso e búzios aqui?

Minseo, cansado da briga dos dois, se levanta sem eles perceberem, e pega uma arma que tinha guardado numa gaveta, apontando para os dois que continuavam a gritar um com o outro.

- Ok, eu vou facilitar pra vocês.

- O que? - gritou os dois, pulando da cadeira, rápido, e se afastando da mesa

- Vamos, escolhe gente, quem eu mato?

- Você é louco? - Jaemin gritava ainda com ele, enquanto Minhee se agarrava no braço do irmão

- Vocês não estavam com duvida, eu posso facilitar. Se é preciso um de vocês morrer para quebrar a maldição, eu posso ajudar. Então quem vai ser?

- Jaemin, você não ouse...


- Cala a boca, Minhee! Vocês dois são loucos, vamos sair daqui e esquecer que tudo isso aconteceu.

- Tarde demais, eu falei pra minha avó que ia resolver isso pra ela quando encontrasse vocês dois, então acho que preciso fazer algo. Você disse que queria matar seu irmão, é isso Jaemin? E seu irmão: quer ir ou quer que Jaemin morra?

- Eu...eu...não posso escolher, eu não consigo escolher.

- Ok, então, escolhido.

Minseo apontou a arma para Minhee e deu um tiro. 

Jaemin pulou na frente dele, derrubando os dois no chão, ficando em cima dele. 

Eles permaneceram alguns segundos de olhos fechados até que Jaemin abriu, olhando pro corpo do irmão e dele procurando um machucado e nada.

Ele se ajoelha perto deles, rindo, mostrando que a arma era de mentira.

- Eu adoro essas coisas, eu me sinto num filme. Então, já que eu vi que ainda vive o espírito de irmandade no coração de vocês, eu posso contar mais coisas. - disse, saindo de perto deles e sentado na cadeira novamente, chamando os dois para onde eles estavam – Como eu tinha falado, minha avó contou essa história pra mim e disse que eu tinha que mostrar o caminho pra vocês seguirem, é minha missão nessa vida. Ela me contou da maldição, de vocês serem gêmeos e que vocês passariam um bom tempo, separados, ate se encontrarem novamente, aqui mesmo. Eu não imaginei que seria num momento triste como a quase morte da mãe de vocês, eu sinto muito. Mas a única coisa que posso ajudar vocês é que quando ela me contava a história, ela terminava sempre com uns versos, que ate rimavam, parecia uma poesia.

- Que versos?

- "Por agora estão livres,
por 21 anos, vivos eles ficarão,
se os obstáculos não foram todos vencidos,buscarei um deles então" .

- Eu me arrepiei todo agora – disse Minhee, esfregando os braços, olhando pros lados

- E isso quer dizer o que?

- Não sei. Minha avó nunca explicou, mas tenho certeza que vocês vão descobrir de um jeito ou outro, vocês são muito inteligentes. - ele riu, fazendo carinho em ambos os rostos – Bem, infelizmente eu só tenho isso pra dizer, mas foi muito bom a visita de vocês, a porta está onde vocês encontraram ela, podem ir, beijos e ate mais. - ele acenava e sorria como se estivesse sendo a pessoa mais doce e delicada possível, mesmo expulsando eles nesse momento.

Os irmãos se olharam e não falaram nada, apenas desceram as escadas, ainda tentando compreender tudo o que aconteceu naquele momento. 

Eles saíram, fechando a porta e apoiando as costas nela, confusos sobre todas as informações que eles receberam.

- Me promete uma coisa, Minhee? Nunca mais vamos entrar em porta nenhuma que não fomos convidados, ok?

- Eu nunca estive tanto de acordo com você como agora.  


Notas Finais


VIEWS EM ATEEZ E ONEUS☆

Até o próximo♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...