História Um amor Ocasional - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Tags Bakugo, Bakugou, Bakuraka, Kacchako, Katsuocha, Uraraka
Visualizações 206
Palavras 1.191
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oie! E eu quase esqueci de postar pela milésima vez...

Boa leitura!

Capítulo 6 - 6- Castigo


- Bakugo, o que deu em você? Batento em uma garota dessa maneira.

- Eu já disse que não tive a intenção! - grito, perdendo minha paciência.

A Uraraka está sentada na maca, com uma bolsa de gelo no pé. Seus olhos estão vermelhos, resultado do choro que durou meia hora.

- Mas machucou ela - cruza os braços.

- Ah, eu não sabia que um empurrão tão leve ia fazer ela cair e torcer o pé! - não sabia mesmo. Achei que ela só ia se desequilibrar e continuar me irritando.

- Então você admite que derrubou ela? - desvio o olhar - Isso já é uma resposta. Bakugo, vai fazer algumas tarefas a mais na escola depois da aula. Esse vai ser o seu castigo.

- Mas... Aizawa-sensei! Não mereço levar essa porra de castigo sozinho! A Uraraka que me provocou!

- Eu provoquei, mas era de brincadeira... Não sabia que você ia reagir assim - abaixa a cabeça, apertando o gelo contra o machucado.

- Já está decidido. Tenho que ir. Quando estiver se sentindo bem, pode ir para casa, Uraraka. Até lá, o Bakugo vai te fazer companhia.

Agora virei babá dessa menina? Mas que saco.

- Desculpa... - resmunga. Quê? Ela está pedindo desculpa sendo que não fez praticamente nada de errado? Vai entender.

- Vadiazinha, você não deve pedir desculpa.

- Mas por minha culpa você está de castigo... - mas que menina irritante! Da vontade de explodir.

- Ei, escuta aqui: para com essa ceninha, você não teve culpa. Eu que te empurrei forte de mais - as palavras custam a sair da minha boca. Eu odeio admitir que estou errado.

- Eu que te provoquei, mesmo sabendo que você não tem pena da pessoa.

Nossa... Está me chamando de estourado na cara dura. Não que eu não seja isso, mas que coragem em dizer isso para mim.

- Não tenho mesmo - dou de ombros - Uraraka, sorte sua que eu estava apenas irritado, se eu estivesse bravo, você não ia apenas machucar o pé.

Ela faz uma carinha de arrependida que, sinceramente, me deixa com vontade de aperta-la. Porra, ela é muito fofinha!

- Me perdoa? Não vou mais te provocar assim...

- Assim como? - ignoro minha vontade de apertar a Uraraka.

- Com a menina que você ficou - desvio o olhar, ficando sem graça.

Eu sempre fico com vergonha quando falam dessas coisas, mas por sorte, nunca - mais ou menos - coro.

- Bom mesmo. Você pode se levantar e ir para casa? É que ficar aqui me estressa pra porra.

- Okay - deixa o gelo na cama e se levanta. Se apoia em tudo que aparece, para não forçar o pé dolorido. Tento controlar a risada.

- Você está ridícula! Parece um velhinho, todo fodido, andando com uma bengala! - infla as bochechas, ficando levemente corada de raiva.

- Ah, me deixa! - da um passo em falso, se desequilibrando. - Kya! - cai no chão - Eu sou um desastre.

- Agora que percebeu? - estendo a mão, vendo ela pegar com raiva.

Uma coisa pequena dessas com raiva... Isso é fofo e engraçado ao mesmo tempo. Da vontade de tirar fotos para rir mais tarde.

Vamos saindo da enfermaria, com ela apoiada em mim por todo o percurso até a saída da escola.

No outro dia

- Ah, isso é um saco! - solto a vassoura, a deixando cair no chão. Me encosto na lousa, respirando pesado.

Não tinha um castigo melhor para o Aizawa me dar, não? Essa porra é muito chata! E limpar, não é o melhor castigo do mundo.

- Licença... - abre a porta, colocando apenas a cabeça na abertura. Sorri com os lábios fechados - Precisa de ajuda?

Hn? Ela que me faz ficar de castigo e depois, vem se oferecendo para ajudar. Que menina estranha.

- Não. Posso me virar sozinho - pego novamente a vassoura. Pego meu fones de ouvido e os coloco, para poder ignorar a Uraraka.

- Ei! - faz gestos com a boca, mas por causa dos fones não escuto. Leva a mão direita até o cordão dos fones brancos, os puxando para baixo.

- Que foi? - bufo. Coloca as mãos na cintura.

- Você está morrendo de tédio fazendo isso. Então, eu resolvi vir te distrair - dou risada.

- Como poderia fazer isso? Eu não sou o mais fácil de se agradar, cara de lua.

- Hum... - toca o lábio inferior, com o dedo indicador da mão direita - Coloca as músicas em som alto! Assim poderemos nos distrair enquantos limpamos.

- Que bela ideia - digo em tom irônico. Até parece que vou ficar ouvindo músicas enquanto limpo a sala de aula, como aqueles vizinhos nos dia de faxina. Ia parecer um vizinho solteirão, ou um desiludido. Imagina só ouvir "evidências" enquanto limpo a casa...

- Para de ser chato - pega o meu celular, entrando na minhas músicas - Tem alguma que eu gosto aqui?

- Ei! Quem foi que te deu o direito de mexer no meu celular? - franzo a sobrancelha.

- Achei uma legal! - colocas os meus fones em cima da mesa - Question question boku wa - cantarola o refrão - Question question ittai! - sorri - Bakugo-kun, canta comigo! - deixa o meu celular em cima da mesa. Junta sua mão, a usando de microfone - Question question kimi no... Nani o shitteita no?

Apesar de estar ridícula, ela parece se divertir cantando. E como ela achou essa música, que não escuto há anos?

- Question question doushite - puxa a minha mão, me incentivando a cantar.

- Olha, se você quer assim... Vamos competir! - Question question kimi wa - faço o mesmo que ela com a mão - Question question konna ni.

- Chikakute tooi no darou? - cantamos juntos.

- Parecemos cantores - ri - Eu vou ganhar, Bakugo-kun - diz na pausa da música.

- Vai sonhando, vadia.

Continuamos cantando as estrofes, revezando cada parte. Eu cantando as vozes do homem e ela da mulher.

  - Naze nanda!? Sou nanda kimi wa boku no te o nigiri.

- Yasashii fuu "daijoubu"? nante hohoendekuretari sa.

- Nanzenkai nanmankai kokoro oresou ni nattemo

- Sono shunkan sono jikkan dake ga boku ni mirai miseru... - se encosta em mim, fazendo pode de cantora profissional.

Cara... Isso é muito engraçado. Vou zoar muito ela depois.

- Question question moshika.

- Question question kimi mo.

- Question question boku o.

- Mitsumetekureteru no?

- Question question nanimo.

- Question question iwazu.

- Question question kimi wa.

- Unazuita you ni mieta!

Não sei se estamos cantando bem - provavelmente não -, mas isso está fazendo o meu tempo passar.

- Que barulheira é essa? - a porta é aberta, interrompendo a nossa diversão.

- A-Aizawa-sensei... - ri nervosa - Desculpe o b-barulho...

- Silêncio! E limpem logo a sala de aula - sai.

Olhamos um para o outro, controlando a vontade de rir.

- "Question"... Essa música nos fodeu - ela pega uma vassoura.

- Não temos culpa se ela é legal!

...


Notas Finais


O que acham de uma aposta? Sobre o quê? Bem... Qual o número do capítulo que vocês acham que vai ter beijo? Se três acertarem, eu faço um especial hentai deles!

Só teve essa música porque eu to na bad depois de ver a morte do Koro sensei. Ele não devia ter morrido...

Quem quiser ver a op, é a op 3 de Ansatsu Kyoushitsu.

E repito: ELE NÃO MERECIA MORRER! Não merecia... Mano, eu nunca chorei tanto por um anime...

Espero que tenham gostado!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...