1. Spirit Fanfics >
  2. Uars >
  3. Do outro lado

História Uars - Capítulo 6


Escrita por:


Capítulo 6 - Do outro lado


Fanfic / Fanfiction Uars - Capítulo 6 - Do outro lado

— Mãe, você não pode ir! – Brigou Rússia enquanto puxava a manga do casaco da afegã, no entanto ela não parava de ir em direção a porta segurando duas malas — O papai pode chegar a qualquer momento, ele não vai gostar


— E daí? Esta união está decaindo assim como meu casamento – Puxou o braço fazendo o russo a soltar, estava completamente irada com a situação atual daquele “país” — Vamos Ucrânia, temos que ir


Rússia se virou vendo o irmão de cabeça baixa passando por si, estava envergonhado demais para sequer ver a reação que o ouro teria, mas sabia que era a melhor decisão para si. Afeganistão abriu a porta, e indo embora levando consigo Ucrânia


— Que seja! – Rússia foi até a porta, extremamente irritado com o que eles haviam feito, pegou um pouco da neve de fora e jogou no irmão — Tomara que morram com o holodomor!


— Rússia, para com isso – Pediu Belarus o puxando para dentro de casa e trancando a porta — Eles queriam isso, mas ao menos respeite, a situação já não está a melhor e você fala do holodomor! E ainda para Ucrânia!


— Eles terão o que merecem por abandonarem o papai nesta situação


— Se você não percebeu, foi ele que nos abandonou e estamos que nem idiotas esperando por alguém que talvez nem sequer apareça


— Você é só uma criança, não deveria nem opinar sobre isto


— Mas eu posso, e vou – Cruzou os braços irritada, e subiu as escadas indo para o quarto — Talvez teria sido melhor ir com eles! – Disse alto para se certificar que o outro ouvisse


( ... )


— Sim? – Questionou Inglaterra ao notar a presença de Escócia em sua sala. Era raro tal fato, então era de se admitir que o assunto fosse urgente — Novamente vai pedi a independência que não terá?


— Desta vez, não – Respondeu colocando encima da mesa uma carta — É de Reino Unido, mas vou logo avisando que o assunto não é urgente, no entanto iremos partir em breve


— Creio que já havia deixado nem claro que não terás sua independência – Disse enquanto pegava a carta e começava a lê-la, de fato não era um assunto importante, já que nem sequer deixava claro o que era — Ao menos ele disse onde estava


— Que seja, temos que ir, Irlanda e Gales estão nos esperando, li a carta antes e já as chamei – Saiu da sala não dando tempo da inglesa reclamar da falta de educação que teve


— Então, como foi? – Questionou Gales para a escocesa que apenas revirou os olhos, o que indicava ser o mesmo de sempre, estava irritada só por sabe que teria que passar um tempo vendo a cara de Inglaterra


— Vai ser tipo um dia com a família, tenho certeza de que iremos nos divertir – Irlanda deu pulinhos de alegria, adorava ter a companhia de França e Canadá — Deveríamos fazer um surpresa para eles, o que acham?


— Uma perda de tempo – Respondeu Escócia, o gales deu uma cotovelada em seu braço — Que foi? É a verdade


— Isso seria uma boa ideia! Já que não estamos com pressa – Gales respondeu fazendo a irlandesa ignorar totalmente o comentários anterior — Tem uma loja próxima daqui, creio que Canadá possa gostar das coisas de lá


— Então vamos – Sorriu segurando na mão de Gales e perguntando onde era a loja — Você vem, Escócia?


— Melhor do que aguentar Inglaterra – Disse indo acompanhar os dois irmãos


( ... )


Canadá caminhava apressado, olhou para trás para se certificar que EUA, ou qualquer outro país estivesse o seguindo. Embora não estivesse na guerra, costumava ser ameaçado por comunistas simplesmente por ser parente de capitalistas, mas as ameaças eram apenas um disfarce para si, já que tinha amigos do outro lado


Após a longa caminhada, chegou a frente de uma casa, era bem simples se comparada a outras ao lado. A casa já havia pertencido a Canadá, mas acabou tendo que dar a um país que precisasse mais do que si, as vezes o visitava para ver se estava bem


O canadense tocou a campainha esperando que atendessem, e depois de um longo tempo esperando foi atendido


— Você está acabado – Foi a primeira coisa que disse assim que viu o estado em que Cuba se encontrava — Nós já conversamos sobre isto


— Sim, eu sei – Murmurou enquanto se encostava na porta, seus cabelos estavam bagunçados, as olheiras estavam bem marcantes e aparentava não estar comendo direito, desde que URSS havia retirado os mísseis, o cubano tem trabalhado dia e noite para tentar fazer com que o soviético repensasse na decisão — Vamos, entre – Assim que o canadense entrou, fechou a porta


— Cuba, você têm que ir dormir – Canadá pôs as mãos no ombro do outro o guiando em direção ao quarto — Não conseguirá provar nada se não estiver bem


— Certo, mas não me deixe dormir demais – Pediu, e Canadá concordou, obviamente estava mentindo — E não ligue para a bagunça, são apenas algumas anotações e cartas de URSS, elas são extremamente importantes, então não mexa em nada


— Não se preocupe com nada, você sabe que sou totalmente confiável – Sorriu para o cubano que olhou desconfiado para ele. Cuba então foi para o quarto, e quando Canadá teve certeza de que ele estava dormindo. Cuba roncava muito alto. Começou a arrumar a casa


Arrumou todos aqueles papéis em que Cuba havia dito para ele não mexer, os deixado separados em níveis de importância, o cubano – embora desorganizado – costumava marcar as cartas em níveis para que pudesse se focar nos mais urgentes


Após quase duas horas arrumando, foi verificar se Cuba estava dormindo, não sabia o porquê de ajudar tanto alguém que era considerado como inimigo de sua família, mas aquilo lhe agravada bastante


Canadá percebeu que ainda existia alguns papéis largados na bancada do quarto do outro, então os pegou, só que aqueles não haviam nenhuma marcação, então achou que ainda não tivessem sido lidos, e optou por deixá-los aonde havia encontrado


•Quebra de tempo•


Assim que acordou, Cuba pôde sentir um cheiro agradável na casa, se levantou e foi até onde tal cheiro estava, Canadá estava fazendo panquecas, assim que notou a presença do outro na cozinha, sorriu alegremente vendo que o mesmo estava bem

— Você sabe que eu prefiro ajiaco – Disse sentando-se numa cadeira enquanto observava o canadense cozinhando. Canadá riu, já esperava aquela resposta — Mas, se estiver comestível, eu posso até aceitar

— Não se preocupe, eu tenho certeza de que amará, afinal você sempre faz este mesmo comentário quando cozinho algo – Pegou um prato onde já continha algumas outras panquecas e pôs a última, colocou na frente de Cuba que olhou indiferente

— Isto me parece emborrachado – Pegou um garfo e mexeu nas panquecas

— Espera um pouco – Canadá foi até a geladeira e pegou xarope de maple e pôs encima das panquecas — Agora pode provar

— Desde quando eu tenho isso?

— Você nem sai para fazer compras, e como eu venho aqui, achei que não faria mal –Cuba pegou uma fatia das panquecas e com um certo receio pôs na boca — Então?

— Não é tão ruim, é comestível – Não queria admitir, mas havia simplesmente amado aquela comida

— Já que gostou, eu poderia fazer mais só para você – Sorriu vendo que Cuba nem prestava atenção no que dizia, e estava totalmente envolvido no sabor daquela comida — Bem, eu já vou

— Mas já? Não deu nem tempo de eu falar sobre como vou impressionar URSS

— Não precisa dizer, eu sei que você vai – Bagunçou os cabelos do moreno que ficou envergonhado — Dá próxima eu irei fazer uma torta

— Então não demore para voltar! – Se levantou da cadeira e abraçou o canadense — Você é sempre bem-vindo


Notas Finais


me perdoem pela demora-


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...