História Um amor doentio - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Undertale
Tags Blueberry, Bluedust, Dust, Dustberry, Errink, Error_e_dust_são_lerdos, Horrorwine, Sadfic, Yandere, Yaoi
Visualizações 131
Palavras 3.484
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Luta, Magia, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Homossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


0p4, 01!
L0l1n7y [email protected] 4qu1!

Como eu sou perfeccionista, eu juntei dois caps em um só para a fic terminar em caps múltiplos de 5... no caso, terá 15 caps no total :3
Juntei o antigo cap 7 com o antigo cap 8... Assim tendo o atual cap 7 '~-~

Eu não sou muito de pôr continuação temporal entre o final de um cap e o início do próximo, mas eu quis dar um suspense no cap anterior...
Mas é só dessa vez, ok? :3


Aproveitem o capítulo!





V V V V V

Capítulo 14 - Errink 404


Fanfic / Fanfiction Um amor doentio - Capítulo 14 - Errink 404

 

 

- "Eu matei vocês"... Que frase estranha para alguém como você dizer, não?

Blueberry se espanta e dá um passo para trás, arregalando as órbitas. "Não, não, não...", repetia ele, mentalmente. Compreendeu que foi um tolo em falar essa frase, mas tudo não podia acabar assim... Não! Todo seu esforço para nada!

"Aqueles fantasmas... Foram eles que fizeram a cabeça de Dusty", concluiu Blueberry. "Preciso refazê-la!".

- D-Dusty... N-Não... Na-Não foi i-isso...

- Pois saiba que eu sei de tudo! Do envenenamento de Axe, do acidente com Ink, da expulsão de Dream, da morte de Wine e Nightmare! Eu sei de tudo! Você já era.

- Não! Dusty, por fa-favor! N-Não...

- 'Alá, se fodeu... - Sussurra Wine para Horror, sorrindo.

- Pois é, pequeno... Pois é... - Sussurra Horror de volta, alegre.

- Cala boca vocês dois aí atrás, deixa eu fazer drama! - Grita Dust para ambos amigos, que se inquietam com a ordem. - Então, Berry... - Ele volta a encarar o de lenço. - Você perdeu. Pelo o que sei sobre o mundo dos humanos, seres como você vão presos por muuuito tempo, huh? Ou talvez tenham até pena de morte...

- Não, Dusty! N-Não faça isso... Eu não quero morrer! Não agora!

- ENTÃO, QUE PENA! - Dust, mesmo sabendo que Blueberry é mais rápido que si, começa a correr pelos corredores à procura da diretora. Berry não passaria impune dessa!

Blueberry se espanta e começa a correr atrás de seu amado em desespero. Em sua cabeça, Dust havia duas opções: ou iria falar com sua professora favorita de História ou comentaria com a diretora... Por via das dúvidas, apenas iria segui-lo. Sabia que a reputação de Dust no colégio era muito baixa, então Berry poderia convencer facilmente os responsáveis de que o encapuzado estava errado.

Apesar de estar muito preocupado com a confissão de Dust, sentia-se vazio. Não sentia sua alma pulsar em suas costelas. Dust sabia de tudo e o rejeitara. Tudo que Blue fizera por ele... Tudo em vão... Mas esse não seria o fim. Ambos precisavam ficar juntos de qualquer jeito! E daí que Dust não quer? E daí que ele sabe de tudo? Para Blueberry, eles foram feitos um para o outro, não importa se Dust pense contra.

Mas... Como ele descobriu tudo? Nem Wine e nem Horror sabiam que o acidente de Ink e a expulsão de Dream foram males de Blueberry... Não era para Dust descobrir! Tudo fora friamente calculado, era impossível ele descobrir sozinho. "Error...", conclui Berry para si mesmo. "Deve ter sido ele! Ink deve ter contado tudo para Error, que avisou Dust... Error não vai conseguir se safar dessa!"

Dust, mesmo estranhando a lentidão de Blueberry, consegue chegar na sala da diretora e entra quase arrombando a porta:

- Diretora, diretora! - Chama ele ofegante, enquanto fecha a porta atrás de si.

A diretora o encara surpresa e pede para que ele continue.

- Há um assassino solto pela escola! Ele está literalmente atrás de mim!

- O quê!? - A diretora se levanta, espantada. - Deixe-me ver!

Dust sai da frente da porta e deixa a passagem livre para a diretora. Ela abre a porta e não vê ninguém... Assim, estranhando:

- Hum... Isso é uma piada?

- Calma, ele já 'tá chegando... - Dust se inclina ao lado da diretora para conseguir visualizar o corredor.

Após alguns segundos, Blueberry aparece ofegante na porta entre a sala de espera da diretora e o corredor, se apoiando em suas próprias pernas. Dust avisa:

- 'Alá, chegou!

A diretora solta pequenas risadas:

- Não está falando de Blueberry, está?

Blueberry, fingindo que não sabia de nada do que estava acontecendo, encara inocentemente os dois na sala da diretora:

- Eu o quê?

- Você é um assassino e não sairá impune dessa! Não é, diretora? - Responde Dust com pose convencida.

- Mas eu não fiz nada... Por que está me condenando assim? Pensei que eramos amigos!

A diretora encara Dust com um olhar sério:

- Volte para seu dormitório e deixe de me perturbar com suas brincadeiras, Dust...

- O quê!?

- Vamos, vá!

- Mas eu estou falando sério, eu juro!

- Dust! Já falei para parar!

O encapuzado bufa e resolve não retrucar a diretora. Ele, antes de sair da sala de espera, suspira:

- Depois que desmascararem-no assim que ele tiver matado geral, eu vou aparecer dizendo: "Eu avisei". Ele vai sair massacrando todos, mas nããão, ninguém me escuuuta!

Dava para ouvir o encapuzado resmungando pelo corredor. A diretora ignorou os resmungos do mesmo e suspirou. Olhando para Berry, ela diz:

- Peço desculpas por ele... Dust ama fazer esse tipo de brincadeiras, então não se sinta magoado, tudo bem? Ele faz isso desde que chegou aqui. Você não é o único que foi vítima disso.

- Ah, sem problemas! Não se preocupe com isso. - Sorri Blueberry, acenando. - Bom, se me der licença, já vou indo. Vou conversar um pouco com Dusty... Quero saber o que aconteceu.

Ambos se despedem e Blueberry entra no corredor, seguindo Dust até seu quarto.

 

└~~~┐

 

Ao chegar na porta de seu quarto, Dust suspira. Não acreditava que a diretora o dispensou! Talvez precisava de provas para convencê-la... Mas como achá-las? Mostrar os fantasmas à diretora, com certeza, não era uma boa ideia... Ela pode achá-lo louco ou pensar que é alguma pegadinha. O que fazer?

Ele vira o rosto para trás, tendo a visão da entrada do antigo quarto de Horror e Wine. Já que Dust não irá à aula hoje, ele pode, pelo menos, bater um papo com seus amigos. Assim que chega perto da porta, ele escuta uma voz aguda alertando-o:

- A diretora disse para você ir ao SEU dormitório, Dusty! - Blueberry aparece caminhando na direção de Dust com as mãos para trás, sorrindo vitorioso.

- Ah, claro... Você de novo... Me deixa em paz, aberração! - Dust já estava completamente irritado com Berry. Não restava nem mais um pingo de paciência.

- A-Aberração? - Questiona ele, espantado.

- Sim! Aberração, desgraçado, genocida, sociopata! Fique longe de mim! Eu te odeio mais que tudo! Acabou. Nunca mais na sua vida ouse interagir comigo.

Blueberry abre um rosto choroso. "E-Ele me... me c-chamou de...?", Blue põe a mão no uniforme, na frente de suas costelas, onde estaria sua alma. Isso doía muito. Ser ofendido verbalmente... por alguém que você ama/é obcecado... doía.

Dust esquece do antigo quarto de seus assassinados amigos e entra no seu, batendo a porta por dentro, zangado. Sentia raiva de Blueberry como nunca sentiu antes. Dust sempre foi bem calmo e infantil, mas Blue passou de seus limites de paciência. Jogou-se em sua cama de braços cruzados. Sentia arrependimento por não ter antes confiado em seus amigos... Não poderia voltar atrás agora. Como Dust não queria presenciar as aulas e não tinha nada melhor para fazer, apenas ficou jogando alguns jogos em seu celular que esqueceu em seu criado-mudo no dia anterior.

 

Blueberry ajoelhá-se no chão, lacrimejando. "Não, Dusty... não...", repetia ele, choroso. O corredor estava vazio, então ninguém percebeu a presença do mesmo. Dust definitivamente o rejeitara... não conseguiria mudar os pensamentos dele a esse ponto. Mais uma vez, sentia-se vazio por dentro, partido ao meio. Tudo não poderia acabar dessa forma... Tantos sacrifícios, esforço, empenho... de nada valeriam a pena? Blue odiou sentir aquela sensação de perda.

Lembrou-se da noite que tivera com Dust há dois dias... Dust teria apenas usado-o? De nada isso significou para ele? Esses pensamentos deixava o de lenço enjoado, desabando em lágrimas.

"Error, isso é tudo culpa sua!", concluiu Berry a choramingar, se levantando. Não iria culpar-se. Ele estava certo, todos é que estavam errados e não queriam admitir. Isso! É isso! Ele estava certo em fazer tudo o que fez e, sem dúvidas, não se arrepende de nada... Não desistiria agora que está tão perto.

 

└~~~┐

 

Como Ink não tirou seu amado da cabeça, o dia demorou a passar. Mal via a hora de encontrar-se com Error no terraço após às aulas. Suspeitava que ele iria fazer-lhe uma grande surpresa misteriosa! Pela primeira vez, Ink não estava nem um pouco preocupado com os perigosos males de Blueberry.

Assim que bateu o sinal da finalização da última aula, Ink jogou seu material de qualquer jeito na mochila e saiu correndo para seu dormitório se arrumar. Não poderia ir a um encontro do jeito que estava... Com essa roupa, cara de quem não dorme há anos, pernas dormentes... Parecia um morto-vivo, para falar a verdade. 

Ele, ignorando todos que "atropelava", finalmente chega à porta de seu quarto, torcendo para que Blueberry não esteja adentro. Bom, nem tudo é do jeito que queremos: Blueberry estava deitado em sua cama, completamente coberto e choramingando.

Ink suspira impaciente e questiona:

- Blue, o que houve? Por que está chorando?

Blueberry põe o rosto para fora das cobertas e, lacrimejando, responde:

- D-Dusty... des-descobriu tudo e... m-me rejeitou! - Ele soluçava de forma descontrolada.

Ink sorri alto e vira de costas com a mão na boca, se acabando de rir. Estava esperando esse momento desde que descobriu os feitos de Blueberry. Finalmente isso aconteceu! Ria por causa da inocência do de lenço quanto a tudo isso. Berry realmente achava que Dust o aceitaria? Só se Dust fosse bem idiota, é claro!

- Está r-rindo de quê!? - Questiona Berry limpando algumas lágrimas.

- É QUE ISSO É TÃO ÓBVIO QUE É ENGRAÇADO! - Ink ri mais um pouco e, aos poucos, vai se acalmando. - Ai... hehe... ai... - Ele suspira. - Bom, mas não foi isso que eu vim fazer aqui. Continue chorando pelo seu macho enquanto eu vou ir a um encontro com o meu.

- Como ousa rir da desgraça dos outros!? - Blueberry se levanta, zangado.

- Olha quem fala... Mas não estou afim de bater papo com você hoje. Deixe-me arrumar-me e prometo não te irritar.

Blueberry range os dentes e volta às cobertas. Se só a presença de Ink o irrita, deboches já o levam ao limite.

Ink ignora os "pitis" do de lenço e vai à ideia de se preparar. Tinha que estar deslumbrante (ain, que palavra linda) essa noite. Escolheu um traje comum até demais para um encontro, lavou o rosto, passou aquele perfumezinho maroto, deu uma penteada no cabel... não, esse não... nem mesmo se ele quisesse.

Ao terminar de se arrumar, deu uma última olhada no espelho: estava exatamente igual a antes, só mudou a roupa. Bom, quem liga? Julgando pelo jeito que Error se veste, Ink poderia ser considerado uma estrela da moda. Além mem ia dar tempo de se rearrumar. Ele foi assim mesmo.

 

└~~~┐

 

Ink chegou animado no terraço do colégio, pontualmente. Conseguiu notar a Lua e inúmeras estrelas brilhando no céu escuro noturno ao subir a última escadaria. Ink sempre gostou muito do terraço por essa paisagem tão bela à noite.

Ele dá uma olhada pelo local, encontrando Error sentado na ponta a sua espera. Murmurou um "Aww" baixinho para si mesmo e caminhou em direção ao seu amado.

- Ruru! - Chamou ele.

- Kinky!

Error se levanta e corre na direção de Ink, o abraçando forte. Nem parecia que eles não se viram por apenas algumas horas.  

- Bom te ver de novo, Ink!

- Tá, chega de drama! Onde está meu presente, em? em?

Error faz uma cara confusa:

- Que presente?

- Não tem presente?

- Não... Seu presente sou eu!

- Ah! Se eu soubesse que era assim eu nem vinha! - Ink sorri e abraça Error de novo, sorrindo. - Brincadeira! Vamos sentar e conversar um pouco.

Error assente e ambos se sentam na beirada do terraço, se abraçando de lado. Eles ficam conversando, rindo e contando piadas e relatos por algumas várias horas.

Um barulho alto e estranho surge das escadarias, interrompendo a conversa. Ink, assustado pelo barulho repentino, dá um pequeno pulo para o lado:

- E-Error... O que foi iss... ERROR! ERROR, VOCÊ ESTÁ SANGRANDO!

Error estava olhando para o nada com um rosto espantado, pressionando suas costelas... Elas estavam cobertas de sangue, assim como jorrava sangue de sua boca. Foi um tiro. Apesar de que ele fora atingido por um tiro de arma de fogo, não sentia dor, mas seu HP estava baixo.

- I-Ink... E-Eu...

- Error, s-se acalma! Vamos p-para a enfermaria! - Ink se levanta e tenta puxar Error para cima, que não saiu do lugar, parecendo uma estátua.

Outra vez, o mesmo barulho surge, atingindo Error novamente. Ink se desespera mais ainda, chorando, chegando ao ponto de tentar ir arrastando Error pelo terraço, falhando.

- In-Ink...

- Error, levante! Resista! Por favor, levante! Por favor! - Ink soluçava muito alto, lacrimejando sem parar. - P-Por favor...

Com um último tiro barulhento, Error acaba por escorregar da beirada com roupas encharcadas de sangue. Ink, por reflexos, se joga no chão da beira e segura o braço de seu amado com todas as suas forças. Não iria deixá-lo cair. Ele não pode deixá-lo cair.

Como Ink não é o dos mais fortes, não conseguiu puxar Error para cima, mas não desistia de agarrar seu braço desesperadamente, desabando em lágrimas:

- E-Error! Você n-não vai acabar assim! Não pode fazer i-isso comigo!

- I-Ink... A-Atrás de vo-você...

- A-Atrás de mim...?

Ink vira o rosto para trás, tendo a visão de um ser de pequeno porte erguendo uma arma de fogo em sua cabeça com uma expressão maníaca no rosto.

- Olá, queridos amigos! Desculpa, estou atrapalhando o encontro? - Ele contorcia o pescoço às vezes.

- Blueberry, não! P-Por favor, nos deixe em paz! Saia daqui!

- O que foi, amigo Ink? Está com medo?

- Vá e-embora, abominação! - Ink, outra vez, tenta puxar Error para cima, sem sucesso.

Blueberry ri um pouco:

- Olha só quem está chorando pelo seu macho agora... Parece que o jogo virou, não é mesmo?

Assim que Blue iria apertar o gatilho, algo inesperado acontece: não há mais balas. Ele faz um rosto surpreso e dá um passo para trás, apertando o gatilho respectivamente, mas nada acontece. Ele se desespera e corre à escadaria, soltando a arma no chão... Provavelmente indo ao seu dormitório disfarçar, como sempre fazia...

Ink tenta ignorar e focar em salvar a vida de seu amado. "Error, não...", choramingava ele. "Resista! Seja forte, por favor..."... Mas Error não resistia. Seu HP estava quase no mínimo.

- I-Ink... Eu não v-vou aguentar... 

- Não vou te soltar! Resista! Colabore comigo! Vamos, vamos! - Ink, novamente, tenta puxar Error para cima... Falhando mais uma vez.

- Ink... A-Acabou...

- Não, Error! Não fale bobagens uma hora dessas! - Ink soluçava sem parar.

Error fecha os olhos e, sorrindo, pede a Ink:

- P-Ponha aquela sua pintura de nós dois no meu túmulo, ok?

Assim ele solta a mão de Ink, sorrindo. O mundo pareceu estar em câmera lenta durantes estes tortuosos minutos de queda, pior ainda sabendo que não há chances de sobreviver. "Bom, é isso.", pensou Error para si mesmo. "Parabéns pelos seus longos anos proveitosos de vida, Error. Você fez o que estava ao seu alcance, mas é hora do Game Over."

 

Error 404 - página não encontrada.

 

└~~~┐

 

Dust resmunga de raiva e põe seu celular de volta no criado-mudo com força. O celular descarregou bem no meio de uma partida de jogo! E pior é que Dust estava prestes a ganhar! Sabia que deveria tê-lo deixado carregando enquanto estava fora.

Olhou para o relógio do despertador no criado-mudo de Error: já estava bem tarde... Error ainda não havia voltado e não avisara Dust de nenhum rolê que ele ficaria até de madrugada. Dust achou isso muito estranho... Talvez ele estaria no quarto de seu namorado Ink? Mesmo sendo uma ideia meio idiota, já que Blueberry também estaria lá, ainda é uma opção. Dormir e dar o foda-se para o sumiço de Error também seria um caminho, mas Dust não iria dormir antes de Error nem fodendo! Da última vez que fez isso, Error encharcou Dust e sua cama com areia. Esse era o nível de amizade de ambos, para você ter ideia.

Ele se levanta e chega perto da porta, podendo ouvir altos gritos do corredor. Dust, espantado, abre-a rapidamente, se deparando com... fogo! O corredor está coberto em chamas! Vários alunos aleatórios corriam em direção à saída, gritando. Como Dust não ouviu o alarme de incêndio? Se é que esse alarme sequer tocou... Poderia ter sido desativado, talvez. Bom, isso não importa agora. Precisava sair dali o quanto antes!

Dust começa a correr pelo corredor como jamais correu. Poderia se teleportar, mas queria achar Error e/ou Ink antes de sair dali. Sabia que ambos namorados não se desgrudariam e fariam de tudo para salvar a vida um do outro, mas quem sabe?

Correndo desesperado pelo corredor, ele esbarra em alguém... O único alguém que corria na direção contrária de toda multidão.

- Dust! Finalmente achei você!

- Ink! Que bom que está bem! Mas... Onde está Glitch? - Dust segura as mãos geladas de Ink com força, meio aliviado.

- Ah... - Ink abaixa a cabeça, começando a lacrimejar. - Só ainda não me joguei nas chamas para te explicar isso...

- O que houve com Glitch!?

Ink não consegue responder e começa a chorar um pouco. Assim que ele cria coragem, murmura:

- E-Ele... - Ink soluça, deixando cair suas lágrimas. - Ele... f-foi empurrado... hamh... do te-terraço a tiros... - Ink se ajoelha no chão, soluçando descontroladamente.

Dust congela. "Não... Não, não, não...", sussurrava ele para si mesmo. Era claro que fora novamente Blueberry com seus terríveis males. Ele se ajoelha na frente de Ink, começando a lacrimejar também e a respirar ofegante por conta da fumaça.

Ink, de repente, o surpreende com um abraço doloroso. Dust retribui por reflexos, lacrimejando sem parar. Eles ficaram assim por um bom tempo.

 

Em meio aos choros e pensamentos dolorosos, Dust volta para a realidade e se dar conta de que as chamas estão cada vez maiores e mais perigosas. Ele encara ao redor: precisava sair dali rápido.

- Vamos... - Começou ele para Ink.

Dust se levanta e puxa o pintor para cima, levantando-o também. Ele segura no braço de Ink e começa a correr pelo corredor coberto de fogo, mas, surpreendentemente, ele fica arrastando os pés no chão, demostrando que não queria ir.

- O que houve?

- Eu não quero ir. Já te dei o recado, você pode ir sozinho agora.

- O quê!? Pff, cla-claro que não! - Apesar de sorrir, Dust não continha as lágrimas. - Vamos... Você vai se salvar t-também.

- Não há mais nada para mim nesta vida... 

- Pa-Pare com isso... Vem, vamos logo...

- Não importe o que você diga, eu não vou. Quanto mais você se enrolar, menos chances você terá para sair vivo. Blueberry, dentre um de seus ataques de piti, acabou derrubando um abajur ligado, quebrando a lâmpada perto da cortina... Assim, ele causou o incêndio. - O pintor suspira. - Não caia nas tentações destas chamas, por favor... Eu sei que elas te chamam por todo mal que você passou, querem te abraçar para o fim de seu sofrimento em direção à morte, mas...  Eu sei que você ainda pode ser feliz vivo!

Dust, apesar de se afetar com as frases do pintor, olha pelo corredor: Ink estava certo. Se ele não se manifestasse logo, acabaria por morrer queimado. O encapuzado encara Ink uma última vez:

- Tem certeza de que é isso que você quer?

- Tenho.

- É um caminho sem volta, Ink...

- Eu tenho certeza dos meus atos. Pode ir. Corra!

Dust suspira e dá dois tapinhas no ombro de Ink:

- Boa sorte.

- Igualmente.

Assim ele começa a correr pelo corredor, dando uma olhada para trás. Ink amava mesmo Error... Seu romance com Blueberry poderia também ter sido assim, mas Blue escolheu o caminho errado. Claro, não se sentia culpado por isso, mas... Apenas queria que tudo fosse diferente... Balançou a cabeça para distanciar esses pensamentos de remorso. Precisava fugir.

 Como Dust ficara um bom tempo lamentando-se, os alunos já estavam muito à frente. Além de que ele não tinha caminhos para escolher, já que sempre que havia uma bifurcação, o outro caminho era fechado pelas chamas, o levando para uma parte do colégio que não conhecia.

Dust não sabia aonde estava e não via ninguém para tentar seguir. Estava perdido em um prédio ao meio às chamas! Só corria e corria sem parar. Apesar das coisas que tivera passado, não queria morrer. Precisava tomar às contas com Blueberry. Não morreria em paz até fazer isso.

Correndo desesperadamente, Dust chega à uma bifurcação diferente: há três caminhos livres: esquerdareto e direita. Precisava escolher um dos três para continuar sua fuga. Não conhecia essa bifurcação, mas ele poderia ir para...


Notas Finais


Eu tenho três finais diferentes super legais e não sei qual deles usar para o final original dessa fic... Então pensem bem, em! >:3 (opa, o final já foi escolhido... Tarde demais, rosquinha! ;-;)


*Error é assassinados*
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
*Sendo morta pelos leitores*

*Ink morre no incêndio*
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK X'D
EU TO PASSANDO MAL KKKKKKKKKK

Ai ai
#Ap4g1naFo1R3m0v1da
(ou #APaginaFoiRemovida) #TintaAVapor

Sinceramente, foi bem clichê a morte de Error ~-~

ERRINK ;--;

Dois louco ajoelhados no chão no meio de um incêndio... Se n fosse por um motivo drástico, eu tava rindo aqui


Bom... Então, lá vamos nós... #Esquerda #Reto #Direita





s2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...