História Um Amor e um abuso - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Star Wars
Personagens Anakin Skywalker (Darth Vader), Obi-Wan Kenobi, Padmé Amidala, Personagens Originais
Tags Abuso, Abuso Sexual, Anakin, Chantagem, Dark Obi-wan, Ficção, Ficção Cientifica, Hentai, Lutas, Novela, Obi Wan, Padmé, Romance, Star Wars, Violencia, Yaoi Gay
Visualizações 11
Palavras 4.541
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Lemon, Luta, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom, aqui o Anakin vai tomar sua decisão.

Vamos lá!

Capítulo 13 - Capítulo 13: decisão no templo


Fanfic / Fanfiction Um Amor e um abuso - Capítulo 13 - Capítulo 13: decisão no templo

Capítulo 13

Decisão no Templo

Narrador on:

Anakin sentou-se desanimadamente na cama que ele compartilhava com sua amada esposa e filho. Ele tinha uma toalha em volta da cintura, tendo acabado de tomar banho.

Ele deve ter ficado tão perdido em seus pensamentos que perdeu a noção de quanto tempo estava sentado ali. Padme saiu do roupão e colocou a mão no ombro dele.

Padme: Ani? - ela perguntou, tirando-o do seu torpor.

Anakin: Huh? Oh... desculpe amada - ele se desculpou.

Padme olhou para ele com uma mistura de preocupação e amor.

Padme: Você esteve no chuveiro por quase uma hora - ela mencionou.

Anakin: Uhh... sim. Parecia que não importa o quanto eu esfregasse, não conseguiria me limpar - ele disse.

Padme sentou ao lado dele e puxou-o para um abraço.

Anakin: Tudo vai ficar bem, Ani. Estaremos longe daqui para sempre em apenas algumas horas. Você está nervoso em se encontrar com o Conselho? - ela perguntou.

Anakin: Um pouco... mas eu estou mais ansioso do que nervoso. Eu só quero sair daqui com você... e espero que eu nunca tenha que vê-lo novamente - disse Anakin. Ele sabia que isso nunca aconteceria.

Obi-Wan estava andando por um caminho escuro e Anakin sabia que ele iria caçá-los para o resto de sua vida.

Ele só esperava que ele e Padme pudessem se manter um passo à frente dele. Eles precisavam, pois ele não podia deixar Obi-Wan machucá-la. Houve uma batida na porta deles.

Threepio: Senhorita Padme, tudo está empacotado e carregado no navio. Artoo fez todas as verificações necessárias no navio e tudo está em ordem - falou Threepio.

Padme: Obrigado Threepio. Nós estaremos partindo para o Templo em breve - Padme chamou.

Ela se dirigiu ao marido com um olhar preocupado.

Padme: Tem certeza de que Obi-Wan não pode te machucar lá? - ela perguntou.

Era estranho, afinal, essa era a ideia dela. Mas ela não suportava a ideia de enviar inconscientemente o marido para mais abusos nas mãos de Kenobi

Anakin: Eu tenho certeza. É como você disse. Ele não pode perder a paciência sem colocar em risco o nosso segredo na frente do Conselho.

Padme: Tudo bem. Seja cuidadoso de qualquer maneira.

Anakin: Eu vou", Anakin assegurou a ela.

Ela colocou os braços ao redor dele, dando-lhe um abraço apertado e reconfortante

Padme: Eu te amo - ela sussurrou em seu ouvido, pouco antes de plantar um beijo suave em sua bochecha.

Anakin: Tem certeza de que quer vir? Talvez você deva ficar aqui com o capitão Typho e seus guardas - disse Anakin no final.

Padme: Por quê?

Anakin: Eu não acho que seja uma boa ideia ir ao Templo assim - ele respondeu.

O Templo geralmente não permitia visitantes sem aviso prévio, e ele sabia que alguns membros do Conselho Jedi iriam levar sua renúncia muito mal.

Ruim o suficiente para que Obi-Wan estivesse lá, quando Anakin o queria o mais longe possível dela... ele não queria que Padme sofresse qualquer tipo de retribuição dos Jedi que certamente não ficariam felizes em vê-lo sair.

Padme: Eu estou indo com você. Eu não vou deixar você enfrentá-los sozinho. Mesmo se eu ficar no navio, eu vou me sentir muito melhor sabendo que eu estou lá com você - disse Padme com absoluta resolução.

E foi isso. Não importa suas preocupações, Padme foi inflexível sobre isso. Ela não deixaria seu marido entrar naquele lugar sozinho, como um prisioneiro aguardando sua sentença.

Anakin: Ok - Anakin admitiu com um suspiro, sabendo que Padmé não iria mudar de idéia sobre isso.

Padme: O que você vai dizer a eles? - ela perguntou.

Anakin: A verdade. Que você e eu estamos apaixonados, e queremos nos retirar para uma vida tranquila - Anakin deu de ombros - Assim como você me disse, menos a parte sobre nós sermos casados e que adotamos o Lucas - acrescentou.

Padme: Você não acha que eles levariam bem a isso? - Padme perguntou sarcasticamente. Anakin teve que sorrir.

Anakin: Eles ficarão com raiva o suficiente. Não há necessidade de jogar na cara deles que eu quebrei o Código muito tempo antes disso - disse ele - Embora, isso faria o Obi-Wan parecer mal.

Ele riu um pouco. Padme sorriu; Foi bom ver os espíritos do marido erguidos, mesmo que por um momento. Ele ficou sério, porém, quando falou.

Anakin: É engraçado. Eu teria gostado de fazer isso antes. Mas agora... eu só quero ir para casa, com você.

Padme deu-lhe um abraço.

Padme: E nós vamos meu amor, em breve.

Anakin se deleitou com a sensação de estar em seus braços, antes de se levantar para se vestir. Ele colocou seu uniforme Jedi, ou "negros Jedi", como Padme os chamou, sentindo uma pontada de pesar como ele fez.

Esta seria a última vez que ele as usou no Templo como membro da Ordem. Ah bem. Talvez ela permitisse que ele as usasse pela casa. Ele sempre seria um Jedi em seus olhos, não importa o que alguém dissesse.

Ele cortou seu sabre de luz no cinto. Pareceria suspeito se ele aparecesse sem isso. E mesmo que Obi-Wan não ousasse atacá-lo no Templo, ele poderia precisar da ameaça do sabre de luz para afastá-lo de qualquer maneira.

Assim que terminou, sentou-se na cama, precisando de alguns instantes para recolher seus pensamentos. Padme colocou um braço ao redor dele.

Padme: Você vai demorar? - ela perguntou.

Anakin: Não, eu vou lá e dou a eles diretamente - respondeu Anakin.

Padme tinha uma expressão pensativa no rosto.

Anakin: O que? O que é isso?

Padme: Ocorre-me que esta é a última vez que você verá essas pessoas pessoalmente. Talvez você devesse pensar em deixar mais uma impressão. Você sabe, mostrar a todos que você não é o Jedi irresponsável que eles pensam que você é - Padme sugeriu.

Anakin: hum... Eu não tinha pensado nisso - disse Anakin, pensando sobre isso.

Padms: Apenas considere isso.

Não demorou muito para decidir.

Anakin: Não precisa. Eu gosto disso!

Padme sorriu ao seu entusiasmo. De repente, Anakin se lembrou de algo que ele tinha esquecido completamente.

Anakin: Palpatine.

Padme: O que?

Anakin: O chanceler, Padme. Eu tenho que dizer adeus ao chanceler - explicou Anakin.

De repente, Padme teve um sentimento ruim, o mesmo que ela sempre teve sempre que Palpatine e Anakin eram pensados ​​na mesma conversa.

Padme: Eu não sei, Anakin. Você não pode fazer isso do navio?

Anakin olhou para ela incrédulo.

Anakin: Padme, esse homem é um dos meus amigos mais próximos. Ele é como um pai para mim. Eu não vou mandar uma mensagem de órbita para ele dizendo que nunca mais voltaremos.

Padme suspirou. Ela realmente não queria começar uma discussão agora.

Padme: Ok, mas eu vou com você.

Anakin: Padme, você não precisa fazer isso - disse Anakin.

Padme: Eu vou com você, Anakin. Sem argumentos - ela insistiu.

Anakin: E sobre Typho e os outros? Você não precisa pegá-los? - Anakin perguntou.

Padme: Eu só vou tê-los em contato conosco no Edifício Executivo - disse Padme, e isso foi final.

Anakin sabia que ele não ia ganhar essa.

Anakin: Tudo bem. Eu acho que não vai doer ter você esperando lá. Pelo menos nós poderemos sair rapidamentel - ele cedeu.

Lucas: Nós já vamos? - perguntou o menino, já vestido com sua mochila na costa.

Anakin: Nós devemos ir.

Padme: Boa sorte - disse Padme.

Ela deu-lhe um beijo na bochecha.

Padme: Padme ...

Anakin: Eu sei, eu sei. Não existe sorte quando um Jedi está preocupado - disse ela, revirando os olhos para o velho mantra.

Anakin: Isso mesmo - Anakin sorriu.

Padme ficou emocionado quando ele capturou seus lábios em um beijo suave. Foi bom ver que seus espíritos aplaudiram.

Ela só esperava que as reuniões esperando por ele não as amortecesse novamente.

No Templo...

Dentro da câmara do Conselho Jedi, o Mestre Windu ordenou a sessão.

Mace: Nossa primeira ordem de negócios esta manhã pertence a Knight Skywalker. Ele pediu para vir antes de nós esta manhã para discutir algo importante - disse Mace.

Obi-Wan mascarou suas emoções com uma parede impenetrável. Ele não gostou do som disso.

Obi-wan: O que você está fazendo, jovem - Obi-Wan perguntou ao seu Padawan mentalmente.

Anakin: Você vai descobrir em breve, Mestre - foi a resposta, quando Anakin entrou nas câmaras do Conselho.

Obi-wan: Cuidado com o que você faz, Padawan. Lembre-se de quem você pertence - Obi-Wan o lembrou.

Shaak Ti: Anakin, o que você veio discutir? - Shaak Ti perguntou gentilmente.

Mace levantou a mão.

Mace: Antes disso, Mestre Ti, há algo que quero abordar. Primeiro e acima de tudo, você está pronto para a sua missão, Cavaleiro Skywalker?

Obi-wan: Não consigo parar de pensar na noite passada. Como anseio fazê-lo gritar assim de novo - Obi-Wan provocou Anakin, sabendo o quanto seu aluno estava preocupado com a missão.

Anakin cerrou os dentes e entorpeceu suas emoções antes de finalmente falar.

Anakin: Não... eu não sou - ele respondeu.

Várias sobrancelhas se levantaram em resposta.

Mace: Por que não?"

Anakin: Isso diz respeito ao que eu vim aqui discutir - respondeu o outro - Mestres... eu vim hoje para formalmente... renunciar a minha posição como um Jedi - disse Anakin calmamente.

Uma onda de espanto percorreu a câmara do Conselho. Escusado será dizer que todos na sala ficaram chocados.

Obi-wan: O que?! Obi-Wan exclamou.

Altor: Tu é surdo?

Mace levantou a mão.

Korun: Obi-Wan - o Mestre Korun o avisou. Obi-Wan recostou-se, apertando as laterais da cadeira.

Mace: Posso perguntar por que você tomou uma decisão tão súbita? - Mace perguntou.

Anakin: Eu me apaixonei... pela senadora Amidala - informou Anakin, mais uma vez sentindo as ondas de choque em todos.

Eles tinham suspeitas de que sua "amizade" com Padme não era o que parecia, pelo menos alguns deles, mas confirmar isso dessa maneira era absolutamente surpreendente.

Anakin: Estou deixando a Ordem para estar com ela - continuou ele - Ela também está renunciando e nós estamos deixando Coruscant hoje - Anakin se afastou e os deixou absorver o que ele havia dito.

A maioria da sala parecia desapontada ou zangada... exceto Shaak Ti. Ela sorriu suavemente para ele.

Shaak Ti: Sentiremos sua falta, Anakin - disse ela.

Ele sabia que ela iria, mas os outros não.

Anakin: Obrigado Mestra, sentirei sua falta também - respondeu Anakin.

Mace: Então, é por isso que você está nos deixando de repente? - Mace Windu finalmente falou - Porque você desenvolveu um apego a esta senadora? Parece um pouco tolo deixar a Ordem por capricho, não acha?

Anakin conteve a vontade de agarrar o homem.

Anakin: Mestre, isso não é um capricho. Eu me senti assim por um longo tempo. Eu só não tive coragem de admitir isso para mim mesmo até agora - ele respondeu, muito orgulhoso de si mesmo por reagir com tanta calma.

Anakin: Mestres, esta guerra tomou seu pedágio em todos. Para ser honesto, eu não posso mais lidar com isso. É demais, estar longe de casa o tempo todo, tomar parte naquelas terríveis batalhas da Força, enquanto nossos camaradas morrem. ao nosso redor... é demais. E sim, eu me preocupo mais com Padme. É o inferno não estar junto com ela, ou estar lá para protegê-la como eu deveria estar - Anakin balançou a cabeça, limpando a sensação de culpa que sentia por isso - Eu sei que o Código não permite anexos, e eu nunca pediria que você fizesse uma exceção para mim. Eu não posso ser um Jedi e um amante de Padme. Eu sei disso agora - Ele suspirou. - Então, ao invés de forçá-lo a tomar essa decisão, eu decidi fazer a coisa certa. E isso é renunciar. Me desculpe, estou deixando você nesta junção crítica na guerra. Mas eu realmente não tenho escolha 

O Conselho ficou em silêncio enquanto eles pensavam nisso. Ninguém nunca havia ouvido Anakin falar dessa maneira entre os Jedi.

Este não era o jovem ousado e imprudente que ganhou o apelido de "o herói sem medo". Este era um homem calmo e colecionado que estava diante deles declarando sua intenção de sair.

Ele quase parecia uma pessoa diferente. Sua exibição de controle não passou despercebida por Shaak Ti, ou por Yoda, para esse assunto.

Yoda: Hmm... pensei nisso, você tem? - Yoda questionou.

Anakin: Sim Mestre, por muito tempo. Eu pertenço a ela e deixo de livre vontade - disse ele.

Yoda: Então pare você, nós não podemos.

Anakin: Nem eu quero que você faça isso. Isso é algo que eu tenho que fazer por mim mesmo - respondeu Anakin sabiamente.

Mace suspirou profundamente.

Mace: Então você não nos deixa escolha. Entregue seu sabre de luz - afirmou.

Anakin colocou seu sabre de luz na mão de Yoda. Dando uma última olhada ao redor da sala, ele voltou sua direção para seu antigo Mestre.

Anakin: Obi-Wan... obrigado por treinar-me todos esses anos. Sinto muito por não poder ser o Cavaleiro Jedi que você queria. Mas se isso significa alguma coisa para você, eu tenho fé que você vai derrotar o General Grievous e Acabar com esta guerra terrível - disse Anakin, sabendo que essas palavras iria estimular uma tempestade de indignação em seu antigo mestre.

Ele estava deixando em seus próprios termos, não em Obi-Wan, e isso era tão grande quanto poderia esperar desta situação.

Curvando-se diante do Conselho, ele saiu sem olhar para trás.

Por um tempo, o Conselho ficou em silêncio, cada membro ponderando a enormidade do que acabara de acontecer. Tudo salvo um.

Obi-Wan ficou imóvel em sua cadeira, a mandíbula afrouxou em descrença. De todas as coisas que Anakin poderia ter dito, de tudo que ele poderia ter feito, nada o havia preparado para isso. Ele ficou chocado.

Aos poucos, a raiva começou a crescer dentro dele. Ele manteve uma tampa fechada para não alertar o Conselho, mas estava lá. Borbulhando sob a superfície, esperando para explodir em uma torrente de raiva...

Antes que ele estivesse completamente ciente do que estava fazendo, Obi-Wan se levantou da cadeira. Sem sequer um aviso, ele decolou subitamente na direção de Anakin.

Ele ouviu a voz do Mestre Windu chamando-o, dizendo-lhe distintamente que voltasse para a câmara do Conselho. Ele deu pouca atenção. O Conselho poderia esperar. Assim poderia o General Grievous.

Anakin já teve uma vantagem inicial. Ele teria apenas que esperar que ele alcançasse seu antigo aprendiz antes de sua partida.

Obi-Wan não estava deixando-o escapar com isso.

Anakin caminhou rapidamente pelos corredores do primeiro andar. Ele tinha feito o que tinha que ser feito.

E pela primeira vez desde que toda essa bagunça sórdida começou, ele sentiu uma enorme sensação de alívio e orgulho.

Finalmente, ele estava livre.

Outros cavaleiros Jedi lhe deram olhares curiosos quando ele passou. Mal sabiam eles que esta seria a última vez que viram Anakin Skywalker nos corredores do Templo Jedi.

Ele sentiu uma presença se aproximando rapidamente de longe. O jovem Jedi cerrou o punho em raiva subjugada. Ele sabia, sem ter que verificar quem era seu perseguidor.

Era Obi-Wan. Anakin segurou uma maldição. Ele deveria saber que Kenobi não o deixaria ir sem uma briga.

Obi-wan: Anakin! - Obi-Wan chamou através da Força.

Anakin podia ouvir o incenso na voz do seu Mestre.

Ele continuou andando como se nada estivesse errado. Se Obi-Wan quisesse falar com ele, ele ficaria muito desapontado.

Uma vez que ele entrou no navio com Padme, Anakin deixaria para sempre a vida de um Cavaleiro Jedi. Não havia nada para ele aqui.

Obi-Wan não merecia sua lealdade, nem Anakin permitiria que ele o intimidasse mais uma vez. Ele não tinha nada a dizer para ele.

Obi-wan: Anakin! - A voz irritada de seu mestre veio para ele.

Anakin parou para olhar para trás e, com certeza, Obi-Wan correu na direção dele. Anakin suspirou profundamente.

Parecia que ele teria que lidar com isso, quer ele quisesse ou não.

Obi-wan: Anakin... - Seu ex-mestre o alcançou.

Ele colocou as mãos nos quadris, olhando para Anakin com um rosto esculpido em pedra. Obi-Wan ficou furioso; Anakin nunca o tinha visto tão bravo antes.

Sua aura ardia de raiva, ameaçando explodir em uma poderosa demonstração de fúria. Apenas a menor quantidade de contenção Jedi segurou-o de volta.

Anakin pensou nas palavras de Padme naquela manhã.

Padme: Seja forte Ani. Não deixe que ele te intimide.

Obi-wan: O que você pensa que está fazendo? - Obi-Wan perguntou perigosamente.

Anakin: O que eu deveria ter feito no começo de toda essa bagunça. Eu não serei mais seu escravo - respondeu Anakin.

Obi-Wan estava prestes a retaliar com uma réplica desagradável quando percebeu que a mão direita mecânica de Anakin estava cerrada ao seu lado.

Ele respirou fundo, invocando seus muitos anos de disciplina para aplacar sua raiva. A última coisa que ele precisava era de uma briga com seu velho Padawan bem aqui no Templo Jedi. Então seu segredo certamente seria exposto.

Anakin: O que você está fazendo aqui de qualquer maneira? Você não tem uma reunião do Conselho para participar?

Obi-wan: Você sabe que isso é mais importante. Eu não poderia deixar você ir sem alguma resistência - disse Obi-Wan.

Anakin: Mesmo? - Anakin perguntou secamente.

Foi um pouco surpreendente que seu ex-Mestre saísse correndo de uma reunião do Conselho como este, mas, considerando tudo o que Kenobi fizera nos últimos dias, Anakin imaginou que não deveria se surpreender.

Obi-wan: Lembre-se do nosso acordo, Padawan. Enquanto você cooperar, Padme e Lucas permanecerão seguros - declarou Obi-Wan.

Anakin: Não me chame assim! Eu não sou mais seu Padawan - retrucou Anakin - Você não pode me mandar por aí como uma criança sob sua asa, e eu não vou permitir que você faça isso comigo por mais tempo. Você não tem direito.

Obi-wan: Não tome esse tom comigo, Anakin. Eu te dei sua vida. Você me deve! - Obi-Wan declarou.

Anakin: Não te devo nada! - Anakin respondeu - A única razão pela qual você me treinou em primeiro lugar foi porque Qui-Gon pediu para você. E eu acho que ele teria reconsiderado o pedido se soubesse o que você acabaria fazendo comigo!

Os olhos de Obi-Wan se estreitaram. O assunto de Qui-Gon sempre foi um ponto dolorido entre eles. Anakin nunca se esquecera da razão pela qual Obi-Wan insistiu em treiná-lo, e Obi-Wan nunca se permitiu esquecer o pacto que fez com seu Mestre moribundo.

Durante anos, foi a fonte de um permanente ressentimento subjacente entre eles. Anakin estava ciente de que seu Mestre realmente não o queria em primeiro lugar, algo que o impedia de se aproximar demais do homem mais velho.

Da mesma forma, Obi-Wan não gostava do fardo que havia sido imposto a ele por seu mentor moribundo.

Eles se importavam um com o outro e valorizavam sua amizade, mas nunca ignoravam as circunstâncias que os haviam unido.

Eles estavam ligados uns aos outros pelos desejos de um homem assassinado, não porque eles realmente quisessem estar um com o outro.

Por fim, eles aprenderam a crescer além disso, formando um relacionamento que era respeitável em sua natureza, se não tão aberto quanto poderia ser.

No entanto, nenhum dos dois homens jamais se esqueceu de que, se não fosse pela morte de Qui-Gon, eles nunca teriam estado juntos, como Mestre e Padawan.

Anakin teria escolhido como o novo Padawan de Qui-Gon, e Obi-Wan teria sido o velho ciumento aprendiz de lado em favor de alguém mais jovem e mais poderoso.

Pelo menos, isso foi o que Anakin pensou a princípio. Eventualmente, ele percebeu que era errado desejar que isso tivesse acontecido. Qui-Gon não teria abandonado Obi-Wan dessa maneira, nem desejava ferir os sentimentos de Padawan quando apresentou Anakin ao Conselho.

Foi apenas um erro da parte dele, embora um que veio à custa do orgulho de seu atual Padawan. Apesar da primeira impressão que ele deu a Anakin, Qui-Gon não era perfeito. Ele era apenas um homem, tão propenso a erros como qualquer outra pessoa.

Na pressa de que o Conselho aceitasse Anakin como o Escolhido, Qui-Gon selou inadvertidamente o destino da futura relação entre Anakin e Obi-Wan.

Esse erro foi agravado mais tarde quando ele não conseguiu dizer a Obi-Wan como ele estava orgulhoso dele antes de morrer. Mais tarde, Obi-Wan admitiu que seu mestre tinha orgulho dele, e que ele provavelmente acreditava que Obi-Wan estava pronto para os julgamentos.

Os sinais estavam lá muito antes de encontrarem o talentoso rapaz de Tatooine. Foi apenas a maneira como ele apresentou essa crença, como uma reflexão tardia para o treinamento de Anakin, que assombrou Obi-Wan mais.

Doeu saber que ele não tinha sido a coisa mais importante na mente de seu Mestre no momento de sua morte.

Foi a única vez que Obi-Wan confidenciou em seu Padawan sobre seus verdadeiros sentimentos em suas circunstâncias. Anakin compreendeu a dor de seu Mestre, embora não quase no mesmo grau, ele mal conhecera Qui-Gon, afinal de contas.

E, no entanto, esse avanço não conseguiu apagar a tensão entre eles. O que foi feito foi feito, e nenhuma quantidade de conversa poderia mudar isso.

Sem dúvida, essa foi a razão pela qual seu Mestre não hesitou em colocá-lo nisso. O que quer que estivesse afetando Kenobi de uma maneira tão terrível, havia claramente trazido à luz aquele antigo ressentimento de anos passados.

Mesmo assim, certamente Obi-Wan percebeu a verdade: que Qui-Gon ficaria horrorizado com o que estava fazendo. Ele estava muito perdido em si mesmo para admitir isso.

Obi-wan: Acho que é hora de conversar com a senadora Amidala e seu padawan - comentou Obi-Wan, buscando a última maneira possível de manipular seu Padawan.

Anakin: Vá em frente e tente. Porque você nunca chegará perto dela - Anakin o desafiou.

Os dois homens se encararam.

Obi-wan: Nós tivemos um acordo, Anakin - falou Obi-Wan em tom cortante - Enquanto me obedecesse sem questionar, Padme e Lucas permaneceriam ilesos. Eu prometi que ela estaria segura.

Anakin: E eu fui um idiota em acreditar nisso. Eles nunca estarão seguros enquanto você estiver por perto. Não importa o que eu faça ou o que eu deixo você fazer comigo, você sempre vai querer matá-los. E eventualmente você vai tentar, se você me tem sob seu controle ou não  - disse Anakin, percebendo em parte a verdade pela primeira vez.

Ele tinha sido um tolo em confiar em Kenobi para tal acordo.

Anakin: Bem, eu não estou esperando por você tentar matá-los. De agora em diante, qualquer acordo que tenhamos está encerrado. Qualquer parceria que tenhamos acabou. De agora em diante, não temos vínculos um com o outro. Se eu te ver perto de você Padme mesmo uma vez, eu vou te matar.

As palavras de Anakin foram entregues com a maior seriedade. A bravata que os amarrava era falsa, mas as intenções por trás deles eram genuínas.

O que quer que este homem estivesse diante dele era, não era Obi-Wan Kenobi. O velho mestre de Anakin foi embora, substituído por esta desculpa repugnante por um ser humano.

E ele morreria antes de deixar esse monstro chegar perto do sua amada e filho.

Ele se virou para sair, mas a voz de Obi-Wan o deteve mais uma vez.

Obi-wan: Eu vou matá-los, Anakin. Você me entende? Vou matá-los. Encaixe seu pescoço frágil como prometi - declarou Obi-Wan, em um tom baixo e gelado.

Anakin: A única maneira de você chegar até eles é sobre o meu cadáver - respondeu Anakin. Ele fez uma pausa, pensando em outra maneira de deter seu Mestre - E eu seria cuidadoso ao fazer tais ameaças. Eu não gostaria de informar o Chanceler de que você está ameaçando um de seus principais senadores.

Ele esperava que Obi-Wan estivesse com raiva. Para sua surpresa, seu Mestre começou a rir - um som perturbador e instável que provocou arrepios na espinha.

Obi-wan: É isso que você acha? - Kenobi perguntou, rindo divertido - Que o chanceler está do seu lado? Deixe-me dizer algo sobre o seu precioso chanceler Palpatine. Ele não é quase o amigo que você acha que ele é.

Anakin não disse nada.

Anakin: Na verdade, eu tive uma pequena conversa com o chanceler no outro dia. Devo dizer que ele parecia muito preocupado com o seu 'relacionamento' com a senadora Amidala. Parece que ele e sua esposa não estão em condições muito agradáveis ​​hoje em dia - Ele deu a Anakin um sorriso cruel - Na verdade, atrevo-me a dizer que ele a odeia quase tanto quanto eu.

Anakin permaneceu quieto. Por dentro, ele ficou surpreso com as observações de Obi-Wan. Não, isso não poderia ser possível.

Obi-Wan havia conversado com o chanceler sobre Padme? E o velho concordou com ele? Isso tinha que ser uma mentira. De jeito nenhum o chanceler poderia ir atrás dele assim.

Anakin: Você está mentindo - ele disse com firmeza, tentando soar mais certo do que ele. Kenobi não ficou impressionado.

Obi-wan: Talvez sim, talvez não. Acredite no que você quer, Anakin. Isso não muda os fatos - Obi-Wan disse a ele.

Anakin: Eu não acredito em você - disse Anakin.

Mas havia um tremor em sua voz que não estava lá antes. A ideia de que Palpatine pudesse, de alguma forma, estar conspirando contra ele com Obi-Wan era o suficiente para abalá-lo até o núcleo.

Obi-wan: Como eu disse, acredite no que você quer Anakin. Isso não muda a verdade. Eu sei o que aconteceu durante aquela conversa.

De alguma forma, Anakin conseguiu encontrar sua voz.

Anakin: Seja como for, eu nunca vou deixar você prejudicar Padme e Lucas.

Antes que Obi-Wan pudesse responder, a luz em seu comlink se apagou. Trancado em um olhar mortal com seu Padawan, ele permitiu que o comlink continuasse apitando.

Anakin: Você vai responder a isso? - Anakin perguntou. Finalmente Obi-Wan teve o suficiente - Kenobi", ele respondeu com um grunhido.

Mace: Mestre Kenobi, retorne para a câmara do Conselho imediatamente. Agora... - A voz de Mace Windu veio sobre o comlink, soando tão severa quanto Anakin já o ouvira.

Obi-wan: Eu estarei lá - respondeu Obi-Wan. Ele desligou o comlink - Então é isso? Você só vai jogar fora sua carreira e sua reputação por uma prostituta? - ele desafiou seu ex-aluno, desafiando-o a responder agressivamente - Nós não terminamos com este Anakin. Não por um longo tempo.

Anakin: Sim, estamos", respondeu Anakin. Virando as costas, ele retomou a partida - Adeus, Obi-Wan.

E com isso, ele sabia que a equipe de Anakin Skywalker e Obi-Wan Kenobi finalmente havia chegado ao fim. Ele nunca voltaria aqui.

Obi-Wan observou-o ir com uma sensação de desamparo que raramente sentira antes.

Parecia estranho para ele, estar à mercê do Destino depois de tudo o que passara nos últimos dias. E então, a raiva assumiu.

Quando ele tinha certeza de que ninguém estava por perto, ele bateu com o punho contra a parede, deixando um buraco do tamanho de uma mão na construção duracrete.

Anakin não escaparia disso. Por quanto tempo ele demorasse, Obi-Wan encontraria uma maneira de trazê-lo de volta sob seu controle, onde ele pertencia.

Tão absorvido em sua raiva, ele não conseguiu sentir a figura espreitando nas sombras, que prontamente correu o mais silenciosamente possível.

Se houvesse alguém por perto para sentir isso, eles teriam sentido um pavor terrível se formando em seu estômago, em resposta à conversa que acabara de testemunhar.

Continua...


Notas Finais


Aqui está, até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...