História Um amor em guerra ( Park Jimin) - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Blackpink
Personagens Jennie, Jeon Jungkook (Jungkook), Jisoo, Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Lisa, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Rosé
Tags Bangtan Boys (BTS), Comedia, Romance
Visualizações 54
Palavras 1.127
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


♡Boa Leitura A TODOS ♡

Capítulo 4 - Roubada.


S/N  P. O. V

Me levanto da cama com maior cuidado para não acorda-lo, visto minhas roupas que estavam  espalhadas por todo quarto, saío dali o mais rápido que posso. Ainda não tinha caído a fixa do que eu acabei de fazer.

Chego em meu apartamento dando de cara com jisoo sentada no sofá mechendo em seu notebook. Jisoo morava comigo a anos. Estranhei um pouco por ela está acordado a esse hora, mais não dei muito atenção. A mesma ainda não tinha percebido minha presença ali, me joguei ao seu lado no sofá com intuito de chamar sua atenção.

Ji—  PORRA VELHO, que susto do caralho S/n. - fala em um sobressalto fechando seu notebook.

— Jisoo, você não sabe a merda que eu fiz na minha vida.

Ji— Deixa eu adivinhar, transou com Jimin? - ditou ironicamente.

—  Como você sabe?

Ji— O que uma mulher estaria fazendo uma hora dessa na casa de um homem gostoso como aquele? E desde de quando transa com o Jimin e uma merda? Eu daria tudo pra dar só uma mamada nele.

— Jisoo! O assunto aqui é sério tá, eu ainda não tô acreditando no que fiz, eu não podia ter feito isso, não podia...

Ji— Para de drama S/n, 

— Drama é o caralho, você não tem noção da merda que isso vai dá.

Ji— Se eu fosse você agradecia a os céus por ter perdido a virgindade com um gostosão daquele, já estava na hora s/n. Foi apenas uma transa não vai dar em nada.

— Espero que você esteja certa.

Ji— sempre estou - ditou convencida.

— O estava fazendo, quando cheguei parecia preocupada.

Ji— Ah... É, assunto da empresa nada de mais. - fixo o olhar para baixo.

— tem certeza jiji? Você me parece preocupada, sabe que não gosto de segredo entre nós.

Ji— Eu sei s/n, já te falei não e nada de mais, tá. Agora vamos dormir, por o dia amanhã não vai ser nada fácil, e eu tenho certeza que depois do que aconteceu na casa do jimin você precisa urgentemente descansar. 

— Você está certa, boa noite. - dei um beijo em sua testa e seguir para meu quarto.

                     (...)

Ji— Você já terminou s/n? Estamos atrasadas. -Jisoo pergunta se levantando da mesa onde estávamos tomando café.

— Calma Jisoo, posso me atrasar sou a chefe.

Ji— Justamente, você e a chefe tem que da exemplo, então não pode se atrasar.

— Aish, tá bom.

Descemos juntas para a garagem onde estava meu carro, adentramos ele e seguimos rumo a empresa. Durante todo o caminho jisoo permaneceu calada o que era estranho, ela sempre era a mais que falava, a mais alegre. desde que a conheci nunca a vi assim, preocupada, distante. 

— Jisoo, tô preocupada contigo, desde ontem tu tá estranha, eu sei que tem algo de errado acontecendo, você sabe que pode contar comigo pra tudo né? 

Ji— Eu sei S/n, mas você não precisa se preocupar comigo tá, e só um pequeno problema na empresa eu já vou resolver isso.

— E porque você não quer me contar que problema é esse?

Ji—Ah.... Chegamos, depois a gente conversa tá? Tenho várias coisas pra resolver. - ela saí do carro correndo como se estivesse fugindo de algum ladrão.

Entro em minha sala, jogo minha bolsa em cima da mesa e me sento na minha cadeira giratória, fico alí por horas e horas lendo e relendo documentos da empresa, logo percebo jisoo adentrando minha sala na maior pressa.

— Aigoo mulher, que foi viu um fantasma? - pergunto assustada com sua cara.

Ji— S/n, a empresa quer dizer o dinheiro dá empresa sumiu.

— É o que jisoo?! Como assim o dinheiro da empresa sumiu?

Ji— Nãoo sei, só quem tem as senhas dos cofres é você, sua mãe e eu, e eu te juro por Deus que não robei nada.

— Não pode ser, você conferiu a conta no banco da Suíça? Deve ter alguma coisa lá. Vai que algumas de nós transferiu para lá sem querer.

Ji— Eu chequei todas as contas em bancos que você tem não a nada lá, apenas essa carta. - jisoo me entregou a carta ainda lacrada que estava em sua mão.

Rapidamente eu a abri reconhecimento as escritas, não acreditei, deixei algumas lágrimas rolarem livremente por meu rosto.

Ji— Amiga calma , quem quer que seja que tenham feito isso vai pagar, vai pagar caro.

Não dei atenção para o que jisoo tinha falado. Comecei a ler a  pequena carta em vós Alta.

Querida filha, quero te pedir perdão pelo o que fiz. Saiba que precisei fazer isso, eu sei que vai conseguir se levantar você e como eu, forte. Espero que um dia me perdoe por isso. Saiba que tenho orgulho pela mulher que virou, mesmo que eu nunca tinha dito isso. Te amo.

— Você já sabia disso jisoo? Por isso que estava estranha? 

Ji— Não, eu percebi ontem a queda que nos tivemos no gráfico, mais não dei muito atenção pensei que fosse algum erro no sistema. Por isso que não te falei nada, eu não queria te preocupar.

— Eu não acredita que ela fez isso, ela roubou tudo o que meu pai deixou para mim, minha própria mãe me roubou. - voltei a chorar, sentir o calor do abraço de Jisoo me acolher.

Ji— Calma meu bem, a gente vai dar um jeito.

— Dá um jeito como Jisoo? Ela levou tudo, me deixou sem nada, em questão de semana mas eu perdo a empresa.

Ji— Isso nunca, a empresa tem vários acionistas com certeza algum deles vão aceitar dar um empréstimo.

— Jisoo, isso pode servir! - peguei a caderneta de números que estava em cima da minha mesa. — vou ligar pra todos agora.

Jisoo me deu um sorriso e saio da sala me deixando sozinha, comecei a ligar para todos os números que estão anotados na caderneta, mas a resposta era sempre a mesma, não, não posso agora, queria muito ajudar mais não posso nesse momento. Minhas esperanças acabaram, foram ralo a baixo. jisoo entra novamente em minha sala com um sorriso no rosto que se desfaz quando eli vê minha cara.

— Nada jisoo, ninguém pode me ajudar, já liguei para todos os números da caderneta e todos falam a mesma coisa.

Ji— Ainda falta um S/n. - apontou com dedo para o único número que não estava riscado de caneta, e ao ver de quem era entrei em desespero.

— Não, Não e não, ele não de jeito nenhum, Jisoo por favor não me faça fazer isso.

Ji— S/n Jimin e a nossa única saída, você tem que engolir o orgulho e pensa na empresa.

— Jisoo.

Ji— Eu ligo ou você liga?









 



Notas Finais


Lasquera 😂😂


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...