História Amor No Paraíso - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Thundermans
Personagens Max Thunderman, Phoebe Thunderman
Tags Novela, Romance
Visualizações 111
Palavras 2.613
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Luta, Mistério, Sobrenatural
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi gente como vai?
Bom eu mudei a história eu estava lendo um livro que parecia muito com a história de Max e Phoebe e me deu uma vontade de adicionar uma história só que estava pedindo para ativar email e não estava dando então editei a história se não gostarem falem que eu paro de escrever.

Pois não da para escrever algo que ninguém vai ler.
Boa Leitura.. Comentei oque acharam para ver se estão gostando.
Beijos...
Livro: Paixão Sem Limites
Escrito por: Abbi
Editora: Arqueiro

Capítulo 1 - Um dia vou encontra?


Max

Tinha acabado de chegar no hotel aonde iria passar minhas férias, era muito lindo e ótimo para passar alguns dias precisava ficar um pouco sozinho. Estava cheio de carros mas achei uma vaga então estacione ele.

Peguei minha carteira e meu celular botei no bolço e desliguei o carro então abro a porta e saio e depois fecho e tranco ele e vou até o porta malas e abro ele para pegar minhas malas. Peguei as malas e pus no chão e fechei o porta malas.

Estava esperando alguém para pegar minhas malas mas ninguém aparecia, então eu tinha resolvido levar eu mesmo até que vejo alguém vindo em minha direção então boto a mala no chão e espero. Estava com impressão que tinha esquecido algo então me abaixo e abro a mala para ver se não tinha esquecido algo.

Olhei dentro da mala que estava segurando e não avia esquecido nada, então fecho mala e ouço uma voz dizendo: -Olá senhor!

Quando me levantei, vi uma garota linda, seus olhos eram castanhos e seu cabelo era preto com mechas castanhas ela usava uma blusa preta com uma saia preta com listras brancas e dois botões no ombro e usava um cordão cor de prata e seus sapatos eram brancos e com uma listra preta para combinar com o uniforme. Fiquei paralisado olhando para ela.

-Senhor,Senhor. Diz a garota estalando os dedos em sua cara.

-Oi, oque ouve?

-O senhor estava paralisado olhando para algo.

-A sim, me desculpe.

-Vim pegar suas malas. Diz ela.

-Só você, são 4 malas.

-Já estou acostumada com isso.

-Tem certeza? 

-Tenho sim.

Ela se abaixa  e pega as malas, confesso que senti um pouco de pena dela pois eram muitas malas mas fiquei quieto então ela se foi com um pouco de dificuldade ao andar, então eu fui para o hotel.

Chego lá dentro e era lindo tinha um espaço aonde havia dois sofás e no meio uma mesinha de vidro tinha um tapete na entrada escrito Bem Vindo era tudo lindo as janelas eram de vidro muitos lindos. Fui até o balcão aonde havia um amoça mexendo no computador chego e digo: -Olá!

-Seja bem vindo, qual seu nome?

-Max Griffo, fiz uma reserva alguns dias atras.

Ela começa a mexer no computador então ela diz: -Achei, quarto 4A.

-Obrigado, digo pegando a chave.

-Cade suas malas? Diz ela olhando para o chão.

-Uma menina pegou, e veio na frente.

-Se refere aquela dali?

Quando eu olho para traz vejo ela, estava com dificuldade de carrega as malas eu vi um monte de funcionários sentados sem fazer nada só olhando ela então fui correndo até ela.

-Deixa eu te ajudar.

-Não precisa. Digo sem ar, pois estava muito pesada as malas mas tentei não demostra muito isso.

-Como não, esta até sem folego, deixa eu te ajudar. Diz ele pegando algumas malas de minha mão.

-Tudo bem! 

Dividimos as malas então quando estávamos indo em direção ao elevador encontramos com um homem alto com terno preto eles nos olhava com uma cara até que ele disse: -Olá senhor.

-Olá. Quem é você?

-Sou Mauro, sou o dono do hotel.

-Prazer sou Max. Digo cumprimentando ele com as mão.

-E oque você esta fazendo?

-Indo para o meu quarto! Respondo oque era óbvio.

-Estou perguntando, porque está carregando essas malas.

-A sim, pois estão muito pesadas para ela carrega então resolvi ajudar.

-Não pode isso, ela que é funcionária aqui, e se alguém ver vai falar mal do meu hotel.

-Mas...Mas. 

Ele me interrompeu.

-Acho melhor que ela carregue, não vamos causar problemas.

-Mas ela não vai conseguir carrega tudo sozinha, e tem um monte de carregado ali sentado sem fazer nada porque ninguém ajuda ela?

-Porque não. Agora da licença tenho coisas a fazer. 

Ele sai dali.

-Pode deixar eu dou um jeito, não quero causar problema.

-Tem certeza?

-Claro.

Então eu fui para o elevador e quando olhei para traz vi ela indo para as escadas então a chamei e disse: -Oque esta fazendo?

-Indo para o quarto.

-Mas porque esta indo pelas escadas?

-Porque....

-Porque ela não pode subir pelo elevador. Diz o Mauro aparecendo do nada.

-Mas aquele funcionário esta subindo pelo elevador. Digo apontando para um cara que estava entrando dentro do elevador.

-Ele pode ela não. 

-Mas.

-Deixa pra lá senhor, eu subo as escadas tem problema não.

-Tudo bem! Digo com pena dela.

Então ela vai para as escadas e eu vou para o elevador...

Na escada

Estava sendo difícil subir aquelas escadas, eram muitos degraus eu parava, respirava, limpava algumas gotas de suor que escorriam em minha testa e para falar serio não eram poucas não tinha hora que eu ficava tonta parecia que iria desmaiar mas fui forte e continuei subindo, estava muito difícil.

Quarto 4A

Tinha chegado no quarto e pensei que a garota já tinha chegado mas não, pego a chave e abro a porta e entro. Fechei a porta atras de mim e olhei para o quarto era lindo tinha um tapete azul marinho e um sofá com uma pequena mesinha e também tinha uma cama era grande e a coberta que cobria a cama era com três tipos de azuis e o travesseiro era todo azul com uma listra branca e tinha um criado-mudo nos lados da cama então olhei para aquilo e depois fui para o banheiro que tinha era pequeno mas era lindo tinha um canto aonde havia toalhas e a porta do box era de vidro.

Era tudo lindo, até que ouço alguém bater na porta e quando então vou abrir a porta e quando abro vejo ela, estava toda suada e parecia que estava quase desmaiando  

-Pronto senhor, cheguei! 

Diz ela sem ar.

-Entre.

-Melhor não, tenho que descer as escadas de novo.

-Entre aqui, para você beber uma água.

-Não precisa. Minto.

-Precisa sim. Digo e puxo ela para dentro.

Fecho aporta então sento ela no sofá então pego uma garrafinha d'água para ela que tinha numa geladeira pequena no canto do quarto. Entrego a garrafinha para ela então ela começa a beber.

Ela bebeu a água quase toda só deixou um restinho na garrafa.

-Obrigado, mas agora preciso ir.

-De nada. Vou te levar ate´a porta.

Ela se levanta então eu acompanho ela até a porta então depois que ela saio eu fechei a porta então fui até a cama e peguei meu celular e me sento na cama e vejo se tinha alguma mensagem. 

Não tinha, então desligo ele e boto em cima do sofá então vou para o banheiro para tomar um banho tiro meu chinelo que estava usando e deixo no canto então entro para o banheiro e fecho a porta tiro minha roupa e ligo o chuveiro e entro dentro do box.

Deixo a água cair e lavo meu cabelo com sabão e quando estava tirando a espuma meu telefone começou a tocar, mas tentei ignorar quem seja eu ligaria de volta depois...

Phoebe

Já tinha descido as escadas e aproveitei que não via me chefe fui para o quarto tentar descansar um pouco para repor minhas forças.

Chegando lá fecho a porta e deito na minha cama e fico olhando para o teto, e fico pensando na minha vida.

Pensamento

Na verdade eu não tinha vida, nem minha infância eu aproveitei direito, eu nem brincava trabalhava. Minha mãe morreu quando eu tinha 11 anos de câncer eu tive que parar de estudar e da um jeito de arrumar dinheiro pois meu pai nos abandonou eu tive que pedir ajuda para minha irmã mas até ela virou as costas para mim e até hoje não sei aonde ela foi parar, eu vendia bala na rua e trabalhava em um restaurante para tentar pagar o hospital, mas depois que eu acabei de pagar o hospital eu arrumei um emprego aqui, eu pensei que nesse emprego minha vida iria mudar, mas não.

Todos aqui não gostavam de mim, me odiavam eu era humilhada me excluíam das atividades que tinha aqui na hora do almoço eu comia o resto que sobrava e quando eu ia me aproximar todos se afastavam de mim eu sonhava em arrumar um dia um cara com quem eu me casar ter filhos, mas eu estava sonhando alto demais isso nunca iria acontecer estava me iludindo atoa eu terminaria aqui, nem  pagamento eu recebia eu era a diferente.

Todos os outros funcionários tinham quartos ótimos, e o meu era um quartinho de limpeza aonde havia matérias de limpeza vassouras, panos de chão,rodos etc...

Muito triste...

Senti algumas lagrimas brotarem no meu rosto, mas limpei rapidamente pois a porta do meu qaurto se abriu e quando olhei era meu chefe.

-Garota, oque esta fazendo aqui, deveria esta trabalhando.

-Desculpa senhor, eu estava um pouco cansada de subir e descer aquelas escadas e...

Fui interrompida por ele.

-''E'' nada, volte ao trabalho, agora! Diz ele e bate a porta com muita força.

Me levanto e respiro fundo e saio do meu quartinho...

Max

Saio do banheiro enrolado com uma toalha na cintura pois meu celular não parava de tocar, ele parava e voltava de novo estava me irritando então quando vou ver quem era. Clara minha namorada ela era meio chata pois não me deixava em paz.

Retorno a ligação então ela atende e diz

-Finalmente amor, estava ficando preocupada.

-Desculpa, estava tomando banho por isso demorei para te atender.

-Tudo bem, eu só queria te avisar que estou indo pra ir, passar minhas férias com você.

-Sério? 

-Claro, porque algum problema?

-Não, imagina estou te esperando.

-Tudo bem, até meu amor.

-Até.

Deligo meu celular e jogo na cama, estava um pouco bravo, Clara era muito grudenta eu vim pra cá passar alguns dias sozinhos precisava ficar só, lá ela sempre ficava na minha cola parecia chiclete eu não estava totalmente feliz com ela vim para cá mas fazer oque né ela era minha namorada.

Desligo meu celular e volto para o banheiro...

//

Phoebe

Estava varrendo a cozinha até que Mauro chega e diz: -Garota, venha aqui.

Largo a vassoura e vou até ele então quando chego nele ela fala.

-quero que você limpe as janelas da cozinha e da entrada e depois passe pano no chão e lave todos os uniformes que tiverem sujos e quando acabar limpe os 5 quartos no 4 andar.

-Mas chefe são muitas coisas, porque não pede para os outros funcionários fazer essas coisas, dividir.

-Não, pois eu dei folga para eles.

-E quando eu vou tirar minhas férias?

-Que tal no dia de São Nunca! Ela da uma risada.

-Mas..Mas..

-Mas nada, faça isso tudo que mandei, depois volto para ver como está.

Diz ele se virando e indo embora.

Bom melhor eu começar.

Max

Já tinha acabado de tomar banho, e estava deitado na minha cama mexendo no meu celular não estava muito animado para a chegada de Clara.

A hora passava muito rápido que merda converso com alguns de meu amigos até que meu celular descarregou então pego meu carregado que estava na mala e boto na tomada ao lado da minha cama.

Já tinha se passado algumas horas então eu desço para esperar Clara.

Phoebe

Estava limpando as janelas da cozinha até que ouço vozes dizendo.

''Nossa que garota feia''  'Verdade nunca vai namorar''  ''desengonçada e é bem estranha''

Quando olho para elas vejo as três, tinham cabelos loiros usavam uma sai azul longa com uma blusa marela e sapatilhas pretas e eu não chegava aos pés delas então meus olhos começam a ficar embaçado por causa das lagrimas então saio dali correndo não podia mostra minha tristeza para elas, pois ela oque elas queriam.

Vou correndo para o banheiro então entro dentro dele e bato aporta e entro dentro de qualquer um e fecho aporta, lagrimas corriam pelos meus olhos aquelas garotas tinham razão de tudo, eu nunca iria arrumar ninguém eu sou feia e estranha e tudo mas.

Minha vida se resumia assim, mas eu não podia ficar chorando aqui me levanto da tampa do vaso e saio dali me olho no espelho e minha maquiagem estava borrada lavo meu rosto então saio dali de dentro.

Max

Estava esperando Clara chegar, estava demorando um pouco mas vejo um carro preto então vou até ele. Ele para então ela abre o vidro da janela e eu digo: -Finalmente.

-Nem demorei.

-Pow, imagina se fosse rápido.

-Tá bom, eu demorei mas oque importa é que estou aqui.

-Claro.

-Sergio, tire as malas do porta malas.

Ela desce do carro e então nos beijamos por alguns segundo e nos separamos por causa da falta de ar então eu vou olho para o porta mas e me assusto eram 6 malas.

-Nossa amor, para que tanta mala assim?

-Eu ia trazer mais, só que não coube então trouxe essas.

-Imagina se coubesse.

-Vai ficar aí falando ou vai chamar alguém para levar as malas.

-Amor eu não vi nenhum funcionário aqui quando desci.

-Como assim, tem que ter pelo menos um né.

Olhamos em volta até que ela vê uma pessoas.

-Olha lá achei. Ou vem aqui.

Diz ela quando a pessoa olha.

A pessoa vinha rápido e cada passo que ela dava parecia que conhecia até que ela chegou em nos então era ela a garota que levou minhas mala.

-Olá, oque posso ajudar?

-Leve minhas malas para o quarto dele, e rápido.

-Essas malas?

-Sim. Amor vou indo na frente.

-Tudo bem.

Nos beijamos. Então ela sai e Sergio sobe no carro e da partida.

-Qual seu nome? Pergunto a ela.

-Phoebe! Eo seu?

-Max. Posso te ajudar?

-Melhor não, meu chefe pode ver.

-Eu vi ele saindo de carro, e são muitas malas e podemos dividir 3 pra cada.

-Não sei, não!

-Confia em mim.

-Tudo bem.

Então dividimos as malas ele pegou 3 e eu 3 também então fomos para o hotel e chegando lá dentro ele foi na direção ao elevador e eu fui em direção as escadas ele me chamou.

-Aonde você vai?

-Subir as escadas.

-Porque seu chefe saiu, pode vim.

-Tem certeza?

-Claro.

Dou meio volta e entro no elevador.

Clara

Já tinha chego no quarto de Max, não era lá essas coisas mas dava para fazer meu plano ali. Eu iria dar um jantar cheio de coisas gostosas e muitas bebidas e quando ele estiver totalmente bêbado eu faço ele assina um papel no qual ele passe toda sua fortuna para mim e aí eu poderei termina com ele e ficar com meu namorado Lucas.

Esse Max era um trouxa mesmo, acha que eu gosto dele ele e gostoso, lindo e tudo mas mas não chegava aos pés de Lucas.

Me jogo na cama e começo a rir.

No elevador

Estávamos dentro do elevador o silencio tomava conta ninguém falava com ninguém e foi bem rápido a porta se abre e quando vamos pegar as malas nossos rostos ficaram bem juntos eu sentia respiração dele olho no olho e quase nos beijamos mas eu sai do elevador.

-Vamos?

-Claro.

Então fomos para a porta do seu quarto e chegando lá ele abre a porta e diz: Obrigado!

-Só fiz meu trabalho.

Então ele boto as malas dentro do quarto e fecha a porta. Como ele avia falado que eu chefe avia saído eu resolvi descer pelo elevador então chamo o elevador e quando ele chega entro dentro dele e boto pra descer.

Estava tudo tranquilo, nunca avia andado de elevador antes dava um frio na barriga mas era legal. A porta se abre e quando vou sair bato numa pessoa e quando olho para cima era ele.

-Oque você pensa que está fazendo?

//

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


E aí


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...