História Um Amor Complicado entre Espécies - Capítulo 23


Escrita por:

Postado
Categorias Zootopia - Essa Cidade é o Bicho
Tags Zootopia
Visualizações 45
Palavras 1.803
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Lemon, Luta, Romance e Novela, Survival, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 23 - O Baile


O vestido pousava inerte sobre os lençóis da cama. O turno deles tinha terminado pelas 18h00m desse mesmo dia. Uma exceção por parte de Bogo, já que haveria o famoso baile nessa noite. Todos estariam dispensados dos casos, salvo exceção de alguns policiais que teriam de levar os seus walkie talkies consigo em casos de emergência. Fora disso, seria uma noite para descontrair.

               O banho de Judy foi demorado. Quando terminou, saiu da casa de banho, completamente nua. Entrou no seu quarto. Os seus olhos passaram pelo elegante vestido, proporcionando-lhe um sorriso nos lábios, à medida que se dirigia ao seu guarda-fato para retirar um soutien caí-caí e umas cuecas. Depois de vesti-los, desviou-se de novo para a casa de banho onde tinha a maquilhagem. Judy não era muito de se maquilhar, mas naquele dia tinha de se colocar elegante. Apesar de ela não ter grandes dotes, ali ela sabia o que queria realçar. Um rímel preto, foi passado nas suas pestanas de forma alongá-las e deixar um brilho. Um risco preto carregado do eyeliner, fez sobressair o violeta dos seus olhos. Sobre as suas pálpebras ela escolheu um branco muito suave. E para finalizar, um batom vermelho foi passado nos seus lábios. Retirou o excesso e finalizou com um gloss brilhante. Pousou a maquilhagem a um canto e encarou-se ao espelho. Estava perfeito. Nada de exageros. Satisfeita, levantou-se e voltou de novo para o quarto. Ali, pegou no vestido, baixou-o, passou as suas pernas por cima dele e puxou-o até ao seu peito. O fecho do lado direito, fechou o vestido junto do seu corpo. Duas pequenas rosas, uma preta e uma vermelha, foram postas na sua orelha esquerda. Um fio vermelho fino e simples, no pescoço e uma pulseira da mesma cor e feitio no seu pulso direito. Para completar, enfiou os pés numas sandálias pretas de salto. Pronta, aproximou-se do espelho de chão e completou a sua figura. Estava perfeito. Faria ver a Alisha que também poderia fazer chamar as atenções, apesar da atenção que ela queria era de uma certa raposa. O som do telemóvel, intercalou-se com o silêncio do quarto. Judy afastou-se do espelho e foi até à pequena mala de mão que levaria consigo, em cima da mesa da secretária. Abriu o fecho e retirou o telemóvel.

“Oi” ela cumprimentou-o.

“Olá Cenouras!” ele retribuiu-lhe. “Ainda demoras muito?”

“Não. Até que já estou pronta. Culpa o táxi, ele é que está demorado.”

“Eu ainda não compreendo porque não me deixaste ir-te buscar!” um suspiro foi possível ouvir-se do outro lado.

“Surpresa, Nick. Agora relaxa que ainda há tempo.” Ela tranquilizou-o, consultando as horas no seu despertador. “Não tarda estarei aí.”

“Espero-te junto das escadas na porta principal. Adeus, Fluff.” E desligou.

 

Judy bloqueou o telemóvel e voltou-o a guardar na mala. Nesse mesmo momento, um apito suou do lado de fora. A pequena coelha desviou-se e espreitou através da janela para confirmar se era o seu táxi. Ao confirmar que era, pegou na mala, nas chaves, desligou a luz do teto, abriu a porta e trancou-a atrás de si, colocando as chaves dentro da mala e começando a descer as escadas. Ao sair da porta principal do prédio, o taxista, um leopardo preto, encontrava-se já com a porta detrás do carro aberta. Judy disse boa noite, indicou-lhe onde a deveria deixar e entrou. A porta fechou, o taxista entrou novamente no carro, ligou o motor e seguiu caminho.

               Nick já se encontrava nas escadas há mais de dez minutos. Sem saber porque razão tinha vindo mais cedo, a sua ansiedade estava-o a esgotar. Por isso preferiu apanhar o ar ameno e aguardar a chegada da sua parceira. De costas apoiadas no parapeito das escadas, um pé dobrava-se apoiando-se na parede. As suas patas permaneciam nos bolsos e a sua cabeça encostava-se ao tijolo frio. Muitos mamíferos já tinham chegado e se dirigido para as suas respetivas mesas. Outros permaneciam no tapete preto a conversar. Nick tinha de ser sincero numa coisa, apesar de não ser apreciador de tais festas como esta, ele nunca tinha visto os seus colegas tão elegantes como naquela noite. Até o Bogo o surpreendeu com a sua fatiota toda janota. Além dos machos, as suas colegas fêmeas também estavam deslumbrantes. Ele suspirou. Na sua mente imaginou como seria Judy num vestido formal. Tinha de admitir que a ver nas suas roupas casuais a deixavam numa coelha bonita, mas e num vestido? Ele sorriu para o desdém. Não tarda ela estaria ali com ela, já que a sua parceira o avisara por mensagem que estava a caminho. Apesar de ansiedade estar a tentar tomar conta de si sem razão aparente, o seu coração batia normalmente. Agradeceu por isso, pois no outro dia pensava mesma que ia ter um ataque cardíaco. A sua atenção foi chamada quando um táxi parou na sua frente alguns metros de distância. Os seus olhos verde-esmeralda foram de encontro ao violeta da sua parceira que lhe acenou e sorriu. Nick aproveitou que ela estava a pagar ao taxista, para se afastar da parede e começar a encostar caminho até ao táxi. Enquanto isso, a porta do carro foi aberta um pouco, deixando vislumbrar uma sandália que deslizou até ao chão, seguida pela outra, arrastando a cauda do vestido consigo. Quando a porta foi totalmente aberta, e a figura de Judy exposta por completo que Nick parou a centímetros dela. O seu coração até então calmo, queria sair do seu peito. Os seus olhos ficaram bem aberto e só não deixou descair mais o seu queixo para não parecer inapropriado. Nem de perto aquela Judy na sua frente chegava ás da sua imaginação. Ela não estava linda, ela estava magnifica.

“Boa noite, Nick.”

“Boa…noite!” ele manejou dizer, e agradeceu por não ter gravata. Pois se a noite estava amena, dentro dele estava um vulcão.

 

Tal como a raposa, Judy ficou vislumbrada com o visual que Nick escolhera para esta noite. Se tivesse oportunidade, ela queimaria aquelas pawaianas e aquelas calças de tecido horrível, só para o ver com outras roupas. Mas ali, ele tinha-se esmerado e bem. A camisa toda branca, preenchia o seu peito, tirando que dois botões que estavam desabotoados. O casaco de tecido preto, as calças do mesmo feitio e cor e sapatos formais, pelos deuses. Se ela já o desejava, ali ela…mordeu o lábio. Nick era sexy, era um fato e nos últimos meses tinha ganho uma musculatura chamativa.

 

“Vamos?” ele disse, dando-lhe um braço para ela agarrar. Judy assentiu positivamente com a cabeça e, pousando a sua pata no braço dele, avançaram para a entrada principal e para dentro do pavilhão. 

               Uma vez lá dentro, a melodia suave de fundo, intercalava-se com vários murmúrios. As mesas redondas tinham sido colocadas de modo a preencher quase todo o espaço do pavilhão, deixando espeço para uma pista de dança e um palco improvisado. Numa das mesas redondas, Bogo, Jack, Alisha e Clawhauser já se encontravam sentados. Duas cadeiras vazias estavam reservadas a outros dois oficiais importantes. 

“Chefe, acha que eles ainda demoram?” a voz de Jack interrompeu o silêncio da mesa. A sua barriga já se começava a se queixar. Além do mais, já passada das 20h00m da noite e os pratos com as entradas estavam a ser servidas. Como se o destino o tivesse ouvido, a voz de Clawhauser anunciou a chegada dos oficiais.

“Oh meu deus! Aquela é a Judy?” ele manejou dizer, excitado.

Os olhos de todos repousaram nas duas figuras que se aproximavam, nomeadamente em Judy, que lhes acenou. Apesar de a pequena coelha já ter sido vista a rondar a ZPD nas suas roupas casuais, era a primeira vez que se mostrava tão elegante. Bogo ficou incrédulo. Jack simplesmente sorriu. Clawhauser acenava de volta e Alisha fervia de inveja. A fúria consumiu-a, não pelo facto de ela estar num vestido formal, mas sim por vir acompanhada pela raposa que rejeitou a sua companhia.

“Estás magnifica.” Benjamin sorriu-lhe.

“Obrigado.” Ela agradeceu.

“Aqui, minha querida.” A chita puxou da cadeira a seu lado, indicando a Judy que se sentasse. Ela assim o fez e Nick sentou-se ao lado dela. As entradas começaram a ser servidas finalmente, pela delícia de Jack, que começou logo a comer.

               Durante tudo o jantar, risos, conversas aleatórias e piadas foram feitas. Por diversas vezes, Alisha e Judy entreolharam-se, mas não proferiram nenhuma palavra. Após a sobremesa, Judy pediu licença para se levantar da mesa e foi para a casa de banho. Dois minutos depois, Alisha fez o mesmo.

“Gostei da tua estratégia.” Ela disse, quebrando o silêncio. Judy encarou-a através do espelho, uma vez que estava de costas para a Vixen e lavava as suas patas.

“Que estratégia, Alisha?” ela perguntou, agora desligando a torneira e limpando as suas patas na toalha ao lado.

“Tudo.” A Vixen gesticulou para toda a coelha.

“Qual o mal do meu vestido?” Judy questionou-a, arqueando uma sobrancelha.

“Demasiado…formal!”

“Oh, queijos e bolachas! Esta conversa não vai nos levar a lado nenhum.” Judy abanou a cabeça e desviou-se do lavatório, passando por Alisha, abrindo a porta e saindo. Nesse momento, uma pata furiosa agarrou Judy no braço, impedindo-a que continuasse caminho.

“Não conseguirás tirar o Nick de mim!”

“Outra vez essa conversa?” Judy encarou-a de sobrancelhas arqueadas, soltando-se da pata furiosa que agarrava no seu braço. A sua voz subiu uns decibéis que tentou controlar por estarem no corredor e em frente das casas-de-banho.

“O Nick é meu, ouviste?”

“Pela milésima vez, ouvi. No entanto, da boca dele não saiu nenhuma informação sobre ele ser teu.” Judy cruzou os braços.

“Não de momento.” Um sorriso sinistro reapareceu no canto dos seus lábios.

“Hum…compreendo.” Judy declarou secamente, encolhendo os ombros. “Mas se queres um aviso, será melhor dizer-lhes o que sentes. Num estalar de dedos, podes ficar sem ele. E essa tua obsessão já me começa mesmo a irritar.”

“Oh, mas é isso que eu quero.”

“Alisha, tu compreendes que assim só o vais afastar?”

“Oh, lá nisso Oficial Hopps, é que veremos!” Alisha aproximou-se de Judy. Uma das suas patas foi de encontro com o queixo da pequena coelha, onde o elevou. Os seus narizes ficaram a meros centímetros um do outro. “Afinal, uma raposa com o cio vale mais do que mil coelhas apaixonadas.” Ela segredou e com isso, largou o queixo de Judy e dirigiu-se de volta para a mesa.

Judy permaneceu no sítio. Lágrimas de raiva formavam-se nos seus olhos, mas ela evitou que caíssem. Ela sabia que a Vixen faria de tudo para chamar o Nick à atenção, mas nunca pensou que usasse o cio para tal coisa. E Judy sabia que o cheiro dela, ali com outros cheiros, só Nick o conseguiria sentir com mais intensidade. Apertou os punhos, respirou bem fundo e se recompondo, dirigiu-se para a mesa novamente.

Continua...


Notas Finais


Enjoy


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...