História Um amor de Havana - Capítulo 1


Postado
Categorias Matthew Daddario, Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters
Personagens Matthew Daddario
Tags Amor Verdadeiro, Harry Shum Jr, Matthew Daddario, Shumdario
Visualizações 21
Palavras 4.870
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Lemon, LGBT, Musical (Songfic), Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Capitulo 1


Havana é a capital e a maior cidade de Cuba. Tem cerca de 2,4 milhões de habitantes. Cidade de uma rica tradição histórica e cultural, caracteriza-se por ser eclética e monumental ao mesmo tempo e foi isso que chamou a atenção do jovem Matthew Daddario, para escolher Havana para suas férias de verão. Aproveitando para assim, também usar seus talentos como fotografo para aproveitar as belas paisagens, não só de Havana mas de Cuba. Aos 20 anos de idade, com seus cabelos rebeldes, olhos esverdeados, pele branca e com uma câmera de lado. Ele andava pela cidade fotografando tudo que agradava seus lindos olhos.

 

Após uma semana em Havana, Matt começou a desfrutar as coisas maravilhosas que haviam na Capital, incluindo suas noites banhadas em tequila e limão. As noites em Havana eram conhecidas como quentes e dançantes principalmente para os frequentadores dos clubes de dança da cidade.

- Tropicana Club? – Perguntou Matt ao rapaz de cabelos dourados assim como seus olhos que estavam em sua frente.

Ele se chamava Dominic ou Dom para os amigos mais íntimos. Matt e Dom haviam se conhecido a duas noites atrás  em um bar qualquer, e naquele momento, Dom era o companheiro de noitadas de Matt.

- Sim, Matt. Vamos lá. Esse bar é muito famoso aqui em Havana. Ele é conhecido como "Paraíso sob estrelas" e as dançarinas são conhecidas como " Las diosas de carne". Ele foi inaugurado em 1939 e se tornou uma referência na cultura cubana e vitrine internacional para orquestras e bandas cubanas. E hoje terá uma apresentação de dança,  creio que você irá gostar e estava pensando em a gente ir pra você conhecer mais um pouco das noites aqui de Havana.

 - Ok, tudo bem, a gente vai.  

Dom sorri para Matt e eles resolvem ir se arrumar para sair. Havana é uma cidade muito quente. Então eles resolvem colocar roupas frescas para saírem. Matt resolve usar uma blusa azul bebê que faz sua pele branca destacar  e é uma bermuda branca. Já Dominic está usando uma blusa branca e  uma bermuda preta .                

- Uau,  Matt você vai arrasar corações assim.   

- Obrigada - Matt diz corado.

Chegando na boate já na entrada Matt percebeu que Dom estava certo quando disse que ela era famosa, a entrada estava lotada e a fila dava voltas no quarteirão.

- Se sua intenção era entrar na boate essa noite, sinto lhe dizer que não será possível, caro amigo. – Diz Matt com a mão no ombro do loiro.

- Nunca me subestime. – Dom vai ate um segurança de quase dois metros de altura que havia na porta e após dois minutos, Dom chama Matt. – Matt, esse é o meu amigo Isaiah.

- E ai. – Matt o olhava com certo medo.

Não era todo dia que o jovem via um homem daquele tamanho em sua frente.

- São apenas vocês? – Perguntou o segurança Isaiah.

- Sim. – Respondeu Dom com a maior naturalidade do mundo.

- Entrem! – Ordenou ele e sem questionar os rapazes entraram.

Eles passaram por um corredor escuro, com apenas algumas luzes em cores vermelhas, roxas e amarelas. Ao passar pela porta que dava para a parte principal da boate foram surpreendidos por mulheres que os guiaram para o salão.

- Esse lugar é enorme. – Disse Matt pelo que era possível observar.

Haviam muitas pessoas naquele local, e a luz ainda não era o suficiente para ver algo.

- Pois é! – Dom basicamente gritou por causa da musica alta. – Você ainda não viu tudo. Isso aqui é basicamente uma mansão. Mas a gente não vai ficar aqui... venha!

Matt seguiu Dom pela multidão torcendo para não se perder.

- Para onde vamos? – Matt olhava para os lados e o via que o corredor aonde estava passando estava vazio.

- Para outra parte. – Respondeu Dom. – Como eu te disse esse lugar é enorme.

Eles continuaram a andar ate chegar em uma outra porta, que também tinha um segurança.

- Alan... – Dom apenas acenou e a porta foi aberta.

- Dom.

Matt apenas observava tudo e quando eles estavam no lugar mais calmo, o jovem deu um sorriso olhando para o Dom.

- O que foi?

- Algo me diz que você vive bastante nesse lugar. – Diz Matt.

- Anda... ou vamos perder a apresentação.

Eles continuaram a andar. Matt e Dom resolvem sentar bem na frente para poderem enxergar bem a apresentação. Eles se sentam, pedem uma bebida.

- Dom. – Uma jovem de cabelos ruivos e olhos verdes o servira as bebidas.

- Kat. – O ruivo abriu um sorrisinho.

- Quem é esse? – Ela olhou para o Matt.

- Esse é o Matt. – Disse o loiro e como comprimento Matt e a ruiva apenas trocaram olhares.

 

 Seus olhares se voltaram para o palco quando o apresentador da noite subiu, pegou o microfone e disse:

- Boa noite senhores e senhoras, venho anunciar logo mais que Harry Shum Jr e Shelby Rabara estarão entrando no palco para fazerem sua apresentação dessa noite.

- Nossa... eu não sabia que eles iriam se apresentar essa noite. – Disse Kat.

- Eles são bons? – Perguntou Matt.

- São maravilhosos. – Responde Dom.

- Principalmente o Harry. – Diz Kat antes de sair.

E eles ficam sentados esperando a apresentação começar. Matt e Dom atraem olhares tanto de homens como de mulheres.

Depois de uns minutos , Harry e Shelby entram para começar a sua apresentação. Quando Matt vê aquele asiático de lindos olhos castanhos escuros, seu coração palpita e ele sente sua boca seca.

Então Harry e Shelby começam a apresentação. É uma dança quente e sensual. Matt não consegue parar de encarar Harry.

" Jesus, que homem lindo" - Matt pensa e engole em seco. Quando Harry  dá uma rodada em Shelby e para a poucos passos da mesa de Matt, ele percebe o olhar daquele lindo moreno de olhos avelãs. " Que homem lindo. Parece um Deus grego".

Então Harry percebe Matt lhe encarando e lhe dá um sorrisinho. Por perceber os olhares de Matt, Harry resolve o atiçar , ou seja , tornando a dança mais sensual ainda , ou seja rebolando mais e fazendo movimentos mais sensuais. Quando Matt vê o que Harry faz, ele engole em seco e sente suas calças ficarem apertadas. "Porra meu , para de provocar, assim não dá. Harry você é muito gostoso" - Matt pensa atordoado olhando para Harry terminando sua apresentação com Shelby.  

- Cara, eles são muito bons, Dom. – Diz Matt  

- Sim,  eles são.  Mas eu percebi que a sua atenção não estava na apresentação e sim em um certo asiático.- Dom diz com um sorriso malicioso.

Depois que a apresentação termina , Harry resolve ir conversar com o lindo moreno que o observava. Harry chega na mesa e Dom diz para Matt :         

- Minha deixa , vou deixar vocês sozinhos.

- Dom...! – Matt o vê sair.

“ Fudeo” pensa Matt na possibilidade se trocar poucas palavras com o asiático sensual.

 

Harry se senta ao lado de Matt, e sem olhar para ele o asiático faz sinal para  Kat e ela entendeu que ele queria uma bebida.

- Olá, bonito. – Disse Harry.

- O- olá. – Matt estava tremulo assim como suas pernas.

- Então bonito...Como você se chama ? – Perguntou o asiático.

- Matthew Daddario, mas pode me chamar de Matt. – Matt diz com um sorriso no rosto.

- Então Matt... Matt Daddario, gostou da apresentação? – Matt estava prestes a responder mas Kat chegou e deixou as bebidas.

- Parabéns Harry, hoje vocês foram maravilhosos.

- Obrigada, querida. – Ela saiu e Harry continuou. - Percebi que você estava me olhando durante a apresentação. -  Harry diz com um olhar malicioso.                            

Matt sente seu coração disparar ao ouvir aquela voz melodiosa e aveludada. Ele engole em seco e diz:

- Ela é sua namorada?

- A Shel? – Harry da uma gargalhada.

- Qual é a graça? – Matt parece furioso.

- Bem... – Harry da um gole em sua bebida. – Digamos que eu prefiro um peitoral peludo. – Matt nota que sua camisa estava um pouco aberta e era exatamente para lá, onde o asiático olhava. – Você é de onde?

- Atlanta... Estados unidos. – Respondeu Matt corado ao perceber que Harry estava mordiscado os lábios.

- Humm... turista. – Agora Harry passa a própria língua em seu lábio superior e mais uma vez mordisca o lábio inferior. “ carne nova” pensou ele. - Vai ficar mais quanto tempo em Havana?

- Tenho mais três semanas de férias e pretendo ficar todas as minhas férias aqui em Havana.     

- Já andou por todos os lugares que tem direito? – Perguntou Harry.

- Não... e digamos que meu único amigo, tem outras prioridades. – Matt olha para a pista e vê Dom dançando com uma loira.

- Ótimo, tem bastante tempo então. Serei  seu guia  na cidade.- Harry diz e pisca o olho para Matt.

- N- não precisa... – Matt tenta se sobressair.

- Não ouse recusar... Ou garanto que suas últimas semanas em Havana será de boate, em boate. – Harry encara o jovem como se sua vida dependesse daquela resposta.

- Ok! – Diz Matt.

- Ótimo. – Harry se levanta. – Sabe aonde fica o Castelo Da Força Real?

- Sim... Essa foi a minha primeira parada ao chegar. – Disse Matt.

- Ótimo! Me encontre amanhã as dez dentro do Castelo.

- T- tá. – Fui tudo que ele conseguiu dizer.

- Ate amanhã! – Harry deu um beijo no canto da boca do Matt, e o jovem ficou supresso. – Suas férias serão inesquecíveis... Eu prometo, gatinho. Ah eu me chamo Harry.

- É... Eu sei. – Diz Matt e Harry desapareceu na pista de dança.

- Cuidado hein. – Dom volta com um sorriso malicioso nos lábios.

- Com o que? – Perguntou Matt.

- Se você não quiser se apaixonar, não se envolva com ele.

 

 

Na manha seguinte como Harry havia pedido, Matt estava dentro do Castelo. Matt vestia uma camisa cinza e short jeans, acompanhado de um tênis azul e sua fiel câmera de lado. Ele estava impaciente e olhava varias vezes para o relógio em seu pulso.

- Finalmente! – Ele vê Harry se aproximando.

Harry estava de tênis preto, calça branca e uma camisa vermelho sangue. Ele usava alguns anéis e um óculos escuro.

- Você realmente se porta como um turista. – Disse Harry ao se aproximar.

- Não entendi. – Diz Matt

- A câmera.

- A- ah isso... Eu sou fotógrafo. – Matt olha para a câmera. – Esse é meu trabalho em Atlanta.

- Não sabia. – Harry o olha de cima a baixo por trás dos óculos.

- Você o que faz? Só dança na boate? – Perguntou Matt enquanto eles andavam para fora do Castelo.

- Sim... Mas tenho vontade de dançar não só para o clube e sim para o mundo inteiro! – Harry da uma pirueta e faz Matt sorrir. 

“ Merda... não quero me apaixonar” – pensou Matt.

- E espero que você seja um ótimo fotografo, Matt Daddario. – Completou Harry.

- E para onde vamos? – Perguntou o de olhos esverdeados.

- Vamos começar por Castillo Del Morro, que foi uma fortaleza construída para proteger Havana. – Harry começou a explicar. – Depois vamos para o Museu da Revolução, logo depois para o Museu Nacional das belas artes e por ultimo a Catedral.

- Nossa... quanta coisa. – Matt estava ansioso pelo passeio e para passar o dia ao lado do seu guia turístico sexy.

- Espero que sua máquina tenha bastante espaço para fotos. – Harry começa a andar mas Matt o segura.

- Quantos anos você tem? – Perguntou ele.

- Não se preocupe... não sou de menor. – Diz Harry.

- Idade!

- Pareço ser novo, é eu sei... – Harry suspira dramaticamente. - Mas tenho vinte e três anos. No caso preciso me preocupar com você, baby.

- Você não sabe minha idade. – Rebateu Matt.

- Mas minhas amigas garçonetes sabem. – Harry inclinou o óculos um pouco para baixo o suficiente para Matt ver e sorrir com a sua piscadela.

Eles vão para Castillo Del Morro como Harry havia falado que deveriam começar. Matthew fica impressionado com a beleza do lugar. Harry começa a ser seu guia e  a explicar sobre o lugar.

- Castillo Del morro é uma pitoresca fortaleza colonial construída em 1589 pelo Império espanhol para proteger Havana. O responsável foi o engenheiro italiano Juan Bautista Antonelli  é o nome foi inspirado pelos três reis magos da bíblia. Em 1762, o forte passou para o controle dos ingleses, durante a batalha de havana, o que levou os espanhóis a ergueram outra fortaleza em la cabana. 

Matt está impressionado com a inteligência de Harry.       

- Uau , é fantástica a história desse lugar. - Ele diz sorrindo para Harry.   

- Bem eu sou apaixonado pela história da cidade então sei bastante coisa.- Harry pisca o olho e sorri para Matt.

Matt fica observando Harry divagando. Ele tira fotos do lugar quando Harry o está mostrando, mas também ele tira várias fotos de Harry sem ele perceber para ele poder guardar de lembrança quando voltar para Atlanta.

- O que foi a batalha de Havana? - Harry fica muito feliz ao ver o interesse de Matt na história da cidade e diz com os olhos brilhando :

- A batalha de havana foi uma batalha que aconteceu durante a guerra dos cem anos  que ocorreram entre 1756 a 1763 durante o reinado de Luís XV (15). 

- Que legal. Adoro ganhar conhecimento das coisas. - Matt diz sorrindo para Harry.

- Que bom! - Harry diz o observando .

Eles terminam de visitar o Castillo Del morro .        

- Bom , terminamos por aqui.  Próxima parada Museu da revolução. – Disse Harry. -  Aí depois podemos ir almoçar em La guarida e  na parte da tarde partimos para o Museu Nacional de belas artes e depois a Catedral. Pode ser assim? 

- Pode sim, adorei a ideia. - Matt diz corado.

Eles chegam no Museu da revolução e Harry começa a  guiar Matt novamente.

- O Museu da  revolução é um dos museus mais importantes para os cubanos porque retrata a história e os acontecimentos que deram a Cuba a forma que tem hoje. O edifício também é importante por ter sido o palácio presidencial utilizado por diversos presidentes. 

Harry começa a mostrar as salas do museu que tem recortes de jornais e fotografias com falas dos revolucionários que explicam a história da revolução cubana e a tomada de Fidel Castro frente aos americanos. Matt fica encantado com tudo aquilo mas o que ele mais gosta é do asiático  quente que o está acompanhando, que além de tudo era encantador.      

- Harry , esses pontos turísticos que você está me mostrando eu estou amando , eles são maravilhosos. – Diz Matt sorrindo e pela primeira vez na vida, ele percebeu que o seu sorriso ao lado do Harry, era o melhor e mais sincero que qualquer outro.

- Obrigada por ser o meu guia. Vamos tirar uma selfie ? - Matt pergunta corado para Harry. 

Harry olha para Matt com um brilho no olhar e diz :

- Fico feliz  que esteja gostando dos pontos turísticos. Vamos sim, só preparar o teu celular ai . - Harry sorri para Matt . Matt pega o celular e tira a selfie dos dois. – Esses pontos turísticos realmente são maravilhosos... Mas existem outras coisas maravilhosas que não fazem parte da historia de Havana. – Disse o asiático e ele percebeu que Matt entendeu o que ele quis dizer.

 Quem olhasse de fora , pensaria que os dois eram um casal de tão a à vontade que estavam na companhia um do outro .

Eles vão almoçar no La Guarida onde passam um tempinho conversando para se conhecerem melhor. Falam de sua família, seus sonhos e planos. Matt conta que trabalha como fotógrafo profissional da revista Vogue e Harry diz que um dia pretende ir pra um outro país onde a dança seja valorizada e não só danças em bares noturnos. Depois de um tempinho, eles vão para  o Museu Nacional de belas artes. Matt como sempre fica impressionado com a beleza do lugar. Harry começa o guiar pelo Museu.

- Ele foi fundado em 23 de fevereiro de 1913 como Museu Nacional da República,  funcionou até meados do século XX (20) como um museu enciclopédico,  especializando- se como instituição exclusivamente voltada à arte universal com o advento da revolução cubana.  Seu patrimônio artístico,  composto por mais de 45 mil peças é considerado um dos mais importantes do Caribe e da América Latina. Ao lado de um extenso núcleo de arte cubana, conserva exemplares das principais escolas europeias, abrangendo o período que vai da baixa idade média ao século XX (20). Também conserva obras de arte das Américas, peças asiáticas, setor de numismática  e coleções arqueológicas,  com artefatos egípcios, etruscos e Greco romanos. O Museu mantém um Teatro, programa educacional e realiza exposições temporárias e atividades culturais permanentes. Também mantém o Centro de informação Antonio Rodrigues Morey, um dos principais centros de referência para pesquisa em artes visuais do país, e uma biblioteca especializada com mais de 120 mil volumes.          

- Uau, isso é incrível, Harry. Temos que voltar aqui outro dia para podermos aproveitar tudo que esse lugar nos oferece. - Matt diz com os olhos brilhando e toca o braço de Harry.

- Claro que iremos voltar aqui , gostosinho. - Harry diz com um sorriso malicioso. Matt fica corado. – Daddario, você cora facilmente. – Harry cai na gargalhada e Matt fica mais vermelho ainda.

Eles vão pro último destino : a Catedral de Havana. Eles chegam lá e Matt fica impressionado com a beleza do lugar.

- A Catedral de Havana é uma Catedral católica sendo da sede da arquidiocese local. O templo foi construído pelos jesuítas entre 1748 e 1777 no local de uma antiga igreja. A Catedral faz parte do sítio Cidade antiga de Havana e suas fortificações considerado património mundial pela Unesco e é considerada pelo povo cubano a mais importante construção da plaza de la Catedral.   

- Isso é fantástico, Harry. Estou adorando saber a história dos locais que estamos visitando. - Matt sorri para Harry.

Eles terminam o passeio e Harry pergunta: 

- Qual é o teu hotel ? Vou te deixar lá- diz piscando para Matt.

- A- ah não precisa - Matt diz envergonhado.

- Precisa sim. Eu vou te levar , eu insisto.

- Estou no Hotel Nacional de Cuba. 

Eles vão pro hotel e Harry leva Matt até o quarto.

- O dia de hoje foi bem cheio, estou bem cansado. - Matt diz.

Harry empurra Matt na parede próximo a porta do quarto do mesmo. Matt fica imprensado na parede, entre o corpo do asiático e seus braços.

-  Tem certeza ? – Perguntou Harry enquanto roçava seu nariz na bochecha corada de Matt.  

- Nem tanto - E Matt puxa Harry para um beijo quente.

 

Com a mão que estava livre Matt abriu a porta para o seu quarto, para o seu prazer. Harry o empurrou para dentro e fechou a porta atrás de si, ele não estava preocupado em ver cada detalhe do quarto aonde Matt estava hospedado, ele queria ver era cada detalhe daquele corpo branquinho e sem marca.

- Espera... – Matt tenta falar algo mas com a boca do Harry em seu pescoço, a pulsação do seu corpo e o aperto em sua cueca era maior que as palavras.

- Você não quer? – Perguntou Harry se separando do corpo do Matt.

- Quero, lógico que quero.

- Então o que foi? – Harry o segura pela face.

- Eu nunca estive com alguém como você.

- Então aproveita... porque são poucos que conseguem. – Harry se aproximou da boca do Matt e deu um beijo suave.

A intensão do Harry era apenas acalmar  Matt com aquele beijo, porém, o moreno era uma tentação. Era o homem mais lindo que seus olhos asiáticos já tivera visto, e o beijo que era pra ser calmo, se tornou algo com muita urgência, para ambos.

Em pouco tempo a camisa do Matt estava sobre o abajur, seus sapatos em cada parte do quarto e sua bermuda seria a próxima peça de roupa a sair do seu corpo. Já Harry estava apenas de cueca, Matt estava nervoso mas não tanto. Deitado na cama, Matt recebia beijos em seu peitoral, Harry passa a língua no peito do moreno, fazendo movimentos circulares, ele dá uma leve mordidinha e Matt geme. Ele arfava a cada beijo, sentindo a mão do Harry em sua bermuda, ele ficou com receio de que o asiático não gostasse do que iria ver, mas apenas o volume em sua cueca, fez com que Harry abrisse um largo sorriso.

Harry passou a língua por cima do fino tecido da cueca preta de Matt, o moreno gemeu ao senti-la. O asiático deitou-se sobre o Matt, suas ereções se chocaram e ambos soltaram um grunhido baixo. Eles selam seus lábios, seus corpos. Matt apenas observa enquanto Harry, desce até sua intimidade e a tira de dentro da cueca. Seu pênis estava ereto, pulsando e sua glande estava rosada.

Harry deslizou sua língua sobre ela, Matt curva-se sobre a cama, suas mãos apertaram a colcha da cama, ele mordeu os próprios lábios demonstrando seu desejo reprimido, sua vontade exposta. Harry continua a passar a língua pela glande rosada do Matt, ele vai descendo aos poucos pelo resto do pênis branco do Matt. Matt sente um gemido avassalador saindo da sua boca, quando Harry abocanha seu pênis, e vai fundo até a garganta.

Harry começa com os movimentos de vai e vem com a mão, e com a boca ele vai e vem em direção a intimidade do Matt. O moreno começa a se sentir a vontade para puxar os cabelos do asiático, e assim ele fez. Com suas mãos ele começou a puxar os cabelos do Harry, ele começou a foder com a boca do asiático, que por sua vez estava começando a adorar aquilo.

- I-isso! – Matt geme.

Ele sente os dentes do Harry passarem por seu pênis, e ele se arrepia por completo e solta os cabelos do Harry. Se masturbando, Matt vê Harry tirando sua cueca azul aos poucos, como se estivesse torturando Matt. Cada centímetro de pele que Harry deixava a mostra, Matt ficava louco para possuí-lo.

Matt ficou feliz ao ver que Harry estava se aproximando dele, aproximando sua nádega, no pênis do moreno, e quando Harry sentou sobre a intimidade do Matt, o moreno sentiu-se nas nuvens. Matt havia visto Harry rebolar na noite passada, na boate. Mas ali, ele estava sentido o asiático rebolar em si. Estava sentindo Harry subir e descer, estava sentindo  Harry por completo.

- Me fode... Matt. – Pediu o asiático com a voz manhosa. – Me fode como você nunca fodeu antes.

- Não precisava pedir. – Matt segurou os quadris do asiático como um pedido para que ele parasse de rebolar.

Harry atendeu. O asiático se inclina um pouco para trás, suas mãos pousam nas coxas do Matt. Matt começa a se movimentar, as estocadas começou leve, como – cócegas -  pensou Harry. Mas foi questão de tempo e um pouco de prática, por parte do Matt. Harry não controla seus gemidos, ele não queria controlar nada que acontecesse naquele quanto, ele sentia seu corpo ser preenchido, várias e várias vezes pelo pênis do Matt que entrava e saia de si, cada vez mais rápido.

- Caralho Daddario! – Harry estava sentindo seu corpo ficar mole naquela posição, ele não sabia se iria aguentar por muito tempo.

Matt percebeu e levantando-se da cama, ele segurou o asiático que continuava sentado sobre si. Eles se olham, suas bocas se aproximam, eles se beijam. Suas línguas se encontram e dançam no ritmo de Havana, as mãos do Matt exploravam cada pedaço, centímetro da pele do Harry. Os beijos eram ferozes, ardentes igual tequila e limão, os puxões de cabelo eram agressivos e o movimento dos seus corpos, eram melhor que qualquer salsa.

Harry estava deitado e entre suas pernas estava Matt, que provocava o asiático roçando seu pênis na entrada do Harry. O asiático levou sua mão ao pênis do Matt, e ele mesmo o colocou. Matt estava gostando de como as coisas estavam indo, como as coisas estavam acontecendo, o sentimento que estava sentindo. As estocadas eram cada vez mais rápidas, cada vez mais profundas e fortes. Harry sentia como se um terremoto estivesse prestes a começar dentro de si, ele olha para o Matt e vê que ele era o terremoto, um vulcão que estava prestes a eclodir.

Harry passa suas penas em volta da cintura do Matt, e com uma jogada de corpo, mais uma vez Harry estava por cima. O asiático ainda sentia o terremoto tomando conta de si, tomando conta do seu ser, Matt sentia que seu pré- gozo já havia saído, e se Harry continuasse a rebolar daquela forma, logo ele chegaria ao seu ápice. Harry inclinou seu corpo para frente, apenas subia e descia sua nádega, ele puxa o cabelo do Matt para trás, deixando o pescoço do moreno a sua disposição, seu gogó virou brinquedo na boca do asiático.

Matt estava de quatro, inclinado o suficiente para que sua face encostasse nos lençóis cor de marfim. Harry com a mão direita massageava seu pênis, seu dedo indicador estava fazendo movimentos circulares na sua glande, com sua mão esquerda ele massageava a nádega branca do Matt, seus dedos são os primeiros a visitar a entrada do jovem, que geme, que tenta controlar seus gemidos, mas não consegue.

Após introduzir dois dedos na entrada do moreno, Harry vai com a língua, sem pudor e começa a passa-la na entrada do jovem, que geme enlouquecidamente, ele aperta as colchas da cama cada vez mais forte, tanto que acaba rasgando-as. Harry tira os dedos, e utiliza apenas a língua para arrancar os gemidos mais profundos do Matt. Depois disso, Harry mostrou como é horrível provocar alguém, assim como Matt fez consigo e começou a roçar seu pênis na entrada do moreno, fazendo sua glande chegar na entrada mas não adentrar. Matt tentava rebolar como Harry, mas aquele era o dom natural do asiático.

Harry penetrou o moreno que a principio se sentiu incomodado com as estocadas, Matt apertava as colchas da cama com mais força, seus dedos estavam enterrados sob as cobertas, Matt tenta se levantar, mas Harry  pousa sua mão sobre as costas do jovem o fazendo se inclinar novamente. E o segundo, não o permitindo se levantar, Harry dá as estocadas mais violentas que o seu corpo permitia, Matt sentia a dor e o prazer. Harry mexia seu corpo cada vez mais rápido, tanto que seu corpo nem se separava do corpo do Matt.

- Harry... – Matt gemeu quando o asiático voltou a tocá-lo.

- Geme, geme meu nome como se ele fosse o último que saísse da sua boca. – Harry não parecia pedir e sim ordenar.

E assim Matt obedeceu. A cada estocada, ele pronunciava o nome do asiático entre os gemidos, a cada toque o nome do Harry, saía de modo automático dos lábios do Matt. Harry masturbou o moreno até ambos chegarem ao ápice juntos, Matt continuou deitado de bruços na cama, e Harry deitou ao seu lado. Suas respirações saíam ao mesmo tempo, suas peles brilhavam por causa do suor. Eles se olharam e Harry foi o primeiro a sorrir.

- O que foi? – Perguntou Matt.

- Você cora muito fácil. – Disse Harry.

- Vão ser as três semanas mais longas da minha vida. – Matt revira os olhos.

- Porém, se depender de mim, serão as mais prazerosas. – Harry o beijou.

 

Matt estava errado. Entre os passeios divertidos em Havana, e as noites quentes, aquelas semanas passaram em um piscar de olhos. O inevitável aconteceu, eles se apaixonaram. Sorriram juntos, ficaram juntos, estavam juntos... Até que o verão acabou e Matt precisava voltar para Atlanta e Harry se pegou pensando “ Como seria Havana, sem seu amor de Verão. “

- Você promete voltar? – Perguntou Harry enquanto Matt ainda não havia passado pelo portão de embarque.

- Eu vou... Mas meu coração sempre estará em Havana. – Aquilo era uma promessa de volta?

Harry puxou Matt para o último beijo de verão, e por um momento Matt desejou que aquele avião caísse, pois ele não queria viver em Atlanta sem o seu amor, uma lágrima escorreu dos seus olhos ao se despedir do Harry. Já dentro do avião Matt olhou para o seu papel de parede e lá estava a sua foto, com o asiático de olhos escuros.

Mas aquela foto era diferente, Matt via aquela foto diferente, agora ele via aquela foto com muito amor e carinho. Harry olhava pelo vidro do aeroporto enquanto o avião lançava voo. Talvez se Matt tivesse pedido para Harry ir, o asiático teria ido com ele, mas por que Matt não pediu? Porque ele não o amava o suficiente?

Depois de esperar dois verões pela volta do Matt, ou sem ter noticias do jovem, Harry começou a pensar que naquele verão de dois anos atrás, só ele havia amado. Aquilo que começou como uma diversão, acabou como uma parte do coração que estava em Havana, já que a outra estava em Atlanta. Talvez com um novo alguém, esquecendo do seu amor em Havana.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...