1. Spirit Fanfics >
  2. Two of us >
  3. Cry Baby

História Two of us - Capítulo 8


Escrita por:


Capítulo 8 - Cry Baby


Fanfic / Fanfiction Two of us - Capítulo 8 - Cry Baby

──❦──

Achei que não conseguiria dormir, mas o fiz sem perceber. Quando acordei, gastei alguns instantes observando Jungkook ao meu lado. Ele havia pedido para dormir na sala porque não queria incomodar, depois se negou a dormir na cama. Então acabei estendendo a coberta no chão, ajeitando os travesseiros e dormimos ali. Estava prestes a me levantar para me preparar para as aulas quando notei o suor na testa de Jungkook.

Ele murmurou algo, e se remexeu. Então ficou inquieto, se debatendo cada vez mais. Jungkook estava tendo um pesadelo.

Me sentei, tocando-o a fim de acordá-lo. Chamei seu nome repetidas vezes mas ele continuou preso naquele pesadelo. Sua expressão se contorceu e ele soltou um grito que me fez chacoalhá-lo com violência.

- Jungkook! Acorde! Jungkook!

Ele despertou de olhos arregalados, ofegante. Sentou-se bruscamente e encarou as próprias mãos, trêmulo. Eu toquei seu ombro com cuidado mas ele continuou alheio por longos segundos.

- De novo. - murmurou. - Não pude salvá-lo, de novo.

- Jungkook? - ele deslizou um olhar confuso pra mim. - Foi um pesadelo. - completei mansamente.

- Jimin-sshi… Onde… - ele fechou os olhos com força, levando uma mão à cabeça, possivelmente sentindo dor devido a ressaca. - Aissh, minha cabeça.

- Vou pegar um remédio pra você. - disse ao me levantar. - Não quer mesmo deitar na cama? - perguntei já na porta vendo-o expirar ao se deitar.

- Hum… Não, obrigado.

Ele puxou o travesseiro livre e abraçou-o, encolhendo-se ao fechar os olhos. Vi quando ele inspirou, esfregando o rosto no travesseiro então simplesmente não pude evitar aquela dor excruciante no peito e o soluço que subiu. Era como seu eu tivesse voltado no tempo, e ali, encolhido daquela forma estivesse outro. 

Mal pude controlar minhas pernas quando fraquejei para frente chamando aquele nome com a voz vacilante.

- Taehyung-ah…

Murmurei ao dar um passo na direção do garoto abraçado ao travesseiro. Ele levantou seus olhos brilhantes, mas sem aquele sorriso quadrado. Porque ele não era Taehyung.

Engoli em seco quando Jungkook voltou a se sentar, sem tirar os olhos de mim. E eu continuei parado a poucos passos, vendo-o se levantar e caminhar em minha direção.

- O que você disse? - perguntou com as sobrancelhas erguidas, tão próximo que me fez perceber novamente o quão pequeno sou. Dei um passo para trás em reflexo, e ele abriu um sorriso tão fraco. - Hyung… Agora a pouco… Você me chamou de…?

- Desculpe. - murmurei hesitante, me atrapalhando com a maçaneta da porta atrás de mim ao tentar abri-la ainda de costas. - Não foi nada.

- Taehyung. - ele disse puxando meu braço e impedindo que eu abrisse a porta mais do que um fresto. - Quem é Taehyung?

- Jungkook... Esquece isso, por favor. Vou buscar o teu remédio. - puxei meu braço e abri a porta, saindo do quarto às pressas. Mas logo ouvi os passinhos impacientes dele atrás de mim.

- Hyung! Quem é Taehyung? - ele perguntou pela quarta vez enquanto eu servia água gelada no copo.

Escutei outros passos arrastados e vi Namjoon aparecer descabelado e sem camisa. Senti meu rosto corar de imediato ao ver o olhar surpreso de Jungkook encarando a cena.

- Namjoon Hyung! Temos visita! - bradei lançando um pano qualquer em sua direção, acertando seu rosto ainda sonolento. Ele piscou confuso até encarar Jungkook, então sua expressão assumiu vergonha e algum desconforto.

- Vou me vestir. Err… Bom dia. - Namjoon disse acenando para Jungkook, então deu as costas voltando para o quarto.

Suspirei estendendo o copo e o comprimido para ressaca à Jungkook. Ele pegou os dois, novamente preso naquela expressão que entregava o quão alheio ao mundo ele estava. Após beber toda a água ele apoiou o copo no balcão, e voltou a me encarar.

- Jimin-sshi… Taehyung… - ele hesitou. - Existe?

Franzi as sobrancelhas, cruzando os braços. Que tipo de pergunta era aquela?

- Se está perguntando se ele é uma pessoa e não um amigo imaginário, sim. Taehyung é… - era. Taehyung era real. Engoli em seco levando a mão aos cabelos, puxando-os nessa minha mania.

- Onde ele está? - apesar do meu claro desconforto ele foi adiante com as perguntas. 

Diante do meu silêncio ele esperou, também cruzando os braços e assumindo aquela postura defensiva. Eu suspirei me dando conta de que Jungkook tinha outra semelhança com Taehyung: a teimosia. Ao menos não parecia do tipo que fazia birra… Parecendo adivinhar meus pensamentos ele franziu os lábios, levantando ainda mais as sobrancelhas enfatizando sua pergunta.

- Não está aqui. - respondi simplesmente, já me afastando a tempo de encontrar Jin vindo em nossa direção. Apesar da postura relaxada eu notei seus olhos ligeiros, certamente havia percebido a situação desconfortável e estava decidindo se devia ou não interferir. - Bom dia, Jin hyung.

- Bom dia bebês. - ele respondeu com um sorriso largo, logo estendendo a mão para bagunçar meus cabelos como de costume. - Jungkook, dormiu bem?

- Bom dia… Dormi sim, desculpe pelo incômodo.

- Jamais vai ser um incômodo! Os amigos de Jimin são sempre bem vindos. Pode voltar quando quiser. - Jin se serviu de um pouco de água, então tornou a me encarar. - Precisam de carona? Posso levá-los. Meu plantão só começa de tarde.

Pensei em recusar, mas ir para a faculdade sozinho com Jungkook acarretava na possibilidade de ter que responder perguntas como aquela. Então sorri acenando um sim e murmurando um obrigado ao voltar para o quarto. Não muito depois, Jungkook se aproximou, ainda mais hesitante.

- Hyung… Desculpe se te deixei desconfortável. Eu… Fico chato de manhã. 

Juntei a muda de roupa que levaria para o banheiro, então encarei-o com um sorriso ao vê-lo recolhendo as cobertas e os travesseiros. Ele arrumou tudo em silêncio, fazendo o possível para se manter ocupado e fugir do meu olhar. Parecia uma criança após levar bronca dos pais. Pelos deuses. O que eu estava fazendo com aquele garoto? Inspirei, apertando as roupas entre os dedos ao tomar coragem.

- Ele morreu há dois anos. - disse atraindo seu olhar assustado. - Por isso… Não quero falar sobre ele.

- Desculpe, hyung… Eu não queria… - ele gaguejou nervosamente mas gesticulei uma negativa.

- Está tudo bem, você não tinha como saber.

Ele apertou os lábios, inspirando fundo. Vi seus punhos se cerrarem com força e relaxarem repetidas vezes. Até seus olhos assumiram um brilho diferente. O nervosismo deu lugar a algo mais intenso. Ele me encarava com culpa, e dor. Pude sentir minha própria respiração falhar quando ele proferiu.

- Eu sabia. - ele confessou baixinho. - Ele morreu no acidente, não foi?

- Como você…? - ofeguei, não tanto pela conclusão a que ele chegara mas sim pelas gordas lágrimas que já escorriam por sua face. - Jungkook?

- Era você. - ele disse lançando os braços em volta do meu corpo, apertando-me contra o seu. - Eram vocês dois.

- Do que está falando? - tentei me afastar para procurar seu rosto, mas ele me apertou mais forte, já soluçando. - Jungkook, pelo amor de deus… Olha pra mim.

- Eu vi. - ele lamentou, enterrando o rosto no meu pescoço e pude sentir as lágrimas escorrerem por minha pele. - Toda noite… Você está vivo.

- Você está me assustando. Eu vou chamar o Jin. - empurrei-o com força, muito mais pelo alarme que percorria meu próprio corpo diante de seu toque do que pela situação. Meu coração parecia ter parado e recomeçado a bater no ritmo do coração de Jungkook. E aquilo não era um bom sinal. - Você ainda deve estar confuso por causa do pesadelo. Jin e Namjoon são terapeutas… Pode conversar com eles sobre isso.

Me afastei apertando as roupas que ainda tinha em mãos contra o peito. Mas não caminhei muito antes das mãos de Jungkook me envolverem pela cintura. Eu devia estar preocupado ou incomodado com a frequência com que ele me tocava. Sem uma explicação cabível aquele garoto que conheci na manhã anterior estava ali na minha casa, me fazendo quase ceder sob os joelhos e ter o coração saltando pela boca. Arrancou de mim coisas que não fui capaz de proferir mesmo com "conhecidos" (embora em tese, Hoseok também me fosse um estranho até a noite).

Seus toques e alguns trejeitos me eram familiares, ou melhor, me despertavam um conforto nostálgico. Mais do que um conforto, eram acolhedores e despertavam sentimentos bons. Meu sorriso com ele era espontâneo, a conversa fluía e eu não me sentia acuado sob seus toques ou sua proximidade. Ao menos na maior parte do tempo. Porque naquele instante estava cada vez mais difícil não gritar de desespero.

Mesmo sob a camisa, eu podia sentir minha pele formigar com seu toque. Como da primeira vez, uma onda de arrepios serpenteavam por meu corpo. Travei, sem conseguir dar nenhum passo a mais enquanto ele pousava a testa em minhas costas, suspirando ao apertar os dedos em minha cintura. Ele tentou falar algo, a voz falhou três vezes até conseguir proferir de forma rouca.

- Jimin hyung… Só me escute, por favor… - eu acenei mesmo sabendo que ele não estava me observando. - Toda noite tenho o mesmo pesadelo. Eu vejo um acidente de carro… E alguém muito machucado chama por esse nome, Taehyung. Mas no sonho… É como se eu fosse… Ele… Eu vejo essa outra pessoa coberta de sangue, morrendo. E eu acho... Era você. Não percebi quando te vi pela primeira vez porque você parecia tão diferente... Mas eu senti algo… Eu não sei explicar e pode parecer loucura, mas eu juro que… Senti algo.

Ofeguei diante das minhas próprias lágrimas, ciente de que sim, era loucura mas eu também havia sentido coisas inexplicáveis. Inspirei com dificuldade, tentando não ceder aos soluços. Por que eu tinha que ser tão bebê chorão? Engoli repetidas vezes sabendo que não seria capaz de dizer nada sem a voz se perder em alguma lamúria aguda. Então desisti, virando meu corpo de frente para o garoto igualmente bebê chorão. Descartei as roupas que ainda segurava, lançando-as para dentro do quarto, e envolvi meus braços naquele corpo trêmulo. 

- Está tudo bem, Jungkook... - aquilo soava uma mentira até para mim. - Vai ficar tudo bem.

─────❦─────


Notas Finais


Movimento ninja de aproximação e ups xonou.
Sou lenta demais em alguns casos, apressada demais em outros :D


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...