História Um Amor à Primeira Vista - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias 50 Tons de Cinza
Tags Amorgay, Boyxboy, Escola, Fanfic, Gay, Gls, Hot, Romancegay
Visualizações 44
Palavras 5.308
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, LGBT, Romance e Novela, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boom. Espero que aproveitem muuuito esse capítulo que está bem recheado de coisas que servirão para o futuro da história mais na frente.

Capítulo 6 - Manuela a megera


POR EDMUNDO

O que era isso que estava sentindo em meu peito? Era forte e ao mesmo tempo agoniante, uma coisa desconhecida que jamais senti quando beijei os lábios de alguma garota e agora que beijei por pura força física a boca daquele loiro idiota eu cheguei a ver anjos no céu de boa à sensação que foi.

Caralho! Eu estou virando viado essa porra! Preciso esquecer. Tirar essa cena e apagar da minha mente como se nunca tivesse acontecido. Se meus amigos ficarem sabendo do que aconteceu eu estou arruinado. Ninguém nunca vai saber. Caio armou isso mais esse beijo não estava no esquema. Eu preciso esquecer.

Não é saudável e muito menos normal ficar pensando em um beijo gay, eu odeio pessoas como aquele loiro nojento, minha intenção é extermina-los e não conviver com essas aberrações, simplesmente sou uma pessoa com instinto homofóbico e intolerante e continuarei sendo assim.

Também tenho que ter consciência e me lembrar dos planos do meu amigo Caio. Preciso agir naturalmente e mostrar que estou gostando desse verme maldito do loiro e fazê-lo acreditar em minhas ações de cara apaixonado e arrependido.

Mais quanto a esse momento aqui nessa sala? Não foi nada programado aquele beijo.

Foi realmente uma cena de fingimento ou uma realidade impremeditada? Não consigo achar uma resposta apurativa para essas perguntas que se formam em minha mente a todo segundo deixando minha cabeça em tamanha confusão.

Como eu pude tocar nos lábios de outro homem! Como?

Porque diabos eu me deixei envolver pela aparência serena daquele loiro sarnento que de alguma forma chamou a minha atenção atraindo-me para mais perto dele a cada palavra de ódio que jogava contra ele. Mais o inédito mesmo dessa vez foi à súbita coragem dele em não ficar calado e ter a ousadia e autoconfiança de me enfrentar.

Bem que Caio me alertou sobre isso, o loiro estava mesmo cheio de atitude, meu amigo disse que ele não abaixou a cabeça na hora em que falou com ele no corredor, preciso ser sincero e dizer que ver a confiança do loiro me deixou um pouco excitado.

O que eu estou dizendo?!

Excitado isso nunca acontecera. Meu pau levanta somente pra uma garota gostosa e nunca, nunca vai ficar duro pra um homem propositalmente.

Recuperado do meu surto quando o loiro pediu pra bater nele e quebrar sua cara eu respiro ganhando o ar dos meus pulmões, ele foi corajoso em me desafiar e ainda audacioso em falar que gostei do beijo.

Mais isso é palhaçada demais. Eu nunca irei gostar de beijar um homem.

E só não partir a cara dele ao meio por pena. Ainda quero ver esse viado de merda humilhado na frente de todos aqui nessa escola e esse dia estar ficando muito próximo.

O que é de Bruno está muito bem guardado.

Fui para a parte de trás da sala onde tinha ficado escondido por uns momentos esperando e apenas vendo o loiro chamar pelos meus amigos, acho que ele esperava uma cilada de surra como no banheiro.

Peguei minha mochila e procurei meu celular. Preciso falar com Caio dizer que a primeira parte do plano foi executada com sucesso. Procuro seu numero nos contatos e disco a ligação que ele atende de imediato.

— Fala Ed. - salda assim que atende do outro lado.

— Tudo feito como o combinado!

Consigo ouvir a vibração dele. É um maníaco e esta determinado a seguir com esse plano maluco.

— Melhor. E então como foi? - interessado além da conta.

E eu não contaria nunca que beijei o loiro. Isso ficaria guardado somente comigo.

— Meio intenso cara, o loiro está mesmo mais confiante e cheio de atitude.

Lembro das vezes em que ele resolveu me enfrentar ferozmente e eu sentia um formigamento estranho em vê-lo nervosinho comigo.

— Eu num te falei! Por isso ele vai chorar humilhado por nos desafiar. - a voz de Caio fica apertada, está rangendo os dentes bolando a sequencia do plano.

— Quando vamos continuar? - senti um lampejo na minha voz por perguntar, mas esse foi à primeira parte do plano e ainda tinha mais duas.

— Vamos esperar, mas amanhã vai mandar uma mensagem dizendo que quer falar com ele e o chamar para um encontro.

Porra nenhuma. Já não basta ter ficado perto demais e sozinho com aquele loiro aqui e ainda quer um encontro. Não mesmo. Tudo estava confuso em minha cabeça e quando ele estava perto eu não conseguia pensa em nada direito.

— Encontro? Você ficou louco! Não vou ficar mais perto desse viado não!

— Deixa de frescura Ed! Para o plano dá certo tem que ter um encontro e é nesse encontro que tudo acontece. Sacou? - ele tinha todo o esquema completo e eu seria o principal em fazer todo o trabalho sujo.

— Se é assim então... - completamente vencido. — Mas e se ele não aceitar?

— Tu vai insistir caralho! Fala que tá apaixonado, que se arrependeu, se vira!

Ele fala como se fosse fácil, mas já que é pra ver meus amigos satisfeitos e ver as lagrimas no loiro humilhado diante toda a escola tendo seu segredinho confirmado não teria saída.

Eu faria sim.

— Vou pensar em alguma coisa, ele precisa acreditar no meu arrependimento pra poder sair comigo. - acho que isso não seria muito fácil de conseguir mais eu tentaria.

— Sei que vai conseguir brother, afinal ninguém resiste ao charme do pegador Edmundo Ribeiro. Ah, e cuidado com a Camily viu moleque! - diz sacaneando.

E eu fiz uma careta ao ouvir o nome da outra garota chata.

— Também não amola caralho! E Camily que se foda!

Risada do outro lado. Todos sabiam que meu lance com a garota era apenas faixada.

— Ela prefere que tu a foda! Mais isso eu não quero imaginar. - ouvi isso mais como um sarcasmo mais relevei pela amizade. — Falou aí mano, qualquer coisa liga!

— Estou indo nessa também, até mais.

Quando desliguei resolvi ir para casa já que não restava mais nada pra fazer aqui na escola e também agora eu tinha uma missão pra cumprir. Sabia que não seria fácil convencer e fazer o loiro acreditar em meu arrependimento, mas eu não desistiria até conseguir conquistar o coração de Bruno.

Mais pena que tudo não passa de uma armação para fazê-lo chorar amargamente por ter desafiado o meu grupo de amigos. Eu jamais gostarei de outro homem! Isso nunca vai acontecer.

Agora não tem mais volta. Eu vou até o fim desse plano. O que me resta é esperar e saber aonde tudo isso irá nos levar.

###

POR BRUNO

Acordei no dia seguinte as 06h40min e estava passando do meu horário normal e sabia que iria chegar atrasado e nem o café da manhã daria tempo de tomar hoje. Tinha que correr contra o tempo e quando estava prestes a levantar da cama ouço meu celular anunciar uma notificação de mensagem.

No primeiro momento pensei que fosse Luiza então abro o aplicativo e fico surpreso com o conteúdo escrito.

Desconhecido:

Preciso conversar com você hoje.

Podemos nos encontrar no fim da aula?

A mensagem não tinha remetente mais já conseguia imaginar quem tinha enviado e achei muita presunção dele. Era incrível a mudança de humor da pessoa em apenas um dia mudar rapidamente e passar a querer conversar com alguém que até pouco tempo odiava e ainda continua odiando.

Mais agora ele quer falar comigo no fim aula depois de ter me mandado embora daquela sala como um cão? O que será que mudou para ele querer falar comigo outra vez? O que será que ele quer? Eu estou muito curioso para saber mais eu não vou falar com ele, nem que eu tenha que fugir e evita-lo. E quem deu liberdade para ele pensar que sou qualquer pessoa, ou até mesmo uma garota estupida louca que corre atrás assim que recebe uma confiança.

Eu não iria falar com ninguém!

Decide deixar de lado esses problemas da minha patética vida adolescente e fui tomar um relaxante banho quem sabe assim eu consiga esfriar minha cabeça, meu dia já tinha começado ruim. Será mesmo? Nem eu conseguia definir, mas era tentador a vontade de comparecer sabe Deus aonde para falar com Ed.

Não! Eu não podia dar tanta liberdade assim para um garoto que sempre me detestou e ainda por cima fez coisas imperdoáveis comigo. Ontem aquele beijo foi desejável sim mais não aconteceria novamente, não podia deixar levar pelas minhas vontades. A minha memória já tinha voltado e agora eu sabia o que ele fez comigo.

Terminei rapidamente o banho e corri vestindo meu uniforme. Depois desci e entrei no carro e Charles calado como sempre fez o trajeto de todos os dias. Assim que cheguei na escola olhei para todos os lados procurando certo alguém mais pra meu alivio não o encontrei. Não queria esbarrar com ele agora, é tudo muito esquisito e vergonhoso pra mim lidar com o que aconteceu entre nos dois ontem.

Como será a reação dele quando me ver hoje? Eu estava muito nervoso.

No meio do caminho para a sala vejo Luiza pegando algo em seu armário e ela abre um sorriso contagiante a me ver aproximando.

— Oi Bruno. - disse sem olhar pra minha cara.

— Oi Lu.

— Como foi o encontro ontem?

Mais o quê? Ela ainda iria insistir nisso.

— Não teve encontro nenhum. - desconverso e a observo vendo como ela estava diferente também. — Parece animada. Vai sair com alguém?

Ela faz cara de misteriosa. Eu já sabia, mas queria provoca-la também.

— Talvez sim... - diz toda misteriosa.

— Vai começar a esconder coisas de mim agora, onde parou a confiança?

— Eu não sou a única que esconde as coisas aqui! - rebateu e estava completamente certa. Eu escondo e é muito serio.

— Mas vai fala logo!

— Tá bom eu falo. - diz ela vencida fechando a porta do armário. — Eu vou sair com o Pedro!

— Olha que demais! Aposto que esta ansiosa. - eu estava feliz por ela ter um encontro de verdade, diferente do que eu tive ontem. Nem encontro foi.

— Estou quase não cabendo em mim! - diz toda animada.

— Pelo menos alguém está contente. - murmuro morbidamente tendo um pouco de inveja dela. Infelizmente eu não tinha essa sorte.

— Aconteceu alguma coisa que eu não saiba? Você anda diferente esses dias, não quer me contar nada? Sabe que pode confiar em mim. Sobre qualquer coisa.

Será que poderia confiar? Eu não tinha certeza. Queria muito poder desabafar mais tinha medo da reação dela. Ainda não era o momento.

— Não é nada demais. - minto ela não precisa saber. Não agora.

— Te conheço bem pra saber que está escondendo algo alias não é de hoje que sinto isso, eu já te perguntei, mas não vou mais insistir.

— Tá certo Lu. E eu estou normal como sempre, pois nada de interessante acontece na minha vida.

— Meu pai! Que solidão é essa? Não diga que ainda não perdeu o BV?

Quase engasgo com minha própria saliva ao ouvir isso.

Meu rosto completamente escarlate de vergonha e até mesmo medo. Somente agora me toquei que não era mais virgem de boca. Ontem mesmo eu fui beijado por um garoto lindo, sexy e tentador e muito hetéro por sinal que ainda me odeia com todas as suas forças.

Se Lu soubesse que perdi o BV ficaria louca ainda mais ao saber com quem, mas isso nunca ela saberia pelo que dependesse de mim. Ela nem sabe que eu sou gay e imagina se eu revelasse isso e ainda acompanhado de que tenho uma paixão pelo cara que mais me fez mal e ela um dia foi apaixonada, seria o cumulo do desastre.

— Como você é indiscreta! - rebato constrangido.

— Fico preocupada com seu estado! Honestamente você está ultrapassando a idade, sério vai fazer 17 anos e ainda não trocou saliva.

— Eu sei... mais ainda não encontrei ninguém...

— Querido, garota é que não falta aqui nessa escola, olha só! - diz gesticulando e apontando as meninas que passavam por nós. Torci os lábios para todas. — O que está esperando? Uma ordem do papa!

— Hahaha... estou morrendo de rir com seu senso de humor elevado.

— Não estou falando mentira! Você é lindo, perfeito e atraente com esses cabelos loiros e olhos azuis, verdes, não sei, essa cor é variante, mas tem esse corpinho definido, só não te pego por ser meu primo viu!

— Nunca! Isso nunca! - digo espantado com a ousadia brincalhona dela começamos a rir.

E só de falar em garotas fico levemente incomodado com a cena de trocar beijo com alguma. Isso está completamente fora dos meus padrões aceitáveis. Apesar de nunca ter beijado uma e só ter beijado uma única vez um garoto, eu sei que sou gay. Digo isso com toda certeza do mundo. Eu nunca senti atração pelo corpo feminino e agora o masculino sempre foi atraente aos meus olhos.

O assunto fica encerrado e entramos na nossa sala e o clima ali dentro não era o dos melhores depois da chegada da irritante Manuela que como no dia anterior estava sentada perto do meu ex-amigo Gui.

Falando nesses dois eu reparei imediatamente o quanto estavam íntimos, olhando a cena deles rindo de alguma coisa me fez lembrar os momentos legais que tive ao lado dele, ele era um amigo bacana e sentia muito por ter chegado a esse ponto lastimável em nossa amizade.

Procurei meu lugar de sempre e sentei na minha carteira.

Minutos depois logo o sinal tocou e o professor entrou saudando a todos e assim a aula se seguiu lenta e completamente entediante com varias conversas chatas de minha nova inimiga e Gui que durante a briga ficou calado apenas olhando e essa atitude foi deprimente.

Quando o intervalo chegou não queria ir para o refeitório, tentaria o máximo evitar olhar pra Edmundo e principalmente estar no mesmo local que ele, essa escola é enorme e tem uma área externa com um amplo jardim com arvores e flores com banquinhos e era pra lá que me refugiaria para evitar desconforto.

— Vai ao refeitório? - Lu levanta já passando a mão em seus cabelos longos e pretos e umedecendo os lábios com a língua.

— Não hoje vou para o pátio externo.

— Fazer o que naquela mata aberta? - era assim que ela se referia ao jardim da nossa escola.

— Pegar um ar e refletir sobre uns assuntos.

— Posso saber quais assuntos? - perguntou curiosa em saber sobre o que estou escondendo, ela não conseguiria arrancar nada de mim.

— A vida e outras coisas, tudo certo? - digo olhando a serio.

— Depois diz que não está escondendo nada! - reclama. — Eu vou comer e depois...

— Encontrar seu boy isso eu já sei. - corto suas palavras sabendo muito bem de seu encontro com o tal Pedro.

— Sim vou ver ele mesmo. - os olhos dela brilhavam de especulação para encontrar esse garoto que estava curioso pra conhecer pessoalmente.

Saímos indo para o corredor enquanto Lu seguiu em direção ao refeitório eu fui para o outro lado mais precisamente a saída. O pátio ficava quase perto do ginásio separado apenas por umas arvores pequena. Cheguei e sentei na grama verde embaixo de uma arvore sentindo o vento tocar meus cabelos. Peguei meu celular comecei a escutar Aí já era uma musica que sempre gostei muito e fechei meus olhos deixando meus pensamentos livres.

Aí já era é hora de se entregar
O amor não espera
Só deixa o tempo passar
E fica pro coração
A missão de avisar
Que o meu tá dando sinal
E tá querendo te amar.

Comecei a lembrar do meu primeiro beijo e dar forma como por uns minutos fiquei conectado a Edmundo e a intensidade de sentimentos variantes emergidos numa tamanha sintonia indescritível foi intensa demais. Por mim eu o beijaria todos os dias da minha vida, mas as coisas não são como queremos e sim como o destino planeja e pelo visto o meu destino não é ficar com Ed e nem ele comigo.

Tudo poderia ser simples e sem complicações para o meu lado e viver uma relação harmoniosa com Ed e se ele não fosse o tipo de pessoa preconceituosa e egoísta as coisas poderiam dar certo, mas ele nunca aceitara quem eu sou. Nada disso importaria. Nada que não fosse o amor que poderia surgir entre nós dois. Eu apenas vivo sonhando com essa fantasia impossível.

De repente sou retirado dos meus pensamentos quando escuto barulhos de vozes altas e risadas femininas vindas diretamente do ginásio, suponho que esteja tendo algum jogo besta entre alguns garotos. Curioso levantei e resolvi dar uma espiadinha sem ser notado por ninguém, e no fundo tinha a esperança de ver ele.

Caminhei devagar pelos paralelepípedos me levando ao fundo da grade que cercava a grande quadra poliesportiva. Tinha vários garotos correndo disputando a bola, não podia negar como eles jogavam bem e tinham habilidades incríveis, o grupo de Caio se encontrava no meio.

Falando em Caio, ele esse usava apenas um calção fino branco e sem camisa, mesmo não querendo reparei que ele tinha o corpo muito bem definido e musculoso, é um rapaz bonito que chamava atenção e claro a euforia das garotas gritando seu nome era alta e chegava a ser irritante. Ele pra completar ainda possuía uma tatuagem enorme de um dragão na sua costa.

Mais nada podia se comparar com Ele, sim Ed é unicamente destacável. Ele corria driblando a bola entre seus pés e mostrando seu potencial para o esporte, seu corpo suado deixava a pele dele mais dourada que o normal e era de tirar o folego, nunca o tinha visto assim apenas com um calção fino preto onde no meio das pernas tinha um volume considerável grande e a circunferência de seu pênis era notável aos olhos de todos mostrando quanto viril ele era e pensar nisso causava um estremecimento geral em meu corpo.

Fiquei suado rapidamente vendo como seu corpo era lindo e perfeito, o peitoral forte saliente e o abdome sarado com gominhos atraentes e as pernas fortes. E o cabelo dele com aquela cor de cobre linda, sempre exalando um brilho e parecendo ser tão sedoso. Ele tinha uma beleza encantadora e logicamente combinava muito com seu nome. Vendo Ed assim entretido na brincadeira não podia dizer que ele é o mesmo garoto que me humilha e fala coisas horríveis pra mim, ele parece mais um jovem normal.

Mais como nem tudo é um mar de rosas para minha insatisfação vem caindo como uma tempestade, digo as garotas eram loucas pelo garoto que nutro uma paixonite estupida, elas o queria assim como eu, elas o deseja e isso causava em mim ciúmes. Todas gritavam e disputava sua atenção da arquibancada.

— LINDO, TESÃO, BONITO E GOSTOSÃO. - todas gritavam.

E vê-lo dar atenção a essas galinhas assanhadas faz meu sangue ferver. Mesmo não querendo por ter um orgulho gigantesco eu estava morrendo de ciúmes dessas oferecidas. Invés de ignora-las Ed faz é sorrir com aqueles dentes brancos para os suspiros das garotas. Ai que maldito ódio!

Querendo ter uma visão mais clara da quadra eu me afasto mais pra frente chegando perto do portão central e ali todos poderiam me enxergar também e foi aí que ele acabou fazendo um gol e saiu correndo abraçando Caio e Josh, depois limpou o suor do rosto que escorria e levantou sua cabeça pra frente onde seus olhos caíram bem em cima de mim.

Fiquei sem reação alguma. Imóvel igual uma estatua. Eu estava feito um bobo vendo ele se divertindo junto dos amigos e agora ele tinha percebido a minha presença e isso eu não queria, mas ele não vai dar trabalho de vim falar comigo agora como mandou na mensagem. Não vai falar na frente das garotas e dos seus amigos.

Ele ainda olhava pra mim serio e me analisava inteiro e sabendo o quanto ridículo era o meu papel aqui parado eu decido me retirar dali antes que acontecesse algo do meu desagrado.

Voltei pra minha sala e esperei o tempo do intervalo terminar. Luiza chegou toda contente falando que seu encontro com Pedro foi perfeito e ele ainda tinha confessado que gostava muito dela e ela ficou toda boba com o elogio, estava na cara que minha prima tinha se apaixonado pelo garoto do basquete, e disse ainda mais que iriam sair para um encontro de verdade fora da escola. Eu fiquei feliz por ela e desejei que desse tudo certo e fosse feliz com esse garoto que logo, logo seria seu namorado.

Ao final da aula eu saí acompanhado de Lu e ela teclava em seu celular enquanto eu ouvia musica no fone distraído não querendo de jeito nenhum encontrar com Ed pelos cantos, era agora que deveria procura-lo para a tal conversa que ele quer ter novamente. Eu não iria e disso eu já tinha certeza.

E parecendo uma deixa meu celular vibra em minha mão anunciando um SMS. Era dele. E agora eu lia? Não pensando muito feito um besta abri o aplicativo.

Desconhecido:

Estou te esperando na sala de artes.

Onde você está?

Ele tinha ido para o mesmo local onde nos falamos ontem. Estava disposto a falar comigo mais uma vez depois da cena que fez e de me mandar ir embora quando despertou do beijo e me acusou de tê-lo beijado primeiro sendo que eu nem comecei nada nervoso e ele tomou a inciativa.

E agora ele quer repetir será? Ou quer esclarecer tudo que aconteceu entre a gente? Mais não aconteceu nada! Eu mesmo já estou apagando tudo da minha memoria e não vou mais ficar lembrando esse momento. Ele que fique plantado lá me esperando. Olhei pra tela do celular com a mensagem refletida e audacioso resolvi lhe dá uma resposta.

Eu:

Então espere sentado!

Nunca mais quero ver você!

Sorrir querendo imaginar qual seria a reação dele. Deveria ficar furioso comigo por está o ignorando e não comparecer para ele novamente me esculachar com as metralhadas de ofensas.

Eu não era mais o tolo que acreditaria em palavras vazias e me deixaria levar pelos meus sentimentos. Se ele estava mesmo mudando mesmo que minimamente eu não seria o primeiro a dar o passo para uma reconciliação e conversa definitiva. Que seja ele e não eu!

Desconhecido:

Eu não vou desistir de você!

Não se esqueça disso.

Já tinha relido pelo menos umas cinco vezes essa mensagem que chegou assim que entrei em meu quarto naquele dia. Eu não falei com ele e não descobri o que ele tanto queria me dizer, e agora recebo outro SMS dele dizendo que não vai desistir de mim. O que ele está querendo com isso? Não compreendo essas palavras e nem consigo decifra-las e chegar a uma conclusão definitiva e esclarecedora para as minhas duvidas.

Não iria mais dar atenção para um garoto confuso com seus próprios sentimentos, ele nem sabe o que esta fazendo dizendo essas coisas para mim e duvido muito que seja uma mudança de comportamento. Ele me odeia e nunca vai gostar de mim. Eu tenho que odiá-lo também para assim conseguir ficar longe e não pensar em fantasias falsas.

A partir de hoje eu irei ignora-lo. Vou fingir que ele não existe e nunca vai conseguir ficar ao meu lado.

E foi isso mesmo que eu fiz. Eu ignorei ele todos os dias que foram se passando e nada de interessante aconteceu durante esse tempo. Quando percebi um mês já tinha ido embora e algumas coisas aconteceram como, por exemplo: Luiza está finalmente namorando o garoto do basquete mais ainda não quer apresenta-lo para mim afirmando querer ganhar mais tempo pra depois começar a enturma-lo no nosso meio de amizade.

Quanto a Guilherme nunca mais trocou uma palavra comigo desde que tivemos aquela conversa tensa na sala de aula depois do ataque que sofri no banheiro, mas ele conseguiu uma nova melhor amiga é a insuportável chamada Manuela essa não pára de implicar comigo.

Em relação a minha indiferença e o “caso mal resolvido” com Ed esse continuava em desigualdade absoluta. Mais da minha parte mesmo, pois ele fica dando indiretas todos os dias na hora do intervalo quando vou para o refeitório, mas eu também olhava para ele discretamente já que não sou de ferro e o sentimento ainda não morreu em meu peito.

Ele ainda continuava mandando varias mensagens perguntando “até quando eu iria continuar nessa ignorância”, também “você não pode apagar o que houve entre a gente” e o principal “eu sei que você gosta de mim, me dá uma chance”, eu não suportava ler e não poder fazer nada, ele estava certo eu não podia agir assim e eu gostava muito mais muito desse garoto idiota mais eu não iria permitir ele ganhar.

Eu não sabia qual era o interesse dele em querer tanto insistir numa conversa comigo, não compreendia essa insistência, ele simplesmente não podia deixar a minha vida sossegada e viver a dele ao lado dos amigos deslocados e aproveitar a companhia daquela loira magrela sem sal que falta o engoli inteiro quando estão aos beijos no intervalo. Se ele quer tanto ficar brincando comigo dizendo e mandando essas coisas deveria ao menos pensar em como me sinto quando o vejo nos braços de outra. Acabado e sem um pingo de esperanças. Mais é só ver que ele manda as mensagens que tudo desaparece e só penso nele comigo.

Ele não podia gostar verdadeiramente de mim. Centenas de vezes eu ouvi da boca dele falando o quando me acha sujo, nojento e que me odeia. Ele é preconceituoso e moralista e nunca vai mudar sua maneira de ser porque pessoas como ele não mudam e só tendem a ficar pior.

Isso não é um romance gay aonde o hetero popular no final vai se apaixonar pelo nerd gayzinho. Eu quero e procuro encontrar alguém que goste de mim pelo o que eu sou por dentro, alguém que enxergue as minhas qualidades inferiores e acima de tudo não me odeie, eu não quero dividir a minha vida com uma pessoa rancorosa.

Eu estou plenamente consciente das dificuldades que ainda irei enfrentar quando for me assumir para minha família, meu pai não vai tolerar ter um filho que ele já não tem tanto afeto e imagine depois que souber da minha sexualidade, ele abomina os gays mesmo sendo um advogado conceituado o melhor, mas mesmo ele não aceitando eu tenho que me revelar e não ficar escondendo o que sou de verdade e até por que um dia sairei do armário e assumir quem sou se eu quiser ser cem por cento feliz.

Só espero que no final de tudo não acabe em tragédia, eu pretendo conversar com meus pais e tenho certeza eles irão aceitar afinal eu sou filho deles e nada vai mudar. Mais será uma injustiça se eu for expulso de casa como a maioria das famílias fazem quando um filho assume a sexualidade. Acho um absurdo essa covardia em despejar o filho na rua como se fosse um lixo velho, como se tivesse perdido a utilidade e o valor. Será que comigo será diferente?

###

UM MÊS DEPOIS

— Caramba! Pensei que ficaria na matéria do professor gato.

Luiza comenta um tanto aliviada após ter recebido sua nota bimestral de literatura.

— Eu estou tranquilo com a minha media de sempre. - guardei meus pertences na mochila e levantei indo diretamente pra saída da sala.

Hoje era sexta feira do mês de maio e agradecia pela semana estar terminando e teria mais dois dias livres e sem ter que ver a presença dele. E por exemplo agora mesmo eu iria encontra-lo junto com seus amigos babacas sentados naquela mesa de sempre e ele estaria ao lado da magrela que parece sua dona só faltava ela colocar a coleira e sair arrastando.

— Ah, você é o típico CDF Bruno! E eu tive que me matar no seminário falando sobre o Macunaíma. Argh! Como pode uma pessoa nascer preto e ficar branco? Céus é uma historia de louco!

Ela se queixa e eu discordo dela não me achando assim tão inteligente como falam, eu apenas me esforço para ter as melhores notas.

— Relaxa ele vai perdoar você na próxima, e também tu parecia perdida no celular esses últimos dias.

Relembro os dias que ela ficava desligada de tudo e só existia aquele treco e o tal de “Pê” era assim que ela já chamava o tal garoto do basquete. Um apelido intimo.

Enquanto caminhava senti alguém passando ao meu lado e esbarrar o braço de proposito empurrando meu corpo pra frente e nisso ainda levam Luiza junto comigo que reclama um “porra”.

— Eu estou passando! E como sabem preciso de espaço.

A voz era inconfundível e logo imaginei... Só podia ser a infeliz da Manuela. Ninguém mais era tão intrometida como essa garota feia vinda das profundezas do inferno.

— Presta atenção sua ridícula! - Luiza se recompondo do tropeço endireita o corpo afrontado o pequeno ser do mal a nossa frente que sorria debochada.

— O tempo passou rápido e agora o espetáculo está mais próximo... - diz ela como se soubesse de alguma coisa, era indireta dessa maldita e eu não cairia nas tramas dessa cobra papagaia já que ela tinha pintado a ponta do cabelo de verde-limão. — Todos vão saber...

— Ficou mais louca que o normal agora falando coisa sem sentido, vai morrer seu projeto de lombriga seca! - Lu a ataca outra vez.

— Depois não diz que não avisei. -fala jogando os cabelos pros lado e sai desfilando pelo corredor.

— Eu ainda serei presa essa merda e a culpa vai ser dessa megera por eu ter estrangulado o pescoço dela! - minha prima praguejava toda sua ira acumulada.

— Deixa um dia ela vai cansar de provocar, e também nós damos confiança.

Fomos para o refeitório e ao chegar no lugar estava abarrotado de alunos conversando e pegamos nossas bandejas com lanches e sentamos numa mesa afastada. Procurei o mais discreto possível observar o movimento na mesa do grupinho deslocado e lá estavam eles como sempre descontraídos e rindo de piadas sem graça nenhuma.

Manuela estava lá e para minha surpresa sentava muito mais próximo de Ed que o normal e o olhava fixamente chamando atenção enquanto a magricela da Camily tinha se retirado junto da outra garota morena que era namorada de Josh.

Não estava gostando nem um pouco da aproximação da megera se jogando pra cima do garoto que ronda a minha mente todos os dias, e ele nem parece desconfortável com a investida sorrateira da lambisgoia. Mais como não se encantar por alguém como Edmundo que atrai a todos apenas por sua beleza e ele sabe dos encantos que tem e nem faz nada em relação a isso e usa até ao seu favor para conseguir o máximo de garotas que conseguir pegar.

Sentindo meu estomago revirado não aceitando mais o hambúrguer que tinha comprado eu decide levantar e retornar pra sala não gostando da cena que via.

— Já vai voltar? - perguntou Lu comendo seu lanche e limpa a boca com o guardanapo.

— Eu perdi a fome. - digo levantando pronto pra me retirar.

— Bruno! − grita meu nome alto o suficiente para o refeitório inteiro escutar.

Completamente envergonhado eu me retiro dali quase correndo para chegar a minha sala e pegar as minhas coisas e ir embora de vez pra casa, pois, não conseguia mais pensar em nada, minha mente deu pane e agora tudo que eu consigo ver através de pensamentos é o interesse de Manuela em Ed.

Estava demorando! Como eu não percebi isso antes que essa traste iria também ficar interessada no garoto que sonho todos os dias. E minha maior raiva é pensar que ela ainda tem mais chances que eu. Eu não vou suportar mais essa, eu não sei o que fiz para merecer isso, e o pior é que ela parece saber dos meus sentimentos por ele e faz todas as suas artimanhas para me provocar.

Maldita!


Notas Finais


Oie pessoal! O que acharam? Estão gostando? E quem já odeia a Manuela essa implicante??
Deixem suas opiniões que estou ansioso para Saber.
E quero lembrar que como prometi aí estão os cinco primeiros capítulos, e agr os outros serão publicados no seguinte esquema: nas segundas-feiras e nas quintas.
Bjsss e até mais....


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...