História Último Adeus - Adaptación BSeT Segunda temporada Jikook - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook
Tags Jikook Namjin Hoseok
Visualizações 44
Palavras 3.303
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente rsrs sei que to sumida e não to postando no dia que falei mais, to com problemas de visão e ta sendo difícil pra mim, por causa da dores que sinto ao força a vista. Então não tarei postando com tanta frequência, até por que, minha mãe fica me dando bronca o tempo todo por ta no celular ou PC.
Espero que me entendam , até uma próxima vez ou até ter meu óculos.


BEIJINHOS s2 3>

Capítulo 5 - Investigações


Jimin P.O.V

Um calor intenso e gostoso me consumia me apertei mais nele e o senti macio e cheiroso Sobre mim. Abri meus olhos e encontrei Jungkook agarrado ao meu corpo. Suas pernas entrelaçadas com as minhas e sua cabeça enterrada em meu pescoço.

Movi minha mão que estava nas suas costas e passei pelos seus cabelos fazendo um carinho. Ele gemeu se agarrando mais em mim e enfiando sua cabeça ainda mais na curvatura do meu pescoço. Continuei o carinho conforme sentia a mão de Jungkook se mover em minha cintura e ele depositar um beijo abaixo da minha orelha, provocando arrepios em todo o meu corpo.

- Bom dia, anjo - cumprimentou sonolento levantando a cabeça e me encarando com aqueles lindos olhos nagros ainda mais brilhantes. Passei minha mão pelo seu rosto. Ele fechou os olhos e sorriu, apreciando meu toque.

- Bom dia, Kookie - respondi igualmente sorridente.

- Dormiu bem?

- Muitíssimo bem e você?

- Melhor seria impossível.

- Isso seria um convite para mais uma noite? - perguntou sorridente.

- Talvez mais do que uma - provoquei, Jungkook alargou seu sorriso e foi se aproximando, mas o afastei tapando minha boca.

- Acabei de acordar - expliquei. Ele balançou a cabeça, retirou minha mão e me beijou logo em seguida. Jungkook se afastou deixando-me mole e entregue.

- Se prepare pois será assim que irei acordá-lo todas as manhãs.

- Acho que ainda não despertei direito - reclamei sorrindo o puxando para mim, Jungkook gargalhou.

- Mas é muito safado mesmo - disse se aproximando da minha boca e me beijando de novo.

Ficamos namorando na cama até finalmente levantarmos para começarmos nosso dia.

Enquanto Jungkook terminava de tomar seu banho eu fazia nosso café. Tive que sair do chuveiro antes que ficássemos lá o resto da manhã e perdêssemos a hora. Não demorou e ele apareceu na cozinha com um sorriso enorme. Jungkook se aproximou e enlaçou minha cintura beijando meu pescoço, parecíamos cada vez mais um casal de namorados e eu estava amando isso.

- Esse cheiro está magnifico - elogiou contra a minha pele.

- Além de lindo, gostoso,inteligente, ainda cozinha. Você tinha razão, eu ganhei mesmo na loteria - ri me lembrando da provocação que fiz com ele no dia anterior.

- Eu te disse - continuei provocando, Jungkook apertou minha cintura.

- Eu te amo, meu convencido - sussurrou no meu ouvido, sorri me virando para olhá-lo.

- Eu também te amo, meu mala - ele riu e me beijou. - Coloca a mesa para mim? - pedi e ele assentiu, se afastou pegando a toalha, as xícaras e pratos. Enquanto ele pegava o pão no armário e os frios na geladeira, terminei o ovo e levei para a mesa. Jungkook se sentou e me puxou para seu colo.

Tomamos café da manhã em meio a risadas e brincadeiras. Nossa relação nem parecia que tinha começado há apenas dois dias. Tinha a impressão que namorávamos já há anos tamanha era nossa intimidade. Tanto que estava até cogitando a ideia de chamá-lo para ficar comigo permanentemente, mas sabia que ainda era cedo.

Quando terminamos de comer Jungkook insistiu em lavar a louça, alegou que isso era algo que ele sabia fazer. Jungkook não parava de me surpreender. Conforme ele terminava de arrumar as coisas na cozinha fui me trocar para o trabalho, quando estava me vestindo meu celular tocou.

Sorri ao ver que era Jennie.

Ela me contou toda animada que Hope havia pedido ela em casamento, eu fingi surpresa e fui muito bem. Achei tão delicado o modo como ele a pediu. Mesmo com seu fora, Hope conseguiu fazer seu pedido de modo sutil e romântico, o que confesso me surpreendeu, nunca pensei que ele seria capaz de algo tão meigo.

Jennie estava muito empolgada e marcou um almoço comigo e Jin para falar sobre o casamento e claro, mostrar a aliança que ela disse ser a coisa mais deslumbrante que já havia visto na vida. Eu sorri pela sua animação e acabei contando que Jungkook havia me pedido em namoro também. Ela me felicitou e nos despedimos, combinando de nos vermos no almoço, Jungkook entrou no meu quarto já pronto para o trabalho e sentou na minha cama.

Estava uma verdadeira tentação com uma camisa e calça social. Contei a ele sobre minha conversa com minha amiga e o fora que Hope havia dado.

- Jennie está que não se aguenta de felicidade - comentei enquanto eu terminava de me arrumar.

- Hope estava uma pilha para fazer esse pedido, não me admira que tenha errado o pedido - ele disse sorrindo.

- Mesmo assim ele foi tão doce e romântico, nunca esperaria isso dele - Jungkook me olhou sem graça.

- Você gosta disso, né? - encarei ele confuso.

- Do quê? - virei perguntando.

- Essas coisas românticas - explicou, me aproximei dele e sentei em seu colo.

- Sim. Por quê?

- Não acho que eu tenha esse perfil - respondeu chateado.

- Pois fique sabendo que eu discordo - ele me olhou espantado.

- Discorda?

- O modo como me trata, as coisas lindas que diz. Eu não preciso de mais nada, Jungkook - ele sorriu abertamente.

- Eu só digo o que eu sinto.

- É isso que importa - falei e o beijei. Jungkook segurou minha cintura e acabei gemendo em sua boca. Respirei fundo me recompondo.

- Melhor irmos - disse levantando. Ele assentiu com um sorriso em seus lábios vermelhos e deliciosos.

Terminamos de nos arrumar e saímos para o trabalho. Peguei meu carro e depois de deixar Jungkook no trabalho segui para o meu. Assim que cheguei fui direto para minha sala e comecei a trabalhar no projeto de um prédio que estávamos remodelando.

- Jimin? - ouvi alguém me chamando. Olhei para a porta e vi Beth, a recepcionista do escritório.

- Oi, Beth. Algum problema? - ela negou com um sorriso e entrou segurando uma orquídea em um belo vaso de vidro.

- Alguém mandou para você - disse me estendendo a flor.

- Namorado novo? - perguntou enxerida.

- Obrigada - agradeci a encarando sem responder sua pergunta indiscreta e esperando que saísse, ela fez uma careta e saiu. Nem tínhamos tanta intimidade assim. Garota folgada.

Voltei minha atenção ao presente. Era uma orquídea branca com o centro da cor violeta. Absolutamente linda. Peguei o cartão e o abri. Já imaginando quem poderia ter enviado.

----------------------X-----------------------------

Anjo,

Finalmente encontrei uma orquídea que me lembre você.

Delicado. Lindo. E que me traz paz.

Que ela ilumine seu dia, assim como você ilumina a minha vida.

Com amor e paixão.

Do seu convencido, mala e chato namorado,

Jeon Jungkook.”

---------------------X-----------------------------

Olhava o bilhete sem conseguir evitar de sorrir como um bobo apaixonado. Jungkook era definitivamente uma caixinha de surpresas. Em pensar que ele não se considerava romântico.

Se isso não era romântico, o que seria?

Ele em nada lembrava aquele ser mesquinho, presunçoso e egoísta de outrora, Jungkook realmente não era o mesmo e isso ficava cada dia mais claro.

Olhei o lindo ramalhete e suspirei lendo mais uma vez o cartão. É, estava na hora de deixar tudo para trás de uma vez.

 

Jungkook P.O.V

Jimin. Fechava meus olhos e seu lindo rosto era a primeira coisa que vinha em minha mente. Sua risada. Seu toque. Seu aroma. Eu sentia uma vontade louca de ficar o tempo todo ao seu lado, a beijando e o amando. Minie havia despertado um lado meu que até então eu nunca imaginei que existisse.

Quem diria que eu, Jeon Jungkook, iria mandar flores para alguém?

Justo eu que sempre repudiei qualquer tipo de romantismo. Achava piegas, brega e ridículo, mas isso era antes de me apaixonar perdidamente por Jimin. Agora era outro, um homem muito mais feliz e completo. Meu celular tocou me despertando dos meus sonhos diurnos. Sorri ainda mais ao ver quem ligava.

- Oi, anjo - atendi sorridente.

- Olá, senhor Jeon - respondeu docemente. - Estou ligando para agradecer a linda orquídea que me mandou.

- Gostou?

- Amei, ainda mais o que escreveu no cartão - sorri satisfeito.

- Só escrevi o que eu sinto - respondi simplesmente. Podia jurar que ele estava sorrindo, antes que pudesse dizer mais alguma coisa o telefone do meu escritório tocou.

 - Anjo, só um momento - pedi e atendi o telefone.

- Sim, senhorita Weber?

- O senhor Scott está aqui para vê-lo.

- Obrigado, pode pedir que entre - disse desligando e voltando minha atenção a Jimin. 

- Desculpa, lindo, era minha secretária - expliquei, Peter abriu a porta e fiz sinal para ele se sentar.

- Tudo bem, Kookie, só liguei para agradecer pela flor. Te espero à noite?

- Com certeza! Vou passar naquele restaurante japonês e comprar nosso jantar. O que acha?

- Perfeito. Até a noite. Te amo - sorri bobamente.

- Também te amo, anjo. Até mais tarde - disse desligando. Suspirei e só então me dei conta que não estava sozinho.

- O amor está no ar, hein? - meu sorriso aumentou ainda mais.

- É, finalmente nos acertamos, Peter - contei a novidade.

- Isso é ótimo, Jungkook! Confesso que já estava na hora - ri.

- Eu sei, os rapazes disseram o mesmo. Eu ia te contar ontem, mas você não estava no apartamento, aposto que estava com a Emily - Peter sorriu sem graça.

- Estamos nos acertando.

- Que bom - observei Peter e percebi que ele parecia tenso.

- Mas não foi para falar sobre a Emily que você veio me ver, não é? - ele negou e colocou uma pasta que estava no seu colo sobre a mesa.

- Acho que finalmente conseguimos o que queríamos - franzi meu cenho.

Há poucos meses percebemos algumas ações suspeitas do diretor administrativo, Michael Spencer, e decidimos investigar. Ainda me lembrava da época em que era vice presidente e vi que havia algo errado com os papéis do setor, só que ao invés de ir atrás do verdadeiro responsável, acabei demitindo Peter.

- O que aconteceu? - perguntei abrindo a pasta.

- Aqueles números que você estava desconfiado, lembra? - assenti, sem tirar os olhos dos relatórios que via na minha frente.

- Então, você estava certo, eles está desviando dinheiro para uma conta suspeita como se fosse de uma empresa que está prestando serviços para nós, mas é tudo laranja. Michael está super faturando diversas obras só que com valores baixíssimos, para ninguém desconfiar.

- Desgraçado! - esbravejei jogando os documentos sobre a mesa. Estava tudo ali, os números não mentiam.

- O que vamos fazer agora, Jungkook? - perguntou apreensivo.

- Mostrar tudo isso ao Jong Suk e esperar que ele tome uma atitude. Não vou deixar esse vagabundo destruir o patrimônio da minha família - disse incisivo.

- E se ele não fizer nada?

- Ele vai fazer Peter, confio nele.

- Teremos que esperar que ele volte de viagem.

- Essa viagem para a Europa não podia vir em pior hora - reclamei.

- Sabe quando ele volta?

- Só no começo do próximo mês. Acha que Michael desconfia de nós? - ele negou.

- Quanto a isso não precisa se preocupar, ele nem faz ideia. É presunçoso demais para desconfiar de um gerente.

- Ótimo. Precisamos manter isso em sigilo até poder conversar com Jong pessoalmente. Qualquer outra forma pode ser arriscada - Peter assentiu concordando e começamos a planejar como despistaríamos Michael caso ele desconfiasse de algo. Podia apostar que ele era apenas uma peça em um esquema muito maior e mais arriscado.

Eu não podia negar que tinha muito medo dele descobrir o que estávamos fazendo e querer algum tipo de retaliação. Temia que para me atingir ele usasse Jimin. Preferia nem sequer pensar nisso. Tinha certeza que assim que Jong soubesse da verdade uma atitude seria tomada e nós nos veríamos livres desse problema de forma definitiva.

O restante do dia passou rapidamente. Hope me ligou para contar que por pouco não colocou tudo a perder, apesar de Minie já ter me contado, a versão de Hope para seu desastre foi ainda mais engraçada. Especialmente quando ele colocou a culpa em Joonie e em mim por não escrever o desafio para ele. Felizmente no fim tudo deu certo, antes de desligar, ele me convocou para ser seu padrinho juntamente com Namjoon. Fiquei lisonjeado com o convite e combinamos de nos encontrar para discutir os detalhes da sua despedida de solteiro.

Podia apostar que isso ia dar problema.

O expediente logo terminou e fui para casa. No caminho passei no restaurante e comprei o jantar. Quando cheguei no apartamento a porta já estava aberta. Entrei e encontrei Minie deitado no sofá, assim que me viu ele levantou e veio em minha direção me beijando, o segurei pela cintura com meu braço livre.

- Saudades, anjo - disse sorrindo.

- Também, Kookie - respondeu me dando mais beijo. Em seguida pegou as sacolas e colocou sobre a pia.

- Como foi no trabalho?

- Bem - falei um pouco tenso, Minie pareceu perceber e me olhou sério.

- O que houve?

- Podemos falar depois? - pedi.

- Claro, por que não toma um banho enquanto eu arrumo tudo aqui? - dei-lhe mais um beijo e segui para o meu antigo quarto que a partir de agora seria nosso. Tomei um banho rápido e voltei para a cozinha.

No caminho, algo na sala me chamou a atenção. A orquídea que havia lhe dado à tarde, estava sobre a mesa de centro, ao lado da azul. Não pude deixar de pensar que era uma bela representação de nós dois.

- Vejo que gostou mesmo do meu presente - comentei sorridente. Minie pegou o shoyo na geladeira e veio na minha direção com um sorriso enorme estampado no rosto.

- Eu adorei! E combinou muito bem com a outra orquídea - falou me abraçando.

- Formam um belo casal - Minie sorriu largamente.

- Assim como nós - sua resposta colocou um sorriso estúpido no meus lábios.

- Está me saindo um ótimo namorado, senhor Jeon - com essa tive que rir.

- Fico feliz com isso, senhor jeon - ele riu também.

- Vem, vamos jantar - disse me puxando para a mesa.

Sentei e o coloquei no meu colo. Já havia virado costume comermos assim e não estava nem um pouco a fim de mudar isso.

Passamos o jantar falando sobre o seu almoço com os meninos e como Jennie estava animada com tudo. Contei para ele sobre o convite do Hope para ser seu padrinho e Minie achou um máximo, já que ele e Seokjin seriam as “madrinhas” de Jennie.

Terminamos o jantar e arrumamos a cozinha juntos. Enquanto Minie ligava o som, fui para o sofá. Os acordes de Skinny Love começaram a tocar conforme Minie vinha em minha direção e sentava entre minhas pernas. Ficamos abraçados, só curtindo um ao outro.

- Vai me dizer o que está preocupando você? - perguntou acariciando meu braço. Suspirei pesadamente, Minie virou e sentou de frente para mim.

- Lembra das investigações que Peter e eu estávamos fazendo? - Jimin me encarou preocupado. Ele sabia tudo sobre o assunto e também morria de medo que Michael descobrisse.

- Claro, o que houve?

- Peter me mostrou um documento que comprova de todas as formas que Michael está mesmo desviando dinheiro da empresa.

- Ele não descobriu, não é? - perguntou tenso.

- Não, Peter garantiu que ele nem faz ideia, mas hoje eu me arrependi de ir atrás desse assunto.

- Você fez o certo, sei que é perigoso, mas ele está roubando.

- Eu sei, mas eu pensei em você e ... - minha garganta fechou só de pensar em algo de ruim acontecendo com Jimin.

Ele era tudo o que eu tinha.

- Nada vai acontecer comigo, Jungkook. Eu tenho medo de algo acontecer com você - confessou se deitando sobre meu peito.

- Vai dar tudo certo - garanti, tentando passar segurança para ele.

- Vou contar ao Jong e ele vai tomar todas as providências necessárias.

- Promete que vai ficar longe disso depois que falar com ele? - pediu me olhando.

- Eu vou, Minie, prometo, não quero arriscar mais nada por causa desse ladrão - afirmei acariciando suas costas.

- Que tal falarmos de algo mais leve? - propus. Não queria passar uma noite tão agradável falando sobre os problemas da empresa. Jimin levantou a cabeça e me encarou.

- Sobre o quê? - perguntou interessado.

- Estava pensando em comprarmos um terreno. O que acha?

- Terreno? - ele franziu o cenho me olhando com curiosidade.

- É, temos uma casa para construir - percebi quando ele entendeu do que eu falava.

- Nossa casa com as árvores em volta? - sussurrou admirado.

- Isso. Juntando nossos salários aposto que podemos financiar um bom terreno.

- Está falando sério?

- Claro, anjo. Você desenha e eu construo, lembra? - Jimin abriu um sorriso enorme e me deu um beijo de tirar o fôlego.

- Diz para mim que não estou sonhando - suplicou me olhando com os olhos marejados, segurei seu rosto com carinho.

- Você não está sonhando, meu amor - Jimin me beijou novamente e em um rompante saiu do meu colo correndo pelo corredor.

- Onde você vai? - gritei.

- Pegar uma coisa - ouvi sua resposta longe, suspirei feliz e encarei o teto, aproveitando as batidas leves e alegres de Next To Me do Sleeping At Last, que começou a tocar.

Não demorou e Jimin estava de volta com algumas folhas de papel e um estojo.

Tirou as coisas da mesinha de centro e colocou o papel sobre ela se sentando no chão. Desci no sofá e me coloquei atrás dele, suas costas apoiadas no meu peito.

- O que é isso tudo?

- O projeto da nossa casa - respondeu com um sorriso enorme, o apertei em meus braços e beijei seu pescoço.

- Quantos quartos? - perguntou pegando um bloco de papel.

- Estava pensando em uns sete - Minie virou o rosto e me encarou assombrado.

- Para que tantos quartos?

- Um nosso, um para ser nosso escritório e cinco para nossos filhos.

- Cinco filhos? Jungkook! - ralhou comigo.

- O quê? Achei que quisesse filhos - proferi confuso.

- Eu quero, mas cinco é demais - sorri.

- Acho perfeito - Minie acabou rindo.

- Podemos fechar essa conta em três? - perguntou arqueando a sobrancelha, suspirei.

- Ok, três - acabei concordando.

- Então a casa pode ter seis quartos, um pode ser de hospedes - opinou.

- Perfeito. Estava pensando em um estilo bem rústico.

- Que tal de madeira? Tem excelentes empresas que vendem uma madeira reaproveitada, gostaria que a casa fosse o mais ecológica possível - ele opinou, assenti concordando.

- Concordo, o que mais? - Jimin sorriu.

- Quero uma estufa para cuidar das minhas orquídeas e um jardim enorme - Minie deitou no meu corpo e apoiou a cabeça no meu ombro passando seus braços sobre os meus.

- Imagina que delicia, eu, você e as crianças brincando no gramado? - dizia com um sorriso ainda maior.

- E nosso cachorro também - adicionei.

- Teremos um cachorro? - questionou animado.

- Sim, eu sempre quis um, mas nossa mãe era alérgica.

- Verdade, Amaya tinha alergia. Nossa, seria incrível ter um cachorro - Minie suspirou feliz apertando meus braços no seu corpo.

- Uma família.

- Nossa família - pontuei beijando sua têmpora. Ele virou o rosto e me beijou com doçura. Tudo o que eu mais desejava era um futuro e um família com meu Jimin.

Agora E sempre.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...